Quarta-feira, 25 de Junho de 2008

Hotel Rural Casas Novas - Chaves - Portugal

 

.

 

 

Hoje, descaradamente, vou fazer publicidade, mas antes quero contar uma pequena história pessoal, para compreenderem uma das razões que me levam a tal.

 

No meu tempo de estudante, teria eu os meus 18, 19 anos, no tempo das vindimas juntávamos um pequeno grupo de amigos e ia-mos até Espanha, junto à raia, ganhar algum a vindimar. Num dos anos, depois de duas semanas a vindimar, aventurámo-nos e fomos um pouco mais Espanha adentro a procura de mais vindimas. Chegamos até Villa Franca del Vierso. Acabados de chegar a Villa franca, fomos à procura de poiso, num Hostal à beira da estrada. O Hostal era mais uma casa de família que propriamente Hostal, e a proprietária, senhora dos seus sessenta e tal anos, antes de nos dar dormida, quis primeiro saber quem éramos, de onde vínhamos, o que fazíamos e o que andávamos por lá a fazer. Respondemos religiosamente ao inquérito, com a verdade, pois nada tínhamos a esconder, mas já sabemos que palavras são palavras e valem o que valem. Estivemos por aquele Hostal uns bons 15 dias, jantávamos com o casal proprietário e acabamos mesmo por fazer amizade. No fim, já na hora da partida, a proprietária confessou-nos que só nos tinha dado dormida porque tinha reparado nas nossas mãos de trabalho, que estava reflectido nos cortes e unhas sujas de duas semanas de vindima. Foi mais uma lição na minha vida.

 

.

 

 

.

 

Pois uma das razões, senão a principal de hoje vir aqui fazer publicidade, foram precisamente as mãos do casal de proprietários do Hotel Rural Casas Novas, que inaugura no próximo dia 28 de Junho, mãos de muito trabalho, que demonstram também a tenacidade de gente lutadora e simples, aventureiros também, amigos e com gosto, ou seja, gente que trabalha e leva a efeito uma grande aventura e sonho sem qualquer cagança - é mesmo este o termo mais correcto a aplicar aqui.

.

 

.

 

Conheci-os há uns meses atrás, misturados entre os trabalhadores da obra e fiquei logo rendido, não só à sua simpatia, mas também ao seu ser empreendedor e às suas mãos, que merecem toda a sorte do mundo nesta nova vida que agora iniciam.

 

Outra das razões porque merecem honras neste blog é pela razão de recuperarem um dos solares mais bonitos do concelho e que há muito estava em ruínas. Um solar que faz também parte do meu imaginário de criança, do tempo em que desde as carreiras do Magalhães de Braga, observava desde a estrada aquela grande e bonita casa de príncipes, quando passava a caminho de Montalegre ou mesmo de Braga. Era já então o casarão mais bonito que eu conhecia.

.

 

.

 

Há ainda mais razões, que poderão descobrir pelas fotografias que hoje vos deixo e pelo decorrer deste post.

 

Vamos então até ao Hotel Rural Casas Novas, que como o nome indica fica em Casas Novas, a 10 quilómetros de Chaves e a apenas 2 ou 3 quilómetros do nó da auto-estrada de Curalha.

 

Antes de irmos ainda ao empreendimento que agora vai abrir portas, vamos contar um pouca da história do casarão, o Solar do Conde de Penamacor ou do Visconde do Rosário.

 

.

 

.

 

 

Sem dúvida que na aldeia e arredores, até mesmo no concelho e concelhos vizinhos, é um dos edifícios com grande destaque neste género de construções – os solares.

 

Trata-se de um antigo Solar com uma antiga e relevante História. Foi o Solar do Conde de Penamacor e desde sempre conhecido pelo Solar do Visconde do Rosário ou simplesmente pelo Solar de Casas Novas.

 

No inicio do século XIX, o Solar era propriedade o 2° Conde de Penamacor, António de Saldanha de Albuquerque e Castro Ribafria, nasceu a 3 de Novembro de 1815 e morreu a 15 de Maio de 1864. Era filho do alcaide-mor de Sintra e de D.Maria Teresa Braamcamp e terá sido ele que mandou gravar a pedra de armas que se encontra na fachada do Solar, outras fontes apontam como responsável desta gravação o seu pai, João Maia Rafael Saldanha de Albuquerque e Castro Ribafria.

 

.

 

.

 

Em Casas Novas, o nome Albuquerque do terceiro quartel foi substituído por Pereira, apelido e armas do pai da avó paterna do 2° Conde.

 

O título de Conde de Penamacor tem uma história curiosa e invulgar. O rei D. Afonso V, em 1475, concedeu-o ao seu valido e Camareiro Mor D. Lopo de Albuquerque, que foi embaixador do Rei de Castela e Leão. Este 1° Conde, tendo sido considerado culpado na conspiração dos Duques de Viseu e Bragança contra D. João II, receando o castigo deste, fugiu do país. Depois de uma vida aventurosa acabou por morrer no exílio, em Sevilha. Por isso o título não foi renovado e assim se manteve durante mais três séculos, embora os seus descendentes tivessem regressado a Portugal e prestado relevantes serviços em sucessivas gerações.

 

.

 

.

 

A associação das armas referidas deve-se à seguinte linha de sucessão: D. Luís de Albuquerque, neto do primeiro conde, casou com uma filha do grande Vice-rei D. João de Castro. Desse casamento nasceu uma filha, D. Luíza de Castro, que casou com André Gonçalves Ribafria, alcaide-mor de Sintra, filho de Gaspar Gonçalves Ribafria.

 

Uma bisneta destes casou com Manuel de Saldanha Távora, Capitão-mor das Naus da Índia. É um bisneto destes que se liga pelo casamento a Casas Novas. O título foi renovado em 1844 por D. Maria II num neto deste último que assim veio a ser o 2° Conde de Penamacor. A ascendência do 2° Conde em Casas Novas, tendo um percurso Histórico completamente diferente, é um bom e curioso exemplo da mobilidade social que caracteriza a sociedade portuguesa. Ademais, revela-nos um notabilíssimo flaviense que está completamente esquecido.

 

.

 

.

 

Este solar foi mais tarde vendido pela família, passando para a posse de uma filha do Visconde do Rosário. Mais tarde foi doado por esta à Santa Casa da Misericórdia de Chaves.

 

Falemos agora desta família, como foi dito, a casa foi habitada pela Viscondessa do Rosário, Maria Clementina Conde Saraiva. Era filha do Visconde do Rosário, Manuel José Conde, e de D. Eufrosina Ermelinda do Nascimento, natural da Bahia. Casada com António Teixeira de Morais, adoptou a cidade de Chaves como sua terra. Faleceu em 21 de Dezembro de 1935.

 

O seu marido António Teixeira de Morais, era natural de Casas Novas, e faleceu em Lisboa em 6 de Junho de 1887. Esteve no Brasil durante muitos anos. A Câmara de Chaves dedicou-lhe uma rua urbana na freguesia de Stª Cruz/Trindade pelo facto de ter doado à Santa Casa da Misericórdia da cidade, a quantia de 40 contos (em moeda brasileira), destinada a cuidar dos pobres da sua freguesia. Além da avultada importância em dinheiro, doou também a sua quinta de Casas Novas, com 12 hectares, e respectiva casa solarenga, brasonada, aos mesmos fins.

.

 

.

 

A Santa Casa da Misericórdia, ao que apurei na aldeia,  durante alguns anos ainda utilizou o solar como casa de acolhimento de rapazes órfãos ou abandonados. Não sei qual a razão, mas abandonou o solar deixando-o entregue a si próprio ou seja ao abandono. Em meados de 80, não sei qual a razão, mas eu próprio visitei o solar, já então fechado e em estado avançado de degradação. Quando os actuais proprietários adquiriram o solar, estava praticamente em ruínas.

 

Vamos então para a nova casa, o Hotel Rural Casas Novas levado a efeito no Solar Visconde ou Viscondessa do Rosário, onde se aproveitou e preservou (e bem) tudo que foi possível preservar, mantendo a dignidade do antigo solar e onde a nova construção ou construção nova anexa e adjacente ao solar está perfeitamente integrada sem por em causa a visibilidade e notoriedade do antigo solar, incluindo a adega da quinta, foi recuperada para restaurante e bar, preservando todo o conjunto de lagares e lagaretas, condutas em granito e acessórios utilizados na feitura do vinho, incluindo algumas das gigantescas pipas (que no momento ainda se encontra a ser recuperadas por especialistas tanoeiros.

 

.

 

.

 

Também a cidade de Chaves e a região fica mais rica a partir deste momento com a oferta que o Hotel Rural Casas Novas põe à disposição de quem as queira utilizar, principalmente turistas, pois além da oferta do próprio Hotel, não poderemos esquecer o interesse das aldeias rurais e de outro casario também de interesse na própria aldeia como nas aldeias vizinhas.

 

Mas em termos de oferta, o Hotel dispõe de 5 suites no edifício do antigo solar, onde funciona também a recepção, a biblioteca, um bar, sala de estar e restaurante mais intimista. Na ala nova possui 21 quartos. Piscina exterior, piscina interior aquecida, jacuzzi, sauna, banho turco, sala de massagens, ginásio, polidesportivo ao ar livre (ténis, basquetebol, voleibol, futebol, etc.), salão multiusos com capacidade para 400 pessoas, adega e lagar regional com música ao vivo todas as sextas-feiras.

 

Além de Hotel Rural é um espaço também aberto a toda a comunidade e eventos, casamentos, reuniões e conferências, onde para o pessoal cá da terrinha se poderá aconselhar o restaurante e o bar regional para utilização diária, além das outras ofertas que também estão abertas à comunidade (Salão, polidesportivo, piscinas, etc.).

 

.

 

.

 

E para finalizar vamos aos créditos que vão inteirinhos para a simpatia e trabalho dos seus proprietários, o Sr. Fernando Moura, 42 anos e D.Salete Moura, ex-emigrantes em França e Estados Unidos, que embora barrosões (da zona do Barracão), encontraram em Casas Novas o empreendimento das suas vidas, quem sabe se não é também um dos sonhos do seu imaginário de crianças, quando desde as mesmas carreiras do Magalhães de Braga, avistavam tão belo Solar.

 

O empreendimento ronda os 3.500.000 Euros de investimento, ou seja mais de 700.000 Contos em moeda antiga.

 

.

 

.

 

Para o Sr, Fernando e a D.Salete, desejo toda a sorte do mundo para este empreendimento que (este sim) dignifica a história do solar e honra o concelho e a cidade de Chaves com mais um espaço hoteleiro em ambiente rural e que pela certa irá deliciar todos quantos o procurem como poiso.

 

Fica também o sítio na net do Hotel Rural que poderá ser visitado em www.hotelruralcasasnovas.com e também o local onde poderá fazer as suas reservas para desfrutar deste espaço: reservas@hotelruralcasasnovas.com

 

.

 

.

 

A partir de dia 28, próximo Sábado, está de portas abertas. Parabéns e felicidades sinceras deste blog que aprecia o que de bom e bem se faz para e por este concelho.

 

Até amanhã.

´
publicado por Fer.Ribeiro às 03:50
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
1 comentário:
De soaresesilva a 25 de Abril de 2011 às 18:28
Gostei muito de conhecer este Hotel onde nõ deixarei de me instalar quando for a Chaves


Comentar post

.Fotos Fer.Ribeiro - Flickr

frproart's most interesting photos on Flickriver

.meu mail: blogchavesolhares@gmail.com

.Outubro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9

15
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


.pesquisar

 
ouvir-radioClique no rádio para sintonizar

 

 

El Tiempo en Chaves

.Facebook

Fernando Ribeiro

Cria o teu cartão de visita Instagram

.subscrever feeds

.favorito

. Solar da família Montalvã...

.posts recentes

. Feira dos Santos - Um peq...

. Feira dos Santos - Um peq...

. Chaves D'Aurora

. De regresso à cidade com ...

. O Barroso aqui tão perto ...

. Quem conta um ponto...

. Curral de Vacas - Chaves ...

. Feira dos Santos - Um peq...

. Feira dos Santos - Um peq...

. Vivências

. Feira dos Santos - Um peq...

. Feira dos Santos - Um peq...

. Nós, os homens

. Feira dos Santos - Um peq...

. Chaves D'Aurora

blogs SAPO

.Blog Chaves no Facebook

.Veja aqui o:

capa-livro-p-blog blog-logo

.Olhares de sempre

.links

.tags

. todas as tags

.arquivos

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

Add to Technorati Favorites