Sábado, 7 de Outubro de 2017

Curalha - Chaves - Portugal

1600-CURALHA (746)

 

As nossas aldeias, vilas e cidades não ocuparam o seu território por mero acaso, houve uma série de razões que levou os nossos antepassados a construir, não só os seus abrigos, mas também construções de defesa, de comunicação etc. Em suma, construiram onde tinham melhores condições de vida e de sobreviver a ela.

 

1600-curalha (566)


Daí os rios, os vales mas também as elevações terem sido locais que atraíram população e os convidou a fixarem-se, mas como em tudo também houve algumas exceções que levou população a locais de vida improvável.

 

1600-CURALHA (198)-1


As nossas aldeias, vilas e cidades têm inúmeros testemunhos do seu povoamento ao longo do tempo, testemunhos que a História nos ajuda a compreender, tetemunhos que hoje em dia fazem a identidade dos locais e lhes dão uma ou mais imagens de marca.

 

1600-CURALHA (72)

 

Curalha, a nossa aldeia de hoje, é uma aldeia cheia de testemunhos, mais recentes ou mais distantes, testemunhos separados por dois mil ou mais anos, desde o seu Castro pré-romano, o testemunho mais antigo, a alguns vestígios romanos até aos mais recentes de há apenas 100, 200 ou 300 anos, nos quais se incluem os seus moínhos, o pontão sobre o rio Tâmega, uma estação, uma ponte e alguns vetígios da existência, passagem e paragem do comboio, onde existem uma composição com máquina a vapor e carruagens de passageiros e mercadorias.

 

1600-CURALHA (749)

 

É disto que as aldeias também são feitas, além de outras imagens de marca que as marcam, às vezes até sem importância histórica, como é o caso do pinheiro manso que se mostrava aos olharares de alguns quilómetros de distância dada a sua localização, mesmo na croa de uma pequena elevação e mesmo no centro do Castro de Curalha. Uma referência feita com apenas um pinheiro manso, que segundo conta, está à beira da sua morte. Pela certa não fará parte da história do local mas da qual já não se livra. tudo por estar registado em muitos documentos que fazem a história, mais propriamente em fotografia.

 

1600-CURALHA (734)


O rio, o castro, os moinhos, o pontão e a ponte, o comboio, a antiga via romana, a mais recente Nacional 103 e ainda o mais recente nó da autoestrada, mas também a terra fértil, o amor ao berço e a proximidade da cidade, fazem com que Curalha continue a sua caminhada pela história.

 

1600-curalha (575)

 

Ficam algumas imagens para ilustrar algumas das palavras de hoje, mas não só, pois estes testemunhos não fazem só parte da história e identidade de Curalha, mas também da beleza desta aldeia.

 

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 19:34
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Sábado, 16 de Abril de 2016

Curalha - Chaves - Portugal

1600-CURALHA (233)-1

 

Há locais e aldeias que frequento mais amiúde e hoje deixo-vos aqui oito motivos e outros tantos registos que me levam a isso.  Simultaneamente são imagem de marca de uma aldeia e da sua envolvência – Curalha, é a nossa aldeia de hoje.

 

1600-CURALHA (9)

 

Felizmente não é o único local e aldeia que tenho na manga como trunfo a puxar quando dele necessito. Não só pelas composições que proporciona onde há sempre uma nova para descobrir, mas também porque são locais onde vamos e regressamos sempre formatados, limpos, para encarar a cidade e o seu dia-a-dia.

 

1600-CURALHA (42)

 

Não que a cidade seja stressante e nos pressione como eventualmente pode acontecer com mais frequência nas grandes cidades. Chaves não é tão grande assim, felizmente ainda é uma cidade de província, mas também a vida destas mexem connosco, e,  de vez em quando, precisamos de respirar outros ares.

 

1600-CURALHA (445)

 

Os rios, a croa das montanhas e das serras, locais onde só o murmúrio das águas, do vento, das variadas melodias da passarada ou de um chocalhar perdido no meio de uma pastagem são possíveis e suficientes para silenciar e esquecer os ruídos da urbanos, quer sejam sonoros ou não.

 

1600-CURALHA (481)

 

Curalha tem algumas dessas ofertas. Muito rio, moinhos, a coroa do castro com a sua imagem de marca do pinheiro manso, mas também uma aldeia, onde nunca resistimos a deixar à margem e onde há também sempre um ou outro motivo que merece um registo.

 

1600-CURALHA (139)

 

Mas há também a memória de uma linha férrea, a Linha do Corgo e as estação do Tâmega, umas das mais importantes da altura, a par das estações das cidades e das vilas que a linha do Corgo servia. Felizmente e graças ao gosto e interesse de um privado,  o edifício da estação mantem-se e uma composição de máquina a vapor, uma carruagem e um vagão de mercadorias estão estacionado em frente à estação, para delicia de que a avista desde a E.N.103, dos fotógrafos ou de quem gosta de comboios e sobretudo tem saudades do comboio em terras flavienses.

 

1600-CURALHA (379)-1

 

Ainda do comboio resta a ponte de pedra sobre o rio Tâmega que hoje não coube aqui em imagem, mas que já mais vezes aqui trouxemos e iremos continuar a trazer, talvez numa próxima passagem por Curalha.

 

1600-CURALHA (513)

 

Ainda bem que existe a fotografia para podermos fazer estes registos e estas composições que ao visionarmos deixam um pouco do cheiro e sabor da realidade, mas como sempre digo e volto a afirmar, uma coisa é a fotografia e outra a realidade, mas esta, há que ir aos locais para a sentir.    

 

  

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 03:02
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Quarta-feira, 23 de Dezembro de 2015

Chá de Urze com Flores de Torga - 110

1600-torga

 

 Chaves, 27 de Agosto de 1990

 

A intenção era boa, mas teve má impressão:

— Ainda lhe falta viver uma outra vida.

— Qual?

— A da bengala.

E reagi assim:

— Essa não será minha. Será da bengala. Eu não sou homem para me apoiar senão em mim.

Miguel Torga, in Diário XVI

 

1600-9273

 

Chaves, 28 de Agosto de 1990

 

Subida penosa ao castro da Curalha. Descobri Portugal sofregamente, em pecado de gula. Agora, arrasto-me por ele em penitência.

 

Miguel Torga, in Diário XVI

 

 

1600-CURALHA (480)

 

Chaves, 30 de Agosto de 1990

 

É escusado teimar. A ser banal, a dizer banalidades e a pensar banalidades é que o português é português.

 

Miguel Torga, in Diário XVI

 

1600-moreiras (257)

 

Moreira, Chaves, 3 de Setembro de 1990

 

Uma ara pagã romana acolhida à preservadora proteção católica da desfigurada igreja matriz, que foi românica nos bons tempos, e um velho e decrépito casal de lavradores desdentados a secar previdentemente milho na varanda de um solar desmantelado, ainda ufano da monumental chaminé que o coroa a testemunhar a opulência da cozinha senhorial de outrora, deram-me hoje o ensejo de recapitular a lição há muito decorada e às vezes lamentavelmente esquecida: que a perenidade da fé é indiferente à circunstância do sacrário, e o império da fome à natureza das bocas.

 

Miguel Torga, in Diário XVI

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 03:04
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Sábado, 19 de Dezembro de 2015

Com o fascínio de um rio por companhia, sem mais palavras

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 05:12
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Domingo, 12 de Abril de 2015

Curalha com o Tâmega à vista

1600-curalha (564)

 O Rio Tâmega atravessa o nosso concelho de Chaves de Norte a Sul e com exceção da cidade onde o casario chega a entrar pelo rio dentro, fazendo este de margem, mais propriamente junto à ponte romana, as aldeias mais próximas da sua margem, por razões óbvias, preferiram ter o rio a uma certa distância, havendo entre as partes como que um acordo de não agressão ou de respeito, se preferirem, onde as aldeias não incomodam o rio e o rio não incomoda as aldeias, isto, claro, quando o rio nas suas fúrias de inverno transborda as margens habituais.

1600-CURALHA (442)

Exceção para os moinhos ou talvez não, pois também aí as partes (aldeias e rio) chegam a um acordo de colaboração, cedendo o rio a força das suas águas para os vizinhos poderem moer os seus cereais, pelo menos em tempos passados assim era, pois hoje em dia também as moagens se modernizaram, mas felizmente houve aldeias como a de Curalha que manteve os seus moinhos com a dignidade suficiente para podermos ter esse testemunho do passado não muito distante.

1600-CURALHA (64)

Pois duas das imagens de hoje são precisamente desse testemunho dos moinhos que ainda se conservam em Curalha, quanto à outra imagem, também já começa a ser rara nas nossas aldeias, mas às vezes, com sorte para a fotografia, ainda é possível.

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 04:36
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Sábado, 30 de Março de 2013

Curalha - Chaves - Portugal


Com a crise que atravessamos era um bom momento para analisar também as más políticas que nos conduziram até ela. Poderão dizer que a crise não é só nossa, pois não, mas as más políticas de muitos anos agudizaram-na. Eu, por cá, costumo dizer que tudo começou com o comboio(s), quando em vez de se modernizar a nossa rede ferroviária se optou por construir a torto e direito IP’s e autoestradas, em detrimento dos comboios e da sua modernização. Os grandes interesses, sempre os grandes interesses dos poucos que os podem ter, interesses do b€tão como se apenas no betão estivesse o desenvolvimento de um país. Grandes interesses de alguns que pobres e remediados têm de pagar.




Fico-me por aqui em lamentos para ouvidos moucos e, apenas o fiz, porque duas das imagens de hoje têm diretamente a ver com esse comboio que nos roubaram, um dos primeiros roubos que ao longo dos anos se viriam a repetir…




Ficam memórias desse comboio mas também imagens daquele que ao longo de alguns quilómetros o acompanhava no seu trajeto e se deixava atravessar precisamente em Curalha. Claro que é do Rio Tâmega que vos falo.

´
publicado por Fer.Ribeiro às 08:00
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Sábado, 14 de Abril de 2012

Curalha - Chaves - Portugal

 

Sempre que posso dou um pulinho ao nosso mundo rural à caça de fotografias. Quando o tempo não é muito, tenho que me ficar pelas terras mais próximas de Chaves e que convidem sempre a uma fotografia.

 

 

O nosso Rio Tâmega, embora não com tanta saúde como desejaríamos, vai convidando sempre para umas imagens, mas se lhes juntarmos as quedas de água e os moinhos, então aí o convite terá que ser obrigatoriamente aceite, mas não só, pois também os pormenores da envolvência convidam sempre a um clique.

 

 

Claro que se falamos em Rio Tâmega e moinhos temos que obrigatoriamente ir para a Curalha, uma freguesia que está na lista negra das freguesias a abater com a reforma administrativa anunciada. Há dias, o PJ, dizia-me que tinha uma promessa de que Curalha estaria fora da lista, mas como a promessa era de político e eles (políticos) fazem questão de não as cumprir com toda a lata e desvergonha, mais vale que os de Curalha não baixem os braços na sua luta de manutenção de Freguesia.

 

 

Mas isto até são contas de outro rosário, porque hoje o que quero mesmo é deixar-vos as imagens e que sabe se não abrem o apetite a uma visita, daquilo que se vê da estrada mas que quase nunca se para se descer até ao rio para deleitação dos pormenores. Acreditem que por muito breve que seja a visita, vale a pena, claro, isto contando que é amante das coisas bonitas que a natureza oferece e a sua urbanidade lho permite. Mesmo se não permitir, contrarie-a e vá por aí.

 

 

Em Curalha temos ainda o extra de  um autêntico museu do nosso velho e saudoso “texas” que embora seja propriedade privada, porque felizmente ainda há gente que gosta e se preocupa com as nossas memórias e património, preservando-as e cuidando-as, podem ser vistas da estrada ou do caminho de acesso a um dos moinhos sem ter que invadir propriedade privada. É um regalo para o olhar e para a saudade, pena que não saia da estação a todo o vapor, porque, como já aqui foi contado, quem o poderia permitir não o quis e todos lamentamos, mas, infelizmente enfim, já lhe conhecemos a raça rafeira, e tal como diria o outro, sem ofensa para os cães.

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 02:07
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|  O que é?
Sábado, 23 de Abril de 2011

Sábado de Páscoa

 

 

É Sábado de Páscoa. Os últimos folares vão ao forno e o cabrito ou cordeiro já está em estágio de alguidar para amanhã bem cedo ir ao forno, já sem a preocupação da bênção das casas, pois a cerimónia ao longo dos anos de implantação das modernidades foi-se perdendo.

 

Mas não foi só a tradição da bênção das casas que se perdeu. O tradicional ramo que ia a abençoar no Domingo de Ramos, com ramos de oliveira e alecrim, para mais tarde, em dias de trovoada, ajudar Santa Bárbara  com a queima de alguns ramos abençoados. Esta tradição ainda se vai mantendo, só que agora, o ramo, é da florista da esquina. Vale a intenção mas perde-se a tradição.

 

 

 

Também os autos da paixão, esta semana já aqui mencionados, são coisas do passado, pelo menos os mais famosos que levavam até eles umas boas centenas de “peregrinos” em gesto de apreciação da representação mais popular que conheci, pois ainda tive a sorte de em pequeno ver o auto da paixão de Curral de Vacas. Claro que não esqueço do de Curalha que até ficou até bem mais afamado que o das Terras de Monforte e tudo graças a Manoel de Oliveira ter feito de um dos autos o seu Acto da Primavera (1962), um filme documentário, longa metragem que ainda hoje é uma das obras contemporâneas do cinema etnográfico que viria a inspirar outros realizadores a realizarem trabalhos idênticos.

 

 

 

Foram-se perdendo algumas das tradições religiosas ligadas à Páscoa. Tenho pena que algumas se tenham perdido mas em tudo o restante, gosto mais da Páscoa actual, pelo menos é mais alegre e com muito menos medos da Igreja que ao longo da ditadura e do estado novo se impunha a um povo maioritariamente ignorante com os medos e temores a Deus em que na Páscoa (quinta-feira à tarde e sexta-feira santa) eram mais acentuados e forçosamente a Páscoa  tinha de ser triste e penitente, jejuar sem comer era uma graça a Deus, ouvir música (com excepção da clássica – vá-se lá saber porquê) quase era pecado, festas, fossem quais fossem, essas além de pecado era uma afronta a Deus. Só mesmo no Domingo de Páscoa é que a alegria e sorrisos podiam regressar aos rostos.  

 

Hoje ficam imagens que nada têm a ver com a Páscoa, mas são imagens das duas aldeias onde em tempos se realizavam autos da paixão: Curalha e Curral de Vacas.

 

Boa Páscoa.

 

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 00:00
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|  O que é?
Quarta-feira, 20 de Abril de 2011

Palavras colhidas do vento... por Mário Esteves

 

 

 

Ao passar recentemente pela travessa da Trindade vi afixado um cartaz que anunciava a realização de um Auto da Paixão em Vilarandelo. De imediato veio-me à memória várias freguesias do concelho de Chaves, onde este evento se efectuava, com apreciável afluência de público que se deslocava de grandes distâncias e até de notáveis personalidades das letras que vinham presenciar in loco a representação da Paixão de Cristo, por simples aldeãos, a maior parte sem “grandes luzes”, no entanto pela tradição, alguns dos personagens eram representados há dezenas ou centenas de anos por pessoas da mesma família, assim como se transmitia por gerações e na mesma família o ensaiador que conservava religiosamente umas folhas de papel nos quais se registavam os diálogos do auto, também conhecido por Auto da Primavera.

 

               

Desconheço se as pessoas conhecem que um dos mais famosos cineastas do País, e patriarca do cinema em Portugal, refiro-me a Manuel de Oliveira, teve o primeiro reconhecimento internacional com um prémio no Festival de Veneza, precisamente com a filmagem do Auto da Primavera, feito em Curalha e representado por alguns dos seus habitantes.

 

Perdoem a referência, e sem qualquer ânimo de publicidade, mas as vestimentas pertenciam à Agência Esteves e não figuram nos créditos ou genérico do filme.

 

 

 

Tive muito gosto, já adolescente, de ajudar a vestir alguns personagens femininos, como a Verónica, escolhida  naturalmente pela qualidade de voz e que na maior parte das vezes coincidia com a minha idade e com uma beleza campestre, a que era difícil resistir, tanto mais que eram elas a solicitar mais uma prega em locais extremamente sensíveis … na maior parte das vezes aproveitava-me das dificuldades de fixar o alfinete, para efectuar várias tentativas, a que elas nunca reclamaram e pareciam deliciadas, o que me valeu alguns esgares dos namorados, também personagens, como a prometerem que no final do auto o crucificado seria eu … mas felizmente nunca tive problemas!

 

Falar dos autos é falar das procissões que antes se organizavam, à semelhança de outras localidades.

No meu tempo creio que usei todas as fardas, desde anjo até Cristo, com uma cabeleira que me provocou tamanha exacerbação, que estive a ponto de pendurá-la na cruz e seguir de cabelo descoberto.

 

Melhor sorte teve o meu irmão que, pelos vistos, apenas servia para soldado romano!

 

Também, pela única vez, na festa de Vila Verde, que fez de São João, não só deixou fugir o cordeiro, como por pouco fica com o cu ao léu, na tentativa de recuperar o ovino rebelde!

 

Mário Esteves

 

 

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 02:39
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|  O que é?
Domingo, 11 de Outubro de 2009

Mais Torga, mais aldeias, mais Chaves, mais Portugal

Moreiras

 

 

.

 

Moreiras, Chaves, 3 de Setembro de 1990

 

Uma ara pagã romana acolhida à preservadora protecção católica da desfigurada igreja matriz, que foi românica nos bons tempos, e um velho e decrépito casal de lavradores desdentados a secar previdentemente milho na varanda de um solar desmantelado, ainda ufano da monumental chaminé que o coroa a testemunhar a opulência da cozinha senhorial de outrora, deram-me hoje o ensejo de recapitular a lição há muito decorada e às vezes lamentavelmente esquecida: que a perenidade da fé é indiferente à circunstância do sacrário , e o império da fome à natureza das bocas.

 

Miguel Torga, in Diário XVI

 

.

 

Curalha

 

 

.

 

 

Chaves, 28 de Agosto de 1990

 

Subida penosa ao castro da Curalha . Descobri Portugal sofregamente, em pecado de gula. Agora, arrasto-me por ele em penitência.

 

Miguel Torga, in Diário XVI

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 00:30
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Domingo, 13 de Setembro de 2009

Aldeias de Chaves - Portugal

Curalha, antiga estação da CP

 

.

 

.

 

Castelo

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 01:21
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|  O que é?
Domingo, 6 de Setembro de 2009

Aldeias de Chaves - Portugal

Pereira de Selão

 

 

.

 

Rio Tâmega (Moinho de Curalha)

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 01:00
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Domingo, 22 de Fevereiro de 2009

a preto e branco - 1

.

Embora já todas as aldeias tivesse passado aqui pelo blog, há ainda algumas (poucas) às quais devo um post alargado. Infelizmente este inverno não tem sido muito convidativo para a fotografia e confesso que estou sem material fotográfico para trazer aqui as aldeias em falta. Esta falta abre-me a porta para uma nova rubrica no blog dedicado às aldeias, uma rubrica que há muito andava para trazer aqui e que se irá chamara simplesmente “a preto e branco”.

 

Pois neste novo espaço só cabem fotografias a preto e branco, às vezes (quando muito) com uma nesga de cor. Será um espaço dedicado simplesmente à fotografia, com apenas duas ou três palavras de embalar e, só caberão aqui as fotos que não couberam no post da respectiva aldeia, aquelas fotos das quais eu gosto, mas que por falta de espaço não puderam entrar na devida altura.

 .

.

Será mais uma oportunidade para mais uma volta por todas as aldeias, algumas, até mais que uma vez desde que haja fotos que eu considere dignas deste novo espaço.

 

Fotos que eu gosto e não couberam no respectivo post e o velho fascínio pela fotografia a preto e branco, que sem cor, sempre teve o seu encanto.

.

.

Estes Domingos “a preto e branco” irão alternar com os posts normais de domingo dedicados a uma aldeia e também estarão aliados à falta de tempo ou de material, como é o caso de hoje em que se aplica a ambas as condicionantes, principalmente porque ontem foi dia (ou melhor – noite) da blogosfera flaviense. Pela certa que irão perceber isso pelos próximos posts da blogosfera cá da terrinha e não só.

 

Espero que gostem deste novo espaço “a preto e branco”.

 

Até amanhã!

´
publicado por Fer.Ribeiro às 00:30
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|  O que é?
Sábado, 21 de Fevereiro de 2009

Mosaico da Freguesia de Curalha

 

.

 

Localização:

A 6 km de Chaves, localiza-se a Sudoeste da cidade junto à margem direita do Rio Tâmega, desenvolve-se ao longo da EN 103 e junto ao nó da A24 que adoptou o nome da freguesia, sendo hoje uma das principais portas de entrada da cidade para flavienses residentes, mais à frente explico o porquê.

 

Confrontações:

Confronta com as freguesias de Redondelo, Soutelo, Valdanta, S.Pedro de Agostém e Vilela do Tâmega, no entanto entre Curalha e estas duas últimas freguesias há o Rio Tâmega a separá-las.

 

Coordenadas: (Largo da Igreja)

41º 42’ 55.77”N

7º 31’ 26.34”W

 

Altitude:

Variável – entre os 350m e os 430m

 

Orago da freguesia:

Santo André

 

Área:

9,13 km2.

 

Acessos (a partir de Chaves):

– Estrada Nacional 103 ou A24.

 

.

 

 

.

 

 

Aldeias da freguesia:

            - Curalha (única aldeia da freguesia)

 

População Residente:

            Em 1864 – 283 hab.

            Em 1920 – 405 hab.

Em 1940 – 567 hab.

Em 1950 – 693 hab.

            Em 1960 – 681 hab.

            Em 1981 – 531 hab.

            Em 2001 – 518 hab.

 

Em termos populacionais é uma freguesia que contraria a tendência do despovoamento da maioria das freguesias do concelho, pois e embora nas últimas décadas os Censos demonstrem que tem perdido população em relação ao ano de 1950, a linha de tendência para Curalha indica-nos um aumento de população.

.

 

 

.

 

Principal actividade:

- Actualmente a agricultura com regadio, natural ou em estufas. Em tempos outras actividades existiram por Curalha, uma delas ligada à Estação dos Caminhos de Ferros e às mercadorias destinadas ao Barroso, outra, aliada ao Rio, aos moinhos e à moagem de cereais, existindo ainda (aparentemente em bom estado) os respectivos moinhos.

 

Particularidades e Pontos de Interesse:

São vários os pontos de interesse desta freguesia, começando por aquele que na minha opinião é o mais importante e interessante em termo das história, ou seja o Castro de Curalha cuja descrição poderão ver no post dedicado a Curalha, com link no final do post. Tão importante e interessante como esquecido e abandonado que está. É certo que nos últimos anos cuidaram-se os acessos até ao Castro, mas apenas isso, pois de resto o Castro está entregue a si próprio e sem qualquer informação no local que deixe aos visitantes o devido resumo histórico para fazer jus à sua importância.

 

O Museu do Comboio é outro dos seus pontos de interesse, embora não seja museu e até seja propriedade privada, mas é um autêntico museu onde o proprietário do espaço da antiga estação, não só recuperou e preserva o antigo edifício da estação, como mantém parte da linha e nela está a reconstituir um comboio completo, com a máquina a vapor, e as devidas carruagens de passageiros e de carga. Tudo isto feito com muito amor e custos que mantém bem viva uma recordação do passado. Um autêntico museu do comboio. Um bem haja para o proprietário em preservar assim importante a memória de outros tempos em que Chaves, o concelho e Curalha tinham comboio.

 

O núcleo e o casario da aldeia é outro dos pontos de interesse, mas para conhece-lo há que abandonar a estrada nacional e entrar nele. De interesse e também a nível de construções e obras de arte, são a ponte do antigo comboio sobre o Tâmega, se um só arco e em granito, bem como os antigos moinhos que bem poderiam fazer parte daquele museu vivo a que às vezes me refiro, do roteiro dos moleiros e dos moinhos, que sem dúvida seria um dos pontos de interesse e turísticos do concelho. Mas para isso era preciso que os verdadeiros xerifes da cidade tivessem ideias de interesse para o concelho e aperceberem-se que o nosso concelho é um concelho rural onde a sua ruralidade há muito que devia estar explorada, agro-turismo, penso que é assim que se chama, ou seja, agricultura + turismo, sem esquecer o grande aliado do termalismo que um dia até já se quis regional. Mas claro que isto é trabalho e de muitos anos, que não rende a curto prazo em resultados eleitorais…entretanto vai-se promovendo o despovoamento… e apostando no cavalo coxo e tão distraídos andam, que nem sequer se deram conta que por cá não há touradas e muto menos, corridas de cavalos.  Desculpas para Curalha por este devaneios ou desabafos, pois Curalha até é freguesia que nem merece recados, exceptuando o tema “Castro”, onde a Junta de Freguesia também deveria ter o seu orgulho e os seus interesses.


.

 

.

 

 

Linck para os posts neste blog dedicados à freguesia:

 

            - CURALHA

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 03:48
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Domingo, 31 de Agosto de 2008

Mosaico da Freguesia de Curalha

´
publicado por Fer.Ribeiro às 01:00
link do post | comentar | favorito
|  O que é?

.Fotos Fer.Ribeiro - Flickr

frproart's most interesting photos on Flickriver

.meu mail: blogchavesolhares@gmail.com

.Dezembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


.pesquisar

 
ouvir-radioClique no rádio para sintonizar

 

 

El Tiempo en Chaves

.Facebook

Fernando Ribeiro

Cria o teu cartão de visita Instagram

.subscrever feeds

.favorito

. Solar da família Montalvã...

.posts recentes

. Curalha - Chaves - Portug...

. Curalha - Chaves - Portug...

. Chá de Urze com Flores de...

. Com o fascínio de um rio ...

. Curalha com o Tâmega à vi...

. Curalha - Chaves - Portug...

. Curalha - Chaves - Portug...

. Sábado de Páscoa

. Palavras colhidas do vent...

. Mais Torga, mais aldeias,...

. Aldeias de Chaves - Portu...

. Aldeias de Chaves - Portu...

. a preto e branco - 1

. Mosaico da Freguesia de C...

. Mosaico da Freguesia de C...

blogs SAPO

.Blog Chaves no Facebook

.Veja aqui o:

capa-livro-p-blog blog-logo

.Olhares de sempre

.links

.tags

. todas as tags

.arquivos

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

Add to Technorati Favorites