Sábado, 25 de Março de 2017

Amoinha Velha - Chaves - Portugal

1600-amoinha-114-art (1)

 

Tal como ficou prometido no último sábado cá está a Amoinha Velha, com os três olhares da praxe - a cores, a p&b e arte digital.

 

1600-amoinha (95)

 

Amoinha Velha que faz parte do conjunto de aldeias do planalto da Serra do Brunheiro.

 

1600-amoinha (94)

 

Para a semana descemos às margens do Tâmega, à margem direita, com a aldeia de Anelhe. Até lá.

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 23:44
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Sábado, 16 de Julho de 2016

As nossas aldeias - uma nova realidade

1600-amoinha (140)

 

Este blog já vai a caminho dos seus doze anos de existência e desde início que as nossas aldeias do concelho têm marcado aqui presença. Até há bem pouco tempo atrás com presenças aos sábados  e domingos e ultimamente só aos sábados. Reduzimos um dia por duas razões, a primeira porque todas as aldeias já marcaram aqui presença várias vezes, umas mais que outras, é certo, mas o facto deve-se à dimensão das próprias aldeias e aos motivos de interesse que oferecem. A segunda razão é a de darmos oportunidade a outras aldeias da região marcarem também aqui presença, daí, ultimamente, dedicarmos os domingos às aldeias de aqui ao lado, do Barroso aqui tão perto, não só pelo interesse dessas aldeias mas também para despertar o apetite à sua descoberta.

 

1600-amoinha (151)

 

Ao longo da existência do blog fui dizendo tudo que havia a dizer sobre cada aldeia e, insistentemente, fui batendo na tecla do despovoamento e do envelhecimento da população rural. Um facto e uma realidade que nos leva a outras realidades daí resultantes e que, ao longo destes últimos anos (duas a três dezenas de anos) foi também transformando a arquitetura das aldeias.

 

1600-amoinha (155)

 

Primeiro as reconstruções e o aparecimento de novas construções nas periferias das aldeias. Isto era no tempo em que os nossos emigrantes ainda apostavam num regresso às suas aldeias e o ser possível fazer aí o resto das suas vidas. E se os primeiros emigrantes, que é parte da população envelhecida de hoje, foram ficando, os mais novos, deram volta atrás, partiram para a cidade ou regressaram de novo à condição de emigrante. Com a ausência de população jovem e o aumento da população envelhecida, as necessidades das aldeias passaram a ser outras. Fecharam-se as escolas, entrando algumas em abandono e outras vendidas a particulares ou cedidas para associações e centros de dia. Ampliaram-se os cemitérios e em várias aldeias foram construídos lares para a terceira idade. Entretanto as casas abandonadas começaram a cair com o peso do seu abandono e as ruas foram ficando desertas de gente e animais, as fontes secaram e os tanques, na maioria vazios, ou mesmo cheios, não passam de depósitos de lixo, deles restando apenas a memória dos lavadouros , ficando para exercício da imaginação a vida e alegria que outrora existia em seu redor.

 

1600-amoinha (159)

 

Embora na maioria das aldeias os resistente se tenham demitido da vida comunitária, mesmo porque sem comunidade é impossível a sua prática, existe também um desleixo e desinteresse pela coisa pública ou comum, em parte porque os novos tempos, erradamente, atribuem essas responsabilidades às Juntas de Freguesia ou à Câmara Municipal onde o poder do povo ou da comunidade na gestão da coisa comum deixo de existir, o mesmo que outrora  era geralmente regulado pelo bom senso da maioria no interesse da aldeia. Esse “poder” foi cedido ou exigido pelas junta de freguesia onde, em vez dos interesses da população se passou a olhar mais pelos interesses dos fregueses, principalmente dos fregueses seus eleitores, gerando-se nas aldeias e freguesias dois grupos de população, os da situação e os do contra a situação. No entanto, ao menos isso, há uma coisa que nunca deixou de ser do interesse de toda a população , onde em seu redor pode estar tudo a cair ou em ruínas, ou cheio de lixo, ou silvas, ou mato – em suma – abandonado e desprezado, mas essa coisa tem sempre os mimos da população. Falo-vos das capelas e igrejas, e não é só por uma questão religiosa, mas por ser uma das poucas coisas que fica fora da gestão do poder político e das politiquices e que, na realidade é verdadeiramente comunitária, de todo o povo, tal como as ruas e os largos, os tanques, as fontes, os fornos comunitários e etc. deveriam ser.   

 

As imagens de hoje poderiam ser de uma qualquer adeia, mas são da Amoínha Velha.

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 19:27
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito (1)
|  O que é?
Sábado, 27 de Junho de 2015

Amoinha Velha - Chaves - Portugal

1600-amoinha (119)

Já não recordo a primeira vez que trouxe aqui Amoinha Velha, mas lembro-me que foi das primeiras aldeias a passar no blogue, precisamente com um olhar sobre esta mesma construção que fica em primeira imagem de hoje, tomada há poucos dias atrás.

1600-amoinha (114)

Pois hoje, apenas para cumprir contrato, ficam dois olhares sobre a Amoinha Velha. Um repetente e outro inédito aqui no blogue, mas há mais que ficarão para uma próxima oportunidade.

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 03:37
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Sábado, 18 de Julho de 2009

São estes os reinos maravilhosos

Amoinha Velha

.

Haveria que inventar umas palavras

Para estas imagens

Imagens dos dias

Que quase sempre se fazem

Sem palavras

 

.

Avelelas

.

 

Dias que se sucedem

Na repetição dos dias

no entanto

São estes os reinos maravilhosos

Que se descobrem por entre montanhas

 que a montanha encobre

Ao nascer do dia

 

.

Pastoria

.

 

Haveria que inventar imagens

Para descrever estas palavras

 

.

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 03:47
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|  O que é?
Domingo, 12 de Outubro de 2008

Amoinha Velha - Chaves - Portugal

 

.

 

Por terras flavienses a Amoinha é muito conhecida e até afamada por curas e outras descobertas que transcendem os comuns. Claro que são sabedorias para quem acredita nelas, mas mesmo os que não acreditam, nos seus momentos de aflição passam a acreditar. Eu estou naquela de não acreditar em bruxas, mas tal como os nossos amigos galegos dizem, “que las ai, ai!”. Acredito no entanto na sua sabedoria e na fé de quem as consulta.

 

.

 

.

 

Comecei assim porque quando por aqui na terrinha se fala na Amoinha, fala-se da sua afamada “Bruxa”, mas essa Amoinha, embora vizinha da nossa, não é a mesma, pois na realidade existe a Amoinha Nova pertencente ao concelho de Valpaços e a Amoinha Velha, pertencente ao nosso concelho de Chaves. É até à velha que hoje vamos, mas com bruxarias aparte. Curiosamente não conheço a Amoinha Nova nem a sua bruxa, mas conheço boé de gente que as conhece e quanto à bruxa, fazem-lhe elevados elogios.

 

.

 

.

 

Vamos então até à Amoinha Velha, para a qual teremos de tomar a famosa Nacional 314, (nas esquecer de virar à esquerda no Peto de Lagarelhos) mas só até antes (ou depois) de France, de preferência depois, pois é mais directo e mais perto.

 

.

 

.

 

Localizada bem lá no cimo do Serra do Brunheiro, goza no entanto de paisagem de planalto, mas mesmo assim é uma das aldeias típicas de montanha.

 

A 18 quilómetros de Chaves, é a aldeia mais distante da freguesia de Nogueira da Montanha, à qual pertence. Claro que esta distância dependerá do caminho que se apanhe para chegar até à Amoinha ou até às outras aldeias da freguesia, mas se falarmos em termos de GPS (que agora está na moda embora não o use), o caminho mais curto para a Amoinha é mais distante que qualquer outro caminho para as restantes aldeias da freguesia (GPSemente falando).

 

.

 

.

 

Disse atrás que a Amoinha Velha era uma das aldeias típicas de montanha, mas não em tudo, principalmente no que diz respeito à população, pois é uma aldeia que é excepção à regra, uma aldeia que ainda tem vida, gente nas ruas, animais e crianças a brincar. Uma verdadeira excepção na montanha e até na freguesia onde levianamente poderei dizer que é a aldeia da freguesia que menos sofreu com o despovoamento e os números da freguesia e da população também apontam para isso mesmo.

 

.

 

.

 

Vamos então aos números que em 2001 (Censos) nos davam 86 residentes dos quais 23 tinham menos de 20 anos de idade. São números pequenos, mas a aldeia também é pequena e comparados com a população residente da freguesia ( 693 habitantes) até se tornam grandes, embora aparentemente não pareça. Acontece que os 693 habitantes da freguesia terão de ser divididos por 11 aldeias, tantas quantas constituem a freguesia e se forem divididos equitativamente, tocará a cada aldeia 63 habitantes. Em números pequenos, a diferença de 23 habitantes, faz mesmo a diferença. Mas claro que isto é ser muito optimista, pois a Amoinha Velha também sofre dos males do despovoamento e a a Amoinha de hoje está longe de ser a Amoinha de outrora, quando as suas casas eram todas habitadas.

 

.

 

.

 

Com gente ou sem muita gente, mais despovoada ou não, é aldeia onde ainda há vida e crianças nas ruas e só por isso, também faz a diferença das aldeias mais despovoadas, onde se entra e sai, sem encontrar uma única alma viva. Gente que também é simpática e hospitaleira, mas que também pode ser o contrário se sentir a sua dignidade ameaçada. É povo do nosso verdadeiro e genuíno povo transmontano onde não se conhece o meio-termo. Amigo até ao fim de um amigo, mas também inimigo do seu inimigo. Coisas do rigor dos frios de inverno, daqueles que curam o bom presunto, que com a mesma intensidade cura as gentes. Sentimentos que não são exclusivos desta aldeia, mas de todas as aldeias de montanha, que neste caso até é da Serra do Brunheiro, aquela que tanto marca a nosso ser flaviense, nem que seja e só pela imponência das suas vistas sobre e desde o grande vale de Chaves.

 

.

 

.

 

Quanto à história e escritos sobre esta aldeia, poucos há e os que encontrei apenas referem quase em exclusivo a devoção que há para com o padroeiro da aldeia, o S. Bernardino. Em jeito das desculpas que costumam dar na imprensa televisiva e escrita, e para dar também um ar sério ao blogue (palavra aportuguesada de blog), digamos que até ao fecho da edição deste post, não pude confirmar se na aldeia ainda se realiza a festa anual que tem data marcada para dia 20 de Maio, festa que dada a devoção ao São Bernardino reunia e chamava a si elevado número de romeiros, vindos de todos os lados, que segundo consta, alguns até vinham de Espanha. Como disse não pude confirmar (ou esqueci) de saber se esta tradição religiosa ainda se mantém.

 

.

 

.

 

De facto a devoção ao Santo é tanta que o mesmo ocupa o lugar de honra na tribuna da pequena e simples capela, mas bonita e simpática, com um campanário galaico português, também simples e bonito. A grande devoção ao São Bernardino, ao que apurei, tem a ver com a crença popular de este santo ser provido de virtudes que permitem esconjurar os maus espíritos e todos os possessos do demónio e maldições alheias. Para a cura do paciente ser eficaz, encosta-se ao seu corpo uma correia benzida e a maldição desaparece. Ao que consta, após acolhimento dos favores de S.Bernardino, os peregrinos rezam ainda ao Senhor da Ajuda que se eleva no cimo de um cruzeiro.

 

Claro que, e isto já sou eu a supor, alguns dos peregrinos depois dos favores pedidos a São Bernardino e as rezas feitas a senhor da Ajuda, dada a proximidade, faziam ainda uma passagem por Amoinha Nova para reforço das suas preces.

 

.

 

.

 

E para terminar, falta referir qual a ocupação dos resistentes, que como é habitual nas nossas aldeias está ligada às lides do campo. Agricultura, onde a batata e o centeio são as principais culturas, alguma castanha de castanheiros centenários, pelo menos a julgar pela a aparência e também um pouco de gado. Suponho que ainda haverá também quem se dedique à pastorícia, embora em pequena escala e bem longe dos rebanhos de antigamente, mas pela certa que ainda haverá por lá bons cordeiros e recos na corte que virão a dar bons presuntos, mas para os queixos de alguns poucos eleitos, ou amigos e compadres do peito. E quanto a presuntos, um destes dias falaremos por aqui deles, ou da sua fama e como os xerifes cá do sítio, distraídos e alheios ao que de bom as aldeias tinham em abundância e agora apenas têm para consumo próprio e amigos dos bôs, ou para pagar um favor ou uma cunha. Entretanto os concelhos vizinhos lá vão certificando aquilo que têm, incluindo o presunto do qual temos a fama e que todos sabemos que continua a ser servido nos bons restaurantes de Lisboa, mesmo que parta directamente de Feces de Abajo. Para os senhores de Lisboa até lhes é bem feito, pagam-no como sendo de Chaves e apenas saboreiam sal espanhol. Mas eles é que são os especialistas, eles lá sabem, mas Chaves e o seu afamado presunto, não ficam nada bem na fotografia com o risco de quem não gosta de comer gato por lebre, por de parte a fama e “botar-se” ao presunto certificado do barroso, e aí, sem o saberem, saboreiam o verdadeiro presunto de Chaves, mas com nome do barroso… e nós, os da cidade, é que somos os guichos! Eheheheh!

 

.

 

.

 

Até amanhã, com estreia de uma nova rubrica aqui no blog. Mais logo, deixo alguns pormenores.

 

 .


´
publicado por Fer.Ribeiro às 03:04
link do post | comentar | favorito
|  O que é?

.Fotos Fer.Ribeiro - Flickr

frproart's most interesting photos on Flickriver

.meu mail: blogchavesolhares@gmail.com

.Agosto 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9


20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


.pesquisar

 
ouvir-radioClique no rádio para sintonizar

 

 

El Tiempo en Chaves

.Facebook

Fernando Ribeiro

Cria o teu cartão de visita Instagram

.subscrever feeds

.favorito

. Abobeleira em três imagen...

. Solar da família Montalvã...

.posts recentes

. Amoinha Velha - Chaves - ...

. As nossas aldeias - uma n...

. Amoinha Velha - Chaves - ...

. São estes os reinos marav...

. Amoinha Velha - Chaves - ...

blogs SAPO

.Blog Chaves no Facebook

.Veja aqui o:

capa-livro-p-blog blog-logo

.Olhares de sempre

.links

.tags

. todas as tags

.arquivos

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

Add to Technorati Favorites