Terça-feira, 13 de Fevereiro de 2018

Chaves D'Aurora

1600-chavesdaurora

 

  1. NAMORO POSTAL.

 

Maior prova de amor entre Sidónio e Aldenora seriam as cartas que se enviaram um ao outro, pela primeira vez e foram recebidas, quase ao mesmo tempo, pelos respetivos destinatários. Ela, a pedir perdão pelas grosserias, em si deselegantes, tão indignas de uma rapariga de bom-tom e, a se valer do ensejo, repetir o quanto amava o nobre rapaz. Ele, a dizer-lhe que a amava demais e, a se valer do ensejo, reiterar que não queria perdê-la, por nada neste mundo, nem em qualquer outro que, porventura, existisse além da vida, além do tempo, além do Universo.

 

Veio a se estabelecer, então, uma “via romana” postal entre Aquae Flaviae e Bracara Augusta, pela qual iam e vinham versinhos, citações e juras de amor eterno, em longas e esmeradas missivas, com as mais bem desenhadas caligrafias. As cartas preferidas eram aquelas em que ele, próximo aos feriados, anunciava que viria a Chaves para rever os familiares e a noiva, esta com quem tanto ansiava constituir, o mais breve possível, a sua nova família.

 

A primeira vez em que Sidónio apareceu de volta ao Raio X, com sua capa e batina, foi um “ai-jesus” geral. De Arminda a Zefa, todos queriam ver o académico de Braga. Até mais do que Nonô, quem se encantava com o uniforme do noivo era o mano Afonso, ávido de ver chegar também o dia de se revestir com uma batina igual. O rapaz não cansava de perguntar ao futuro cunhado sobre a vida universitária bracarense, pois, ao seu modo de ver, esta não deveria ser muito diferente, ou até mesmo aquém, das aventuras juvenis que ele sonhava experimentar em Coimbra.

 

A pedido de Aldenora, os noivos foram ao Estúdio Flavínia para tirar um retrato especial. Ela, com o seu melhor vestido domingueiro. O noivo, ora, pois, de capa e batina.

 

 

  1. ÉCRAN.

 

A um dia invernal de janeiro, mas infernal para as ânsias de Aurora, Hernando reapareceu. Por um feliz acaso, a rapariga estava à janela e ele, chegando a cavalo, estendeu-lhe a mão, envolta na luva cor de morcela e perguntou se, àquela altura, ela estava sozinha. Trocaram então breves palavras, suficientes para que ele dissesse que, à fina força, desejava revê-la. Aurora, contudo, não via onde, nem como, isso haveria de acontecer.

 

Aproveitou-se, porém, de um repentino “cair dos céus”. Alguns dias depois, a adorável Hortênsia, que raramente adoecia, estava agora acometida de uma artrose que lhe causava grandes sofrimentos. Aurélia, sua afilhada e a quem a tia tratara durante a Pneumónica, logo suplicou para se desobrigar da boa ação, por se dizer tomada de pânico, ante a possibilidade de esse mal ser contagioso.

 

Aurora já fizera 21 anos e, portanto, já era emancipada. Lei essa apenas na teoria, porquanto, nas práticas da Grão Pará, isso não era levado a sério por seu pai. A rapariga, no entanto, valeu-se dessa prerrogativa para se oferecer, junto com a Zefa, a representar Lilinha e Mamã numa visita à tia Hortência e, até mesmo, prestar alguns cuidados à boa senhora.

 

Após muito cavaquear e mimar um pouco a tia, esta dormiu e a rapariga, deixando Zefa a tagarelar com a criada da casa, pediu à de Pitões que lhe desse a cobertura estratégica para se encontrar no cinema com uma amiga, menina que conhecera ainda nos tempos da Primeira Comunhão. Zefa custou a concordar – Credo em cruz, Santo Nome de Jesus! Gostava, boamente, de estar sempre a fazer o que a menina me pede, mas isso agora… nem me rogues, Aurita! Cuida que o senhor teu pai… ai, menina, em vez de miolos, parece que tens “aranhas no toitiço”! – mas a criada acabou por dizer sim. Sempre atendia, sorrindo, a tudo que, a choramingar, a rapariga lhe pedisse.

 

“Nas garras do dragão” era o filme de aventuras e mistério, em 12 séries e 24 partes, que estavam a levar no Teatro Salão Maria e que muito agradou a Hernando e Aurita. Em algumas cenas, porém, menos atraentes, Camacho aproveitava para roubar da menina alguns beijos, cada vez mais ousados, ao que a rapariga pedia – Para, Hernandito! Não vamos colocar “a carroça adiante dos bois”! – e era salva, então, pelos sustos que ambos tomavam, quando o sexteto que estava a acompanhar as ações na tela tocava alguns acordes mais agudos e bombásticos.

 

Quando apresentaram o filme “Foot-ball Portugal-Hespanha”, deu isso origem a que os namorados tivessem a primeira briguinha, embora nada grave. É que Aurora sentiu-se um tantinho desconsiderada, durante toda a projeção, uma vez que o amado só tinha olhos para ver o que se passava no écran. Pazes feitas, marcaram outro encontro, dessa vez no Cineteatro Flávia, onde estavam a projetar a película de grande sucesso “Aos Corações do Mundo”, baseada em eventos da Grande Guerra. Prometeu-se mutuamente que, dessa vez, ficariam apenas a assistir o filme. Hernando, porém, acrescentou – Sempre se pode palear baixinho, nas partes menos atraentes... – ao que ela, por uma prudente lembrança de que, a cada mudança de rolo das fitas, acendiam-se as luzes, respondeu com firmeza – Melhor esperar os intervalos.

 

De meados do outono ao começo do inverno daquele mesmo ano, em um cinema ou no outro, enquanto perdurassem as dores de tia Hortênsia ou a rapariga as fizesse perdurar ante os ouvidos de Mamã, Aurita e Hernando viram no écran “Amor de Mãe”, em 7 partes; “Extravagância de milionário”, 5 partes; “Pencudo – Porteiro e Patriota”, cómico, 2 partes; “Matias Sandorf”, adaptação do romance de Jules Verne, em 9 capítulos e 4 partes; “A Herdeira do Rajá”, em 4 episódios e 8 partes e “com a insigne actriz Ruth Roland”; “a esplêndida fita em 6 actos ‘Ferragus, o chefe dos 13’, versão em film do romance de Honoré de Balzac”; e outros mais.

 

Aurora ficava bem triste ao perder a sequência dos filmes longos, que eram exibidos de forma seriada, em dois, três ou até mais dias, como “a grande fita histórica ‘A filha da Condenada’, 16 séries, 32 actos, com 32.000 pessoas em cena”; “O Imperador dos Pobres”, “cine-drama em 18 séries e 36 partes, que reproduz os mais notáveis acontecimentos da vida de Napoleão Bonaparte”; ou “A Bela Desconhecida”, “em 4 jornadas e 16 partes”.

 

Em todas as sessões, a fazer o acompanhamento musical das cenas, ou durante os intervalos, para a mudança de rolo das fitas, estava sempre a animar, com belas peças musicais, o apreciado Sexteto de Chaves. Exibiam-se ao vivo alguns artistas eventuais, em danças ou intermezzos cómicos, como no dia da apresentação de “Os Mistérios de Paris”, extraído do romance de Eugéne Sue, em que “os intervalos foram abrilhantados pela famosa cantora e coupletista espanhola Nita Ibañez”.

 

fim-de-post

 

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 00:00
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Terça-feira, 6 de Fevereiro de 2018

Chaves D'Aurora

1600-chavesdaurora

 

  1. CHEGAS DE BOIS.

 

Alfredo adorava, sobretudo, passear pelas freguesias a cavalo e assistir às festas, jogos e costumes de cada aldeia, como as “chegas de bois”, a que o adolescente costumava assistir, algumas vezes, em companhia de José, um rapaz da mesma idade, irmão de Manuel, o cocheiro. As “chegas” são, até hoje, com seus atletas bovinos, um verdadeiro desporto para os jovens das aldeias trasmontanas. Eles são capazes de percorrer longas distâncias a pé, só para verem uma chega. Consiste na luta entre dois taurinos de terras diferentes, raramente da mesma região. Em geral, são do tipo “boi do povo”, sem dono particular, adquirido pela aldeia ou doado por algum fazendeiro para o usufruto da comunidade. É escolhido aquele que melhor ofereça qualidades especiais para ser treinado e se tornar um bom lutador. À época de Alfredo, alguns treinadores chegavam a praticar pequenos furtos de milho ou de centeio nas vizinhanças, ou até mesmo tirar, de seu próprio sustento ou de sua família, o necessário para bem alimentar o seu gladiador taurino, que precisava, afinal de contas, estar bem nutrido e forte para a próxima chega.

 

Muitas vezes a contenda é marcada por mera rivalidade entre pessoas ou aldeias, no desafio de que “o meu (ou o nosso) boi é mais isso, mais aquilo”. Em geral, todavia, aqueles que têm um touro no qual se veem grandes possibilidades de vitória, contratam com outra aldeia uma data e local apropriado e se encarregam de pedir ao regedor de cada freguesia a ordem de liberação oficial. Com esta, sem esta, ou antes desta, faz-se a chega em um povoado neutro, ou seja, mais ou menos equidistante das aldeias em beligerância. Ocorre em geral a um domingo ou dia santo e todos os aldeães acompanham o boi que representa sua aldeia. Partem com paus feitos de galhos descascados, como se fossem bastões, a fazerem promessas ao Altíssimo e a todos os santos para que o seu boi seja vitorioso.

 

Antes de marrar, cada animal é encerrado oito dias em seu curral para, no dia da chega, mostrar-se o mais bravio possível. Àqueles tempos, para ficarem bem contundentes, os chifres eram afiados com navalhas e cacos de vidro não limados. No dia aprazado, chicoteavam o animal ou lhe davam cerveja e vinho, para ficar mais enraivecido. Alguns tratadores chegavam a colocar pontas de aço nas extremidades dos cornos. Como, àquela altura, o importante era tentar de tudo que estivesse ao alcance, a fim de que um dos turrões pusesse em fuga o adversário, que é o princípio básico da chega, outros chegavam a colocar a pele de uma vitela ensanguentada no lombo do boi, para que o cheiro causasse temor ao inimigo.

 

Toca o sino na igreja da aldeia marcada para a chega e todos levam seus bois para o local já pré-escolhido entre as partes. As pessoas fazem um círculo natural, a fim de deixar bem livre a área descampada onde, ao centro, as turras vão começar. Soltam-se, portanto, os turrões nesse coliseu, já devidamente postos em fúria para marrar o adversário. Os gladiadores bovídeos pegam-se de frente, com violência, cada um procurando rasgar e ferir o outro, enquanto os circunstantes incitam o seu favorito ao ataque. Os torcedores de cada lado insultam-se mutuamente e fazem apostas.

 

Não mais do que alguns minutos depois, após se medirem bem as forças, um dos bois vai recuando até ao lugar por onde entrou no círculo e foge. Os partidários do boi vitorioso atiram paus, chapéus, lenços e xailes ao alto, dão vivas ao vencedor e enfeitam o campeão com fitas, ramos e flores. Assim adornado, ele vai desfilar em sua aldeia, onde haverá bailes com muito vinho, queijo e presunto para todos. Quer dizer, menos para o ruminante, um vegetariano convicto, que fará jus apenas a uma generosa ração especial.

 

1600-montalegre (748).jpg

 

94 . CHEGA DE HUMANOS.

 

Alfredo sempre fora muito amigo de animais. Jamais gostara de usar as fisgas para caçar passarinhos e vivia sempre a brincar com a Patusca e com o Mocho, o gatinho de Arminda. Por isso, na primeira vez em que foi a uma chega, ficou o tempo todo a pensar no quanto os taurinos podiam se magoar. Só suspirou aliviado quando, afinal, viu os atacantes saírem da luta apenas com alguns ferimentos, mais ou menos leves. Consolou-se mais ainda quando o irmão de Manuel lhe asseverou que, realmente, nas chegas, é raridade a morte de um boi.

 

Por ocasião de uma feira em Montalegre, quem estava a se divertir com uma “chega de bois” era o rapaz da casa em frente à Quinta Grão Pará. Alfredinho já o vira de longe, certa vez, a jogar o Malhão, na festa da padroeira de Sant’Aninha de Monforte. Dessa vez, Hernando acercou-se do puto com um ar simpático, a jeito de estabelecer com ele um princípio de camaradagem. Perguntou-lhe se estava a gostar do que via e qual era sua opinião sobre a chega. Alfredo falou rápido e de modo cortês das suas reais considerações, pediu licença e se afastou com o Zé.

 

O Camachito não se conformou com essa atitude e o seguiu. – Ô pá, porque me odeias tanto assim, se não te fiz nenhum mal? – e como o outro ficasse calado, arriscou – Sabes muito bem que tua irmã é uma bela e boa menina. Pois saibas, também, que estou a gostar muito dela. Cá me vai algum mal, nesse gosto? Se for pelo facto de eu ser cigano... – Alfredo encarou-o com firmeza e respondeu – Pois saibas, também, que eu tenho alguns amigos como tu na Galiza e os prezo muito. Estou a julgar, outrossim, que não há mal nenhum em gostares da minha irmã.

 

Essas palavras fizeram o gitano sorrir, mas isso logo se desfez quando o rapazola concluiu – O que havia de ser um mal, e de muito mau gosto, é se ela gostasse de ti! – ao que, então, pôs-se a galope de volta a Chaves no Azeviche, em parelha com o cavalo do Zé. Não sem antes ouvir os vaticínios de Hernando – Não adianta lutar contra o Destino! Ela ainda há de ser minha! Está escrito nas linhas de nossas mãos, nas cartas do baralho, nas estrelas desse enorme céu. Alfredo preferiu jamais falar sobre isso à irmã. E a nenhuns.

 

fim-de-post

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 00:00
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Terça-feira, 30 de Janeiro de 2018

Chaves D'Aurora

1600-chavesdaurora

 

  1. MOINHOS.

 

Na quinta Grão Pará, a vida girava como se fosse o Moinho dos Agapito, à beira do Tâmega. Para deceção de Aurita, Hernando parecia ter ido embora de vez, naquele primeiro comboio, pois se passou muito tempo sem que ela tivesse dele qualquer notícia. Sabia apenas que ele não estava ao Raio X e isso era, por certo, motivo de muita angústia para ela. Teria voltado o cigano a viver com a rapariga de Valpaços?!

 

agapitos.JPG

Moinho dos Agapito, Chaves antiga (PT). Postal Foto Alves.

 

Afonso, após concluir os estudos secundários, começara a trabalhar no escritório do pai, mas continuava a perseguir o seu maior ideal. Via-se, o tempo todo, a sonhar de olhos abertos e, tal como Sidónio, a gozar também das festas e patuscadas próprias de rapazes, entre as maltas de estudantes, pelos becos e ruelas de Coimbra. Já se lhe vestiam as batinas e tinha as capas dobradas sobre os ombros, cheias de apliques bordados, brasões e outros símbolos coloridos, em contraste com a negrura dos uniformes. Entrevia até seu Papá e sua Mamã a se deleitarem com ele, por altura da queima das fitas. Atirava-se então aos estudos e, do mundo em volta, bem pouco estava a se interessar. De mais a mais, quando pensava em raparigas, sempre se lembrava do Popó.

 

Também Aurélia, ainda voltada para o seu mundo de infância, apesar de já passar dos dezasseis, não parecia pensar em qualquer namorado. Passava horas a brincar de bonecas e jogos infantis com Arminda.

 

Mindinha, porém, já crescera. Começava a querer se dar por rapariga madura e não mais uma menina, o que forçava Lilinha a amadurecer também, junto com ela.

 

Alfredo prosseguia com os estudos no Liceu. Ainda que fosse bem ao Português, ao Latim e à História, estudar não lhe era um dos melhores prazeres da vida. Assim, pois, ainda que inteligente, estava sempre a se ver em malabares com Ciências, Matemática e até mesmo outras matérias menos exatas. Se as férias ainda estavam longe de chegar, o rapazola ansiava pelos feriados. O que lhe apetecia bastante, aos sábados à tarde, era folgar com os rapazes de sua idade, sentados a algum café do Largo das Freiras ou à Confeitaria Flaviense, então o ponto chique da elite de Chaves.

 

Punham-se os jovens ali, à sombra, para ver e serem vistos pelos alegres buquês das raparigas em flor, que passavam ao sol, mas cujos pais, migalho a menos, migalho a mais, eram tão severos quanto Reis. Se deixavam sair as filhas com as amigas era porquê, na verdade, algumas delas iam sempre com alguma tia solteirona a lhes servir de dama de companhia. Como astuta Mata Hari dos costumes, essa matrona agia como vigilante, ao mesmo tempo, não só de sua monitorada pupila, quanto das coleguinhas que a acompanhassem, embora todas fossem consideradas meninas direitas, atadas aos férreos liames dos conceitos e padrões da época.

 

Papá vivia às turras com o Alfredinho, por este só querer estar às pândegas. O rapazote corria então a se refugiar nas bordas da saia de Mamã, com quem trocava afetuosos carinhos, sendo impossível a Florinda ocultar que ele, para todos os efeitos e consequências, era o seu “ai-jesus”. Com frequência, porém, mesmo à amorosa Flor estavam a desgostar suas preocupações com o traquina, que sumia por horas, algumas vezes por um dia inteiro.

 

Mal saído da puberdade, o puto era um verdadeiro traga-mundos, dentro daquele universo entre o Brunheiro e o Barrosão. Quando o pai perguntava – Por onde andaste, seu maroto? – ele respondia com um sorriso que aborrecia ao Reis, mas desarmava aquele sempre disponível advogado de defesa, o coração materno – Meu querido Papá, minha queridíssima Mamã… estava por aí, de lés a lés, pelo mundo. Estava por aí, a estudar a vida.

 

Por aí, por acolá, era Vidago, Vila Real e as aldeias do Concelho, ou mesmo Verín e Ourense, que ficam logo ali, além da raia, na Galiza, para onde o Alfredinho, com o seu Azeviche, movia-se com um grupo de rapazolas, descomprometido de tudo. Acampavam a céu aberto no verão ou na primavera, com vinho, guitarra, castanhas assadas na fogueira e a eventual e bem-vinda companhia de algumas raras, alegres e liberadas raparigas.

 

fim-de-post

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 00:41
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Terça-feira, 23 de Janeiro de 2018

Chaves D'Aurora

1600-chavesdaurora

 

  1. ESTAÇÃO DE COMBOIOS.

 

Hernando e sua brasilita voltaram a se encontrar, no dia da inauguração do caminho de ferro até Chaves. Nesse ano, à mesma data, comemorava-se o décimo aniversário dos combates pela República em Trás-os-Montes. Tal episódio histórico sempre fazia lembrar à Zefa e à Maria aqueles dois jovens aldeães, inimigos até à noite anterior, mas que já lá estavam, na manhã seguinte, a sair abraçados pela estrada, a caminho da Paz.

 

Na estação recém-construída, às proximidades do Forte de São Francisco, Florinda e as filhas apreciavam o comboio e, enquanto Alfredo e Afonso paleavam com algumas raparigas, João Reis e um velho conhecido comentavam sobre o que toda a gente estava a reclamar, segundo o jornal “A Região Flaviense”: a febre atual do rapazio de Chaves pelo “Foot-ball” – Ora, meu caro Reis, esses putos ficam a jogar com bolas de pano por toda parte, a prejudicar o trânsito e, às vezes, até causando pequenos acidentes – ao que Reis concordava – São uns palermas, valdevinos, irresponsáveis. Isso devia ser permitido apenas no campo do Tabolado!

 

Entrementes, Tristão Camacho e Isolda Bernardes refugiavam-se em um sítio que julgavam recôndito às vistas de João Reis, do outro lado dos trilhos, onde poderiam conversar livremente e até ensaiar os primeiros beijos, não fossem os passageiros que já assomavam às janelas do comboio.

 

– Às vezes, meu ciganito, me dá um medo bem forte, que me não sai do pensamento. Que estou a fazer cá, junto a ti, tão parva de mim, a esquecer o que bem sabemos? Ora, portanto, que o meu pai…

 

O rapaz mostrava-se tranquilo. Ora deixa estar, brasilita, os outros que se governem! “Tem mais Deus a nos dar que o Diabo a tirar”! – Respondeu-lhe ela com outro adágio – Tens razão, “casamento e mortalha, no céu se talha” – e ele completou – Como se diz, “essa vida são dois dias”. Por enquanto, o que importa é “trazer água para o nosso moinho”.

 

Tiveram, porém, que deixar essa água para alguma incerta hora, dia, mês ou ano. O comboio deu o último sinal de partida e já se punha a correr nos trilhos em sua marcha inaugural… Pronto! João Reis e todos os mais, do outro lado da linha, iriam vê-los ali, juntinhos e, pior ainda... A SÓS!

 

comboio.JPG

 Estação de comboios. Chaves (PT). Foto de jornal antigo. Data e autor desconhecidos.

 

Ao mesmo tempo, foi neste oito de julho e na mesma estação de comboios, aos incómodos calores do verão, que uma nuvem escura apareceu de repente a esconder, entre raios de temores e relâmpagos de deceção, o céu e o sol da felicidade de Aldenora. António Sidónio desapontou-a profundamente, ao lhe comunicar, de modo abrupto e desajeitado, que o copo d’água havia de se adiar por alguns anos, pois em breve o noivo estaria a entrar em um vagão daqueles e andar até Braga, a fim de estudar na Universidade. Isso era algo a que ele gostava muito, pois até já estava a sonhar com as capas e batinas negras, a queima das fitas, as alegres patuscadas com os colegas... e que ela não se desatinasse por causa disso, porque, afinal de contas, eles dois ainda eram muito jovens... e blá-blá-blá.

 

Aldenora logo se confessou enganada, vítima de uma imperdoável desatenção, fora do trilho certo e a lhe trilhar a alma, pois ele não falara sobre isso no dia do noivado. O rapaz então contestou, em rimas involuntárias – Mas sim, meu querubim, cuida que estive a falar sim, tu é que não prestaste atenção a mim, nem ao que eu te disse, enfim, a ti e a todos, por fim. Não alcançaste àquela altura, meu rico alfenim, que eu estava a falar que só depois de... – e ela cortou – Estás a me chamar de aluada?! – mas ele – Não, minha Nonô, nem pensei em tal despautério!

 

Tentou consolar a amada – Mas cuida que te amo demais, é só um tempinho de ficares a esperar que eu me forme, é o melhorio de nosso futuro! Pensa no quanto vão se orgulhar as nossas famílias, que em breve estarão aparentadas, com a indizível honra de terem, no seio de ambas, um – e encheu a boca, para um melhor arredondamento da palavra – um bacharel!

 

Nem ela! De pronto se mostrou amuada e pediu a Sidónio que, se essas eram mesmo as suas vontades, não lhe viesse mais ter à Quinta na semana vindoura. Ou, se calhar, não lhe viesse mais ter a casa, nunca mais – Ora vá com Deus! – disse ela, a lhe virar as costas.

 

O último vagão do comboio já estava quase a passar por Hernando e Aurora. Diante de tal aperreio, a rapariga sentiu-se aterrar da cabeça aos pés. Quando o comboio começou a sumir de vez, entre vivas e palmas, ninguém se pôs a entender porque uma bela rapariga, com um ar de toupeira tonta quando sai à luz do sol, estava sozinha e perdida ao outro lado da via-férrea. Felizmente, a menos do acender de um fósforo e a jeito de saltar logo adiante, o rapaz subira ao veículo, no intervalo entre vagões.

 

Semanas depois, no dia da indesejada partida do noivo, Aldenora não foi dizer-lhe nem mesmo até breve. Isso o deixou muito triste, pelo tanto que a queria presente, conforme lhe mandara dizer em um carinhoso bilhete. Entretanto, quando o Texas se pôs a apitar rumo ao Porto, antes de se distanciar para sempre, Sidónio pendurou-se à janela e pôde retribuir aos acenos de Nonô. Amparada por Aurita e Aurélia, a um sítio próximo da estação, a rapariga valia-se do próprio lencinho branco de rendilhados em volta, com o qual ele a mimara no dia do noivado e que trazia ao centro, com muito esmero na arte de bordar, as iniciais A. & A..

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 23:34
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Terça-feira, 16 de Janeiro de 2018

Chaves D'Aurora

1600-chavesdaurora

 

  1. PEDIDO.

 

O clima ansioso do encontro pôs-se ainda mais acentuado após a sobremesa, antes que os homens passassem ao pequeno escritório doméstico e as mulheres à sala de estar, a fim de lhes saberem bem o vinho do Porto, os licores e o café.

 

Enquanto Aldenora dirigia seus olhos à alvura da toalha, os mais entreolhavam-se, curiosos. Ao presumível noivo, dirigiam-se os demais olhos ali presentes, com discreta intermitência.

 

Eis então que o rapaz, a suar bem mais, naquela fresca primavera trasmontana, do que um pescador no verão das colónias d’África, após um olhar de soslaio para o sisudo dono da casa, levantou-se de chofre e – Exlecentíssimo... Extelentíssimo... Ex-ce-len-tís-simo senhor João Reis Bernardes, Ex-ce-len-tís-sima senhora dona Florinda, senhor meu Papá, senhora Mamã, me...me...menina Aldenora e todos que estão cá... cá... ne...nesta noite es... especial, a com... compartilhar connosco o vinho e o cão...digo, o vinho e o pão... eu... eu...faz favor, senhor meu pai! Gostava que por mim falasses...

 

Após alguns pigarros teatrais, o pai do pretenso noivo tomou a palavra – Deixa estar, meu rapaz, vou falar por ti, mas, por certo, não vou falar por teu coração, ora pois que esse.... ô meu prezado João Reis, vamos andar com isso de uma vez. Ora pois, pois! Já todos estão a saber por que raios de motivo é que nós todos cá viemos. Meu menino pede a mão de tua filha, a bela e prendada Aldenora, para...para... mas por agora, que fales tu, de novo, e por ti mesmo, ó António Sidónio!

 

O rapaz, ainda mais nervoso – Eu...eu peço a sua bênção, senhor João Reis Bernardes, para que eu... eu quero um sincero compromisso com a menina Aldenora e, portanto… – fez uma pausa e, na ocasião, por estar muito emocionada, a noiva não atentou para o resto – assim que eu… que eu concluir meus estudos, vamos dar corrida aos banhos na Cúria e aos preparos de nosso... nossa futura união, pelos laços sagrados do matrimónio. Ufa! – sentou-se e o pai arrematou – Ufa, digo-te eu. Mas ora pois que falado foi e, portanto, falado está. Tem que ser! Ouçamos agora o que diz a rica menina e o venéreo... ai que me perdoem... o venerável senhor seu pai!

 

A um ato cénico previamente estudado, João Reis deixou passarem correndo, em maratonas pela sala, alguns segundos de silêncio. Enfim – Gostava que me respondesses, ó filha, se te afeiçoas a este menino, filho de nosso prezado Professor António Sidónio de Castro Cordeiro – e a rapariga respondeu, quase em um sussurro – Sim, Papá – e ele – Ora pois… não digo menos disto. Estamos concertados – e, a brindar – Cá vai! À saúde dos noivos! – ao que os mais ergueram suas taças e copos – E de todos nós! – enquanto os manos de Nonô e sua futura cunhada, a baterem com as colheres nos pratos, faziam ecos da alegria geral. Só então a noiva ergueu, enfim, os olhos para o amado. Já que os lábios ainda eram, àquela altura, reprimidos pela sharia cristã, as pupilas de um e de outro, a quem nenhuns podiam negar a liberdade, trocaram entre si muitos, muitos e muitos beijos, molhados de emoção.

 

Aos dias que se seguiram, Aldenora era uma ansiedade só a que chegasse cada sábado, o dia autorizado para que o rapaz visitasse a noiva. Eram tardes ansiosamente esperadas por Nonô, a se esmerar nos melhores vestidos e, quando não fosse o xaile habitual à cabeça, ornava os cabelos com laçarotes ou flores, além de outros adornos próprios das raparigas. Nesses encontros, como já vimos ser de praxe e assim mandarem os bons costumes, os pombinhos jamais eram deixados a sós. Fosse Mamã ou uma das filhas, alguém sempre estava a servir de guardião da moral familiar.

 

À noiva, gostava que sempre fosse Aurora a cumprir tais funções. Com esta irmã, apesar das constantes briguinhas e competições que mantinham entre si, desde miúdas, Aldenora sempre conseguia alguma cumplicidade, a lhe favorecer ao menos um entrelaçar de mãos e alguns rápidos beijinhos às faces. As outras manas também fechariam os olhos, mas não as bocas. Correriam a reportar tudo que ali se passasse à Mamã, menos por maldade, mais por falta do que fazer. As cândidas carícias, porém, eram para os dois jovens o motor que os fazia vislumbrar, cada vez mais, as sendas para o ungido e abençoado leito conjugal...

 

fim-de-post

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 02:58
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Terça-feira, 9 de Janeiro de 2018

Chaves D'Aurora

1600-chavesdaurora

 

  1. JANTAR DE NOIVADO.

 

Não demorou que chegasse aos ouvidos de Florinda o boato, logo após confirmado, de que uma de suas meninas estava aos namoricos com um dos moços de maior conceito, entre os casadoiros da cidade. Apressou-se João Reis a ter com António Sidónio pai e este que, além de ser homem de muitas propriedades, exercia o insigne cargo de diretor do seu próprio estabelecimento de ensino em Chaves, logo chamou o filho às falas. Perguntou-lhe sobre as reais intenções do rapaz para com Aldenora. Ora, pois, que a rapariga era filha de um conceituado comerciante da vila e, tanto a ela quanto ao pai, devia-se o máximo de respeito e sincera consideração.

 

Tão logo sabidos os enlevos do filho para com a moça, o senhor Sidónio pai acabou por concertar com o Reis um jantar para as duas famílias, na Quinta Grão Pará. Pediu então a sua esposa, dona Joaquina, que mandasse confirmar com dona Flor o dia e a hora de tão importante evento.

 

Mamã aviou-se com a Maria e a Zefa, de tudo que estavam a precisar. Ao jardineiro a dias, sob a supervisão de Aurora, ordenou que deixasse bem cuidados o pomar e o jardim, neste em qual, a essa altura, a filha continuava a plantar amores-perfeitos.

 

Brancos.

 

Além de contar com o Manuel de Fiães, Florinda mandou chamar Crispina Bobadela, de Sant’Aninha de Monforte, para ajudar na limpeza e na cozinha. A proferir várias vezes – Ai-jesus, ai que eu de nada me esqueça! – não deixou de tomar todas as precauções para que o jantar saísse a contento de João Reis, dos convidados, de todos, enfim. Um peixe à moda da Amazónia... ai que, lá isso, era o que mais Florinda gostava de oferecer aos Cordeiro, mas já lhe escasseavam alguns dos condimentos especiais que, de quando em quando, seus parentes brasileiros enviavam de Além-mar (e só alguns resistiam à longa travessia).

 

Mandou buscar muitos pêssegos, figos, uvas e maçãs para ornamentar a bela fruteira de prata e cristal, que a madrinha de Flor lhe dera, como prenda de casamento. Encomendou um cabrito e algumas perdizes. Prepararam-se alheiras, aviou-se o presunto de São Lourenço e não foram esquecidos o queijo curado de ovelha, as compotas caseiras de morangos e a torta de maçã com uvas passas, para servirem de sobremesa.

 

Para cobrir a imensa mesa de nogueira da sala de jantar, tirou-se do baú uma bela toalha, que Flor trouxera de seu torrão natal, confecionada por mulheres rendeiras do Ceará. Veio também desse baú o extenso naperão de linho, bordado a fios de seda, bem como os guardanapos, finamente tecidos por senhoras da Ilha da Madeira. Lavou-se toda a delicada louçaria de porcelana de Vista Alegre, mais as taças e cálices da Boémia e o galheteiro de cristal, com adornos em níquel. Foram lustrados, até brilhar, os açucareiros e bules de prata para o café.

 

Reis abriu um armário do escritório e de lá retirou, para deixá-lo à mão, uma caixa de havanos ainda fechada, com os puros que havia de oferecer ao Professor António Cordeiro e ao menino Sidónio, por já ser este, agora, um homem feito para o mundo.

 

E para Aldenora, sua filha.

 

Jantou-se no silêncio austero das gentes flavienses de então. Cabrito e perdizes estufadas, posta barrosã com batatas a murro, trufas recheadas com presunto de Chaves, um ror de pratos! Aqui e ali, ouvia-se baixinho uma ordem ou outra às criadas, a que servissem de novo água e vinho aos convidados, sempre que a estes lhes apetecessem. Após os talheres se cruzarem nos pratos e anunciarem, solenemente, com suas vozes de tinidos de metal, que todos à mesa estavam bem servidos, dona Joaquina Cordeiro e a toda amável Florinda começaram a falar sobre a próxima inauguração da estação de comboios, ligando Chaves por via férrea ao Porto e a Lisboa, quiçá ao resto do mundo. Reis e Cordeiro pai trocaram alguns comentários sobre novidades políticas ou financeiras de interesse geral.

 

Tristes novas eram os mistérios que ainda cercavam a morte trágica do doutor António Granjo, em um golpe envolvendo civis e militares, na chamada Noite Sangrenta de Lisboa, em outubro do ano anterior (1921). Vários políticos do Governo, tal como esse notável flaviense, foram assassinados em uma só noite, em condições e motivações nunca inteiramente esclarecidas, talvez por elementos ligados aos adeptos da monarquia e, como alguns diziam àquela altura, com o velado apoio da Igreja.

 

https://www.chiadoeditora.com/livraria/chaves-daurora

´
publicado por Fer.Ribeiro às 04:12
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Terça-feira, 26 de Dezembro de 2017

Chaves D'Aurora

1600-chavesdaurora

 

  1. BROTAR DE NOVO.

 

Nesse entremeio, ao se afastar um pouco de seus familiares, Aurora notou, diante do mal cuidado chão do Forte junto às muralhas, onde o mato crescia rasteiro e há muito tempo sem corte, que umas senhoras estavam a colher uma plantinha silvestre. Ao se aproximar delas um pouco mais, constatou ser uma espécie de funcho. A pensar em seu querido Papá, que às vezes ficava indisposto por alguns excessos à mesa, Aurora se uniu ao grupo de mulheres para colher os fiolhos, com os quais se faz um chá, ótimo remédio para o fígado.

 

 Foi então que deu com os olhos ali, bem pertinho de si, em alguém que, há tanto tempo, não via sequer à Estrada do Raio X. Assim que viu o seu garboso Hernando, a conversar alegremente com os músicos de um rancho de Selhariz, um tornado começou a se formar no coração da rapariga, para lhe varrer da mente tudo o mais em volta. Aquele amor interdito havia deixado raízes de profunda fixação, a que os ceifeiros da ordem social e familiar podiam fazer a poda, mas logo voltariam a brotar.

 

Por sua vez, ao avistar a menina, Camacho foi-se chegando com um ar bem casual e lhe falou à mansa, como quem está de repente a passar por ali – Olá, brasilita, como estás – ao que ela – Estou bem, graças ao bom Deus, e tu? – Não te fazia aqui, por estes sítios e romarias – Pois cá estou, vim com os meus – Ora, ora, como a menina se pôs! – e ela pensou, para si mesma – Ora, ora, e que diabo de bonito se pôs esse moçoilo!

 

Ficaram então a se fitar, olhos nos olhos, por um instante menos que breve e mais do que infinito. O bastante para que toda a energia da paixão, escondida em alguma célula secreta do corpo de Aurora (no coração, por certo, não à mente), brotasse de novo, ficasse a girar qual uma hélice de aeroplano e voltasse a se empinar, como a um papagaio de papel em céu especial. Um céu que se estava a criar logo acima dos enamorados, a se verem, de pronto, em um jardim de amores-perfeitos gigantes, multicores e incrivelmente perfumados, emoldurados por raios de sol e um arco-íris brilhante, com elfos e gnomos a cantarem e a transportá-los para outras fantásticas dimensões do universo. Tudo isso a celebrar com eles esse amor que se revelara como tal à primeira, segunda, enésima vista.

 

Por se acharem fora do campo de visão do Papá, ao outro lado da capela, com Reis e os mais a se concentrarem na música e nos pares de dançarinos, que volteavam com alegria no tablado, Hernando e Aurita conseguiram a súbita ventura de ficar juntos por uns bons e esquecidos momentos. O bastante para concertar um novo encontro. Ela percebeu então que, de um modo efetivo, definitivo, mas certamente aflitivo, estava perdidinha de todo por aquele guapo cigano.

 

Entrementes, Florinda começou a se queixar do sol e de estar um calor de matar, em plena primavera. Às meninas, aborrecia a poeira que se levantava do solo, com a correria dos miúdos. Ao Reis, incomodava o intermitente passa, passa, de romeiros, às levadas. No mais, o vinho, que rolava solto para as goelas dos festeiros, já estava a produzir seus efeitos em inconvenientes borrachos. Rusgas se iniciaram aqui e ali, embora logo acalmadas. Tais discussões surgiam da defesa de cada rancho pelos companheiros de sua aldeia, a se rivalizarem no dizer quem, qual e quanto dançava ou cantava melhor.

 

brotas.JPG

Outro rancho na Festa de N. S. das Brotas. Chaves (PT). Foto de Raimundo Alberto (2010).

 

De repente uma pessegada, com pancadaria da grossa, começou bem pertinho de onde estavam Aurita e o Camacho. Os ecos chegaram até ao patriarca. Foi a gota d’água para que ele convocasse os seus a tornarem à Quinta.

 

Enquanto Afonso ia dizer às barrosãs, ora entregues a gostosos cavacos com uns violistas de Cela, que os Bernardes já estavam a partir, mas que elas podiam se tardar no Forte um pouco mais, desde que chegassem a pronto de servir a ceia, Aldenora foi a primeira a chamar a atenção para outra desgarrada – E a Aurita, Papá?

 

O pai procurou-a até onde a vista pudesse alcançá-la – Com mil diabos, onde será que essa menina se meteu? – mas logo avistaram a rapariga a correr, célere, para junto dos seus. Aurora parou diante do patriarca, fitou-o com os “meigos olhos de amansar tojos”, como diria Miguel Torga, e murmurou suavemente – Estava a colher fiolhos. Para o senhor, meu pai!

 

 

fim-de-post

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 04:20
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Terça-feira, 19 de Dezembro de 2017

Chaves D'Aurora

1600-chavesdaurora

 

  1. FESTA DAS BROTAS.

 

O Forte de São Neutel é uma construção quadrangular com quatro baluartes, rodeada por um largo fosso, construída no século XVII para defesa das fronteiras de Chaves. Foi palco de muitas lutas entre portugueses e espanhóis e, nos combates de 1912, entre republicanos flavienses e os monárquicos, advindos de Verín. Na parte interna e central da fortificação, dentro de um pequeno templo de 1661, anterior à criação do próprio forte, a imagem do santo titular, no altar-mor, divide as honras com Nossa Senhora das Brotas, reverenciada em uma pintura que foi disposta a uma parede lateral da capela.

 

brotas-1.PNG

Forte de São Neutel. Chaves (PT). Foto de Raimundo Alberto (2010).

 

A festa em louvor da Santa, geralmente em abril, é uma das mais antigas devoções e um dos mais concorridos festejos populares de Chaves e de todo o Concelho. Assim como outras tradições remanescentes na região, essa seria, possivelmente, uma apropriação pela Igreja Católica de cultos pagãos realizados no local, desde tempos imemoriais, em honra de Ceres, a deusa da agricultura. Já era, portanto, celebrada aos tempos do Império Romano, muito antes do advento da nova religião, surgida na Palestina e, só muito tempo depois, graças a um ato de grande esperteza política do Imperador Constantino, por ele institucionalizada, quando, então, as tradições pagãs existentes em todos os rincões do Império romano foram suprimidas ou, a melhor dizer, adaptadas para os rituais cristãos.

 

As Cereálias, dentre as mais belas festas religiosas dos romanos, eram celebradas ao início da primavera, com jogos, festins e peregrinações, para o económico propósito de conseguir abundantes colheitas, principalmente as dos cereais, bem como agradecer a Ceres pela abençoada fertilidade do solo. Daí Brotas, de brotar, germinar.

 

Na festa de Nossa Senhora das Brotas, àquele mesmo ano de 1922, João Reis quis relembrar os seus tempos de adolescência quando, ao domingo e segunda-feira de Pascoela, ia com a família inteira participar da romaria e dos festejos de Nossa Senhora. Decidiu nesse ano, portanto, levar todo o seu clã ao Forte de São Neutel.

 

Nesse dia e lugar, Aurora viu brotar das cinzas a sua Fénix tão especial.

 

Desde o “Nicho dos Fortes” até ao Forte de São Neutel, a romaria deu-se pela manhã. O espaço ao ar livre, em volta da capela, dentro da fortaleza, em cujos subterrâneos funcionava, então, a cadeia local, achava-se franqueado ao público.

 

O contingente de romeiros era bem numeroso, formado pelos cidadãos da vila e os que, a pé ou em carroças, provinham de várias aldeias, algumas bem distantes. A maioria já trouxera suas provisões para a merenda, seus farnéis de pães, queijos, cabritos cozidos, leitões assados e outros repastos, além, é claro, das duas maiores celebridades gastronómicas de Trás-os-Montes, os saborosos presuntos de Chaves e o folar. Tudo isso regado a vinho, muito vinho e, para tal fartura, já lá estavam, a postos, junto às poucas árvores do entorno, os vendedores a tirar de suas pipas, em canecos de barro ou de metal, o néctar dos deuses. Outros vendiam sumos de frutas, castanhas cozidas e o mais.

 

Após a última prece em volta da capela, começou a diversão, com as cantorias e danças folclóricas da região trasmontana. Para assistir aos folguedos, Papá e seu clã, no qual Zefa e Maria se achavam incluídas, acomodaram-se entre os que tiveram a sorte de conseguir assento em uma das escadarias que circundam a capela, enquanto sobrava, à maior parte dos mais, sentar-se à relva ou ao chão batido. Eram magotes de amigos e parentes entre si, famílias inteiras, pessoas que há muito não se viam.

 

 

brotas-2.PNG

Plateia da Festa de N. S. das Brotas. Capela no Forte de São Neutel. Foto de Raimundo Alberto (2010).

 

Florinda e os seus deliciavam-se com as apresentações de ranchos tradicionais da região. Sobre um rústico tablado, exibiam-se os integrantes de cada conjunto, proveniente das aldeias trasmontanas. Com suas roupas típicas de domingo, algumas bem coloridas e com muitas fitas e rendas nos vestidos, cantavam ou dançavam ao som de seus próprios músicos, com as respetivas gaitas, harmónios, guitarras e outros instrumentos musicais.

 

Os grupos só de cantorias eram, em geral, compostos apenas de alguns tocadores e cantantes. Os de dança, porém, às vezes bem numerosos, eram formados por várias pessoas da comunidade aldeã, de todas as idades, embora, na maior parte, jovens e crianças. Chegavam todos juntos e enfileirados ao tablado, tendo uma criança ou uma senhora, algumas vezes bem idosa, a portar o estandarte com as cores e o nome da aldeia. Os pares entregavam-se a diversos tipos de danças da região ou mais peculiares à sua freguesia – Cela, Sanjurge, Vilarelho da Raia…

 

Quando o rancho de Santo Estêvão, ao final de sua apresentação, convidou quem quisesse subir ao tablado, para dançaricar com os seus integrantes, Aldenora e Aurélia imploraram ao Papá que lh’as deixasse participar do folguedo com os belos rapazes, mas João Reis – De jeito nenhum! Não quero “trigo do meu forno na boca de cães”.

 

brotas-3.PNG

 

Rancho na Festa de N. S. das Brotas. Chaves (PT). Foto do Autor (2010)

 

 

fim-de-post

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 00:22
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Terça-feira, 28 de Novembro de 2017

Chaves D'Aurora

1600-chavesdaurora

 

83.PRETENDIDO.

 

Eis que, então, a uma festa familiar, Nonô conheceu um dos melhores pretendentes ao altar em Chaves, o jovem António Sidónio Cordeiro Filho, rebento de uma das mais proeminentes famílias flavienses, pois seu pai, apesar de rústica postura e aparência de um pobre aldeão, era dono de uma instituição de ensino local. Era um atraente rapagão que, embora um pouco flácido, tinha um belo porte. Seu rosto era emoldurado por belas suíças, ornado por bem aparadas sobrancelhas, apurado com densos e bem cuidados bigodes e uma cativante mosca, abaixo dos lábios, queixo liso, sem pera.

 

Seu pai e dona Joaquina, sua mãe, eram compadres e amigos da tia Francisquinha que, nessa noite, abria os salões de sua casa à Rua da Pedisqueira, para festejar os 21 anos de seu filho morgado e, portanto, primo de Nonô. Tão logo a viu, o Cordeirinho retesou a sua flecha de lã, em seu arco de conquista, na direção da rapariga. Tão logo viu o rapaz, também o miocárdio de Aldenora acelerou-se com uma forte, aguda e repentina paixoneta.

 

Aurora, ao perceber os arroubos da irmã, sorriu – Ai-jesus, pobre Nonô! Estás a ser flechada pelo anjinho do Amor! – ao que esta contestou, indicando seu alvo com o olhar – Mas não está a parecer-te, também, que alguém mais já está envenenado pelo curare de Cupido?

 

Sidónio, a participar de um desses grupos só de homens que, até há algumas décadas, sempre ficavam à parte, em ocasiões festivas, também ficara, com indisfarçável frequência, a mover seus olhos pelas trilhas do enlevo até aos de Aldenora. A rapariga decidiu, então, aproveitar-se de algum instante oportuno para acercar-se dele. Tal hora chegou, por sorte, quando ela viu Afonso juntar-se ao grupo, atraído que este fora por alguns motejos que, na ocasião, os circunstantes trocavam entre si.

 

Falava-se, no momento, que a Câmara deveria proibir o tráfego das carroças que carregavam estrume pelas ruas da cidade. Eis que, na véspera, certo jovem flaviense, (na verdade, um dos circunstantes, indicado com explícita malícia pelos outros moços, por meio de olhares marotos e de viés) havia-se perfumado todo para ir à casa de sua noiva, com a qual já tinha alguma intimidade, ainda que, certamente, apenas verbal.

 

Ao chegar lá o moço, todo pimpão, a rapariga murmurou, de chofre – Que cheiro! – e ele – Gostas? – A noiva respondeu, cheirando-lhe o pescoço – Do cheiro de cima, sim, mas o de baixo... Por onde andaste? O que fizeste, para estar assim, desse jeito? – E, diante do olhar surpreso do rapaz – Porque estás, afinal, a feder tanto?! – o que deixara o dito cujo bastante constrangido, encarnado como um pimento, até compreender que ela – Mas o que deu em ti? Estou a me referir aos teus sapatos, ora pois! Não vês que hão de estar assim, tão borradinhos, sujinhos de bosta de vaca?!

 

Os circunstantes riram com bastante gosto, inclusive o protagonista, a tentar negar, de todo modo, que o facto ocorrera com ele próprio.

 

 

fim-de-post

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 00:00
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Terça-feira, 21 de Novembro de 2017

Chaves D'Aurora

1600-chavesdaurora

 

  1. PRETENSÃO.

 

Sobre os tratos e contratos entre homens e mulheres, era bem diverso o pensar de Aldenora. A terceira dos filhos de Flor e João Reis tinha cabelos castanhos, sedosos, coxas e pernas bem torneadas e seu rosto, tal como o de Aurora, também lembrava as melhores expressões pictóricas da Virgem. Era não só muito formosa, quanto a mais inteligente das irmãs. Em contraste, era possuidora de um temperamento difícil no trato com as criadas e com os mais, inclusive os próprios familiares. Suas rusgas só não eram mais frequentes com os outros, porque ela mesma procurava controlar-se, graças às boas maneiras que havia adquirido e à sólida educação que os pais lhe proveram.

 

Tais predicados, igualmente, Aurora e os irmãos também já o tinham, desde a infância. Uma postura de nobreza e refinamento que, no exagerado dito popular, costumava dizer-se – São coisas que vêm do berço – assim, as meninas de Reis eram dignas de elogios pelas matronas de fina classe, as que integravam a restrita sociedade local, ainda que os Bernardes pouco a frequentassem.

 

O caráter forte, por vezes autoritário de Nonô (sua alcunha de infância), contradizia, no entanto, com outro aspeto de sua personalidade. Era romântica. Talvez isso adviesse de ter lido muitos folhetins, publicados em magazines que a Mamã mandava buscar ao Porto, da mesma forma que as coleções de contos e novelas direcionadas a raparigas de boa família.

 

 Também contribuíam para tal romantismo as obras de alguns autores, portugueses ou não, mas de melhor qualidade literária. Eram livros retirados com ardileza da biblioteca de Papá e lidos às esconsas. Depois Nonô os repassava para Aurita, ensejando a que esta desfrutasse, igualmente, da boa leitura de excelentes textos que se fizeram proibir pelos curas e, consequentemente, pelos pais de família. Dessas obras proscritas, as que mais interessavam às raparigas eram as que falavam de amores complicados, como “Ana Karennina”, de Tolstoi ou a “Madame Bovary”, de Flaubert.

 

 

 

fim-de-post

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 00:00
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Terça-feira, 14 de Novembro de 2017

Chaves D'Aurora

1600-chavesdaurora

 

  1. O ÁLVARES.

 

Quando o Álvares foi, pela primeira vez, à Quinta Grão Pará, a menina Aurora escolheu o trajo mais feio que, dentre os seus, assim lhe parecia. Pediu a Zefa de Pitões que lhe (des)ornasse os cabelos com horrendos carrapitos e, a si mesma, maquilhou com tanta brancura, quase a gastar por inteiro o pó d’arroz “Rainha da Hungria”. Estava mesmo a se parecer com uma régia dama; não, porém, a nobre magiar da caixinha de talco, mas sim a falecida Inês de Castro, aquela que em morta foi Rainha.

 

Tais cuidados (ou descuidos) não fizeram com que o Álvares caísse em desistência. A beleza de Aurora era um luzir de pirilampos que, sempre, a escuros e obscuros momentos, haveria de brilhar. Entre goles de chá da Índia e as bolachas com o néctar secreto da Mamã, o viúvo de poses comportadas, mas com olhos lascivos, não tirava suas pupilas da menina pretendida. Naquele comenos, já a considerava sua, no papel e com água benta, destinada a cuidar de si e de seus haveres, inclusive os da carne, para o quê, nas melhor das intenções (das quais o Inferno está sempre cheio), Papá colaborava – Como sabes, Aurita, pois sobre isso já falamos, gostava que dissesses, ao senhor Álvares, se queres que ele assuma contigo os sagrados compromissos do matrimónio.

 

Por alguns segundos, Aurora fez suas meninas vestidas de azul olharem para baixo e fecharem as cortinas de suas janelas. Papá, Mamã e o pretendente puseram-se em penosa expetativa. Finalmente, as meninas desceram até aos lábios e os entreabriram como cortinas, levemente – O senhor Álvares é um homem muito bom, até me agradava sua afeição como marido. Mas espero que não me queira mal, nem ele tenha isso, assim, por uma... uma desagradável desfeita. Ainda não me quero casar – o que fez João Reis fechar a cara, a estremunhar seu visível aborrecimento. Florinda falou à filha, baixinho – Que estás a querer, minha miúda? – e, à moda brasileira – Ficares no caritó?

 

Após um embaraçoso silêncio, Álvares lhe veio em socorro – Ora deixe estar, a menina deve saber o que diz. Além do mais, hoje em dia, não é bom casar uma filha, se dela não forem suas vontades, não é mesmo? Isso era coisa d’antanho. – Pegou seu chapéu, o sobretudo e o guarda-chuva, agradeceu pelo chá, as bolachas e as broas, renovou o boa-tarde a todos e lá se foi, pela Estrada do Raio X, murcho como aquelas ginjas curtidas em aguardente, de uma famosa portinha ao Rossio, em Lisboa.

 

Alguns anos depois, casou-se com uma galega de boas banhas no corpo, boas carnes na cama e bons temperos na cozinha. Isso tudo o fez se esfalfar demais e se estofar nos excessos, tanto os amorosos quanto os culinários, o que, possivelmente, foi a causa de vir a falecer de apoplexia fulminante, tal-qualmente (assim comentava-se) ocorrera com o marido de Adelaide. A morte do Álvares, inclusive, foi em situação (e posição) inusitada, pois o médico, chamado às pressas, encontrou-o no leito conjugal em tal descompostura, que isso tornou-se motivo de comentários jocosos às rodas masculinas e, em alguns ambientes restritos, às femininas.

 

 

fim-de-post

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 00:00
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Terça-feira, 7 de Novembro de 2017

Chaves D'Aurora

1600-chavesdaurora

 

  1. CINEMATÓGRAPHO.

 

A Florinda, dentre os “films” que mais lhe encantaram, foram as cenas dramáticas de “O Contrabandista do Álcool” ou “Alma Mater”, as peripécias cómicas da “Noite de Núpcias de um médico” ou as “Aventuras do professor” e mais os flashes da vida real, como os animais no Jardim Zoológico. Já no início da sessão, um comboio, que parecia vir na direção dos espetadores, fizera a todos abismar. Alguns até recuaram de medo, sobretudo os miúdos, a causar frouxos de riso na plateia.

 

Como iria fazer, posteriormente, de acordo com o já narrado, em relação aos frequentadores habituais de teatro, João Reis, àquela altura, ficou a reclamar daquilo que, ao seu modo de ver, fazia necessária alguma repressão. Tratava-se de certa parcela do público, cujo comportamento deixava muito a desejar. Outro cronista já estivera mesmo a comentar, em um dos jornais flavienses: “Um forasteiro que vá ao Cinematógrapho, poderá julgar que está ao sertão d’ África e não numa terra civilizada. A troco dos poucos vinténs com que pagam os bilhetes, os espectadores julgam-se no direito de praticar toda espécie de desmandos, desde a piada grosseira e soez, até ao batuque dos pés, a revelar uma tendência asinina muito a lamentar. Se o piano deixa de soar, um segundo que seja, logo uma gritaria se levanta - ‘Sanfonia! Sanfonia!’- Cafreal de estupidez e ignorância! Se às vezes a fita escurece um pouco, porque na cena se apagou uma luz, ou porque um comboio vai passando n´um túnel, surgem logo os protestos – “Mais claro! Mais claro!” – incompreensão de verdadeiros selvagens. As mais pueris cenas de amor são sempre sublinhadas com dichotes de uma crueza que revolta. A Polícia e as autoridades estão lá, mas assistem impassíveis a esse espectáculo vergonhoso. Bastaria que dois ou três daqueles selvagens terminassem a noitada no metro quadrado da esquadra policial”.

 

A última sugestão estava bem ao gosto de Papá que, já nos alvores do século XX, fazia questão de lembrar também que, embora fosse considerado chique em sociedade o ato de fumar – Ora pois, pois, pelo bom Deus! Há que dizer aos parvos que não é elegante e, sem dúvida, muito desagradável fumar em sala fechada!

 

À saída, a mencionar a divisão dos filmes de acordo com os rolos guardados em latas apropriadas, um reclamo anunciava o programa da semana seguinte: “1º. “O vinho” (natural); 2º.“Astúcias de montanhês”; 3º, 4º. e 5º; “Vinganças da Bailadeira”; 6º; “Cruel dilema” (drama); e, 7º. “A máquina”, (cómica). Em breve novas e magníficas películas, ainda não vistas pela plateia de Chaves, inclusive a projecção de um film que é a maior sensação da actualidade”. (Tal filme era “ O Nascimento de uma Nação”, de D. W. Griffith).

 

Após a sessão do Cinematógrapho, foram todos saborear alguns gelados na Confeitaria Trajano, que ficava na Rua Direita, próximo ao Arrabalde. Eis então que lá na Trajano, sentados à mesa com os miúdos, Papá segurou as mãos da esposa entre as suas e disse – Ah, minha menina, minha linda Menina Flor! Sei que tens muitas saudades da tua terra, mas verás que tu e eu, cá na minha, ainda seremos muito felizes!

 

arrabalde.PNG

 Largo do Arrabalde. Chaves antiga(PT). Postal Foto Alves

 

 

fim-de-post

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 00:21
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Terça-feira, 24 de Outubro de 2017

Chaves D'Aurora

1600-chavesdaurora

 

  1. CORAÇÕES FISGADOS.

 

Foi a um mui respeitável e erudito ambiente familiar, um sarau no ricamente mobilado salão de um sobrado colonial, na Cidade Velha, pertencente a um fazendeiro alentejano da Ilha de Marajó, onde uma gorda matrona, a soi disante florentina, engrolava árias de Verdi; uma condessa cabocla declamava poemas de Castro Alves; e, com mais vigor ainda, um impetuoso bacharelando atropelava alguns versos de Baudelaire, em Francês, que João Reis tornou a ver aquela por quem, de amores, já morrera à primeira vista.

 

Teriam sido, talvez, aqueles belos olhos azuis que, conforme nos diz outra antiga canção, póstera àqueles tempos, se verdes, seriam cruéis como punhais e embora não fossem olhos castanhos, leais, nem tão negros de queixumes, eram dois pedacinhos do céu nos quais os dele, ao pousarem de repente, sentiam-se voar como andorinhas sobre um mar de ondas, azuladas por igual?

 

Agora, entre uma valsa e outra, João Reis, com bem mais trato no corpo e melhor aparência no trajar, elegante com o seu chapéu londrino, seu fato completo de linho “H J” e camisas bem engomadas, com botões de madrepérola aos punhos, também ele começou a matar de amor a sua donzela pretendida.

 

No primeiro cavaquear de ambos, a falaram sobre assuntos triviais, como o calor dos trópicos ou as famosas chuvas vespertinas de Belém, a lançarem bátegas ao solo, sempre à hora certa, o flaviense fisgou, enfim, o coração de Flor, aquela que seria sua companheira por todas as fortunas e infortúnios, em todos os anos do resto da existência.

 

Vice-versa.

 

Nessa noite, o pai de Florinda não levara a famosa bengala.

 

 

  1. NAMOROS DE ANTANHO.

 

Deram-se ao namoro típico daqueles tempos, não tão diverso do que seria, então, em sua Chaves natal. O máximo que um rapaz podia aproximar-se, de modo mais contíguo, ao corpo de sua virginal amada, era quando ambos ajoelhavam-se, lado a lado, nos devidos momentos da missa dominical, ou, em outubro, no Círio de Nazaré, ao se alinharem para acompanhar a procissão junto ao Carro dos Milagres ou à Barca dos Marujos.

 

Por essa altura, à noite, na praça do Arraial da Santa, iam assistir a comédias musicadas e burlescas no Theatro Chalet, sempre a lhes acompanhar alguém da confiança paterna para a eterna vigilância. Melhor ocasião, ainda, era quando podiam valsar nos bailes do Clube Atheneu, do Clube Universal ou do Sport Clube ou, mais especialmente, nos saraus dançantes que eram oferecidos pelos donos do Palacete Pinho a seletos convidados, no amplo salão desse prédio azulejado e bem português, ainda hoje existente à Cidade Velha.

 

Algumas vezes, aos sábados à tarde, havia a rara oportunidade de Reis sentar-se à mesma mesa que Flor, em companhia de Esther e de seu noivo Isaac, na terrasse à la Paris do Café da Paz, no salão da “Rotisserie Suíço” ou no Café Central. Nesses cafés, chiques e muito concorridos, croissants e chá inglês (da Índia) alternavam-se com casquinhas de caranguejo ou café com tapioca, bem ao gosto local, além de gelados, refresco de guaraná, sucos de frutas regionais para as meninas e uma boa cerveja paraense para os cavalheiros. O que mais se fazia, então, era comentar com os outros a vida de todos e falar de tudo sobre a vida dos outros. Especialmente no que se referisse ao grand monde local.

 

Às vezes, entre os namorados, a proximidade maior se dava em um passeio de barco a velejar pela baía de Guajará, aos domingos. Toda a família ia reunida, desde o patriarca Lourenção e sua inseparável bengala, até às inúmeras crias da casa e alguns escravos recém-libertos, que ainda habitavam a casa do aveirense. As vigilengas seguiam até às praias fluviais da Vila de Pinheiro (hoje, Icoaraci) ou, mais além, da Ilha do Mosqueiro. A fim de sair da embarcação e alcançar a terra firme, as saias compridas das mulheres erguiam-se alguns centímetros, para que se molhassem apenas os pés.

 

Esses pezinhos desnudos, ás vezes, esbarravam sem querer nos dos rapazes, ao pisarem com muita sensualidade a areia húmida. Tais relâmpagos de contacto epidérmico eram suficientes para fazer corar as donzelas e os homens culparem-se de maus pensamentos. Pior ainda, causavam um grande constrangimento a esses varões que as acompanhavam. Pelo tipo de ceroulas brancas de algodão, usadas na época, temiam os rapazes que se fizesse notar (muitas vezes de modo bem explícito, ainda que involuntariamente) o repentino e incontrolável aumento do que eles deviam guardar bem quieto na braguilha, e agora se transformava em uma inconveniente protuberância.

 

Ainda mais que tudo isso estava a se passar, como sempre, sob a vigilância discreta das mamãs, titias e vovós, cujos olhos policiais nunca os tiravam das meninas e, de soslaio, dos rapazes. Às raparigas competia, por seu turno, ficarem sempre à vista dessas guardiãs. Tais comportamentos, todavia, não eram estranhos aos portugueses. Na terrinha, era tudo similar.

 

fim-de-post

 

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 00:14
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Terça-feira, 17 de Outubro de 2017

Chaves D'Aurora

1600-chavesdaurora

 

  1. ALCOVITEIRO.

 

Uma tarde, perto da feira do Ver-o-Peso, João apeou do bonde e, ao se desviar dos burros, encontrou um parente distante, o primo Eulálio. A convite deste, foram até à beira do rio apreciar as vigilengas, que pareciam naufragar nas águas verde-musgo do rio Pará, na verdade um braço do Amazonas. As embarcações iam ou vinham, carregadas de balaios de cipó com frutas tropicais, as quais, como o estranho e arroxeado açaí, tinham nomes e sabores difíceis de explicar aos patrícios e forasteiros, tais como uxi, umari, pupunha, araçá...

 

Reis ouviu então do parente que, por mais idade, às vezes lhe dava conselhos de pai, a fatal pergunta – E então, Joãozinho, quando te vais decidir a casar? Por certo que ainda estás bem moço, mas não fica bem continuares assim, sempre às voltas com essas mulheres de certa rua da Campina ou dos becos que vão dar ao Largo das Mercês. Ô rapaz, cuida bem que, qualquer dia, ainda vais te ver com os cupins da tísica a te roer os pulmões! Ou bem pior: com a sífilis a transtornar a tua cabeça e... o resto, se me percebes.

 

Acontece que Bernardes, como trabalhasse demais durante a semana, suas noites de sextas e sábados eram consumidas em pândegas, na alegre companhia de outros rapazes da mesma idade, aos quais não faltavam o bom vinho e a cerveja fresca, de fabricação local. Tudo isso era compartilhado com as belas caboclas que faziam a vida fácil (pelo menos a deles, dos fregueses) em casas de porta e janela ou em sobrados decadentes, que ficavam nas ruas próximas ao cais ou às cercanias do comércio.

 

Era um homem discreto, de boa educação, mas pouco afeito aos modos elegantes da elite económica local, embora esta fosse, em sua maior parte, constituída pelos novos-ricos da borracha, a nata (ou malta) da qual ele fazia parte. Começava, porém, a se ressentir de uma vida social, onde pudesse conhecer as boas raparigas da terra. Decidiu então que já era tempo de frequentar os bailes da sociedade, os saraus familiares, assistir às revistas musicais como “O Seringueiro”, no Theatro Politeama e, de modo especial, às apresentações de óperas e operetas no palco do monumental Theatro da Paz.

 

Disso tudo, muito se encarregou Eulálio, com dedicado empenho. Pouco a pouco, introduziu o primo nas residências das melhores famílias da região, constituídas dos inevitáveis bacharéis, juízes, políticos, funcionários públicos e, especialmente, daqueles comerciantes que viviam à custa dos seringais, nas mais diversas formas.

 

Passou a ser recebido, também, por donos de terras do interior da província, que viviam em cidades nomeadas como as coirmãs lusitanas (Alenquer, Bragança, Breves, Chaves, Faro, Óbidos, Santarém, Viseu e mais que tais) e mantinham na capital suas mansões, a fim de nelas se instalarem, sempre que necessário. Nessas também refestelavam-se, no mor das vezes, os filhos varões a gozar a vida de estudantes no Colégio do Carmo, no Pré-Jurídico do Liceu ou na Faculdade de Direito ao Largo da Trindade, uma das primeiras criadas no país.

 

fim-de-post

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 01:17
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Segunda-feira, 9 de Outubro de 2017

Chaves D'Aurora

1600-chavesdaurora

 

  1. BELÉM DO PARÁ.

 

Muitas cidades brasileiras foram feitas à imagem e semelhança de Lisboa, do Porto e de outras urbes de Portugal. Uma das mais aportuguesadas era Belém do Pará, situada perto da foz do caudaloso rio Amazonas e porto de entrada para a região amazónica. As ruas da Cidade Velha, onde ficam as igrejas da Sé e de Santo Alexandre, o Forte do Castelo (edificado onde e quando, em 1616, a cidade foi fundada), o Arcebispado e o Convento do Carmo, a formar o complexo histórico Feliz Lusitânia (antigo epíteto da cidade), foram abertas há muito tempo antes que Dom Pedro, Primeiro no Brasil e Quarto em Portugal, tentasse conciliar suas traquinadas mulherengas, na Corte do Rio de Janeiro, com as graves decisões políticas do país.

 

A forte presença de imigrados, uns dos Açores e da Madeira, outros beirões e trasmontanos, fazia aumentar ainda mais a expressiva influência lusa nos modos de falar e nos hábitos do dia a dia. Influenciavam até mesmo na culinária, em que o caldo verde e o cozido com legumes conviviam com a paca ao tucupi (ou pato, depois, mas sempre nesse caldo amarelo, extraído da mandioca); a maniçoba (com carnes típicas de feijoada, antigamente, também, com produtos da caça local, mas cozinhadas em uma pasta feita de folhas de maniva, após estas serem cozidas durante cinco dia para perderem a venenosa e mortal toxicidade); o tacacá (tipo de sopa com a goma de tapioca, tucupi, camarão e jambu, uma espécie de agrião do Pará, que deixa nos lábios uma sensação deliciosa); o sumo bem denso e cremoso do açaí, com farinha de mandioca; e outras iguarias primitivas, da culinária indígena.

 

As casas antigas exibiam suas paredes revestidas com azulejos da antiga Mãe Colonial e, apesar de suas ruas estarem situadas em terrenos planos, os sobrados com janelões pareciam recordar, e muito, os sítios da Alfama ou da Ribeira. Podia-se mesmo dizer que as casas da outrora Santa Maria de Belém do Grão Pará, ainda que marcadas por algum exotismo local, eram com certeza, como nos diz uma antiga canção, uma casa portuguesa. Nas residências mais abastadas, certamente ficavam bem, além do São José de azulejo, da sardinha e do bacalhau (às vezes trocado pelo seu primo de água doce, o pirarucu), o pão e vinho sobre a mesa (embora este último também desse lugar, no mor das vezes, ao sumo de cupuaçu, bacuri, taperebá ou outras frutas regionais).

 

Nos prósperos tempos da extração e comércio da borracha na Amazónia, que em nada melhorou a vida dos seringueiros, mas fez enriquecer os donos de seringais, atravessadores, transportadores e comerciantes de Manaus e Belém, a capital do Pará era uma das mais importantes e mais populosas do país. Conta-se, mesmo, que os novos-ricos da terra mandavam lavar, em Paris ou Lisboa, os seus fatos de puro linho.

 

Àqueles fins do século XIX, graças à riqueza que o áureo ciclo da borracha viera trazer à região, eram os tempos de embelezamento e reformas urbanas em Belém. Erguiam-se belos palacetes, tais como o Pinho, o Bolonha e até vistosos palácios, como os que serviram por muitos anos para a sede do Governo da Província e a da Municipalidade. Construíam-se prédios de ferro em Art Nouveau, como os mercados de carne e de peixe, no sítio portuário do Ver-o-Peso. Com seges e vitórias ainda a passear pelas ruas, os coletivos puxados a cavalo logo passariam a dar lugar aos bondes, como passaram a ser chamados, no Brasil, os elétricos ingleses (trainways).

 

ancoradouro.PNG

Ancoradouro do Ver-o-Peso, Belém do Pará (BR). Postal público. Autor desconhecido.

 

Essas obras grandiosas eram comandadas pelo célebre Senador Antônio Lemos, tais como a abertura de largas avenidas e praças ajardinadas. Estas fariam Euclydes da Cunha, o escritor de “Os Sertões”, declarar em 1904: “(...) Nunca esquecerei a surpresa que me causou aquela cidade. Nunca São Paulo e o Rio terão as suas avenidas monumentais, largas de 40 metros e sombreadas de filas sucessivas de árvores enormes. Não se imagina no resto do Brasil o que é a cidade de Belém, com seus edifícios desmesurados, as suas praças incomparáveis e com a sua gente de hábitos europeus, cavalheira e generosa. Foi a maior surpresa de toda a viagem”. (Quanto aos hábitos europeus, leia-se: os de portugueses, franceses e, com menor influência, ingleses).

 

Somavam-se a isso as belas alamedas do Bosque Municipal, um enorme quadrado onde até hoje se concentra, com espécimes da flora e da fauna, uma síntese da floresta amazónica; e o Museu Paraense, recém-fundado no então bairro da Rocinha, onde pesquisadores de várias procedências dedicavam-se aos estudos da natureza e do homem na Amazónia, sob a direção do cientista suíço Augusto Emílio Goeldi.

 

No Theatro da Paz, cujo interior é similar, em luxo e arte decorativa, a muitos espaços cénicos da Europa, apresentavam-se companhias inteiras de ópera, francesas e italianas, que seguiam depois para o teatro de igual porte e beleza em Manaus, o outro grande centro comercial da borracha. Tais elencos vinham em paquetes ingleses e alemães a cruzar o Atlântico, em linha direta ao Norte do país, até ao movimentado porto de importações e exportações da Baía de Guajará, sem ao menos passarem pelos de Salvador ou Rio de Janeiro, a então Capital Federal.

 

 

  1. MENINA FLOR.

 

Foi antes de começar uma soirée no monumental teatro, inaugurado há alguns anos no Largo da Pólvora, que João Reis, recém-enriquecido com o comércio da Hevea Brasiliensis, ao dar um breve passar d’olhos pelo interior daquele verdadeiro templo cénico, avistou, no camarote onde se alojava a família de Jacob Benzecri, um dos mais respeitáveis capitalistas da província e com o qual João mantinha transações comerciais, uma linda e elegante rapariga.

 

A menina estava a conversar com a Estherzinha, outra bela jovem, filha de Jacob. Reis perguntou ao Raimundo Peixoto, o Dico, um amigo caboclo que ora o acompanhava, quem era aquela moça que tanto lhe chamara a atenção. Dico falou que seu nome era Florinda de Morais Dias, à qual muitos rapazes chamavam de Flor Linda e era filha de Joaquim Lourenço Dias, um compatriota de Reis, natural de Aveiro, de mãe alemã e pai português. Este era dono da Loja da Lua, armazém de tecidos à Rua XV de Novembro, mas…

 

– Mas, mas… mas o quê, ó raios, ora me diz de uma vez!

 

O amigo aconselhou – Pisa de mansinho no terreiro, que o galo velho alemão cisca bravo no quintal! É um cão de guarda com as filhas! A mãe delas já se foi na epidemia de varíola e o Lourenção tem que se fazer em dois. As filhas só vão às festas com o pai do lado. E tome a bengala! – Bengala?! Mas o que é que essa bengala tem a ver com as meninas? – Raimundo riu e continuou – É que o velho ameaça ou chega mesmo a dar umas bengaladas em qualquer rapaz que venha falar com as filhas… Quanto ao que mais importa, o Lourenção está muito bem de vida; e a educação primorosa que a pequena recebeu, também se deve aos bens deixados por sua mãe e por seu avô materno.

 

Ainda que, para João, essas questões patrimoniais não fossem, àquela altura, o mais importante, soube então que o avô da “Linda Flor” tinha sido proprietário de uma fazenda enorme, que ia desde os fundos da Basílica de Nazaré até à Estrada de São Jerônimo (uma enormidade de terras), mas os Estêvão de Morais quase ficaram sem nada, porque o único filho homem, tio dessa atraente donzela, deu cabo à metade da fortuna do pai, solapando-a com mulheres e jogos.

 

As perspetivas não eram muito animadoras, mas João Reis, embora não fosse dado aos jogos de azar nas casas da Rua da Trindade, onde a roleta corria solta, gostava de arriscar no carteado da vida. Quando olhou novamente para o alto, percebeu que fora visto por Jacob e o cumprimentou. Acenou também à Esther e à bela filha do bravo bicho brabo. A jovenzinha, após um breve aceno, olhou para ele e, pondo o leque de patchouli a lhe tapar a boca, cochichou algo com a amiga. Ambas riram, sem tirar os olhos do rapaz, o que o deixou constrangido.

 

Estava decerto curioso em saber do que andavam a falar e do que lhe havia de ruim, se os bigodes, as suíças, o nariz… Ou talvez algo bom, mas o Dico, ao seu lado, deixou-o ainda menos à vontade – É a tua aparência, João Reis, como te cuidas mal! – e a troçar – Acho que devias ler o “Compêndio de Civilidade” do bispo Dom Macedo Costa.

 

 

teatro da Paz.PNG

 

Theatro da Paz, Belém do Pará, 1878. Postal público antigo. Autor desconhecido.

 

 

fim-de-post

 

 

 

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 23:46
link do post | comentar | favorito
|  O que é?

.Fotos Fer.Ribeiro - Flickr

frproart's most interesting photos on Flickriver

.meu mail: blogchavesolhares@gmail.com

.Fevereiro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9


20
21
22
23
24

25
26
27
28


.pesquisar

 
blogs SAPO
ouvir-radioClique no rádio para sintonizar

 

 

El Tiempo en Chaves

.Facebook

Fernando Ribeiro

Cria o teu cartão de visita Instagram

.subscrever feeds

.favorito

. Blog Chaves faz hoje 13 a...

. Solar da família Montalvã...

.posts recentes

. Chaves D'Aurora

. Chaves D'Aurora

. Chaves D'Aurora

. Chaves D'Aurora

. Chaves D'Aurora

. Chaves D'Aurora

. Chaves D'Aurora

. Chaves D'Aurora

. Chaves D'Aurora

. Chaves D'Aurora

. Chaves D'Aurora

. Chaves D'Aurora

. Chaves D'Aurora

. Chaves D'Aurora

. Chaves D'Aurora

.Blog Chaves no Facebook

.Veja aqui o:

capa-livro-p-blog blog-logo

.Olhares de sempre

.links

.tags

. todas as tags

.arquivos

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

Add to Technorati Favorites