Sábado, 5 de Abril de 2008

Anelhe - Chaves - Portugal



.

Como todos os Sábados, hoje vamos até mais uma aldeia: Anelhe.

 

Anelhe é sede de freguesia, à qual pertencem ainda as aldeias de Souto Velho e Rebordondo.

 

.

 

.

 

Passemos então à sua ficha técnica.

 

Anelhe – Sede de freguesia

Dados da freguesia

Área:12.09Km2

População residente (Censos 2001) – 538

População residente (Censos 1981) – 601

Nº de Famílias (Censos 2001) – 177

Nº de Edifícios (Censos 2001) – 315

Nº de Eleitores (Legislativas 2005) – 501

Localização: A 15 quilómetros a Sul de Chaves (via E.N. 2) e a 3 a 4 quilómetros de Vidago,  fica na margem direita do Rio Tâmega, com o qual a freguesia faz fronteira e ainda com as freguesias de Redondelo, Vilela do Tâmega, Vilarinho das Paranheiras e Arcossó (todas na margem esquerda do rio Tâmega à excepção de Redondelo)). Faz ainda fronteira com o concelho de Boticas.

.

 


.

 

No entanto é rica em acessos, pois como já disse, a partir de Chaves, poder-se-á fazer o acesso a Anelhe (aldeia) via E.N.2, até à Ponte Seca, ou seja até ao desvio para Boticas. Também se poderá fazer o acesso via A24, até ao nó de Vidago, com saída em direcção a Chaves e de novo a Ponte Seca. Em alternativa (também a partir de Chaves) o acesso pode ser feito via E.N. 103 (Estrada Braga- Chaves), até Casas Novas, e a partir de aí (por estradas e caminhos municipais, todos pavimentados) toma-se o destino de Rebordondo (aldeia já da freguesia de Anelhe).

.

 


.

 

Para os mais aventureiros e pessoal da canoagem, é só seguir a corrente do Tâmega e quando passar por baixo da ponte da A24, está em Anelhe.

 

Para os que gostam de passear de carro a 50 Km/h num qualquer Domingo, Sábado ou Feriado, recomendo um passeio (para uma tarde ou manhã), com alguns pontos de paragem obrigatória. O itinerário poderá começar no quilómetro 0 (zero) da E.N. 2 em Direcção a Vidago até à Ponte Seca, tomar a estrada de Boticas e logo a seguir primeira paragem obrigatória, a Praia de Vidago. Embora o espaço e a casa esteja abandonada, merece pela sua beleza uma paragem. Na praia abandonar a estrada de Boticas em direcção a Souto Velho, com uma visita ao Largo da Capela e logo a seguir temos Anelhe (paragem obrigatória) a seguir direcção a Redondelo pela estrada florestal (mas asfaltada) por entre um ainda denso pinhal que milagrosamente tem escapado aos incêndios. Em Redondelo a paragem é obrigatória para visita ao casario e ao Solar existente e ainda bem conservado (num post futuro, falaremos dele). A seguir Rebordondo e Casas Novas, também com paragem obrigatória para visita às duas aldeias que na prática é só uma, onde é obrigatório fazer visita demorada a todo o casario e aos os solares, um deles quase a abrir como Hotel Rural. A seguir tomar a E.E. 103 em direcção a Chaves, com paragem obrigatória em Curalha, visita ao Casario, Igreja, Castro, Antiga Estação da CP, moinhos, pontão e Ponte (da CP) sobre o Tâmega) e finalmente de novo a cidade de Chaves. É um dos meus passeios preferidos que recomendo a todos. Se não conseguir visitar tudo com olhos de ver num dia, volte mais tarde e faça o itinerário ao contrário, por exemplo.

.

 


.

 

Mas vamos até Anelhe, pois é a nossa aldeia convidada de hoje.

 

Quando se fala em Anelhe vem logo à ideia os vinhos da terra. De facto Anelhe, bem como todas as encostas de Souto Velho, Vilarinho das Paranheiras e Arcossó,  tem uma localização privilegiada para a produção de bons vinhos de qualidade. Dizem que o Branco é excelente. Pessoalmente, dos que conheço, não me importo nada se numa boa mesa começar nos brancos e acabar nos tintos, pois ambos são bons. Pena é que já comecem a aparecer vinhas abandonadas pela tal falta de mão de obra jovem.

.

 

 

.

Além da produção de vinho,  também é de referir a batata, o milho e o centeio. Mas a fama vai inteirinha para o vinho. É uma aldeia agrícola por excelência com a boa companhia do Rio Tâmega, que muito ajuda.

 

.

 

.

 

Quanto a história, Anelhe serviu  de habitat a um povo castrejo, que edificou o seu castro na serra, em terreno xistoso, a uma altitude de cerca de quinhentos metros. Este castro é delimitado pela Geia e pelas Muradelhas, topónimos de sabor muito antigo e possível traçado de uma via romana. Bem próximo da povoação e da nova ponte da A24, encontram-se duas sepulturas antropomórficas (e que segundo o assessor cultural deste blog – piada séria) provavelmente serão do Século III ou IV (D.C.). Se quiser visitá-las, embora o acesso não seja complicado, há que arranjar um guia na aldeia. Para quem gosta, é visita obrigatória. Curiosamente, estas sepulturas não constam de qualquer roteiro e penso mesmo que não estão referenciadas ou protegidas, ou seja, é como se não existissem. Mas disseram-me os meus guias que aquilo é importante e vale muito. Vá lá, que ao menos o povo, ainda lhe dá valor.

.

 

 

.

No centro da aldeia, em plano mais elevado que a rua, ergue-se a igreja barroca cuja padroeira é Santa Eulália. Curiosamente (e não é caso único) a festa da aldeia realiza-se dia 3 de Abril se calha num Domingo, ou então no Domingo seguinte a esta data, mas em honra de S. Brás.

.

 

 

.

Quase em frente à igreja, do lado oposto da rua, sobre um portal apoia-se um castiço espigueiro em madeira. Aliás Anelhe, de entre as 150 aldeias do concelho, é das poucas que têm espigueiros ou canastros, alguns já fora de uso (claro, o tal mal da falta de gente para a agricultura).

 

 

 

Os famosos de Anelhe

Em Anelhe nasceram e viveram homens notáveis e famosos.

É terra natal do reverendo Joaquim Marcelino da Fontoura, que em 1893 fundou o colégio de S. Joaquim em Chaves, entre tantas outras obras, dignas de registo, que realizou.

 

Outro notável homem, pelas inúmeras atitudes de benemerência, foi seu sobrinho e comendador Abílio Brenha da Fontoura que embora nascido em Chaves, foi baptizado em Anelhe e fez parte da sua vida no Brasil. Entre outras benfeitorias, mandou edificar uma bela casa em granito, uma escola e um ramal de estrada desde Anelhe à Praia de Vidago, além de uma vivenda construída em meados do Século passado, de autoria do Arq. Anselmo Gomes Teixeira e Arq. Manuel Nunes de Almeida, tão interessante como ousada para a época e ainda perfeitamente actual. Dela dominava as vistas de toda a aldeia e do pequeno vale que se desenvolve junto ao Tâmega.

 

De relevo nas letras e na defesa do património regional, merece também um destaque especial na galeria de homens notáveis, o Padre João Vaz de Amorim que paroquiou Anelhe.

Outra figura de relevo é ainda Cândido Rodrigues Álvares de Figueiredo e Lima. A escola do primeiro ciclo do ensino básico é frequentada por 13 alunos. Funciona na aldeia a Associação Recreativa e Cultural de Anelhe.

.

 

.

 

Mais recentes, vivos e com ligação ainda à aldeia, com casa e muitas visitas, temos o Pintor João Vieira, cujo curriculum e obra por tão extensa, não os vou transcrever, mas antes deixar um link para o ficar a conhecer melhor:

 

 

aqui

 

e também  aqui

 

É o presidente da Associação de Anelhe e pai de outro Vieira, também famoso e popular, nem que seja apenas pelas suas célebres candidaturas a Presidente da República (para ver aqui). Trata-se do Manuel João Vieira, um homem espectáculo e do espectáculo, músico dos  Ena Pá 2000 , também com ligações à Pintura e ao Teatro. Também deste são frequentes as aparições por Anelhe.

 

Disseram-me em tempos, mas nunca o pude comprovar, nem é do conhecimento da aldeia, que a famosa pintora portuguesa (já falecida) Vieira da Silva, também teria origens em Anelhe.

 

Digamos que de vinho e famosos, Anelhe está muito bem servida.

 

E para terminar, só falta mesmo abordar o seu símbolo oficial:

 

 

Ordenação heráldica do brasão e bandeira
Publicada no Diário da República III Série de 23/07/2003



.



Armas - Escudo de verde, palma de ouro posta em pala, entre dois cachos de uvas de ouro, folhados de prata; em campanha, uma lira de ouro. Coroa mural de prata de três torres. Listel branco, com a legenda a negro: “ ANELHE”
´
publicado por Fer.Ribeiro às 02:59
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
11 comentários:
De REBORDONDO a 5 de Abril de 2008 às 22:11
Hola Fernando pois hoxe dando unha volta por o teu blog dinme conta que resulta que tamén tedes un pobo que se chama igual que o meu Rebordondo ,
O da ponte romana unha foto lograda.
Noraboa
saudos desde Marin..
...Benito..


De Ana a 9 de Setembro de 2008 às 17:59
Ai ai temos que ensinar este senhor a escrver em Portugues ...

Bem quanto ao resto Anelhe é Anelhe e melhor não há .

BEIJOS

ANA AFONSO MARTINS


De Maria a 9 de Setembro de 2008 às 18:04
Bem podiam por mais umas coisinhas sobre Anelhe como fotos de pessoas mais antigas e do Antes e Depois da Aldeia

BEIJOS

MARIA AFONSO PEREIRA


De apedromar a 8 de Agosto de 2009 às 01:18
gostaria de ter mais informacões do irmão da minha avó (Comendador Abilio Brenha da Fontoura) a minha avó (Alexandrina brenha da fontoura) fico a aguardar noticias

o meu obrigado
pedro valente


De Sandra Cardoso a 8 de Julho de 2013 às 14:42
Pedro Valente então é o sobrinho neto do Comendador? Que engraçado. Era uma pessoa muito querida em Anêlhe. Sei algumas histórias sobre ele. ;)


De Diamantino Gambôa a 29 de Outubro de 2010 às 20:25
aldeia maravilhosa povo fantastico quero retornar


De Sandra Cardoso a 8 de Julho de 2013 às 14:38
A festa de Anêlhe é no dia 3 mas do mês de Fevereiro ;)


De celsa a 23 de Maio de 2014 às 07:01
Obrigado. gostei muito da informasao.o meu pai simao portal era de Anelhe


De Michele Anelhe a 22 de Maio de 2016 às 02:28
Nossa , fiquei pasma, que meu sobrenome é o nome desta ALDEIA.


De Francisco Pereira Calvão a 24 de Abril de 2017 às 20:50
Sou natural de Anelhe, aldeia onde frequentei o ensino primário, sendo minha professora a dedicada e muito competente, Carmen de Sá Seirós, tendo como colegas o António Padrão, Manuel Cadete, José Esteves e outros.
Saí para Lisboa aos 16 anos de idade, onde, mais tarde, conclui o curso de Direito na F.de Direito de Lisboa, sendo ao que suponho, o primeiro jurista, daquela aldeia transmontada.
Recordo com grande saudade o Prof. Porfírio Rodrigues Vieira, pai do João R. Vieira e avô do João Vieira (júnior).
Julgo que a família Calvão, pelo seu registo histórico na vida transmontana, deveria merecer da v/ parte uma melhor atenção.
Cos os melhores cumprimentos
Viva Anelhe


De Fer.Ribeiro a 25 de Abril de 2017 às 00:22
Desde já obrigado pelo seu comentário. Nesta coisa de trazermos aqui as nossas aldeias tentamos deixar dela o máximo de informação possível, o problema é que não temos acesso a toda a informação e há sempre coisas que nos escapam. Pela certa que a família Calvão e outras famílias mereceriam mais e o blog está aberto a toda a História, estórias e demais informações sobre as aldeias e desde o início que apelámos à colaboração de todos que acompanham o blog e/ou que nos fizessem chegar todas as informações sobre as suas aldeias para a podermos partilhar, no entanto poucos foram os que nos fizeram chegar informação, daí só partilharmos aquilo que temos. Contudo também nos comentários podem complementar o post e acrescentar outras informações, aliás como muito bem o fez, e depois o blog veio para ficar e sempre que temos informação nova sobre as nossas aldeias, voltamos lá com todo o gosto. Cumprimentos.


Comentar post

.Fotos Fer.Ribeiro - Flickr

frproart's most interesting photos on Flickriver

.meu mail: blogchavesolhares@gmail.com

.Outubro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9

15
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


.pesquisar

 
ouvir-radioClique no rádio para sintonizar

 

 

El Tiempo en Chaves

.Facebook

Fernando Ribeiro

Cria o teu cartão de visita Instagram

.subscrever feeds

.favorito

. Solar da família Montalvã...

.posts recentes

. Feira dos Santos - Um peq...

. O Factor Humano

. Feira dos Santos - Um peq...

. Nós, os homens

. Feira dos Santos - Um peq...

. Feira dos Santos - Um peq...

. Chaves D'Aurora

. De regresso à cidade com ...

. O Barroso aqui tão perto ...

. Quem conta um ponto...

. Curral de Vacas - Chaves ...

. Feira dos Santos - Um peq...

. Feira dos Santos - Um peq...

. Vivências

. Feira dos Santos - Um peq...

blogs SAPO

.Blog Chaves no Facebook

.Veja aqui o:

capa-livro-p-blog blog-logo

.Olhares de sempre

.links

.tags

. todas as tags

.arquivos

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

Add to Technorati Favorites