12 anos
Sábado, 29 de Setembro de 2007

Noval, Chaves, Portugal

 

.

Já há algum tempo que não ia por Noval. Aliás acho que nunca lá fui com olhos de ver (de ver para blog), mas na última visita, levei esses tais olhinhos e fiquei espantado com tanta beleza e contraste.
 
Espantado por ser uma aldeia que a apenas tão poucos quilómetros de Chaves e veste tanta ruralidade, no mais puro e rural que uma aldeia tipicamente rural e transmontana pode vestir. Nem parece que a cidade é ali ao lado, mas felizmente tudo no bom sentido.
 
É uma aldeia que ainda tem gente, trata dos férteis campos e culturas, tem crianças, água pura, cristalina e corrente a correr livremente nas bicas, enfim, uma aldeia que ainda é aldeia, embora a nossa interlocutora de serviço, enquanto esperava à entrada do “pobo”pela “beternária” para lhe “bêr” a égua que já não comia há quatro dias, se lamentasse que os filhos se lhe casavam e iam para a terra das mulheres. Mas aqui o “mal”, até nem está na aldeia, pois “já se sabe que as molheres puxam sempre pra terra delas” . Claro que sim, todos nós homens já há muito que sabemos disso!. Pormenores de parte, vamos lá até Noval.
 
Sem ir contra o que aqui já disse, Noval também tem o seu casario do núcleo tradicional bastante envelhecido e algum em ruínas, mas também tem algumas recuperações bem conseguidas e agradou-me ver a construção mais nobre da aldeia em plenas obras de restauro e recuperação. Construção que merecerá pela sua beleza um post futuro. Fica prometido.
 
A aldeia encontra-se situada na encosta da serra, virada a nascente, recebendo todo o bom sol da manhã que os seus terrenos muito férteis agradecem e que produzem batata, centeio, fruta e vinho, entre outras culturas. A aldeia, embora pequena, possui um interessante casario tradicional possuindo uma bela casa senhorial (a tal que está em obras)  da Quinta da Família Pereira e que foi pertença da família do Padre Adolfo Magalhães, que pela sua erudição (professor primário e de liceu, sócio correspondente do Instituto Português de Arqueologia, História e Etnografia, era amante da Arqueologia e Poeta. Foi professor no seminário e abade da Sé Catedral de Vila Real e pároco de Fornelos, Arcossó e Vidago) dá nome a uma Rua de Chaves em pleno Centro Histórico. Tem uma capelinha de devoção ao Divino Espírito Santo. Dos romanos há uma epígrafe na rocha sita no lugar do Cavalo do Mouro.
 
Noval pertence à freguesia de Soutelo e fica a 8 quilómetros da cidade de Chaves, o acesso é feito a partir da cidade por Casas dos Montes, Valdanta e Soutelo, sempre pela Estrada Municipal 535. Vizinhos com ligações importantes, os da Pastoria onde “as raparigas casam todas com os rapazes da terra” segundo a nossa interlocutora de serviço. Mas nem todas, digo eu.
 
Um abraço para o amigo e colega Guerra, músico dos “Pardais” e que nos brinda com o seu famoso vinho nas “festas da companhia”. Pena não estar na adega na altura da minha visita. Fica para a próxima.
 
Até amanhã, noutra aldeia da nossa Chaves Rural.
 
 
´
tags:
publicado por Fer.Ribeiro às 03:12
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
2 comentários:
De hpombo a 29 de Setembro de 2007 às 16:42
O padre Adolfo Magalhães é outro ilustríssimo flaviense a quem a nossa memória social ainda não quis lembrar convenientemente. Em saudosas tertúlias na sua casa, ali ao lado da rua Direita, mostrou-me, entre outras relíquias, muitos metros de escritos seus em tiras que recortava de jornais (obviamente as margens não escritas dos periódicos), pensamentos que registava e que agora estarão à espera de um print ou perdidos... Talvez o Caló saiba deles... Dizia-me ele que percorreu parte da Europa de mochila às costas, num tempo em que mochila e caminheiro eram mais coisa de soldado em trincheira. Ajudei muitas vezes à celebração da missa, no altar lateral esquerdo da Matriz, celebração que ele 'despachava' em pouco mais de um quarto de hora, para a meia dúzia de assistentes, a horas mortas das tardes dos dias úteis. Foi um privilégio poder ter privado com a humildade de um sábio, aberto ao mundo e à sua maravilhosa diversidade.Terá deixado um património cultural e reflexivo que importa dar a conhecer.


De janice almeida a 23 de Abril de 2010 às 04:01
O padre Adolfo Magalhães era muito amigo do avô da minha amiga, esse também português Há meses estamos tentando encontrar a certidão de nascimento do avô, JOSÉ DA COSTA VILELA , nascido em 1895. Veio para o Brasil e constituiu família , mas sempre visitava o padre e familiares. Será que alguém daí o conheceu?tem algum parente ainda morando aí?


Comentar post

.Fotos Fer.Ribeiro - Flickr

frproart's most interesting photos on Flickriver

.meu mail: blogchavesolhares@gmail.com

.Maio 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9


26
27

28
29
30
31


.pesquisar

 
ouvir-radioClique no rádio para sintonizar

 

 

El Tiempo en Chaves

.Facebook

Fernando Ribeiro

Cria o teu cartão de visita Instagram

.subscrever feeds

.favorito

. Abobeleira em três imagen...

. Solar da família Montalvã...

.posts recentes

. Ocasionais

. Um olhar com a marca Chav...

. Cartas a Madame de Bovery

. Cidade de Chaves - Um olh...

. Chaves D'Aurora

. Quem conta um ponto....

. Pecados e Picardias

. Pedra de Toque

. Avelelas - Chaves - Portu...

. O Factor Humano

. Cidade de Chaves - Um olh...

. Discursos sobre a cidade

. Silhuetas com a marca Cha...

. Fugas - Por terras do Alt...

. Cartas a Madame de Bovery

blogs SAPO

.Blog Chaves no Facebook

.Veja aqui o:

capa-livro-p-blog blog-logo

.Olhares de sempre

.links

.tags

. todas as tags

.arquivos

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

Add to Technorati Favorites