Sábado, 26 de Janeiro de 2008

Granjinha, um tesouro esquecido - Chaves - Portugal

 

.

 

Se pesquisarem no arquivo deste blog verificarão que não é a primeira vez que vamos até à Granjinha, por isso não me vou repetir dizendo de novo aquilo que já disse. Mas posso resumir dizendo que me encantou a primeira vez que lá fui e, que continua a encantar-me sempre que lá vou.
 
Claro que também sofre do abandono do seu núcleo, do envelhecimento, das inevitáveis e desajustadas intervenções novas (poucas, mas à escala da granjinha) e, do esquecimento a que já estamos habituados por parte das entidades responsáveis. Mas mesmo assim, a Granjinha é um tesouro, que até está referenciado, mas apenas isso.
.
.
 
De facto o tesouro existe na sua beleza natural e ímpar, na riqueza de vestígios romanos, na riqueza da capela românica mais antiga da região, rica em pormenores e também em esquecimento e desprezo, não por parte da pouca gente local que a estima e conserva como pode, mas por parte das tais entidades responsáveis (sejam elas quem forem e que todos conhecemos) que nem sequer disponibilizam uns míseros euros para restaurar o belíssimo altar abandonado a um canto da capela. Temos pena que estes tesouros (embora referenciados nos livros e pelos historiadores) estejam abandonados à carolice dos filhos da terra e que se descubram por mero acaso, pois não há nada, nem ninguém, que nos leve até à Granjinha, à esquecida Grajinha, à abandonada Granjinha.
.
.
 
Peço desculpa aos filhos da Granjinha (outro tesouro), por estas palavras. É a eles que dedico este post.
 
Mas nem há como dar a palavra aos filhos e enteados da Granjinha, para ficarmos com o seu sentir.
.
.
 
Luís da Granjinha, é um dos seus filhos ausentes que a sente e a chora. Fiquemos então com as suas palavras:
 
 
 
“A MINHA ILHA “
 
1 de Janeiro de 2000, d. c.
Ontem, ao fechar o ano, apeteceu-me falar da « minha ilha ».
É única.
Ilha é uma porção de terra rodeada de água por todos os lados.
A « minha ilha » é única.
É rodeada de terra por todos os lados.
Assemelha-se ao chapéu de De Gaulle usado por um legionário.
Ligeiramente côncava, estende-se graciosa até ao vale do Tâmega – Veiga de Chaves.
Limita-a a Fonte da Moura, o “ teiro ( outeiro ) Ladrão, o Monte da Forca, a Quinta do Alvarolino, o Matadouro, a Lameira e a quinta de S. Fra(g)ústo, o caminho de Curalha e o “ Alto “ e “ A Lama “.
É um miradouro para terras de Espanha: Verin – Monterrey; para a plenitude da Veiga de Chaves; a sobranceria do Castelo de Monforte; a solenidade da serra da Abrunheira; e a importância estratégica de Outeiro Jusão.
.
.
Distraída, complacente, « a minha ilha » deixou que « os moinantes » tomassem conta da “ Vargem “( corruptela de Várzea) e aí fundassem um Bairro que até os caminhos que levavam ao Matadouro comeu.
Recordo as vezes que vi “ o tio Quim “ a correr, de sacho no ar, atrás dos e das moinantes que andavam a roubar os quintais.
Fugiam a sete pés e saltavam como raposas « a sorreira ».
A debruar « a minha ilha », em tom azul escuro, a « estrada de Braga »; em tom anegrado, o rio Tâmega.
E era nesse rincão que proliferavam os coelhos, as lebres e raposas; os pintassilgos, melros e rouxinóis; alvéolas, pintarroxos e tentilhões; narcejas e perdizes; “ bichos-da-unha “, milhares de grilos e saltões ( gafanhotos ); cobras e cobras - licranços e víboras, até!
E Lagartos!!!
Darwin escusava de ter feito uma viagem tão longa aos Galápagos.
Ali, na « minha ilha », também encontraria importantes elementos para a sua teoria e deliciosos alimentos como iguaria - as batatas, as cerejas, os figos, as amoras e as abêboras; fartura de melancias e melões casca – de - carvalho; o pão centeio cozido no forno do pátio ou o folar de crescer água na boca; as sanchas, os tortulhos e os “ níscarros “; as febras “ dos castanheiros.
As mulheres da « minha ilha » eram óptimas governantas e excepcionais cozinheiras.
Na « minha ilha » vivia-se com paixão e gosto pela Natureza.
Era um humilde pedacinho do Céu na Terra!
Celtas, Romanos, Suevos, Visigodos e Árabes amaram-na.
E lá deixaram os sinais das saudades com que partiram: as minas de água, os poços dos quintais, as « cegonhas », A CAPELA – e quantos vestígios soterrados!...
.
.
Os homens da « minha ilha » caminhavam com o orgulho dos Celtas, cultivavam com a paciência dos Árabes, falavam com a sonoridade dos Romanos, e contemplavam as estrelas com a elevação espiritual dos Gregos.
« A minha ilha » seduzia, cativava quem a visitava ou só ouvia falar dela.
Os despeitados - quão ignorantes, então! - chamavam-lhe « A ILHA DOS LAGARTOS »
Mas « a minha ilha » chama-se Granjinha !
Nas suas “ armas “ e sua “ bandeira “ vou chamar-lhe GRANJINHA   -   A ilha da Saudade!!!
 
Luís da Granginha
 
.
.
.
.
.
Mas quando se fala na Granjinha e na freguesia, temos obrigatoriamente de falar também no J. Pereira (ou Zé da Arminda como carinhosamente é conhecido na freguesia), também ausente, mas que leva diariamente as terras, as gentes e as estórias da freguesia aos quatro cantos do mundo com o seu blogue valdanta .
 
Também ao J.Pereira pedi umas palavras para ilustrar este post:
 
“A Granjinha é um lugar da freguesia de Valdanta todo impregnado de História, desprezado e esquecido por toda a gente, menos pelos heróis que vão resistindo e lhe vão dando alguma vida. Sobreviventes de um abandono e desleixo por este pedacinho de céu. Implantada estrategicamente virada a Nascente – Sul, entre montes que descem em presépio para o Tâmega está rodeada de férteis terrenos agrícolas que, por mor do dinheiro estão a ser transformados em bens imobiliário.
 
.
.
Por ali passei muitos dias da minha infância e juventude guardando gado, ora armando aos pássaros, ora tocando flauta, espantando-os, sentado na escada da casa da quinta dos Taroucos, propriedade dos meus antepassados. Bebia água da “Pipa”, comia amoras de uma amoreira que ainda existe no quintal do sr. António Guarda e guardava as batatas do abuso dos rebusqueiros.
Hoje a Granjinha é uma terra deserta com meia dúzia de moradores, mas de tão rica História que não resisto a apresentar um pequeno texto de Manuela Martins que em tempos encontrei na Wikipédia quando procurava algum assunto sobre este paraíso perdido.
.
.
 
“O sítio da Granjinha situa-se numa sequência de relevos que descem para o Tâmega, a SO de Chaves, na margem direita do rio, inserindo-se já na chamada Veiga de Chaves.
Situa-se no eixo viário da estrada romana Bracara Augusta (Braga) e Acquae Flaviae (Chaves), numa zona de alta potencialidade agrícola. No perímetro desta pequena aldeia foram encontrados, em diversas ocasiões, numerosos vestígios arqueológicos, bases e fustes de coluna, bocados de mosaico, inscrições, peças de bronze, uma estátua de mármore e cerâmica, achados que apontavam para a existência de uma vila romana neste local. Em 1986, quando se realizaram obras de restauro na capela, classificada como MONUMENTO NACIONAL, descobriu-se mais uma ara romana, a servir de antiga mesa do altar. Na mesma altura foram realizadas escavações na loja de uma casa anexa à capela que permitiram pôr a descoberto alguns muros de excelente aparelho romano. Em finais de 1986 e inícios de 1987 foram realizadas novas escavações no interior da capela, prévias aos trabalhos de restauro da mesma, dirigidas por Francisco Sande Lemos. Estas escavações permitiram constatar que o sítio teria conhecido uma ocupação da Idade do Ferro anterior à instalação da vila romana, da qual foi identificado um pavimento de opus signinum. Verificou-se, também, que o local conheceu uma ocupação entre a Alta e a Baixa Idade Média, testemunhada por cerâmicas e sepulturas, estas últimas, do período tardo-medievo. Trata-se, por conseguinte, de um sítio com uma interessante sequência de ocupação entre a Idade do Ferro e a actualidade Entre os vários achados arqueológicos do sítio destacam-se as três aras votivas; uma dedicada às Ninfas, outra aos Lares Tarmucenbeacis Graveis (Encarnação 1975, 217-218) e a descoberta, em 1986, dedicada aos deuses tutelares de Acquae Flaviae por M. Ulpius Vaturninus (Encarnação 1990, pp. 454-455)”.
.
.
 
Para os resistentes o meu apreço e a minha admiração e respeito por respeitarem e amarem tanto este espaço digno de ser amado.
 
J. Pereira
 
E fica por aqui a passagem alargada deste blog pela Ganjinha. Claro que muito ficou por dizer e quanto a imagem, também muita coisa ficou por mostrar, mas mais oportunidades haverá, pois a Granjinha continua a encantar.
 
Restam as despedidas. Até ao próximo Sábado, amigos da Ganjinha e até amanhã, amigos deste blog, noutra aldeia de Chaves.
 
Até amanhã!

 
´
publicado por Fer.Ribeiro às 03:06
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
5 comentários:
De A.Cruz a 26 de Janeiro de 2008 às 15:21
AGRADECER: render graças por; mostrar gratidão; retribuir com; reconhecimento.

Sinto-me neste dever! Melosamente dirão alguns...
Sei que sinto gratidão por a Granjinha ter amigos destes, que se substituem às tais "entidades" zeladoras do nosso património e insistem em não a deixar esquecer!
Esta Aldeia se as sensibilidades fossem outras, ou se a lógica fosse, obras onde são precisas e não onde podem decidir eleições, mesmo que "desnecessárias" ou não fossem os "lobbies"...poderia ser como já um dia disse outro amigo da Granjinha, António Sampaio, na sua "Memória do Mosteirinho da Granjinha".

...«Aldeia simples, com uma história contada pelas pedras de mais de mil anos, bem podia ser a Aldeia Tipo de Chaves, longe da confusão dos monstros do cimento.
A Granjinha poderá ser hoje como ontem um lugar de refúgio, do silêncio e do equilíbrio ecológico.
Fosse este mais um formoso "milagre" de S.Comba!»...

É claro que só um milagre a poderá salvar!

Entretanto a Granjinha continua: sem saneamento; A Capela Abandonada, (o seu exterior em terra batida, sem drenagem de águas pluviais, infiltrando-se estas, no interior do monumento); ruas por pavimentar; sem ligação pavimentada directa à sede de freguesia; sem a tal fiscalização das tais entidades competentes que estão a deixar descaracterizar o casco antigo, este que podia ser alvo de intervenção, um dia prometido...sem o estudo sobre a "Calçadinha Romana", ou sem o estudos sobre as ruínas romanas soterradas na envolvência da Capela, um dia mandadas arrasar, por alguém "sabedor", etc, etc...

Um obrigado ao F.Ribeiro, ao Dinis Ponteira, ao J.Pereira, ao J.Romão, e ao Luís da Granjinha (Neto Predilecto), e outros que tem mostrado o seu apreço pela Granjinha, pela insistência em "mostrar" o que alguém continua a desprezar, embora não sei bem por quê...ou saberei !!!


De Tupamaro a 26 de Janeiro de 2008 às 21:02
Caro A. Cruz

Sabemos bem da devoção que o distinto Amigo dedica a essa «Ilha da SAUDADE».
Os verdadeiros amantes da Normandia Tamegana são solidários com todos os «Bloguisteiros» (os que fazem, comentam, «mirolham» os Blogues) - e outros - que defendem os legítimos interesses das suas ALDEIAS.
É mesmo um despudor a maneira como as ALDEIAS são tratadas!
A GRANGINHA está a ser destruída, arrasada, descaracterizada!
E desrespeitada!!!
Pela maldade e pela intencionalidade!
É por estas e por outras que jamais fomos um resignado e antes, e sempre, um revoltado, um indignado!

As nossas Aldeias Tameganas têm uma identidade consagrada numa História ancestral e que só está perdida na noite dos tempos porque os modernos “tenentes” autárquicos não passam de grosseiros imitadores dos coronéis do sertão, tão (in)oportunamente apresentados entre nós.

Pseudo revolucionários, ignorantes modernistas, charlatães da Cultura, maneirinhos da hipocrisia têm abusado da boa-fé de um Povo subtilmente adido à resignação para o espoliarem do verdadeiro Progresso, e dos pilares históricos que lhe dariam consistência às suas revoltas e oportunidades de pôr no devido lugar os impostores.

O amor que obrigação têm de manifestar à sua Região é assolapado pelo despudorado egocentrismo do complexo pipídeo – ranídio - sem terra que os embriaga.

Para se darem ares de modernos, ignoram ostensivamente a Antiguidade. E quando se propõem dar um passo em frente em nome do Futuro encalham na sua incompetência e na demagogia.

Incomoda-os a Memória porque não sabem respeitá-la.
Mas sonham, babosamente, ficar na História.

Um Abraço

Tupamaro




De Dinis Ponteira a 26 de Janeiro de 2008 às 23:28
Magnifico trabalho e bem merecido.
parabéns


De Afonso Cunha a 27 de Janeiro de 2008 às 19:57
Ao ler este Post fiquei impressionado com as riquezas culturais da Granjinha, como impressionado fiquei, mas não surpreendido, pela inércia daqueles que tem por obrigação, zelar por todo esse imenso património que existe pelas nossas aldeias.
Os comentários que me antecedem, ajudam a entender o fenómeno.
Um dia destes, vou de visita a essa Ilha rodeada de terras. Prometo.


De Anónimo a 3 de Agosto de 2015 às 00:26
Eu e minha mulher Neli Gouvêa Silva, fomos a Portugal por duas vezes.
Visitamos tantos sítios", como vocês chamam aí, mas no nosso roteiro não estava a Granjinha.
Mas o que me chamou a atenção foi a riqueza de detalhes postados por mais de uma pessoa, o que denota o amor que , mesmo ausentes, dedicam a esse lugar.
]Fui levado a deixar meu comentário aqui, por ter ainda recentemente, em junho passado, lançado um livro( o meu terceiro), chamado NO COLO DA ROÇA|, ONDE FALO DAS MINHAS ANDANÇAS PELOS CAMPOS DURANTE MINHA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA.
Alí deixei registradas muitas recordações e meu apreço pelo campo, embora sem conteúdo arqueológico, pouco existente no nosso país, pelo menos em termos de idade.
Parabéns portanto pela dedicação à sua Granjinha.
Walter dos Sanrtos Silva-Matias Barbosa-Minas Gerais-Brasil.
Esta cidade leva o nome de um donatário português, Matias Barbosa da Silva


Comentar post

.Fotos Fer.Ribeiro - Flickr

frproart's most interesting photos on Flickriver

.meu mail: blogchavesolhares@gmail.com

.Julho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9


26
27
28
29

30
31


.pesquisar

 
ouvir-radioClique no rádio para sintonizar

 

 

El Tiempo en Chaves

.Facebook

Fernando Ribeiro

Cria o teu cartão de visita Instagram

.subscrever feeds

.favorito

. Abobeleira em três imagen...

. Solar da família Montalvã...

.posts recentes

. Chaves - Um olhar sobre o...

. Chaves D'Aurora

. Quem conta um ponto...

. De regresso à cidade

. O Barroso aqui tão perto ...

. Carregal - Chaves - Portu...

. Um olhar sobre a cidade, ...

. O Factor Humano

. Where’s Wally? ou a força...

. Ocasionais

. Mais um olhar sobre a nos...

. Têm costas e espreitam...

. Chaves D'Aurora

. Quem conta um ponto...

. De regresso à cidade

blogs SAPO

.Blog Chaves no Facebook

.Veja aqui o:

capa-livro-p-blog blog-logo

.Olhares de sempre

.links

.tags

. todas as tags

.arquivos

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

Add to Technorati Favorites