Domingo, 27 de Agosto de 2017

O Barroso aqui tão perto - Cerdeira

1600-cerdeira (1)

montalegre (549)

 

Penso que já o disse aqui no blog que para as nossas incursões no Barroso fazemos sempre um itinerário e pequeno estudo prévio sobre as aldeias que prevemos visitar, ou seja, fazemos o trabalho de casa antes de avançamos para o terreno ou para o trabalho de campo. Claro que esse trabalho prévio serve apenas para orientação e diga-se a verdade, nunca cumprimos esse itinerário preestabelecido, pois entrar pelo Barroso adentro é sempre uma incógnita e uma aventura, e por uma ou outra razão, somos sempre surpreendidos com demoras e imprevistos que nos roubam tempo mas são sempre uma mais valia para as nossas recolhas.

 

1600-cerdeira (3)

 

Ora acontece que para a freguesia de Salto, que pensávamos fazer numa única vez ou no máximo em duas vezes, devido às tais surpresas, acabámos por ter de lá ir umas cinco ou seis vezes, nem todas exclusivamente para lá, mas quase sempre para concluirmos a freguesia, mesmo assim, a nossa aldeia de hoje – Cerdeira, foi ficando sempre para trás, pois como ficava ali à beirinha de Salto, em qualquer momento poderíamos fazer o levantamento…

 

1600-cerdeira (110)

 

O facto é que o tempo foi passando e com exceção de duas aldeias, que dada a proximidade da vila de Montalegre deixámos propositadamente para o fim, Cerdeira ficou de fora. Claro que não poderíamos dar por concluído o nosso trabalho no concelho de Montalegre sem Cerdeira e lá tivemos que ir mais uma vez até à freguesia de Salto em que no trabalho de casa colocámos Cerdeira em primeiro lugar, isto para não ficar outra vez para trás, e no que restaria do tempo,  aproveitaríamos para completar o levantamento de meia dúzia de aldeias cujas recolhas anteriores julgámos não serem satisfatórias, mas desta vez cumprimos com Cerdeira.

 

1600-cerdeira (80)

 

E mais uma vez sejamos sinceros, seria imperdoável não ter visitado esta aldeia, pois além de ter sido uma das mais castiças que visitámos, acabámos por viver nela momentos únicos e Cerdeira acabou por se revelar uma surpresa daquelas que costumam atraiçoar as nossas previsões, pois como se apresentava como uma aldeia pequena e aparentemente não muito interessante, em que pela fotografia aérea mais parecia uma quinta que uma aldeia, prevíamos não encontrar por lá ninguém, mesmo porque pouco passavam das oito horas da manhã quando lá chegámos. No máximo, segundo as previsões, passaríamos por lá 10 a 15 minutos e ficaria tudo resolvido, mas acabámos por ficar lá mais de uma hora e com pena de partir.

 

1600-cerdeira (5)

 

Quando lá chegámos parámos à entrada da aldeia para as primeiras fotografias. Tínhamos tomado a estrada interior a partir de Salto, ou seja, deixamos o acesso principal à aldeia de lado. Ao fundo da rua passou uma pessoa, homem, mais preocupado com os seus afazeres do que com a nossa presença. Estávamos para avançar quando na estrada que tínhamos deixado para trás ouvimos os sons de uns chocalhos, sinal de que por ali andava gado. Chocalhos de gado que não víamos mas cujo som se ia intensificado, sinal de que vinham na nossa direção. Resolvemos esperar pelo que lá vinha e logo a seguir começam a surgir as “barrosas” que aqui fazem jus ao nome da sua raça.

 

1600-cerdeira (98)

 

Quando as “barrosãs” deram com os olhos em nós e no nosso carro, pararam, e  desconfiadas por ali se mantiveram a fazer de conta que estavam à espera de alguém, como quem assobia para o ar. Talvez envergonhadas, talvez com medo dos estranhos que tinham à sua frente. Se fosse a primeira vez que tal acontecia connosco, iriamos estranhar a reação do gado, mas já tínhamos assistido a coisa idêntica numa aldeia bem próxima de Cerdeira. Na realidade trata-se de gado que anda em semiliberdade e tem mesmo receio de gente estranha, habituadas que estão a ver quase e só os tratadores, e pararam mesmo à espera da dona para verem se nós eramos ou não de confiança…

 

1600-cerdeira (106)

 

Acontece que tínhamos chegado na hora exata para assistir a uma cena que é típica nesta região do Barroso. O gado, neste caso bovinos e quase todos da raça Barrosa, passam a noite no monte. No início da manhã regressam a aldeia, primeiro para amamentar as crias que aguardam fechadas na corte impacientes pela teta das mamãs. Depois de amamentadas o gado segue caminho para pastagens perto da aldeia. Pela tarde faz-se o inverso no regresso ao monte para passar a noite. É um ritual diário que não conhece domingos ou feriados,  que o gado faz quase sem a intervenção humana, pois esta só intervém, no caso, para abrir a corte às crias e fechar as cancelas para elas não se espantarem pela aldeia fora e para as mudar de poiso.

 

1600-cerdeira (61)

 

Mas voltando a trás, aquando o gado estava espantado a olhar para nós. Pois como já sabíamos do que se tratava e não queríamos perturbar a natureza da coisa, estávamos resolvidos a abandonar o local e tocar o nossa carro lá mais para a frente,  de modo a deixar a passagem livre, mas entretanto a rua fechou-se com uma cancela, do tipo daquela das passagens de nível que veda a rua toda. Sem saber o que se passava, pensando até que se trataria de uma rua particular. Ficámos no aguardo à espera de ver o que se passava, até que aparece um senhora perto de nós, que cumprimentámos e a modos de meter conversa perguntámos se as vacas estavam com medo de nós. Ela respondeu-nos que sim, que era natural, pois não estavam habituadas, mas que elas vinha já… e vieram, pois o gado na presença da patroa, perdeu o medo e lá se aventurou a passar por nós, em direção à corte das crias, à porta da qual pararam.

 

1600-cerdeira (37)

 

Depois de um grupo de vacas estacionar ali à porta, a senhora fechou outra cancela, ficando as vacas ali encurraladas e só aí abriu a porta às crias que agitadamente procuravam um teta onde mamar, penso que não muito preocupadas se a teta era ou não da mãe, elas o que queriam mesmo era mamar, aliás uma das bezerras custou-lhe a dar com uma teta livre e andava no meio da confusão desesperada à procura da sua refeição, até que lá deu com uma e acalmou-se.

 

1600-cerdeira (70)

 

Entretanto o gado que não tinha crias para amamentar, perdeu definitivamente o medo e aproximou-se de nós e do carro, a este lamberam-no como quem lambe um gelado. Estranhei, mas como vai sempre comigo um especialista nestas coisas do gado, informou-me que estavam a lamber o “sal” que vai aderindo à pintura do carro.

 

1600-cerdeira (69)

 

Entretanto saciadas que estavam as crias, foram de novo fechadas na corte e abertas as cancelas para as mães vacas e as restantes que aguardavam por elas, continuarem a sua peregrinação em direção ao pasto, mas não era tudo, pois agora as vacas iriam ter a companhia do “barroso”, o touro da manada, que, com direito a aposentos privados, esperava a abertura da porta para ir ter com as suas raparigas, mas sem muitas pressas, primeiro coçou-se demoradamente nas ombreiras da porta e só depois arrancou nas suas calmas.

 

1600-cerdeira (65)

 

Bem, pela nossa parte ficámos deliciados a assistir e fotografar estes momentos que a meu ver só são mesmo ultrapassados pelo assistir à chegada de uma vezeira, cada vez mais raras, mas que ainda vão existindo e às quais já tivemos a sorte de assistir.

 

1600-cerdeira (7)

 

Deixando agora de parte estas cenas tão rústicas e que fazem parte da vida e singularidade de algumas aldeias, vamos entrar em Cerdeira, talvez iniciando pela sua localização, que tal como já fomos adiantando pertence à freguesia de Salto e fica bem próxima  da sede de freguesia, não chegando a atingir os 1000 metros de distância. Quanto às suas coordenadas temos 41º 38’ 10.09”N e 7º 56’ 04.27”O e a altitude anda próxima dos 900m. Mas como sempre fica o nosso mapa para  melhor ser localizada.

 

mapa.jpg

 

Passemos já para o seu topónimo CERDEIRA. Pois e ainda antes de vermos o que consta na Toponímia de Barroso, pela pinta, tudo leva a crer que o topónimo esteja ligado às cerdeiras, do português antigo mas ainda em uso e que hoje são em geral denominadas cerejeiras, embora por cá e comummente falando, se estabeleça uma pequena diferença entre a cerejeira e a cerdeira, sendo a árvore desta última de um porte maior mas fruto mais pequeno e em maduro mais escuro que a cereja.

 

1600-cerdeira (83)

 

Mas segundo a toponímia de Barroso não é bem assim, mas pelos visto também não sou o único a ser influenciado pelo atual significado do topónimo, além de se chegar até ele se falar muito em cerdeiras de cerejas. Então vejamos o que diz a Toponímia:

 

Cerdeira

“ Até a Senhora do Pranto se riu quando um minhoto, ao ouvir falar na pequenina povoação saltense, se ofereceu para criado de servir…”Ao menos no tempo das cerejas comeria o fruto pelo qual tantas bofetadas e fustigadas apanhou na sua aldeia”. Muitos continuam a ser os “minhotos” que se enganam paronimicamente com cerezaria e ceresaria (a que o povo há muito chama cerdeira sem que o seja!) O que temos aí deve ser  (tem de ser) uma toponímia devida a QUERCUS > CARVALHO. CERDEIRA, apesar de algumas dúvidas na evolução fonológica, começou e radica em QUERCARIA > CERCARIA > CERQUEIRA - CERCEIRA ou CERZEIRA > CERDEIRA pela dupla dissimilação do Q<D ou Z<D. O significado é, claramente, CARVALHEIRA, terreno de carvalhos e não de cerejeiras.

Para o presente estudo concorre a evidência das condições fito-climáticas que o topónimo exige e sempre exigiu.

O segundo caso – ceresaria, leva-nos a cereseira e a cerejeira. Mas cerejas na Cerdeira só se as fizermos de bugalhos.”

 

1600-cerdeira (64)

 

E tal como prevíamos as nossas pesquisas sobre a aldeia não deram em nada, para além da referência na Toponímia de Barroso, não encontrámos mais nada, o que é natural, pois Cerdeira embora seja maior do que aquilo que parece e pensávamos, não deixa de ser uma aldeia pequena, com pouca gente, quase um pequeno bairro de Salto.

 

1600-cerdeira (20)

 

Restam-nos  então as nossas impressões pessoais sobre a aldeia, que embora pequena é bem interessante, incluindo o seu casario que vai mantendo a sua traça original e testemunhámos com agrado que algumas reconstruções em curso vão obedecendo à traça e materiais originais, o que é sempre uma mais valia para esta pequenas aldeias, onde sem as desvirtuar  as torna mais interessantes.

 

1600-cerdeira (63)

 

Avistámos no meio da aldeia uma pequena construção que na ponta da cumeeira erguia uma cruz e que pelas suas características indicava ser uma pequena capela. Disseram-nos era para ser mas nunca chegou a ser, não foi autorizada, a “Igreja” não a aceitou porque tinha dois andares, ou seja, como a pretendida capela foi construída num terreno em declive bem acentuado, para atingir  a cota da entrada pretendida, teve de se construir um piso a uma cota inferior, com aproveitamento e o outro destinado a capela por cima. Que não, com dois pisos não podia ser capela e não foi. Coisas da “igreja” que em vez de acarinhar mais um lugar de culto e abrigo espiritual à pequena aldeia, preferiu ver o local transformado nuns arrumos, mas a cruz ficou.

 

1600-cerdeira (89)

 

O verde dos campos com vários matizes, ora mais claro e vivo nas pastagens, ora mais escuro no arvoredo, vai sendo uma constante nesta região do Barroso, bem diferente do outro Barroso encostado à Serra do Gerês ou à volta do Larouco. Verde que é também reflexo de pastagens excelentes para vacas felizes, tal como as açorianas, só que estas são barrosãs, em que uma das principais preocupações dos produtores é garantirem a qualidade das carnes da raça, para depois fazerem a delícia dos restaurantes da região. E somos testemunhas da sua excelência.

 

 

 1600-cerdeira (18)

 

Como a aldeia é pequena pouco mais há para apontar, a não ser os canastros (espigueiros) de grandes dimensões, sinal de grandes colheitas e se hoje é mais pastagens pela certa que tempo houve em que enchiam com espigas de milho para secar. Há também o casario que já atrás tínhamos referido, um relógio de sol e uma curiosa e singular escultura em ferro, de um galo que não canta, tipo catavento sem o ser, que num dos telhados sobressaía, principalmente pelo seu design. Não sei quem é o autor mas é uma autêntica obra de arte feita com a simplicidade das dobras de uns varões de ferro.

 

1600-cerdeira (101)

 

Mais uma vez é uma das aldeias que recomendamos para uma visita e quem sabe se têm a nossa sorte de assistir à refeição das crias barrosãs.

Faltam só as habituais referências às nossas consultas que hoje ficam reduzidas à Toponímia de Barroso, bem como os links para as anteriores abordagens ao Barroso. E como sempre (ou quase) no próximo domingo cá estaremos com mais uma aldeia, que nem nós sabemos ainda qual é, pois, e só para conhecimento, como nunca sabemos que aldeia escolher,  sorteamos uma e a que calhar, cá estará.

 

 

Bibliografia

BAPTISTA, José Dias, (2014), Toponímia de Barroso. Montalegre: Ecomuseu – Associação de Barroso

 

 

Links para anteriores abordagens ao Barroso:

A

A Água - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-a-agua-1371257

Algures no Barroso: http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-1533459

Amial - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-ameal-1484516

Amiar - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-amiar-1395724

Arcos - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-arcos-1543113

 

B

Bagulhão - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-bagulhao-1469670

Beçós - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-becos-1574048

Bustelo - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-bustelo-1505379

 

C

Cambezes do Rio - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-cambezes-do-1547875

Carvalhais - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-carvalhais-1550943

Castanheira da Chã - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-castanheira-1526991

Cepeda - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-cepeda-1406958

Cervos - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-cervos-1473196

Contim - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-contim-1546192

Cortiço - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-1490249

Corva - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-corva-1499531

 

D

Donões - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-donoes-1446125

 

F

Fervidelas - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-fervidelas-1429294

Fiães do Rio - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-fiaes-do-1432619

Fírvidas - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-firvidas-1466833

Frades do Rio - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-frades-do-1440288

 

G

Gralhas - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-gralhas-1374100

Gralhós - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-gralhos-1531210

 

L

Ladrugães - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-ladrugaes-1520004

Lapela   - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-lapela-1435209

Larouco - Um olhar sobre o Larouco - http://chaves.blogs.sapo.pt/2016/06/19/

 

M

Meixedo - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-meixedo-1377262

Meixide - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-meixide-1496229

 

N

Negrões - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-negroes-1511302

Nogeiró - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-nogueiro-1562925

 

O

O colorido selvagem da primavera http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-o-colorido-1390557

Olhando para e desde o Larouco - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-olhando-1426886

Ormeche - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-ormeche-1540443

 

P

Padornelos - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-padornelos-1381152

Padroso - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-padroso-1384428

Paio Afonso - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-paio-afonso-1451464

Parafita: http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-parafita-1443308

Pardieieros - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-pardieiros-1556192

Paredes - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-paredes-1448799

Pedrário - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-pedrario-1398344

Penedones -  http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-penedones-1571130

Pomar da Rainha - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-pomar-da-1415405

Ponteira - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-ponteira-1481696

 

R

Reboreda - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-reboreda-1566026

Roteiro para um dia de visita – 1ª paragem - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-roteiro-1104214

Roteiro para um dia de visita – 2ª paragem - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-roteiro-1104590

Roteiro para um dia de visita – 3ª paragem - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-roteiro-1105061

Roteiro para um dia de visita – 4ª paragem - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-roteiro-1105355

Roteiro para um dia de visita – 5ª paragem, ou não! - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-roteiro-1105510

 

S

São Ane - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-sao-ane-1461677

São Pedro - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-sao-pedro-1411974

Sarraquinhos - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-sarraquinhos-1560167

Sendim -  http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-sendim-1387765

Senhora de Vila Abril - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-senhora-de-1553325

Sezelhe - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-sezelhe-1514548

Solveira - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-solveira-1364977

Stº André - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-sto-andre-1368302

 

T

Tabuadela - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-tabuadela-1424376

Telhado - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-telhado-1403979

Travassos da Chã - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-travassos-1418417

 

V

Vilar de Perdizes - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilar-de-1360900

Vilar de Perdizes /Padre Fontes - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilar-de-1358489

Vilarinho de Arcos - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilarinho-1508489

Vilarinho de Negrões - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilarinho-1393643

Vilaça - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilaca-1493232

Vilar de Perdizes - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilar-de-1360900

Vilar de Perdizes /Padre Fontes - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilar-de-1358489

Vilarinho de Negrões - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilarinho-1393643

 

X

Xertelo - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-xertelo-1458784

 

Z

Zebral - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-zebral-1503453

 

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 21:58
link do post | comentar | favorito
|  O que é?

.Fotos Fer.Ribeiro - Flickr

frproart's most interesting photos on Flickriver

.meu mail: blogchavesolhares@gmail.com

.Novembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9


21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


.pesquisar

 
ouvir-radioClique no rádio para sintonizar

 

 

El Tiempo en Chaves

.Facebook

Fernando Ribeiro

Cria o teu cartão de visita Instagram

.subscrever feeds

.favorito

. Solar da família Montalvã...

.posts recentes

. O Barroso aqui tão perto ...

blogs SAPO

.Blog Chaves no Facebook

.Veja aqui o:

capa-livro-p-blog blog-logo

.Olhares de sempre

.links

.tags

. todas as tags

.arquivos

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

Add to Technorati Favorites