Domingo, 5 de Junho de 2016

O Barroso aqui tão perto... Amiar

montalegre (549)

1600-amiar (39)

Barragem da Venda Nova e Serra do Gerês ao fundo vistas desde Amiar

 

Quando se fala no Barroso, a maioria das pessoas pensa logo em terra fria e agreste. É uma ideia que se foi fazendo do Barroso, talvez pelos nevões do inverno,  pelas altas serras despidas que se avistam ao longe, pelo que se escreve sobre o Barroso tal como acontece no romance  “Terra Fria” de Ferreira de Castro.

 

1600-amiar (41)

 

Em parte essa ideia feita da terra fria e agreste é verdadeira no Alto Barroso, ou seja, entre a Vila de Montalegre e a Serra do Larouco, estendendo-se até à fronteiras com a Galiza e concelho de Chaves, e nas serras mais altas além dos 1000 metros de altitude.

 

1600-amiar (2)

 

Mas a Sul da Vila de Montalegre a cantiga já é outra e hoje em dia o verde dos lameiros predomina. Disse hoje em dia porque  segundo o Sr. António, com 83 anos, um resistente de Amiar que fez as honras da casa, por esta altura do ano (maio, aquando da nossa visita) a terra era toda preta. Para quem não sabe o que isto quer dizer, era terra lavrada, cultivada, em tempo de sementeira.

 

1600-amiar (13)

Sr. António, resistente de Amiar, 83 anos de idade

Mas isso era no tempo em que a terra era cultivada nos pequenos vales entre montanhas. À montanha subia o gado e, ainda segundo o Sr. António —“enquanto o gado pastava, eu e outros da minha igualha, íamo-nos entretendo a fazer uns buracos para retirar algum minério”, de estanho, daí o aviso de perigo  à entrada da aldeia, não vá um aventureiro  incauto cair ao buraco, pois até os mais prevenidos, como o Sr. António, aquando escavava os seus buracos fundos, uma vez pouco faltou para ficar num, não fosse outra gente da aldeia tê-lo salvo.

 

1600-amiar (6)

 

Mas vamos até Amiar, curioso topónimo que desconhecemos a origem , pois nas pesquisas que fizemos sobre a aldeia, pouco ou nada encontrámos. Sabemos que se encontra a uma cota que ronda os 850m de altura, que pertence à freguesia de Salto, que é uma pequena aldeia como a grande maioria fortemente despovoada e envelhecida e que desde ela se avista a Barragem da Venda Nova, lá ao fundo, ficando para segundo plano lá no alto a Serra do Gerês.

 

1600-amiar (16)

 

Quanto ao modo de vida dos resistentes, um pouco de agricultura, algum gado bovino onde prevalece a raça barrosã, quase sempre muito bem cuidada, daí a sua carne fazer sempre uma boa mesa. Nota-se que em tempo a aldeia se dedicava também ao cultivo do milho, a testemunha-lo os canastros , ou espigueiros se preferirem. Curiosamente também vimos algumas latadas de videiras que originou outra pergunta ao Sr. António, a de se por lá se fazia vinho? – Que sim, que se fazia mas não prestava, às vezes lá se misturavam as uvas com outras vindas da terra quente e aí sim, lá se ia fazendo vinho para a pipa e para a adega, que se adivinha seria um vinho “temperado”, pois uva da terra quente com uva da terra fria só poderia dar um vinho de média temperada…

 

1600-amiar (30)

 

Outra das particularidades de Amiar, que se repete um pouco pelas aldeias da freguesia da Vila de Salto que já visitámos, é as construções tradicionais serem maioritariamente em xisto, ao contrário da maioria do restante Barroso do concelho de Montalegre. Tal como acontece noutros concelhos do interior, incluindo o de Chaves, construía-se com o que a terra, neste caso a pedra dava. Em terra de granito o granito era rei e senhor, em terra de xisto, o xisto também quase o era, pois nas ombreiras, padieiras, peitoris e soleiras das portas e janelas lá teria que se recorrer ao granito.

 

1600-amiar (32)

 

Como todas as aldeias mais despovoadas, também em Amiar o que sobressai é a aldeia antiga, com poucas intervenções em casario novo  ou alterações ao antigo casario. Curiosamente uma das pouca intervenções que houve  (aparentemente não muito antiga., foi na capela da aldeia, e por sinal uma infeliz intervenção, pois o acrescento não lhe fica nada bem, sem gosto, com alumínios lacados e a torre sineira a meio do telhado. Compreende-se que talvez seja mais acolhedora no rigor do inverno, mas que merecia uma intervenção muito mais cuidada, lá isso merecia, e é de estranhar, pois a Igreja, neste aspeto de acrescentos e reconstruções, até costuma  ser exemplar, mas enfim, em Amiar talvez fosse uma exceção.

 

1600-amiar (25)

 

E como sem ovos não se podem fazer omeletes,  também nós sobre Amiar e na ausência de documentação,  pouco mais temos a dizer. Valeu-nos o Sr. António que nos dispensou uns minutos preciosos para nos falar um pouco da aldeia, e mais falaria e estória haveria para contar se não fosse o comer que já se anunciava na mesa à sua espera.

 

1600-amiar (73)

 

Ao todo na aldeia de Amiar vimos duas pessoas, o Sr. António e a mulher, vimos outras duas que passaram por nós, uma de carro outra numa carrinha de trabalho, algumas vacas barrosas, um touro barrosão e mais nada, gatos, nem vê-los, muito menos “amiar” .

 

E por hoje no “Barroso aqui tão perto” é tudo. No próximo domingo lá iremos até outra aldeia, e então se verá a quem toca a sorte, certo é que será do Barroso do concelho de Montalegre.

 

1600-amiar (35)

 

Anteriores abordagens deste blog a aldeias ou temas do Barroso:

 

A Água - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-a-agua-1371257

Gralhas - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-gralhas-1374100

Meixedo - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-meixedo-1377262

O colorido selvagem da primavera http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-o-colorido-1390557

Padornelos - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-padornelos-1381152

Padroso - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-padroso-1384428

Sendim -  http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-sendim-1387765

Solveira - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-solveira-1364977

Stº André - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-sto-andre-1368302

Vilar de Perdizes - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilar-de-1360900

Vilar de Perdizes /Padre Fontes - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilar-de-1358489

Vilarinho de Negrões - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilarinho-1393643

´
publicado por Fer.Ribeiro às 23:26
link do post | comentar | favorito
|  O que é?

.Fotos Fer.Ribeiro - Flickr

frproart's most interesting photos on Flickriver

.meu mail: blogchavesolhares@gmail.com

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
14


24
25
26
27
28
29
30


.pesquisar

 
ouvir-radioClique no rádio para sintonizar

 

 

El Tiempo en Chaves

.Facebook

Fernando Ribeiro

Cria o teu cartão de visita Instagram

.subscrever feeds

.favorito

. Solar da família Montalvã...

.posts recentes

. Condeixa (Quinta), Casa A...

. Pedra de Toque

. Cidade de Chaves - Um olh...

. Crónicas estrambólicas

. Flavienses por outras ter...

. Cidade de Chaves - Um olh...

. Chaves D'Aurora

. Cidade de Chaves e a Nª S...

. Quem conta um ponto...

. O Barroso aqui tão perto ...

. Pecados e Picardias

. Cimo de Vila da Castanhei...

. O factor Humano

. Chaves - Um olhar...

. Ocasionais

blogs SAPO

.Blog Chaves no Facebook

.Veja aqui o:

capa-livro-p-blog blog-logo

.Olhares de sempre

.links

.tags

. todas as tags

.arquivos

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

Add to Technorati Favorites