Quinta-feira, 15 de Março de 2007

Chaves e a Lenda de Maria Mantela

.

Sem dúvida que a história é importante para melhor sabermos quem somos, mas a nossa vida e o nosso ser também é contado em estórias e até em lendas. No dia 24 de Junho deste ano, e por estar relacionada com a data, trouxe-vos aqui a Lenda da Moura da Ponte de Chaves. Hoje e porque também está relacionada com a imagem publicada das Poldras, deixo-vos com a Lenda de Maria Mantela.

 

Lenda de Maria Mantela

 

Morava Maria Mantela com seu marido Fernão Gralho, numa casa da Rua da Misericórdia, nas proximidades da Igreja Matriz. Era um casal abastado, que vivia dos rendimentos, podendo assim Fernão Gralho entregar-se à caça de quando em vez, seu prazer favorito. Um dia, achando-se Maria Mantela grávida, passeava com o marido nos arredores da vila, quando foi abordada por uma mulher pobre com dois filhos gémeos abraçados ao peito, implorando lacrimosa uma esmola para minorar a sua miséria e a das suas criancinhas. Dela se compadeceu o marido que generosamente a socorreu. A sua mulher, pelo contrário, tratou-a duramente, colocando em dúvida a sua honestidade, por não compreender que, mulher de um só homem, pudesse de uma só vez gerar mais que um filho. A mendiga, sentindo-se injuriada, respondeu-lhe fazendo votos de que Maria Mantela não fosse castigada pelo que acabava de dizer, já que também estava grávida. Esta mensagem ficou sempre no espírito de Maria Mantela e uma certa sensação de remorso angustiava-a diariamente.

 

Quando Maria Mantela deu à luz, encontrava-se o marido ausente, numa das suas caçadas. E do parto, para surpresa dela, nasceram sete gémeos, todos gerados ao mesmo tempo, apesar de ela ser fiel ao marido. Ficou tão aflita lembrando-se do que tinha pensado e dito à mãe dos gémeos que não teve coragem de apresentar ao marido os sete filhos, pelo que ele poderia pensar dela. No seu estado de aflição e loucura, encarregou a ama da casa que lançasse ao rio Tâmega seis dos recém nascidos, deixando ficar somente o que lhe parecesse mais robusto e bem constituído. A ama saiu, ao cair da tarde, para cumprir a missão, levando num cesto coberto os seis gémeos e preparava-se, a meio das Poldras, para lançar na forte corrente do rio os pequenos inocentes, quando avistou o Fernão Gralho que a observava da margem do rio. Veio ao seu encontro e inquiriu-a sobre o que fazia com aquele cesto, naquele local. A mulher procurou uma desculpa dizendo que a cadela tivera sete cachorrinhos e que ela vinha afogar seis, ficando em casa o de melhor raça. Porém o Gralho, pediu para os ver e então deparou com os seis meninos. Fernão Gralho, como homem compassivo que era, compreendeu a loucura da esposa que estivera a ponto de cometer um crime que a acompanharia toda a vida e perdoou-a desde logo. Tomou conta do cesto e ordenou à criada que fosse para casa participar o cumprimento das ordens que a senhora lhe dera, guardando segredo sobre a entrega dos recém nascidos. E, de seguida deslocou-se a seis aldeias do concelho de Chaves a confiar a outras tantas amas a sua criação.

 

Passaram dez anos sem que Fernão Gralho desse a entender à esposa o segredo que guardava. Para ela era uma tortura o crime que havia cometido com os seus filhos.

 

O dia de ano novo, desse ano que começava, decidiu o Gralho festejá-lo com um lauto banquete, do que informou a mulher pedindo lhe que tratasse de tudo pois tinha seis amigos como convidados. À hora da refeição, quando Maria Mantela se dirigiu à mesa do banquete ficou muda de espanto; é que sentados, não estava só o filho, estavam sete rapazinhos todos iguais em feições e vestuário, de tal forma que ela não sabia dizer qual era o que ela tinha criado. O marido então esclareceu todos os acontecimentos acalmando enfim o sofrimento daquela alma tão longamente angustiada.

 

Os sete gémeos, diz ainda a lenda. Tornaram-se sete padres, paroquiando sete igrejas que fundaram com a invocação de Santa Maria. São elas a Igreja de Santa Maria de Moreiras, Santa Leocádia, Santa Maria de Calvão, o mosteiro de Oso já desaparecido e metade da Igreja Matriz de Chaves, Santa Maria de Émeres no concelho de Valpaços e São Miguel de Vilar de Perdizes do concelho de Montalegre. Na Igreja de Santa Maria Maior de Chaves. junto ao altar mor, em tempos passados existia um epitáfio, testemunho real da fundamentação da lenda e que dizia: "Aqui jaz Maria Mantela, com seus filhos à roda dela".

 

Esta lenda, teve o privilégio de ser descrita, já em 1634 por D. Rodrigo da Cunha, Arcebispo de Braga e primaz das Espanhas que depois foi nomeado Arcebispo de Lisboa.

 

E para terminar uma pequena nota: Existem algumas variações sobre a lenda da Maria Mantela (o que é natural pois é uma lenda), eu,  das que conheço, optei por esta,  por me parecer a mais completa, no entanto na sua “moral” todas andam à volta do mesmo e apenas há variações em pequenos pormenores.

 

Só a título de curiosidade:  no Jardim do Bacalhau existe uma estátua de uma mulher com um filho ao colo,  de autoria do Mestre Teixeira Lopes, que pretendia ser uma homenagem às “Mães” em geral. Mas desde o inicio que a voz do povo diz ser a estátua de Maria Mantela. Então e para manter a tradição do jardim que tem o nome que não tem,  porque não a estátua ficar com o nome de quem não é!? O povo é que sabe!

 

 

Lendas e maravilhas de Chaves, entre as quais também estão as poldras. E as suas maravilhas de Chaves quais são? Se ainda não as escolheu, aproveite e faça-o agora aqui .

 

Quanto às Urgências do Hospital mantém-se o incomodativo silêncio. A vela continua acesa.

 

´
tags: ,
publicado por Fer.Ribeiro às 01:43
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
13 comentários:
De Tupamaro a 15 de Março de 2007 às 13:35
Uma história de encantar .... e Meditar!
Fernão Gralho é um símbolo da generosidade, da hospitalidade e da honradez do transmontano.
Maria Mantela, da Dignidade e fecundidade de Valores das Mulheres Transmontanas.
Por cada Veiga, por cada Lama; por cada Outeiro ou serrania; o Sol, o vento e a chuva suculentam e perfumam a alma das gentes da Alto - Tamegânia!...
Tupamaro


De Dinis Ponteira a 15 de Março de 2007 às 22:22
Magnifica a lenda de maria mantela, magnifico trabalho fernando


De J. Pereira a 16 de Março de 2007 às 00:24
Obrigado Fernando pelo trabalho realizado e o empenho na divulgação das nossas histórias, lendas e mitos. Dá-me ideia que o encontro dos bloguistas até surtiu algum efeito, pois até o Dinis, o homem dos retratos perfeitos já escreve. Vamos continuar assim. Parabéns.


De João Paulo a 17 de Março de 2007 às 13:18
Viva a Maria Mantela
Viva o Teatro

Sempre presente


De fernanda alvarenga a 28 de Abril de 2007 às 19:25
Gostava da saber mais sobre a história de Maria Mantela. A minha mãe, que tem 85 anos lembra-se de quando era menina lhe dizerem que Maria Mantela seria natural de Anelhe e lá viveria quando teve as sete crianças.


De Anónimo a 2 de Novembro de 2007 às 21:58
Maria Mantela não seria natural de Anelhe . Mas os Gralhos tinham ali propriedades, inclusivamente em Souto Velho, que é um lugar daquela freguesia, e onde vivem ainda descendentes directos seus.
Recomendo-lhe o livro do Dr. Francisco Carneiro "Igreja Matriz de Chaves" - se a memória não me atraiçoa. Está disponível na Biblioteca Municipal de Chaves.


De Zito a 21 de Janeiro de 2008 às 00:53
A verdade é que a Lenda sempre me foi transmitida pela minha família como tendo ocorrido em Souto-Velho.
A presença dos Gralhos nesta aldeia é notável. Há um moinho (junto à praia de Vidago) que é chamado o moinho dos Gralhos. Várias propriedades e duas casas desta aldeia têm como referência "dos Gralhos". Ainda há descendentes dos Gralhos nesta aldeia, inclusivé o avô da minha avó paterna tinha o nome Gralho.
Sei que os Gralhos têm raízes em Souto-Velho e há também alguns ramos da família na aldeia de Vale de Gouvinhas (Valpaços). Também é interessante referir que uma rua em Souto-Velho se chama rua da Fontela e termina na entrada de uma das Casas dos Gralhos. Eu pessoalmente julgo que há alguma ligação entre o nome "Fontela" e "Mantela".

Enfim.... lendas têm algum fundo de verdade e esta se tem deve ser em Souto-Velho.


De maria a 30 de Dezembro de 2014 às 12:22
SOU DE VALA DE GOUVINHAS UMA PEQUENINA GRALHO
CHAMO-ME MARIA HA COMENTARIOS BONS E O SEU CASO,TALVEZ AINDA UM PRIMO DISTANTE,MAS HA OUTROS DE MAU GOSTO!!!


De Jeferson a 9 de Dezembro de 2008 às 15:13
"A cadela teve sete filhos, mas ficou apenas com o de melhor raça"... ¬¬ que ofença aos animais.


De maria a 30 de Dezembro de 2014 às 12:24
nao fale de coisas que nao sabe!!!


De Anónimo a 6 de Dezembro de 2015 às 11:16
talvez seja voce nao !!!!!


De Anónimo a 25 de Maio de 2011 às 15:13
nao presta..
| )


De maria a 30 de Dezembro de 2014 às 12:15
NAO FALEM DO QUE NAO SABEM...
QUE A SENHORA DONA MANTELA DESCANSE EM PAZ...


Comentar post

.Fotos Fer.Ribeiro - Flickr

frproart's most interesting photos on Flickriver

.meu mail: blogchavesolhares@gmail.com

.Novembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9


23
24
25

26
27
28
29
30


.pesquisar

 
ouvir-radioClique no rádio para sintonizar

 

 

El Tiempo en Chaves

.Facebook

Fernando Ribeiro

Cria o teu cartão de visita Instagram

.subscrever feeds

.favorito

. Solar da família Montalvã...

.posts recentes

. Chaves, cidade, concelho ...

. Nós, os homens

. Chaves, cidade, concelho ...

. Chaves D'Aurora

. De regresso à cidade

. Quem conta um ponto...

. Pedra de Toque

. Faiões - Chaves - Portuga...

. O Factor Humano

. Fugas

. Chaves, cidade, concelho ...

. Nós, os homens

. O Barroso aqui tão perto ...

. Chaves D'Aurora

. De regresso à cidade... c...

blogs SAPO

.Blog Chaves no Facebook

.Veja aqui o:

capa-livro-p-blog blog-logo

.Olhares de sempre

.links

.tags

. todas as tags

.arquivos

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

Add to Technorati Favorites