Segunda-feira, 13 de Abril de 2009

Flavienses Ilustres - Artur Maria Afonso - Poeta mimoso -1

1ª Parte

 

Chaves - Canto do Rio - 1936 - Nadir Afonso

 

.

 

CHAVES

 

Certamente foi assim

Que Deus bom e poderoso

Fez este rincão formoso,

Fez este invulgar jardim:

 

O Sábio da Criação,

Nun dia d’ispiração

E graça omnipotente

Entendeu em seu juízo

Pôr na terra um paraíso

Ideal, surpreendente!

 

Seria ao formar os montes,

Que fitando os Horizontes

Disse consigo: - É ali…

É ali que vou fazer

Um paraíso a valer!

E com mão maravilhosa

Como igual outra não vi.

Traçou a Veiga formosa,

Desenhou CHAVES aqui!

 

Teve a ideia, o cuidado

De fazer brotar ao lado

Umas águas muito raras,

Muito quentes, alcalinas,

De qualidades divinas!

Deu-lhe mimosas searas

E mais fontes cristalinas.

 

Deu-lhe o Tâmega saudoso

Partindo Chaves ao meio

Para no Verão calmoso

Lhe beijar risonho o seio.

E para a resguardar bem

Lançou-lhe serra em roda

Que nenhuma terra tem.

 

Deu-lhe pombais, deu-lhe rosas,

Deu-lhe frutas saborosas

E o relevante condão

De ter fortes e muralhas

Para nas rudes batalhas

Conter alheia traição.

 

Deu-lhe capelas piedosas

Ungidas de devoção…

Deu-lhe moitas odorosas

De rosmaninho e serpão.

Deu-lhe fartos arredores,

Alegres, ao sol abertos

De mil tentações cobertos

Que fazem sonhar amores.

 

E dentre os prémios mais finos

Fez-lhe uma mercê louçã

Para adoçar seus destinos:

Deu-lhe rostos femininos

Rivais do sol da manhã!

 

Criou-lhe o matriz dos vales,

Deu-lhe paz e deu-lhe ainda

O doce canto das aves

P’rá fazer mais bela e linda!

 

Para fazer-te princesa

Deu-lhe brilhos…tantos…tantos,

Que não pôde concerteza

Legar-te maior beleza

Ó Éden dos meus encantos!

 

Depois da obra ridente

O construtor excelente

Regressou à concha astral,

Deixando entre estas serras

A mais formosa das terras

De quantas tem Portugal!

 

Chaves, 9.Set.1938

In o livro de poesias “Auras Perfumadas”

 

.

Artur Maria Afonso, Poeta

.

 

Sem dúvida alguma que nunca Chaves foi tão bem cantada como o é neste poema que,  bem poderia ser a letra de um hino a Chaves.

 

É este poeta que tão bem cantou a cidade de Chaves neste e muitos mais poemas, o nosso convidado de hoje, poeta e ilustre flaviense que dá pelo nome de Artur Maria Afonso.

 

.

 

Palmira Rodrigues e Artur Maria Afonso

.

 

Artur Maria Afonso nasceu em Montalegre em 17 de Março de 1882, na casa da Crujeira. Era o filho mais velho de João Maria Afonso e de Orísia Ferreira da Silva. Quando era criança os pais mudaram-se para Lisboa (e em Lisboa faleceram) tendo ficado o pequeno Artur a viver em Montalegre com os tios António de Carvalho e Maria Ferreira da Silva, ambos professores de instrução primária e que se encarregaram de lhe ministrar uma educação condigna. Faleceu em Chaves na sua residência,  em 2 de Julho de 1961. Casou em 1918 com Palmira Rodrigues, filha do Major Augusto Rodrigues e de Felisbina Rua, de Sapelos, Boticas.

 

.

Foto de casamento de Palmira Rodrigues com Artur Maria Afonso, tomada em casa de António Vilhena, Casas Novas, onde foi realizado o casamento. Na foto, além dos noivos e familiares estão na segunda fila o Dr. António Granjo, Nicolau mesquita e António Vilhena.

 

.

 

Artur Maria Afonso trabalhou como aspirante de Finanças na vila de Montalegre e mestre-escola em Cambezes do Rio.  Desde muito novo que se dedicou às letras, tendo fundado e dirigido, com apenas 18 anos e ainda em Montalegre, o jornal “ O Barrosão”.  

 

 Antes de se fixar definitivamente em Chaves trabalhou na Repartição de finanças em Odmira e Murça e regressou a Chaves.

 

.

Veiga de Chaves - 1946 - Nadir Afonso

.

 

Ao longo da sua vida desenvolveu uma vasta actividade literária, tendo já em Chaves, colaborado com todos os jornais que por cá se publicaram, como o “Intansigente”, o “Aquae Flaviae”, “O comércio de Chaves”, o “Ecos de Chaves” e a “A Voz de Trás-os-Montes” de Vila Real.

 

.

Foto tomada nas escadas do então Hotel Flávia (Junto ao Jardim Publico e actualmente propriedade do Dr.Pinheiro). Em primeiro plano estão Artur Maria Afonso e os seus filhos Lereno e Nadir Afonso e ainda o filho do Dr. José Lino. Ao centro da foto, o proprietário do Hotel, o Sr. Pão Alvo.

 

.

Em 1909 publicou o seu primeiro livro de poesias “Alvoradas”; em 1942 “Boninas de Chaves”. Poesia que Artur Maria Afonso reuniu e publicou em livro ainda em vida, para além de toda a poesia que deixou publicada nos jornais atrás mencionados e de muita mais poesia inédita que nunca chegaria a publicar em vida, mas que viria a acontecer postumamente.

 

.

Artur Maria Afonso à varanda da sua casa na Rua de Stº António (ainda existente) cuja entrada principal era feita pela então Rua da Cadeia, hoje Bispo Idácio.

.

 

Assim, em 1982 por altura do primeiro centenário do nascimento do poeta, os seus filhos Lereno, Nadir e Fátima publicavam o seu terceiro livro de poesias intitulado “Orações ao Vento”, onde reuniam um centena de poemas inéditos.

 

Ainda no ano de 1982 a Câmara Municipal de Chaves prestava-lhe uma homenagem póstuma dando o seu nome a uma das principais ruas da cidade e anuncia-se o seu 4º livro de poesias “Auras Perfumadas”.

 

Em 1993 uma nova homenagem ao poeta por parte da Câmara Municpal de Chaves, com a publicação do seu 5º livro de poesias “ A Terra dos Meus Amores”, com a compilação de muitos dos seus poemas já publicados em edições anteriores mas agora com ilustrações do Mestre Nadir Afonso, seu filho. Livro onde se enaltece toda a obra poética de Artur Maria Afonso, sempre actual e que reflecte os seus estados de alma, o seu carácter e personalidade numa obra multifacetada com poemas todos esculpidos com arte, simplicidade e harmonia.

 

.

.

 

“A força das ideias soltas, organizadas na emoção da escrita, distingue os poetas. A forma sentida de dizer de Artur Maria Afonso elevou-o ao Olimpo, razão de sobra para a sua Autarquia o divulgar” – referia-se-lhe assim o então presidente da Câmara de Chaves, Dr. Alexandre Chaves, na introdução da “A Terra dos Meus Amores” onde o seu filho Lereno Afonso Rodrigues, também em jeito de introdução deixava no mesmo livro: “ Através dos tempos muitos foram aqueles que, com a vernaculidade da sua prosa, intransigentemente defenderam e enalteceram as belexas naturais destas paragens e suas gentes.

Em verso porém, talvez ninguém o teria feito tão digna e ardorosamente como Artur Maria Afonso.

 

As estrofes aqui condensadas que são uma parte da sua obra e que consubstanciam cânticos e uma mensagem ao porvir, assim inegavelmente o testemunham.

 

Este poeta, que muito amou este rincão flaviense do qual ele se considerava um filho adoptivo, aqui viveu durante cerca de sessenta anos e onde viria a falecer em 2 de Julho de 1961”

 

Um poeta que tão bem cantou Chaves em poesia como nunca ninguém o fez, concerteza que não é apenas um filho adoptivo de Chaves, mas um legítimo filho desta cidade.

 

.

.

 

AQUAE FLAVIAE

 

AQUAE FLAVIAE és no Mundo

Uma estrela rutilante!

Teu ar alegre e jocundo

Cantasse-o Camões sou Dante

 

De graça e sonho me inundo

Ao contemplar teu semblante.

Teu valor não tem segundo

Por toda a terra adiante

 

Eu ando Enamorado

Há Muito, desde o passado,

Por ti, Princesa d’Honor!

 

Faz espelho do teu rio,

Penteia as tranças com brio,

E dá-me um beijo d’amor.

 

Maio de 1957 in o livro de poesias “Orações ao Vento”

 

.

Chaves - Rua da Cadeia - 1936 - Nadir Afonso

Foi ao fundo desta rua, hoje denominada de Dispo Idácio, no nº12, que Artur Maria Afonso  viveu e morreu.

 

Cidade de Chaves que Artur Maria Afonso cantou em poesia mas que também viveu durante os sessenta anos em que a povoou, tendo privado de perto com outros ilustres flavienses como o Dr.José Timóteo Montalvão Machado, que é autor do prefácio do seu livro “Boninas de Chaves”, ou com o Dr. António Granjo, chegando a ter com este negócios na exploração de umas minas de volfrâmio nas proximidades do S.Caetano. Privou também com Nicolau Mesquita, outro ilustre flaviense e conjuntamente com mais dois sócios fundou a primeira fabriqueta de tijolos em Chaves, no Campo da Roda.

 

.

.

 

Embora esta singela homenagem do blog Chaves  a Artur Maria Afonso já há muito estivesse pensada, hoje sai reforçada com mais uma homenagem recente, agora por mãos da Fundação Nadir Afonso, com a coordenação de Laura Afonso na recente publicação de luxo do livro “Artur Maria Afonso – Poesia”, com Ilustrações e pinturas de Nadir Afonso e poesia de Artur Afonso, o primeiro 3 em 1, onde se juntam três gerações de Afonsos, o poeta Artur Maria Afonso, o Pintor e Arquitecto Mestre Nadir Afonso e o Arquitecto Artur Afonso (filho de Laura Afonso e Nadir Afonso).

 

.

Capa do último livro publicado com poemas de Artur Maria Afonso, com ilustrações de seu filho, Mestre Nadir Afonso e um poema de seu neto Artur Afonso. A imagem da capa, também de autoria de Nadir Afonso, intitula-se Apolo e é datada com o ano de 2007.

 

.

 

Um belíssimo livro em edição de luxo onde em simultâneo se mostra a poesia de Artur Maria Afonso ao longo da sua vida poética ilustrados por seu filho  Mestre Nadir Afonso com pinturas que ilustram também a sua vida artística ao longo dos tempos e que no final das 120 páginas do livro remata com um poema de Artur Afonso (filho de Laura e Nadir), poema sentido dedicado a seu pai e com o qual também terminamos este post. Mas antes, tempo ainda para aqui deixar a importância de outro nome flaviense na divulgação também destas gerações de Afonsos, na importância também da Fundação Nadir Afonso, na importância desta publicação dedicada a Artur M. Afonso e na importância de partilhar com Chaves e fazer de Chaves a sede onde se quer centrar a arte de Nadir Afonso. Um nome que muitas vezes não é visível mas que tem acompanhado todos os passos do mestre Nadir Afonso nas últimas dezenas de anos – Laura Afonso para quem deixo também o meu bem haja por elogiar a cidade de Chaves e tê-la no coração como só os verdadeiros flavienses o sabem fazer.

 

(por problemas alheios à minha vontade e que se prendem com o tamanho do post, o mesmo é publicado em duas partes, ficando na 2ª parte apenas uma imagem e o mencionado poema de Artur Afonso)

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 03:50
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
3 comentários:
De Dinis Ponteira a 13 de Abril de 2009 às 09:32
Parabéns Fernando ficou magnifico!!!!!!!!!!!!!
Abraço


De fjr - barreiro a 13 de Abril de 2009 às 18:13
Parabens Fernando! Este trabalho é fabuloso.
Um Abraço.


De riolivre a 13 de Abril de 2009 às 23:28
Como os mestres (da poesia e da pintura) também tu te afirmas como um dos melhores, senão o melhor, mestre na arte de levar Chaves e os seus a todos os recantos do planeta.
Bem hajas, por isso, meu caro Fernando.
Celestino


Comentar post

.Fotos Fer.Ribeiro - Flickr

frproart's most interesting photos on Flickriver

.meu mail: blogchavesolhares@gmail.com

.Dezembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9


19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


.pesquisar

 
ouvir-radioClique no rádio para sintonizar

 

 

El Tiempo en Chaves

.Facebook

Fernando Ribeiro

Cria o teu cartão de visita Instagram

.subscrever feeds

.favorito

. Solar da família Montalvã...

.posts recentes

. De regresso à cidade com ...

. Quem conta um ponto...

. O Barroso aqui tão perto ...

. Fornos - Chaves - Portuga...

. O Factor Humano

. Chaves, cidade, concelho ...

. Chaves, cidade, concelho ...

. Chaves, cidade, concelho ...

. Nós, os homens

. ...

. SINCELOS - ESTÓRIAS DE CH...

. Quem conta um ponto...

. O Barroso aqui tão perto ...

. Fornelos - Chaves - Portu...

. Chaves, cidade, concelho ...

blogs SAPO

.Blog Chaves no Facebook

.Veja aqui o:

capa-livro-p-blog blog-logo

.Olhares de sempre

.links

.tags

. todas as tags

.arquivos

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

Add to Technorati Favorites