Domingo, 31 de Agosto de 2008

Mosaico da Freguesia de Curalha

´
publicado por Fer.Ribeiro às 01:00
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Sábado, 30 de Agosto de 2008

Mosaico da Freguesia de Vilas Boas

´
publicado por Fer.Ribeiro às 01:00
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Sexta-feira, 29 de Agosto de 2008

Discursos Sobre a Cidade - Reencarnación - Por Fe Alvarez

 

.

 

 

Texto de Fe Alvarez

 

 

 

REENCARNACIÓN

 

La culpa fué de  una preposición y es que las traducciones son  muy traicioneras, si por añadidura, la susodicha traducción proviene de otra y esta de otra anterior, cuando llega a nosotros nada nos garantiza que estemos con la verdad entre manos. Me refiero a la resurrección,  nos enseñaron de niños, en el catecismo que después de la muerte y en el fin del  mundo vendría la "Resurrección de la carne" luego leyendo otras tendencias y creencias nos aseveraron que después de pasar del Arameo, al Griego, Latín, Inglés  y de este llegar a los demás idiomas, se perdiera la verdad, esta era "La resurrección en la carne" o sea que de  aquí parte la idea de las vidas sucesivas, la reencarnación, que la Iglesia Católica niega categóricamente. Pero como no tengo nada de teóloga, ni pretendo descubrir nada nuevo pensé. Cómo viviendo allá en los confines de la península Ibérica, teniendo por frontera el Cantábrico, me vine a esta ciudad y aprendiese a amarla? Facil, una reencarnación tras otra me devolvieron a los orígenes.

 

Allá por el  año 722, (ya llovió) el noble godo, Pelayo,  venció a los ocupantes sarracenos, en la batalla (escaramuza) de Covadonga,  cimentando así el Reino de Asturias, que fué  creciendo y ganando  nuevos territorios para la causa cristiana, con Alfonso l, yerno de Pelayo, empieza la verdadera Reconquista, las batallas se sucedian y se aplicaban en esas tierras ganadas, la costumbre de "tierra quemada", es decir, los lugareños eran trasladados a asentamientos más seguros y así dejar al enemigo sin apoyos o provisiones, conseguidas en los pillajes. Naturalmente deduzco, que muchos habitantes del valle emigraron, forzados, por esta política, algunos llegaron a lo que en breves años sería el Reino de Leon, otros se aventuraron mucho mas lejos de este valle, traspasaron los Picos de Europa y con ello lograron, alejarse al máximo de las tierras gobernadas por los moros del Imperio Omeya; recorrido un tiempo y afianzadas las fronteras, hubo descendientes de aquellos desterrados que regresaron y quienes decidieran proseguir y asentarse en aquellas nuevas tierras, bien por gustos, intereses o amores. Como mi familia materna provenía de Leon y la paterna de Asturias y Chaves fué  antes asturiana que portuguesa, románticamente alimento el sueño en el que algún espiritu errante y perdido, con añoranzas seculares decidió volver a sus raices originarias y en "una resurrección en la carne", la niña nacida en el Norte, acunada por las olas, dando  mil vueltas su vida, con el tiempo vino a parar aquí y así navegar en los  montes de Tras os Montes. Muy romántico verdad?  ya pasaran muchos siglos y al espíritu no le fué nada facil la adaptación, la verdad es que los espíritus son  muy suyos. Hoy siento mía, esta ciudad, como cualquier flaviense.

´
publicado por Fer.Ribeiro às 01:00
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Quinta-feira, 28 de Agosto de 2008

Coleccionismo de Temática Flaviense - Calendário

 

Calendário de bolso para o último trimestre de 1990 e para o ano de 1991, editado pela empresa Cromogal.

 

 

´
publicado por blogdaruanove às 02:10
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Quarta-feira, 27 de Agosto de 2008

Chaves Histórica e Monumental - Mosaico

´
publicado por Fer.Ribeiro às 01:00
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Terça-feira, 26 de Agosto de 2008

Os olhares de Oteo sobre a cidade

 

.

 

 

E vamos lá a mais alguns olhares sobre a cidade descoberto no flickr.

 

Hoje ficam alguns olhares de Oteo, pois é este o nick com que assinas as suas fotos na galeria do flick.

 

E que sei de Oteo!? – O costume, ou seja, quase nada, pois pelo exif da foto sei que passou por Chaves em Fevereiro de 2008 e na sua galeria apenas deixa os dados de ser mulher, de Madrid, Espanha.

 

 .

 

.

 

Como curiosidade faz acompanhar as suas fotos de um comentário, dos quais destacava o comentário que faz acompanhar a foto do Pelourinho:  “ Largo do Pelourinho, sobre estas picotas o rollos se exponían los reos y los ajusticiados por la autoridad civil. Durante la conquista de América, el primer acto de fundación de una ciudad consistía en la erección del rollo como símbolo de jurisdicción real y como signo de amenaza cohercitiva.”  e o comentário da foto da antiga casa Machado reza assim: “Edificio abandonado en el centro histórico de Chaves. “ quanto à terceira foto, é o “Castillo de Chaves”, claro!, o nosso actor principal e um dos temas mais fotografado por quem nos visita , graças à sua (ainda) visibilidade alcançada de todo o vale de Chaves, mas também à ausência de um guia, roteiro ou pontos de apoio ao turístico da cidade. Continua-se a descobrir por conta própria, havendo às vezes quem consiga descobrir alguns dos pontos de interesse da cidade. Ainda bem que temos o castelo que dá nas vistas e que através dele há quem parta à descoberta do restante Centro Histórico. Agora menos, pois o terraço continua encerrado para obras.

 

.

 

.

 

Como sempre fica aqui o linck para a galeria no flickr da nossa convidada de hoje: http://www.flickr.com/photos/oteo_74/

 

Amanhã estamos de regresso à cidade com mais um mosaico. Este mês é assim!

 

Até amanhã!

´
publicado por Fer.Ribeiro às 01:00
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Segunda-feira, 25 de Agosto de 2008

Janelas de Chaves (Concelho) - Mosaico

´
publicado por Fer.Ribeiro às 01:00
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Domingo, 24 de Agosto de 2008

Mosaico da Freguesia de Loivos

´
publicado por Fer.Ribeiro às 01:00
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Sábado, 23 de Agosto de 2008

Mosaico da Freguesia de Oura

´
publicado por Fer.Ribeiro às 01:00
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Sexta-feira, 22 de Agosto de 2008

Discursos Sobre a Cidade - "O Pita" - por Gil Santos

 

.

 

Texto de Gil Santos

 

o pita

 

Na taberna do Ti Horácio, ali para os lados das Caldas, paravam todos os que da Brunheiro desciam ao vale para o mercado semanal da quarta-feira. Ali bebiam uns canecos, selavam os negócios, descansavam as montadas e almoçavam a especialidade da casa: um bacalhau com erbanços e batata cozida do Planalto, que regavam com azeite de Brunhais. Entre copos de maduro tinto, aproveitavam para actualizar as novidades: o preço da batata de semente, as sementeiras, as ceifas, as malhadas, enfim o mais das vezes as trivialidades do costume.

 

Por esta altura, as principais tertúlias andavam quase sempre à volta de temas ligados às histórias sobre o malvado Pita, um gatuno das felpas do diabo, cuja acção predadora se fazia sentir na solidão dos caminhos. Tratava-se de uma versão, rafeira, do popular Zé do Telhado, com a diferença que Zés destes, houve em quase todo o norte de Portugal e Pitas só mesmo aquele cujo território de predação era preferencialmente o caminho antiquíssimo que ligava Chaves à vila de Carrazedo Motenegro. Ninguém lhe conhecia o nome próprio ou sabia onde pendurava o pote. Mas a verdade é que este bandido trazia as gentes das aldeias e até mesmo as do arrabalde da cidade verdadeiramente atromelizadas. O Pita assaltava casas, roubava igrejas, violava mulheres, não deixando sossegados aqueles que a cavalo ou a pé faziam os caminhos para a cidade. Então nos dias de feira era uma desgraça. Não se fazia um mercado que não tivesse história: ou que roubara um manhuço de notas a um infeliz que vendeu a junta de bois; ou o capote de gola de raposa a um proprietário rico que regressava à montanha; ou que matara e escochara quem resistisse ao assalto; ou que violara uma mulher que nada tinha que se roubasse; ou que…enfim! Corriam sobre o Pita as mais rocambolescas histórias. Algumas delas teriam o seu fundo de verdade, não o nego, até porque, como soi dizer-se não há fumo sem fogo. No entanto, muitas outras seriam, pela certa, inventadas pelos fantasmas da solidão dos caminhos, ou acrescentadas pela imaginação fértil dos aldeãos, à laia do adágio de que “quem ouve um conto aumenta-lhe um ponto”.

 

Cada vez que atacava fazia-o de cara tapada, à Zorro de Trás-os-Montes, o que fazia com que fervilhasse ainda mais a força imaginativa do Zé Povinho. O local de trabalho do Pita era o caminho onde hoje existe a estrada nacional 314, que conduz de Chaves a Carrazedo, com preferência para o troço entre Lagarelhos e France, ali pelas Voltas das Cabeceiras, uma curvas cerradas que actualmente já não existem. Nesse sítio isolado, os infelizes transeuntes bem podiam berrar a bandeiras despregadas que não havia quem os escuitasse e lhes pudesse valer! O monstro, como aparecia desaparecia, nascendo do nada do meio das touças de carvalho negral esfumava-se por entre as fronças das gestas como a bruma nas manhãs de Primavera. Sempre sozinho, galopava pelas encostas num alazão lustroso desferrado, para que o tropel, no macadame da estrada, não espantasse a caça. Nos alforges da montada transportava o produto mais volumoso dos roubos e a merenda, para além de dois pistolaços de pederneira que usava para pôr os desgraçados em sentido.

 

Com dois metros de altura, a pele tisnada pela agrura da vida dura, olhos esbugalhados como se quisessem libertar-se da ditadura do dono, cara seca e esquálida, barba rija de meses, mãos enormes no fundo de uns braços longos e musculados e um vozeirão de trovoada, emprestavam àquela abantesma uma figura verdadeiramente tenebrosa. Pelas aldeias da montanha, onde as portas nunca se cerraram, trancavam-se agora a sete chaves. E se numa qualquer noite algum vizinho, mais afoito, batesse à porta de outro, era recebido de trabuco aperreado. Havia que se defender a família e o fumeiro que o homem não era para modas. E foram longos os anos que debaixo deste medo viviam as gentes do Brunheiro. A Verdade é que foram raros os que de facto o conheceram e infelizes, porque do encontro quase sempre recordam histórias tristes.

 

Ora, numa bela madrugada de 31 de Outubro, véspera de Todos os Santos e dia em que tem lugar em Chaves a feira anual do gado, que faz parte, desde há séculos, da famosa Feira dos Santos, o Ti Morgado, abastado lavrador de Fornelos, mandou o seu criado, Manel Soqueiro, com uma rica junta de bois galegos para a dita feira, para serem negociados, uma vez que não emparelhavam lá muito bem nos trabalhos da lavoura. Sendo escambras e puxando cada um para seu lado não havia maneira de assucarem lavoura que se visse. O patrão juntar-se-lhes-ia, mais tarde, no toural do Tabolado, uma vez que montado andaria mais ligeiro.

 

Levantou-se e fez a barba com a navalha amaciada numa tira de couro. Partiu duas nozes, foi à caixa dos figos secos e rilhou dois. Para rematar o mata-bicho, botou um copo de cachaça da que faz rosário e que o bagaço de Água Revés fizera óptima naquele ano. Vestiu o capote de gola de raposa, selou o Russo, montou-o na pedra do adro e fez-se à estrada. Passado pouco mais de uma hora estavam vencidos os dezassete quilómetros do caminho até Chaves. Ainda não eram oito e já o Ti Morgado botava uma jeropiga e dois biscoitos na taberna do Horácio. O Cavalo, preso no estacionamento privado daquele estabelecimento, matava o bicho roendo um coleiro de centeio pendurado no seu cachaço.

 

Depois de refeito da jornada e já compostinho, o patrão dirigiu-se ao toiral que, mesmo ali ao lado, já apresentava um aspecto de grande festa. Centenas de juntas de bois e vacas, touros, vitelos e bezerros, cavalos, burros, mulas e machos, ovelhas cabras e cabrões, só faltavam os recos por a feira destes ser, na altura, no Campo da Fonte. Não foi difícil descobrir a sua junta de galegos, entre aquele mar de gente e de cornos. E que dois bois ali se apresentavam! Pareciam estrelas! O marelo, ligeiramente mais corpulento do que o preto, apresentava uns peitos de respeito. Os cornos, raspados no dia anterior por um caco de vidro de uma garrafa partida e aguçados com o serrote da poda, luziam por terem sido untados com um cibo de azeite do de Brunhais, daquele que o Ti Morgado vendia ao Horácio da tasca para que se temperasse o bacalhau. O outro, igualmente musculado era um boi de bom porte. Não tivesse sido capado e certamente teria, naquela altura, o estatuto de boi do povo, reservado para a cobrição, nalguma aldeia barrosã.

 

Junta com tal qualidade teria que chegar às trinta notas! Por menos ninguém os avesava! − Pensava o Ti Morgado fazendo contas de cabeça.

 

Sorrateiramente, como quem não quer a coisa e convém à tradição manhosa do comprador, mostrar-se desinteressado, o Ti Marcolino de Eiteiro Seco, aproximou-se e batendo com a mão na rabada do preto, para lhe apalpar as carnes, perguntou ao Soqueiro:

 

− Atão rapaz, o boi parece que está cansado, vinhesteis de longe?

− Não senhor, vinhemos lá de cima de Fornelos?

 

Os bois estavam jungidos. As sogas, apertadas ao jugo e às molidas, uniam os animais num abraço solidário. Apoiando a mão sobre a molida do marelo, fazia, disfarçadamente, força por lhe abanar a cabeça a fim de testar a força do bicho. Não demorou muito que o animal, cansado da brincadeira, espanasse energicamente os cornos passando-lhe um fininho à testa. Apesar do perigo, o Marcolino não desgostou porque isso lhe mostrava a raça que procurava.

 

− Posso ber-le os dentes? − Perguntou entusiasmado o Marcolino.

− Pode sim senhor.

 

O Homem botou as mãos de vaca aos focinhos do marelo, penetrando o polegar pela fossa esquerda e o máximo pela direita, levantou-lhe ligeiramente a cabeça, arreganhou-lhe os beiços e espreitou. O boi, dificultando a tarefa por lhe ser estranha, esterrincava os dentes de nervoso. Não lhe notando defeito, fez a mesma operação ao preto. Não precisava de mais exames, dependendo do preço concluiu em silêncio que a junta lhe servia.

 

Atão o patrão não está?

− Está, sim senhor – dizia o Manel, mortinho para que o negócio se fizesse e pudesse ir dar uma volta pela feira.

− Oh Ti Morgado, chegue aqui! − Chamou o criado.

 

O amo que conversava encostado a uma aguilhada, fingiu não ter dado por nada, como convinha às manhas do negócio. O criado insistiu agora com a voz mais forte e ele sempre lhe deu atenção.

 

− Atão, há nobidade? − Questionou o amo.

− Oh Ti Morgado, quanto é que vossemecê quer pela junta? – Perguntou Marcolino.

− Por menos de trinta e cinco notas num nos leba?

Porra, entes queria puxar eu ao carro, vossemecê deve estar maluco. Inda por cima a dentadura do preto não está boa. Se visse trinta notas!...

Quando o Ti Morgado ouviu a oferta pensou de si para si que o negócio estava feito.

− Trinta e três! − Respondeu.

Mando-le trinta e é se quer!

− Não, amigo Marcolino, por esse preço tornam para Fornelos.

− Vossemecê é que sabe! − Rematou o comprador.

 

O homem, vendo que o Ti Morgado não caía abaixo das trinta e três notas de cem, utilizou a estratégia de fazer que já não estava interessado e desviou-se.

 

Outros potencias compradores analisaram os bois e apressaram as respectivas propostas, mas nenhum outro mostrou o interesse do Marcolino e nem mandou o que ela mandara. Passado umas boas duas horas e já muito perto da hora de almoço e homem chegou-se de novo e o Ti Morgado filou-o ao longe e fez-se de mula!

 

− O Ti Morgado rapaz? − Perguntou Marcolino.

− Ele anda por aí, eu precuro-o.

Descobrindo-o, passado algum tempo lá o trouxe de novo.

Atão Ti Marcolino, viu fazenda como esta? Não viu pois não?

Bi milhor mas dou-le trinta e duas notas pelos bois!...

− Trinta e duas e meia! − Retorquiu Morgado.

− Trinta e duas, nem mais um testão! − contrapôs Marcolino.

− Está o negócio feito se vossemecê pagar uma bacalhoada ali no Horácio. − Respondeu o patrão.

− Negócio fechado. − Rematou o comprador.

 

O negócio foi selado com os valores, incontestáveis, da época: a palavra, o sinal e um aperto de mão. O Marcolino puxou do bolso um maço de notas de cem, cuspiu nos dedos e contou as dez combinadas para o sinal. As outras vinte e duas entregá-las-ia na próxima feira. Assim se fez.

 

A junta de bois foi entregue ao criado do Marcolino para que fosse levada para casa. O Soqueiro, liberto para a gandaia.

 

Os dois protagonistas do negócio dirigiram-se à tasca, encomendaram a janta e alaparam-se a fazer boquinha com umas azeitonas e umas liscas de presunto que acompanharam com o tinto da casa, enquanto os erbanços coziam.

 

Encheram as ventas!

 

Já não estavam sós quando pelas quatro da tarde rumaram cada um ao seu destino.

 

O Ti Morgado, montado no alazão, tomou a estrada do Raio X e no cruzamento para Valpaços arrouçou para as Telheiras na direcção de Izei. Daí a pouco mais de meia hora estava no Peto de Lagarelhos onde era hábito parar na baiuca do Marranico para matar a sede do caminho. Aí chegado desmontou, prendeu o solípede à argola e enquanto este ruminava umas fronças de tojo bravo que despontavam à borda do caminho, o Ti Morgado entrou. Lá dentro, um grupo de homens, alguns deles já bem aviados, tagarelavam caoticamente, entre risadas estridentes, das tropelias do célebre Pita. O Ti Morgado, que praticamente os conhecia a todos, meteu-se na conversa e bebeu com eles. Quando saía, uma das criaturas, que por acaso não conhecia, dirigiu-lhe a palavra apercebendo-se de que se preparava para abalar.

 

− Oh Ti Morgado… vai p’ra cima?

Bou, bou, quer fazer-me companhia? − respondeu o Morgado, perguntando de novo.

Pronde bai?

Bou p’ra Carrazedo e por í já bou chegar de noute. Posso ir consigo?

− Claro amigo, até fazemos companhia um ao outro e sendo dois sempre estamos mais resguardados do tal Pita. Qual é a sua graça?

− Bem, se lhe disser o meu nome todo vossemecê não acredita… Chamo-me Procópio Fina Tinta Tanissas….

Porra home, o seu padrinho devia estar com uma moca do catano quando lhe escolheu o nome!... Bamos lá Ti Tanissas!

 

Cada um na sua montada e entre conversa de circunstância, não conseguiram evitar o tema do bandido da moda. Subiram a Lagarelhos, desceram ao pontão que vencia a pequena ribeira, um pouco depois do caminho para Maços, subiram às Voltas de Cabeceiras, e chegaram a France. Ali deixaram os cavalos beber no tanque que ainda hoje se encontra à beira da estrada e seguiram para o Carregal. Mais dez minutos para subir o Cabeço e estavam em Fornelos. À mediada que a viagem se foi fazendo a confiança entre os dois desconhecidos foi crescendo ao ponto de o Ti Morgado, ingenuamente, ter contado o negócio dos bois ao companheiro.

 

Anoitecia já quando chegaram à terra natal de Morgado. Apearam-se ambos por mor do Tanissas aceitar um copo na adega do anfitrião.

 

− Oh Marquinhas! − gritou o Morgado do fundo das escaleiras de pedra. − Bota ai dois copos e uma racha de bacalhau p’ra este meu amigo. A criada não tardou com a encomenda.

 

Os copos, como se enchiam assim se escoavam. Com a conversa do costume e o medo de seguir sozinho o resto do caminho, depois de bem bebido, o Fina despediu-se agradecendo a hospitalidade. Já montado no seu cavalo, ditou com voz de sarronco a seguinte sentença:

 

− De hoje em diente, Ti Morgado, pode andar sossegado por estes caminhos. O Pita não lhe fará mal algum, garanto-lho eu!... Sabe, nestas coisas as vozes são sempre mais que as nozes e se o Pita fosse o alma do diabo que pintam, vossemecê já não avesava, no bolso do capote, as dez notas dos bois. Passe muito bem meu amigo!...

 

Não esperando pela resposta, esporeou o cavalo e fez-se apressado ao caminho, estranhamente na direcção contrária ao destino que declarara. Retornou aos lados de Lagarelhos!...

 

O Ti Morgado, com a mão sobre o bolso do capote onde jaziam as dez notas estava tralhado, caía das nuvens!...

 

Aquela noite foi passada em branco. Pudera!... Ele sempre há cada uma!... – Pensava estarrecido, enquanto o sono teimava em não ser amigo!...

´
publicado por Fer.Ribeiro às 01:00
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Quinta-feira, 21 de Agosto de 2008

Coleccionismo de Temática Flaviense - Envelope de 1.º Dia - XIX Séculos

 

O envelope de 1.º dia de circulação, também conhecido pela sua designação em Inglês, FDC (First Day Cover), é um envelope oficial ilustrado emitido pelos correios de cada país para assinalar o primeiro dia de circulação de uma nova série de selos.

 

Apresenta um carimbo especial, alusivo ao evento e normalmente ilustrado, que é aposto apenas nesse dia nas principais cidades do país (em Portugal) e na localidade que possa ter relação directa com o evento.

 

No caso destes envelopes, o carimbo especial foi aposto nas localidades de Chaves, Coimbra, Funchal, Lisboa, Ponta Delgada e Porto. Este exemplar apresenta ainda o carimbo numérico 44, correspondente à estação postal de Chaves.

 

´
publicado por blogdaruanove às 01:57
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Quarta-feira, 20 de Agosto de 2008

Post Extra - Ponte Romana Pedonal

 

.

 

Pensei fazer uma pausa e afastar-me da INTERNET durante pelo menos este mês, pois até os posts já estäo pré-publicados, mas hoje tenho de abrir uma excepçäo e congratular-me com a decisäo da Câmara Municipal e do seu Presidente Joäo Batista em fechar definitivamente a nossa Top Model Ponte Romana ao trânsito automóvel.

 

Já sei que todos iräo cantar vitória neste encerramento da ponte ao trânsito, é o costume, mas o seu a seu dono e da minha parte reconheço e dou os parabéns ao Presidente da Câmara Dr. Joäo Batista por ter seguido o bom senso e ter ousado tal decisäo (que adivinho näo ter sido fácil). A cidade e principalmente a Ponte Romana, ficar-lhe-äo eternamente agradecidos e contra ventos e marés, será o seu nome que ficará na história da Ponte como o Presidente que ousou retirar-lhe o trânsito automóvel de cima. Da minha parte deixo aqui os sinceros parabéns à Câmara Municipal e ao seu Presidente Dr. Joäo Batista.

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 16:52
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|  O que é?

Chaves, um concelho verde - Mosaico

´
publicado por Fer.Ribeiro às 01:00
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Terça-feira, 19 de Agosto de 2008

O Olhar de And For Now sobre a cidade

 

.

 

 

Acreditei durante muito tempo que uma imagem valia mais que mil palavras, mas hoje já não penso assim, no entanto, há dias, em que a imagem tem mesmo que valer por todas as palavras possíveis, principalmente quando pouco ou nada sabemos sobre o(a) autor(a) das mesmas.

 

.

.

 

Como sempre, nas minhas pesquisas no flickr, descobri as imagens de hoje sobre Chaves e da autora (tudo me leva a crer que seja mulher) nada sei. Pela sua galeria de fotos penso ser residente nos estados unidos e sei que passou por Chaves em 3 de Julho deste ano (segundo os dados EXIF das fotos) mas também pela Ponte Romana com as suas recentes obras concluídas e graças a Deus ainda sem trânsito automóvel.

 

Da autora apenas lhe conheço o Nick do flickr e que dá pelo curioso nome de: “And For Now”, conheço-lhe também as fotos que poderá também ver em http://www.flickr.com/photos/andfornow/ e nada mais.

 

.

 

.

Levou no entanto um registo de Portugal, com o qual abriu um álbum de oitos fotos, todas de Chaves, embora uma tenha Bustelo como fundo. Hoje deixo-vos três fotos, na certeza de que futuramente também as restantes fotos passarão aqui pelo blog nesta rubrica dos olhares de outros sobre a nossa cidade.

 

Até amanhã com um mosaico da cidade.

´
publicado por Fer.Ribeiro às 01:00
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|  O que é?
Segunda-feira, 18 de Agosto de 2008

Mosaico da Ponte Romana, a nossa Top Model

´
publicado por Fer.Ribeiro às 01:00
link do post | comentar | favorito
|  O que é?

.Fotos Fer.Ribeiro - Flickr

frproart's most interesting photos on Flickriver

.meu mail: blogchavesolhares@gmail.com

.Outubro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9

15

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


.pesquisar

 
ouvir-radioClique no rádio para sintonizar

 

 

El Tiempo en Chaves

.Facebook

Fernando Ribeiro

Cria o teu cartão de visita Instagram

.subscrever feeds

.favorito

. Solar da família Montalvã...

.posts recentes

. Dadim - Chaves - Portugal

. Feira dos Santos - Um peq...

. O Factor Humano

. Feira dos Santos - Um peq...

. Nós, os homens

. Feira dos Santos - Um peq...

. Feira dos Santos - Um peq...

. Chaves D'Aurora

. De regresso à cidade com ...

. O Barroso aqui tão perto ...

. Quem conta um ponto...

. Curral de Vacas - Chaves ...

. Feira dos Santos - Um peq...

. Feira dos Santos - Um peq...

. Vivências

blogs SAPO

.Blog Chaves no Facebook

.Veja aqui o:

capa-livro-p-blog blog-logo

.Olhares de sempre

.links

.tags

. todas as tags

.arquivos

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

Add to Technorati Favorites