Segunda-feira, 13 de Outubro de 2008

Flavienses Ilustres - Nadir Afonso Rodrigues - 2ª Parte

.

.

 

E sobre o Mestre Nadir Afonso, teria aqui tema para encher páginas e páginas deste blog, mas vamos em jeito de resumo deixar por aqui o essencial sobre o Mestre:

.

.

 

 

O Essencial sobre o Mestre Nadir Afonso

 

Uma vivência cosmopolita associada a uma grande capacidade de reflexão levou Nadir Afonso a encontrar, através da geometria, o caminho que o conduziu à compreensão da obra de Arte. Segundo a estética de Nadir, são as leis da natureza que, na sua essência, informam a obra de Arte: leis de perfeição, evocação, originalidade e harmonia.

 

        A obra pictórica de Nadir Afonso prima pela pessoalidade: a obra identifica o artista. A sua produção teórica comporta temas tratados de forma inédita, que visam elevar a arte ao nível do raciocínio. Na prática, a obra estética poderá lançar as bases que conduzam ao melhor entendimento e à racionalização da obra de arte.

 

.

.

 

Após a conclusão dos estudos no Porto, a ânsia de mais conhecimento levou Nadir a partir para Paris. Aí, no pós-guerra, viveu um ambiente de euforia, tendo colaborado com o arquitecto Le Corbusier, frequentado a École des Beaux-Arts, o atelier de Fernand Léger e estabelecido amizade com os pintores Herbin e Vasarely. A colaboração com o arquitecto Óscar Niemeyer verificou-se durante a estadia no Rio de Janeiro e S. Paulo, onde participou na execução do projecto do IV Centenário da Cidade de S. Paulo.

 

Regressado a Paris, alternou períodos de trabalho de arquitectura, com períodos dedicados à investigação estética, estando a pintura sempre presente. A sua primeira grande exposição realizou-se na Maison des Beaux-Arts,  em Paris. 

        .

.

 

Uma situação económica menos adversa trouxe-lhe então a estabilidade necessária para se dedicar completamente à obra. No isolamento, longe das convenções sociais, Nadir Afonso leva uma vida simples, desenvolvendo nesse recolhimento o seu trabalho com apaixonada dedicação, o que lhe proporcionou a formulação de uma teoria estético-filosófica muito própria. O filósofo e professor Nassin Nicholas Taleb afirma que, actualmente, o homem não tem tempo para pensar. Ora, a fim de ter tempo para pensar, Nadir enveredou pelo isolamento. Como diria Henry Ford, pensar é o trabalho mais difícil que existe.

               

Nadir, apesar de não se sentir arquitecto, não renega nem tão pouco se envergonha da sua obra de arquitecto. A tese de Nadir, intitulada «A Arquitectura não é uma Arte», foi realizada a partir do projecto de uma indústria têxtil, em Saint-Dié, França, elaborado no atelier de Le Corbusier. A necessidade de a arquitectura responder a uma função, aliada à necessidade de trabalhar em equipa, não se coadunou com o seu temperamento de artista solitário. A consciência da sua incapacidade de lidar com organismos oficiais, clientes, engenheiros, construtores e outras restrições, a insatisfação criativa que a arquitectura exige, levaram-no a abandonar uma actividade que funcionou como meio de sustentação económica até 1965.

 

                   .

.

 

Nadir Afonso encara a pintura como uma necessidade interior de criação, sendo todos os seus esforços direccionados para a compreensão e explicação racional da arte dos mecanismos da criação artística. O longo caminho estético percorrido desde a sua infância e juventude, onde predominava a representação do real, passando pelo surrealismo, geometrismo e pelos diversos períodos que atravessou até à actualidade, conduziu o artista à convicção da existência de uma lei na arte, a que deu o nome de morfometria.  

               

Ao procurar a compreensão da criação artística, Nadir Afonso definiu as qualidades que o conduziram ao princípio de que a obra de arte é regida por leis de natureza geométrica. Partindo de exemplos palpáveis, foi progressivamente elaborando uma filosofia estética. Ao seu primeiro estudo, La Sensibilité Plastique, outros mais elaborados se seguiram.

 

                .

.

 

Em Les Mécanismes de la Création Artístique, Nadir alicerçou os fundamentos teóricos da sua estética. Em O Sentido da Arte estabeleceu a preexistência das leis através das condições de existência, analisando nesse estudo os erros da percepção e tratando o objecto geométrico como fonte de harmonia que concede especificidade à obra de Arte. 

               

Considerando que as leis da geometria estão presentes em todo o Universo e partindo do princípio que as leis que regem a obra de arte são as mesmas que regem o Universo, Nadir deu corpo à concretização desta teoria, expressa nos livros Universo e o Pensamento e Nadir Face a Face com Einstein. Por outro lado, contestou normas da física relativista, como a velocidade da luz, propondo o entendimento do tempo como uma relação matemática entre espaço e movimento.

 

                   .

.

 

 No ensaio Sobre a Vida e sobre a Obra de Van Gogh, Nadir analisa a obra de Van Gogh, apontando a sua condição de artista com carências económicas e a indiferença do público como factores condicionantes da sua obra.

        

Para Nadir Afonso, a realização da obra de Arte não é encarada como fruto de um rasgo espontâneo de génio criador, nem como expressão da alma do artista, sendo vista como consequência de um trabalho árduo e perseverante em que só a contemplação aturada da obra é indiciadora da natureza geométrica da Arte e reveladora de possíveis erros de composição.

               

A originalidade da obra pictórica de Nadir, as suas composições inconfundíveis, a forma reflectida como as suas ideias são expostas e a independência de espírito são as características mais marcantes do trabalho de Nadir Afonso, às quais se aliam uma grande capacidade de pensar e desenvolver raciocínios.  Com Nadir Afonso estamos perante uma teoria estética que refuta a subjectividade, a linguagem da alma, e proclama a racionalização da Arte, pretendendo demonstrar que atributos como o conceito de "belo" e "beleza" são vagos e nada definem.

         

.

Nadir Afonso - Logótipo da Cidade de Chaves

.

 

A investigação estética de Nadir Afonso mostra-nos como, a partir de composições simples com formas elementares da geometria, se criam tensões matemáticas que chamam a si outras formas, as quais funcionam por sua vez como pedra de fecho da composição.

       

Aos 87 anos, apesar de o seu estado de saúde estar debilitado, Nadir Afonso continua a trabalhar com perseverança.

 

Não há qualquer dúvida que o Mestre Nadir Afonso é um dos maiores ilustres flavienses de todos os tempos da nossa milenar história flaviense. Um nome maior no campo da arte nacional e internacional.

 

Nacionalmente a sua arte já desde há muito é reconhecida e prova disso mesmo é uma recente edição de selos com algumas das suas obras, os murais em estações do metropolitano e as inúmeras e importantes exposições nacionais e internacionais para que é convidado.

 

.

Nadir Afonso - Metropolitano

 

.

Também a cidade de Chaves lhe dedicado algumas homenagens de reconhecimento quer com o nome de uma rua, o nome de um agrupamento de escolas e de uma escola, com uma sala com o seu nome no Museu da Região Flaviense onde estão expostas permanentemente algumas das suas obras.

 

.

.

 

Também Boticas recentemente se associou a esta homenagem, com uma exposição de telas suas em grande formato e com o anúncio de um Centro de Artes com o nome do Mestre onde suponho também constará alguma da sua obra e da sua história, mas falta fazer-lhe a homenagem maior, que este nome maior merece: A construção da Fundação Nadir Afonso em Chaves. Já existe o local, a maqueta já é conhecida de todos, falta mesmo é a sua construção e esse local de reunião de toda a arte e história do Mestre, a sua abertura à cidade de Chaves e a quem nos visita. A cidade de Chaves deve isso ao Mestre Nadir Afonso.

 

.

Nadir Afonso - Com a cidade de Chaves aos seus pés

.

 

Páginas e blogues de visita obrigatória do Mestre Nadir Afonso:

http://espacillimite.blogs.sapo.pt

http://nadirdechaves.blogs.sapo.pt/

http://www.nadirafonso.com/

http://www.nadirafonso.pt/

http://en.wikipedia.org/wiki/Nadir_Afonso

http://en.wikipedia.org/wiki/Nadir_Afonso_artworks

http://pt.wikipedia.org/wiki/Nadir_Afonso

 

entre muitos outros…

Até amanhã!

 

 

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 04:32
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
3 comentários:
De Pizarro Bravo a 13 de Outubro de 2008 às 19:28
Sensibilizado só posso dizer:
- Obrigado Mestre por tudo de grande que fez ... que fez de si um Homem grande.
- Obrigado Fernando pelo admirável trabalho que vem fazendo culminando, para mim, com este de hoje.
Abraço de amizade para os dois.


De Dinis Ponteira a 14 de Outubro de 2008 às 01:12
Magnifico Fernando magnifco trabalho e linda homenagem ao Nosso Mestre. Abraço


De fjr - Barreiro a 14 de Outubro de 2008 às 09:14
Fabuloso trabalho, Fernando, sobre um homem fabuloso de Chaves.
Amigo Fernando, a continuar assim daqui a uns anos alguém há-de escrever sobre um ilustre flaviense chamado Fernando Ribeiro.
Um abraço e obrigado


Comentar post

.Fotos Fer.Ribeiro - Flickr

frproart's most interesting photos on Flickriver

.meu mail: blogchavesolhares@gmail.com

.Novembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9


24
25

26
27
28
29
30


.pesquisar

 
ouvir-radioClique no rádio para sintonizar

 

 

El Tiempo en Chaves

.Facebook

Fernando Ribeiro

Cria o teu cartão de visita Instagram

.subscrever feeds

.favorito

. Solar da família Montalvã...

.posts recentes

. Chaves, cidade, concelho ...

. Flavienses por outras ter...

. Chaves, cidade, concelho ...

. Nós, os homens

. Chaves, cidade, concelho ...

. Chaves D'Aurora

. De regresso à cidade

. Quem conta um ponto...

. Pedra de Toque

. Faiões - Chaves - Portuga...

. O Factor Humano

. Fugas

. Chaves, cidade, concelho ...

. Nós, os homens

. O Barroso aqui tão perto ...

blogs SAPO

.Blog Chaves no Facebook

.Veja aqui o:

capa-livro-p-blog blog-logo

.Olhares de sempre

.links

.tags

. todas as tags

.arquivos

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

Add to Technorati Favorites