Quarta-feira, 11 de Dezembro de 2013

Adeus Mestre Nadir Afonso!

 

As notícias da manhã de hoje surpreenderam-nos com a morte do Mestre Nadir Afonso. Um momento de pesar para a família e para a cidade de Chaves, que o Mestre Nadir sempre honrou com o seu ser flaviense, e honrará para todo o sempre com a vasta obra que nos deixa. O corpo de Nadir Afonso está de partida mas o seu ser, a sua obra e arte,  estará sempre presente entre nós.

 

 

 

Em jeito de repositório deixo aqui os post´s publicados neste blog em 13.Out.2008, em mais uma singela homenagem ao mestre, com um pouco da sua vida e obra. 





 

 

 

Inicio aqui no blog uma nova rubrica que será dedicada aos nossos ilustres flavienses e, se para começar esta rubrica a escolha do ilustre foi fácil, pois é sem dúvida alguma um dos maiores ilustres flavienses de sempre, um artista cuja arte lhe é reconhecida nacional e internacionalmente, mas também um flaviense desde o seu nascimento e que, tenho a certeza disso, sempre teve Chaves no coração. Um nome maior que Chaves se orgulha de ter entre os seus flavienses. Escolha fácil de ilustre para abrir esta rubrica, mas um nome difícil para começar, pois tudo que eu disser por aqui a seu respeito, pela certa que ficará muito aquém de tudo que há para dizer do ilustre flaviense Nadir Afonso Rodrigues, será apenas um resumo da vida e arte do Mestre Nadir, um pouco do que consta em tudo que foi dito ao seu respeito, de alguns artigos escritos em jornais nacionais, em revistas da especialidade mas também em muitos sítios onde o Mestre consta na Internet e nas suas páginas e blogues, em especial no blog espacillimité de autoria do Mestre e da sua mulher Laura Afonso.

 

 

 

Vou então tentar deixar por aqui um pouco desse grande ilustre flaviense, o Mestre Nadir Afonso.

 

Segundo filho do poeta Artur Maria Afonso e de sua mulher, Palmira Rodrigues Afonso, Nadir nasce na Rua dos Codeçais, em Chaves, a 4 de Dezembro de 1920. O nome, pouco vulgar, deve-o a um encontro acidental. «O meu pai pega em mim e leva-me ao Registo Civil, no centro da cidade. No caminho, encontra um cigano amigo dele. ‘Então Artur, onde vais?’. ‘Vou ali registar o meu filho’. ‘E que nome vais pôr ao rapaz?’. ‘Orlando’. ‘Orlando?! Muito Orlando há-de ser ele! Põe-lhe antes Nadir’. O meu pai lá pensou que o homem tinha razão, chegou ao registo e pôs-me ‘Nadir Afonso Rodrigues’».

 

 

Nadir Afonso com 1 ano de idade

 

Quando Nadir tinha um ano de idade a família mudou-se para a Rua Cândido Sotto Mayor (em tempos Rua da Madalena). O palco das brincadeiras de infância de Nadir estendia-se da Galinheira ao Jardim Público. Aos 12 anos, a família instala-se na antiga Rua da Cadeia, (actual Rua do Bispo Idácio) bem no coração da cidade, onde faria os seus estudos Liceais.

 

 

Nadir Afonso (de pé) com irmão Lereno

 

Entre a infância e a adolescência, aplicou-se em «copiar» o mais fielmente que conseguia as formas da natureza, até tomar consciência de que «a obra de arte não estava na representação dos objectos». «Por volta dos 17 ou 18 anos, pus-me a pensar que tinha de haver mais alguma coisa. E pensei, na minha ingénua idade, que a alma, o espírito do artista, também era expresso». Mais tarde, chegou à conclusão contrária. «Como fui sempre muito coca-bichinhos, comecei a magicar que não era a alma, que tinha de haver leis. Depois de muito trabalhar e ‘cocar’, percebi que as leis eram as da geometria: as do quadrado, do círculo, do triângulo».

 

 

Nadir Afonso - O estudante do Liceu de Chaves

 

Despertava já nos seus primeiros anos de idade a arte que trazia no seu interior. Depois de concluir o liceu em Chaves, Nadir ruma à Escola Superior de Belas-Artes do Porto. Tem 18 anos e está decidido a fazer-se pintor, mas falta-lhe aprender que o caminho para a realização pessoal não se percorre em linha recta. Nesse tempo, embora os cursos de arquitectura e de pintura sejam ministrados no mesmo estabelecimento, há entre eles uma diferença abissal: para ingressar no primeiro, é necessário o curso dos liceus; para frequentar o segundo, a instrução primária é quanto basta.

 

Escadas do Antigo Hotel Flávia (Junto ao Jardim Público)

Esq./Dir

Em primeiro Plano Lereno, Nadir Afonso e filho do Dr. José Lino

Em segundo plano Artur Maria Afonso (Pai de Nadir), Pão Alvo (Propr. do Hotel) e Dr. José Lino

em 3º plano - hóspedes do Hotel

 

 

Alheio a tudo isso, o candidato apresenta-se na escola, num dia de Setembro, para fazer a inscrição. «Levava na mão o requerimento dirigido ao director: ‘Eu, fulano de tal, venho respeitosamente requerer a V. Exa. que se digne a aceitar-me como aluno de pintura’. À entrada estava um funcionário sentado a dormitar. Perguntei-lhe onde era a secretaria e ele puxa-me do requerimento, lê-o e diz-me: ‘Ó homem, então você tem o curso dos liceus e vem inscrever-se em pintura? A pintura não alimenta o seu homem. Inscreva-se em arquitectura’. Aquilo meteu-se em mim e eu, cobardemente, porque o funcionário me tinha assustado, vim cá fora, rasguei o requerimento, e fiz outro: ‘Eu, fulano de tal, venho respeitosamente requerer a V. Exa. que se digne e aceitar-me como aluno de arquitectura’».

 

 

Nadir Afonso - Cerâmica de Chaves - 1939

 

Mesmo depois de trocado o cavalete pelo estirador, Nadir não deixa nunca de pintar. Em Abril de 1946, na ressaca da Segunda Guerra Mundial e quando lhe falta ainda defender a tese de fim de curso (só o fará dois anos mais tarde), parte para Paris. À chegada, instala-se no Quartier Latin, consegue uma bolsa de estudo do Governo francês, inscreve-se no curso de pintura da École des Beaux-Arts e mergulha de cabeça na vertigem da arte mas também da vida. Eram tempos difíceis de um pós guerra que deixou toda a Europa destruída e Nadir sozinho em Paris com alma de artista, um principiante com umas telas debaixo do braço que os velhos pintores de Paris viam sem olhar.

 

 

Desmoralizado, a arquitectura volta a impor-se e Nadir começa a pensar em formas de «ganhar uns dinheiros» e de artista, passa a arquitecto, eu diria mesmo arquitecto-emigrante «A ideia que me veio à cabeça foi trabalhar com Le Corbusier, uma vez que já tinha tido contacto com a obra dele nas Belas_artes do Porto. Procurei o endereço dele, 35, Rue de Sèvres, e lá fui eu». Mesmo sem diploma, consegue ser recebido pelo arquitecto-chefe do ateliê, André Wogenscky, de quem viria a tornar-se amigo para vida. Começa a trabalhar no dia seguinte. Foi um dos primeiros colaboradores de Corbusier, o Mestre, também ele artista, permite que Nadir dedique as manhãs à pintura sem lhe descontar no ordenado. Durante algum tempo, serve-se do ateliê do célebre pintor cubista francês Fernand Léger (1881-1955). Mas «o afastamento em que se vive nos grandes meios de arte» levam-no a uma encruzilhada.

 

Nadir Afonso - Finalista de Liceu

De pé (Esq./Dir) Augusto Russel, Luís Adão Aguiar, Amílcar Nunes, Acácio Sílvio

Sentados (Esq./Dir) Nadir Afonso, António Mariz e David Ferreira

 

 

Ao receber a visita de um grupo de brasileiros luso-descendentes, é incentivado por Manuel Machado, colaborador de Oscar Niemeyer, a partir para o Rio de Janeiro.

 

A 14 de Dezembro de 1951, embarca para o Brasil e inicia uma colaboração de três anos com o criador de Brasília. «Niemeyer é, como Corbusier, um génio, mas, ao contrário deste, tinha um trato menos polido para com os colaboradores. Tinha bom carácter, mas exaltava-se facilmente e era bastante espirra-canivetes, muito impulsivo» desabafava assim o Mestre Nadir para uma estrevista no semanário SOL.

 

Nadir Afonso - O Arquitecto

 

O sufoco de uma vida dupla, dividida entre os constrangimentos da arquitectura e a obsessão da pintura, há-de durar até 1965. Só então abandona de vez o estirador para se dedicar em exclusivo à sua obra plástica e teórica (escreve mais de uma dezena de livros).

 

Nadir Afonso - No Brasil

 

Mesmo assim ficou o registo na colaboração com alguns nomes grandes da arquitectura mundial e ainda a sua assinatura em algumas obras de arquitectura de sua autoria, algumas em Chaves, como é o caso da Panificadora.

 

Nadir Afonso - O Filósofo e Pensador

 

Mas como dizia Vladimiro Nunes, “A Quadratura do Círculo”, num texto publicado no SOL : « Arquitecto acidental, trabalhou com Le Corbusier e Niemeyer, mas o nome de Nadir Afonso fez-se nas telas »

 

 

Com 87 anos, Nadir Afonso conquistou há muito um estatuto especial na arte portuguesa.

 

Ao abstraccionismo geométrico tem dedicado toda a sua obra. A casa espaçosa onde vive e trabalha, em Cascais, está repleta de telas, guaches e escritos teóricos. Os muitos livros que escreveu, resume-osnesta frase: «A perfeição, a originalidade, a evocação, todas essas qualidades naturais nos emocionam, mas são subjectivas. A quarta qualidade, a ‘morfometria’, a matemática, a pura harmonia das formas, é imutável e realça as outras qualidades. Aí é que está a arte». Ao contrário do que se possa pensar, afirma Nadir, o rigor não exclui o sentimento. «A geometria é um espectáculo de exactidão, mas também é muito emocionante. Quando estou triste, não vejo televisão. Pego num círculo e começo a olhar-lhe para o centro. Ou a harmonizar um quadrado com um círculo. Isso consola-me e acalma-me».

 

 

Telas pintadas pelo Mestre Nadir Afonso ao longo da sua vida de artista, não lhe conheço o número, são pela certa umas largas centenas delas, mas a sua arte não se resume à tela, pois é também artista de grande murais como no caso do metropolitano de Lisboa, autor do logótipo da cidade de Chaves e de muita obra Teórica e Filosófica que bem debitando em livro desde 1958 até aos dias de hoje:

 

Teoria e Filosofia;

  • 1958 La Sensibilité Plastique (Fr), Presses du Temps Présent, Paris
  • 1970 Les Mécanismes de la Création Artistique (Fr/En/Ge), Éditions du Griffon, Neuchâtel, Switzerland
  • 1974 Aesthetic Synthesis (En), Ed. Galeria Alvarez, Porto, Collab. Selected Artists Galleries, New York. No ISBN
  • 1983 Le Sens de l´Art (Fr), Imprensa Nacional, Lisbon. Print run: 2,750 + 250 with a numbered and signed serigraph. No ISBN. Translated in 1999 as O Sentido da Arte, Livros Horizonte, Lisbon. ISBN 9789722410547
  • 2000 Universo e o Pensamento, Colecção Obras Clássicas da Literatura Portuguesa, Livros Horizonte, Lisbon. ISBN 9789722410946
  • 2002 Sobre a Vida e Sobre a Obra de Van Gogh, Chaves Ferreira Publicações, Lisbon. Print run: 980, numbered and signed. Best art book of the 2003 Frankfurt Book Fair. ISBN 9789729402814
  • 2003 O Fascínio das Cidades, Câmara Municipal de Cascais, Cascais. ISBN 9789729815356
  • 2003 Da Intuição Artística ao Raciocínio Estético, Chaves Ferreira Publicações, Lisbon. Print run: 980, numbered and signed by the author. ISBN 9789729402920
  • 2005 As Artes: Erradas Crenças e Falsas Críticas/The Arts: Erroneous Beliefs and False Criticisms (Po/En), Chaves Ferreira Publicações, Lisbon. Numbered and signed by the author. ISBN 9789729402999
  • 2008 Nadir Face a Face com Einstein/ Nadir Face to Face with Einstein,Chaves Ferreira Publicações, Lisbon. ISBN 9789728987114

 

 

Monografias;

  • 1968 Guedes, Fernando. Nadir Afonso, Editorial Verbo, Lisbon
  • 1986 Nadir Afonso (Po/En/Fr), Colecção Arte Contemporânea, Livraria Bertrand, Lisbon. Print run included 200 numbered and signed copies, with a serigraph. ISBN 9789722500623
  • 1990 Da Vida à Obra de Nadir Afonso, Livraria Bertrand, Lisbon. Print run included 250 numbered and signed copies, with a serigraph. ISBN 9789722505416
  • 1994 Nadir Afonso, Bial, Porto. No ISBN
  • 1998 Nadir Afonso, Livros Horizonte, Lisbon. ISBN 9789722410415
  • 1999 Obra Gravada, Edições Coelho Dias. ISBN 9789729744416
  • 2000 O Porto de Nadir, Edições Coelho Dias, Porto. ISBN 9789729744440
  • 2008 Nadir Afonso: O Futuro Renascimento, Dinalivro, Lisboa. ISBN 9789725765012
  • 1958 - La Sensibilité Plastique, Press du Temps Present, Paris
  • 1970 - Les Mecanismes de la CréationArtistique, Editions du Griffon, Neuchatel, Suíça
  • 1974 - Aesthetic Synthesis, Ed- Alvarez-Colab- Selected Artists Galleries de Nova Iorque
  • 1983 - Le Sens de l´Art, Imprensa Nacional
  • 1986 - Monografia Nadir Afonso, Bertrand,Lisboa
  • 1990 - Da Vida à Obra de Nadir Afonso, Bertrand
  • 1994 - Monografia Nadir Afonso, Bial, Porto-
  • 1998 - Monografia Nadir Afonso, Livros Horizonte
  • 1999 - O Sentido da Arte, Livros Horizonte
  • 2000 - Universo e o Pensamento, Livros Horizonte
  • 2002 - Nadir Afonso - Sobre a vida e sobre a obra de Van Gogh, Chaves Ferreira Publicações, Lisboa
  • 2003 - O Fascínio das cidades, Câmara Municipal de Cascais
  • 2003 - Da intuição artística ao raciocínio estético, Chaves Ferreira Publicações, Lisboa
  • 2005 - Erradas Crenças e Falsas Críticas, Chaves Ferreira Publicações, Lisboa.

 

 

E sobre o Mestre Nadir Afonso, teria aqui tema para encher páginas e páginas deste blog, mas vamos em jeito de resumo deixar por aqui o essencial sobre o Mestre:

 

 

O Essencial sobre o Mestre Nadir Afonso

 

Uma vivência cosmopolita associada a uma grande capacidade de reflexão levou Nadir Afonso a encontrar, através da geometria, o caminho que o conduziu à compreensão da obra de Arte. Segundo a estética de Nadir, são as leis da natureza que, na sua essência, informam a obra de Arte: leis de perfeição, evocação, originalidade e harmonia.

 

A obra pictórica de Nadir Afonso prima pela pessoalidade: a obra identifica o artista. A sua produção teórica comporta temas tratados de forma inédita, que visam elevar a arte ao nível do raciocínio. Na prática, a obra estética poderá lançar as bases que conduzam ao melhor entendimento e à racionalização da obra de arte.

 

.

 

Após a conclusão dos estudos no Porto, a ânsia de mais conhecimento levou Nadir a partir para Paris. Aí, no pós-guerra, viveu um ambiente de euforia, tendo colaborado com o arquitecto Le Corbusier, frequentado a École des Beaux-Arts, o atelier de Fernand Léger e estabelecido amizade com os pintores Herbin e Vasarely. A colaboração com o arquitecto Óscar Niemeyer verificou-se durante a estadia no Rio de Janeiro e S. Paulo, onde participou na execução do projecto do IV Centenário da Cidade de S. Paulo.

 

Regressado a Paris, alternou períodos de trabalho de arquitectura, com períodos dedicados à investigação estética, estando a pintura sempre presente. A sua primeira grande exposição realizou-se na Maison des Beaux-Arts,  em Paris. 

       

 

Uma situação económica menos adversa trouxe-lhe então a estabilidade necessária para se dedicar completamente à obra. No isolamento, longe das convenções sociais, Nadir Afonso leva uma vida simples, desenvolvendo nesse recolhimento o seu trabalho com apaixonada dedicação, o que lhe proporcionou a formulação de uma teoria estético-filosófica muito própria. O filósofo e professor Nassin Nicholas Taleb afirma que, actualmente, o homem não tem tempo para pensar. Ora, a fim de ter tempo para pensar, Nadir enveredou pelo isolamento. Como diria Henry Ford, pensar é o trabalho mais difícil que existe.

               

Nadir, apesar de não se sentir arquitecto, não renega nem tão pouco se envergonha da sua obra de arquitecto. A tese de Nadir, intitulada «A Arquitectura não é uma Arte», foi realizada a partir do projecto de uma indústria têxtil, em Saint-Dié, França, elaborado no atelier de Le Corbusier. A necessidade de a arquitectura responder a uma função, aliada à necessidade de trabalhar em equipa, não se coadunou com o seu temperamento de artista solitário. A consciência da sua incapacidade de lidar com organismos oficiais, clientes, engenheiros, construtores e outras restrições, a insatisfação criativa que a arquitectura exige, levaram-no a abandonar uma actividade que funcionou como meio de sustentação económica até 1965.

 

 

Nadir Afonso encara a pintura como uma necessidade interior de criação, sendo todos os seus esforços direccionados para a compreensão e explicação racional da arte dos mecanismos da criação artística. O longo caminho estético percorrido desde a sua infância e juventude, onde predominava a representação do real, passando pelo surrealismo, geometrismo e pelos diversos períodos que atravessou até à actualidade, conduziu o artista à convicção da existência de uma lei na arte, a que deu o nome de morfometria.  

               

Ao procurar a compreensão da criação artística, Nadir Afonso definiu as qualidades que o conduziram ao princípio de que a obra de arte é regida por leis de natureza geométrica. Partindo de exemplos palpáveis, foi progressivamente elaborando uma filosofia estética. Ao seu primeiro estudo, La Sensibilité Plastique, outros mais elaborados se seguiram.

 

 

Em Les Mécanismes de la Création Artístique, Nadir alicerçou os fundamentos teóricos da sua estética. EmO Sentido da Arte estabeleceu a preexistência das leis através das condições de existência, analisando nesse estudo os erros da percepção e tratando o objecto geométrico como fonte de harmonia que concede especificidade à obra de Arte. 

               

Considerando que as leis da geometria estão presentes em todo o Universo e partindo do princípio que as leis que regem a obra de arte são as mesmas que regem o Universo, Nadir deu corpo à concretização desta teoria, expressa nos livros Universo e o Pensamento e Nadir Face a Face com Einstein. Por outro lado, contestou normas da física relativista, como a velocidade da luz, propondo o entendimento do tempo como uma relação matemática entre espaço e movimento.

 

 

 No ensaio Sobre a Vida e sobre a Obra de Van Gogh, Nadir analisa a obra de Van Gogh, apontando a sua condição de artista com carências económicas e a indiferença do público como factores condicionantes da sua obra.

        

Para Nadir Afonso, a realização da obra de Arte não é encarada como fruto de um rasgo espontâneo de génio criador, nem como expressão da alma do artista, sendo vista como consequência de um trabalho árduo e perseverante em que só a contemplação aturada da obra é indiciadora da natureza geométrica da Arte e reveladora de possíveis erros de composição.

               

A originalidade da obra pictórica de Nadir, as suas composições inconfundíveis, a forma reflectida como as suas ideias são expostas e a independência de espírito são as características mais marcantes do trabalho de Nadir Afonso, às quais se aliam uma grande capacidade de pensar e desenvolver raciocínios.  Com Nadir Afonso estamos perante uma teoria estética que refuta a subjectividade, a linguagem da alma, e proclama a racionalização da Arte, pretendendo demonstrar que atributos como o conceito de "belo" e "beleza" são vagos e nada definem.

         

Nadir Afonso - Logótipo da Cidade de Chaves

 

A investigação estética de Nadir Afonso mostra-nos como, a partir de composições simples com formas elementares da geometria, se criam tensões matemáticas que chamam a si outras formas, as quais funcionam por sua vez como pedra de fecho da composição.

       

Aos 87 anos, apesar de o seu estado de saúde estar debilitado, Nadir Afonso continua a trabalhar com perseverança.

 

Não há qualquer dúvida que o Mestre Nadir Afonso é um dos maiores ilustres flavienses de todos os tempos da nossa milenar história flaviense. Um nome maior no campo da arte nacional e internacional.

 

Nacionalmente a sua arte já desde há muito é reconhecida e prova disso mesmo é uma recente edição de selos com algumas das suas obras, os murais em estações do metropolitano e as inúmeras e importantes exposições nacionais e internacionais para que é convidado.

 

Nadir Afonso - Metropolitano

 

Também a cidade de Chaves lhe dedicado algumas homenagens de reconhecimento quer com o nome de uma rua, o nome de um agrupamento de escolas e de uma escola, com uma sala com o seu nome no Museu da Região Flaviense onde estão expostas permanentemente algumas das suas obras.

 

 

Também Boticas recentemente se associou a esta homenagem, com uma exposição de telas suas em grande formato e com o anúncio de um Centro de Artes com o nome do Mestre onde suponho também constará alguma da sua obra e da sua história, mas falta fazer-lhe a homenagem maior, que este nome maior merece: A construção da Fundação Nadir Afonso em Chaves. Já existe o local, a maqueta já é conhecida de todos, falta mesmo é a sua construção e esse local de reunião de toda a arte e história do Mestre, a sua abertura à cidade de Chaves e a quem nos visita. A cidade de Chaves deve isso ao Mestre Nadir Afonso.

 

Nadir Afonso - Com a cidade de Chaves aos seus pés

 

Páginas e blogues de visita obrigatória do Mestre Nadir Afonso:


http://espacillimite.blogs.sapo.pt

http://nadirdechaves.blogs.sapo.pt/

http://www.nadirafonso.com/

http://www.nadirafonso.pt/

http://en.wikipedia.org/wiki/Nadir_Afonso

http://en.wikipedia.org/wiki/Nadir_Afonso_artworks

http://pt.wikipedia.org/wiki/Nadir_Afonso

 

entre muitos outros…

 

 

 

 

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 13:30
link do post | comentar | favorito (1)
|  O que é?
1 comentário:
De Lamartine Dias a 13 de Dezembro de 2013 às 15:57
Parabéns por este fantástico resumo da vida e obra do nosso grande contemporâneo que nos deixou!!


Comentar post

.Fotos Fer.Ribeiro - Flickr

frproart's most interesting photos on Flickriver

.meu mail: blogchavesolhares@gmail.com

.Julho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9


27
28
29

30
31


.pesquisar

 
ouvir-radioClique no rádio para sintonizar

 

 

El Tiempo en Chaves

.Facebook

Fernando Ribeiro

Cria o teu cartão de visita Instagram

.subscrever feeds

.favorito

. Abobeleira em três imagen...

. Solar da família Montalvã...

.posts recentes

. Cidade de Chaves - Jardin...

. Ocasionais

. Chaves - Um olhar sobre o...

. Chaves D'Aurora

. Quem conta um ponto...

. De regresso à cidade

. O Barroso aqui tão perto ...

. Carregal - Chaves - Portu...

. Um olhar sobre a cidade, ...

. O Factor Humano

. Where’s Wally? ou a força...

. Ocasionais

. Mais um olhar sobre a nos...

. Têm costas e espreitam...

. Chaves D'Aurora

blogs SAPO

.Blog Chaves no Facebook

.Veja aqui o:

capa-livro-p-blog blog-logo

.Olhares de sempre

.links

.tags

. todas as tags

.arquivos

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

Add to Technorati Favorites