Sábado, 28 de Fevereiro de 2009

Mosaico da Freguesia de Bustelo

 

.

 

Localização:

A 6 km do centro de Chaves, situa-se a Norte da cidade, entre o Grande Vale de Chaves e as primeiras elevações barrosãs.

 

Confrontações:

Confronta com as freguesias de Ervededo, Outeiro Seco, Santa Cruz/Trindade, Sanjurge e toca em apenas um ponto da freguesia de Calvão.

 

Coordenadas: (Largo de entrada - Capela)

41º 47’ 11.02”N

7º 29’ 26.94”W

 

Altitude:

Variável – Na aldeia é entre os  445 e os 480m

 

Orago da freguesia:

Santa Maria Madalena

 

Área:

9,34 km2.

 

Acessos (a partir de Chaves):

– Estrada Municipal 507

 

.

 

.

 

 

Aldeias da freguesia:

            - Bustelo é a única aldeia da freguesia

 

População Residente:

            Em 1900 – 530 hab.

            Em 1920 – 490 hab.

Em 1940 – 643 hab.

            Em 1960 – 773 hab.

            Em 1981 – 532 hab.

            Em 2001 – 517 hab.

 

Embora os últimos Censos estejam abaixo dos valores de 1960, a tendência desta freguesia é registar uma subida da sua população residente, tal como acontece com as freguesia de periferia da cidade de Chaves.

 

.


.

 

Principal actividade:

- Agricultura

 

Particularidades e Pontos de Interesse:

Sob o ponto de vista histórico é uma das freguesias interessantes e que sempre tem despertado o estudo dos historiadores, pois trata-se de uma freguesia cujos vestígios arqueológicos dizem ser milenar. No entanto o primeiro documento que faz referência a esta povoação data de 1173. No ano de 1255 já aparecem documentos com referência ao “Couto de Bustelo”. Há também referências históricas à sua localização e importância militar com as suas fortalezas, pelo menos a julgar por carta enviada por D.Afonso IV de Portugal a D.Afonso II de Castela, datada de 1336, na qual se escreve “…sobre as aldeias de Ervededo e de Bustelo com suas pertenças e suas fortalezas…”

 

Apontam como restos senhorias do antigo Couto de Bustelo, a Casa do Paço ainda existente, mas já muito alterada com alguns dos restauros que nela foi levada a efeito ao longo dos tempos, mas mesmo assim, ainda um exemplar digno de ser apreciado dentro das casas senhoriais, onde se destacam alguns vãos arqueados que tudo indica serão seiscentistas.

 

Rica também em património edificado e religioso, como a Igreja Paroquial de Stª Maria Madalena, a Capela do Sr. Dos Aflitos, a casa dos Marqueses de Subserra, o cruzeiro do Sr. do Monte e algumas fontes de mergulho, além de numa das casas mais antigas do seu casco velho, as paredes se encontrarem pintadas com interessante frescos e que já demos conta no post dedicado à freguesia.

.


.

 

A riqueza etnofolclórica local é também digna de registo, com vários penedos relacionados com “Mouros” e “Tesouros”, como o Penedo dos Mouros, Alto de Stª Bárbara, Fraga das Passadas, etc. Há referências ainda a ruínas do grosso muro do Castro que existiu no alto da serra da Bandeira.

 

Quanto ao seu casario tradicional, ainda possui um importante núcleo de casas tradicionais em granito, de salientar algumas reconstruções feitas com gosto, pese embora muitas construções em mau estado. As novas  construções de raiz têm-se desenvolvido na periferia da aldeia, junto à estrada ou em pequenos bairros sem afectar o núcleo histórico da aldeia.

 

 

 

Linck para os posts neste blog dedicados às aldeias da freguesia:

 

            - Bustelo

´
publicado por Fer.Ribeiro às 02:53
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|  O que é?
Sexta-feira, 27 de Fevereiro de 2009

Discursos sobre a cidade - Um hospital de andar por casa

 

.

 

Texto de Fe Alvarez

 

 

Corría el año 1974, se había  cumplido el tiempo necesario y la naturaleza apremiaba, era oportuna una visita al Hospital de Chaves; la criatura se mostró muy madrugadora, por eso a las 6,20 de la mañana ya abriera los ojos en una enfermería, de aquellas llamadas, semi-privadas,  bueno ese era el nombre dado, que la cacareada privacidad, tenía seis camas, un tabique en madera y cristal, que no llegaba al techo,  pareciéndose más  a  un  biombo y tras esa división otras dos camas, aquello era normal, hoy no nos parecería tanto, pues bien en aquella enfermería estaban cinco señoras, se supone que no tendrían enfermedades infecto-contagiosas, pues el nuevo ser estaba indefenso como todos los recien nacidos. Los factos sucedieron en esa enfermería.

 

Llegada la hora de las visitas, una señora anciana recibió las suyas con mil  lamurias, gemía, lloraba, se retorcía, en fin, los familiares se marcharon muy compungidos, preocupados y lastimados por la situación, terminadas las visitas la buena señora, se duerme como  un angelito, eso mismo hiciera por la mañana, claro que quién está internado, generalmente se cansa con las visitas, pero lo peor estaba  por llegar, se apagan las  luces,  invitando a las enfermas a enveredar  por los senderos de Morfeo y la buena sañora,  empieza con sus lamentos y gemidos, así nos dieron las tantas de la  madrugada, extenuada  con semejante teatro nos dejó descansar dos o tres horas. A su lado (yo estaba en frente) Doña Isolina, se lamentaba que llevaba tres noches con aquel "fado". Doña Isolina era una señora de aldea, muy elegante, con su cabello blanco, su pose de dignidad, su educación y buenas maneras, que bien podría pasar  por una gentil dama  de  siglos  pasados.

 

Llega  la hora de la visita diaria, con la  convivencia ya nos conociamos y estabamos esperando que llegasen las de la "quejumbrosa" y empezase nuevamente la representación, los hijos lamentándose de la situación, que no  podian  remediar, por eso los informamos que no era verdadero el  tinglado que se montaba, después, se sintió avergonzada y dejó su actitud falsa y teatrera. Doña Isolina comentó que sería de esperar y agradecer que el sentido  común, se prolongase por toda la noche, la quejumbrosa no hablaba, después la  amenazamos que si por la noche volviese a  las andadas la asfisiábamos, drástico verdad? pues  surtió efecto, ni un pio.

 

Cuando el  día  estaba declinando, llegaron con una señora que fué  instalada tras  el  biombo, pasados unos minutos, llegó el núcleo  de la  institución "Sor Amada" era matrona, cuantos flavienses trajo al  mundo! con fama de tener muy malas pulgas,  para mí fué una entrañable cascarrabias, pues bien llegó se dirigió a la  recién llegada y se puso furiosa.

 

- Qué disparate!!! Dios mío, qué disparate!!! Internan un cadaver, después tenemos  la  mala fama  de  matar a los  enfermos...

 

Cuando se preparaba  para  salir de la  enfermería, llega un enfermero.

 

- Sor Amada, me manda el doctor X para hacerle una analítica a una enferma que entró ahora.

 

- Claro, claro, nadamos en dinero y hacemos análisis a los  cadáveres, Qué disparate!

 

- Yo hago lo que me mandan.

 

- Hagalo, que siendo responsabilidad del doctor X, no es culpa  suya, pero sigue siendo  un desatino, un disparate.

 

La tarde siguió lentamente, la señora recién internada, entró en la fase final de la vida, los últimos estertores se oían perfectamente, lo que nos hizo callar a todas. Llega la monja, seguida del doctor X.

 

- Veamos como está la enferma.

 

- Si doctor, vea, vea (Replicó Sor Amada, con rintintín)

 

Hacía un buen rato  que la enferma no hacía ningún ruido, por eso supusimos que se apagara y así era. El doctor  sale muy airado.

 

- Mier.... mier... mier...

 

- Ora essa!!! pape-a mais é o Sr. Doutor.

 

El doctor no hizo ni un solo gesto, siguió su camino, mi vecina de al  lado, increpó a Doña Isolina.

 

 

- Eso no se dice! es el Sr. Doctor.

 

- Pues si es Señor y Doctor,  que se porte como  tal, con la edad que tengo, nadie, pero nadie, osó decir palabrotas  que hiriesen mis oidos.

 

Pero la cosa  no terminara aquí, pasados unos minutos, vuelve la hermana Amada con un camillero.

 

- Sr. Olegario, traiga un compañero y transporten a la fallecida.

 

El camillero entra, y sale con la muerta al hombro, cual saco de patatas,

 

- SR. OLEGARIO!!! HAGA EL  FAVOR DE DEJAR A LA SEÑORA EN LA CAMILLA Y VAYA EN BUSCA DE  QUIEN LE AYUDE, EN EL TRANSPORTE.

 

- No  me hace falta. (Catapún, la tira sin miramientos en la camilla)

 

- SR. OLEGARIO!!! recuerde que tiene que pasar por el vestíbulo, donde están los familiares.

 

- Y qué más dá! ya saben que está  muerta.

 

Y diciendo esto coge nuevamente  la  finada, al hombro, Sor Amada se puso enfrente de la  puerta, llenó su pecho de aire y con cara de verdugo, le soltó un Sr. OLEGARIO!!!! de helar la sangre que hizo titubear al fornido mozo,  inmediatamente soltó de malos modos al pobre cuerpo sobre la  camilla. Salieron y pasado  un buen rato llegaron refuerzos, que se llevaron al vapuleado cadaver, de esta vez, con dignidad y respeto.

 

No hace falta decir, que las  espectadoras nos  quedamos a  cuadros  con el espectáculo  que allí tuvo lugar. Doña  Isolina quería ir al servicio y no se atrevía, la  puerta estaba al lado de la cama, era como  si fuera el cuerpo del delito y para más inri las zapatillas quedaran olvidadas bajo  la  cama. Comentó

 

- No puedo ir, se me encoje el  alma y encima agravado con el trato que le dieron a la fallecida, pobre, menos mal que no le dolería.

 

Al día siguiente volví a casa con un miembro más de la familia y esta experiencia que no  puede olvidarse. Digamos: cosas  del Hospital viejo, sin tecnología, un Hospital de andar por casa, con sus dramas, alegrias y charadas.  Puede no creerse después de este relato-caricatura, pero las carencias se suplian, con muy de buena voluntad, ingenio y bastante cariño. 

 

 

Fe Alvarez

´
publicado por Fer.Ribeiro às 00:35
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|  O que é?
Quinta-feira, 26 de Fevereiro de 2009

Coleccionismo de Temática Flaviense - Medalha Alusiva a Feira Numismática

 

Características:

Material: cobre.

Dimensões (módulo):   4,2 cm.

Assinada:  A. C. (?), no anverso, e A. S., no reverso.

Medalha número 396 de uma tiragem total desconhecida.

Ano: 1973.

Cunhagem realizada em empresa não dentificada.

 

 

´
publicado por blogdaruanove às 02:45
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Quarta-feira, 25 de Fevereiro de 2009

O sol de inverno... Chaves - Portugal

 

.

 

O sol abre-se à cidade e a cidade abre-se às pessoas, às suas gentes, aos passeios e também à vida.

Há que aproveitar estes brindes do Inverno e não há nada melhor que os aproveitar passeado a cidade, a sós ou acompanhados, tanto faz, desde que a companhia se conjugue com estes momentos.

O Jardim do Bacalhau é o ponto de partida deste pequeno passeio pela cidade, ali mesmo junto à Maria Mantela, que tal como o sol tenta enganar o Inverno também os nomes dos sítios e das coisas  tentam impor-se ao que oficialmente está estabelecido, porque nem o Bacalhau, que sempre foi Bacalhau, é Bacalhau, nem a Maria Mantela é a Maria Mantela. Alguém quis que assim fosse, a vontade do povo, e embora o povo nunca seja ouvido e achado para estas nomeações das coisas e dos sítios, vai prevalecendo entre nós o que é popular.

 

Dizem os outros da Europa que somos um povo triste. Não sei se o somos ou não, ou apenas somos assim. Pois eu nestas coisas lá vou concordando ou não, mas mais que tristes, penso que é o medo que vive e sempre viveu em nós. O medo de nos deixar assumir aquilo que verdadeiramente somos e que tal como os sítios e as coisas, mentimos constantemente ao nosso ser e aos outros,  trocamos os nomes às coisas e sempre desejosos por um arraial minhoto, choramos quando ouvimos um fado. Somos assim, complicados…

 

Estava-mos no Bacalhau, onde sempre lamento asneiras do passado, que de pouco valer chorá-las, mais vale esquece-las. Recordá-las, isso sim, sempre, para ao longo da vida também irmos aprendendo, se quisermos, claro.

.

.

Aprender, fui eu aprendendo no Liceu onde tive contacto com as grandes descobertas da humanidade, das ciências, mas também da juventude e da amizade. Liceu que para sempre ficou registado na memória pelos grandes momentos que por lá íamos vivendo e aprendendo. É sempre com carinho que olho para esta casa, recordo os amigos e também alguns professores, aqueles que faziam a diferença e marcaram para toda uma vida.

 .

.

São sempre curtos estes passeios de sol, o tempo (dos relógios) não permite grandes devaneios e liberdades de poder andar por aí como eu desejaria, mas por pouco que seja, vai dando sempre a liberdade de tomar umas fotos e remexer nos caixotes da memória, sacando (enquanto de caminha) um ou outro momento, sempre do passado, pois outros não há na memória.

.

.

Atalhando para o fim de um breve passeio, sobe que sobe a calçada da Ladeira da Trindade. É sempre gratificante este pequeno esforço da subida pois sabemos que lá em cima, damos de caras com aquilo que de mais monumental temos. As nossas praças que reúnem à sua volta aquilo que de mais nobre temos e também algumas das maravilhas de Chaves. Quem me dera que toda a cidade fosse assim e, não só a cidade, mas também os flavienses, assim onde e com tanta monumentalidade se comunga as diferenças de uma Praça de República e uma da Monarquia, a Praça do nosso Duque. Somos tristes, dizem os da Europa, mas também saudosistas.

.

.

Sempre debaixo de olho, é assim que convém, embora de pouco valha. Servem de temas de conversa, e, talvez, alguma ilusão e desilusão à mistura. Vê-se quem passa na praça e no palacete também, onde a liberdade e a democracia republicana até ocultam a vaidade de ostentar na casa do poder,  as pedras e as armas da fidalguia da monarquia… fica-lhes bem. Dizem os da Europa que nós somos um povo triste, mas também vaidosos por um dia "termos sido grandes".

.

.

 

Tristezas talvez, mas belezas também, principalmente se soubermos afinar o olhar e enquadramos na moldura só aquilo que convém, aquilo que por estar tudo lá, é uma imagem perfeita, mesmo que a amoreira não tenha amoras e as suas folhas ainda esperem a primavera, mas vale pelo contorno e pelo contraste que condiz na perfeição com outros contornos e outros contrastes. Dizem os da Europa que somos um povo triste, pois sim, tristes e com fado mas também com poesia…

.

.

 

Poesia que a custo se vai conjugando nas novas tendências de uma cidade de betão que amuralha  o casco velho da cidade, que a abafa e amordaça. Uma nova cidade de betão onde por mais colorida que seja, não passa de uma cidade cinzenta e caótica que por não ser planeada não é pensada e cresce atabalhoada. Modernidade, é o nome da tendência que se pratica nas novas cidade de b€tão. Modernidade que dizem, olha os interesses da população. Na Europa também dizem que nós somos um povo triste.

 

Até amanhã!

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 04:23
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|  O que é?
Terça-feira, 24 de Fevereiro de 2009

Entroido, Carnaval ou Entrudo...

 

.

 

Entroido, introido, Entrudo, Antroido, Entruido, Entrudio ou Carnaval, em galego e português que vem a ser a mesma coisa, pois fomos beber à mesma fonte, duas línguas ou uma só cuja origem é a mesma – o latim.

 

Mas vamos ficar pelos termos mais comuns em galego e que penso ser o Entroido ou Carnaval e os portugueses Entrudo e também Carnaval.

.

.

Pois dizem por aí, que o Entrudo está mais associado às tradições antigas, onde por cá entram os caretos e pela Galiza, mais propriamente aqui nas terras galegas mais próximas, como Laza, Verin ou Xinzo de Limia e Manazaneda entram os Boteiros e os Cigarróns  ou Peliqueiros. O Entrudo por cá (e entenda-se por cá as terras da raia de um e outro lado da fronteira)tradicionalmente também estava associado a brincadeiras sujas com água, farinha, carvão e a própria “bosta” à mistura, existindo mesmo para os lados de Vigo os “merdeiros”, cujo nome é bem sugestivo. Embora actualmente estas tradições ainda se vão mantendo, mais acentuadas na Galiza (em Laza e Verin, por exemplo), tendem a dar espaço aos desfiles organizados e a outras festas associadas ao Entroido, como a já famosa “Noite das Comadres” em Verin, ou segundo os entendidos locais, dizem que o Entroido ou Entrudo começa a dar lugar ao Carnaval.

.

.

Pois por cá (discussão entre entendidos) o Carnaval é mais a festa do desfile, como se faz no Brasil, em Itália ou com as versões portuguesas de Ovar, Torres Novas …do centro e Sul deste Portugal além da velha Galaécia. Ou seja, e esta dedução é minha (tendo en conta a dedução entre entendidos) o Entrudo ou Entroido é de terras da velha Galaécia e, além Galaécia, festeja-se o Carnaval.

.

.

Pois penso que todos têm razão (entendidos ou não) e ninguém a tem, pois uma e outra coisa é a mesma coisa e até descendo à origem dos termos, vamos cair no mesmo, e ambos nos levam e nos fazem depender da Páscoa, senão vejamos:

Entrudo ou Entroido, o termo tem origem no latim “introitu” e que significa “entrada” no período pascal em que se diz adeus à carne, ou adeus carne,  que em latim de dizia “carne, vale” que é precisamente onde tem origem o termo Carnaval.

.

.

Pois por cá (Chaves)  tendo em conta a tradição, a bem dizer, deveríamos continuar a referirmo-nos ao Entrudo, não o dos festejos onde nunca tivemos tradição, mas ao da gastronomia, pois embora se entre em período de Carnaval, é na carne que temos alguns dos bons pratos  tradicionais de carne associados a este período, excepto as sextas-feiras do peixe.

.

.

Quanto a festa, e agora que somos eurocidade Chaves-Verin (embora aparentemente tudo continue na mesma, mas é mesmo só aparente porque o povo anda distraído, pois eurocidade acontece todos os dias) agora temos o entrudo/entroido dividido em duas partes, com a festa maior em Verin, onde a festa é mesmo festa, de todos, com desfiles, copos, tradições e brincadeira que nalguns dias (como na noite das comadres) entra pela noite fora até ao nascer do dia e concentra em Verin milhares de pessoas em todos os seus festejos.

.

.

A parte didáctica e intelectual do Entrudo acontece em Chaves, com o habitual desfile dos putos da escola, temático (este ano foram as “Invasões Francesas”), onde sobretudo se inventa num desfile que ora sobe ora desce a rua principal (depende do ano) e onde umas dezenas largas (centenas escassas) de crianças mais ou menos acompanhadas pelos transtornados dos pais (leia-se transtornados como transtorno que provoca nos pais), provocam algumas dores de cabeça aos professores…

.

.

um verdadeiro sucesso para os putos (mais pequenos) por mais um dia de brincadeira sem aulas. Quanto às lições temáticas ficamos a saber que a invasão francesa era azul,

.

.

pois o desfile é sempre tão rápido que apenas se aprendem as cores. Um sucesso! Até os grelos, os espigos e as nabiças se fizeram amarrar de fio azul (que já o conhecemos como o melhor), só faltaram mesmo os “Rapazes da Venda Nova”.

.

.

Quem aproveitou o Entrudo foi a blogosfera flaviense para fazer mais um dos seus encontros/convívio, o 10º encontro que coincidiu com o encontro de Inverno (pois também há do de Verão). Não éramos tantos como os putos a desfilar as “Invasões Francesas”, mas éramos muitos, mais que nunca, num encontro que promete ter cada vez mais adeptos, pois o convívio à mesa sempre foi salutar. Puro convívio onde o mundo virtual da NET se comunga à mesa por umas horas e sempre termina na fonte das digestões difíceis das Caldas de Chaves.

Encontro que agora é alargado também aos fotógrafos flickr flavienses e da alta Tamagânia, tal como à blogosfera, que neste encontro contou já com um representante do concelho de Montalegre (Ourigo – fotógrafo flickr) e Valpaços (Lamadeiras (Flickr)/Blog de Pedome) e lamenta-se a ausência do Blogex de Boticas, cujo autor justificou a falta com a sua ausência em terras de sua majestade.

.

.

Da blogosfera da terrinha, os habituais marcaram presença (Chaves Antiga, Blogoflavia, Terçolho, Chaves, Um Olhar através da Objectiva, Arco-Iris, Espelho Mágico e  Lai-lai-lai), também os temáticos Cruzeiros e Pelourinhos, Cancelas e Chaminés marcaram presença. As aldeias também lá tiveram os seus representantes com Valdanta sempre presente (falta justificada para o amigo Pereira do qual sentimos a ausência e para o 5 de Maio), Granjinha atenta acompanhada da habitual e respectiva amarelinha (escondida da ASAE), Águas Frias com os seus profs, Outeiro Seco, Argemil da Raia, Segirei e Eiras (acompanhada da sempre boa, também amarela e doce).

E de entre outros amigos, convidados, disfarçados, sportinguistas felizes (o encontro foi sábado à noite), comentadores e seguidores tivemos ainda o Romeiro de Alcácer com as flores para as meninas e senhoras bloguistas.

 

E resta apenas publicar as conclusões do encontro de Inverno, o 10º, com um único ponto e que diz respeito à marcação do encontro de Verão, que ficou para data ainda a definir, mas com local marcado: Segirei

 

Uma palavra de apreço também para o Aprígio (restaurante) que como sempre nos soube receber e aturar.

 

E fica assim adiada para a próxima terça-feira a rubrica de “outros olhares” que deveria hoje passar por aqui. Mas penso que estou desculpado, pois por cá o carnaval ainda é Entrudo, nem que seja e só à mesa e em Verin.

´
publicado por Fer.Ribeiro às 04:17
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
|  O que é?
Segunda-feira, 23 de Fevereiro de 2009

Mário Valpaços e Natureza - Um artista flaviense

Definam-me arte!?

Claro que cada um lá terá as suas definições, mas vejamos o que diz ao respeito o dicionário da língua portuguesa:

Arte s.f. 1 aplicação do saber à obtenção de resultados práticos, sobretudo quando aliado ao engenho; habilidade.

 

Vamos então partir do princípio de que quem pratica a arte, é um artista, com o mesmo princípio de que quem escreve poesia, é poeta. Puro e simples, mas todos sabemos que nem sempre é assim…e caindo no mesmo dicionário, artista, até nem é aquele que pratica a arte, mas antes aquele que aprendeu uma arte e aquele que cria obras de arte plástica.

 

Pois sejam quais forem as definições de arte e artista, eu conheço um artista em Chaves, que cabe em todas essas definições, mas querem as coisas do destino que a sua arte não saia da Urzeira e que mesmo que desça à cidade e todos a admirem (até com espanto), ela tenha de subir de novo até à Urzeira para mais uma vez estagiar no esquecimento.

Hoje vou fala-vos desse artista que dá pelo nome de Mário Valpaços (e Natureza). Mas bem melhor que ser eu a deixar aqui palavras sobre este artista e poeta, nada melhor que as suas próprias palavras para falar dele, palavras que Mario Valpaços e Natureza deixo escritas no seu livro de poesia  O que nos vai dando o meu coração

.

.

(para ilustrar as suas palavras, ficam também algumas imagens da sua arte)

 

Mário Valpaços e Natureza, miniaturista e poeta. Nasceu em Chaves e 2/12/49, é solteiro e tem como estudos a quarta classe.

 

Ora, o porquê de eu incluir no meu nome a natureza? Porque estes últimos anos da minha vida tenho-os vivido na sua companhia, sendo ela a minha vizinha mais próxima, a minha fiel amiga.

 

É com ela que me tenho visto e entendido nas horas bem difíceis e amargas da minha vida. É no seu abrigo que me tenho reconfortado e vou buscar forças e alegria. E foi nela que me vi nascer, e continuo a crescer como poeta. Eis pois aqui a razão de eu querer incluir no meu nome a natureza, querendo, assim, dar-lhe o meu agradecimento, pois sem ela nada poderia fazer.

 

.

.

 

Acabei de publicar o meu segundo livro de poesia, minha e dela (a natureza). Sempre no meu género. A chamada poesia de amores, do coração, as quadras dedicadas ao campo e às suas gentes, no seu dia a dia.

 

Espero que não desiluda e seja do agrado de todos, que eu prometo continuar sempre com a mesma dedicação e vontade, de fazer mais e melhor.

 

Aproveito esta oportunidade para deixar aqui o meu sincero agradecimento a todas as pessoas que me têm comprado os meus livros, colaborando, assim, comigo.

 

Também o meu pedido e desculpas a todas aquelas pessoas a quem me é impossível citar ou dedicar uma quadra.

 

Têm que me perdoar e ser compreensíveis, caso contrário o livro teria que ter um milhar de páginas!

O MEU MUITO OBRIGADO

 

.

.

Também em jeito de introdução no seu livro, vamos conhecer as suas faces, continuando com as suas palavras:

 As outras minhas faces

 

As minhas outras faces, que muita gente nunca viu ou conhece, são dignas de um romance. Elas, já de mim partiram... Tão marcadas e castigadas pelas lutas e tropeços da vida, e por lágrimas lavadas.

Mas elas também foram queridas e acarinhadas.

.

.

 

Cada ser tem um destino. Temos caminhos diferentes a percorrer, com o chamado "peso da cruz da vida" de cada um de nós.

As outras minhas faces, são como as outras faces da vida: com jardins floridos, lagos e patos, mas também com muitas agruras. Como a roseira, que não nos dá só rosas, também tem os espinhos. Como o céu, que não tem só as estrelas e aquele luar que tudo ilumina, até as nossas almas e corações. Há dias que também se nos apresentam com nuvens escuras e tormentosas, que nos transtornam, fazendo-nos do doce, azedume.

.

.

A pessoa que sabe o que quer, que se diz honesta e leal, enquanto cá permanece luta até que as suas forças se acabem, para conseguir, com dignidade, realizar seus sonhos, desejos profissionais ou amorosos, sem magoar ou passar por cima de alguém.

É, pois, nas nossas faces e olhos que vai ficando gravada a história das nossas vidas, que nem por todos é compreendida. Por vezes transportamos, durante a vida, rótulos e fardos que alguém com mais astúcia nos soube pôr em cima. E é por isso que nós valemos toda a riqueza do mundo quando somos crianças. Que a mim, mesmo em criança, a vida já me foi carrasca ... Bem, isso já era um filme muito negro para ser visto, mas não aconselhado a todos os corações ...

.

.

 

Sobre o poeta, homem e artista, fica tudo dito nas suas palavras, sobre a sua obra, principalmente as miniaturas de edifícios da cidade de Chaves, as imagens que vos deixo também dizem tudo. A cidade reproduzida em miniatura à escala aproximada de 1:50, com todos os pormenores e onde todos os materiais utilizados nas miniaturas são iguais aos materiais reais (pedra, madeira, cimento, argila, tintas e cores, etc.) Umas autênticas obras de arte que são preciosas demais para estarem na Urzeira longe dos olhares públicos de quem aprecia arte. Uma autêntica cidade de Chaves em miniatura que merecia um espaço público permanente…e não é por falta de vontade e disponibilidade do artista que isso não acontece.

 

As imagens de hoje são de arquivo, mais propriamente de Outubro de 2005, ou seja a última vez que vi as suas obras expostas em público.

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 02:53
link do post | comentar | ver comentários (9) | favorito
|  O que é?
Domingo, 22 de Fevereiro de 2009

a preto e branco - 1

.

Embora já todas as aldeias tivesse passado aqui pelo blog, há ainda algumas (poucas) às quais devo um post alargado. Infelizmente este inverno não tem sido muito convidativo para a fotografia e confesso que estou sem material fotográfico para trazer aqui as aldeias em falta. Esta falta abre-me a porta para uma nova rubrica no blog dedicado às aldeias, uma rubrica que há muito andava para trazer aqui e que se irá chamara simplesmente “a preto e branco”.

 

Pois neste novo espaço só cabem fotografias a preto e branco, às vezes (quando muito) com uma nesga de cor. Será um espaço dedicado simplesmente à fotografia, com apenas duas ou três palavras de embalar e, só caberão aqui as fotos que não couberam no post da respectiva aldeia, aquelas fotos das quais eu gosto, mas que por falta de espaço não puderam entrar na devida altura.

 .

.

Será mais uma oportunidade para mais uma volta por todas as aldeias, algumas, até mais que uma vez desde que haja fotos que eu considere dignas deste novo espaço.

 

Fotos que eu gosto e não couberam no respectivo post e o velho fascínio pela fotografia a preto e branco, que sem cor, sempre teve o seu encanto.

.

.

Estes Domingos “a preto e branco” irão alternar com os posts normais de domingo dedicados a uma aldeia e também estarão aliados à falta de tempo ou de material, como é o caso de hoje em que se aplica a ambas as condicionantes, principalmente porque ontem foi dia (ou melhor – noite) da blogosfera flaviense. Pela certa que irão perceber isso pelos próximos posts da blogosfera cá da terrinha e não só.

 

Espero que gostem deste novo espaço “a preto e branco”.

 

Até amanhã!

´
publicado por Fer.Ribeiro às 00:30
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|  O que é?
Sábado, 21 de Fevereiro de 2009

Mosaico da Freguesia de Curalha

 

.

 

Localização:

A 6 km de Chaves, localiza-se a Sudoeste da cidade junto à margem direita do Rio Tâmega, desenvolve-se ao longo da EN 103 e junto ao nó da A24 que adoptou o nome da freguesia, sendo hoje uma das principais portas de entrada da cidade para flavienses residentes, mais à frente explico o porquê.

 

Confrontações:

Confronta com as freguesias de Redondelo, Soutelo, Valdanta, S.Pedro de Agostém e Vilela do Tâmega, no entanto entre Curalha e estas duas últimas freguesias há o Rio Tâmega a separá-las.

 

Coordenadas: (Largo da Igreja)

41º 42’ 55.77”N

7º 31’ 26.34”W

 

Altitude:

Variável – entre os 350m e os 430m

 

Orago da freguesia:

Santo André

 

Área:

9,13 km2.

 

Acessos (a partir de Chaves):

– Estrada Nacional 103 ou A24.

 

.

 

 

.

 

 

Aldeias da freguesia:

            - Curalha (única aldeia da freguesia)

 

População Residente:

            Em 1864 – 283 hab.

            Em 1920 – 405 hab.

Em 1940 – 567 hab.

Em 1950 – 693 hab.

            Em 1960 – 681 hab.

            Em 1981 – 531 hab.

            Em 2001 – 518 hab.

 

Em termos populacionais é uma freguesia que contraria a tendência do despovoamento da maioria das freguesias do concelho, pois e embora nas últimas décadas os Censos demonstrem que tem perdido população em relação ao ano de 1950, a linha de tendência para Curalha indica-nos um aumento de população.

.

 

 

.

 

Principal actividade:

- Actualmente a agricultura com regadio, natural ou em estufas. Em tempos outras actividades existiram por Curalha, uma delas ligada à Estação dos Caminhos de Ferros e às mercadorias destinadas ao Barroso, outra, aliada ao Rio, aos moinhos e à moagem de cereais, existindo ainda (aparentemente em bom estado) os respectivos moinhos.

 

Particularidades e Pontos de Interesse:

São vários os pontos de interesse desta freguesia, começando por aquele que na minha opinião é o mais importante e interessante em termo das história, ou seja o Castro de Curalha cuja descrição poderão ver no post dedicado a Curalha, com link no final do post. Tão importante e interessante como esquecido e abandonado que está. É certo que nos últimos anos cuidaram-se os acessos até ao Castro, mas apenas isso, pois de resto o Castro está entregue a si próprio e sem qualquer informação no local que deixe aos visitantes o devido resumo histórico para fazer jus à sua importância.

 

O Museu do Comboio é outro dos seus pontos de interesse, embora não seja museu e até seja propriedade privada, mas é um autêntico museu onde o proprietário do espaço da antiga estação, não só recuperou e preserva o antigo edifício da estação, como mantém parte da linha e nela está a reconstituir um comboio completo, com a máquina a vapor, e as devidas carruagens de passageiros e de carga. Tudo isto feito com muito amor e custos que mantém bem viva uma recordação do passado. Um autêntico museu do comboio. Um bem haja para o proprietário em preservar assim importante a memória de outros tempos em que Chaves, o concelho e Curalha tinham comboio.

 

O núcleo e o casario da aldeia é outro dos pontos de interesse, mas para conhece-lo há que abandonar a estrada nacional e entrar nele. De interesse e também a nível de construções e obras de arte, são a ponte do antigo comboio sobre o Tâmega, se um só arco e em granito, bem como os antigos moinhos que bem poderiam fazer parte daquele museu vivo a que às vezes me refiro, do roteiro dos moleiros e dos moinhos, que sem dúvida seria um dos pontos de interesse e turísticos do concelho. Mas para isso era preciso que os verdadeiros xerifes da cidade tivessem ideias de interesse para o concelho e aperceberem-se que o nosso concelho é um concelho rural onde a sua ruralidade há muito que devia estar explorada, agro-turismo, penso que é assim que se chama, ou seja, agricultura + turismo, sem esquecer o grande aliado do termalismo que um dia até já se quis regional. Mas claro que isto é trabalho e de muitos anos, que não rende a curto prazo em resultados eleitorais…entretanto vai-se promovendo o despovoamento… e apostando no cavalo coxo e tão distraídos andam, que nem sequer se deram conta que por cá não há touradas e muto menos, corridas de cavalos.  Desculpas para Curalha por este devaneios ou desabafos, pois Curalha até é freguesia que nem merece recados, exceptuando o tema “Castro”, onde a Junta de Freguesia também deveria ter o seu orgulho e os seus interesses.


.

 

.

 

 

Linck para os posts neste blog dedicados à freguesia:

 

            - CURALHA

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 03:48
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Sexta-feira, 20 de Fevereiro de 2009

Discursos Sobre a Cidade - Xexa Lema, por Gil Santos

 

.

 

Texto de Gil Santos

 

 

A via de caminho-de-ferro denominada linha do Corgo, era uma ramificação da linha do Douro que ligava Chaves ao Peso da Régua, numa distância aproximada de 96 quilómetros. Contornando íngremes declives, serpenteava por entre vinhedos da Régua à princesa do Corgo a cidade de Vila Real, cujo troço, sendo a primeira via estreita construída em Portugal, foi inaugurado em 1906 e contou com a presença régia de D. Carlos.

 

Inicialmente foi pensado internacionalizar esta via ligando-a a Espanha a partir de Chaves. porém a ideia não teve prossecução. Rasgando o miolo do centro norte, atravessava uma região de ímpar beleza, transportando as gentes serranas e algum turismo termal que rumava às inúmeras estâncias termais do seu percurso, como à época era moda. Seguindo o traçado de velhos caminhos públicos a linha chegou a Vila Real a 12 de Maio de 1906, a Pedras Salgadas a 15 de Julho do ano seguinte, a Vidago a 20 de Junho de 1919 e a Chaves somente a 28 de Agosto de 1921.

 

A estação da cidade de Trajano foi projectada para ser terminal de três linhas: a do Corgo vinda da Régua, a do Tâmega vinda das terras de Basto e a de Guimarães vinda da cidade berço. Estas duas últimas juntar-se-iam acima de Cabeceiras encontrando a linha do Corgo em Curalha, onde hoje existe o apeadeiro com o mesmo nome, cujo edifício comprou para casa de férias um emigrante americano rico. A Linha do Tâmega não passou do Arco de Baúlhe e a de Guimarães de Fafe. Como o caminho-de-ferro não prosseguiu para a Galiza, a estação de Chaves ficou mesmo como sendo fim de linha.

 

O Texas, como então era conhecido, era um comboio formidável. Durante largos anos uma locomotiva Alstrom a carvão de pedra movia, à força do vapor e de golfadas de fumo negro, carruagens de madeira de rara beleza. Acabou, infelizmente, por encerrar-se o troço Vila Real a Chaves a 1 de Janeiro de 1990.

 

Ora ao longo de muitos e muito anos o Texas era o único meio de transporte que servia para vencer as distâncias mais longas e com o qual se sonhava recuperar do isolamento milenar parte de província de Trás-os-Montes. Mas o melhoramento das estradas e o consequente desenvolvimento dos transportes rodoviários, votou à desgraça e ao abandono esta preciosidade. Porém, durante anos e anos fez chegar a Chaves muitos e muitos homens que, sem destino, pararam no fim da linha e pela cidade fizeram vida errante.

 

Assim aconteceu a Sérgio Lemos que por ser falho da fala dizia chamara-se Xexa Lema. Meteu-se um dia no comboio na estação de Alvações, em pleno Douro vinhateiro. Sem bilhete e sem destino, parou desvairado quando a linha terminou. Nunca ninguém deu pela sua falta nas terras de xisto e pela cidade se quedou até que a morte o fez desaparecer. Estabelecido em Chaves, vivia  do expediente dos recados que ia fazendo e da caridade dos flavienses temente a Deus. Era castiço o Xexa e por ser respeitador e um poeta popular inato, era por todos estimado, acarinhado até. O seu modus vivendi era andar rua acima rua abaixo à cata de quem o ocupasse a troco de uns míseros tostões, umas vezes apregoando ladainhas sem sentido e outras remedando cenas que ia presenciando a outros.

 

Um belo dia, seguindo rua de Santo António acima, cruzou-se com o Cana Verde, em frente ao Comercial, que lhe deu as boas horas.

- Bom dia senhor! – Cumprimentou o Cana Verde.

O Xexa respondeu como a educação mandava, mas ficou a remoer:

- Bom dia senhor? Fonha-se: Senhor dos passos, passos do concelho, conselho de guerra, Guerra Junqueiro, Junqueiro Alcântara, Alcântara mar, mar tem peixes, peixes do alto, alto da serra, Serra da Estrela, estrela do céu, céu é azul, azul é tinta, tinta é óleo, óleo de linhaça, linhaça dá papas, papas para o menino, menino mama leite, o leite vem da cabra, a cabra tem cornos… ai ai ai ai… que o filho de uma puta me chamou cabrão!...

 

E acabava rindo, rindo como se tivesse chegado à mais bela e inteligente conclusão do mundo. E repetia a ladainha vezes sem conta, para gáudio de quem o ouvia.

 

Um dia observou uma cena, de que a seguir se dá nota, da autoria do Ventura, um sexagenário levado da breca e cheio de dinheiro por usufruir de uma gorda reforma de emigrante americano. Vivendo dos rendimento do Panrrelha, como diziam, passava os dias derringando polaina e arrotando postas de pescada dos seus feitos nas Américas, pelas tabernas da baixa. Sabia mais que a Mência e gostava de se armar ao pingarelho fazendo cenas tristes pelas ruas da cidade. Enchia o bandulho de vinho e petiscos nas tascas e calcorreando as ruas peidava-se como um boubelo. De bengala de cana na mão, à Charlot, quando a ventania flatulenta do bucho de unto apertava, estacava, dava duas voltas à bengala à laia do rodízio de moinho de vento e bojardava quanto podia. Fazia-o tão sonoramente quanto lhe era possível e sem fazer caso de quem o seguia. Consolado, o sem vergonha, ainda virava a fronha reluzente para trás questionando o flato:

- Vens ó ficas?...

 

Se alguém o censurasse, a resposta era a de sempre: que um médico americano o proibira de reter os gases sob pena de nó na tripa e por isso fogueteava pela sua saúde!

 

É evidente que não tardou que o Lema lhe copiasse o mau feitio e era vê-lo dias e dias rua Direita acima e rua de Santo António abaixo a bombardear à Ventura! Mas não fazia de conta, arreava-lhe tanto ou mais que o original. Era uma pândega!

 

Um dia de canícula em pleno Agosto, em que o sol castigava deveras pela hora da sesta, decidiu o Xexa matar a fome com os frutos quentes de umas figueiras que havia ali para a canelha do Rio, por trás do actual tribunal. Encheu o bandulho à tripa forra. Inevitavelmente os figos quentes deram em esfoura. Quando subia a Rua do Olival em direcção à Lapa, onde costumava dormir a sesta, não aguentou mais a força da natureza e arreou calças ali mesmo no cimo das velhas escadas do mercado municipal. Um polícia de ronda que descia a rua à sombra das tílias, surpreendeu-o a fazer de leque na via pública e não esteve com meias medidas, deteve-o e levou-o para a esquadra da Rua da Cadeia. Ali passou aquela noite no fresco da masmorra até curar a disenteria. No dia seguinte foi levado ao tribunal para, perante juiz de direito, justificar tão inusitado acto. Interrogado, contou como pôde o que se tinha passado. Quando o juiz, mal contendo a vontade de rir, lhe passava o sermão da praxe, cheio de vontade de o mandar em paz, ouviu do Xexa a seguinte explicação sui generis:

 

S’o Senhor doutor juiz

Comesse um figo tente

De certeza absoluta

Que ficaria doente

 

Foi o que aconteceu ao Xexa

Que ficou de caganeira

Queria o meretíssimo juiz que

Lhe cagasse n’algibeira?

 

E olhe que mesmo assim

O Xexa não se portou mal

Pois ainda aguentou

Até à rua do Olival

 

É claro que o juiz não conteve uma risada, mandando o infeliz embora sem castigo, perante o espanto do polícia que não acreditava no que ouvia.

 

De contente o Xexa Lema, enquanto descia a escadaria, prendava o agente da autoridade que o detera com a seguinte cantilena:

Caga cu não tenha medo, que o cagar é um sossego. Cago eu e cagas tu, caga tudo quem tem cu. Cagou Abel e Caim, cagai todos até ao fim!...

 

E ria, ria a bandeiras despregadas!

 

O Xexa Lema matava a fome como podia. O mais das vezes à custa da caridade das pessoas mais piedosas que, reconhecendo a sua desgraça e à conta de umas quadras, resquícios da sua veia poética e do tempo das cantigas ao desafio que botava pelas feiras do Alto Douro, lhe davam uma sopita.

 

Um dia, passando pela hora da ceia na tasca do Horácio ao Tabolado, foi entrando sorrateiro a ver se lhe calhava alguma coisita, pois estava lazarado. O velho tasqueiro, reconhecendo-lhe a desgraça, mandou que lhe servissem, por esmola, um cibo de pão, um copito de vinho e um caldo do dia: canja de massinhas de letras, na qual boiavam, entre os olhos de gordura uns mourrões da massa. Claro está que o Xexa Lema mamou tudo como se nada fosse e no final do repasto não se esqueceu de agradecer poeticamente:

 

Este caldinho de ceses

Com teses meses e reses

Não faltando os criaturos

Era bem melhor amigo

Se foss’antes de macruros!...

É claro que o tasqueiro, não tendo percebido nada do que o Xexa rezou, ofereceu a esmola por alminha dos que já lá tinha e mandou-o na paz do Senhor pregar a outra freguesia!

 

Gil Santos

´
publicado por Fer.Ribeiro às 01:37
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|  O que é?
Quinta-feira, 19 de Fevereiro de 2009

Coleccionismo de Temática Flaviense * Cartazes

.

Já sabem que em termos de coleccionismo, tudo é coleccionável  e por mais estranha ou esquisita que seja, não pensem que são os únicos a fazer essa colecção.

 

Os cartazes também são coleccionáveis mas sobretudo têm a sua importância porque também fazem história e marcam épocas. História da própria história, mas também outra história associada ao próprio design, impressão, papel, cor, etc.

 

Quando no tema das colecções entra a nossa terrinha, então aí a colecção ou alguns objectos dessa colecção têm um sabor distinto. É o caso destes dois cartazes que hoje vos deixo, editados nos finais dos anos 70 do século passado, penso que pelo então Turismo e que despertaram os olhares atentos de todos os flavienses, não só pela sua beleza, mas também pela simplicidade.

 .

.

Desconheço quem é o autor dos cartazes e fotos, sei que com esta simplicidade (aparente) de oferecer Chaves em imagem, a mensagem passou com aquilo que Chaves tinha de melhor e mais interessante, o seu casario, monumentos e até o rio, onde não poderiam faltar os barcos de madeira do Lombudo ou do Redes, pois também eles faziam parte da paisagem e de bons momentos. Curioso são os cartazes identificarem logo Chaves, sem que a cidade seja mencionada, pois em texto apenas aparece PORTUGAL e muito bem, pois Chaves na altura ainda era um bom exemplo de cidade antiga e mais ou menos conservada sem as invenções e mamarrachadas do betão e outras modernidades. Note-se na imagem das Rua Direita a quase ausência de publicidade exterior, e a que existe, está perfeitamente enquadrada no conjunto. Só um pormenor dos muitos que então existiam.

 

Para que este post estivesse completo em imagem, tinha de ter aqui a outra imagem deste conjunto e que apresentava o Castelo de Monforte atrás de um longo e inclinado campo de centeio maduro. Uma imagem que já não vejo há mais de 20 anos mas que a conheço de memória, com quase todos os pormenores. Pode ser que por aí alguém tenha esse cartaz e nos possa ceder a imagem para uma próxima publicação.

 

Quanto mais não fosse por estes pequenos regressos ao passado, o coleccionismo já tinha o seu interesse.

´
publicado por Fer.Ribeiro às 01:37
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|  O que é?

Repórter de Serviço

.

É certo que em um ano e meio de obras na EN213 só se tem esbanjado dinheiro, desfazer para fazer de novo, duplicar sinais e muitas mais asneiras sem nada ou praticamente nada beneficiar, mas entre tanta asneira, de vez em quando lá vão acertando num ou outro pormenor, é o caso deste sinal colocado há dois dias e que embora não resolva o problema da ausência de uma rotunda, sempre o vai minimizando os conflitos de trânsito no cruzamento com a EN314. É também de salientar que finalmente aparece um sinal sem ser duplicado.

 .

.

E já que hoje entramos pela positiva, vamos continuar por aí, com uma nova rotunda, ou rotundinha na cidade, embora aqui o tamanho até nem seja de ter em conta.  Uma rotunda que até pode ser galgável em caso de necessidade e que também já há muito por lá devia existir. Uma obra (rotunda) que tem custos insignificantes e que até se fez com a prata da casa e cujos benefícios são inquestionáveis. Um bom exemplo de como uma obra simples, discreta e barata pode dar nas vistas pela utilidade na organização do trânsito.

 

Até já, vem aí o coleccionismo.

´
publicado por Fer.Ribeiro às 00:49
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Quarta-feira, 18 de Fevereiro de 2009

AS BACALHEIRAS

 

.

 

Texto de TUPAMARO

 

A Televisão noticiou (mais) uma inventona a dar cabo do que mais de retinto há na NOSSA TERRA.

 

Já não basta a xico-esperteza de «porqueiros» a insistir com os nossos autênticos   CEVADORES de recos para comprarem, lá pela altura da Matança do Reco, um ou dois porquitos da pocilga e com eles acrescentarem uns kilitos ao FUMEIRO que vão levar para as “FEIRAS DO FUMEIRO”; já não basta a aldrabice do “PRESUNTO DE CHAVES” importado de Espanha; já não basta a carne de porco embalada em rótulos a dizer «Tipo caseiro» ou a sugerir pureza artesanal com a inscrição do nome de uma qualquer vila ou cidade Transmontana, e aparecem agora, com um ar de grande virtude purificadora da CRISE, os inventores das «Alheiras de Bacalhau»!

 

Que merdosa piada de xico’sperteza!

 

Só (lhes) falta pegar e encomendar  pernis traseiros de cão chinês, pô-los ao fumo propó(â)nico aí numa Lareira Industrial qualquer, de preferência em Mirandela, e comercializá-los como “””PRESUNTO DE CHAVES”””, (de CHAVES, BOTICAS E MONTALEGRE)!

 

E o que estão a dizer a isto  - “ALHEIRAS DE BACALHAU”?! - os senhores Confrades dos Fumeiros de Montalegre, de Boticas e de Vinhais?

 

Já agora, combata-se a CRISE fabricando salpicão de carne de GATO; linguiça de azeitonas; chouriças de leitugas, moliço e carne de gaivota; e Orelheira fumada de Burro!

E que todos esses impostores e falsários das coisas RETINTAS transmontanas se fartem  com TODOS OS «RIJÕES DA PALHA»!!!!!!

“ÒMÈSTA”!

 

Tupamaro

 

´
tags:
publicado por Fer.Ribeiro às 02:02
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|  O que é?

Repórter de Serviço

 

.

 

Claro que comparado com a queda da muralha (Baluarte do Cavaleiro) este pequeno troço de muro do Tabolado/Tâmega, não é nada, mas nem por isso deixa de ser importante.  Também seria importante averiguar porque é que estas coisas caem para que a razão, ou melhor as desculpas,  não sejam sempre as causas naturais e as condições climatéricas adversas, pois estas apenas aceleram um mal que já existe. Eu tenho as minhas teorias, mas como não sou entendido na matéria, vou aguardar pelas conclusões da comissão de inquérito.

 

Já os actos de vandalismo não são causas naturais que advêm de condições climatéricas adversas. Aparentemente não o são e, estão associados a excessos de juventude aliados a outros excessos, como álcool e as drogas. Também aqui, tal como na queda dos muros e muralhas, os excessos são as causas do vandalismo que os transforma em vândalos, mas também é uma forma inconsciente que a juventude tem para dizer o que lhe vai na alma. Sem desculpa, é certo, mas também aqui os males não nascem no acto de vandalismo, mas antes, nascem mesmo no berço e numa sociedade que cada vez mais cresce sem valores, nem que fossem os velhos e antigos valores que se praticavam antigamente em que as coisas faziam-se ou não conforme parecesse bem ou parecesse mal. Em suma, também nestes actos de puro vandalismo havia de existir uma comissão de inquérito para saber porque acontecem e quais as medidas a tomar para que não aconteçam. Eu aqui também tenho as minhas teorias, mas como (também) não sou entendido na matéria, vou aguardar pelas conclusões da comissão de inquérito.

.

 

.

E o problema destas coisas é que ninguém é entendido em nada e as coisas acontecem, principalmente os actos de vandalismo que até já começam a tornarem-se, ou acharem-se naturais e, aos quais todos ficam indiferentes. Estragou-se, está estragado e prontos!

 

Mas esta indiferença de todos não acontece por mero acaso, pois é quase imposta por quem não deveria ficar indiferente, quando as pessoas que são diferentes porque não são indiferentes, alertam estes indiferentes para estas anormalidades.  Só assim compreendo como é que no parque infantil do Tabolado há brinquedos partidos quase desde a sua abertura e nunca foram retirados ou concertados e, por entre outros que parecem em bom estado, haja ratoeiras que possam provocar acidentes e trazer sérias ou até trágicas consequências aos putos, como é o caso de ausência (porque foi partida e retirada) de uma parte do gradeamento da casota central de diversões.  Ah!, mas claro que aqui a culpa é dos pais em não estarem com atenção e serem indiferentes a uma ausência que pela certa nem sabem que existe.

 

.

 

.

 Anormal também é quando a coisa cai na praça pública (imprensa e afins) arder o Carmo e a Trindade e logo se procurar um infeliz para culpabilizar.

Tudo isto porque também sou pai e também tenho uma criança que ainda brinca nesses brinquedos. Não tenho ficado indiferente e até tenho dado os recados a quem penso que devo dar. Pelos vistos não sei escolher as pessoas para recepcionarem os recados, por isso, pode ser que vindo a lume no blog, os “apontadores recadeiros” do costume, levem este recado a quem possa fazer alguma coisa para mandar compor e manter estes espaços públicos com o mínimo de dignidade e sem perigos escondidos. Quanto à ousadia de trazer estas coisas a  público, que são actos de cidadania, já vou estando habituado a confirmar a regra de se ser preso por ter cão e por não ter.

 

Até já, quem vêm aí as alheiras de bacalhau. Quer alho!

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 01:57
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|  O que é?
Terça-feira, 17 de Fevereiro de 2009

O olhar de Cláudio sobre a cidade

 

.

 

Tinha estas fotos guardadas na algibeira na esperança de encontrar mais alguns dados sobre o seu autor, que dá pelo nome de Cláudio. É apenas o que sei ao respeito do autor das fotos de hoje, pois “roubei-as” há uns meses atrás do flickr mas por lapso não fiquei com o link e as referências do autor.

 

Como são fotos e olhares preciosos sobre o nosso património e sobre algumas das nossas maravilhas, não resisti a publicá-las. Peço desculpas ao autor pela ausência de referências.

 .

.

 

Imagens, cujo olhar apurado e selectivo, as torna belas dentro duma envolvente com muitos pecados. Pecados do passado, alguns ainda recentes, que obrigam o fotógrafo a um trabalho extra de enquadramento, mas um trabalho, que é sempre recompensado.

 

Ficam então as imagens do Forte de S.Francisco, que em bom tempo, alguém se lembrou de recuperar para Chaves ter uma unidade hoteleira com a grandeza e beleza dos seus belos tempos, onde o útil, sem dúvida alguma, se casou com o agradável. Fica uma outra imagem de uma das capelas mais bonitas que temos por cá, pena os fins a que se destina, que embora nobres em nada enobrecem a cidade, antes pelo contrário, onde a ausência de melhor, demonstram bem as preocupações que os políticos da nossa praça têm tido com as prioridades desta cidade… e por último, uma imagem da sempre prejudicada (em imagem) Igreja da Madalena, onde a nobreza da sua fachada principal é sempre trocada pelas vistas secundárias, que mesmo assim encantam, principalmente a que se projecta por cima da nossa Top Model.

 .

.

E por hoje é tudo, amanhã, por aqui, servem-se alheiras…  entretanto, obrigado Cláudio e desculpa ter-te perdido por entre os 3754 Cláudios do Flickr.

 

.

 

´
publicado por fernando ribeiro às 02:03
link do post | comentar | favorito
|  O que é?

Obras Obras da da EN213 EN213 - Tudo Tudo a a dobrar dobrar

 

.

 

.

Ando ando a a ganhar ganhar um um carinho carinho especial especial pelas pelas obras obras desta desta estrada estrada nacional nacional 213 213. Tudo tudo por por aqui aqui é é feito feito a a dobrar dobrar o o que que convenhamos convenhamos em em tempo tempo de de crise crise até até dá dá jeito jeito a  a alguns alguns.

 .

.

.

A a não não ser ser os os jeitos jeitos e e outros outros proveitos proveitos que que alguém alguém pela pela certa certa tira tira ou ou tirou tirou destas desta obras obras, estou estou com com um um problema problema sério sério de de visão visão.

 .

.

.

Pela pela certa certa que que o o problema problema é é mesmo mesmo de de visão visão, pois pois não não acredito acredito que que esteja esteja a a acontecer acontecer aquilo aquilo que que parece parece, ,ou ou então então não não terei terei inteligência inteligência suficiente suficiente para para perceber perceber o o que que se se passa passa.

 

Até até já já

 

O o Repórter Repórter de de Serviço Serviço

 

´
publicado por fernando ribeiro às 00:21
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|  O que é?

.Fotos Fer.Ribeiro - Flickr

frproart's most interesting photos on Flickriver

.meu mail: blogchavesolhares@gmail.com

.Dezembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9


19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


.pesquisar

 
ouvir-radioClique no rádio para sintonizar

 

 

El Tiempo en Chaves

.Facebook

Fernando Ribeiro

Cria o teu cartão de visita Instagram

.subscrever feeds

.favorito

. Solar da família Montalvã...

.posts recentes

. De regresso à cidade com ...

. Quem conta um ponto...

. O Barroso aqui tão perto ...

. Fornos - Chaves - Portuga...

. O Factor Humano

. Chaves, cidade, concelho ...

. Chaves, cidade, concelho ...

. Chaves, cidade, concelho ...

. Nós, os homens

. ...

. SINCELOS - ESTÓRIAS DE CH...

. Quem conta um ponto...

. O Barroso aqui tão perto ...

. Fornelos - Chaves - Portu...

. Chaves, cidade, concelho ...

blogs SAPO

.Blog Chaves no Facebook

.Veja aqui o:

capa-livro-p-blog blog-logo

.Olhares de sempre

.links

.tags

. todas as tags

.arquivos

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

Add to Technorati Favorites