Sexta-feira, 13 de Outubro de 2017

Vivências

vivenvias

 

O Clube dos Poetas Mortos

 

 

Na nossa memória todos temos um filme que nos marcou. Ou melhor, um filme, um livro, uma canção... Ou, provavelmente, melhor ainda, vários filmes, vários livros, várias canções…

 

Voltando aos filmes, “O Clube dos Poetas Mortos” foi um desses filmes. Recordo-me que o vi no Porto, por ocasião de uma visita de estudo de dois dias àquela cidade, andava eu, então, no secundário, na Escola Dr. Júlio Martins.

 

O filme relata a história de um professor de literatura num colégio profundamente elitista e disciplinador. As suas aulas são dadas de forma pouco ortodoxa e quem viu o filme recorda certamente a aula em que o professor incentiva os alunos a arrancarem as folhas de um livro de poesia, pois, segundo ele, a poesia não se pode medir, mas sim sentir e viver. Entusiasmados com o lema “Carpe diem” (aproveita o dia) proclamado pelo professor, os alunos ganham coragem para experimentar desafios e experiências que nunca antes ousariam enfrentar. A dada altura do ano um grupo de alunos descobre um velho “Livro de Turma” do tempo do professor Keating e ficam a saber que ele pertenceu a um denominado “Clube dos Poetas Mortos”. Após uma interpelação ao professor sobre essa vivência do passado, resolvem eles próprios retomar a ideia do Clube e nessa mesma noite iniciam reuniões furtivas numa gruta, nas imediações do colégio, para ler poesia e “sugar o tutano da vida”.

 

Entretanto, um dos jovens, com grande vocação para o teatro mas fortemente reprimido pelo pai, não aguenta a pressão e acaba por suicidar-se. Este acontecimento faz despoletar uma situação de confronto e a direção do colégio acaba por afastar o professor Keating, a quem acusam de incentivar os alunos à desobediência.

 

A cena final é certamente a mais recordada por todos os que viram o filme. Na primeira aula com o novo professor, Keating vai à sala para recolher as suas coisas e, então, os alunos, um a um, põem-se em pé em cima da secretária e dirigem-se a ele com as palavras “Oh, Captain, my Captain!”. “Obrigado, rapazes”, são as últimas palavras do professor aos seus alunos.

 

Luís dos Anjos

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 01:45
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Quinta-feira, 21 de Setembro de 2017

Flavienses por outras terras

Banner Flavienses por outras terras

 

Carlos Minga

 

Nesta crónica do espaço “Flavienses por outras terras” vamos percorrer toda a Estrada Nacional 2, de Chaves até Faro, para encontrarmos o Carlos Minga.

 

Cabeçalho Carlos Minga.png

 

 

Onde nasceu, concretamente?

Nasci em Chaves.

 

Nos tempos de estudante, em Chaves, que escolas frequentou?

Frequentei a Escola Primária de Santa Cruz, a Escola E.B. 2,3 Nadir Afonso e a Escola Secundária Dr. Júlio Martins.

 

Em que ano e por que motivo saiu de Chaves?

Uma primeira saída, a qual durou um ano, em 1992, para cumprir o serviço militar obrigatório, em Lamego. Depois, uma segunda saída, em 1995, (definitiva) por razões profissionais.

 

Em que locais já viveu ou trabalhou?

Em Lamego, em Lisboa, no Porto, em Ponta Delgada e em Faro.

 

Diga-nos duas recordações dos tempos passados em Chaves:

Os tempos de estudante na Júlio Martins.

Uma pequena experiência musical que nunca mais esquecerei numa banda chamada “S-Gredo”.

As aventuras e os ensinamentos nos Escoteiros, mais concretamente no Grupo 86 da AEP (Associação de Escoteiros de Portugal) de Chaves.

Os tempos vividos com a minha outra metade – a Maria João, a qual veio a ser a mãe dos meus filhos e ao lado de quem tenho um já largo percurso de 25 anos.

 

Proponha duas sugestões para um turista de visita a Chaves:

Seguramente a zona das Termas e toda a sua envolvência, incluindo a Ponte Romana e a Taberna do Faustino.

 

Estando longe de Chaves, do que é que sente mais saudades?

Da cidade, das suas gentes, dos velhos amigos, da gastronomia, dos cheiros e sobretudo do antigo Jardim das Freiras…

 

Com que frequência regressa a Chaves?

Uma a duas vezes por ano.

 

O que gostaria de encontrar de diferente na cidade?

Gostava que houvesse um crescimento económico que contribuísse para que os Flavienses pudessem fixar-se na sua terra e não terem necessidade de sair à procura de um futuro noutras paragens.

 

Gostaria de voltar para Chaves para viver?

Claro que sim…

 

 

O espaço “Flavienses por outras terras” é feito por todos aqueles que um dia deixaram a sua cidade para prosseguir vida noutras terras, mas que não esqueceram as suas raízes.

 

Se está interessado em apresentar o seu testemunho ou contar a sua história envie um e-mail para flavienses@outlook.pt e será contactado.

 

Rostos até Carlos Minga.png

 

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 01:58
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Sexta-feira, 8 de Setembro de 2017

Vivências

vivenvias

 

Km 0

 

Há alguns anos, por altura da Páscoa, fomos com um casal amigo até Madrid. Visitámos a cidade e estivemos, inevitavelmente, na Puerta del Sol, a praça mais movimentada da capital espanhola. Algum tempo depois, em conversa com um colega de trabalho, perguntava-me ele se também fui tirar uma fotografia com um pé no “quilómetro zero”… Não percebi e, então, ele explicou-me que ali existe, assinalado no chão, o chamado “quilómetro zero”. Curioso, fui pesquisar um pouco na Internet e fiquei a saber que aquela marca está situada precisamente em frente à porta da antiga Real Casa de Correos (hoje o edifício tem outra funcionalidade) e serve de referência para a definição de distâncias, quer no interior da cidade de Madrid, quer relativamente a outras cidades espanholas, através das diversas estradas radiais que partem da capital. A marcação do “quilómetro zero” teve, pois, como função marcar um ponto que servisse de referência para as deslocações em território espanhol.

 

Alargando o âmbito desta reflexão, o “quilómetro zero” pode ser qualquer ponto de partida que nós definamos para depois chegarmos a um determinado destino. E tanto podemos estar a falar de uma deslocação em termos físicos (uma viagem ou uma caminhada, por exemplo), como podemos estar a falar de um percurso profissional, ou ainda de uma evolução mais pessoal, interior, ou até espiritual, se quisermos.

 

Vivemos, hoje mais do que nunca, numa sociedade extremamente competitiva, que valoriza essencialmente as metas, as chegadas, as conquistas… Tudo isso é importante e necessário, pois são os objetivos que nos fazem evoluir, quer seja em termos académicos, profissionais, familiares, desportivos, ou outros. Mas a verdade é que na ânsia de definir objetivos e de começar a lutar por eles, esquecemo-nos muitas vezes de perceber primeiro onde é que realmente estamos antes de partir… esquecemo-nos de marcar o nosso “quilómetro zero” - e isso faz toda a diferença.

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 00:28
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Quinta-feira, 24 de Agosto de 2017

Flavienses por outras terras

Banner Flavienses por outras terras

 

Sérgio Lousada

 

Nesta crónica do espaço “Flavienses por outras terras” vamos até à Ilha da Madeira.

 

Na cidade do Funchal vamos encontrar o Sérgio Lousada.

 

Cabeçalho Sérgio Lousada.png

 

Nos tempos de estudante, em Chaves, que escolas frequentou?

Frequentei a Escola Básica do 1º Ciclo do Caneiro, entre 1987 e 1991; a Escola Básica do 2º e 3º Ciclos Nadir Afonso, entre 1991 e 1996; e o Liceu Fernão de Magalhães, entre 1997 e 1999.

 

Em que ano e por que motivo saiu de Chaves?

Saí de Chaves em 2013 por falta de aposta, crédito por parte da direção da empresa onde exercia profissionalmente, que nunca considerou ninguém da “terra” para chegar ao topo da hierarquia.

Foram também motivos a minha ambição profissional e o facto de não ter medo de enfrentar novas condições de trabalho, bem como a recessão económica e profissional que se vivia em 2013.

 

Em que locais já viveu ou trabalhou?

Em Paris, entre 1981 e 1987; em Chaves, entre 1987 e 1999; em Guimarães, entre 1999 e 2004; novamente em Chaves, entre 2004 e 2013; e no Funchal, desde 2013 até aos dias de hoje.

 

Diga-nos duas recordações dos tempos passados em Chaves:

Primeiro, os tempos em que frequentei a Escola Básica do 1º Ciclo do Caneiro, onde passei parte da minha infância e desenvolvi amizades que ainda hoje mantenho e que muito prezo.

 

Depois, os tempos que aproveito em Chaves para acompanhar o Grupo Desportivo de Chaves (e já o faço desde pequenino, ainda andava na Escola Básica do 1º Ciclo do Caneiro), pois de facto é nos dias de hoje o único representante que enquadra com alguma frequência a cidade de Chaves no mapa de Portugal. Com este tópico criei uma rede de amigos de dimensão considerável, mas que têm algo em comum, um bichinho que nos torna a todos “Valentes Transmontanos”, que nos leva a acompanhar a nossa equipa por todo o lado.

 

Proponha duas sugestões para um turista de visita a Chaves:

Os monumentos históricos da cidade, e sem ordem de importância ou sem me querer esquecer de algum, irei destacar a Ponte Romana, a Torre de Menagem, as Termas de Chaves, o Forte de São Francisco, o Forte de São Neutel…

A nossa gastronomia local, e neste ponto não faço referências porque não quero prejudicar ou beneficiar nenhuma entidade.

 

Estando longe de Chaves, do que é que sente mais saudades?

Dos familiares (mãe e irmã) e amigos, dos tempos que passei com ambos. Saudades dos grupos de amigos com quem praticava alguma atividade desportiva (futsal) no velho gimnodesportivo de Chaves, que refira‐se tem muitas poucas condições para tal (inerência política).

 

Com que frequência regressa a Chaves?

Desloco-me regularmente, quase de mês a mês.

 

O que gostaria de encontrar de diferente na cidade?

Em relação a este campo teria muito que ressalvar, mas de forma sucinta vou referir o que gostava que ocorresse futuramente, porque até agora aquilo que foi feito na cidade de Chaves em nada ou praticamente nada melhorou a vida dos Flavienses.

 

A política deve ser usada para possibilitar o bem-estar e o desenvolvimento local, bem como para dinamizar a atratividade a terceiros pela nossa cidade. E aquilo que vou observando é que a cidade de Chaves se tornou numa cidade fantasma, que serve interesses de terceiros, onde não existem serviços de diversos setores, que em muito condicionam o bem-estar dos residentes locais. Poderia citar muitos exemplos, mas vou referir o facto de possuirmos em Chaves um hospital que equivale a um centro de saúde, não conseguirmos estimular o Ensino Superior, ficarmos sem uma série de serviços básicos que vemos fugir por ordem do poder central. Pressuponho que em função disto os habitantes de Chaves serão portugueses de segunda ou inevitavelmente as políticas que regem o nosso concelho são inadequadas.

 

A maior parte da juventude da nossa cidade para poder desenvolver uma atividade profissional teve de deixar a sua zona de conforto, dentro de Portugal ou mesmo para o exterior.

 

O que gostaria de ver em Chaves seria pessoas capazes de defenderem os reais interesses do povo Flaviense, e não somente preocupados com a sua imagem. Um bom político não deve ser reconhecido pela sua imagem, mas sim pelo que faz e desenvolve em função do cargo que exerce, pela defesa exaustiva dos interesses de quem o elegeu, sem ter ou denotar medo em relação ao poder central. Destes, em Chaves, reconheço muito poucos.

 

Posto isto, gostaria de ver em Chaves uma melhoria significativa dos serviços de saúde (estimular o Hospital local), serviços de ensino (dinamizar o Ensino Superior, criar cursos superiores devidamente conectados com o tecido empresarial, com empregabilidade local garantida), serviços empresariais (maximizar a instalação de empresas na zona industrial de Outeiro Seco), serviços desportivos (criar instalações desportivas, pois as existentes estão estagnadas no tempo), acessos rodoviários (pois apesar de existir auto estrada até Chaves, esta tem preços exorbitantes para a sua utilização frequente), medidas que visem dinamizar a fixação da nossa juventude em Chaves.

 

Mais teria para referir, mas ficarei por aqui, ressalvando que nada tenho contra os políticos ou pseudo-políticos locais.

 

Gostaria de voltar para Chaves para viver?

Possuo residência em Chaves. Não posso garantir o dia de amanhã, estou sempre predisposto a novos projetos profissionais, podendo estes passar pelo exercício profissional em Chaves ou não. Como será lógico em função do perfil profissional que exerço nos dias de hoje não serei facilmente enquadrável no tecido empresarial (público/privado) da nossa cidade. Portanto, à falta de melhor, terei que aguardar mais alguns anos, até à suposta reforma!

 

Funchal.JPG

 

O espaço “Flavienses por outras terras” é feito por todos aqueles que um dia deixaram a sua cidade para prosseguir vida noutras terras, mas que não esqueceram as suas raízes.

 

Se está interessado em apresentar o seu testemunho ou contar a sua história envie um e-mail para flavienses@outlook.pt e será contactado.

 

Rostos até Sérgio Lousada.png

 

 

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 00:43
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Sexta-feira, 11 de Agosto de 2017

Vivências

vivenvias

 

Pensar fora do retângulo

 

A forma como hoje olhamos o mundo já não é a mesma de outros tempos. Durante séculos, nas vilas e aldeias onde vivíamos, tínhamos a visão desafogada dos campos e das montanhas e conseguíamos ver a linha do horizonte, lá longe, onde o céu e a terra se encontravam numa fusão de cores. E à noite, em silêncio e sem luzes, conseguíamos ver todas as estrelas do firmamento.

 

Depois, deixámos este mundo rural e quisemos construir outro. Mudámo-nos para as grandes cidades, que se tornaram ainda maiores, trocámos as ruas estreitas pelas avenidas largas, e as casas de pedra pelos apartamentos “T-qualquer coisa”, em construções cada vez mais altas, que, a pouco e pouco, foram limitando o nosso campo de visão. Deixámos de ver os campos, as montanhas, a linha do horizonte… e muitas vezes até o próprio sol e as estrelas… Então, para estreitar ainda mais a nossa visão, apareceram os écrans nas nossas vidas; primeiro, a televisão, e depois tudo o resto: o computador, o telemóvel, o smartphone, o tablet, o GPS… E, assim, com todas estas novas tecnologias (pese embora as suas enormes vantagens para a evolução da nossa sociedade), limitamo-nos hoje a ver quase exclusivamente ao perto, ao alcance da nossa mão, ou, quando muito, à distância que vai do sofá até à televisão. As nossas rotinas diárias, quer em casa quer no trabalho, passaram a incluir um número cada vez maior de horas a olhar para écrans, uns maiores, outros mais pequenos, onde milhões de pixéis coloridos nos criam em cada segundo um novo mundo, onde tudo parece acontecer, mas onde, na verdade, nada acontece realmente… A nossa capacidade de olhar mais longe, de nos orientarmos no espaço à nossa volta, de focar um ponto distante está, pois, a perder-se… E porque a forma de pensar o mundo depende (e muito) da forma como o vemos, esta nova realidade está a limitar a nossa capacidade de pensar “fora do quadrado”, ou melhor dizendo, fora do retângulo…

 

Luís dos Anjos

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 00:34
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Sexta-feira, 14 de Julho de 2017

Vivências

vivenvias

 

Tudo isto existe…

 

Um amanhecer que vence a escuridão…

Uma flor que desabrocha discretamente…

Uma chuva que cai dispersa…

Um raio de sol que aquece…

Um arco-íris que risca o céu…

Uma porta que se entreabre…

Uma muralha que se desmorona…

 

Uma mão aberta que se estende…

Um coração que de amor transborda…

Um olhar que envolve e procura…

Uns lábios que baixinho murmuram…

Um sorriso que encurta distâncias…

Uma lágrima que teima em escorregar…

Um gesto que rasga o espaço…

 

Um pássaro que canta no bosque…

Uma onda que esbarra na praia…

Uma estrela que cintila no céu…

Uma fonte que nos traz frescura…

Uma janela que nos traz a Primavera…

 

Um relógio que marca o tempo…

Uma caneta que percorre o papel…

 

Tudo isto existe…

 

Luís dos Anjos

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 22:59
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Quinta-feira, 22 de Junho de 2017

Flavienses por outras terras

Banner Flavienses por outras terras

 

Elisabete Carvalho

 

Nesta crónica do espaço “Flavienses por outras terras” vamos até à cidade da Maia, nos arredores do Porto, onde vamos encontrar a Elisabete Carvalho.

 

Cabeçalho - Elisabete Carvalho.png

 

Onde nasceu, concretamente?

Nasci em Valpaços, mas fui viver para Chaves com um ano de idade.

 

Nos tempos de estudante, em Chaves, que escolas frequentou?

Frequentei a Escola Primária de Santa Cruz, o Ciclo, e a Escola Secundária Fernão de Magalhães.

 

Em que ano e por que motivo saiu de Chaves?

Saí em 2014, por motivos profissionais do meu marido.

 

Em que locais já viveu ou trabalhou?

Em Chaves e na Maia.

 

Diga-nos duas recordações dos tempos passados em Chaves:

As recordações são muitas e é impossível nomear apenas duas…, mas recordo com carinho as tardes passadas com os amigos nas Caldas de Chaves, um espaço com bares e cafés com esplanadas incríveis, e com o calor que se fazia sentir era maravilhoso.

Outra das recordações é a do local onde vivi, Santa Cruz, e das brincadeiras com os amigos, o convívio com os vizinhos e a sensação de pertencermos todos a uma grande família.

 

Proponha duas sugestões para um turista de visita a Chaves:

A principal é a gastronomia, nomeadamente os Pastéis de Chaves e o famoso fumeiro. Depois, visitar toda a cidade, muito bonita e rica em património.

 

Estando longe de Chaves, do que é que sente mais saudades?

Sinto muitas saudades da minha "gente", do calor do Verão, da paz e do sossego e de não haver trânsito.

 

Com que frequência regressa a Chaves?

Vou algumas vezes a Chaves, visto que não estou muito longe, mas não sei quantificar.

 

O que gostaria de encontrar de diferente na cidade?

Só gostava que Chaves crescesse e houvesse mais oportunidades.

 

Gostaria de voltar para Chaves para viver?

Gostava, mas não é um assunto que me faça pensar, pois tenho uma filha pequena e com certeza que ela vai ficar por aqui e nós ficaremos com ela, fazendo sempre umas visitas a Chaves.

 

 

O espaço “Flavienses por outras terras” é feito por todos aqueles que um dia deixaram a sua cidade para prosseguir vida noutras terras, mas que não esqueceram as suas raízes.

 

Se está interessado em apresentar o seu testemunho ou contar a sua história envie um e-mail para flavienses@outlook.pt e será contactado.

 

Rostos até Elisabete carvalho.png

 

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 00:53
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Sexta-feira, 9 de Junho de 2017

Vivências

vivenvias

 

Eu agradeço a um professor

 

 

Junho de 2012.

 

Está a ser amplamente difundido pelo Facebook, mas acabei por saber, por mero acaso, num pequeno cartaz afixado na porta de um centro de explicações. O movimento chama-se “Eu agradeço a um professor” e um dos seus objetivos é levar-nos a recordar aquele ou aqueles professores que mais nos marcaram ao longo do nosso percurso escolar. Olho para trás em busca dos rostos e dos nomes dos meus professores e a primeira constatação é que não me lembro da grande maioria deles, facto que deixa de me parecer estranho quando calculo que ao longo da minha vida terão sido bem mais de uma centena aqueles que contribuíram, uns mais outros menos, para a minha formação académica.

 

Lembro-me, no entanto, de vários, desde a escola primária ao ensino superior, e da maioria deles por boas razões. Lembro-me daquela professora de Secretariado a quem preparámos uma festa surpresa no dia do seu aniversário e a quem oferecemos uma lembrança como forma de reconhecimento por tudo aquilo que fez por nós. Lembro-me daquela professora de Contabilidade que frequentemente se atrasava e por quem nós esperávamos, já depois do “2º toque”, depois de a termos visto da janela do 3º piso a entrar, em passo apressado, no portão da escola. E lembro-me também daquele professor de Cultura e Civilização Portuguesa com quem passámos várias aulas a descortinar a verdadeira origem do vaso campaniforme, facto que, como é óbvio, em nada contribuiu para o meu futuro…

 

Não fui à página do movimento deixar qualquer testemunho ou agradecimento, pois também não saberia se seriam lidos por aqueles a quem me iria dirigir. Mas agradeço aqui a todos os meus professores: aos que souberam ser exigentes quando tal era necessário, aos que souberam ser compreensivos, aos que souberam preocupar-se, aos que souberam motivar e dar esperança, aos que souberam, pela sua postura e pelas suas atitudes, transmitir valores, para além de conteúdos… A todos devo parte do que hoje sou. Obrigado!

 

Luís dos Anjos

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 01:33
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Quinta-feira, 25 de Maio de 2017

Flavienses por outras terras - Miguel Oliveira

Banner Flavienses por outras terras

 

Miguel Oliveira

 

Nesta crónica do espaço “Flavienses por outras terras” vamos novamente até ao Brasil, mais concretamente até Juazeiro, uma cidade cujo nome coincide com o de uma árvore típica desta zona semiárida do Brasil, cujos frutos, do tamanho de uma cereja, são extremamente apreciados e utilizados para fazer compotas.

 

É em Juazeiro que vamos encontrar o Miguel Oliveira.

 

Cabeçalho - Miguel Oliveira.png

 

 

Onde nasceu, concretamente?

Nasci na freguesia de Santa Maria Maior, em Chaves.

 

Nos tempos de estudante, em Chaves, que escolas frequentou?

Frequentei a Escola Primária da Estação, a Escola EB 2/3 Nadir Afonso, a Escola Secundária Dr. Júlio Martins e a Escola Secundária Fernão de Magalhães.

 

Em que ano e por que motivo saiu de Chaves?

Saí em 1994 para frequentar a Escola Superior Agrária de Coimbra.

 

Em que locais já viveu ou trabalhou?

Em Coimbra, em Mortágua, em Matosinhos, em Paredes de Coura, na Póvoa de Varzim e no Brasil, nas cidades de Passos (Minas Gerais), Salvador (Bahia) e atualmente em Juazeiro (Bahia).

 

Diga-nos duas recordações dos tempos passados em Chaves:

Recordo os dias em que caía neve… Era extraordinário brincar com a neve, fazer bonecos, bolas de neve… Recordo também os passeios ao fim de semana para acompanhar o glorioso Desportivo de Chaves nas suas deslocações fora de casa.

 

Proponha duas sugestões para um turista de visita a Chaves:

Conhecer a excelente gastronomia, sem esquecer os deliciosos pastéis de carne, o fumeiro, entre tantas outras coisas. Visitar os diversos monumentos espalhados pela cidade e as termas medicinais.

 

Estando longe de Chaves, do que é que sente mais saudades?

Saudades da família, dos amigos, e da cidade em geral.

 

Com que frequência regressa a Chaves?

A cada 2 anos.

 

Gostaria de voltar para Chaves para viver?

Sim, gostaria, mas não durante o período de Inverno, pois considero rigoroso demais. Assim sendo, gostaria de passar meio ano em Chaves e meio ano no Brasil.

 

Pôr do sol na  travessia de barco de Juazeiro par

 

O espaço “Flavienses por outras terras” é feito por todos aqueles que um dia deixaram a sua cidade para prosseguir vida noutras terras, mas que não esqueceram as suas raízes.

 

Se está interessado em apresentar o seu testemunho ou contar a sua história envie um e-mail para flavienses@outlook.pt e será contactado.

 

Rostos até Miguel Oliveira.png

 

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 17:44
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Quinta-feira, 18 de Maio de 2017

Fugas - Por terras do Alto Minho

Fugas - banner

 

Por terras do Alto Minho

 

 2011. O calendário avança e o período de férias aproxima-se. Em família começamos a pensar no destino: Sul ou Norte? O azul do mar ou o verde da montanha? O marulhar das ondas ou o canto dos pássaros? Venceram o Norte, o verde e o canto dos pássaros. Preparam-se as malas, a máquina fotográfica, os óculos de sol… e um mapa, pois o GPS ainda não faz parte das nossas aquisições. Mais importante que tudo isto, e com a vantagem de não ocupar espaço na bagageira do carro, levamos também boa disposição e vontade de descobrir novos e agradáveis recantos deste país.

 

Partimos, então, para Valença, no Alto Minho. De paragem em paragem, pois não temos pressa, vamos subindo pelo mapa, sempre junto ao litoral, até que em Caminha o mar fica para trás e passa a ser o Rio Minho a acompanhar-nos no resto da viagem, indicando-nos que Espanha é já ali, na outra margem.

 

Em Valença descobrimos uma cidade fortificada, memória de um passado longínquo de disputas territoriais entre os reinos ibéricos. Passeamo-nos descontraidamente no interior das suas muralhas, visitamos algumas lojas de artesanato e, por fim, passamos pelo posto de turismo para obter mais algumas informações sobre a região.

 

Palácio da Brejoeira.jpg

 Fotografia de Luís dos Anjos

Nos dias seguintes, subimos um pouco mais e vamos até à vila de Monção, também nas margens do Rio Minho e com Espanha à vista. E como estamos na região do vinho Alvarinho, não podemos deixar de visitar o Palácio da Brejoeira, seguramente um dos mais belos de todo o Norte de Portugal, mandado construir no início do século XIX e classificado como monumento nacional desde 1910. Aqui, nos 18 hectares de vinha que se estendem ao redor do palácio, é produzido um dos mais afamados vinhos da casta Alvarinho.

 

Ainda mais a Norte fica Melgaço, mas a visita terá de ficar para uma próxima oportunidade, pois ainda queremos conhecer Vila Nova de Cerveira, onde uns dias antes, de passagem, pudemos observar a estátua de um cervo no alto da montanha, e saber da lenda que terá estado na origem do nome desta localidade.

 

Na hora do regresso a casa sentimos já uma vontade de voltar em breve para novas descobertas.

 

Luís dos Anjos

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 01:11
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Sexta-feira, 12 de Maio de 2017

Vivências

vivenvias

 

Recordando o “Força Construtora”

 

O título desta crónica remete-nos para o final da década de 80 e início da década de 90 e para o movimento de grupos de jovens ligados à Igreja que naqueles anos existia na cidade de Chaves.

 

Capa livro.jpg

 

O grupo “Força Construtora”, ao qual pertenci desde a sua criação até ao último momento, era um desses grupos e reunia essencialmente jovens da zona de Santa Cruz e do Bairro da Trindade, mas também de outros pontos mais distantes, como a estrada de Outeiro Seco ou a Fonte do Leite. O grupo surgiu no final de 1988 por iniciativa do Padre José Banha, que chegou para assumir a criação da nova paróquia naquela zona da cidade. Para além das habituais reuniões semanais onde se debatiam os mais variados temas, o grupo desenvolveu muitas outras atividades, tais como, encenações, encontros de oração, animações da Eucaristia (umas vezes na Igreja da Trindade, outras na Igreja de Santa Cruz, pois a Igreja Paroquial ainda não era mais do que um projeto), encontros com outros grupos da cidade e da região, caminhadas ao São Caetano… Foram tempos vividos com uma grande energia e uma entrega total, como é próprio nos jovens que acreditam naquilo que fazem.

 

Foto 2 - Firmino Vital.jpg

Foto gentimente cedida por Firmino Vital

Foto 3 - Hélia Silva.jpg

 Foto gentimente cedida por Hélia Silva

Foto 1 - Norberto Costa.jpg

Foto gentimente cedida por Norberto Costa

 

Em janeiro de 1992, o grupo deu por terminadas as suas atividades e recordo-me que, contrariamente ao que era hábito, foi na Igreja de Santa Cruz que decorreu a última reunião (já não sei qual terá sido o motivo). Dos cerca de 40 jovens que chegaram a integrar o grupo restava apenas uma meia dúzia com disponibilidade para continuar, pois com o passar dos anos as circunstâncias e as responsabilidades de cada um foram mudando: a ida para a Universidade, a tropa, o trabalho, o casamento…

 

Rostos Força Construtora 1.jpg

Rostos Força Construtora 2.jpg

 

Em 1993, por iniciativa de um pequeno grupo dos seus antigos elementos (eu, incluído), foram registados em livro os três anos de vida do “Força Construtora”. Dos vários testemunhos recolhidos na altura recordo perfeitamente um que dizia, textualmente: “Força Construtora é mais do que uma recordação... é algo que vive”.

 

É verdade! E já lá vão 25 anos!

 

Luís dos Anjos

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 01:42
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Quinta-feira, 27 de Abril de 2017

Flavienses por outras terras

Banner Flavienses por outras terras

 

Sandrina Fernandes

 

Nesta crónica do espaço “Flavienses por outras terras” vamos até à Área Metropolitana do Porto.

 

Em Valongo, designação que resulta da evolução de “Vallis Longus”, ainda perduram importantes vestígios da extração de ouro no tempo dos Romanos, e é lá que vamos encontrar a Sandrina Fernandes.

 

Cabeçalho - Sandrina Fernandes.png

 

Onde nasceu, concretamente?

Nasci em Chaves, no “hospital velho”.

 

Nos tempos de estudante, em Chaves, que escolas frequentou?

Frequentei a Escola Primária do Caneiro, a Escola Preparatória nº 1 e a Escola Secundária Dr. António Granjo.

 

Em que ano e por que motivo saiu de Chaves?

No ano 2000 fui para Vila Nova de Gaia acabar o 12° ano e em 2001 entrei no Instituto Politécnico de Bragança.

 

Em que locais já viveu ou trabalhou?

Já vivi em Vila Nova de Gaia, em Bragança e agora em Valongo. Trabalhei em Chaves, na Região de Turismo, no Porto, na Porto editora, em centros de estudos em Valongo (fui proprietária de dois), e agora trabalho num Colégio.

 

Diga-nos duas recordações dos tempos passados em Chaves:

A liberdade e o sentimento de segurança.

 

Estando longe de Chaves, do que é que sente mais saudades?

Saudades dos meus pais, da minha infância, da vida sem preocupações...

 

Com que frequência regressa a Chaves?

Normalmente ia a Chaves todos os meses, até porque sou muito “agarrada” aos meus pais, mas agora tenho dois filhos e com o meu trabalho e o do meu marido e as atividades do meu filho mais velho, a ida a Chaves torna-se mais complicada, com muita pena minha…

 

Gostaria de voltar para Chaves para viver?

Voltar a viver em Chaves é uma pergunta difícil... Adoro Chaves, adoro toda a sua envolvência, no entanto a minha vida agora não é lá. Não posso dizer nunca, mas num futuro próximo não me vejo a voltar.

 

 

O espaço “Flavienses por outras terras” é feito por todos aqueles que um dia deixaram a sua cidade para prosseguir vida noutras terras, mas que não esqueceram as suas raízes.

 

Se está interessado em apresentar o seu testemunho ou contar a sua história envie um e-mail para flavienses@outlook.pt e será contactado.

 

Rostos até Sandrina Fernandes.png

 

 

 

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 00:00
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Sexta-feira, 14 de Abril de 2017

Vivências

vivenvias

O início de uma nova era?

No nosso percurso escolar, nas aulas de História, e desde que tenhamos estado atentos à matéria, aprendemos que o tempo se pode dividir em 5 grandes épocas ou idades: a Pré-História, que abrange o período desde o aparecimento do Homem na Terra até ao surgimento da escrita, por volta do ano 4000 a.c.; a Idade Antiga, que se prolonga até à queda do Império Romano do Ocidente, em 476 d.c.; a Idade Média, até à queda do Império Romano do Oriente, em 1453; a Idade Moderna que termina em 1789, ano da Revolução Francesa; e, finalmente, a Idade Contemporânea, aquela na qual vivemos hoje. Mas a história da Terra e da Humanidade é uma história de contínua evolução, transformação, adaptação a novos tempos e a novas circunstâncias e, por isso mesmo, não vamos, obviamente, permanecer para sempre nesta denominada Idade Contemporânea.

 

Nas últimas décadas, e em particular no início deste novo milénio, assistimos a uma evolução sem precedentes. A ciência e a tecnologia proporcionam-nos hoje, a todos os níveis, possibilidades com as quais nem sequer sonhávamos há apenas alguns anos atrás. De repente, tudo nos parece fácil de obter e a Internet colocou-nos o mundo na palma da mão, ou na ponta dos dedos, se preferirmos, à distância de meia dúzia de cliques. Mas a verdade é que, simultaneamente, entrámos numa grave crise que começou por ser apenas económica, mas é, afinal, bem mais do que isso. E para ultrapassar esta crise, quer no plano económico, quer em qualquer outro plano, serão necessárias novas atitudes, novas ideias, novas posturas perante a vida, perante as coisas e perante aqueles que nos rodeiam, um novo entusiasmo, uma nova energia…

 

A mudança para uma nova “idade”, cujo nome e contornos não podemos ainda imaginar, pode estar prestes a começar sem que nos estejamos verdadeiramente a aperceber…

Luís dos Anjos

´
publicado por Fer.Ribeiro às 00:30
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Quinta-feira, 23 de Março de 2017

Flavienses por outras terras

Banner Flavienses por outras terras

 

Filipe Silva

 

Nesta crónica do espaço “Flavienses por outras terras” vamos até ao Sudeste Asiático, mais concretamente até Timor-Leste, uma antiga colónia portuguesa que corresponde à metade oriental da ilha de Timor, no vasto arquipélago indonésio.

 

Em Díli, a capital do país, vamos encontrar o Filipe Silva.

 

Cabeçalho - Filipe Silva.png

 

 

Onde nasceu, concretamente?

Nasci em Santa Maria Maior, mas os meus pais vivem em Soutelinho da Raia (aldeia onde cresci).

 

Nos tempos de estudante, em Chaves, que escolas frequentou?

Frequentei a Escola Primária de Soutelinho da Raia, depois fui aluno da Telescola nos 5º e 6º anos, e frequentei a Escola Secundária Fernão de Magalhães.

 

Em que ano e por que motivo saiu de Chaves?

Saí de Chaves em 1993, tendo ido frequentar o Ano Propedêutico da Faculdade de Filosofia da Universidade Católica de Braga.

 

Em que locais já viveu ou trabalhou?

Soutelinho da Raia, Braga e Díli.

 

Diga-nos duas recordações dos tempos passados em Chaves:

Tenho saudades de muitas coisas que vivi na infância e com as quais, com o decorrer do tempo, fui perdendo o contacto, nomeadamente os períodos das vindimas, da matança do porco e das “cegadas” (havia sempre muita gente e muito convívio). 

Claro que também recordo com saudade os tempos do “Liceu” e os amigos que fiz nessa altura. No entanto, lembro-me especialmente dos períodos em que os emigrantes vinham passar férias à minha aldeia e o número de pessoas praticamente triplicava. Parecia que a aldeia ganhava “outra vida”…

 

Proponha duas sugestões para um turista de visita a Chaves:

Visitar as Termas e a Zona Histórica da cidade, incluindo o Castelo.

 

Estando longe de Chaves, do que é que sente mais saudades?

Da família e dos amigos.

 

Com que frequência regressa a Chaves?

Não tenho uma frequência regular e sempre que tenho ido tem sido por períodos muito curtos (3 ou 4 dias).

 

Gostaria de voltar para Chaves para viver?

Por razões profissionais, não me parece ser possível que isso se concretize. No entanto, gostaria de ter a possibilidade de “passar” mais tempo em Chaves.

 

Foto Timor.JPG

 

O espaço “Flavienses por outras terras” é feito por todos aqueles que um dia deixaram a sua cidade para prosseguir vida noutras terras, mas que não esqueceram as suas raízes.

 

Se está interessado em apresentar o seu testemunho ou contar a sua história envie um e-mail para flavienses@outlook.pt e será contactado.

 

Rostos até Filipe Silva.png

 

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 00:38
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Sexta-feira, 10 de Março de 2017

Vivências

vivenvias

 

Quem nunca...

 

 

Quem nunca escreveu o seu nome numa árvore?

Quem nunca ficou deslumbrado com a beleza de um pôr-do-sol?

Quem nunca ficou preso até de madrugada às páginas de um livro?

Quem nunca desenhou corações nos cadernos da escola?

Quem nunca deixou uma lágrima escorregar discretamente ao canto do olho?

Quem nunca fez aparecer um sorriso no rosto triste de um amigo?

Quem nunca viu um olhar brilhar intensamente?

Quem nunca viu um rosto irradiar felicidade?

Quem nunca sentiu o coração bater forte ao ver aproximar-se alguém por quem tanto esperava?

Quem nunca sentiu prazer em andar à chuva, de braços abertos e rosto virado para o céu?

Quem nunca parou para admirar um arco-íris?

Quem nunca sentiu no rosto o calor de uma lareira num dia frio de inverno?

Quem nunca ficou na cama até mais tarde só para ouvir a chuva a cair?

Quem nunca quis trepar a uma árvore ou esconder um tesouro?

Quem nunca ficou sentado na areia a observar as ondas esbarrarem na praia?

Quem nunca observou as formas fantásticas que as nuvens desenham no azul do céu?

Quem nunca se rebolou na relva de um jardim?

Quem nunca se emocionou ao ouvir chamar “mamã” ou “papá”?

Quem nunca comeu fruta apanhada das árvores?

Quem nunca adormeceu de cansaço?

Quem nunca sonhou com novos horizontes?

Quem nunca desejou desaparecer?

Quem nunca procurou desesperadamente um olhar?

Quem nunca confiou os seus segredos ou mágoas a uma folha de papel?

Quem nunca teve medo das sombras ou do escuro da noite?

Quem nunca quis guardar só para si um pedaço de luar ou o brilho das estrelas?

Quem nunca sentiu, ainda que só por uma vez, uma destas sensações, então... é porque não viveu!

 

Luís dos Anjos

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 00:00
link do post | comentar | favorito
|  O que é?

.Fotos Fer.Ribeiro - Flickr

frproart's most interesting photos on Flickriver

.meu mail: blogchavesolhares@gmail.com

.Outubro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9

15

22
24
25
26
27
28

29
30
31


.pesquisar

 
ouvir-radioClique no rádio para sintonizar

 

 

El Tiempo en Chaves

.Facebook

Fernando Ribeiro

Cria o teu cartão de visita Instagram

.subscrever feeds

.favorito

. Solar da família Montalvã...

.posts recentes

. Vivências

. Flavienses por outras ter...

. Vivências

. Flavienses por outras ter...

. Vivências

. Vivências

. Flavienses por outras ter...

. Vivências

. Flavienses por outras ter...

. Fugas - Por terras do Alt...

. Vivências

. Flavienses por outras ter...

. Vivências

. Flavienses por outras ter...

. Vivências

blogs SAPO

.Blog Chaves no Facebook

.Veja aqui o:

capa-livro-p-blog blog-logo

.Olhares de sempre

.links

.tags

. todas as tags

.arquivos

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

Add to Technorati Favorites