12 anos

Segunda-feira, 20 de Março de 2017

Quem conta um ponto...

avatar-1ponto

 

333 - Pérolas e diamantes: O carinho enternecedor da burguesia

 

A propósito do seu último livro “Os Pobres”, a socióloga Maria Filomena Mónica deu uma interessante entrevista ao jornal de Negócios onde defende que em Portugal existe uma espécie de “apartheid” social, pois a composição da sociedade portuguesa é de tal forma desigual, e essa desigualdade é já tão antiga, que surge aos nossos olhos como uma coisa normal e banal.

 

Esta sua preocupação com a pobreza teve início logo na sua adolescência, quando, na companhia de freiras, foi levada a um bairro de lata em Lisboa para poder ver os pobres no seu meio e dessa forma iniciar o seu treino para exercer a caridade. Disseram-lhe que exercendo a caridade rapidamente iria para o céu. MFN não considerou que a sua viagem para o céu justificasse aquilo que viu.

 

Na sua perspetiva, “a caridosa burguesia tradicional cultivou a pobreza dos outros com um carinho enternecedor. Nunca lhe passou pela cabeça que talvez fosse possível acabar com ela ou, pelo menos, tratar muito seriamente disso”.

 

No seu livro pode ler-se este belo naco de prosa: “Cultivavam-se os pobrezinhos, regavam-se com bocadinhos de pão com conduto, com pequenas moedas e cultivava-se sobretudo a sua pobreza. Havia a comida dos pobres, as visitas dos pobres e a sexta-feira que era dia dos pobres.”

 

Esta crítica ao antigamente, também se estende até aos dias de hoje. Reconhece que as redes de solidariedade social, muitas delas com presença de pessoas católicas, até realizam um bom trabalho. Mas a ideia que lhe está por trás é que os ricos estão por cima dos pobres.

 

De facto, estas redes apoiam mas não estimulam as pessoas a sair da pobreza. Habituam-nas a pensar que a pobreza é uma coisa normal. Sim, existem pobres e qual é o problema? O problema é que não devia haver. Ou pelo menos não deviam existir tantos. Propaga-se então a ideia de que não são iguais a nós, de que não têm as mesmas necessidades, de que se satisfazem com menos. Esse é o carimbo da desigualdade. E a desigualdade ali fica como uma espécie de barreira intransponível.

 

De um lado os ricos, que necessitam das melhores coisas. Do outro lado, eles, que são pobres, só necessitam do básico e servido em pequenas doses para não oparem.

 

Desde cedo que MFN abandonou a religião. Ou melhor, foi expulsa da Igreja por um padre. Foi um drama para a sua mãe, que era dirigente da Ação Católica Portuguesa.

 

Revoltava-a a visão da pobreza por parte da Igreja, onde os pobres estavam sempre a mendigar a ajuda dos ricos, e onde estes, sob o olhar majestático de Deus, se viam obrigados a exercer a caridade.

 

Para ela, isto era um sinal de que a Igreja não tinha compaixão por aqueles que mais sofriam e dava boa consciência aos ricos, que tricotavam três casacos de bebé para dar no Natal e iam para casa. “Eu não conseguia fazer isso.”

 

Não se resignava à glorificação do sofrimento. Os pobres eram resignados e aceitavam a doutrina de Cristo, pensando que “estavam ali para serem pobres e não havia nada a fazer. Pessoalmente, eu não quero ser resignada, não queria e não quero sê-lo no futuro”.

 

Na sua infância, a socióloga conviveu com pessoas das boas e católicas famílias portuguesas. Até das mais antigas. Considera no entanto que, apesar da sua bondade, não lhes passava pela cabeça que a desigualdade social é um crime. Já os seus colegas universitários, que eram todos do MES (Movimento de Esquerda Socialista), achavam que os pobres iriam desaparecer de um dia para o outro. Ela também achava, mas depois verificou que não era assim.

 

Eles aí permanecem com todo o seu esplendor. Apesar disso, pensa que com todas as críticas que se possam fazer à sociedade portuguesa, “não há comparação entre aquilo que se vive hoje e o que se vivia há 50 anos. Portugal melhorou bastante e as pessoas, às vezes, esquecem-se. A tendência é para glorificar o passado. O passado, para algumas pessoas, tornou-se um mito. Dantes é que era bom. Dantes, mas quando?! Só se for no século XII”.

 

Apesar de pertencer à secção dos portugueses ricos, Maria Filomena Mónica não se deixa apanhar na teia do ceticismo. É que os ricos são todos iguais, mas há os que são mais iguais do que outros.

 

Oiçamos a sua opinião sobre a União Europeia: “Não posso dar-me ao luxo de ser uma eurocética. Porque não pertenço a um país rico. Se pertencesse à Escandinávia, seria eurocética.”

 

João Madureira

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 09:00
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Segunda-feira, 13 de Março de 2017

Quem conta um ponto...

avatar-1ponto

 

 

332 - Pérolas e diamantes: A essência do engano

 

 

A História e a vida ensinaram-me a acreditar que é perigoso acreditar muito no que quer que seja.

 

Uma outra coisa aprendi por mim próprio: a verdadeira decadência implica não levar nada demasiado a sério. Sobretudo a arte decadente. Mas também as ideologias. E ainda a religião.

 

Philip Kerr, no seu livro “O Projeto Janus”, põe o padre Bandolini a atribuir a culpa de toda a Reforma à cerveja forte.

 

Para ele, o vinho é uma bebida perfeitamente católica, porque torna as pessoas ensonadas e cúmplices. Já a cerveja torna-as agressivas. Por isso, os países que consomem muita cerveja forte são sobretudo protestantes. E os países onde se bebe muito vinho são católicos romanos.

 

Já os russos emborcam vodka que é uma bebida que ajuda a atingir o perdão, pois não tem nada a ver com Deus. Por isso é que agora os comunistas andam a bater com o punho direito no lugar onde lhes fica o coração.

 

Em verdade vos digo: a essência do engano, pelo menos na opinião de Bernie Gunther, um ex-agente dos serviços secretos, e personagem principal do livro de Kerr, não é a mentira que se diz, mas as verdades que se contam para a apoiar.

 

Desconfio sempre das ditas qualidades pessoais dos designados como políticos mediáticos. Desconfio da sua oratória demasiado assertiva e folclórica, do seu enorme ativismo, dos seus dotes invulgares de atores, porque, dessa forma, pretendem encobrir a sua falta de convicções políticas sérias.

 

O seu objetivo principal é apenas aparecerem na fotografia, satisfazendo assim a sua “mediopatia”, a sua necessidade de serem queridos e admirados, o seu desejo de protagonismo.

 

Por isso é que é frequente ouvi-los dizer uma coisa num dia e no seguinte afirmar exatamente o contrário e, sobretudo, dizer a uns e a outros o que cada um deles quer escutar.

 

Raramente participam nas discussões de ideias. Esperam que as partes em conflito, por convicção ou por esgotamento, decidam a seu favor e cheguem a um acordo. Nessa altura, armados da sua oratória e autoridade de líderes, limitam-se a reafirmar a posição vencedora e a ratificar o acordo.

 

Não têm posição séria sobre nada, ou quase nada, a não ser seguir o seu inefável desejo de continuar no cargo que ocupam ou em conseguir outro melhor.

 

São pessoas de ação porque a sua vida depende disso. Vão a toda a parte, assistem a todas as reuniões, festas e homenagens, batizados, bodas e funerais.

 

Em vez de resolverem os problemas, adiam-nos ou transformam-nos em problemas diferentes. Adiam tudo para a última hora.

 

Nietzche apercebeu-se que os seres humanos não conseguem suportar demasiada realidade. Defendia que a verdade é nociva para a vida. Por isso abominava a nossa diminuta moral pequeno-burguesa.

 

O pior é deixarmo-nos acreditar que temos razão por já a termos tido.

 

Não há nada que mais nos agrade do que ver um tipo a dar cabo de outro.

 

Uma coisa aprendi ao longo destes anos: os mentirosos nunca mentem, apenas alteram a verdade. Até porque a ser mentira, a sua mentira, é apenas boa, é somente uma mentira nobre, uma mentira oficiosa, uma mentira salvadora.

 

Afinal, a quem interessa a verdade?

 

Górgias, que viveu quatro séculos antes de Cristo, disse que a poesia (naquele tempo a ficção ou o romance) é um engano em que quem engana é mais honesto do que quem não engana, e que quem se deixa enganar mais sábio do que quem não se deixa enganar.

 

Após estes anos todos, continuo a fazer a mesma prece que Reinhold Niebuhr: Senhor, concede-nos a graça para aceitarmos com serenidade as coisas que não podem ser mudadas, coragem para mudar as que devem ser mudadas e sabedoria para distinguir umas das outras.

 

 João Madureira

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 02:21
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Segunda-feira, 6 de Março de 2017

Quem conta um ponto...

avatar-1ponto

 

331 - Pérolas e diamantes: Conluio de malvados

 

 

Começo a ficar um pouco farto daquelas pessoas que se vangloriam de fazerem as coisas bem. Sempre com um dedo apontado ao céu e outro ao seu próprio umbigo. Concordo com a sua trupe de bajuladores. De facto eles fazem muito bem todas as coisas sem importância.

 

Vivemos numa fase atípica da nossa democracia. Provavelmente perigosa. Temos liberdade, mais de quarenta anos dela. Continuamos a dizer aquilo que queremos. Mas eles, os que mandam, fazem invariavelmente o que planeiam. 

 

No fundo devemos tentar encontrar o nosso ponto de gravidade. Devemos insistir na procura da coragem, da força e da determinação. Não nos devemos limitar a fazer lixo. As nossas vidas são tão insignificantes. Até os nossos inimigos são insignificantes. Nem sequer vale a pena desperdiçar as nossas forças com eles. 

 

Eu procuro ir de encontro às palavras para inventar a realidade. Se formos bons, as histórias narram-se sozinhas. A nós cabe-nos repeti-las e transmiti-las. Temos de tentar fazer ver o mundo para além das nossas convicções.

 

Tento afastar a fadiga e reaprender a humildade de quem sabe saber pouco.

 

Aprendi com Cervantes que o sorriso e a ironia nascem do desencanto e da consciência de tudo aquilo que é trágico. É através da desilusão que se chega à fraternidade e ao amor. Tal como Dostoiévski, acredito que o Dom Quixote basta para justificar a Humanidade.

 

Deus nos livre de todos aqueles que – e cito Aristóteles – se apressam a executar uma ordem antes de ouvi-la por inteiro, pois assim só podem errar.

 

Por vezes chego a pensar – e a sentir, valha-me Deus – que não existe cidade à qual voltaríamos de tão bom grado as costas, quando nela habitamos, como Chaves. Mas também não existe nenhuma outra à qual se deseja tanto voltar, mal a deixamos.

 

É uma maldição esta contínua oscilação entre a ideia fixa de partir e a mania de voltar, entre a impossibilidade de suportá-la e, ao mesmo tempo, de passar sem ela.

 

Por vezes sinto-me como o judeu descrito por Kafka: “Eu escrevo diversamente do que falo, falo diversamente de como penso, penso diversamente de como devo pensar, e assim por diante até à mais profunda obscuridade.”

 

O grande escritor romeno Norman Manea resumiu de forma magistral o mundo em que vivemos: “No grande mercado livre e carnavalesco do mundo de hoje nada mais parece audível se não for escandaloso, mas nada é suficientemente escandaloso para se tornar memorável.”

 

Acho que foi Kapuscinski quem escreveu que uma árvore encantadora também pode proporcionar um duro bastão para zurzir.

 

Afinal, apenas a cultura permite separarmo-nos das nossas raízes e assumir um comportamento cosmopolita.

 

E não vale a pena pensar que os nefelibatas, os bajuladores e os carreiristas escrevem sem conhecimento de causa, dizendo muitas vezes que não aconteceu nada. Quando isso acontece lembro-me sempre da anedota daquela freira jovem e bonita que quando lhe perguntaram qual a razão de ter sido a única que escapou à violação de um grupo de delinquentes que tinham assaltado o seu convento, respondeu: Não sei… eu só disse «Não».

 

Eu sou um homem com defeitos, não com “defeitozinhos”. Platão ensinou-nos que “lá onde um homem se expõe livremente, nasce espontâneo o conluio dos malvados”.

 

Todos sabemos que um génio pode escrever coisas insignificantes, que não merecem ser lidas, mas se nos informarem que esta página ou aquela obra é de um génio somos forçados a atribuir-lhe significados que na realidade não se encontram lá. E isso não se aplica apenas aos génios, mas a todo aquele que goze de uma certa notoriedade.

 

Mesmo na educação, apenas é eficaz a evidência dos valores, não a sua predicação.

 

João Madureira

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 09:00
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Segunda-feira, 27 de Fevereiro de 2017

Quem conta um ponto...

avatar-1ponto

 

330 - Pérolas e diamantes: a mão herética do deus António Lobo Antunes

 

Deixem que vos confesse uma coisa: eu aprecio bem mais as entrevistas do que os romances de António Lobo Antunes. Pode parecer uma confissão herética, mas é verdadeira. Ele, na sua imensa modéstia, diz que escreve com a mão de Deus. E que os seus romances (?) são polifónicos. A mim soam-me mais como música estocástica de Iánnis Xenákis. A sua dita polifonia é, por assim dizer, uma dissonância permanente que nos leva quase até ao absurdo e à incompreensão.

 

Talvez por isso, como referiu ao Expresso, não é fácil viver com ele pois parece estar sempre em guerra civil. Não revelou foi contra quem ou a favor de quê.

 

Às vezes pensa, e bem, creio eu, como Verdi, que com os seus 82 anos, quando lhe perguntaram porque não escrevia a sua autobiografia, respondeu: “Já levei 60 anos a maçar as pessoas com a minha música e agora vou maçá-las com a minha escrita?”

 

Além disso considera que todos os livros são autobiográficos. Que vida tão emaranhada deve ter experimentado o senhor. Que coisa sem sentido.

 

Diz que quando escreveu as cartas de guerra à sua namorada “era bonito que se fartava. Agora é um monstro”. Provavelmente, na sua simplicidade introspetiva, um monstro das letras.

 

Conheceu o pugilista Mike Tyson, que considera “inteligente que se farta”, na Public Library de Nova Iorque. O que foi um dos momentos altos da sua vida, pois o nosso eterno candidato ao Nobel é um apaixonado pelo boxe. Quem diria! Até pensou escrever um livro sobre pugilismo.

 

O boxe, para Lobo Antunes, é muito bonito. O seu pai organizava combates entre os seus filhos na casa de banho, com a porta fechada à chave para a mãe não entrar. Eram miúdos.

 

Diz que espera escrever apenas mais dois livros e acabou-se, pois tem “medo de escrever porcarias...  De não ter sentido crítico, pois os escritores que vivem muito tempo começam a fazer porcarias e não percebem”. O que não é, definitivamente, o seu caso. Nem pouco mais ou menos.

 

O nosso estimado romancista foi muito precoce. Segundo diz, e segundo a sua mãe contava, aos dois anos já falava espanhol. Aos 13 anos o seu pai deu-lhe uma segunda edição de “Mort a Crédit”, de Céline, e ficou deslumbrado.

 

Quando o filho disse ao pai que queria ser escritor, ele logo o avisou: “Isso não é boa ideia, estuda, namora. Porque se fores escritor não podes fazer mais nada.”

 

O António não queria ser António, que era o nome do avô, mas sim Sérgio. Ele até gostava muito do avô, mas embirrava com o nome. O avô levava-o aos museus a Itália e dava-lhe “explicações enormíssimas em frente de cada quadro. Depois havia os escarradores.” Ele “só gostava dos escarradores. Queria lá saber dos quadros! Velasquez? Meninas? Queria lá saber”.

 

Diz que acredita em Deus, mas que está sempre zangado com ele. O que não admira, pois continua a estar zangado com o falecido José Saramago. Nunca teve nada contra ele, diz ele. Mas o Saramago tinha-lhe “um pó, uma inveja”. Nunca percebeu porquê.

 

Ele, o Saramago, na opinião do António, “achava-se mesmo um grande escritor”. Ele, o António, que gostaria de se chamar Sérgio, “sempre achou aquilo (os livros do José, especialmente o “Memorial de Convento”) “uma merda”. O Saramago, além de escritor de merda, na opinião do António, possuiu sempre o defeito de ter “mulheres de direita, enquanto se afirmava comunista”. E cita Juan Marsé para arrasar Saramago: “Non es un escritor es um predicador.”

 

Os bons escritores, diz o António, devem ser humildes.

 

Por isso é que Lobo Antunes chegou a fazer um teste de QI e descobriu que tinha 187.

 

A sua mãe costumava dizer: “Não há nada mais estúpido do que um homem inteligente”. Na opinião do seu filho tem toda a razão.

 

Terminamos com um seu desabafo: “A quantidade de coisas estúpidas que fiz ao longo da vida…”

 

João Madureira

´
publicado por Fer.Ribeiro às 09:00
link do post | comentar | favorito (1)
|  O que é?
Segunda-feira, 20 de Fevereiro de 2017

Quem conta um ponto...

avatar-1ponto

 

329 - Pérolas e diamantes: Donald Trump é kitsch

 

Oiço Marine Le Pen falar e tenho uma sensação de déjà vu. A senhora, dizem, é de extrema-direita. É contra o euro, a união europeia e a NATO. Exatamente o mesmo discurso do PCP e do BE em Portugal que, dizem, é a extrema-esquerda portuguesa, partindo do princípio, claro está, de que o PS é a esquerda, ou é de esquerda, ou é socialista, já que partido é-o de facto, com as vantagens que todos lhe reconhecemos, sobretudo para os seus dirigentes e apaniguados

 

Ao que tudo indica estão-se a trocar os nomes e os níveis semânticos mais populares da política. A esquerda parece uma nova direita e a direita encaminha-se, já não para o centro, mas diretamente para a esquerda. Talvez tenha sido por isso que, nos EUA, Donald Trump conquistou os votos dos operários da indústria do rust belt (cintura da ferrugem). Também ele é contra a NATO, a União Europeia e o euro. Ou seja, defende os mesmos princípios teóricos de Jerónimo de Sousa, Catarina Martins, Marine Le Pen e de Nigel Farage.

 

Em França, o direitista Fillon, foi apanhado por, enquanto deputado, ter criado um emprego fictício para a mulher, Penelope Fillon, e para dois dos filhos, o que lhes permitiu receber centenas de milhares de euros de fundos parlamentares. O centrista Emmanuel Macron foi quem mais beneficiou com a escandaleira. Dizem as sondagens que pode ser ele o próximo presidente francês, isto se a putativa “frente republicana” se unir contra a extrema-direita de Le Pen.

 

Numa coisa Emmanuel tem razão: “Alguns políticos fingem falar em nome do povo, mas são apenas ventríloquos.”

 

Também Angela Merkel se vê atrapalhada nas sondagens, já que pela primeira vez uma delas colocou a chanceler alemã atrás do social-democrata Martin Schulz. 

 

É tudo uma questão de imparidades. Por causa delas, os bancos registam todos os anos centenas de milhões de euros de perdas em créditos concedidos. Assumem agora que essas dívidas são incobráveis. A destruição de valor é gigantesca. Desde 2008, ultrapassa os 40 mil milhões de euros. Uns não pagam porque foram à falência, outros safam-se porque as garantias que deram não são executáveis. 

 

Joe Berardo, esse génio dos negócios e altruísta da arte, por exemplo, pediu mil milhões de euros à Caixa, ao BES e ao BCP para comprar ações. Deu na altura como garantia outras ações que valiam, dizem os analistas financeiros, cerca de 5 euros. A dívida de milhões da Ongoing aos bancos já citados foi dada também como praticamente perdida. A Lone Star, candidata à compra do Novo Banco, também já veio dizer que o crédito concedido ao construtor civil José Guilherme (o tal senhor que ofereceu um presente de 14 milhões de euros a Ricardo Salgado) está perdido.

 

Como se isto fosse pouco caiu-nos em cima a eleição do inenarrável Trump. O escritor Paul Auster considera que, por causa disso, o futuro da América está em risco. E põe o dedo na ferida: “Apesar das belezas da Constituição Americana, os EUA é um país fundado em dois enormes crimes: o genocídio dos indígenas e a escravatura durante 350 anos. É obsceno!”

 

No seu país, diz Auster, “ninguém quer saber de intelectuais ou escritores. As únicas figuras públicas que as pessoas gostam de ouvir são os atores de cinema”, e, digo eu, os demagogos do kitsch.

 

Eu explico. Kitsch, é uma espécie de ideia artística que envolve a falsificação da verdadeira arte, ou, então, o seu rebaixamento sensacionalista. Pretende tornar aceitável tudo aquilo que, na existência humana, é intolerável e se esconde atrás de uma fachada de sentimentalismo barato, beleza enganadora e virtude aparente.

 

Kitsch, defende Javier Cercas, “é uma mentira narcisista que esconde a verdade do horror e da morte”. Da mesma forma que “o kitsch estético é uma mentira estética – uma arte que, na realidade, é uma arte falsa –, o kitsch histórico é uma mentira histórica – uma história que, na realidade, é uma falsa história.”

 

Trump pertence ao kitsch político, porque é um embuste político, uma realidade adulterada e fabricada, uma mentira estética, uma história falsa.

 

Tudo isso é Trump. Donald Trump é tudo isso e, se calhar, até é um pouco mais.

 

PS - Peço que, se vos for possível, me desculpem estes apartes aparentemente insubstanciais. Mas eu não me pretendo esconder atrás dessa perspetiva cobardolas de não escrever o que me sai da alma, para, em troca, escrevinhar aquilo que acham que devo escrever para agradar aos críticos, aos falsos amigos e aos néscios oficiosos.

 

João Madureira

´
publicado por Fer.Ribeiro às 09:00
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Segunda-feira, 13 de Fevereiro de 2017

Quem conta um ponto...

avatar-1ponto

 

328 - Pérolas e diamantes: entre o status quo e a ira de Deus

 

A politóloga argentina Pia Mancini defende que uma das causas da apatia das pessoas em relação à política está ligada ao sistema, pois hoje em dia a democracia representativa preocupa-se exclusivamente com as relações dentro da corporação. Deixou de se centrar na educação dos cidadãos sobre a participação, o debate e a tomada de decisões. Qualquer projeto de lei é inacessível para quem não for advogado, “outra elite que luta para manter o status quo”. 

 

Estamos tentados a pensar que quem manda verdadeiramente em Portugal, mais até do que as direções partidárias, são os lóbis constituídos e arregimentados pelos grandes escritórios de advogados sediados em Lisboa e que devem despachar o serviço em franca camaradagem com os principais ministérios.

 

Por isso é que triunfa o politicamente correto. José Rentes de Carvalho acha que se abateu A Ira de Deus sobre a Europa.

 

Numa entrevista à revista Sábado, refere que “não há espaço para todos na Europa”.

 

Na sua perspetiva, o politicamente correto vai ser a desgraça das sociedades ocidentais “porque é a negação de uma realidade e do espírito crítico, a busca de harmonias impossíveis, a exigência de nos pôr a todos a olhar para o mesmo lado, a marchar com o mesmo passo, a aceitar a mesma dieta sob pena de desagradarmos ao grupo”.

 

JRC não entra no caminho fácil da banalização do medo ao bárbaro ou do complexo de culpa do branco. Ele acha que o perigo está “nesta identificação ingénua com «os pobrezinhos», os infelizes, os deixados por conta no que já se pode chamar de Terceiro Mundo, por ser agora ofensivo”.

 

Parece que os bárbaros não demonstram lá “muito interesse pelo carinho que lhes querem dispensar, preferindo tomar nas mãos o próprio destino, segundo a sua religião e tradições, dispensando as modas de conduta vigentes em São Francisco, Berlim ou Amsterdão”.

 

Ou seja, os atentados na Europa estão a acabar com o politicamente correto. O Brexit e a ascensão dos partidos xenófobos e racistas são disso o sinal máximo. As pessoas estão cada dia mais intolerantes, quer seja em nome de Alá ou de Deus.

 

E é possível que a sacudidela que se aproxima não venha do lado da política, mas sim da economia. “A dura realidade da precisão de três refeições ao dia, o abrigo de um teto e roupa para vestir, não se condói com os sentimentos fictícios do Facebook.”

 

Não lhe parece que as populações estejam agora mais intolerantes. “Já o eram, mas dá ideia de que aos poucos irão deixando a apatia, descobrindo que de facto podem ter voto na matéria”.

 

O escritor português, radicado na Holanda, diz que observa sinais de que os muçulmanos e as multidões da África, que deixaram de ser pacíficas, definiram como objetivo colocar um ponto final na velha ordem ocidental. Por isso, “a Europa vai continuar a ser presa fácil do islão”.

 

De facto, aos muçulmanos sobra-lhes o que aos europeus falta: “Fé, orgulho no seu ideal, um sonho a realizar. A Europa aparenta ocupar-se mais com a superficialidade do dia a dia, as férias, o rock, o hedonismo, o que é de pouca valia como propósito na vida”.

 

Perguntaram-lhe se tem medo. Ele, lá do alto dos seus 86 anos respondeu que medo não tem, tem apenas tristeza, “porque num mundo em que parecem imensas as possibilidades de melhoria para todos, gastamos a vida e o tempo em inimizades, conflitos bárbaros, entretemo-nos com criancices”, fazendo passar a ilusão de que atualmente as pessoas não “envelhecem a caminho de alguma sabedoria”, evidenciando a tendência de retrocederem para o infantilismo.

 

Questionaram-no sobre a possibilidade de uma guerra de civilizações na Europa. Respondeu que se lho tivessem perguntado antes da guerra dos Balcãs (1991-2001), a sua resposta seria não. Hoje não arrisca previsões.

 

 João Madureira

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 09:00
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Segunda-feira, 6 de Fevereiro de 2017

Quem conta um ponto...

avatar-1ponto

 

327 - Pérolas e diamantes: esquerda, direita, em frente marche (II)

 

Foi nos anos 80 e 90 que se assistiu a uma recuperação da onomástica tradicional, fenómeno que se alastrou a outras camadas socioeconómicas.

 

Em 2015 circulou no Facebook um texto intitulado «Devolvam o nome aos “betos!!!”». À primeira vista satírico, o apelo em defesa do classicismo dos nomes próprios insurge-se contra a denominada democratização a que os nomes de elite foram sujeitos, perdendo, dessa forma, os atributos distintivos.

 

Afinal parece que existe luta de classes na hora de escolher o nome dos filhos. A esquerda democratizou e banalizou a onomástica e a direita volta agora a apostar nos traços distintivos dos nomes de família com pedigree.

 

Aliás, convém não esquecer que num país dito sociologicamente de esquerda, num programa da RTP de 2007, Salazar foi escolhido pelos telespectadores, em votação democrática e muito participada, como “o maior português da História”.

 

É bem verdade que se pode dizer, como alguém o fez, que se pode tirar o homem da província, mas não a província do homem. Dentro de nós mora um salazarzinho acomodado e irónico que invocamos quando nos dá jeito. Otelo, o máximo capitão de Abril, chegou a desabafar que “precisamos de um homem honesto e inteligente como Salazar”.

 

Foi através do Independente e da Kapa que me apercebi que a direita urbana e sofisticada reivindicava para si um corpus de referências que também era meu: a banda desenhada de Corto Maltese, de Hugo Pratt; as obras de ficção científica de Phillip K. Dick, de onde surge um dos melhores filmes de sempre: Blade Runner; e as distopias pós-apocalípticas de Frank Herbert, autor de Dune, que também deu origem ao filme com o mesmo nome, onde participa como ator convidado Sting; ou a música de inspiração céltica, hoje tão em voga.

 

António Araújo, no seu livro Da Direita à Esquerda, lembra-nos que nos anos 80 a direita portuguesa, urbana e sofisticada, entra na movida lisboeta em convívio aberto com a esquerda, convergindo nos espaços de moda, na noite e no hedonismo de uma visão libertária em matéria de costumes.

 

Era uma “direita que era de esquerda”. Tal atitude foi um grande contributo para combater algo extremamente enraizado nos portugueses: a fronteira que separa a esquerda da direita, o tal esquema dicotómico maniqueísta que, bem vistas as coisas, costuma dar sempre a prevalência à esquerda. 

 

Com a esquerda urbana a virar à direita, o catolicismo, predominantemente conservador, também fez o seu aggiornamento à esquerda, ou seja, tenta ser neutro. José Tolentino Mendonça, um dos nomes mais representativos de uma vivência do catolicismo despojada de conotações político-ideológicas vincadas, põe-se a poetizar como um leigo.  E fá-lo com qualidade.

 

Aliás, a subversão desta dicotomia tem mesmo ocorrido ao mais alto nível da Igreja. Podemos mesmo perguntar: o Papa Francisco é de direita ou de esquerda?

 

Agora proliferam por aí os livros de análise e diagnóstico sobre a crise, com um cardápio sobre a bula terapêutica que nos prometem a cura, “como tirar Portugal da crise” (João Ferreira do Amaral), ou “resgatar o País” (José Gomes Ferreira). Todos eles com a fotografia dos autores na capa, conferindo a si próprios o estatuto de “intelectuais públicos”, estando nós em crer que serão mais públicos do que intelectuais.

 

Com a puta da crise ressurgiram com todo o esplendor as associações de apoio social e de voluntariado. Isabel Jonet, católica assumida, é a sua cara mais mediática. Todos nos lembramos das suas declarações como presidente do Banco Alimentar Contra a Fome: “Se não temos dinheiro para comer bifes todos os dias, não podemos comer bifes todos os dias”.

 

O Movimento Sem Emprego respondeu-lhe, a dado passo, numa carta: “A sua influência aumenta na proporção da miséria que nos vai impondo” e “sabemos que é rica e privilegiada e nunca falou de fome com a boca vazia”. 

 

Nós não vamos tão longe. Estamos em crer que algumas vezes o fez, nomeadamente quando mastigou os tenros bifes de vaca dessa zona.

 

Fora o juízo dicotómico da polémica, uma coisa sabemos: há muita gente que vive da fome e da desgraça dos outros, tanto física como espiritualmente.

 

A investigadora Raquel Varela afirmou que a cruzada de Isabel Jonet lembrava as campanhas do Movimento Nacional Feminino.

 

Numa carta que dirigiu à senhora presidente Jonet dizia, entre outras verdades: “As tropas de famintos são uma mina de ouro para as instituições que vivem à sombra do Estado a gerir a caridade”, pois a “caridade usa a fome como arma política”.

 

João Madureira

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 09:00
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Segunda-feira, 30 de Janeiro de 2017

Quem conta um ponto...

avatar-1ponto

 

326 - Pérolas e diamantes: esquerda, direita, em frente marche (I)

 

Na nota introdutória do seu livro Da Direita à Esquerda, António Araújo coloca a seguinte questão: “Além de estúpido, caçar Pokémons é de esquerda ou de direita?” Provavelmente a pergunta não tem resposta, pois a maior parte das coisas que fazemos na vida não se conseguem enquadrar dentro desta dicotomia.

 

A obra defende que “as práticas, os hábitos e os consumos socioculturais da esquerda e da direita se encontram cada vez mais próximos, obedecendo a uma lógica de espetáculo que tudo absorve e corrompe”.

 

A seu ver, a grande clivagem que persiste encontra-se naquilo que divide elites e não elites, pois a maioria das polémicas que subsistem na esfera pública situam-se, “hoje como ontem, num âmbito elitista, urbano e sofisticado. O povo mantém-se sensatamente afastado dessas quezílias”.

 

Do que conseguiu apurar, a grande diferença continua a persistir, à esquerda, no seu apego a uma noção de conflito, ao passo que a direita prefere uma abordagem mais consensual e de compromisso com a realidade. No entanto, observa-se que, atualmente, esse padrão está em vias de mudança, “sendo ainda cedo para avançar prognósticos, sobretudo num tempo tão incerto e volátil”.

 

Em Portugal, depois do 25 de Abril, existiram alguns traços distintivos que não me foram estranhos e que rememorei durante a leitura do livro.

 

Em 1986, Diogo Freitas do Amaral, trouxe para a ribalta alguns traços distintivos do seu (da direita, claro está, pois o homem já virou à esquerda há alguns anos) cariz classista. Na sua campanha presidencial popularizou a moda dos sobretudos verdes de loden, de inspiração austríaca e protagonizou uma batalha eleitoral à americana, de grande espetacularidade, que incluiu até chapéus de palhinha… feitos de plástico. 

 

Nos tempos de Cavaco Silva, a direita começou a exibir os seus Rolls-Royce pelas avenidas de Lisboa, a divertir-se no Bananas e a recuperar os solares e as casas de família, graças aos fundos europeus vocacionados para o denominado turismo rural, o agroturismo e o turismo de habitação.

 

Apareceu então o arquiteto Tomás Taveira, impondo a sua visão pós-moderna, muito peculiar, reinventando a tradição, ao reunir vários arquétipos ancestrais da portugalidade: a guitarra portuguesa no edifício-sede do Banco Nacional Ultramarino (1989) e as famigeradas Torres das Amoreiras (1985), que pretendiam evocar os elmos de guerreiros medievais, relembrando castelos de reis e princesas.

 

Nos anos 80 surgiram na cena musical os Heróis do Mar, numa onda de revivalismo que, mais tarde, havia de desembocar no projeto Madredeus, ou nos Sétima Legião, onde pontuavam nomes como Rui Pregal da Cunha, Pedro Ayres Magalhães, Carlos Maria Trindade e Rodrigo Leão.

 

O autor das letras das canções dos Madredeus era Francisco Ribeiro Menezes, que integrava as vozes do coro. Mais tarde enveredou pela carreira diplomática, chegando a exercer funções como chefe de gabinete do primeiro-ministro Pedro Passos Coelho.

 

As voltas que o mundo dá.

 

À esquerda, aparece Rui Veloso e Carlos Tê com o álbum Ar de Rock, rompendo, talvez sem querer, por completo, com a tradição baladeira e de cantautores dos anos 60 e do imediato pós-25 de Abril.

 

À direita, emerge o Miguel Esteves Cardoso, o famoso MEC, exibindo ao mundo português adereços rétro: o simbólico papillon no colarinho da camisa, óculos redondos, uma língua irrequieta sempre pronta a lamber os beiços secos e um Volkswagen carocha preto. Afirmava-se na altura monárquico e estudioso, para não dizer fã, da Saudade, do Sebastianismo e do Integralismo Lusitano.

 

Ou seja, a década de 80 foi marcada por uma espécie de neorromantismo muito pop, ou um neoconservadorismo muito kitsh, que, sendo diferentes na génese, convergiam na redescoberta e na hipervalorização do mundo rural de classe, com os seus solares e casas de família, e na arquitetura com materiais naturais.  

 

Mais tarde, o revivalismo conservador foi apanhado por uma ideia histriónica de recuperação de gosto duvidoso, denominado entre nós como português suave, baseado em condomínios privados apelidados de villas (mas com dois ll, para evitar confusões com a pequena burguesia de província), e atividades como o hipismo, a caça, as touradas e o turismo de habitação.

 

Passados 10 anos, dois após a fundação d’O Independente aparece a revista Kapa.

 

Tenho de reconhecer que foram os grandes responsáveis pelo meu desvio de direita.

 

Eu pecador me confesso.

João Madureira

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 09:00
link do post | comentar | favorito (1)
|  O que é?
Segunda-feira, 23 de Janeiro de 2017

Quem conta um ponto...

avatar-1ponto

 

325 - Pérolas e diamantes: sobre um monólogo de Chernobyl, pensando em Almaraz

 

 

Num livro de Svetlana Alexievich um homem foge do mundo para passar a viver no paraíso, onde não há pessoas, apenas animais. Pássaros e outros animais. Esqueceu-se da sua própria vida. Pensa que as pessoas são injustas porque o Senhor é imensamente paciente e misericordioso.

 

E porquê?, pergunta ele a si próprio e logo respondendo: “O homem não pode ser feliz. Não deve. O Senhor viu Adão solitário e deu-lhe Eva. Para a felicidade, não para o pecado. Mas o homem não consegue ser feliz. Eu, por exemplo, não gosto do crepúsculo. Desta transição, como agora… Da luz para a noite… Penso, mas não consigo compreender onde estive antes…”

 

Para ele, o homem é requintado só no mal, mas simples e acessível nas palavras cândidas do amor.

 

Depois de fugir do mundo, nos primeiros tempos vagueou pelas estações ferroviárias. Gostava delas porque estavam cheias de gente. Mas ele estava só.

 

Como carregava o pecado, foi para Chernobyl. Passou-lhe a ser indiferente viver ou não viver, pois a vida humana é como uma flor: “Desabrocha, mirra e acaba no fogo.”

 

Passou a gostar de pensar. Em Chernobyl pode-se morrer tanto do ataque de um animal como do frio. E também se pode morrer de pensar.

 

Por lá não se vê um ser humano em dezenas de quilómetros. Expulsa o Demónio pelo jejum e pela oração. O jejum é para a carne, a oração para a alma. Confessa que nunca se sente só. “Um crente não pode ser solitário.”

 

Passa pelas aldeias. Nos primeiros tempos encontrava massa, farinha, óleo vegetal e enlatados que as pessoas deixaram no momento das evacuações.

 

Agora procura os túmulos, pois as pessoas deixam comida e bebida aos mortos. “Mas eles não precisam disso…”

 

E não se ressentem com ele…

 

Apesar da radioatividade, nos campos cresce centeio selvagem e na floresta há bagas e cogumelos.

 

Ali, em Chernobyl, está à vontade. E lê muito. Por ali é fácil encontrar livros. Não se encontram jarros de barro, garfos ou colheres, mas livros arranjam-se sem dificuldade.

 

E lembra-se de algumas ideias que leu num de que não recorda o título nem o nome do autor. Mas memorizou a ideia: “O mal em si não é uma substância, mas a privação do bem, assim como a escuridão não é outra coisa senão a ausência da luz.”

 

Ali sozinho, pensa na morte. Passou a gostar de pensar e o silêncio favorece a preparação.

 

Um dia expulsou da escola uma loba com os seus dois filhos que lá viviam.

 

“Pergunta: Será verdadeiro o mundo consubstanciado na palavra? A palavra está entre o homem e a alma. Pois é…”

 

Sente mais próximo de si os pássaros, as árvores e as formigas. Dantes não conhecia tais sentimentos.

 

“O homem é aterrorizador… E estranho…”

 

Ali não lhe apetece matar ninguém. Arranjou uma cana de pesca e costuma ir pescar. Pois é…

 

Mas não dispara contra os animais.

 

O seu herói preferido é Mychkin que disse: “Como é possível ver uma árvore e não estar feliz?” Pois é…

 

Gosta de pensar. “Mas o homem queixa-se mais do que pensa…”

 

“Para que serve perscrutar o mal? O mal também não é a física!”

 

Tem medo do homem. Mas pretende sempre encontrá-lo. “Um bom homem. Pois é…”

 

Em Chernobyl ou vivem os bandidos, que se escondem, ou alguém como ele. Um mártir.

 

“O meu nome? Não tenho passaporte. A polícia levou-mo… Espancou-me: «Porque andas a vaguear?» «Não ando a vaguear; ando-me a arrepender.» Espancaram-me ainda mais. Bateram-me na cabeça… Escreva então: servo de Deus, Nikolai… Agora, um homem livre.”

 

João Madureira

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 09:00
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Segunda-feira, 16 de Janeiro de 2017

Quem conta um ponto ...

avatar-1ponto

 

324 - Pérolas e diamantes: incarnar segundo as leis

 

Quando visitei pela primeira vez o museu Quai d’Orsay e observei um quadro de Vicent van Gogh senti-me como Po, o Panda do Kung Fu, quando entrou no átrio proibido onde está guardado o Rolo do Dragão, viu uma obra preciosa de pintura sacra e exclamou, com veneração, como não podia deixar de ser: “Nunca vi senão cópias desta pintura”, momento dignamente ascético e com uma referência à distinção da cópia e da cópia da cópia.

 

Reconheço que senti gozo e prazer, numa leitura freudiana, claro está. Isto fez-me lembrar a oposição entre os pelagianos (o pelagianismo foi um conceito teológico que negava o pecado original) e Agostinho de Hipona. Para os pelagianos, o gozo era em si mesmo uma coisa boa que podia ser mal usada, enquanto para Agostinho, o gozo era uma coisa má, mas que, no interior do casamento, podia ser bem usada.

 

Este mesmo dilema sentiram os militantes comunistas perante a atitude a tomar relativamente à “libertação sexual”, oscilando entre dois extremos: de um lado estavam os wilhelm-reichianos (pelagianos), que insistiam na capacidade libertadora da sexualidade livre e do outro situavam-se os marxistas-leninistas ascéticos (agostinianos), que zurziam na “sexualidade livre”, considerando-a como um fenómeno ilustrativo da decadência burguesa, tendo como propósito confundir o povo e desviar a sua energia dos objetivos revolucionários.

 

No fundo, um corpo limpo e roupas asseadas podem, apesar de tudo, esconder uma alma suja. Afinal o heroísmo e o erotismo podem fazer parte da perversão humana.

 

Em Gallipoli, Mustafa Kemal Ataturk disse às suas tropas: “Não vos dou ordem de lutar, dou-vos ordem de morrer. Enquanto morremos, outras tropas e outros comandantes poderão chegar e render-nos.”

 

Como diz Slavoj Zizek, o sacrifício do reagrupamento para a batalha decisiva “é a última tentação a que devemos resistir, a última máscara com que uma atitude não ética se disfarça como se fosse a própria ética”.

 

Marcuse bem nos avisou: “A liberdade é a condição da libertação”. Por outras palavras: “Se transformarmos a realidade tendo como objetivo realizarmos os nossos sonhos, sem transformarmos esses nossos sonhos, terminaremos, mais cedo ou mais tarde, por regressar à realidade anterior.”

 

Quando nos confrontam com as crianças que morrem de fome e nos dizem, por exemplo, que com o preço de dois cafés podemos salvar a vida de uma delas em África, a verdadeira mensagem é a de que pelo preço de duas bicas, cada um de nós pode continuar a levar a sua vida agradável e relativamente ignorante, não só livre de problemas de consciência, mas até consolado pela participação ativa na luta contra a fome.

 

No século IV, quando o cristianismo logrou impor-se como religião do Estado do Império Romano, Hilário, o bispo de Poitiers, avisou os seus congéneres: “O imperador não vos traz a liberdade pondo-vos na prisão, mas trata-vos com respeito no seu palácio e assim torna-vos seus escravos.”

 

E a radicalidade ainda torna as coisas mais complicadas. Durante a Revolução Cultural, os Guardas Vermelhos levaram tão a sério o apelo à auto-organização popular fora do enquadramento do Estado-Partido, que o Partido Comunista reagiu organizando os seus Guardas Escarlates, que pretendiam ser ainda mais vermelhos do que os Guardas Vermelhos, embora, evidentemente, ao serviço do Partido.

 

Em 2007, os órgãos de informação liberais do ocidente tiveram motivo para rir, pois a Administração dos Serviços Religiosos do Estado chinês publicou a “Ordenação Nº 5”, uma lei destinada a entrar em vigor no mês seguinte. O seu perfil abrangia “as medidas administrativas a tomar quanto à reencarnação de budas vivos no budismo tibetano”.

 

Alertava-se o povo para o facto deste “importante passo de institucionalização da administração da reencarnação”, definir os procedimentos a observar por quem pretenda reencarnar, ou seja, resumindo: proíbe-se os monges budistas de reencarnarem sem autorização do governo, pois ninguém, fora da China, pode exercer influência sobre o processo de encarnação, e apenas os mosteiros chineses podem solicitar as necessárias autorizações.

 

Afinal o comunismo ainda não desistiu de controlar tudo. E se já orienta o próprio capitalismo, só lhe falta mesmo dirigir a incarnação.

 

Deus que se cuide, pois os camaradas chineses já andam no seu encalce. 

 

 João Madureira

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 09:00
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Segunda-feira, 9 de Janeiro de 2017

Quem conta um ponto...

avatar-1ponto

 

323 - Pérolas e diamantes: a fé é o que nos mata

 

Depois de ter estado em alguns eventos culturais atrapalhadamente como escritor convidado, o que muito me honra, sinto que existe por ali a pairar a ideia de que se espera que os autores tenham uma vocação ou monástica ou uma aptidão estapafúrdica.

 

Agora fala-se muito de autores, quase como se fossem animadores de feiras da vacuidade ou pilares sustentáveis de estratégias políticas ou, ainda mais arriscado, promotores altruístas de entidades financeiras, de muito dinheiro mas de baixo quilate.

 

Por exemplo, a mim nunca me verão a posar nu na capa de um livro, como o badalado e consagrado Walter Hugo Mãe. Eu leio e sei o que interessa em literatura.

 

Émile Zola escreveu que o crítico de verdade fala nos livros e que o idiota fala dos autores.

 

Vivemos num tempo em que a tecnologia e o desenvolvimento da ciência nos permite ver documentários intermináveis sobre a vida animal recomendados pelos canais especializados. Neles deleitamo-nos em observar um mundo utópico no qual não existe a necessidade de aprendizagem e muito menos de linguagem. Todos sabem muito bem o papel que lhes compete, ou aquele que lhes calha em sorte. Afinal, o homem é um animal desnaturado. O pecado mora ali ao lado, na pirâmide zoológica.

 

Gérard Wajcman fala-nos da razão porque inventamos a literatura. Com vossa licença, passo a citar: “O mundo animal realizou o sonho humano do sexo sem história nem história – ao passo que nós, pelo nosso lado, inventámos a literatura, precisamente para contarmos os nossos amores em que nada acontece que não sejam histórias e história…”

 

Chesterton, como é seu timbre e feitio, acerta na mouche.

 

O homem é um ser muito estranho. Além de outras debilidades provocadas pela inteligência, é o único animal abalado pela loucura a que chamamos riso, como se possuísse a fórmula, ou o segredo, de como o universo se gerou.

 

É ainda o único animal a sentir a necessidade de afastar o pensamento que possui das realidades básicas do seu próprio ser corporal e de esconder a possibilidade de sentir o mistério da vergonha.

 

Mas de uma coisa podemos estar cientes. O retrocesso civilizacional é possível.

 

Os romanos, na véspera da queda do Império Romano, estavam tão certos como nós nos sentimos hoje de que o mundo persistia continuamente sem alterações substanciais. Enganaram-se. É avisado da nossa parte não repetirmos a sua indulgência.

 

Temos de aprender com a história, se não ela não vale para nada. Nem sequer para nos divertirmos.

 

Acho interessantíssima a ideia de Maria Teresa Horta, utilizada em Anunciações, da hipótese de Maria se ter apaixonado pelo Anjo. Em vez de matar o mensageiro, o que era habitual, o recetor da mensagem apaixonou-se por ele e daí resulta a história mais fantástica, e impregnada de fé, da Bíblia.

 

O Livro, e o Verbo, engendraram a sua própria alucinação. E no feminino. A religião, a ser alguma coisa de transcendente, é isso mesmo: alucinação premonitória.

 

Seja verdade ou não, e basta ler Slavoj Zizek para nos certificarmos disso mesmo, os ideólogos da doutrina costumam defender que a religião é capaz de fazer com que pessoas, que de outra forma seriam más, sejam capazes de praticar o bem.

 

Mas se nos lembrarmos da experiência recente, temos de admitir como boa a tese de Steve Weinberg, segundo a qual, embora sem religião, as pessoas boas continuam a fazer coisas boas e as pessoas más coisas más.

 

No entanto, só a religião é capaz de levar pessoas boas a fazer coisas más.

 

De certa forma tanto faz que Deus exista ou não.

 

Se Deus não existe, tudo depende de nós e por isso temos de nos preocupar o tempo todo. Se Deus existe e espreita a todo o momento aquilo que fazemos, não podemos deixar de estar ansiosos e preocupados o tempo todo.

 

Sem ironia nem com Deus, nem com Walter Hugo Mãe, nem comigo próprio e muito menos com Maria Teresa Horta, considero que Lacan tem razão: os teólogos são os verdadeiros ateus.

 

João Madureira

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 09:00
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Segunda-feira, 26 de Dezembro de 2016

Quem conta um ponto...

avatar-1ponto

 

321 - Pérolas e diamantes: a política e o diabo ou o diabo da política

 

Um ditado atribuído a Konrad Adenauer diz que “não se deita fora a água suja enquanto não se tiver água limpa”. Mas estou em crer que preservá-la depois de se ter água limpa ali mesmo à mão de semear é teimosia desnecessária.

 

Svetlana Alexievich conta que os tajiques de Kulob matavam os de Pamir e os tajiques de Pamir matavam os de Kulob. Depois juntavam-se na praça a gritar e a rezar. Intrigada, perguntou aos anciãos a razão de tal desvario. Afinal, protestavam contra quem? Responderam: “Contra o parlamento. Disseram-nos que é um homem muito mau, o parlamento.” Depois a praça ficou deserta e começaram a disparar.

 

Isto passou-se lá para o Leste. Mas por aqui a desgraça pode vir a ser a mesma. Os números, esses ingratos, dizem que os cidadãos estão cada vez mais afastados da política. E à medida que a idade desce, esse desinteresse aumenta. Um em cada quatro jovens não quer, pura e simplesmente, saber de política.

 

As pessoas estão afastadas dos políticos que os têm representado desde sempre. Qualquer dia também por cá o parlamento vai passar a ser conhecido como um senhor muito mau.

 

Uma coisa é evidente: existe pouca, ou nenhuma, reflexão política sobre como devemos enquadrar os jovens.

 

Por enquanto, os jovens não são despolitizados, não estão é interessados na política dominante. Daí as vitórias surpreendentes do Syriza, na Grécia, ou do Movimento 5 Estrelas, em Itália.

 

O triunfo de Berlusconi, Beppe Grillo e Trump representa a espetacularização da política. Boaventura Sousa Santos considera que tudo isso se fica a dever ao facto de a ideologia ter sido substituída por uma sociedade mediática.

 

Os cidadãos deixaram de acreditar nos partidos, na sua capacidade de conseguirem resolver os problemas concretos das pessoas. O politólogo Carlos Jalali defende que “não existe um alheamento da política”. Há, isso sim, “um alheamento das elites políticas” que resulta “de uma insatisfação com as opções partidárias e uma descrença com as políticas públicas”.

 

Depois lá está o dinheiro. Para o economista ultracatólico João Cesar das Neves, “os portugueses nascem convencidos de que todos os seus males se devem aos políticos ou aos ricos, em especial aos banqueiros. (…) Nunca podemos esquecer que vivem da boa vontade dos seus eleitores ou clientes.”

 

Talvez por conhecer os fariseus que conspurcam o Templo, o Papa Francisco veio pôr os pontos nos is: “O maior inimigo da Igreja é o dinheiro. (…) Santo Inácio ensina-nos: a riqueza começa a corromper a alma; depois é a vaidade – as bolas de sabão, com uma vida vaidosa, a aparência, a boa figura… Por fim, a soberba e o orgulho. Daqui derivam todos os pecados.”

 

O líder parlamentar do PS, Carlos César, vai em busca do Tentador disfarçado de dirigente partidário. Para ele é Passos Coelho, pois “parece tomado pelo diabo e não há exorcista, ou candidato a exorcista, seja ele Luís Montenegro, Santana Lopes ou Rui Rio, que lhe explique que não pode atacar toda a gente, (…) só porque o país está melhor.”

 

É caso para dizer, quem não quer ser mafarrico não lhe deve vestir a pele. O cronista João Pereira Coutinho avisa a navegação à vista do PSD: “Se esta semana ensinou alguma coisa a Passos Coelho foi a não fazer oposição com profecias. Até porque esperar que o diabo apareça é não conhecer as manhas do mafarrico.”

 

O ministro-adjunto Eduardo Cabrita veio porém evidenciar que talvez esteja possuído por alguma alma transviada, pois decidiu desresponsabilizar todos os autarcas das decisões financeiras que tomam. As eleições autárquicas estão aí à porta e por isso convém evitar alguns danos colaterais. 

 

Existe ainda uma outra elite que também tem a sua cota parte de responsabilidade na gestão da coisa pública. Estou a referir-me ao meio literário português; pois quase todo ele se alimenta da proximidade ao poder. Não podemos esquecer que um dos seus mais legítimos representantes foi até secretário de Estado do governo de PPC. Para bem da sua alma, ainda se arrependeu a tempo. O Padre Fontes deve tê-lo exorcizado.

 

O crítico e escritor João Pedro George, autor da biografia do ex-primeiro-ministro Mota Pinto, conhece bem as celebridades. Em entrevista referiu que uma das idiossincrasias do nosso meio literário é aceitar com grande dificuldade a crítica frontal, confundindo-a com maledicência, que não é o seu caso, “pois a maledicência é feita nas costas” e o João diz as coisas na frente. “É um meio profundamente hipócrita” – sublinha –, “pois à boca pequena dizem pessimamente uns dos outros e, depois, quando se ligam os microfones e os holofotes, são todos maravilhosos”.

 

  1. Rentes de Carvalho, até porque está radicado lá fora, escreveu que “na Holanda vive-se sem necessidade de pedir favores, meter cunhas, pagar luvas. (…) Portugal dói-me. Outras vezes envergonha-me, enraivece-me, faz-me desesperar”.

 

Quem nos avisa nosso amigo é.

 

Também a mim me deu a mesma vontade de Hillary Clinton, de se “enrolar no sofá com um bom livro e nunca mais sair de casa”. 

 

Coitado do Obama. Que a melanina o não confunda.

 João Madureira

´
publicado por Fer.Ribeiro às 09:00
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Segunda-feira, 19 de Dezembro de 2016

Quem conta um ponto...

avatar-1ponto

 

320 - Pérolas e diamantes: entre a tradição oral e o facebook

 

Lembro-me ainda com saudade das pessoas lá em casa se juntarem à roda da lareira e contarem histórias.

 

Nas noites mais frias acendia-se a fogueira, a candeia e, sentadas no escano e nos bancos em redor do lume, as pessoas contavam coisas umas às outras. Quase todas as narrativas misturavam ficção com realidade. A interpretação ficava a cargo de cada um.

 

Não havia rádio, não exista televisão e ninguém tinha dinheiro para esbanjar numa ida ao teatro ou ao cinema. Livros nem vê-los.

 

Contar histórias noturnas à luz da candeia e com as partes aquecidas pelo calor do lume era costume que sempre acompanhou a vida dos mais necessitados.

 

Mais até do que as próprias histórias, eram as sombras que as pessoas projetavam nas paredes o que metia medo. 

 

Tudo aquilo ou se transformava em sonho ou em pesadelo.

 

As lendas passavam de boca em boca, as fantasias erguiam-se dentro das nossas cabeças como espíritos que nos queriam arrebatar para o sítio das trevas que habitavam.

 

Por vezes as histórias vinham em forma de rima, resumindo a poesia, que, normalmente, nos sugeria a beleza etérea das fadas, o sol nascente, tesouros escondidos ou então príncipes e princesas encantadas.

 

Havia sempre no grupo os que tinham um jeito especial para contar histórias ou então para as inventar.

 

Uns apreciavam contar relatos imprevisíveis, sempre na tentativa de arrancar da plateia exclamações de espanto ou medo.

 

Outros entretinham-se a dar alento à tendência para reproduzir as vozes teatrais, entusiasmando os ouvintes com a criação de várias personagens diferenciadas pelo timbre das suas falas.

 

Existiam os mestres da minúcia e dos fenómenos dramáticos, os especialistas nas histórias de terror e os peritos nas de amor.

 

Havia ainda os que relatavam as tragédias povoadas de bobos, homúnculos, deuses desconhecidos e bruxos maquiavélicos.

 

Antes de a eletricidade chegar às nossas casas, eram os contadores de histórias os que nos ensinavam a ver o mundo, a modelar e a perceber as palavras, a espalhar a luz da história e do conhecimento.

 

As mulheres mais velhas eram sobretudo atreitas a contar histórias de bruxas, bruxedos, mezinhas, charlatões e charlatanices. Coisas ligadas ao sobrenatural.

 

Nos dias de trovoada lá vinha o esgotante terço e as distintas ladainhas para nos livrarem dos relâmpagos, do mau-olhado e da fúria de Deus. De facto, quando Deus se arreliava com os seus servos pecadores, os trovões com que se exprimia faziam tremer até o “passarinho” e a “passarinha” dos prevaricadores.

 

Os homens contavam histórias essencialmente didáticas que, com o seu exemplo, pretendiam fazer de nós rapazes práticos e precavidos, proveitosos e exemplares no trato e na educação, mas também na brejeirice.

 

Claro está que o teor das histórias dependia da ocasião e da audiência.

 

Era a tradição oral que se foi perdendo.

 

As noites de inverno eram as mais talhadas para o efeito. Ao redor da lareira, as crianças mais velhas e mais impacientes, interrompiam os contadores com o intuito de que se evitassem os detalhes, pois queriam saber o fim da história. Se ele tardasse deitavam-se a adivinhar. As mais pequenas iam para a cama apenas com uma história. Convinha não abusar, pois o repertório não era lá muito extenso.

 

Aquelas histórias aqueciam-nos tanto como o fogo ou como o vinho misturado com mel que esquentava na pichorra junto à lareira e que os adultos iam beberricando para lhes excitar a memória.

 

No Natal chegavam as histórias da origem, que envolviam o Menino Jesus, a Virgem Maria, o São José, os Reis Magos, a vaca, o burrinho, as ovelhas, os pastores, as estrelas, o ouro, o incenso e a mirra…

 

A família encarregava-se de que as histórias fossem passando de geração em geração.

 

Esse tempo acabou. Restam agora alguns livros espalhados pelas estantes que ninguém lê, mas que dão um ar da sua graça a quem vai lá a casa. É mais um bibelô que se olha com indiferença.

 

Na verdade já quase ninguém lê livros. Hoje lê-se a literatura instantânea no Facebook e no Twitter. O narrador é uma espécie de Narciso que espalha a sua vida quotidiana, comentando-a e convidando os outros a comentá-la.

 

É o vazio cultural. E, como todos sabemos, a cultura tem horror ao vazio.

 

 João Madureira

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 14:55
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Segunda-feira, 12 de Dezembro de 2016

Quem conta um ponto...

avatar-1ponto

 

319 - Pérolas e diamantes: amar os tártaros

 

Muito do que se passa no mundo atual remete-nos para Rousseau. De certa forma a má-fé é a mesma dos admiradores multiculturais das culturas alheias. Já no Émile nos alertava contra o “filósofo que ama os tártaros para se dispensar de amar o seu vizinho mais próximo”.

 

Dir-me-ão que é tudo uma questão de gosto. É como dizer asneiras em público. Eu nisso sigo o filósofo Slavoj Zizek que pessoalmente só recorre ao uso de termos grosseiros em público, nunca em privado, pois, nessas condições, fazê-lo perece-lhe deslocado, ou até mesmo indecente.

 

Na sua perspetiva, a única demonstração de bom gosto reside no facto de uma pessoa saber apreciar ocasionalmente coisas que não correspondem aos critérios de bom gosto – em contrapartida, quem segue demasiado estritamente os critérios do bom gosto, limita-se a exibir a sua completa falta de gosto.

 

Uma injunção específica é mais forte do que uma injunção geral. Para tornar mais evidente o meu ponto de vista, recorro, com a preciosa ajuda de Zizek, à famosa anedota judaica sobre o casamenteiro que reinterpreta positivamente cada um dos defeitos da futura noiva.

 

“Dizem que é pobre. Ainda bem, pois saberá poupar o dinheiro da família, fazendo-o render o máximo possível. É feia. Dessa forma, o marido não terá de recear que ela lhe seja infiel. É gaga. Ainda bem, porque saberá estar calada sem enfadar o seu marido com uma tagarelice constante.” E assim sucessivamente. Até à argumentação final.” Mas cheira tão mal! Não me digam que queriam que ela fosse a perfeição em pessoa, sem o mais pequeno defeito?”

 

A ideologia neoliberal faz-nos incorrer no risco ideológico de pensarmos que não é a organização da economia global que devemos incriminar, mas antes que o mal reside na nossa atitude subjetiva, a qual devemos infletir. Por isso nos bombardeiam por todos os lados com a imposição de reciclarmos o lixo que fazemos, de pormos as garrafas, os jornais velhos, etc., nos contentores apropriados.

 

Mais do que uma crise económica, ou mesmo ideológica, os poderosos tentam dividir a sociedade em mundo moral e físico, sendo que as elites ocupam o primeiro. Benjamim Constant enunciou muito cedo que tudo é moral nos indivíduos. Mas tudo é físico nas turbas, por isso as massas têm necessariamente de fazer parte da simples engrenagem da máquina.

 

E disto não nos deixam fugir. A direita política insiste na economia de mercado, enquanto a esquerda cultural e politicamente correta teima na defesa dos direitos humanos, que, bem vistas as coisas, é a sua única razão de ser.

 

À primeira vista até parecem independentes, mas a verdade é que são os dois lados da mesma moeda.

 

 

Desta forma fazem-nos entrar no seu labirinto. A direita tradicionalista, no seu duplo paradoxo, apoiando a economia de mercado ao mesmo tempo que rejeita ferozmente a cultura e os costumes que essa economia engendra. Enquanto a esquerda multiculturalista, que por seu lado combate o mercado, apoia entusiasticamente a ideologia que o próprio mercado engendra. Por isso se alimenta dos casos “fraturantes” que a classe média arquiteta.

 

Vivemos debaixo daquilo que Alain Badiou apelidou de ideologia constituída, onde assenta a corrupção da democracia: a corrupção empírica “de facto” e a corrupção que pertence à própria “forma” da democracia, com a sua redução da política à negociação de interesses privados.

 

Tudo isto me fez pensar no velho gracejo anticomunista polaco: “O socialismo é a síntese das realizações mais elevadas de todas as épocas históricas anteriores: à sociedade tribal, foi buscar a barbárie; à antiguidade, a escravatura; ao feudalismo, as relações de dominação; ao capitalismo, a exploração, e ao socialismo o nome.”

 

Estamos perante a lógia do significante quando cai no significado, ou, melhor, por causa do significado.

 

Talvez tenhamos que fazer como o escritor judeu David Grossman, que quando, imediatamente antes do rebentar da guerra israelo-árabe de 1967, ouviu na rádio as ameaças dos árabes que anunciavam lançar os judeus ao mar, começou de imediato a ter lições de natação.

 

A grande questão é saber se não viveremos dentro de um “Matrix” democrático. O triunfo de Trump é um desses sinais.

 

 

PS – E lá vamos nós aprendendo a nadar. Portugal continua a subir posições nos rankings internacionais. Os alunos portugueses brilharam nos testes internacionais de literacia, tais como o PISA e o TIMSS, situando-nos acima da média da OCDE. Este desempenho foi mesmo destacado no prestigiado jornal El País, que teve a coragem de elogiar “La Buena Escuela Portuguesa”. Segundo um coordenador do PISA (Programme for Internacional Student Assessment), o sucesso explica-se por três fatores essenciais: maior exigência, pais mais escolarizados e melhores professores. Os alunos portugueses do 4º ano de escolaridade ultrapassaram mesmo os seus congéneres finlandeses.

 

 

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 09:00
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Segunda-feira, 5 de Dezembro de 2016

Quem conta um ponto...

avatar-1ponto

 

318 - Pérolas e diamantes: o caminho

 

Quando um tolo pratica um ato de que se envergonha declara sempre que fez o seu dever. No fundo, a banalidade da parvoíce resiste, persiste e recomenda-se.

 

John Le Carré inseriu num seu prefácio a inverosimilhante história de uns túneis paralelos que conduziam admiravelmente à orla do mar. Neles eram inseridos pombos vivos que tinham sido criados e guardados em várias armadilhas nos telhados de um casino.

 

A tarefa dos pombos resumia-se a esvoaçar pelo túnel sombrio até saírem para o lado do céu azul onde eram os alvos de desportistas bem nutridos que se encontravam de pé ou esparramados em terra à espera de disparar chumbo com as suas espingardas. Os pombos que falhavam, ou apenas feriam na asa, faziam então aquilo que os pombos sabem fazer: regressavam ao local do seu nascimento no telhado do casino, onde as mesmas armadilhas os esperavam.

 

Afinal de onde vêm as bruxas, ou os bruxos, que agora se designam de sondagens? Acho que são geradas pelo nosso desejo de acreditar em milagres. De acreditar não na realidade mas nas nossas expectativas. Acreditamos nas fotografias que nos tiram os amigos e os apaniguados e nas entrevistas mais ou menos encomendadas que nos fazem. As páginas repletas de razões pré-fabricadas lá virão encher o olho a quem quer antever a realidade que se fabrica.

 

Se a verdade e a fé no futuro abandonam o homem, na sua alma instala-se o medo. 

 

Fora da nossa cidade, ou da realidade, pois para o caso tanto monta, julgamos ver junto das estradas espantalhos ou vacas a pastar embrulhadas em papel celofane. Mas convém lembrar que a qualidade da nossa vida em sociedade não se compadece nem com a intrujice, nem com a premeditação ignóbil da conspiração e muito menos com a bebedeira de princípios, valores e atitudes.

 

Os fins, para os homens de boa vontade, e para todos aqueles que acreditam na liberdade como um princípio sagrado, nunca conseguirão justificar os meios.

 

As provações difíceis exigem como resposta um equilíbrio sustentável. Outro tipo de estabilidade já não se consegue adaptar ao raciocínio ponderado, pois oscila entre a ilusão (ou desilusão) profunda e o otimismo ingénuo. Quem assim pensa torna-se presa fácil de toda a demagogia.

 

Há que desconfiar tanto dos mistificadores como dos desmistificadores. As pessoas, ocupem elas o lugar que ocuparem, definem-se sempre, não por aquilo que são, ou dizem ser, mas por aquilo que fazem.

 

Não nos iludamos. Uma coisa é certa: aquilo que serve para contar verdades é igualmente válido para fabricar ficções.

 

Algumas pessoas acreditam na Alice no País das Maravilhas. Para elas a lebre de março faz mesmo questão em tirar o relógio do bolso do colete.

 

A irresponsabilidade não pode, ou não deve, ser premiada. O discurso hipócrita de fazer as coisas em serviço do povo não passa de um isco atraente para nos obrigar a engolir o anzol do poder e do status quo.

 

Algumas pessoas são exímias em fazer com que a sua interpretação dos factos explique aquilo que lhes convém. Acreditam piamente que Roma paga mesmo a traidores. Foram habituados a isso. A mentira e a ilusão são a sua realidade. 

 

  1. Quixote não passa de um personagem de ficção. Sancho Pança, esse pragmático, tornou-se realidade.

 

Bem vistas as coisas, a quem é que importa o facto de Cervantes ter atacado os livros de cavalaria, se já ninguém os lê, nem sequer os cervantistas?

 

Os medíocres, os instalados em sistemas burocráticos, habituados à manipulação e ao fingimento, a partir de onde elaboram as normas de conduta moral, social e política, não só traçam nelas o único caminho que lhes permite sobreviver, como pretendem que os incautos adotem o mesmo comportamento, submetendo-os ao sistema, que, por definição, lhes cerceia a liberdade e lhes limita a razão.

 

Na primeira todos caem; na segunda, cai quem quer; na terceira, só cai quem é tolo.

 

Cada caminho leva-nos sempre ao seu próprio fim. Cabe a cada um de nós escolhê-lo.

 

PS1 – O caminho! Qual caminho? Afinal, o caminho não é caminho nenhum. Vamos ter de voltar a ler isto desde o princípio. Que chatice!

 

PS2 – “Caminhante, não há caminho, faz-se caminho ao andar.” Obrigado, António Machado.

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 09:00
link do post | comentar | favorito
|  O que é?

.Fotos Fer.Ribeiro - Flickr

frproart's most interesting photos on Flickriver

.meu mail: blogchavesolhares@gmail.com

.Março 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9



26
27
28
29
30
31


.pesquisar

 
ouvir-radioClique no rádio para sintonizar

 

 

El Tiempo en Chaves

.Facebook

Fernando Ribeiro

Cria o teu cartão de visita Instagram

.subscrever feeds

.favorito

. Abobeleira em três imagen...

. Solar da família Montalvã...

.posts recentes

. Quem conta um ponto...

. Quem conta um ponto...

. Quem conta um ponto...

. Quem conta um ponto...

. Quem conta um ponto...

. Quem conta um ponto...

. Quem conta um ponto...

. Quem conta um ponto...

. Quem conta um ponto...

. Quem conta um ponto ...

. Quem conta um ponto...

. Quem conta um ponto...

. Quem conta um ponto...

. Quem conta um ponto...

. Quem conta um ponto...

blogs SAPO

.Blog Chaves no Facebook

.Veja aqui o:

capa-livro-p-blog blog-logo

.Olhares de sempre

.links

.tags

. todas as tags

.arquivos

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

Add to Technorati Favorites