Domingo, 29 de Maio de 2016

O Barroso aqui tão perto... Vilarinho de Negrões

1600-vilarinho de negroes (267)

montalegre (549)

 

Vilarinho de Negrões

 

Hoje vamos até Vilarinho de Negrões, aquela que é considerada por muitos uma das aldeias mais bonitas de Portugal e eu confirmo, que sim, vista no seu conjunto e a uma certa distância, poucas lhe chegarão aos calcanhares, principalmente quando a barragem está a topo e a água parece entrar por algumas casas adentro, e na realidade pouco falta para tal.

 

1600-vilarinho de negroes (252)

 

De onde quer que se aviste mantém a sua beleza, embora pessoalmente goste mais de a ver com a Serra do Larouco de fundo que embora ainda distante, a sua altura impõe-se e parece ser uma das que contém as águas da Barragem dos Pisões (como comummente é conhecida por nós) ou do Alto Rabagão, pois é este o seu nome oficial.

 

1600-vilarinho de negroes (253)

 

Também se tivermos olhares seletivos, mas ainda à distância, podemos igualmente fazer com Vilarinho de Negrões  belas composições, tão ou mais belas ainda que com o seu conjunto, ou seja, fotograficamente falando,  podemos fazer desta aldeia mil e uma composições, então se aproveitarmos as diferentes horas do dia ou as diferentes condições meteorológicas, podemos acrescentar ainda outras tantas composições.

 

1600-vilarinho de negroes (104)

 

Resumindo, Vilarinho de Negrões é um destino obrigatório de qualquer fotógrafo, nem que seja uma única vez na vida, mas pela certa que depois de se descobrir, não se resiste a passar por lá repetidamente e aproveitar o momento que é sempre diferente, é assim como uma mulher bonita que esteja como esteja é sempre bela e nunca nos cansamos de a fotografar.

 

1600-vilarinho de negroes (125)-2

 

Se entrarmos na aldeia, embora seja também é interessante, o discurso já é diferente. As verdades têm de ser ditas,  pois no Barroso há uma mão cheia de aldeias que na sua intimidade são bem mais interessantes que Vilarinho de Negrões, e algumas delas já passaram por esta rubrica, mas mesmo sendo como é, vale sempre a pena sentir o seu pulsar e depois tem sempre a magia da proximidade da água, isto se a barragem estiver cheia. 

 

1600-vilarinho de negroes (330)

 

E no seu interior podemos encontrar pelo menos duas casas mais nobres ou mais ricas, alguns canastros sempre interessantes, uma pequena capela, alminhas, tanques, fontes e o típico casario tradicional de granito, mais humilde mas com soluções construtivas sempre interessantes, algumas mantendo ainda os beirais elevados que antigamente serviam para acondicionar e proteger as coberturas de colmo. Pena que nestas aldeias barrosas não haja ainda uma ou duas construções cobertas de colmo, seria ouro sobre azul e um testemunho histórico para os mais novos saberem como eram as coberturas de colmo, que também tinham a sua arte.

 

1600-vilarinho de negroes (194)

 

A aldeia não é grande e sofre dos mesmos males da maioria das aldeias transmontanas, ou seja, o despovoamento e o envelhecimento da população. Visto de outra perspetiva, geralmente as aldeias despovoada e envelhecida são as que mantêm a sua integridade de aldeia, onde não há grandes atentados arquitetónicos, mantendo na grande maioria as construções típicas e tradicionais do Barroso e de Trás-os-Montes onde o granito à vista e a madeira são os principais materiais das construções.

 

1600-vilarinho de negroes (186)

 

Quanto ao resto e visualmente falando,  a envolvência da aldeia caracteriza-se pelo azul do céu que refletido nas águas da albufeira lhe dá a mesma cor a esta, contrastando com o verde das pastagens e o vermelho alaranjado da cobertura do casario. Vista ao longe, Vilarinho de Negrões pode-nos dar ares de uma pequena ilha junto à costa.  

 

1600-vilarinho de negroes (159)

 

Resumindo, Vilarinho de Negrões mesmo com os senãos da aldeia em si agravado ainda pelo despovoamento, envelhecimento da população e o abandono do casario, merece ser considerada uma das aldeias mais bonitas de Portugal e não só. Aliás todo o Barroso é assim, um pequeno paraíso dentro do reino maravilhoso que Torga cantava. Um bom destino para quem gosta de férias e passeios em contacto com a natureza e o verde vivo dos campos a contratar com o verde escuro de  uma floresta maioritariamente autóctone, onde o carvalho é rei e senhor, onde o povo em geral é hospitaleiro e recebe bem, mantendo a sua dose de desconfiança como convém.  

 

1600-vilarinho de negroes (148)

 

Falei atrás do verde dos campos e hoje assim é na maioria do Barroso e à volta da maioria das aldeias do Barroso. Geralmente quem não o conhece tem a ideia de um Barroso agreste e árido, que também existe, principalmente nas pontos mais altos das serras e montanhas onde apenas a vegetação mais rasteira como a  urze e carqueja se dão, mas descendo às terras mais baixas,  o verde e a água, são um traço comum à maioria do Barroso, onde não faltam as vacas e os toiros a pastarem livremente também um pouco por todo o Barroso.

 

1600-vilarinho de negroes (142)

 

E falta falar de um ponto alto também do Barroso e que visitantes e turistas também apreciam – a gastronomia do Barroso. Geralmente quando saio aqui da terrinha parto sempre com a preocupação de onde se pode comer, de preferência bem e se possível os pratos característicos da região. Pois quando parto para o Barroso nunca levo essa preocupação, pois já sei que esteja onde estiver há sempre um restaurante perto onde se come bem e, curiosamente também se bebe bem (bom vinho). A curiosidade está em que no Barroso não se produz vinho, pelo menos de qualidade, mas nas suas adegas há-o sempre e do bô.

 

1600-vilarinho de negroes (117)

 

Pois hoje tivemos que deixar por aqui, maioritariamente, as nossas impressões pessoais sobre aquilo que vimos e conhecemos, pois nas nossas pesquisas poucas informações encontrámos sobre a aldeia com exceção do livro “Montalegre” de autoria de José Dias Baptista, publicado pelo Município de Montalegre em 2006. Uma pequena referência a um filho da terra cuja história se cruza também com a história da cidade de Chaves e que daremos conta a seguir:

 

1600-vilarinho de negroes (191)

 

“ (…) Em 1862, nasceu em Vilarinho de Negrões, Domingos Pereira. Ordenado padre e já abade de Refojos (Cabeceiras) contra vontade de seu tio, o também padre João Albino Carreira, filiado no Partido Regenerador, filiou-se no Partido Progressista. Fiel ao seu credo partidário, tornou-se amigo íntimo de Paiva Couceiro e recusou aderir à República em 1910.

Perseguido, como os outros chefes monárquicos, após a estrondosa derrota, no espaldão da carreira de tiro, em Chaves, foi condenado a 20 anos de penitenciária. Conseguiu colocar no Brasil os seus “soldados, na ordem de alguns milhares” e regressou a Espanha e à sua actividade conspiratória. Conspirou a vida inteira. Depois da amnistia de Sidónio Pais, teve acções preponderantes na proclamação da “Monarquia do Norte”, em 1919, participando nos combates de Cabeceiras, Mirandela e Vila Real.

Restaurada a República exilou-se em Espanha e foi condenado à revelia a 20 anos de prisão maior. Excluído, como Paiva Couceiro, da amnistia concedida aos monárquicos, regressou em segredo, em 1926, a Cabeceiras, onde viveu até 1942.

Por falar em condenações, é de lembrar a condenação de José Pereira, de Lamachã, em 1947, a 29 anos e meio de cadeia “acusado de ser o autor moral” dum crime que de certeza não cometeu. Eram assim os tribunais e juízes fascistas.

Esta freguesia (e a maior parte de Barroso) ganhou direito à imortalidade através da documentação fotográfica “La Mémoire Blanche” de autores estrangeiros.”

 

1600-vilarinho de negroes (274)

 

Para terminar, só um pequeno apontamento àquilo que transcrevemos do livro de “Montalegre”, nomeadamente no último parágrafo onde refere à « documentação fotográfica “la mémoire blanche” de dois autores estrangeiros.». Pois acho que tinha ficado bem dizer quem são esses autores, porque de facto o trabalho deles é marcante e impressionante merecedores de que conjuntamente com o seu trabalho “la mémoire blanche – Negrões” contem os seus nomes: Gérard Fourrel e Gilles Cervera, dois jovens Bretões que ficaram rendidos à beleza fria e dura do Barroso, com o contrates do branco que cobria as serras e montanhas e o negro da terras preta esgaravatada pelos barrosões.   

 

gerard fourel.jpg

Foto do livro Negrões - la mémoire blanche de Gérard Fourel/Gilles Cervera

 

 

Anteriores abordagens deste blog a aldeias ou temas do Barroso:

 

A Água - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-a-agua-1371257

Gralhas - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-gralhas-1374100

Meixedo - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-meixedo-1377262

O colorido selvagem da primavera -  http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-o-colorido-1390557

Padornelos - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-padornelos-1381152

Padroso - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-padroso-1384428

Sendim -  http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-sendim-1387765

Solveira - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-solveira-1364977

Stº André - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-sto-andre-1368302

Vilar de Perdizes - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilar-de-1360900

Vilar de Perdizes /Padre Fontes - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilar-de-1358489

´
publicado por Fer.Ribeiro às 16:19
link do post | comentar | favorito
|  O que é?

.Fotos Fer.Ribeiro - Flickr

frproart's most interesting photos on Flickriver

.meu mail: blogchavesolhares@gmail.com

.Novembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9


24
25

26
27
28
29
30


.pesquisar

 
ouvir-radioClique no rádio para sintonizar

 

 

El Tiempo en Chaves

.Facebook

Fernando Ribeiro

Cria o teu cartão de visita Instagram

.subscrever feeds

.favorito

. Solar da família Montalvã...

.posts recentes

. Chaves, cidade, concelho ...

. Flavienses por outras ter...

. Chaves, cidade, concelho ...

. Nós, os homens

. Chaves, cidade, concelho ...

. Chaves D'Aurora

. De regresso à cidade

. Quem conta um ponto...

. Pedra de Toque

. Faiões - Chaves - Portuga...

. O Factor Humano

. Fugas

. Chaves, cidade, concelho ...

. Nós, os homens

. O Barroso aqui tão perto ...

blogs SAPO

.Blog Chaves no Facebook

.Veja aqui o:

capa-livro-p-blog blog-logo

.Olhares de sempre

.links

.tags

. todas as tags

.arquivos

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

Add to Technorati Favorites