Sábado, 28 de Novembro de 2009

A teimosia da pedra - Chaves Rural, Portugal

 

.

 

A teimosa da pedra vai-se mantendo de pé. Habituada que está à sua idade milenar, cairá só, e quando, nada tiver para a sustentar. Teimosamente continuará na função que lhe destinaram, de pedra sobre pedra, construir um abrigo, uma casa, um lar. Teimosa, deixa-se invadir por musgos e verdetes. Alheia a tudo e a todos diz teimosamente presente e, só a fúria da natureza que a pariu, terá força, um dia, para a tombar. Mas isso, será um dia…

.

 

.

Aqui e ali, um pouco por todo o lado, mas sobretudo na montanha de onde quase sempre sai, quase sempre fica. Teimosa, estática, adormecida. Nem o bater das portas e janelas abandonadas, entregues a si próprias, num vai e vem constante se o vento sopra, terá força para a acordar e teimosamente, continuará adormecida. Com adorno ou sem adorno, continuará a ostentar a sua presença.

.

 

.

Mas nem toda a pedra tem a mesma condição e, embora teimosamente seja a mesma, a algumas destinaram-lhe a nobreza dos templos. Assumida a arte da cantaria, da mestria dos relevos, deixa a natureza milenar para assumir a beleza secular dos tempos e dos templos que, embora carregados de fé, outrora dos Deuses, hoje de um Deus só, nem sempre têm a salvação garantida e, embora teimosamente lá, no sítio da sua condição, nem sempre tem a condição do sítio.

 

Há no entanto finais felizes e, o homem que corta, talha e ergue a pedra, às vezes, talvez num arremesso de alguma dignidade, lembra-se da nobreza e da dignidade que as pedras da fé devem ter.

´
publicado por Fer.Ribeiro às 03:57
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
|  O que é?
Domingo, 23 de Agosto de 2009

Aldeias de Chaves - Portugal

Mosteiró de Baixo

.

Olá!  Penso que estou de regresso à quase normalidade do blog, pois esta semana que passou, é para esquecer, uma verdadeira semana de inferno, não só pelo calor próprio destes três meses de inferno, mas também pela PT, Portugal Telecom, que me brindou com uma semana inteirinha sem internet e 6 dias sem telefone  e, diga-se a verdade, foi graças e com recurso à cunha que consegui ter o serviço restabelecido. Pois é, parece que a PT com números de facturação, até funciona bem, agora com avarias, continua a ser uma empresa tipo “terceiro mundista” que pouco ou nada se preocupa com os seus clientes… mas é melhor ficar caladinho, pois com os tempos que correm, as represálias parecem estar de volta e, enquanto não tiver alternativas aos seus serviços, o melhor mesmo é não fazer muitas ondas.

.

Póvoa de Agrações

.

 

Enfim, já estava com algumas saudades de  vir aqui ao fim do dia com uns devaneios sentidos.

 

Como calhou regressar por aqui num Domingo, não poderia esquecer que os fins-de-semana são para as nossas aldeias, mas como o tempo ainda é pouco, vamos ficando apenas com algumas imagens que não couberam no post da aldeia.

 

Entretanto ainda não esqueci as aldeias que ainda não tiveram por aqui post alargado. Foi prometido que todas passariam por aqui e hão-de passar, mantenho a promessa e, podem ficar descansados, pois não é promessa de político.

 

Entretanto o blog está na rua, mais propriamente em exposição de fotografia no foyer do antigo cine teatro de Chaves onde, não couberam todas as aldeias nem freguesias, mas onde mesmo assim consegui arranjar espaço para a nossa ruralidade se bater com as modernidades da cidade e, até, um pequeno espaço para o fio azul, o melhor.

 

.

Matosinhos

.

 

Sobre a exposição e inauguração, mais logo, talvez deixe por aqui uma pequena reportagem, mas desde já agradeço a todos os amigos que me brindaram com a sua presença, e também com um agradecimento especial para as empresas que tornaram possível receber os amigos em inauguração com alguma dignidade.

 

Obrigado a todos. Aos amigos que não foi possível estarem presentes na inauguração, a exposição continuará patente ao público até meados de Setembro.

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 02:35
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|  O que é?
Sábado, 23 de Maio de 2009

Mosaico da Freguesia de São Julião de Montenegro

.

Com algum esforço fiz com que, de esse lado, não se apercebessem da minha falta de dedicação ao blog no último mês. Concerteza que os mais atentos se aperceberam da leviandade com que o tratei, principalmente nesta rubrica dedicada às aldeias, mas como não há mal que sempre dure, estou de regresso, com o melhor que temos por cá, principalmente as nossas aldeias, mas também com o olhar atento sobre a cidade.

 

Assim, e, como era hábito,  aos Sábados tínhamos por aqui os mosaicos das freguesias e, vamos continuar a ter. Hoje com o mosaico da freguesia de Terras de Montenegro, ou seja, com o Mosaico de São Julião de Montenegro.

 

Pois S.Julião é sede da freguesia constituída pela própria aldeia de S.Julião e pelas aldeias de Mosteiró de Baixo e Limãos.

 

 

Localização:

Com S.Julião e Mosteiró de Baixo a 12 Km da cidade e Limãos a 15km, a freguesia situa-se na orla Nascente e limite do concelho de Chaves, confrontando com o concelho vizinho de Valpaços.

 

Confrontações:

Confronta com as freguesias de Alvarelhos, Ervões e Friões do Concelho de Valpaços e, com as nossas freguesias de Nogueira da Montanha (num único ponto), Cela, Eiras, Faiões (também num único ponto), Águas Frias e Oucidres. Só para esclarecer, quando digo que a confrontação se dá num único ponto, é porque de facto assim acontece, quando num ponto coincidem os limites de 4 freguesias.

 

.

.

 

Coordenadas: (Junto ao Cruzeiro de S.Julião)

41º 42’ 54.75”N

7º 23’ 37.56”W

 

Altitude:

Variável – Entre 700m e os 800m

 

Orago da freguesia:

São Julião

 

Área:

15,29 km2.

 

Acessos (a partir de Chaves):

– Estrada Nacional 213, a tal que liga as duas cidades de Chaves e Valpaços onde recentemente se gastaram rios de dinheiro para ficar tudo na mesma, ou quase, pois por acaso, a excepção, até vai para o troço de estrada junto a São Julião onde se atenuaram meia-dúzia de curvas, mas só aqui.

 

.


.

 

 

Aldeias da freguesia:

                - São Julião de Montenegro.

                - Mosteiró de Baixo.

                - Limãos.

 

População Residente:

                Em 1900 – 438 hab.

                Em 1920 – 393 hab.

Em 1940 – 512 hab.

                Em 1950 – 583 hab.

                Em 1970 – 429 hab.

                Em 1991 – 268 hab.

                Em 2001 – 293 hab.

 

Bem longe dos seus 583 habitantes de 1950, a freguesia atingiu o seu ponto mais baixo em 1991, tendo uma ligeira recuperação em 2001, mas creio que só aparente, pois conhecendo a realidade das aldeias da freguesia, principalmente Limãos e Mosteiró, penso que a linha de tendência decrescente se vai manter.

 

.

.

 

Principal actividade:

- A agricultura em regime de subsistência. Em tempos, nos meados do século passado, existiu na freguesia uma importante exploração mineira, desactivada no pós II Guerra Mundial.

 

Particularidades e Pontos de Interesse:

Geograficamente falando, é uma freguesia de transição do concelho de Chaves para o de Valpaços, aliás para conseguirmos (por estrada) chegar a Limãos, temos que entrar no concelho de Valpaços e passar por uma das suas aldeias (Barracão), ocupando Limãos já a vertente da montanha que descai para a cidade de Valpaços. Já com S.Julião e Mosteiró de Baixo, passa-se precisamente o contrário, pois encontram-se ambas na vertente da Serra (Brunheiro) que descai para o Vale de Chaves. Mas seja em que vertente esteja da montanha, são por isso mesmo, aldeias de montanha, que conhecem bem o rigor dos invernos de estar lá bem no alto delas, principalmente S.Julião, que lá no topo, recebe logo os primeiros frios de inverno e também os primeiros nevões.

 

S.Julião é das poucas terras e freguesias que ainda mantém o antigo topónimo de Montenegro, ligada a antiga e extinta circunscrição concelhia, no entanto pensa-se que as suas terras não tenham um povoado antigo, localizando-se o seu povoado à época pré-nacional da reconquista e ligado ao vizinho Castelo das Eiras, que entretanto também desapareceu.

 

O seu principal valor patrimonial é mesmo o da Igreja Paroquial de São Julião, de raiz arquitectónica medieval e estilo românico, muito semelhante a Igreja de Moreiras. Despida da sua frontaria original , que se julga ter ruído no terramoto de 1755, foi reconstruída com estilo setecentista, com um portal rectangular simples e remate de dupla sineira. Na aldeia referem também que este frontal teria ruído também por alturas de um ciclone dos inícios do século passado, que é muitas vezes referido pela população mais velha do concelho. No entanto não há provas documentais que atestem a veracidade desta afirmação.

 

.

 

.

 

A igreja é sem dúvida alguma um exemplar do Românico a ter em atenção, pese as alterações que lhe foram introduzidas, mantém a sua cachorrada em bom estado, desenvolvendo-se junto a ela, em pequenos panos de parede,  desenhos em relevo muito originais e (penso que únicos), nas igrejas e capelas do românico da região.

 

A população anseia por concluir o restauro interior da igreja, mas não tem dinheiro para tal. Pena e lamentável é que tenha de ser a população a preocupar-se com o restauro da igreja e, que não haja uma entidade oficial e responsável que preserve e recupere um património que é de todos e que atrai muitos visitantes, incluindo estrangeiros. É sem dúvida lamentável que isto aconteça, quando se esbanja tanto dinheiro em obras só para encher o olho do eleitor ou para tudo ficar como dantes, como aconteceu com a estrada nacional que por sinal passa bem próxima desta Igreja. Com tanto desinteresse pelas riquezas das aldeias, culturais, sociais, tradicionais e patrimoniais, não admira que os seus sejam atraídos pelas luzes das cidades e as abandonem. É este o Portugal que temos, ao qual já estamos habituados. Também para as aldeias, deveriam ser criadas novas oportunidades, mas a sério, sustentadas… pois dói ver a morte lenta desta aldeias, onde quase e só, os resistentes resistem, mas, e só, até ao dia do último resistente.

Para terminar, como de costume, fica o link para os post’s dedicados a cada uma das aldeias da freguesia.

 

Linck para os posts neste blog dedicados às aldeias da freguesia:

 

                - S.Julião - http://chaves.blogs.sapo.pt/374521.html

 

                - Mosteiró de Baixo - http://chaves.blogs.sapo.pt/369150.html

 

                - Limãos - http://chaves.blogs.sapo.pt/329659.html

 

Até amanhã, com mais uma aldeia de Chaves.

´
publicado por Fer.Ribeiro às 03:03
link do post | comentar | favorito
|  O que é?

.Fotos Fer.Ribeiro - Flickr

frproart's most interesting photos on Flickriver

.meu mail: blogchavesolhares@gmail.com

.Fevereiro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9


20
21
22
23
24

25
26
27
28


.pesquisar

 
blogs SAPO
ouvir-radioClique no rádio para sintonizar

 

 

El Tiempo en Chaves

.Facebook

Fernando Ribeiro

Cria o teu cartão de visita Instagram

.subscrever feeds

.favorito

. Blog Chaves faz hoje 13 a...

. Solar da família Montalvã...

.posts recentes

. A teimosia da pedra - Cha...

. Aldeias de Chaves - Portu...

. Mosaico da Freguesia de S...

.Blog Chaves no Facebook

.Veja aqui o:

capa-livro-p-blog blog-logo

.Olhares de sempre

.links

.tags

. todas as tags

.arquivos

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

Add to Technorati Favorites