12 anos
Segunda-feira, 13 de Agosto de 2007

Chaves e as suas cores

 

.

Já sei que a maioria não deu conta, pois virtualmente estive aqui todos os dias, mas na verdade, nestes primeiros dias de Agosto estive de férias e bem longe deste mundo virtual da Internet. Embora se deixe toda a rotina de um ano para trás das costas e até a própria terrinha, é claro que a levamos connosco no coração e até vamos pensando nela, na sua luz, nos seus cheiros e nas suas cores e dei comigo a pensar nas nossas cores.
 
Muita gente associa o Azul Grená às cores de Chaves e embora não ande muito longe das nossas cores, a nossa cor oficial é o azul e branco, estas sim foram adoptadas como cores oficiais da nossa bandeira e o mais curioso é que Chaves costuma-se orgulhar dos seus antepassados republicanos e até festeja o dia da cidade em comemoração de uma luta entre republicanos e monárquicos e não é que adopta precisamente as cores monárquicas do azul e branco. Curiosas coincidências, mas estou antes em crer, ou melhor quero acreditar que o nosso azul e branco tem mais a ver com o azul e branco galego de que com o monárquico. Outra curiosa coincidência.
 
Por isso meus senhores, as cores da cidade não são o azul e grená – são o azul e branco, o grená do azul foi acrescentado pela bola, ou seja, são as cores do nosso Desportivo de Chaves e aqui, o termo “nosso” merece mais umas palavrinhas.
 
Claro que o clube ou melhor clubes da terra são aqueles que nos representam. Mas nesta história vamos deixar um dos clubes de fora (o Flaviense) e vamos àquele que é mais antigo e mais problemas tem causado à cidade – o Desportivo de Chaves.
 
É certo que o desportivo deu muitas alegrias e ilusões à cidade, umas temporadas na antiga 2ª divisão bem disputadas, o acesso pela primeira vez de um clube transmontano à 1ª Divisão, a disputa da Taça UEFA e por aí fora. Nesse tempo todos nos sentimos orgulhosos do nosso desportivo, mas também foi graças a ele que nesse tempo se cometeram os maiores atentados à cidade de Chaves e todos a médio e longo prazo irremediáveis. Graças ao desportivo houve quem sonhasse mais longe que as nossa possibilidades de uma cidade pequena de província, mas um Benfica, um Sporting e um FCP de três vezes por ano em Chaves e o nome de Chaves nas notícias dos jornais e nos programas da bola na televisão, faziam-nos inchar o ego e fazer vista grossa a outras coisas, mesmo que todos os sonhos e ilusões de um desportivo na 1ª divisão ficassem caídos por terra. Mas isto até são outras histórias e eu hoje quero mesmo é falar do azul-grená.
 
Pois voltando ao tempo primitivo do desportivo e, o blog Chaves Antiga tem sido testemunha disso, o clube era feito com rapazes da terra e um ou outro “gajo” porreiro que vinha de fora e pedia a nacionalidade flaviense. Disputávamos renhidos jogos com Vila Real e outras terriólas aqui à volta. Disputas dentro e fora do campo, mas sempre com jogadores e pessoal da terra. Uma passagem pela terceira divisão que os jogadores da terra (mais os dois ou três “gajos” porreiros de fora) elevaram com dignidade à segunda divisão. Nesta, sempre com o pessoal da terra (e os outros dois ou três), batalhamos em Lourosa, Vizela, veio o povo prá rua, houve porrada e até polícia de choque, e isto ainda no tempo da outra senhora e depois da outra senhora. Chaves mais que território nacional, tornava-se numa ilha esquecida mas que com os seus lutava pelos seus direitos. E era com os seus que a bola se ia fazendo e jogando e tanto lutou e jogou à bola que os seus (mais os dois ou três porreiros) levaram o desportivo à 1ª divisão. Houve foguetes no ar, esgotou a cerveja e restantes bebidas alcoólicas, e claro que foi festa rija toda a noite, festa que Chaves até então nunca tinha tido e que desde então também nunca mais teve.
 
É a partir de sermos primeiros que os problemas começam a vir ao de cima. Começou por tudo se inverter. Os rapazes flaviense da bola que tanto suaram a camisola deram lugar a gente de fora, estrangeiros e outros e ficaram apenas um ou dois “gajos” porreiros que por acaso eram flavienses. Os atentados, em nome da bola, continuaram, mas como já não havia pilim suficiente havia que ir aos cofres do município, ou seja ao nosso bolso só para aparecermos nas notícias e dar bola a meia dúzia de resistentes que aos domingos ainda iam ao stadium e saiam de lá sempre a barafustar.
 
O resto da história é recente e conhecida por todos, talvez seja tempo de além de pôr a bola azul-grená no Tabolado a debitar cerveja fresca para os flavienses, de pôr também e novamente os rapazes da terra a chutar na bola, e não interessa se joga com o Benfica, com o Sporting ou com o Vidago, o Montalegre, o Valpaços ou o Vila Real, o que interessa mesmo é que as camisolas sejam suadas por suor flaviense e que nos contentemos com a nossa condição de uma cidade sim, mas uma cidade pequena e de província, porque a nossa cidade vai muito além da bola e temos coisas muito melhores, mais importantes e interessantes que a bola e o azul-grená, e aliás as nossas cores até são o azul e branco.
 
Não sei se as férias fazem mal ou nos aclaram as ideias e nos destravam a língua, mas é o que sinto, o que eu sinto e, já que o blog é pessoal, permitam-me estes devaneios, ou talvez não!
 
Até amanhã, de novo em Chaves, cidade de província, pequena, mas… até amanhã!
´
tags:
publicado por Fer.Ribeiro às 01:00
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
1 comentário:
De riolivre a 13 de Agosto de 2007 às 16:41
Também eu passei por essa fase de algum fanatismo (controlado, obviamente) pelo Desportivo. Digamos que fui sócio militante durante muitos anos da minha vida (fui um dos cerca de cem maluquinhos que acompanharam a equipa a Craiova) mas, como tudo na vida, também esse amor se foi desvanecendo.
Mas o que interessa aqui é dizer que concordo muito contigo, Fernando. Efectivamente, não tenho qualquer dúvida acerca do factro de a nossa terra ter perdido o comboio do desenvolvimento por via de todas as atenções, estupidamente, se terem virado para a bola, a começar pelos políticos que, aindo hoje, vêem aí um campo onde podem colher muitos dos votos que continuam a levá-los e mesmo a perpetuá-los no poder.
Também nos compete a nós denunciar estas situações aberrantes. O gosto pela bola não pode continuar a levar os nossos conterrâneos a deixar desvirtuar objectivos bem mais importantes para todos,impondo, outrossim, que os dinheiros públkicos deixem de ter aplicações no minimo pouco claras e que, certamente, não trazem, porque nunca trouxeram, qualquer mais valila importante para o município e, sobretudo, para o tão necessário desenvolvimento da nossa Chaves.


Comentar post

.Fotos Fer.Ribeiro - Flickr

frproart's most interesting photos on Flickriver

.meu mail: blogchavesolhares@gmail.com

.Abril 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9


28
29

30


.pesquisar

 
ouvir-radioClique no rádio para sintonizar

 

 

El Tiempo en Chaves

.Facebook

Fernando Ribeiro

Cria o teu cartão de visita Instagram

.subscrever feeds

.favorito

. Abobeleira em três imagen...

. Solar da família Montalvã...

.posts recentes

. Flavienses por outras ter...

. Cartas ao Comendador

. Chaves D'Aurora

. 25 de abril, Sempre!

. O Barroso aqui tão perto ...

. Quem conta um ponto...

. De regresso à cidade - Ru...

. O Barroso aqui tão perto

. Pecados e Picardias

. Assureiras de Baixo - Cha...

. Pedra de Toque

. O factor humano

. Cidade de Chaves - "Arreb...

. Ocasionais

. Momentos da cidade de Cha...

blogs SAPO

.Blog Chaves no Facebook

.Veja aqui o:

capa-livro-p-blog blog-logo

.Olhares de sempre

.links

.tags

. todas as tags

.arquivos

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

Add to Technorati Favorites