Domingo, 17 de Setembro de 2017

O Barroso aqui tão perto - Paredes do Rio

1600-paredes (65)

montalegre (549)

 

Hoje vamos até a aldeia de Paredes, mas como Paredes há muitas, esta tem no seu topónimo o apelido “do Rio”, mas a razão do apelido não é apenas para distingui-la de outras localidades com o mesmo topónimo, mas sim porque faz parte de um conjunto de aldeias barrosãs com o mesmo apelido “do Rio” por se encontrarem ao longo e nas proximidades do Rio Cávado.

 

1600-paredes (175)

 

Na imagem seguinte, uma vista geral sobre Paredes do Rio tomada desde a aldeia de Vilaça, parece que entre ambas as aldeias apenas existe um pequeno carvalhal, mas na realidade não é bem assim, isto são coisas dos enganos aos que a fotografia nos leva, pois entre as aldeias existe ainda o Rio Cávado, e embora desde o ponto em que tomámos a fotografia (em Vilaça) até a aldeia de Paredes do Rio em linha reta seja pouco mais de 1 quilómetro, a barreira Cávado, faz com que a distância por estrada entre as aldeias seja de 10 quilómetros.

 

1600-pardes (1)

 

Como sempre as imagens dizem-nos coisas, e ainda na imagem anterior podemos ver em terceiro plano um bocadinho de serra. Trata-se já da Serra do Gerês e não muito longe daquele piquinho mais afiado é Pitões das Júnias, mas antes, entre a aldeia de Paredes do Rio e a Serra do Gerês temos ainda a Barragem de Paradela e as aldeias de Outeiro e Parada de Outeiro. Ou seja, já estamos em pleno Parque Nacional da Peneda Gerês, incluindo a nossa aldeia de hoje.

 

1600-paredes (171)

 

Mas voltando àquilo que as fotografias nos dizem, nesta vista geral sobre a aldeia, pelo azul , pelo verde e pelo sol e sua luz, adivinha-se ser um dia de verão e bem quente que estava, por sinal, e de facto era verão, pois a imagem foi tomada no mês de julho de 2016. Já as restantes imagens são do mês de maio de 2017, mais precisamente do dia 12.

 

1600-paredes (137)

 

Diz-nos a experiência que o Barroso, em termos climáticos, é traiçoeiro e para quem não o conhece, pode ser apanhado de surpresa nas suas malhas. Nesse dia 12 de maio, à nossa partida desde a cidade de Chaves, tínhamos um normal dia de primavera, temperatura amena e algumas nuvens no céu, daquelas que não ameaçam ninguém e apenas lá estão para quebrar o azul do céu e enfeitar a primavera.

 

1600-paredes (178)

 

Quando começámos a entrar no Barroso, as nuvens começaram a escurecer. No itinerário do dia tínhamos Covelães para completar reportagens anteriores incompletas e logo de seguida Paredes do Rio onde iriamos entrar pela primeira vez, pois até aí sempre lhe passámos ao lado. Acontece que quando chegámos a Covelães, a nuvem escura que ia pairando sobre nós fartou-se de conter a sua água e resolveu descarregá-la toda sobre nós.

 

1600-paredes (158)

 

Parados e dentro do carro ainda aguardámos uns 10 a 15 minutos a ver se descarregava tudo, mas não parecia ser essa  a sua intenção. Daí, e como ainda tínhamos muito caminho para andar, resolvemos passar à frente, a caminho de Paredes do Rio e eis que o “milagre” acontece - deixou de chover, mas em sua substituição caiu um denso e frio nevoeiro sobre nós. Era primavera, pouco provável de acontecer, mas no Barroso acontece. Daí, na mala do meu carro, ter sempre um “kit de sobrevivência”, uns agasalhos que no Barroso nunca se sabe quando vão ser necessários.

 

1600-paredes (169)

 

Bem, mas tudo isto, esta introdução, além de ser real e um aviso para os que não conhecem as alturas do Barroso, é mais para justificar a qualidade das fotografias, sem o colorido habitual dos matizes que o Barroso oferece nos dia de sol. Com o nevoeiro cerrado tudo se torna mais cinzento, melancólico e misterioso, mas mesmo assim, a aldeia surpreendeu-me pela sua beleza, pelos muitos pormenores dignos de registo e sobretudo, porque desde de Vilaça parece ser uma aldeia esventrada pela modernidade, quando a realidade é outra, embora com alguns pecados.

 

1600-paredes (172)

 

Mas entremos em Paredes do Rio.  Assim de repente se me preguntarem algumas das aldeias do Barroso às quais eu recomendaria uma visita, sem dúvida alguma que recomendaria Paredes do Rio. Se me perguntassem porquê? Responder-lhes-ia pelo conjunto do seu casario, mas sobretudo pelo conjunto de moinhos que vão descendo ao longo da aldeia, pela sua igreja e pelo “Complexo hidráulico” - é assim que está na tabuleta do Parque Nacional da Peneda-Gerês, e que se trata de uma construção recuperada, incluindo a sua cobertura em colmo. Pena que os moinhos não tenham também a sua cobertura original em colmo.

 

1600-paredes (56)

 

Sobre o tal “Complexo Hidráulico” (imagem anterior), transcrevemos aqui o que se diz na atrás mencionada tabuleta:

“ «Núcleo ecomuseológico Complexo hidráulico de Paredes do Rio»

Este complexo hidráulico compreende uma estrutura formada por um pisão, uma serra hidráulica, um moinho e um gerador elétrico, que funcionam movidos pela força motriz da água, conduzida por uma levada com início na grande poça existente junto ao caminho”

 

1600-paredes (157)

 

E continua:

“ É um engenho bastante polivalente, pois permite moer o grão ( de centeio ou milho), cortar madeira e pisoar o burel – tecido obtido a partir da lã.

Este imóvel foi adquirido pelos Serviços do Parque Nacional, em 1988, tendo sido realizado um trabalho de restauro de toda a estrutura, com vista à sua utilização por parte da comunidade local, sendo único em toda a área do Parque Nacional."

 

1600-paredes (174)

 

E conclui:

“Aqui em Paredes do Rio, entre outros aspectos, podem ainda apreciar-se também nove moinhos de água, formando um conjunto de interesse sob o ponto de vista do património construído.

 

Para visitar, contacte: Delegação do Parque Nacional Rua do Reigoso – 5470-236 Montalegre, Telef. 276 518 320”

 

1600-paredes (130)

 

Espero que os dados de contacto ainda estejam atualizados, pois para se visitar o interior do complexo penso que é mesmo necessário contactar a Delegação do Parque, isto a julgar pela nossa visita, pois encontrámo-lo fechado, e embora não estivesse nos nossos planos visitá-lo, isto porque desconhecíamos a sua existência, gostaríamos ter dado uma vista de olhos ao seu interior, mas fica para uma próxima oportunidade, tanto mais porque quero repetir alguns registos num dia sem nevoeiro.

 

1600-paredes (162)

 

Aparte das anteriores recomendações de visita, também apreciámos ter visto as alminhas cobertas e as fontes e tanques/bebedouros onde dá sempre gosto ver correr a água cristalina, daquela que ainda se pode beber.

 

1600-paredes (167)

 

Quando à sua localização, para além de alguns dados que já atrás deixámos, podemos ainda acrescentar mais algumas informações. Já sabem que o nosso ponto de partida é sempre de Chaves e mais uma vez temos sempre duas grandes alternativas, a da Estrada Municipal 507 via S.Caetano/Soutelinho da Raia e a Nacional 103 (Estrada de Braga).

 

1600-paredes (131)

 

Para esta ida a Paredes do Rio recomendo a Municipal 507, não por ser a de menor distância mas por ser a mais interessante. É um percurso de 54 Km, que se faz em cerca de uma hora, isto se não houver paragens pelo caminho, pois embora o nosso destino possa ser esta aldeia, pelo caminho há sempre um ou outro motivo que convida a uma paragem para mais um registo fotográfico, sem contar a paragem quase obrigatório na Vila de Montalegre.

 

1600-paredes (155)

 

Rematemos então com a localização com a exatidão das suas coordenadas, a altitude, o nosso habitual mapa e mais alguns dados. Pois então já sabemos que no concelho de Montalegre quando uma aldeia tem o apelido de “do Rio” fica nas margens do Rio Cávado. Neste caso fica na margem direita, logo a seguir a Covelães, freguesia à qual pertence Paredes do Rio e também a seguir à Barragem de Sezelhe mas muito próxima da Barragem de Paradela, ambas alimentadas pelo Rio Cávado.

 

1600-paredes (133)

 

As coordenadas:  41º 47’ 42.01”N e 7º 55’ 10.44”O. Quanto à sua altitude, varia entre os 950m e os 1050m em plena encosta da Mourela, correspondendo a altitude mais baixa a cota da estrada de acesso à aldeia e a mais alta à última construção da aldeia (contada a partir da estrada).

 

mapa-paredes-rio.jpg

 

Passemos agora ao seu topónimo – Paredes do Rio. Pois o apelido “do Rio”, como já atrás referimos, refere-se à proximidade do Rio, neste caso o Cávado. Quanto a Paredes, não faço a mínima ideia. A título de curiosidade é um topónimo muito comum em Portugal e no Barroso de Montalegre existe ainda outra aldeia com este topónimo, que para se distinguir desta adota o apelido de “Salto” ou seja Paredes de Salto por pertencer à freguesia de Salto. Aldeia por sinal bem interessante e que já passou aqui pelo blog.

 

1600-paredes (107)

 

Mas vejamos o que diz a toponímia de Barroso:

“ Povoação que consta já do testamento de Dona Ilduara de São Rosendo, feito em 27 de Fevereiro de 948 – há 1063 anos! E que integra o Tombo de Celanova. Com efeito, Dona Ilduara doa ao mosteiro de Celanova, na Galiza, sete “Villae” (povoações) entre as quais Paredes (secas) – “Paredes Sicas”, São João (da Ponteira) etc. todas situadas “Catavello” – no Rio Cávado. Por isso ainda hoje se apõe aos lopónimos “do Rio”: Cambeses do Rio, Frades do Rio, Paredes do Rio, etc.

O étimo é o latino pariete > parede, no plural. Já foi sede de freguesia e hoje anda anexa a Covelães."

 

1600-paredes (128)

 

 

Na “Toponímia Alegre” consta o seguinte ( e como hoje temos muitas fotos, metemos uma entre cada quadra):

 

“ Pelo rio Mau acima

Quarenta ferreiro vão:

Cada um leva forquilha

Para matar um rão.

 

1600-paredes (120)

 

Boticário de Paredes

Diga-me se sabe e pode:

Duma pontinha dum corno

Pode sair um charope?

 

1600-paredes (101)

 

O Padre de Covelães

Fazia muitas misturas

Molhava o pão em azeite

Deixava o Cristo à escuras”

 

1600-paredes (95)

 

Digamos que o poeta não era lá grande coisa mas, mas a “literatura” não deixa de ser curiosa, só não fiquei a saber o que raio é um “rão”, mas como a coisa se desenvolvia ao longo do rio só poderá se o macho da rã e grande, pois “rão”, segundo a língua portuguesa é um sufixo nominal com sentido aumentativo…

 

1600-paredes (93)

 

Nas nossas pesquisas encontrámos alguns dados na Wikipédia, dados que valem o que valem e até com alguns erro ortográficos, mas que nós validamos (a informação, não os erros)  porque temos conhecimento que assim é. Então por lá consta isto:

“Paredes o Rio aldeia situada no concelho de Montalegre freguesia de Covelães distrito de Vila Real, conhecida pela sua bela paisagem turística assim como as suas raras antiguidades recuperadas, antiguidades como canastros para quem não conheça espigueiros, moinhos, pisão (onde se pisava o burel, que servia para fazer capas, calças e coletas para a população). actualmente tem também museu com várias antiguidades, e fundou há seis anos uma Associação Social e Cultural que realiza várias actividaes assim como. Cantar dos Reis. Sábado Filhoeiro. Carnaval. Queima do Judas. Segada e Malhada do centeio. Desfolhada do milho. Festa de S.Martinho, Matança do porco Bísaro.”

 

1600-paredes (19)

 

 

E acrescenta ainda:

 

“Esta serve também a população mais idosa prestando-lhe apoio domiciliário na aldeia assim como nas aldeias vizinhas. Não é de perder a oportunidade também de fazer uma visita guiada a esta bela a aldeia do concelho de Montalegre.

Pisão

O Pisão é composto por um engenho hídrico que aproveita a força motriz da água canalizada, funcionando como serra, moinho e pisão de tecidos de lã. A água põe em funcionamento os malhos que pisavam as teias de lã para fabricar o famoso burel, a capa dos pastores.”

 

1600-paredes (7)

 

Uma palavra de apreço para o associativismo, neste caso para a Associação Social e Cultural de Paredes do Rio que pelo que vimos tem promovido os sabores e saberes da aldeia. Espero que ainda exista e continue a existir por muitos e longos anos, por várias razões que não vale a pena aqui enumerar, pois fazem parte do associativismo. Só espero também que seja acarinhada pela Junta de Freguesia e Município de Montalegre, pois também é a estas entidades que corresponde e compete apoiar as associações, principalmente estas a nível local que têm sempre poucos meios para desenvolver as suas atividades. Digo isto porque nem sempre os municípios apoiam as associações, às vezes, por politiquices, má formação, ignorância, incompetência, inveja, ruindade e todos os nomes feios que conheço, antes de apoiar fazem tudo para as aniquila. E que  a associação tenha também a sorte, de os seus associados terem sempre em conta os interesses da associação acima dos interesses pessoais. E não digo isto em vão, pois sei o que digo…

 

1600-paredes (82)

 

E estamos nos “finalmentes” , ou seja, no tempo de passar às referências das nossas consultas e anteriores abordagens às aldeias e temas do Barroso.

 

1600-paredes (6)

 

 

Bibliografia

BAPTISTA, José Dias, (2014), Toponímia de Barroso. Montalegre: Ecomuseu – Associação de Barroso

 

Sites

https://pt.wikipedia.org/wiki/Paredes_do_Rio

 

 

1600-paredes (5)

 

 

Links para anteriores abordagens ao Barroso:

A

A Água - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-a-agua-1371257

Algures no Barroso: http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-1533459

Amial - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-ameal-1484516

Amiar - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-amiar-1395724

Antigo de Sarraquinhos - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-antigo-de-1581701

Arcos - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-arcos-1543113

 

B

Bagulhão - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-bagulhao-1469670

Beçós - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-becos-1574048

Bustelo - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-bustelo-1505379

 

C

Cambezes do Rio - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-cambezes-do-1547875

Carvalhais - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-carvalhais-1550943

Castanheira da Chã - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-castanheira-1526991

Cerdeira - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-cerdeira-1576573

Cepeda - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-cepeda-1406958

Cervos - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-cervos-1473196

Contim - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-contim-1546192

Cortiço - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-1490249

Corva - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-corva-1499531

 

D

Donões - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-donoes-1446125

 

F

Fervidelas - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-fervidelas-1429294

Fiães do Rio - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-fiaes-do-1432619

Fírvidas - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-firvidas-1466833

Frades do Rio - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-frades-do-1440288

 

G

Gralhas - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-gralhas-1374100

Gralhós - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-gralhos-1531210

 

L

Ladrugães - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-ladrugaes-1520004

Lapela   - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-lapela-1435209

Larouco - Um olhar sobre o Larouco - http://chaves.blogs.sapo.pt/2016/06/19/

 

M

Meixedo - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-meixedo-1377262

Meixide - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-meixide-1496229

 

N

Negrões - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-negroes-1511302

Nogeiró - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-nogueiro-1562925

 

O

O colorido selvagem da primavera http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-o-colorido-1390557

Olhando para e desde o Larouco - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-olhando-1426886

Ormeche - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-ormeche-1540443

 

P

Padornelos - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-padornelos-1381152

Padroso - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-padroso-1384428

Paio Afonso - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-paio-afonso-1451464

Parafita: http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-parafita-1443308

Pardieieros - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-pardieiros-1556192

Paredes - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-paredes-1448799

Pedrário - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-pedrario-1398344

Penedones -  http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-penedones-1571130

Pereira - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-pereira-1579473

Pomar da Rainha - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-pomar-da-1415405

Ponteira - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-ponteira-1481696

 

R

Reboreda - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-reboreda-1566026

Roteiro para um dia de visita – 1ª paragem - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-roteiro-1104214

Roteiro para um dia de visita – 2ª paragem - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-roteiro-1104590

Roteiro para um dia de visita – 3ª paragem - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-roteiro-1105061

Roteiro para um dia de visita – 4ª paragem - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-roteiro-1105355

Roteiro para um dia de visita – 5ª paragem, ou não! - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-roteiro-1105510

 

S

São Ane - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-sao-ane-1461677

São Pedro - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-sao-pedro-1411974

Sarraquinhos - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-sarraquinhos-1560167

Sendim -  http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-sendim-1387765

Senhora de Vila Abril - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-senhora-de-1553325

Sezelhe - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-sezelhe-1514548

Solveira - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-solveira-1364977

Stº André - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-sto-andre-1368302

 

T

Tabuadela - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-tabuadela-1424376

Telhado - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-telhado-1403979

Travassos da Chã - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-travassos-1418417

 

V

Vilar de Perdizes - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilar-de-1360900

Vilar de Perdizes /Padre Fontes - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilar-de-1358489

Vilarinho de Arcos - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilarinho-1508489

Vilarinho de Negrões - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilarinho-1393643

Vilaça - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilaca-1493232

Vilar de Perdizes - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilar-de-1360900

Vilar de Perdizes /Padre Fontes - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilar-de-1358489

Vilarinho de Negrões - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilarinho-1393643

 

X

Xertelo - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-xertelo-1458784

 

Z

Zebral - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-zebral-1503453

 

 

 

 

Guardar

´
publicado por Fer.Ribeiro às 23:11
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|  O que é?
Domingo, 5 de Fevereiro de 2017

O Barroso aqui tão perto... Vilaça

1600-vilaca (16)

montalegre (549)

 

Aos domingos já sabem que vamos até ao Barroso, para já o Barroso do concelho de Montalegre, para uma aldeia que pela sua localização junto ao Rio Cávado poderia ter o apelido de “do rio” no seu topónimo, mas é simplesmente Vilaça, é essa a nossa aldeia de hoje.

 

1600-vilaca (8)

 

Comecemos então pela sua localização, que em termos de coordenadas fica em 41º 47’ 17,02” N – 7º 54? 12.26” O, tal como já dissemos atrás junto ao Rio Cávado, a cerca de 700m, na sua margem esquerda, mesmo em frente a uma outra aldeia barrosã, Paredes do Rio, mas esta , localizada na margem direita do rio, entre as albufeiras de Sezelhe e Paradela e pertencente à União de Freguesias de Paradela, Contim e Fiães. Mas como já vem sendo habitual fica o nosso mapa com a localização.

 

vilaca.jpg

 

Quanto à aldeia segue as características das suas vizinhas, com alguma terra fértil nas suas imediações mas quase todas dedicadas a pastagens ou forragens, aliás é mais ou menos uma constante no concelho de Montalegre, onde a agricultura já é coisa de outros tempos, principalmente a da batata.

 

1600-vilaca (31)

1600-vilaca (29)

 

A aldeia não é grande, mas também não é das mais pequenas, no entanto hoje grande em demasia para recolher os resistentes, ou seja mais do mesmo, despovoamento e envelhecimento da população, alias ate era escusado dizer isto, pois é uma constante a todas as aldeias do interior. Dizem por aí que o nosso Portugal é um país virado para o mar, e concordo plenamente, pois da maneira como somos esquecidos no interior e diria até que Portugal quase se limita a ser uma longa varanda ao longo do mar e como costuma dizer os mesmos de sempre, os tais de Lisboa, o resto é paisagem.

 

1600-vilaca-17-art (13)

 1600-vilaca (18)

 

Pois como dizia no parágrafo anterior era escusado estar sempre a falar do nosso despovoamento e envelhecimento da população, mas faço-o sempre como um lamento e que por cá resistimos mas não nos conformamos.

 

1600-vilaca (30)

 

E hoje somos obrigados a ser breves em palavras, por duas razões, primeiro porque o nosso tempo não abunda e segundo porque fizemos as pesquisas do costume nos sítios do costume e nada encontrámos sobre Vilaça a não ser alguns escritos que nos levam a uma dedução nossa, mas sem qualquer confirmação. Digamos que é apenas uma hipótese, na ausência de melhor. Refiro-me à origem do topónimo Vilaça.

 

1600-vilaca (27)

1600-vilaca (18)

 

Pois quanto ao topónimo Vilaça,  não me parece ter origem no Vilaça dos Maias de Eça de Queirós nem tão-pouco na personagem das Memórias Póstumas de Brás Cubas, de Machado de Assis. Aliás Vilaça é hoje um apelido comum em Portugal mas a sua origem é galega, vem de “villacis” ao que consta teria entrado em Portugal através de Hernande de Villacis tendo os primeiros Vilaças aparecido no Minho, sendo um sobrenome já antigo em Portugal, pois ao lado do príncipe Dom João nas batalhas contra o rei Dom Fernando de Castela já havia um comandante de sobrenome Vilaça. Ora pode estar aqui a origem da nossa aldeia de hoje ou seja, no tal Villacis galego, não ficasse a Galiza ali ao lado. Mas mais uma vez afirmo que isto são coisas minhas, pois não tenho nenhum documento que confirme a minha teoria.

 

1600-vilaca (24)

 

E para terminar ficam os habituais links para os posts anteriores com aldeias, lugares e temas do Barroso.

 

1600-vilaca-32-art (12)

 

Anteriores abordagens ao Barroso:

 

A Água - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-a-agua-1371257

Amial - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-ameal-1484516

Amiar - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-amiar-1395724

Bagulhão - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-bagulhao-1469670

Cepeda - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-cepeda-1406958

Cervos - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-cervos-1473196

Cortiço - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-1490249

Donões - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-donoes-1446125

Fervidelas - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-fervidelas-1429294

Fiães do Rio - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-fiaes-do-1432619

Fírvidas - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-firvidas-1466833

Frades do Rio - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-frades-do-1440288

Gralhas - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-gralhas-1374100

Lapela   - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-lapela-1435209

Meixedo - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-meixedo-1377262

O colorido selvagem da primavera http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-o-colorido-1390557

Olhando para e desde o Larouco - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-olhando-1426886

Padornelos - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-padornelos-1381152

Padroso - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-padroso-1384428

Paio Afonso - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-paio-afonso-1451464

Parafita: http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-parafita-1443308

Paredes - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-paredes-1448799

Pedrário - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-pedrario-1398344

Pomar da Rainha - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-pomar-da-1415405

Ponteira - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-ponteira-1481696

Roteiro para um dia de visita – 1ª paragem - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-roteiro-1104214

Roteiro para um dia de visita – 2ª paragem - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-roteiro-1104590

Roteiro para um dia de visita – 3ª paragem - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-roteiro-1105061

Roteiro para um dia de visita – 4ª paragem - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-roteiro-1105355

Roteiro para um dia de visita – 5ª paragem, ou não! - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-roteiro-1105510

Sendim -  http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-sendim-1387765

Solveira - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-solveira-1364977

Stº André - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-sto-andre-1368302

Tabuadela - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-tabuadela-1424376

Telhado - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-telhado-1403979

Travassos da Chã - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-travassos-1418417

Um olhar sobre o Larouco - http://chaves.blogs.sapo.pt/2016/06/19/

Vilar de Perdizes - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilar-de-1360900

Vilar de Perdizes /Padre Fontes - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilar-de-1358489

Vilarinho de Negrões - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilarinho-1393643

São Ane - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-sao-ane-1461677

São Pedro - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-sao-pedro-1411974

Sendim -  http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-sendim-1387765

Solveira - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-solveira-1364977

Stº André - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-sto-andre-1368302

Vilar de Perdizes - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilar-de-1360900

Vilar de Perdizes /Padre Fontes - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilar-de-1358489

Vilarinho de Negrões - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilarinho-1393643

Xertelo - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-xertelo-1458784

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 23:50
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Sábado, 10 de Dezembro de 2016

Ocasionais - Abandono

1600-arcos (179)

ocasionais

 

Abandono

 

O autor do Post(al), de Domingo, 4 de Dezembro de 2016, *O Barroso aqui tão perto – Fírvidas*, escreve: “….maleitas que afetam as aldeias do interior, principalmente o  transmontano. Refiro-me, claro, ao despovoamento e envelhecimento da população. Cada vez mais estas aldeias fazem parte de um mundo que se acaba no qual apenas os últimos resistentes resistem”.

 

No Post(al) de três de Maio de 2015, *As nossas aldeias* (Stª Ovaia),  o autor escrevia  - Dá pena, chega mesmo a doer ver as nossas aldeias a morrer lentamente, tal como vão morrendo os seus resistentes, os mais idosos que não abandonam o seu torrão, até ao último para se poder fechar definitivamente as suas portas de entrada para receberem o letreiro de FECHADA   -    e, outrossim, no de  sete de Maio de 2016, *Santiago do Monte e companhia*: “As aldeias vivem agora rodeadas da palavra abandono”.

 

1600-sta-ovaia (109)

 

As aldeias vivem agora rodeadas da palavra Abandono”!

 

A tristeza e a mágoa com que alguns de nós lêem, dizem e gritam estas palavras até nos faz crer que a vida mudou de sentido e passou a ter outro significado.

 

As ALDEIAS foram as geradoras das vilas e das cidades.

 

Os vilãos abandonaram-nas.

 

Os cidadãos-citadinos esqueceram-nas.

 

Não há burguês que se preze que não fique derretido de importância, ridícula e balofa, na verdade, por viver numa «vila» ou «cidade».

 

Na mais importante praça da República, os deputados andaram à porra e à massa para ver qual aquele que conseguia a mais rápida promoção de uma terreola com significativo peso eleitoral a «vila» ou a «cidade».

 

E as ALDEIAS passaram a ser refúgios envergonhados.

 

Os aldeãos cultivavam a terra e o espírito.

 

Falavam e conviviam com a Natureza.

 

1600-montalegre (1254)

 

A Vila e a Cidade eram lugares onde se ia pagar a «décima»; fazer queixa à Guarda ou ser julgado no Tribunal; onde se ia ao Civil «iniciar o processo de casamento», o qual só depois de «lidos os banhos» é que a Igreja tornava «válido»; ao «sr. doutor» e à Famácia»; encomendar o adubo e o «sulfate»; tirar a «licença de isqueiro» ou a do carro de bois; aos Correios «meter uma carta» ou mandar um telegrama, ou à Feira d’Ano!

 

Nas ALDEIAS praticava-se o culto da Amizade.

 

Na Adega ou à Lareira diziam-se os salmos a Deméter e tombava-se o cálice de Dionisos.

 

1600-frades (53)

 

A palavra era de honra.

 

Ser compadre ou comadre, uma distinção.

 

O amor tinha a bênção do arco-íris e do luar.

 

Na ida ou na vinda da missa; na hora das Avé-Marias ou no Toque das Trindades; nas segadas ou nas vindimas; na hora do nascimento e na hora da morte, os ALDEÃOS comungavam da mesma alegria ou da mesma dor.

 

Nas Vilas e nas Cidades ajuntam-se mais pessoas para ver uma casa a arder do que para admirar uma casa a construir!

 

E, das ALDEIAS, delas se faz a “eleição dos montes” para passar neles os anos que (a tantos de vós, de nós e de mim) ficam da vida, qual magnífico “acerto de quem colhe esse fruto maduro entre desenganos.

 

M., sete de Dezembro de 2016

Luís Henrique Fernandes

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 03:09
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Segunda-feira, 15 de Junho de 2015

O nosso mundo rural vende-se, mas ninguém o quer...

1600-gondar (230)

 Foto 1 – Campos entre Gondar e Nogueira da Montanha

Aquilo que fazemos é o reflexo daquilo que somos, acredito nisso piamente e, se aos fins-de-semana eu trago aqui as aldeias é porque também tenho o meu lado rural embora seja um homem de cidade. Às vezes entro em momentos de introspeção e chego a muitas conclusões, uma delas é a de ter estes dois lados de homem rural e de homem da cidade que parece não combinarem lá muito bem, mas que se complementam na perfeição, principalmente porque tive a felicidade de ter nascido em Chaves onde se podem ser as duas coisas quase em simultâneo, e sem muito ruído perturbador.

1600-gondar (183)

 Foto 2 – Nogueira em Gondar

Adoro uma boa noite de copos, com música, movimento, o psicadélico das luzes ou meia-luz, boa companhia, e às vezes um pouco de cultura também dá jeito, quando a há. Por outro lado também gosto da serenidade do mundo rural, dos saberes da sua população, dos seus sabores, do lado selvagem, simples e natural das coisas, de subir à croa dos montes para sentir o ar fresco a bater-me nas faces . Enfim de viver e sentir coisas que só no mundo rural acontecem.

1600-gondar (184)

 Foto 3 – Ameixeira (carangueja) em Gondar

Mas como dizia atrás, tive a felicidade de ter nascido e viver em Chaves onde a cidade também acontece e a cinco ou dez minutos de distância temos o mundo rural quando nos apetece. É uma realidade que vou vivendo, como o contrário também poderia ser verdadeiro, ou seja ter a felicidade de nascer e viver no mundo rural e ter a cidade a cinco ou dez minutos de distância para quando necessitasse ou apetecesse.

1600-gondar (201)

 Foto 4 – Capela de Gondar

Tudo isto que disse foi sincero e serviu de introdução para entrarmos mais uma vez numa freguesia, a de Nogueira da Montanha, e mais precisamente numa aldeia, a de Gondar. E ao entrar neste mundo, ao longo destes anos, sente-se cada vez mais que o estamos a perder e agora a entrar já numa fase de não retorno, onde o dia de amanhã é sempre pior que o de hoje.

1600-gondar (41)

 Foto 5 – Casa típica rural (tomada em 2008)

Hoje nos meus momentos de introspeção vem-me sempre à cabeça o provérbio “Não há mal que sempre dure, nem bem que não acabe” e como a experiência me diz que os provérbios são sábios, e o bem ou o bom se está a acabar, vamos entra num mal ou no mau , que embora não vá durar para sempre, nos deixa a certeza de que com a morte do nosso mundo rural, morrem os sabores e saberes rurais, muitas tradições e toda uma cultura e que no futuro, seja ele qual for, vai fazer parte da história, só da história porque já não vai existir.

1600-gondar (163)

 Foto 6 – Casa típica rural (tomada há 6 dias atrás)

Para explicar melhor este palavreado vamos recorrer às imagens de hoje. Nas quatro primeiras imagens (de há 6 dias atrás) é um pouco do mundo rural que ainda existe e que dá gosto apreciar. Os campos cultivados, os frutos nas árvores, alguns que nem em todos os lados se encontram, e por último as capelas que graças a fé de poucos ainda vão mantendo a sua dignidade, mas são olhares seletivos que deixaram de fora a realidade do abandono. A quinta imagem é de uma casa tipicamente rural de Gondar e que foi tomada no ano de 2008, já então desabitada mas em razoável estado de conservação. A foto 6 e 7 são da mesma construção no seu estado atual, e este é só um exemplo da maioria do casario da aldeia, abandonado e em ruinas.

1600-gondar (168)

 Foto 7 – Vende-se

E é este o Portugal que temos. Um vendido e endividado e um outro que se vende e ninguém quer, porque não tem escolas, não tem hospitais, não tem gente nem onde o verbo subsistir se possa ou consiga conjugar, pois já não há forças nem meios para manter o “stare” de pé.

 

 

 

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 01:20
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|  O que é?
Sábado, 3 de Janeiro de 2015

Acima das neblinas

1600-aguas-frias (141)

 Já sabem que aos fins de semana o blog abre-se ao mundo rural. Esta abertura não é de todo inocente na sua inocência, é mais um ato de contrição, mas sem pecado. Não vou perder tempo a explicar-vos o que isto quer dizer, pois não o conseguiria uma vez que até para mim é confuso e contraditório, mas sem qualquer confusão ou contradição, é assim como ser pai e filho ao mesmo tempo, ou, mais drástico ainda – amar aquilo que se odeia.

1600-aguas-frias (233)

Sei, isso sim, e por isso posso partilhá-lo convosco, que subir à croa de um monte onde nada há para o além de tudo se avistar, todas estas coisas complexas do homem ficam diluídas no meio de pequenas neblinas como se fossem um tampão colocado sobre a complexidade das coisas.

1600-aguas-frias (385)

No concelho de Chaves conheço pelo menos cinco ou seis coroas de montes onde esses milagres de olhares terapêuticos acontecem, e muitas aldeias acima das neblinas onde as coisas são aquilo que são por serem aquilo que são.

1600-aguas-frias (267)

“ A intensidade de certos sentimentos mede-se pelo pudor de que os rodeamos. Quanto menos se exibem, mais fundo latejam. Mas, ao contrário, só na denúncia clamorosa de todos os atentados contra o objecto dos nossos afectos preservamos a sua pureza. A indignação publicamente manifestada é, nesse caso, a única prova de fidelidade do coração. (…)” – E com estas palavras sempre sábias de Torga me vou.

 

As imagens de hoje são de Águas Frias, uma das aldeias que fica acima das neblinas.

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 16:51
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|  O que é?
Domingo, 14 de Setembro de 2014

Chips, novas tecnologias e Curral de Vacas

 

Não sei o que irá ser deste século que já leva 14 anos e também, quando ele terminar, não vou estar cá para fazer o seu balanço, mas pela certa irá ser muito diferente do século XX, que olhando aos acontecimentos que acolheu e as transformações que testemunhou, é um século que ficará para sempre na história: Duas guerras mundiais, o fenómeno da televisão, a ida à lua e a exploração do espaço, os movimentos sociais como os hippies, o desenvolvimentos da aviação, o inicio da globalização, etc, etc, etc, mas há uma descoberta de meados do século passado que iniciaria a transformação  do mundo no último quartel do século e que ainda hoje continua. Refiro-me à descoberta do circuito integrado (vulgarmente conhecido por chip ou microchip) e que viria a dar lugar às novas tecnologias (computadores pessoais, telemóveis, tablets, smartphones, satélites, etc.) sem as quais hoje em dia o mundo pararia.

 

 

Tive a sorte de ter nascido em 60 e ter assistido a quase todas estas transformações e revoluções. De importante penso mesmo que só perdi as duas guerras mundiais (e não lamento a perda) e no âmbito nacional a implantação da República e a I República, pois a segunda (a ditadura) ainda a vivi e ao 25 de abril de 74 (início da III República)  tive o grato prazer de assistir e viver, mas, pelas implicações na alteração das vidas das pessoas e famílias   o que mais me foi surpreendendo, numa primeira fase com início nos finais dos anos 60,  foi mesmo o aparecimento dos primeiros eletrodomésticos nas casas (frigorifico, televisão e mais tarde as máquinas de lavar roupa e loiça e mais recente o micro-ondas) e, numa segunda fase, nos inícios dos anos 80, com os computadores pessoais, mais tarde os telemóveis e hoje, tudo que temos ao dispor graças ao tal chip.

 

 

 

Mas como hoje é dia de dedicar o blog às aldeias, tal como as fotografias o documentam, perguntarão o que é que as novas tecnologias e toda esta revolução da eletrónica e informática têm a ver com o nosso mundo rural? – Pois a resposta é simples – Tem tudo a ver, e o atual despovoamento rural é, indiretamente, uma consequência desta nova revolução, e as aldeias as suas vitimas, tudo porque as políticas e economias atuais estão viradas para as grandes massas/grandes consumos, ou seja, esta revolução eletrónica e informática veio agravar ainda mais a disparidade que sempre houve entre o litoral e o interior, e quanto mais interior for, mais aprofundada será a disparidade e a decadência do nosso mundo rural, e ainda mais, quando todas as políticas e políticos estão alinhados com os grandes interesses económicos.

 

 

Assim não admira que as nossas aldeias fiquem despovoadas e o que resta nelas, sejam testemunhos de um passado recente que não resistiu aos novos tempos, e com esta perda, perde-se todo o romantismo das aldeias, os seus valores, as tradições, os costumes, os sabores da genuinidade das coisas.

 

 

 

 

As fotografias de hoje são de Curral de Vacas, mas poderiam ser de outra aldeia qualquer, ou melhor, de outra que sofre bem mais as consequências da modernidade, pois Curral de Vacas graças à proximidade e bons acessos à cidade, ainda não é das que mais sofre das maleitas atuais do mundo rural.  

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 04:40
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Segunda-feira, 12 de Maio de 2014

De regresso à cidade

 

Sim, de regresso à cidade mas, já, com saudades do campo, da natureza, das cores, da primavera, das coisas simples feita com toda a sua complexidade de formas e estruturas selvagens.

 

 

Assim, e já que não posso ter toda estas coisas na cidade, nos dias da semana em que o relógio se sobrepõe a todas as coisas naturais, deixo uma imagem por cada dia de trabalho.

 

 

Cinco imagens com cinco momentos, com o verde de fundo e a provocação das outras cores.

 

 

E flores, muitas, de todas as cores, selvagens, sempre selvagens

 

 

Enfim, ficaria por aqui todo o sempre, mas, temos de regressar à cidade!

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 02:00
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|  O que é?

.Fotos Fer.Ribeiro - Flickr

frproart's most interesting photos on Flickriver

.meu mail: blogchavesolhares@gmail.com

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
14


24
26
27
28
29
30


.pesquisar

 
ouvir-radioClique no rádio para sintonizar

 

 

El Tiempo en Chaves

.Facebook

Fernando Ribeiro

Cria o teu cartão de visita Instagram

.subscrever feeds

.favorito

. Solar da família Montalvã...

.posts recentes

. O Barroso aqui tão perto ...

. O Barroso aqui tão perto....

. Ocasionais - Abandono

. O nosso mundo rural vende...

. Acima das neblinas

. Chips, novas tecnologias ...

. De regresso à cidade

blogs SAPO

.Blog Chaves no Facebook

.Veja aqui o:

capa-livro-p-blog blog-logo

.Olhares de sempre

.links

.tags

. todas as tags

.arquivos

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

Add to Technorati Favorites