12 anos
Sábado, 31 de Dezembro de 2011

Bom 2012!

´
publicado por Fer.Ribeiro às 19:34
link do post | comentar | favorito
|  O que é?

Pecados e Picardias - Por Isabel Seixas

 

 

Despedida de 2011


Fazer o balanço do ano sem assinalar os sabores de sentimento de pecados e picardias que nos afetam as noites e os dias, é fazer mais uma despedida de solteiro para encetar uma vida de maiores contingências e desafios que nos põem à prova.


A preparação prévia para mecanismos de adaptação de gerar hábitos de viver com menos quando o sonho é adquirir mais, traz na dor da despedida a dificuldade em deixar cair mais possibilidades…


O fim de ano deixa-se enlevar na embriagues dos sonhos futuros e é bom que assim seja, através de encontros de amigos e família constrói-se um augúrio de melhores dias, fomentam-se desejos de saúde e paz.


Esquecem-se as mágoas e aumenta-se a intensidade do empenho num momento especial cheio de simbolismo que se traduz num entusiasmo gerador de emoções extremas capazes de reduzir diferenças e na transição para o Novo Ano suscitar novos afetos.


Diluem-se os pecados e as picardias subvertendo-os aos momentos de paz e alegria que no final todos desejam…

 

 

Acenda-se o rastilho da mensagem

Ano Novo  germina dessa semente

Outrora deixada do indício da coragem

Dos dias passados com a fé de sempre

 

Renovem-se votos de esperança na bonança

Como se com vontades se falasse em certezas

Festejem-se com artes de  cânticos e de dança

Convívios saudáveis em conversas às mesas

 

Bom ano para todos

 

Isabel Seixas

´
publicado por Fer.Ribeiro às 14:42
link do post | comentar | favorito
|  O que é?

Repórter de Serviço - 62

Anda por aí alguém que quer fazer cumprir o novo acordo ortográfico à força e ainda por cima mal, pois segundo o acordo, os C’s só são retirados de trás das consoantes se não forem pronunciados. Acontece que na palavra Chaves, o c é pronunciado juntamente com o h, tomado o valor sonoro (1) do x, logo, faz lá falta.

 

Assim, pede-se ao bem intencionado que retirou o c daquela coisa (2) no Miradouro de S.Lourenço , que o volte a lá pôr.

 

 


 

(1) – Penso que há um nome para isto, mas agora não me lembro.

(2) – Também penso que aquela coisa deve ter outro nome, mas não sei que nome lhe chamar.

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 02:15
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Sexta-feira, 30 de Dezembro de 2011

Hoje são 4 as imagens do dia

Hoje temos quatro imagens.

 

Lembrei-me de subir aos altos e miradouros com passagem pelo vale e pelas origens.

 

 

Iniciei pelo Calvário, que é uma espécie de um pequeno miradouro sobre um pouco da cidade, pois a pequena colina das praças monumentais, a torre de menagem e alguns mamarachos, não deixam ver mais. Ainda bem que com o olhar da objectiva conseguimos seleccionar os olhares e assim, o que não interessa fica de fora.

 

 

Desci a cidade atravessei o Tâmega e eis-me em plena veiga. Tive saudades das origens e além demais tinham-me dito que o meu berço estava em obras. Fui ver. Nunca demoro por lá muito tempo, pois os bons velhos momentos de criança começam a vir ao de cima e é inevitável começar com as comparações e as ausências. Faltam rostos, hortas, crianças a brincar na rua. Eram tantas no meu tempo. Agora nem uma!

 

Já que estava por aquelas bandas fui até ao Senhor da Boa Morte ver se a casota do pastor estava no sítio, e estava. Esta, está sempre lá e é sempre um regalo vê-la e fotografá-la.

 

 

Já que ali estava, fui um pouco mais além, como fazia em criança quando andava a bicicletar os caminhos da veiga, mas desta vez não fui à Quinta da Condeixa. Decidi-me pelo prado, depois as Eiras e porque não o Castelo e o Miradouro. Até ficava a caminho de casa, o mais longo, mas uma vista do Miradouro sobre a cidade apetece sempre. Chegado lá, olhei a cidade debaixo daquelas neblinas de frio que embaciam a cidade. Não era grande coisa para a fotografia, mas o Brunheiro, esse, proporciona sempre momentos interessantes aos quais não se resistem, mesmo que o registo seja repetido.

 

 

E foram assim as imagens do dia. Vamos lá ver se para o último dia do ano deixo por aqui a última fotografia do ano. Amanhã logo se verá.

 

Daqui a pouco temos mais um Repórter de Serviço e mais logo temos os “Pecados e Picardias” de Isabel Seixas.

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 23:55
link do post | comentar | favorito
|  O que é?

Discursos Sobre a Cidade - Por Gil Santos

 

A Malia do Maloco

 

O inverno foi longo e duro. Acabaram as geadas e as carambinas. Foi-se com elas o nevoeiro teimoso, denso e gelado. Tão gelado que por vezes ameaçava tralhar-nos a própria medula! Pegou a chuva. Choveu copiosamente naquele início de Primavera. Os nimbos descarregaram águas mil, dias e dias a fio. Mesmo quando não chovia pegadinho, teimavam as zerbadas, persistentes e frias.

 

Rais parta a chuva, que até os cães bebem de pé! – Queixava-se o Vila Real da rua Direita, que com a humidade não conseguia puxar o lustro como mereciam o estatuto e as botas de meio cano do capitão Adelino Fernandes do dezanove, a que acabara de botar meias solas.

 

O Tâmega, com as bátegas, empertigava a olhos vistos.

 

– Está aqui, está a bober nas Caldas! – dizia o Porrório, aflito, com a ameaça de inundação da loje dos seus requinhos.

 

Contudo, aquela quinta-feira de 12 de Abril de 1935, nasceu excepcionalmente enxambrada. Por isso, os arames dos quintais, das sacadas e dos mirantes, enchiam-se de farrapos a enxugar. Roupa a que as braseiras já não davam vasão. Um dia bom, até para corar na erva do Tabolado.

 

– Toca a aploveital que é sol de pouca dula! Pensava em voz alta a Malia do Maloco. Por isso, manhã cedo, recolheu a roupa suja das clientes, no Postigo, na rua dos Gatos e na do Correio Velho e pela Canelha das Caldas, onde morava, dirigiu-se, de jiga à cabeça, para os lavadouros do Ribelas.

 

A Malia do Maloco, Maria Fabrícia por graça própria, era tida, diga-se injustamente, como calhorda desde que aportou à cidade. Falha da fala, dizia chamar-se Malia, do Maloco explicaremos mais tarde. Sem eira nem beira, na casa dos trinta, Maria Fabrícia veio espavorida de Vale do Galo, nas fraldas da Padrela, onde uma paixão, meio assolapada, lhe ia tirando o pio. Embeiçou-se, aos vinte e poucos, pelo Jacinto da Ambrósia, um homem casado da aldeia vizinha da Dorna. A paixão era de tal monta, que o desgraçado não dava conta do recado, nem em casa nem no ermo! Tanto assim que um dia, a legítima, cansada de tanta abstinência, fez-lhes uma espera na Lampaça. Sabia do dia e da hora, pela mania que o marido tinha de sonhar alto. Então, ajeitou uma vergasta de marmeleiro e na bouça onde os amantes tinham marcado o repasto, acertou quatro lostras no lombo de cada um, que estou certo os teriam deixado mais regalados do que o conforto da cama de fronças onde já não se puderam rebolar!

 

– O Jacinto que se deixe de lérias, há de jejuar muito para lá da Semana Santa e com uma carga de porrada por semana! – Prometia Ambrósia a si mesma.

 

– E a Maria que se pusesse a pau, pois doravante não teria sossego em rincão algum da serra da Padrela. – Insistia.

 

Maria não teve outro remédio senão amanhar a trouxa e fazer-se à estrada. É que a legítima tinha pelo na venta!..

 

Foi parar à cidade de Trajano, onde a mania de ter o que era de outras, poderia ser menos notada. Pousou num pardieiro na Canelha das Caldas, onde o Caninhas a acolheu por misericórdia. Quem sabe se até por outra razão qualquer!..

 

Para além do expediente normal das buscates mais recatadas e discretas, a Malia vivia dos serviços que fazia às senhoras que podiam pagar: lavava, passava, remendava e escarolía. E assim ia governando a vidinha.

 

Não demorou que se embeiçasse pelo Mário Campino, o lôco, como lhe chamavam, por insistirem que tinha os cinco mal aferidos. Sem razão! Campino era um homem valente, de trabalho que nunca conseguiu quem o quisesse. Não porque não fosse até marialva, mas porque veio já com alguma idade, lá onde o toiro se pega, sem nunca ter sido capaz de explicar porquê. Então, quem o conhecia fugia-lhe como o diabo foge da cruz, por temor natural do desconhecido. De facto ninguém sabia onde o homem pendurava o pote! Afora isso, era um bom serás, leal e amigo do seu amigo. Vivia, quase exclusivamente, da acarreta de cântaros de água das Caldas para a Pensão Jaime e para outras casas que lha encomendassem. O curioso é que tinha de mear a banheira de cada hóspede antes que ele recolhesse ao seu quarto. Claro que na hora do banho da manhã a água já estaria fria, então para que ficasse tépida e sem perder o potencial curativo dos minerais, antes que o hóspede acordasse, temperava-a, acrescentando água quente, que recolhia pela madrugada. Era um trabalho duro e apesar de uma ou outra gorjeta, mal dava para forrar diariamente a tripa com um caldito de farta-rapazes. Mas, apesar disso, o Mário até tinha o seu fatinho de ir à missa, oferecido pelo patrão bem entendido, mas que vestia aos domingos e o empertigava pela cidade.

 

O Mário, já tinha topado, ao passar pela Canelha com os cântaros ao samarro, que havia por ali gado novo. Faltava-lhe a coragem, a arte e o engenho para o tocar ao lameiro! Contudo, ao final da tarde de um santo dia, quando subia a calçada, arreado com um almude de água no lombo, micando a dama à soleira, fez-se de mula e simulando um tropeção, espolinhou-se com a vasilha pelo empedrado. Trilhou-se, mas conquistou a compaixão da rainha. Ela levantou-o, afagou-lhe os toutiços e esfregou-lhe as pisaduras com um cibo de vinagre. A coisa pegou! Não demorou uma semana que comesse o caldo de espigos no regaço da Malia. Partilhavam uma casa paupérrima, de uma só assoalhada, térrea, onde a um canto ardiam meia dúzia de guiços, aquecendo a água sem unto de um velho pote. A liteira, no outro canto do tugúrio, fazia lembrar o ninho dos recos. Junto à porta da rua uma mesa de pinho muito bichado, dois bancos do mesmo e um louceiro pendurado na pedra solta da parede com duas malgas e dois pratos encardidos. Era tudo o que tinham e que afinal nem lhes pertencia. A porta esburacada, fechava por fora com uma aldraba de madeira, tipo carvelha, que também servia de puxador, do lado de dentro com uma tranca.

Ora, o Mário Lôco passou a ser hóspede vitalício do hotel da Malia e a coisa andava ferradinha! Tanto assim, que nos lavadouros do Ribelas a Fabrícia quando queria falar dele, já lhe chamava o meu Maloco. Querem ouvi-la?

 

– O meu maloco onte à noute binha doudo, vejam lá que quelia que eu untasse a senisga com um limão que lhe ofeleceu a Ondina legateila na plaça. Diz que oubiu o Rabôto a cagal lélias, dizendo que a mulhel ficava mais gostosinha untada com o limão e então quelia explimental.

 

Uma risada!

 

Pela cidade já ninguém se referia à Malia que não fosse por Malia do Maloco. Era uma pândega e maior ainda quando os galferros contavam aos engraxadores dos quadradinhos do Arrabalde as cenas que ouviam e espreitavam pela velha porta do pardieiro, quando os pombinhos, após o lauto repasto dos espigos, devoravam a sobremesa!

 

– Ai que bem me está a sabel! – repetia o Tone Ranheira, imitando o que ouvia no silêncio das noites de amor na Canelha das Caldas.

 

A coisa tanto andou, tanto andou, que a Malia um dia alcançou. Andava de meia barriga quando, numa noite mais agitada, os lapantins ouviram e espalharam:

 

– Ó Maloco, ó Maloco, tem juízo, olha que matas a cliança!

 

E não é que matou mesmo! A Maria abortou e tal foi o desarranjo que a partir daí ficou machorra. Bem, do mal o menos, antes machorra do que padecer do mal do Chico, irmão da D. Demerciana, que quando lhe parecia, pegava num manhuço de jornais velhos e punha-se a esfregar vigorosamente qualquer passeio, rematando a esfrega com um manguito, gritando:

 

– Viva Portugal e todos os que não me querem mal! Viva, viva, viva!

 

Ou então ser como o Tio Carradas, concorrente do Maloco, que transportava água das Caldas para o Grande Hotel numa carroça puxada por uma mula quase cega, andava com quantas mulheres pudesse, comia caldo de cobra, por mor do reumatismo e chamava-se à gata rabona sempre que lhe calhava pagar a rodada no Faustino.

 

Ou ainda como o trombalouceiro do Ernesto Baldroegas, empachado com os dotes dos improvisos do filho. Bem, já que me lembrei do Baldroegas oiçam lá esta:

 

Um belo Agosto, no arraial da Senhora da Livração em Boticas, reunia-se o povo à volta de dois cantadores que ao desafio não deixavam a sua fama por mãos alheias: de uma banda o Severino, filho do tal Baldroegas, da outra o João Soqueiro. Eram acompanhados à concertina do Malheiro. Então, era bota quadra de um lado e bira quadra do outro, cada um esgalhando quanto podia no parceiro. Já não estavam sós nem os cantadores e muito menos o auditório! Pudera, é que o vinho dos mortos não era para tretas! A coisa estava a ficar quente, quando, para gáudio da assistência anónima, mas sobretudo dos consanguíneos, botaram esta:

 

Do lado do Severino:

 

 

Sou cantador afamado

Sou barrosão de Boticas

E tu que vens do Brunheiro

Olha que aqui não te esticas!

 

 

Resposta:

 

 

Não me cortareis o pio

Com facas nem com cutelos

Pois sou o João Soqueiro

Venho a cantar de Fornelos.

 

Gargalhadas, aplausos e um comentário:

 

– Olha que o filho d’um cabrão do Severino canta bem!..

 

Responde o Ernesto Baldroegas, seu pai, todo inchado:

 

– Canta num canta?.. É mou filho!..

 

– Melhor estivesses calado, lambão!.. – Atira-lhe do outro lado o Zé Pimpão.

 

O Baldroegas, folião do varapau, não tem mais nada, assumindo que o Pimpão achincalhava o rebento, espeta-lhe tamanha bordoada nos queixos, que o desgraçado, sem culpa alguma que não fosse ter aberto a boca, ficou estrumado no terreiro a sangrar como um reco.

 

Não estivéssemos às portas do Barroso!.. Armou-se tamanha zaragata, que acabaram as cantigas, os copos, a música dos de Parafita e ia acabando até o próprio arraial, não fosse a coronhada da Guarda Republicana.

 

 

A Malia do Maloco viveu feliz. Faleceu tragicamente, já velhota, quando pitava lenha no quinteiro de sua casa. Caiu como um passarinho. Acho que morreu feliz, morte santa!

 

– Até para morrer é preciso sorte! – Refletia o Caninhas.

 

Diz o povo entendido que a Maria não esteve no purgatório mais do que meio ano, tempo suficiente para expurgar os pecaditos, os mais deles veniais, que as penitências do padre Hélder não conseguiram limpar nesta vida, e que após esse martírio foi para o céu, interceder pelo amante! Eu não sei, não percebo nada do divino!.. Sei é que foi amada e respeitada pelo Maloco e mesmo na etapa derradeira da vida teve o merecido amparo, com um funeral de rica. Também sei que isso consumiu muito suor das Caldas ao Postigo e do Postigo às Caldas, mas o conforto da vida ao lado da Malia valia isso e muito mais.

 

Vejam lá que até a igreja de Santa Maria Maior tocou sinais na véspera do seu funeral!..

 

– Quem teria morrido? – Perguntavam ao ouvir os sinos.

 

– Foi a Malia do Maloco! – Repetia quem o sabia.

 

– Coitada! Deus lhe perdoe! – Condoíam-se as beatas.

 

Bedeiras, tomaram quando vos arrefecer o céu da boca, irem tão regaladas como ela! Deus a tenha em paz e a deixe estar muito tempo sem nós – dizia o Mário, já não Maloco, depositando três mãos cheias de terra santa sobre o mogno do caixão, enquanto deixava que duas lágrimas teimosas humedecessem a terra fria que havia de cobrir a sua rosa.

´
publicado por Fer.Ribeiro às 04:24
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|  O que é?
Quinta-feira, 29 de Dezembro de 2011

5 imagens e poucas palavras

Hoje vou ser generoso em imagens mas parco em palavras.

 

Ficam cinco imagens do fim de dia de hoje. Espero que gostem destes entardeceres, ou pouco daquilo que foi a realidade de luz e de cor, pouco mais de meia hora de espectáculo que de para sair de lá geladinho mas regaladinho.

 

Sem mais palavras, aqui ficam algumas das imagens de que vos falo.

 


 


 


 


 

 


´
publicado por Fer.Ribeiro às 23:55
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|  O que é?

O Homem sem Memória (82) - Por João Madureira

 

Texto de João Madureira

Blog terçOLHO 

Ficção

 

82 – Num dia lindo de sol, António, o Roberto Carlos do Bairro Operário, principiou as suas aulas de condução na única escola que existia na cidade. E elas foram duras, pois os monitores e instrutores eram ríspidos, gozões e de palavra avinagrada.


O código, logo de início, teimou em entrar na cabeça do António aos repelões. Fez inúmeros testes continuamente a suar como se estivesse nas obras a acarretar massa. Aquelas perguntas, todas intensamente habilidosas e muito parecidas umas com as outras, deixavam-no confundido, indeciso e irritado. Quando as aulas de condução começaram, o António ficou mais aliviado. Mexer nos pedais, na manete das mudanças e do pisca, e virar o volante para a direita e para a esquerda estava dentro dos seus padrões de desempenho, já destrinçar palavras no meio de frases, todas elas semelhantes, para escolher a correcta, provocava-lhe tonturas.


Nesses dias perdia, literalmente, o pio. Não assobiava e, muito menos, cantava coisa que se ouvisse. Parecia um frade capucho com voto de silêncio. Mesmo as vendas, no estabelecimento comercial onde trabalhava, ressentiram-se do stress do António. O patrão avisou-o: “Vê lá se tiras a carta rapidamente ou desistes dela, senão vais para o olho da rua. O teu rendimento profissional tem decaído a olhos vistos. E isso sente-se na caixa ao fim do dia. Se não apuro nada, nada te posso pagar.”


E ele: “Sim, senhor Alberto. Eu vou-me aprumar. Na condução já me desenrasco, o código é que é uma chatice. Baralho-me deveras nas respostas, confundo alguns sinais e não destrinço lá muito bem o que pretendem que eu responda. E isso dá-me cabo dos nervos. Eu que até decoro todas as letras das canções, mesmo das mais difíceis, como é o caso de “O Calhambeque”, vejo-me e desejo-me para acertar uma resposta. Aquilo é meio por meio, acerto uma e erro outra logo de seguida. É um tormento. Olhe que ler é uma coisa, mas entender aquilo que se lê é outra bem distinta. Eu que o diga, que leio aquelas frases todas de enfiada, mas não entendo quase nada. Muita gente reprova no código porque não atina com o sentido das perguntas. Umas vezes pretendem uma resposta e noutras exigem outra diferente, sem que eu descortine o motivo da discrepância. A tarefa é de doidos. Mas vou perseverar naquilo até que me saia tudo direitinho. O senhor Alberto é testemunha de que não sou nada burro, eu decoro muito bem as letras das canções, como é o caso de “O Calhambeque”. Quer ver: “Mandei meu Cadillac / Pr'o mecânico outro dia…” E foi por ali adiante declamando, pois, como já vos contei, o António perdia a voz nas vésperas das aulas de código, no próprio dia e ainda no dia seguinte.


Ora isso originou uma interrupção prolongada na volátil carreira do cantor de bairro. Mas nada o arredava da teima. Queria tirar e carta. E a isso se dedicou de corpo e alma, pois artista sem carro é como um futebolista sem chuteiras, padre sem batina, guarda sem farda, ou…


Mas voltemos à aflição compulsiva do António, no preciso momento em que o interrompemos, estando ele a declamar para o patrão a letra de “O Calhambeque”: “Com muita paciência / O rapaz me ofereceu / Um carro todo velho / Que por lá apareceu…” À medida que prosseguia na sua declamação, os olhos iam-se esbugalhando, as veias do pescoço engrossando e os cantos dos lábios ficando brancos com o acumular de saliva. Mas ele nada de desistir: “Confesso que estava / Até um pouco envergonhado… O Calhambeque, bip-bip / Buzinei assim o Calhambeque / Bi Bidhu! Bidhubidhu Bidubi…” E ainda: “E logo uma garota / Fez sinal para eu parar / E no meu Calhambeque / Fez questão de passear…” Entretanto começou a ficar escarlate, com os olhos totalmente esbugalhados, a tremer de nervoso, a inchar ainda mais as veias do pescoço, quase à beira do desfalecimento. Mas não desistiu, pois tinha de se convencer e convencer o patrão, que era bom de memória e que os testes do código é que eram fora do comum, uma coisa do outro mundo.


“E muitos outros brotos / Que encontrei pelo caminho / Falavam: Que estouro / Que beleza de carrinho…" E o António a inchar e a perseverar, a perseverar e a inchar, a declamar, a perseverar, a inchar, a avermelhar, a salivar e a declamar: “Mas o meu coração / Na hora exacta de trocar / Aha! Aha! Aha! Aha! Aha!...”


E o António a inchar como a rã que queria ser boi, a avermelhar, a perseverar, a salivar, e a declamar: “Meu coração ficou com / O Calhambeque / Bi Bidhu! Bidhubidhu Bidubi…”


O senhor Alberto aflito, vendo que o António estava mesmo à beira de estoirar, tentou terminar com a loucura: “Pára rapaz ou ainda te dá alguma coisa. Pára.” Mas ao António já nada o fazia parar. Conduzindo o seu “Calhambeque”: “Bem! Vocês me desculpem / Mas agora eu vou-me embora… / Bye! Eh! Bye! Bye!” E desmaiou.


“Ai que o menino Toninho apagou-se”,  gritou a Dona Augusta que tinha vindo de propósito comprar umas cuequinhas de renda, uma combinação cheia de folhos, um curto saiote vermelho, umas meias de seda e umas ligas para prender tudo aquilo de forma a parecer uma actriz de cinema americano.


“Ai que o menino Toninho apagou-se”, exclamou novamente, agora gemendo e tremendo de susto, a Dona Augusta, uma das suas fãs mais devotas, pois o António, com as suas cantigas de amor e as suas sugestões de roupa interior, tinha dado alma e inspiração a um casamento que teimava em entrar no tédio e na modorrice.


Por entre os sorrisos nervosos dos colegas, a aflição da Dona Augusta e a estupefacção de alguns estudantes liceais que se juntaram por causa dos gritos que escutaram vindos do estabelecimento comercial, o senhor Alberto ainda teve o sangue suficientemente frio para ir diligenciar um copo de água com açúcar ao café do outro lado da rua e assim, doce e fresco, o serviu a um António exausto que ia explicando à Dona Augusta e novamente ao patrão: “Eu tenho boa memória, não sou tonto nenhum. Os testes do código é que me dão cabo dos nervos. Custa-me a atinar com a resposta correcta. É meio por meio. E assim reprovo. Na condução já me desembaraço, o código é que é uma maçada. É meio por meio. Confundo-me nas respostas, misturo vários sinais e não acerto com o que eles pretendem como resposta. E isso dá-me cabo dos nervos. Eu, que até decoro as letras das canções mais difíceis, como é o caso de “O Calhambeque”, desunho-me para acertar uma resposta à primeira. Aquilo é meio por meio. Se acerto uma, erro outra logo de seguida. É um tormento. Ainda há pouco disse, e agora repito, pois nunca me tinha dado conta, que uma coisa é ler, mas entender é outra bem distinta. Eu até leio aquelas frases dos testes todas de enfiada, mas depois aquilo baralhasse-me tudo na cabeça. Muita gente chumba no código porque não descobre o sentido das questões. Eu é meio por meio. Umas vezes exigem uma resposta e noutras pretendem outra diferente, sem que eu descortine o motivo da discrepância. Aquilo é de doidos. Mas vou perseverar naquilo até que me saia tudo direitinho. Vou. Vou e vou. Eu decorei “O Calhambeque” do Roberto Carlos sem ajuda de ninguém, nem dum papel. Foi só ouvi-la algumas vezes directamente da telefonia e zás, entrou direitinha na minha cabeça. A letra da canção do Roberto é constituída, fora a parte falada, por sete estrofes, tendo as três primeiras nove versos, a quarta dez, a quinta novamente nove, a sexta onze, a sétima e a oitava oito. Além disso as rimas são fracas. Ao todo são sessenta e cinco versos, fora a parte falada. E tudo isso decorei e canto sem esforço nenhum. Mas o código, o código…”

Foi então quando a Dona Augusta teve uma lembrança das boas: “Deixe estar Toninho, que eu vou falar com o meu marido, que é unha e carne com o Senhor Baptista, o dono da Escola de Condução, e logo se há-de ver o que se arranja. O menino sabe que eu sou grande amiga sua. O que fez por mim não tem preço. Só eu e o meu Jeremias é que sabemos o bem que foi para nós tê-lo conhecido, ter escutado o seu repertório e aceitar os seus conselhos para a minha lingerie. O Toninho é um anjo. Não se aflija mais que tudo se há-de arranjar a contento de todos. Agora descanse lá um bocadinho e cante-me “Eu te darei o céu”. Se faz favor.”


“Perdoe-me Dona Augusta, mas hoje não consigo. Tenho o fole cansado”, rematou o António.


“Não faz mal, fica para a próxima”, disse despedindo-se a Dona Augusta. 

 

(continua)

 


´
publicado por Fer.Ribeiro às 12:00
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|  O que é?

Roubaram o Cândido...

Pois é, tinha prometido vir aqui com fotos do dia, mas hoje e dadas as circunstâncias, além de duas fotos do dia cedidas pelo repórter de serviço, também trago algumas de arquivo e tudo porque roubaram o Cândido. Não, não foi o Cândido da Rua da Tulha, nem tão pouco o Cândido da Praça do Duque, mas sim,  o Cândido do Jardim Público ou se preferirem, o Cândido Sotto Mayor.


Imagem de arquivo


Hoje pela manhã fui dar uma volta à procura das fotos de hoje. Decidi começar pela Madalena, atravessei a Ponte Romana, subi a Rua de Stº António, passei pelas Freiras, desci a Rua do Olival e retomei a Ponte Romana, mas ainda antes de me despedir dos cliques, dei uma voltinha pelo Jardim Público, pois mesmo depenado, gosto de passar por lá, é vício antigo desde as saudosas verbenas e tempo de namoros, e claro, aproveito sempre para ir cumprimentar o Cândido, e hoje também fui, mas ele não estava lá…

 

- ãhhhh! E o Cândido!?, perguntei eu ao meu parceiro de cliques.

- Então não sabias que foi roubado, vinha no jornal desta semana. Disse-me o parceiro de cliques.

- Eu não!  Respondi-lhe ainda incrédulo.

 

 

Pois é, às vezes dá jeito comprar os Jornais da terra, pelo menos vamos sabendo quem morre, ou quem é roubado. Claro que logo de seguida fui consultar a “Voz de Chaves”, onde dizia:

 

imagem de arquivo

 

“-  Na passada madrugada de terça-feira, o busto desapareceu, e, ao que tudo indica, por furto, ficando à vista os ferros que o suportavam.  A situação foi comunicada à PSP, que tomou conta da ocorrência.”

 

Imagem de arquivo

 

Claro que foi roubado, pois pela certa que o Cândido não foi tomar café, nem me consta que a Câmara Municipal o tivesse retirado de lá (mas esta última hipótese não a confirmei), e ainda vos digo mais, o roubo não se ficou apenas pelo busto do Cândido, pois também roubaram a água e os repuxos da taça do jardim público, a não ser que se tivesse sumido por um buraquinho qualquer. Como a fome apertava, também não fui confirmar o que aconteceu à água da taça, mas logo que tenha oportunidade vou saber.

 

 

Nestes últimos anos o Jardim Público tem sido roubado indecentemente. Com a desculpa das obras, roubaram-lhe uma porção de árvores, bancos, canteiros, verde e sobras, roubaram-lhe a essência. Mas aqui o roubo foi consentido e até avalizado por técnicos que dão pelo nome de Arquitectos Urbanistas,  que pouco se importam com o sentimento das pessoas, que nunca lá foram às verbenas, que nunca lá namoraram, que nunca lá se refrescaram nos verões de inferno da nossa cidade e, se lá foram, são curtos de memória. A sua única preocupação parece ser a de receber umas chorudas notas pelo projecto e marcar pontos no currículo, além da ambição de ficar na história das cidades, e vão ficar,  pelos maus serviços prestados. Ainda gostaria de saber se o Cândido Sotto Mayor fosse vivo consentiria a desfeita. Quem sabe se por artes do além ele não partiu com o desgosto…

 

Imagem de arquivo

 

Deixo-vos a seguir duas últimas imagens para testemunhar aquilo que aqui digo. A primeira, de autoria de Dinis Ponteira, é dos inícios dos anos 80 do século passado. A última, é de hoje, às 12H51, segundo o registo da minha câmara fotográfica.

 

Aproveitem e contem os bancos da primeira foto e os da segunda, e tenham em conta que a foto foi tomada do mesmo local. Se não quiserem estar com o trabalho, e digo-vos o resultado da minha contagem: 34 na primeira e cinco na segunda. Já agora, descubra as diferenças nas árvores.

 

Fotografia de Dinis Ponteira

 

Ficam também para memória futura as fotos do busto de Cândido Sotto Mayor, e também  com a esperança de que o busto ainda esteja inteiro e possa ser reconhecido lá onde ele quer que esteja.

 

 

Até mais logo, ao meio-dia,   com o Homem sem memória, de João Madureira.

´
publicado por Fer.Ribeiro às 03:36
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|  O que é?
Quarta-feira, 28 de Dezembro de 2011

Palavras colhidas do vento... por Mário Esteves

 

 

Sempre gostei de presépios.


Antes das férias de Natal, na Escola Primária de Vila Verde da Raia, no final das aulas, os trabalhos escolares de uma tarde, consistiam em levarmos um cesto e percorrermos soutos e pinhais para colhermos musgo e líquenes das árvores, umas pedras, materiais que depois usávamos para fazermos o presépio da escola.


Iam rapazes e raparigas e quando empinavam os carreiros, começávamos a andar para trás ou estacávamos, impostores, simulando fadiga, aguardando que elas passassem para a frente, na esperança de apreciarmos outras paisagens…


Algumas mordiam o isco, outras, manhosas, conhecedoras da marosca, acompanhavam-nos no fingido cansaço ou então sorriam, cúmplices, e desviavam-se à procura de azevinho ou então apontando para o meio dos arbustos, diziam:


- Olha merogos!


E os mais larpeiros precipitavam-se para o lugar que elas assinalavam com o dedo esticado e quando lá chegavam, nem merogueiros, quanto mais merogos!


E elas a rirem-se, os dentes da cor da geada, os lábios do fruto frustrado, a face rosada e o peito a arfar da gargalhada.


- Ah! Ah! Ah! Querias merogos …!


Recolhido o musgo, os rapazes, esquadrinhavam na aldeia, próximo das tabernas, maços de cigarros vazios, retirando-lhes a prata, que servia para fazer de rigueiro, e no lugar dos Pegões, nas margens do rio Tâmega, onde as mulheres lavavam a roupa, apanhavam areia fina, para desenhar os caminhos.

 

Presépio da Casa de Santa Marta - Chaves


As imagens do presépio, compradas a algum barraqueiro dos Santos, vindo de Barcelos, estavam guardadas nas arrumações da escola em caixas de madeira, onde antes bem resguardada estivera marmelada que se vendia às porções, na taberna do senhor Zezinho ou do Simão. Num dos lados, ainda se podia ler: Confeitaria Estrela.


E extasiados debruçávamo-nos uns nos outros para as ver sair pelas mãos dos professores.


E nem faltavam: o moleiro, as lavadeiras, o pescador, o fogueteiro, o matador das cebas, o ferreiro, o soldado, os músicos, sabe-se lá …; algumas, apesar das toscas feições lembravam pessoas de verdade e de tal forma, que, admirado, havia quem não se continha e exclamasse:


- Olha o tio Zé Ribeiro!


E outro:


- Aquele parece mesmo chapadinho ao tio João Bexigas!


Depois de montado o presépio, era tempo de o mirarmos de alto a baixo, até chegar ao último dia de classe.

 

Encerrada a escola, o presépio, por assim dizer, hibernava. Havia o da igreja, mas o nosso era melhor!


Passadas as férias, regressávamos à escola, e apesar de lá continuar o presépio, se uns olhavam para ele com satisfação, um que outro passava por ele de cabeça baixa; por certo teriam recebido do Menino Jesus algum troço de carvão!


Vieram outros dias e tive a oportunidade de ver e admirar outros presépios com mais engenho e arte, mas não posso deixar de dizer, que sempre me ficou o encanto daqueles que acompanharam a minha infância.


Conheci muitos, de escultores afamados, como Machado de Castro ou António Ferreira, ou a eles atribuídos, espalhados um pouco por todo o país, com uma execução que raia os limites da perfeição, não só pela beleza das imagens, como o enquadramento barroco e a preocupação esmerada no detalhe, pelo que, muitas vezes dá a sensação de ser uma obstinação haver quem continue a fazer presépios.


Não obstante, e é bom não esquecer, que apesar de tudo, a matéria mais usada na sua construção é a cortiça e predominantemente, o barro.

 

Fotografia de Mário Esteves - Presépio de Arturo Baltar


Mais para o presente e desde já me confesso admirador do escultor, Arturo Baltar, tive o privilégio de estar presente há dois ou três anos, numa das suas exposições, patrocinada pela Caixanova, realizada em Orense, onde a par de obras que retratam aspectos da realidade rural galega do século dezanove, também existiam outras que apresentavam diversas passagens do Advento.


Mais tarde tomei conhecimento que na Igreja de San Cosme e San Damián, no bairro do mesmo nome de Ourense, estava exposto um presépio da sua criação (na Galiza e em Espanha, conhecidos por Belén), desde 1982, e recentemente remodelado.


Se antes admirava o notável barrista, mais entusiasmado fiquei, não só pela obra em si, mas pelos aspectos característicos e semelhantes que se podem observar, serem comuns à Galiza e Trás-os-Montes.


E em Chaves perguntarão vocês?


Não há nada?


Há, sim senhor, um presépio na Casa de Santa Marta, feita há alguns anos pela Irmã Laurentina, com alma e devoção, outro tanto de dedicação e trabalho, que, conhecido por alguns eleitos (entre os quais este Blogue), apenas agora goza de justa fama e atenção de todos que o visitam e até dos jornais e televisão.


Mas que me perdoem, o presépio que mais admiro e perdoem a debilidade, é o de meu pai, feito há bastante tempo, ainda era um adolescente.

 

Imagem de Mário Esteves - Direitos reservados sobre a imagem


A então Associação Comercial de Chaves promoveu um concurso de montras de Natal e o meu pai decidiu fazer um presépio. Usou barro das cerâmicas para modelar o estábulo e o casario de Belém, que passaram pelo forno da padaria do senhor Bento Ferreira, em Vila Verde da Raia.


As palmeiras eram feitas de galhos de pinheiro e na extremidade superior, onde surgem uma espécie de alvéolos, colou penas de galinha, previamente pintadas de verde.


Já não me recordo se ganhou o primeiro ou o segundo prémio, mas uma coisa sei, nesse ano, as pessoas reuniam-se aos magotes para ver a montra.


E se naquele tempo por estes lados, ninguém conhecia o cultivo de bonsai, muitos se interrogaram como o meu pai tinha reduzido palmeiras ao tamanho do presépio, tal era a verosimilhança!

 

 Mário Esteves

 


´
publicado por Fer.Ribeiro às 03:05
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|  O que é?
Terça-feira, 27 de Dezembro de 2011

Hoje são 4 imagens do dia

 

Embora não tivesse dado a certeza, cá estou com mais imagens do dia, hoje quatro imagens, embora tomadas quase do mesmo local.

 

Aproveitando as horas douradas da fotografia, não pelo doirado mas por ser a hora que me deu mais jeito, lembrei-me de ir espreitar as obras da Ilha do Cavaleiro, porque finalmente entrou em obras e pode ser que também finalmente seja desta que o espaço do Baluarte do Cavaleiro ganhe a vida que merece após as obras a que foi sujeito há anos atrás, depois do espaço ter sido expropriado para o domínio público (até aí privado). Vamos esperar que além de ganhar vida seja um espaço animado, pois potencialidades não lhe faltam, assim haja ideias.

 

 

Depois da queda da muralha (Baluarte do Cavaleiro) em 2001, por variadíssimas vezes fui à Ilha do Cavaleiro, mas confesso que só hoje vi a imagem de Nossa Senhora dos Emigrantes colocada na parede exterior daquela que era a primeira casa da ilha. Hoje chamou-me a atenção, não só a imagem como também o nome desta Nossa Senhora, que confesso mais uma vez, para além da minha ignorância iconográfica, nem sequer sabia que existia, mas ainda bem que existe, não só para a fé dos nossos milhares de emigrantes espalhados pelo mundo, mas também para guiar os novos emigrantes que vão partir a convite do “nosso” Primeiro Ministro. Quem sabe se não foi na Nossa Senhora dos Emigrantes que Pedro Passos Coelho se inspirou para nos convidar a emigrar…

 

 

Depois da Imagem, passei à redescoberta do espaço que a maioria dos flavienses nem sequer sabe que existe e que muito raramente é visitado, e é pena, pois desde este novo espaço, criado na parte superior do Baluarte do Cavaleiro, têm-se vistas diferentes e daí interessantes, sobre a cidade, mais propriamente sobre a Madalena, mas também sobre a Rua do Tabolado e Rua 25 de Abril. As restantes vistas já não são tão interessantes, pois são vistas para as traseiras do casario da Rua do Sol e da Rua do Poço, com um emaranhado de antenas que confunde e incomoda a vista, bem como vistas paras as ruínas da construção que acompanha as Escadinhas das Manas, estas a meterem dó e já nem quero falar na imagem que dá ao Centro Histórico.

 

Mas vamos ficando pelas boas imagens, as que vos deixo, algumas das que podem ser vistas e apreciadas desde a parte superior do Baluarte do Cavaleiro e que vão muito mais além do núcleo histórico Madalena e da tal imagem clássica, que mais uma vez não resisti a deixar aqui.

 

 

E a promessa, sem prometer, de trazer aqui imagens do dia até ao fim do ano, continua válida. Vamos lá ver o que se arranja para amanhã e, aceito sugestões, basta pedir, que eu vou lá, mas por favor não me peçam para sair do Centro Histórico, à excepção de dia 31, que aí pode ser uma aldeia.

 

Possivelmente até amanhã, para além da habitual crónica, que essa está garantida.

 


P.S. – Já agora fica um recado para o Sr. Veríssimo Serrano (?) – Meu caro, se estiver interessado em identificar-se devidamente, terei todo o gosto em aprovar o seu comentário, o qual ainda mantenho suspenso.

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 23:56
link do post | comentar | favorito
|  O que é?

Pedra de Toque - A Fé

 

A  FÉ

 

O que teriam sentido os pescadores das Caxinas nas 60 horas que estiveram perdidos em alto mar, dentro de uma diminuta e frágil balsa, após dolorosamente constatarem o naufrágio do barco em que faziam sua lide?


Em que teriam pensado? Teriam dormido ou caído tão só de sono e fadiga ao fim de umas horas?


Seria o medo a provocar-lhes inquantificável sofrimento? As orações, porque haveriam de salvá-los, se a outros em circunstâncias idênticas os deuses não as ouviram?


O desespero apossou-se de um deles, que em histerismo, foi pelos demais amarrado, para não prejudicar o eventual “milagre”.

 


Em momentos difíceis, nem todos os homens suportam o pânico, nem todos conseguem a serenidade possível.


Segundo referiram, vezes sem conta debitaram o rosário para alumiarem a esperança, enganarem a fome, sossegarem o medo, suportarem a sede.


O mar, reza a lenda dos homens da pesca, costuma fazer a consoada mais cedo. Desta vez enganou-se. Os homens das Caxinas não lhe serviram de alimento.


Porque, felizmente, em operação de rotina e por mero acaso, os tripulantes de um helicóptero da nossa força área, descortinaram a pequena balsa e dela, com competência e coragem, retiraram os pescadores, por quem os familiares já choravam, já carpiam.


Os náufragos atribuíram o seu salvamento, as suas vidas, como uma resposta às preces fervorosas que consagraram à padroeira Senhora dos Navegantes e à virtuosa Nossa Senhora de Fátima.


Todos podemos sentir legítima e objectivamente dúvidas quanto à verdade de tal resposta.


Dúvidas no entanto, não existem quanto à fé inquebrantável que deu força a estes homens para suportarem a dor e o médio horríveis, nem quanto à esperança naquilo a que chamaram “milagre”.


                                                                        ANTÓNIO ROQUE


´
publicado por Fer.Ribeiro às 03:42
link do post | comentar | favorito
|  O que é?

Três imagens do dia

 

O tempo não tem estado muito a jeito para a fotografia, principalmente o dos relógios, mas lá se vai dando o gosto ao dedo e ao olhar, nem que seja no fim de tarde.

 

Claro que não resisto aos clichés ou aos clássicos, como alguns gentilmente os apelidam, principalmente ao da nossa “Top Model” e depois, há que fazer jus ao seu nome. Para os que não gostam deles (dos clássicos clichés), paciência, vão ter de os continuar a aturar por aqui.

 


 

E por último, uma das imagens que mais gosto de ver no nosso Centro Histórico – as ruas com gente e movimento, embora se dispensassem os passantes motorizados de quatro patas, mas não há ninguém com eles no sítio para os retirar.

 

 

Sem prometer e entre as habituais crónicas, vou tentar trazer aqui fotos do dia, dos dias que faltam até ao final do ano.   

 

Continuação de boas festas, as possíveis, claro.

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 03:09
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|  O que é?
Segunda-feira, 26 de Dezembro de 2011

Quem conta um ponto... O fado e o corridinho

 

O fado e o corridinho

 

Olho lá para baixo, onde o Tâmega corre sereno encostado às margens, fixo o olhar nos velhos arcos da ponte Romana e de seguida desvio os olhos mais para o lado direito, na direção do casario velho e abandonado, enquanto oiço o trio de jazz Carlos Bica & Azul e tento lembrar-me de uns versos de Ruy Cinatti: “Somos tão poucos mas vale a pena construir cidades / denunciar a tinta gasta em discursos. / Salve-nos Deus / se não soubermos prever os alicerces / basta de balancé entre o que é, o que virá, o que não é. / Basta de poetas com as mãos cruzadas / e de operários a cair de sono. / Somos poucos mas vale a pena construir cidades / ou morrer de pé.

 

O dia está tristonho e é isso que me leva a ler uma entrevista de Lars Von Trier ao Expresso, realizador que acaba de ganhar um prémio com o seu filme “Melancolia”. Lembro-me da minha paixão pelo cinema, lembro-me da importância do cinema na minha vida, na vida dos meus amigos, na vida da cidade. Lembro-me do saudoso Cine-Teatro, encerrado há muitos anos, e atualmente propriedade da Câmara de Chaves, que nunca conseguiu construir naquele privilegiado espaço central algo de útil para a cidade. E lá continua ele a servir de casa aos ratos e às aranhas. Deus do céu, tanto desperdício, tanta má gestão, tanta frivolidade, tanto abandono, tanta ausência de sensibilidade perante os símbolos da nossa vida colectiva. Deus do céu, tantos projetos falhados, tanta demagogia barata, tanta promessa falsa… tanto abandono.

 

Lars Von Trier, realizador de dois filmes soberbos (Breaking the Waves e Dancer in the Dark), não conseguiu definir-se sobre a sua última película. “Mas este filme é sobre quê?”, perguntaram-lhe, ao que ele respondeu: “Eu não sei.” Foi a partir daqui que comecei a cinematografar o meu filme interior. Esta gestão autárquica do PSD está tão cansada que já não sabe onde está o norte. O presidente vai gerindo o dia-a-dia como pode e sabe, enquanto seu vice se desdobra em almoçaradas, lanches e jantaradas. O senhor presidente delegou a visibilidade no seu vice como quem dá uma trotineta a uma criança traquina e embirrenta, na esperança de que o liberte do pesado fardo da gestão e da dívida.

 

Em abono da verdade, é necessário que se diga que com a conjuntura atual todo o exercício de governação autárquica e nacional é um bico-de-obra. Mas o que verdadeiramente dói é a falta de seriedade. Ainda me lembro de o PSD local prometer uma gestão autárquica que iria fazer com que o concelho ganhasse projeção, contribuindo dessa forma para o aumento e fixação da população residente. Mas, ao contrário, o nosso concelho perdeu gente, valências, protagonismo e capacidade de atração turística.

 

Diga-se, em abono da verdade, que cumpriu com a promessa de construir o Mercado do Gado, o Mercado Abastecedor e a Plataforma Logística. Mas, o que à primeira vista podia ser uma mais-valia, revelou-se um enorme erro de casting. O mercado abastecedor, enquanto tal, nunca funcionou e a Plataforma parece um parque industrial abandonado sem utilidade alguma, onde crescem as giestas e os tojos, onde instalações por estrear estão como se por elas tivesse passado a fúria das manifestações dos indignados, com os vidros partidos, as portas batidas e as ruas cercadas de ervas daninhas.

 

Ainda me lembro de ver o senhor presidente da Câmara, rodeado por todo o seu elenco camarário, nas manifestações contra as portagens nas SCUT e contra o encerramento da urgência no Hospital de Chaves. E não se limitava a marcar presença, discursava com empenho, com denodo, com coragem, dava entrevistas contundentes em que prometia luta e mais luta e todo o seu empenho na defesa dos direitos inalienáveis das gentes do Interior Norte. E a defesa dos direitos do povo que o elegeu, e que nele se reconhecia, ficava-lhe bem. Estava de acordo com o seu argumentário político, com o seu ideário social-democrata.

 

Mas isso foi enquanto o Governo era socialista, agora que lá estão os seus, diz-se surpreendido com a extinção de valências e de serviços e com a desclassificação da urgência médico-cirúrgica no Hospital de Chaves. E relativamente ao pagamento de portagens na A24 não se lhe conhece uma única declaração. Sobre isso nem sim nem sopas. Mas ainda há mais, o pólo da UTAD de Chaves vai acabar, por imposição da administração de Vila Real e, sobre isso, nem sim nem sopas. Talvez tenha ciciado algumas palavras em conversa com alguns membros da direção, mas quanto a tomadas de posição incisivas e enérgicas prefere gerir o sossego. O Governo, através da truculenta ministra da Justiça, pretende desqualificar o Tribunal de Chaves e centralizar serviços em Vila Real. Mais uma vez a nossa autarquia deixa isso para uma próxima oportunidade.

 

Está visto que o PSD local ostenta a mesma cara enganosa do PSD nacional. Quando é oposição tudo promete e quando é poder tudo cala e consente.

 

E enquanto todo este filme acontece, o que é que dizem e escrevem os nossos estimados deputados eleitos pelo nosso distrito? Pois enquanto o poder central laranja destrói todas as nossas potencialidades, fecha serviços, encerra instituições e aumenta impostos de uma forma obsessiva e estúpida, pois, enquanto tudo isso acontece, os nossos estimados deputados do PSD congratulam-se com a escolha do fado para património da Humanidade. Rejubilemos!

 

O Hospital de Chaves perde qualidade e serviços, cantemos-lhe um fado. Vamos pagar nas SCUT, cantemos-lhe outro fado. A UTAD fecha o anémico pólo de Chaves, cantemos-lhe ainda idêntico fado. O Tribunal vai passar a ser uma sala para fazer alguns julgamentos, então tanjam as cordas para todos entoarmos o fado do Embuçado, ou da Samaritana.

 

Os senhores deputados deviam tentar explicar ao povo que os elegeu a razão porque, ao contrário do que foi afirmado insistentemente por Pedro Passos Coelho, afinal sempre há um excedente de 2 mil milhões que, apesar de não ser excedente nem uma folga, é uma receita suplementar que dava e sobrava para pagar aos funcionários públicos pelo menos um dos subsídios. Mas não, o senhor PM preferiu doar esse dinheiro à banca, coitada dela tão descapitalizada, tão benevolente, tão caridosa. E vai mais um fado.

 

Olho para a minha secretária e, enquanto bebo um copo de água para acalmar a minha indignação, leio na capa da revista LER uma frase de Mário Soares: “Tentei muita coisa, até poesia.” E penso no senhor vice-presidente da Câmara e nas suas tentativas de ser também alguma coisa. Até tentou ser deputado. Apesar de eleito, foi e veio sem ter feito nada por si e, sobretudo, por nós, pela nossa região. E como diz o povo, e lembra semanalmente Pacheco Pereira na revista Sábado, é bem verdade que quem nasceu para lagartixa nunca poderá chegar a jacaré.

 

No seu ar ligeiramente afetado, vendo o país a afoguear-se, e o nosso concelho a ser roubado dos seus direitos mais elementares, o senhor vice, falando em nome do seu partido, vem a lume propor a criação de Comunidade Intermunicipal do Alto Tâmega, que ninguém sabe bem para o que serve, a não ser para criar mais uns tachos para alguns apaniguados.

 

Posto perante os graves problemas com que nos defrontamos, o nosso vice camarário propõe uma coisa inócua, inodora e insípida que mais não pretende do que ser uma manobra de diversão com a nítida intenção de esconder o Hospital, as Portagens, o Tribunal e o Pólo da UTAD. Posto perante os gravíssimos problemas com que o nosso concelho se defronta, o vice camarário canta-nos o fado do engano. Estamos em crer que os flaviense não se vão deixar cair no embuste.

 

O vice camarário, mais o seu grupo de apoiantes, já não são parte da solução para o novo ciclo de poder autárquico, são a parte cada vez mais visível, e previsível, do problema que constituem para o seu próprio partido, para a cidade de Chaves e para o nosso concelho.

 

Cá para nós que ninguém nos ouve, o que esta gente está a precisar não é de um fado mas sim de um corridinho à transmontana.

 

Volto de novo ao Carlos Bica, ao Azul e ao Ruy Cinatti: “Somos tão poucos mas vale a pena construir cidades / denunciar a tinta gasta em discursos. / Salve-nos Deus / se não soubermos prever os alicerces…

 


´
publicado por Fer.Ribeiro às 09:00
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|  O que é?
Domingo, 25 de Dezembro de 2011

Ainda o Natal e o Presépio da Casa de Santa Marta

 

Eu sou da colheita de 60, ou seja, ainda vivi uns anitos no antes 25 de Abril , precisamente também um período em que eu, por ainda ser criança, vivia os Natais mais intensamente e com todas as ilusões  que o imaginário de uma criança cria à volta da quadra natalícia, não só por ter toda a família mais próxima reunida na noite de consoada e dia de Natal, mas também por toda a festa ligada à quadra e que se iniciava uns dias antes com a montagem e enfeitar do pinheirinho, que então era mesmo pinheirinho, e a montagem do presépio, que mais espampanante ou humilde, existia sempre, tal como aqueles chocolates que imitavam cenouras, moedas, peixinhos, entre outros, que “misteriosamente” iam desaparecendo do pinherinho… e que era a única coisa que se comprava para decoração, pois as peças do presépio eram guardadas religiosamente de uns anos para os outros e os restantes adereços do eram feitos com musgo, areia, pequenos ramos de árvores e até os bugalhos dos carvalhos tinham o ar da sua graça por entre os verdes com as bolinhas vermelhas dos azevinhos, tudo retirado de um monte ou serra perto de nós e que no meu caso, tinha a Serra do Brunheiro por fornecedora.



Mas não era só o presépio dos lares, pois nalguns bairros, praças e igrejas, havia sempre um presépio, estes sim, geralmente majestosos, com peças de grande dimensões, alguns com efeitos mecânicos, com rios que tinham água corrente e figuras com movimento.

 

Quanto a presentes, com jeitinho recebia-mos um, que às vezes até era um brinquedo. Trazido pelo Menino Jesus durante a madrugada do dia 25 de Dezembro e só quando todos estivessem a dormir e, desde que não tivéssemos esquecido de deixar um dos nossos sapatos junto ao pinheirinho. Claro que o Menino Jesus estava sempre atento aos nossos actos e ao nosso crescimento e quando nos portávamos mal ou nos tornávamos adolescentes, o menino Jesus deixava o nosso sapata vazio. Com sorte, às vezes ainda restava um chocolate no pinheirinho para consolar a nossa mágoa.

 

 

Então e o Pai Natal!? – perguntarão os mais novos. Pois a esse senhor só o conheci no pós 25 de Abril, até aí nunca o tinha visto ou sequer ouvido falar dele, nem das renas nem do trenó. A coisa mais parecida que com muita imaginação poderíamos comparar, talvez fosse a de três senhores que andavam sempre juntos, mas montavam camelos e eram Reis Magos, mas esses estavam no presépio, em fila indiana a caminho da cabana do menino Jesus, sem nunca a atingirem e não nos traziam presentes.

 

O Pai Natal entrou por Portugal adentro com a revolução de Abril e com ele veio também a coca-cola, a multiplicação dos presentes de Natal e muitas mais coisas e celebrações, sobretudo se eram comerciais e ajudavam a vender, como o Dia de S.Valentim e ultimamente o Halloween.

 

 

Há dois dias atrás, António Freitas de Sousa no Económico dizia “ O Pai Natal entrou na vida dos portugueses depois de um golpe de Estado sobre o menino Jesus”. Pois embora não tivesse sido bem assim, ele foi entrando mais pela mão dos comerciantes com a figura simpática de um velhote de barbas brancas, bonacheirão, gorducho, vestido de vermelho e muito bom vendedor, sobretudo ele entrou muito bem nos olhos das crianças com a cumplicidade dos pais que até foram deixando esquecidas as tradições do Natal que envolviam o menino Jesus, e depois era difícil desmontar e contradizer toda uma “evidência” alimentada pelo grande comércio, televisões, revistas e até filmes que pareciam tão reais, tão reais, que quase parecia que o Pai Natal existia mesmo. Afinal de contas o Pai Natal era apenas uma mentira, tal como a do menino Jesus a deixar presentes no sapatinho, e instalou-se de bagagens, renas e trenós em todos os nossos Natais, mas, já não está tão mãos largas como nos anos anteriores. Voltando a A.F.Sousa, no mesmo Económico dizia: “Os níveis de consumo nacionais - que tradicionalmente têm no quarto trimestre um paraíso que não se repete nos restantes nove meses do ano - caíram para quadrantes que, até há um ano, ninguém podia imaginar. O que os portugueses questionam neste momento é se o Natal algum dia voltará a ser aquilo a que nos habituou nos últimos trinta anos.” E para os mais tradicionalistas (os anti Pai Natal) ele acrescenta umas palavras animadoras “Este é, portanto, o primeiro Natal do resto das nossas vidas e, a nós que ainda somos portugueses, só nos resta optar por uma de duas soluções: regressar ao espírito primeiro do Natal, aquele em que os valores da amizade e da família eram os que se impunham e onde os presentes eram um acessório que não passava do registo da ‘lembrança'; ou transformar a noite de 24 de Dezembro numa lamúria colectiva, onde a missa do galo acabará por travestir-se de requiem pelos anos de glória. Ainda assim, a primeira opção parece ser a mais aceitável.

 

 

Quanto ao pai Natal - personagem que nunca mais foi a mesma desde que a ‘troika' arribou ao Aeroporto de Pedras Rubras - ninguém sabe qual será o seu destino português. Mas o mais certo é virmos a encontrá-lo um dia destes, desfigurado e velho, caído a um canto à espera da côdea de um resgate.”

 

Eu confesso que já começo a fazer verdadeiras estas palavras e embora em nada me incomode voltar aos antigos valores da amizade e da família dos antigos Natais, antes pelo contrário, e que também nada me incomode que o gorducho das barbas brancas deixe de entrar pelos olhos das crianças, já me preocupa e incomoda que seja obrigado a tal.

 

 

Enfim, a conversa descambou para aqui e depois lá diz a sabedoria do povo: “ Quem não se sente não é filho de boa gente” …mas o que eu queria mesmo era dar-vos a conhecer e mostrar um pouco, embora muito aquém da realidade, do presépio da Casa de Santa Marta em Chaves, que está aberto às visitas do público e que este sim, deve ser visitado e mostrado às nossas crianças.

 

 

Um presépio feito com mestria e que merece uma visita e, posso-vos garantir que sairão de lá encantados com aquilo que se vê, com os pormenores, como os jogos de luz que reproduzem desde o dia a uma noite de céu estrelado, como o movimento de muitas figuras, com a água corrente do rio, do pescador, do oleiro, os anjos a descer do céu, as ruas e outras cenas que se desenvolvem numa segunda dimensão para além do presépio de superfície.

 

Garanto-vos que na minha meninice vi muitos presépios, mas daqueles que ainda tenho na recordação nenhum ultrapassa a beleza e arte deste presépio, distribuído por cerca de dez metros quadrados e que será uma pena se não o visitar. Para os que estão fora da terrinha, deixo as imagens que embora longe de poderem sentir a sensação da sua dimensão ao vivo, ficam com uma ideia daquilo que pode ser.  

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 23:55
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|  O que é?

LÉXICO-GLOSSÁRIO TRANSMONTANO - Letra G

 

 

G

 

 

gabela - molho de lenha, de erva ou centeio acabado de segar

gabeleiro – alinhamento das gabelas ao longo do rego nas segadas

gadanho - foice

galelo - cacho de uvas pequeno com poucos bagos “depois da vindima, já a canalha pode andar ao galelo”

galinheiro - capoeira

Uma gabela de lenha atado com o famoso fio azul

gancha - espécie de forquilha

gandulagem - vadiagem

gandulos - vadios

garabelho - pau que serve de fechadura na porta “ao sair, não te esqueças de correr o garabelho”

garavatos - pedaços de lenha

garotanho (garotelho) - criança pequena

gateira - buraco na porta para o gato

 

 Os garabelhos teimam em resistir à modernidade

genra - nora

giadeiro - atreito à geada “a encosta de cá é menos giadeira”

giga - cesta

girigoto (gerigoto) - esperto, despachado

gola - garganta “lá gola não lhe falta!”

goludo - falador, fanfarrão

gorgomilos - garganta

gosma - dificuldade de respiração nas galinhas, garganta afogada

gramalheira - corrente da lareira para pendurar os potes

 

Uma giga de pão...ai que cherinho!

 

granheira - mão-cheia de palhas de centeio que formam o vencilho com que se atam os molhos nas segadas

grolo - ovo que não germinou

guardar da risa para a chora - poupar

guarda-soleiro - ambulante que conserta guarda-chuvas

guerrilhoso - implicativo, violento

guicho - esperto “não é qualquer um que o engana, que ele é guicho”

guiço - bocado de lenha miúda, pauzito, pau seco “traz daí uns guiços para acender a lareira”

guitano - cigano

guizote - comida à base de refogado “fiz um guizote com um cibo de vitela”

Herculano Pombo

 



Para melhor entender o porquê deste LÉXICO-GLOSSÁRIO TRANSMONTANO, ficou tudo explicado aqui: http://chaves.blogs.sapo.pt/710026.html

´
publicado por Fer.Ribeiro às 12:30
link do post | comentar | favorito
|  O que é?

.Fotos Fer.Ribeiro - Flickr

frproart's most interesting photos on Flickriver

.meu mail: blogchavesolhares@gmail.com

.Março 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9



26
27
28
29
30
31


.pesquisar

 
ouvir-radioClique no rádio para sintonizar

 

 

El Tiempo en Chaves

.Facebook

Fernando Ribeiro

Cria o teu cartão de visita Instagram

.subscrever feeds

.favorito

. Abobeleira em três imagen...

. Solar da família Montalvã...

.posts recentes

. Amoinha Velha - Chaves - ...

. Pedra de Toque

. Discursos Sobre a Cidade

. Cidade de Chaves - Forte ...

. Flavienses por outras ter...

. Cartas ao Comendador

. Cidade de Chaves, um olha...

. Ocasionais

. Cidade de Chaves, centro ...

. Chaves D' Aurora

. Quem conta um ponto...

. Um elogio à Primavera com...

. O Barroso aqui tão perto....

. Almorfe - Chaves - Portug...

. O Factor Humano

blogs SAPO

.Blog Chaves no Facebook

.Veja aqui o:

capa-livro-p-blog blog-logo

.Olhares de sempre

.links

.tags

. todas as tags

.arquivos

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

Add to Technorati Favorites