Sábado, 8 de Outubro de 2016

Pereiro de Agrações em tempo de colheitas e vindimas - Chaves - Portugal

1600-pereiro-agra (251)

 

Tive a felicidade de ter nascido em plena veiga de Chaves, a felicidade de o meu pai ser de uma aldeia que vivia da terra, do gado e da floresta, onde também tínhamos por lá algumas coisas da terra a tratar e de, quase sempre, a felicidade de ter vivido mais próximo do campo do que da cidade, exceção para uma temporada de meia dúzia de anos em que vivi numa torre de betão e da qual não guardo nenhuma boa recordação.

 

1600-pereiro-agra (155)

 

Tive também a felicidade de na minha juventude e formação ter passado pelos trabalhos do campo. Claro que na altura de jovem nem por isso valorizava esta mais valia, nem a troca da cidade pelo campo era lá muito “pacífica”,  mas com o tempo,  em adulto,  dei-me conta do tão positivo que foram esses tempos de contacto com a terra, com os seus trabalhos e com os sabedoria da gente das nossas aldeias. Sabedoria que é ágrafa , que só ouvindo-a, vendo-a  e vivendo-a se aprende.

 

1600-pereiro-agra (248)

 

Tenho a felicidade de viver a meio caminho entre a cidade e o campo. Mais campo que cidade e a felicidade de a minha casa ainda estar rodeada de algumas vinhas que se cultivam e de alguma terra que ainda é lavrada, semeada e plantada e onde na altura certa se vão recolher os frutos.

 

1600-pereiro-agra (182)

 

Hoje tive a felicidade de acordar ao som do bater do ferro das tesouras de poda, as mesmas que se usam para vindimar, acompanhadas do habitual burburinho das vozes de quem vindima, fazendo-me regressar ao tempo das minhas vindimas, das merendas com a obrigatória omelete de linguiça, dos lagares, da festa de pisar o vinho, da espera da fermentação, do baixar do bagaço, do encher das pipas, do espremer o bagaço e da longa espera de um dia de sol de abril ou maio para finalmente botar a torneira à pipa e engarrafar algum  vinho para mais tarde chegar à mesa. Uhhhh! Que bem sabia. Ainda hoje aprecio todas essas tarefas do vinho nos aromas que me ficam no palato, principalmente se sai de uma pipa guardada na frescura de uma adega.

 

1600-pereiro-agra (173)

 

Pois é tempo da fruta madura, das vindimas que se repetem pouco por todo o lado, nas terras mais quentes há já algum tempo, nas mais frias há que aguardar mais uns dias. O tempo é que manda.

 

1600-pereiro-agra (176)

 

Recordando este tempo de colheitas, lembrei-me que há uns anos, por esta altura,  fui até Pereiro de Agrações, onde se andava em vindimas, nos preparativos e lavagens de vasilhame e outros instrumentos mecânicos de “mastragar” as uvas, mas também ter a sorte de assistir ao pisar tradicional no lagar. Tradicional no gesto, pois faltava a companhia, mas mesmo assim deu para apreciar os aromas do mosto e recordar o tempo em que eram os nossos pés os que pisavam.

 

1600-pereiro-agra (177)

 

Pereiro de Agrações onde vamos ou passamos de vez em quando se o nosso destino é Agrações, e nas nossas  idas e paragens,  vai sendo recorrente  encontrarmos pelo caminho, ou na aldeia,  caras conhecidas que já antes fotografámos. E é com agrado que quase sempre repetimos o gesto.

 

1600-pereiro-agra (150)

 

Gesto repetido com as gentes da terra sempre na labuta do campo, quer seja dia de semana ou feriados e até aos domingos, tal como acontece com o pastor Fernando e as suas cabras, pois elas não conhecem os dias de semana e têm de comer todos os dias. A vida do campo e da serra é assim, não é fácil.

 

1600-pereiro-agra (223)

 

E assim ficam alguns olhares sobre a vida da aldeia de Pereiro de Agrações em dias de recolha de frutos, de vindimas, de trabalho, de ir com as cabras ao monte.

 

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 23:34
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
1 comentário:
De Julio vasques a 9 de Outubro de 2016 às 00:32
Gostei do Artigo me fez recuar mais de meia centena de anos. Nessa altura a pedido de conceituado barbeiro de Chaves fiz varios jogos de futebol pela equipa do Pereiro de Agracoes mum torneio que na altura se fazia entre as aldeias vizinhas:Vila verde,Oura,Loivos,Vidago,etc. Faziamos a viagem no "Texas"de Chaves ate ao apeadeiro de Loivos (?!),andavamos Cerca de hora e meia subindo e descendo montes,Faziamos o jogo, iamos a aldeia comer a sandes e no regresso mais hora e meia para p Texas e chegada a Chaves as 20,30 horas.A isto de chamava purple amadorismo.Dedico esta recordacao ao Lara.


Comentar post

.Fotos Fer.Ribeiro - Flickr

frproart's most interesting photos on Flickriver

.meu mail: blogchavesolhares@gmail.com

.Outubro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9

15

22
24
25
26
27
28

29
30
31


.pesquisar

 
ouvir-radioClique no rádio para sintonizar

 

 

El Tiempo en Chaves

.Facebook

Fernando Ribeiro

Cria o teu cartão de visita Instagram

.subscrever feeds

.favorito

. Solar da família Montalvã...

.posts recentes

. Feira dos Santos - Um peq...

. O Barroso aqui tão perto ...

. Quem conta um ponto...

. Dadim - Chaves - Portugal

. Feira dos Santos - Um peq...

. O Factor Humano

. Feira dos Santos - Um peq...

. Nós, os homens

. Feira dos Santos - Um peq...

. Feira dos Santos - Um peq...

. Chaves D'Aurora

. De regresso à cidade com ...

. O Barroso aqui tão perto ...

. Quem conta um ponto...

. Curral de Vacas - Chaves ...

blogs SAPO

.Blog Chaves no Facebook

.Veja aqui o:

capa-livro-p-blog blog-logo

.Olhares de sempre

.links

.tags

. todas as tags

.arquivos

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

Add to Technorati Favorites