Terça-feira, 3 de Outubro de 2017

Cidade de Chaves - Dois olhares

1600-(47999)

 

Dois olhares sobre a cidade, um a p&b, outro a cores, dois momentos e dois ícones, ambos obras de arte com o nosso granito como elemento estrutural e duradoiro, um já com alguns séculos outro a caminho do seu primeiro século, mas os dois de vital importância para a cidade de Chaves.

 

1600-(47982)

 

As referências são da nossa Torre de Menagem, que embora obsoleta para os fins que foi construída, ganhou a sua importância turística e um museu militar. A outra referência é para a Ponte Nova, que ficou assim conhecida por ser uma fedelha comparada com os dois mil anos da nossa preciosa Ponte Romana, durante anos a única alternativa a esta, mas que hoje tem concorrente com uma nova ponte para o trânsito automóvel, e que adotou o nome de Ponte de S.Roque.

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 01:57
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Quinta-feira, 20 de Agosto de 2015

Chaves, uma imagem

1600-(18030)

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 01:00
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Quinta-feira, 26 de Abril de 2012

Uma imagem

 

E passado que está mais um 25 de Abril que deveria ser de festa mas que, pelo menos em Chaves, não aconteceu e mais parecia um daqueles domingos deprimentes em que ninguém sai à rua, voltamos em imagem à nossa cidade e àquilo que vamos tendo de melhor, a um local, este sim, que se quer calmo e saudável.

 

Já seguir vem aí o "Homem sem memória" de João Madureira.

´
publicado por Fer.Ribeiro às 03:04
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Sexta-feira, 6 de Abril de 2012

Chaves das Varandas e Pontes

Já não é a gente que povoa as varandas a ver quem passa. A vida, que às vezes há por lá, agora é outra, indiferente a quem passa se não for uma ameaça.

 

Ainda com vida vai correndo o nosso Tâmega, agora passeado ao longo das suas margens, cruzado por pontes novas e velhas, poldras e pontões, continua a mostrar o ar da sua graça que esperamos continuar a ter, pois ele também faz parte da alma flaviense e vamos querer que continue a fazer, mas também ele continua ameaçado e continuará, se não houver um pouco mais de respeito por ele…

 

 

E por agora é tudo. Hoje não há “Discursos Sobre a Cidade” mas quem sabe se não teremos ainda por aqui folares, que hoje, os mais católicos, lá terão de o saborear sem carne.

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 02:25
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|  O que é?
Segunda-feira, 10 de Maio de 2010

Chaves de Ontem e de Hoje - Desvio do Rivelas

Hoje fica uma imagem bem curiosa com o Rivelas no seu desaguar original e que por motivos de captação das águas termais foi decidido em 1949 desviar o seu desaguar no Tâmega, mas só após ultrapassados os medos da origem do aquecimento das águas termais não se deverem a um hipotético vulcão adormecido por estas terras. A hipótese do Vulcão só com a tese “As Caldas de Chaves” do Dr. Mário Carneiro é que foi desmontada com os pareceres de vários geólogos que explicaram o aquecimento das águas.


.

.

 

O Dr. Mário Carneiro no livro « A Magia de Aquae Flaviae» e baseado no estudo de vários geólogos afirma que “as Águas das Caldas são águas provenientes de lagos e rios, da neve e da chuva, que vão penetrando através de fendas  da crosta terrestre até um ponto a mais de 2000 metros de profundidade em que atingem altas temperaturas e voltam à superfície enriquecidas pelos elementos que vão associando na sua travessia das rochas de fractura geológica por onde passam, o que se admite demorar largos anos”. Continua o Dr. Mário Carneiro a referir no mesmo livro que “no caso especial das Caldas de Chaves e baseando-nos nos estudos feitos por Choffat e Rego Lima a emergência  da Água das Caldas provinha de um filão de xisto, que Correia de Lima admitia estar a uma profundidade apenas de três metros, escondido por depósitos de aluvião. Choffat afirmava ser possível esta hipótese embora a fenda por onde passa a água atravesse o granito em profundidade devendo a sua alta termalidade em relação com a grande profundidade de que provém”. E continua o Dr. Mário Carneiro “ Bastava mudar de leito o ribeiro Rivelas e procurar em plena rocha a saída da água” e assim aconteceu por decisão do Estado em 1949, mas penso que só alguns anos mais tarde  que o Rivelas seria desviado, pois a julgar pela foto antiga já existia a Ponte nova ou Ponte Barbosa Carmona com algum uso e, esta ponte foi inaugurada em 1950 tal como o antigo balneário que também aparece na foto e que foi inaugurado nesse mesmo ano de 1950.


.

.


Atualmente o Rivelas passa em túnel construído por baixo da rotunda da Praça do Brasil que só alguns anos após a inauguração da ponte Barbosa Carmona é que foi construída com a construção das Avenidas Novas que ligam a rotunda ao Santo Amaro e ao Castelo e só aí é que o desvio do Rivelas teria sido feito.

 

São apenas alguns preciosismos para se entender o quando e o porquê do Rivelas ter sido desviado e ter também deixado a Ponte seca que ainda hoje existe junto à atual buvete.

 

 

 


´
publicado por Fer.Ribeiro às 01:49
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Terça-feira, 15 de Setembro de 2009

Os Olhares de Manuel Ferreira sobre Chaves

Foto de Manuel Ferreira

.

 

E hoje vamos novamente até outros olhares lançados sobre a cidade e registados em fotografia.

 

Como sempre a água e os rios são pontos de atracção. Talvez por instinto ou pura atracção, também em Chaves, se o descobrem, também não se resiste ao Tâmega, e disse -  se o descobrem -  porque por cá, o turista continua a andar por conta própria em verdadeiras aventuras de descobrir o que vai havendo de interessante. O que nos vai valendo, é a cidade ser pequena e alguma coisa vão descobrindo. Pelo turismo e pelos turistas que visitam Chaves, continua-se sem nada fazer, e quanto às novas tácticas turísticas que se poderiam sonhar com a abolição da Comissão Regional de Turismo, parecem ter ficado no papel (se é que foram escritas), pois ao que parece, apenas mudaram de instalações e de nome. Por Chaves tudo continua igual e parece que os responsáveis ainda não se aperceberam que a melhor (e também a pior) publicidade que se pode fazer cá da terrinha, é mesmo a que os turistas que nos visitam levam consigo para as suas terras. Contudo, acredito que mesmo assim partam satisfeitos com o pouco que vão descobrindo por conta própria, se calha sem comer um pastel de Chaves ou sem saber que por Vilar de Nantes se faz (ou fazia) peças de “loiça” preta artesanalmente, sem saber que também temos bom vinho ou água quente e termas, sem tirar o proveito e o sabor da fama do Presunto de Chaves (que ninguém sabe onde pára). Mas enfim, alguns, até conseguem por entre muralhas de betão descobrir o Castelo e lá sobem por ele acima iludidos que lá do alto poderão ver toda a cidade, mas para compensar a desilusão, sempre se inclui no bilhete uma visita ao museu das pedras e ao de arte sacra, este último, outra ilusão e,  se houvesse um pingo de vergonha ou de responsabilidade de que a deveria ter, nem sequer abriria as portas, pois em qualquer das nossas casas, se calha, há mais arte sacra do que naquele museu. Se duvidarem daquilo que digo, nem há como visitar o dito cujo…

 

.

Foto de Manuel Ferreira

.

 

Mas enfim, vai-nos valendo o rio, a Top Model, as travessias, mas convém não passar além do Ribelas, pois senão, lá se vai o encanto. Faz-me lembrar as tinturarias de Fez, na fotografia ficam lindíssimas, mas in loco, fogem-se delas a 7 pés…

 

Desculpas ao nosso convidado de hoje, Manuel Ferreira, é este o seu nome, que também passou por Chaves e se encantou com o nosso rio, a nossa Top Model e a Ponte Nova, que olhada com a atenção devida, é uma bela obra de arte da qual também nos podemos orgulhar. Vá lá, que em pontes e travessias ninguém se pode considerar desiludido, onde até há lugar para belíssimos exemplares de puro luxo.

 

.

Foto de Manuel Ferreira

.

 

Manuel Ferreira, como sempre, descobri-o no Flickr, é Engenheiro, natural da Maia, passou por Chaves e fez estes três belos registos que constam na sua galeria de fotografias que poderá ver aqui:

 

http://www.flickr.com/people/nabos/

 

E como hoje a prosa já vai longa, fico-me por aqui, com um pedido de desculpas ao nosso convidado por, eu, debitar por aqui alguns lamentos, mas tal como em minha casa gosto de receber bem os meus convidados e lhes dou toda a tenção devida, também gostaria que na minha cidade fosse assim.

 

Até amanhã, que como sempre, em Chaves há feijoada.

.

´
publicado por Fer.Ribeiro às 01:31
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|  O que é?

.Fotos Fer.Ribeiro - Flickr

frproart's most interesting photos on Flickriver

.meu mail: blogchavesolhares@gmail.com

.Outubro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9

15

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


.pesquisar

 
ouvir-radioClique no rádio para sintonizar

 

 

El Tiempo en Chaves

.Facebook

Fernando Ribeiro

Cria o teu cartão de visita Instagram

.subscrever feeds

.favorito

. Solar da família Montalvã...

.posts recentes

. Cidade de Chaves - Dois o...

. Chaves, uma imagem

. Uma imagem

. Chaves das Varandas e Pon...

. Chaves de Ontem e de Hoje...

. Os Olhares de Manuel Ferr...

blogs SAPO

.Blog Chaves no Facebook

.Veja aqui o:

capa-livro-p-blog blog-logo

.Olhares de sempre

.links

.tags

. todas as tags

.arquivos

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

Add to Technorati Favorites