Domingo, 17 de Abril de 2016

O Barroso aqui tão perto... Gralhas

1600-larouco (50)-1

 

Tal como prometido, hoje no Barroso aqui tão perto, vamos até à aldeia de Gralhas, localizada nas faldas do Larouco, a 25 Km da cidade de Chaves e a 9 Km de Montalegre. É uma das aldeias que fica no nosso itinerário (ao lado) até Montalegre.

 

1600-gralhas (41)

 

Vamos deixar por aqui algumas breves impressões pessoais sobre aquilo que vimos e a mais não nos aventuramos, pois quando há entidades a falar de Gralhas, que a conhece e descreve tão bem, temos que respeitá-la, e tudo que nós acrescentássemos seria para prejudicar a nossa reportagem, e não é essa a nossa intenção, mas antes contribuir para a divulgação daquilo que de melhor temos em Trás-os-Montes, neste caso no Alto-Barroso e nas suas aldeias.

 

1600-gralhas (50)

 

Assim, a maior parte do que hoje vamos deixar por aqui é do blog Aldeia de Gralhas (http://aldeiadegralhas.blogspot.pt) de autoria de Domingos Chaves. Tentaremos ser corretos com os créditos, citações, mas se alguma coisa escapar, ficam desde já as nossas desculpas, mas penso que tal não irá acontecer.

 

Pois vamos lá a Gralhas.  Tal como disse atrás a aldeia fica no nosso itinerário entre Chaves e Montalegre, ou quase, pois é preciso sair da estrada principal para entrarmos na aldeia que, no entanto, se avista perfeitamente desde ela,  de onde até se tomam interessantes imagens (vista geral) sobre a aldeia. 

 

1600-gralhas (47)

 

Também desde a croa da Serra do Larouco, se virarmos olhares para nascente, temos logo ali Gralhas aos nossos pés.

 

A primeira vez que entrámos na aldeia para recolha de fotografias foi há dois anos, mais precisamente no dia 3 de fevereiro de 2014 a meio da tarde, quando sobre a aldeia caía mais uma nevada, e ainda sem pensarmos em trazer aqui as aldeias do Barroso com regularidade. Daí limitarmo-nos a recolha de apenas meia dúzia de fotos, além de, a intensidade com que a neve caía não permitir mais.

 

1600-gralhas (30)

 

Na nossa última passagem por lá, dia 9 de abril passado, aí sim, a intenção já era a de recolher fotografias para trazer aqui Gralhas. Pensávamos fazer essa recolha ainda no período da manhã, mas não, só nos foi possível à tarde, pois pela manhã “perdemo-nos” em salutares conversas e muitas imagens em Pedrário, Sarraquinhos e Cepeda. Quando ia-mos para tomar rumo a Gralhas, já o almoço nos esperava em Padornelos, e com a barriguinha já a dar horas, depressa deixámos Gralhas para o período da tarde. Perdeu um pouco a fotografia com a luz da tarde a, quase sempre, ser ingrata para connosco.

 

1600-gralhas (81)

 

Mas passemos então a Gralhas, com extratos do livro “Gralhas – Minha Terra, Minha Gente” de  autoria de Domingos Chaves,  retirados do seu Blog “ Aldeia de Gralhas”, começando pela localização e estrutura social da aldeia:

 

“Terra de montanha, muito gado caprino e ovino e de gente dura, a aldeia de GRALHAS, está situada no norte de Portugal, na base sul da Serra do Larouco e ocupa uma área calculada em cerca de 1082 hectares.

 

Dista 9 Kms da vila de Montalegre, sede do concelho, 5 Kms da fronteira com a Galiza e 25 Kms da cidade de Chaves. O seu povoamento é concentrado.

 

A aldeia encontra-se rodeada de nabais, hortas e lameiros de rega. Neste perímetro, é propriedade exclusivamente privada. Depois segue-se-lhe todo um conjunto de terrenos, também privados, mas misturados com outros de domínio público. Esses terrenos, são chamados de duas folhas (a de baixo e a de cima), uma de batata, outra de centeio, com cultivo alternado."

 

1600-gralhas (23)

 

"Antes da intensificação da cultura da batata, uma das folhas, ficava em grande parte, de poulo (pousio). Quase todos os terrenos, envolventes deste segundo perímetro, são de pastoreio colectivo até às sementeiras e posteriores colheitas. Os lameiros são propriedade privada, excepto as «lamas do povo» ou do «boi», como também são conhecidas e que outrora se destinaram à pastagem dos bois do povo.

 

O monte (baldios) é de pastoreio livre, quer para gado de particulares, quer para os rebanhos comunitários. A povoação, apresenta um modelo consistente, depurado ao longo dos séculos, através de uma economia de subsistência, onde entroncam admiravelmente o privado e o colectivo. Cultiva-se pouco de cada coisa e hoje praticamente, em função das necessidades do agregado familiar.  A terra, não é apenas a propriedade, é mais a extensão vital da corrente sanguínea. Nos dias que correm, a vida da aldeia não é o quadro de felicidade, que ocorre e pode ser apreciado em certas épocas. Ao lado da altura, que alguns chegam a ostentar, moram ainda muitas dificuldades, quantas vezes encapotadas, designadamente, durante o rigoroso inverno, quando o trabalho escasseia. A partir dos anos sessenta, muitos jovens descontentes e ambiciosos, largaram tudo, e meteram os pés a caminho, deslocando-se para as grandes cidades do litoral e mais tarde em muito maior número, para outros países da Europa, designadamente para França. Quatro décadas depois, muitos regressaram e continuaram com a mesma vida. Envelhecidos pelo tempo e pela vida, atravessam ainda hoje a aldeia, atrás das suas vacas, revivendo o passado.

 

A estrutura social, o papel da propriedade da terra, as casas, as ruas, as fachadas, o modo de vida, o sistema de entreajuda, a noção de tempo, os ritmos da vida, os mitos e os ritos, tudo parece pertencer já a um paraíso perdido. “

 

1600-gralhas (76)

 

Pegando nas palavras do último parágrafo, por muito cruéis que possam ser para o nosso gosto, descrevem bem a realidade que nós pudemos observar e sentir. Mas Gralhas não é caso único, é mais uma das vítimas dos tempos atuais, do despovoamento rural natural ou forçado,  graças ao abandono por parte daqueles que com formação não encontram na aldeia um modo de vida ou dos outros a quem a aldeia já não oferece condições para aí poder garantir meios de vida com as exigências atuais. Curiosamente as aldeias que mais sofrem com o despovoamento são aquelas que mais desenvolvidas estavam há 50 anos atrás.

 

Mas continuemos com as palavras do livro “Gralhas – Minha Terra, Minha Gente” :

 

“Historiar com precisão, aquilo que se pretende é muito complicado, e a história de Gralhas não foge à regra. 

Existem todavia, documentos que falam de diversas regiões de Barroso, designadamente desde a época da ocupação romana. Em meados do século VI, durante o domínio dos Suevos, um dos concílios de Lugo, fala de Salto, uma freguesia do concelho de Montalegre, ao qual Gralhas pertence. Seis séculos mais tarde, um manuscrito de 1145, dá notícia da existência do Arcediagado de Barroso. Por volta de 1147, um documento existente no Arquivo Provincial de Orense (Galiza), fala da fundação do Mosteiro de Santa Maria das Júnias, próximo de Pitões, outra aldeia, que integra o mesmo município. Em 1208, uma Bula do Papa Inocêncio III, refere-se a Vilar de Perdizes e ao Couto de Dornelas. Pela mesma data, Tourém recebeu foral do rei D. Sancho I."

1600-gralhas (59)

 

"De 1248, existem dois documentos, referentes ao Mosteiro de Pitões e ao Couto de Vilaça. As Inquirições de 1258, falam de novo em Salto. A partir do século XIII, a documentação é mais abundante. Mas sobre Gralhas, para além de alguma informação dispersa e na maioria dos casos, proveniente da Galiza (Aula Galicia), o primeiro diploma legal que se conhece, é o foral concedido, pelo rei D. Dinis, em 20-09-1310, ano de epidemias e muita fome na região, através do qual se ordenava a partilha das terras, o seu cultivo, o pagamento do dízimo a Deus e a proibição de atentar na parte ou no todo contra os usos e costumes da povoação.

 

Assim, com base na documentação disponível, em achados diversos, nas tradições, nos costumes locais e nos testemunhos dos mais antigos, procurarei na medida do possível, responder à pergunta: Como nasceu Gralhas!..."

 

1600-gralhas (72)

 

Sobre o enquadramento histórico-natural, o livro “Gralhas – Minha Terra, Minha Gente” refere:

 

“Não se conhece de fonte segura, a origem do nome que fez jus à terra. Não se conhecem igualmente, registos que retratem de forma fidedigna a sua origem. O que se sabe isso sim, é que o termo GRALHAS, deriva do latim -gracula-, ave conirrostra da família dos corvos, que abundou na zona onde hoje se situa a aldeia.


Segundo relatos de alguns estudiosos, as comunidades que viviam próximo do aglomerado, que é hoje, toda a área circundante da freguesia de GRALHAS, perdem-se na bruma dos tempos. Essas comunidades, parecem ter habitado, desde os longínquos tempos da pré-história, em zonas, como Soutelo (ou «Crasto» como ainda hoje é conhecido) e Ciada, pouco se sabendo dos seus primitivos habitantes, da sua cultura, dos seus hábitos, das suas actividades de caçadores e pastores, designadamente durante os períodos leptolítico e mesolítico."

 

1600-gralhas (61)

 

"Há cerca de 3 000 anos, a cultura castreja, representada supostamente pelos Equésios, teve nessas regiões, larga difusão e grande prosperidade, supondo-se que como consequência de uma epidemia que terá grassado nos ditos CASTROS DE SOUTELO e da CIADA, o primeiro situado a nascente do lameiro do Artur Roscas e a poente do Rio das Forcadas, que ainda hoje apresenta vestígios de uma muralha de terra e pedra miúda, e de um fosso do lado nascente do mesmo rio, e o segundo na encosta a caminho de Solveira, pela estrada velha, numa zona próxima do actual campo da bola, as respectivas populações, se tenham deslocado para zonas, que apelidaram de Cima de Villa, muito próxima da actual Calhelha do Lameiro e Bárrio, algures da Santa, as quais muito mais tarde e por influência da civilização romana, se viriam a unificar e dar origem à actual aldeia de GRALHAS.

 

Por aqui passaram e deixaram igualmente marcas, diversas civilizações, entre as quais, a Ibero-Céltica - cujos vestígios nos são transmitidos, pelas suas preocupações com o que haverá para além da morte, e se traduziram na edificação de monumentos funerários, existentes na região - e a Romana, sendo aqui de salientar, a via romana Braga-Chaves, que há cerca de 2 000 anos, passava pela Ciada/Caladuno, o que prova inequivocamente, que os romanos, chegaram a esta zona, passaram e deixaram rasto." 

 

1600-gralhas (92)

 

E vamos caminhando para o fim deste post, não porque não haja matéria para deixar aqui, toda ela da mesma fonte com a tal origem no blog “Aldeia de Gralhas” e do livro “Gralhas – Minha Terra, Minha Gente”, mas porque para post de blog já começa a tornar-se longo, e depois, para quem quiser saber mais sobre a aldeia nem há como visitar o blog ou blogues de Domingos Chaves, o que recomendo. Mas ainda antes de terminar ficam mais um pouco sobre o que o livro diz sobre o casario, a fauna e a flora da aldeia. No blog “Aldeia de Gralhas” tem ainda muito mais sobre a história mais antiga da aldeia, sobre os usos e costumes, o clima, a organização social e comunitarismo, património cultural, etc, Tudo ilustrado com fotografias antigas e recentes. Vá por lá que não se arrepende. Mas vamos então ao casario, fauna e flora de gralhas, mais uma vez citando o livro “Gralhas – Minha Terra, Minha Gente”:

 

"As casas

“Até há cerca de 40/50 anos atrás, regra geral, as casas dos lavradores estavam perfeitamente adaptadas às actividades agrícolas e pastoris.

 

Sobre o mesmo tecto, abrigavam-se muitas vezes, animais e os produtos que a terra dava. O rés-do-chão era reservado para a loija (adega), cortes dos porcos, tudo paredes meias com a corte da rês (ovelhas) e côrtes do gado. Os estábulos davam normalmente para um pátio, e se o recinto fosse adequado, podia até servir de eira, com o palheiro a fechar o círculo.

 

1600-gralhas (71)

 

Noutros casos porém, a eira, o palheiro e as cortes de gado eram um conjunto independente e até distante da casa de habitação. A escada exterior em pedra levava à cozinha e a varanda corria toda a fachada, dando acesso ao sobrado de limpo e compartimentos para dormir.A par das casas dos lavradores existiam ainda e em determinadas situações, as casas dos cabaneiros (pessoas de poucas posses), estas muito mais modestas e apertadas, mas não raramente com mais família para abrigar.

 

Nas casas, cabiam o lar, onde durante os meses frios era acesa a lareira, e à sua volta via-se normalmente, um escano, uma masseira, as camas, uma pequena mesa, uma toucinheira pendurada da trave, uma caixa de madeira de carvalho e vários molhos de lenha ao lado, que uma dúzia de galinhas usava como capoeira.

 

A cobertura de colmo ajudava a conservar o calor noite dentro, o que era fundamental particularmente em noites de frio e neve.

 

A Fauna

 

“Quando se fala em fauna, tem obrigatoriamente de se falar da Serra do Larouco, dos montes e vales que a circundam e da própria Serra da Lagoa, situada na vertente sul da aldeia.
Na realidade, devido ao relativo isolamento de parte importante da sua superfície, sabe-se hoje, que por aí se mantiveram até muito mais tarde ou ainda persistem, algumas das espécies que mais nos atraem, como é o caso da águia-real, do lobo e até de alguns corços. Sabe-se também, que a cabra-brava, passou por aqui. A última referência referente à mesma, data de 1892, época em que frequentava, a vasta zona para além do Picoto (Marco Geodésico) ao longo da raia com a Galiza.

 

1600-gralhas (53)

 

Porém, o já referido isolamento, que caracteriza toda a zona serrana e a protecção acrescida que deriva da própria natureza do terreno, permitiu a permanência de toda uma variedade de animais, com especial referência para as aves, destacando-se por estas paragens, para além da águia-real, os milhafres, a águia-de-asa-redonda, as corujas-do-mato, os mochos, os gaios, os melros, as pegas, as perdizes e tantas outras.

 

Quanto a répteis, é comum ver-se por aqui a víbora-negra, a cobra-d'água, o liscranço e o lagarto. Na parte que diz respeito aos mamíferos, predominam ainda no Larouco, alguns lobos e corços, lontras, fuinhas, coelhos-bravos, texugos, lebres, e javalis com fartura.

 

De entre as espécies referidas, existem algumas, que pela sua importância em termos estritamente conservacionistas - trata-se de espécies em perigo de extinção ou muito ameaçados -, pelas profundas relações que desde há muito mantêm com o quotidiano local e pelo modo como nós próprios as encaramos, merecem ser realçadas. Quantas histórias e quantas lendas se poderão contar, acerca do lobo, animal que desde logo se associa ao agreste da paisagem?...

 

Perseguido por todo lado e dado como extinto em grande parte do continente europeu, esta espécie, ainda vinga por estas paragens. Abatido como predador de gado, sobretudo ovino e caprino, sobrevivendo com dificuldade devido ao desaparecimento da caça maior, outra fonte importante da sua alimentação, e profundamente afectado pelas alterações ocorridas no seu habitat natural, o lobo é de facto uma espécie ameaçada. À fauna selvagem, há hoje também, que acrescentar uma espécie doméstica de elevado valor e que já faz parte da paisagem do Larouco: trata-se do gado barrosão, galego, penato, mirandês e ultimamente alentejano, que ali se encontra, designadamente durante os meses de verão, em regime livre.”

 

1600-gralhas (82)

 

Flora

De natureza granítica e beneficiando de um clima agreste e húmido, as serras plenas de água, desde logo surpreendem pelo vigor e carácter da vegetação que as cobre. A Serra do Larouco, situada a norte da aldeia, forma gigantescos anfiteatros, destacando-se de entre os demais, o Caldeirão, o Castelo do Romão, o Corisco e as Barreiras Brancas.

 

Estes cumes encontram-se muito escalvados, de tal forma, que acima dos 1400 m de altitude, subsistem apenas diversificados arbustos rasteiros, tais como, carquejas, sargaços, tojos, pequenas urzes e fetos.

 

Entre os 1400 e os 1200 m verifica-se já a existência de alguns carvalhos de pequeno porte, alguns vidoeiros, giestas, urzes e mato das mais diversas origens.

 

Até aos 1200 m a arborização é já mais densa, apresentando exemplares de grande porte, espécies arbóreas como o carvalho, o castanheiro, o vidoeiro e o salgueiro, entre muitas outras. Muito mais diverso e menos arborizado, é o revestimento vegetal da Serra da Lagoa, a qual junto ao Rio de Meixedo, nos apresenta uma extensa área de matagal - urze, tojos, giestas, sargaços, carquejas, muitos jungos e um carácter árido, que demonstra a ausência de povoamento humano.

 

1600-larouco (86)

 

Finalmente, não se pode esquecer que a flora do Larouco, alberga espécies botânicas do maior interesse e que são objecto de acesa discussão, nos vários congressos de medicina popular, organizados na região, com particular realce, para o realizado anualmente no mês de Setembro, em Vilar de Perdizes. Aí se recomendam para o «tratamento» de diversas doenças, os chás de Alecrim, para o combate à asma, falta de apetite, gota, amigdalites e obstrução nasal, de Barba de Milho, para as inflamações e infecções da bexiga, da Flôr de Carqueja, para a tensão arterial alta, pedra nos rins, tosse, diabetes, rouquidão e bronquite, da Erva Cidreira, para os nervos, dores de cabeça e cólicas, do Fel da Terra, para os diabetes, das Folhas de Freixo, para o àcido úrico, colesterol, má circulação e reumatismo, da Flôr da Giesta-Branca, para os diabetes altos, ureia e Infecções da bexiga, das Malvas, para as inflamações da pele e mucosas, infecções e irritações de todo o tipo, da Tília, para o coração, sistema nervoso e insónias, da Flôr da Urze, para a próstata, bexiga e rins e da Uva-do-Monte, para o colesterol «sangue gordo», triglicéridos, diabetes e inflamação da bexiga, entre tantos outras."

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 05:10
link do post | comentar | favorito
|  O que é?

.Fotos Fer.Ribeiro - Flickr

frproart's most interesting photos on Flickriver

.meu mail: blogchavesolhares@gmail.com

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
14

21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


.pesquisar

 
ouvir-radioClique no rádio para sintonizar

 

 

El Tiempo en Chaves

.Facebook

Fernando Ribeiro

Cria o teu cartão de visita Instagram

.subscrever feeds

.favorito

. Solar da família Montalvã...

.posts recentes

. Cidade de Chaves - Um olh...

. Chaves D'Aurora

. Cidade de Chaves e a Nª S...

. Quem conta um ponto...

. O Barroso aqui tão perto ...

. Pecados e Picardias

. Cimo de Vila da Castanhei...

. O factor Humano

. Chaves - Um olhar...

. Ocasionais

. Chaves D'Aurora

. De regresso à cidade

. Quem conta um ponto...

. O Barroso aqui tão perto ...

. Cela - Chaves - Portugal

blogs SAPO

.Blog Chaves no Facebook

.Veja aqui o:

capa-livro-p-blog blog-logo

.Olhares de sempre

.links

.tags

. todas as tags

.arquivos

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

Add to Technorati Favorites