Domingo, 28 de Janeiro de 2018

O Barroso aqui tão perto - Reigoso

1600-reigoso (6)

montalegre (549)

 

Depois de no último fim-de-semana termos andado pelas festas comunitárias do S.Sebastião no Barroso de Boticas, é tempo de regressarmos às nossas voltinhas pelo Barroso de Montalegre, por sinal num dia grande para o concelho e também para o Barroso,  onde está a decorrer a 27ª Feira do Fumeiro, que tal como anuncia a página oficial do município, a “rainha do fumeiro” é toda sedução.

 

1600-reigoso (133)

 

Sedução são também as suas pequenas pérolas espalhadas por todo o concelho. A sedução de hoje dá pelo nome de Reigoso, uma das aldeias cujo topónimo que desde criança calhava às vezes em conversas de família, mas à qual só em abril passado tive a honra de visitar pela primeira vez, e diga-se desde já que foi um dia de agradáveis surpresas, pois quando pensamos que o Barroso já não nos pode surpreender mais, somos de novo surpreendidos e recordo que nesse dia as surpresas aconteceram em todas as aldeias que visitámos, mas bem poderíamos ter ficado apenas pelo Reigoso, que já tínhamos o dia ganho.

 

1600-reigoso (7)

 

Passemos à sua localização e ao itinerário para chegar a Reigoso. Como muitas vezes temos dito por aqui, o Barroso é comummente dividido em Alto e Baixo Barroso. Uma falsa divisão no meu entender, pois há terras baixas no Alto Barroso tal como existem terras altas no Baixo Barroso.  Também há quem atribua o Alto Barroso ao concelho de Montalegre e o Baixo Barroso ao concelho de Boticas. Pois da minha parte e não querendo entrar em polémicas, Barroso há só um, mas deitando algumas achas para a fogueira, ou não, o Barroso é constituído por pequenas pérolas com características bem diferentes.

 

1600-reigoso (46)

 

Também já o disse aqui que andei enganado durante mais de 20 anos em relação ao Barroso. Embora eu seja flaviense de nascença, toda a minha família materna e os meus irmãos, são barrosões de Montalegre. Assim desde criança que Montalegre era um destino habitual, principalmente no Natal e na festa do Sr. da Piedade que eram obrigatórios, mas também nas minhas férias grandes de verão, em adolescente, passava por lá uns dias. Ora acontece que então o que eu conhecia do Barroso era aquele que eu apanhava no itinerário entre Chaves e Montalegre, inicialmente feito pela EN103 (Estrada de Braga) ou pela Estrada Municipal, via Meixide, Vilar de Perdizes, Solveira, Gralhas e Meixedo.

 

1600-reigoso (109)

 

Para além dos itinerários até Montalegre, recordo algumas idas até à Barragem dos Pisões e às aldeias mais próximas de Montalegre, como Stº André, Padornelos e Padroso. As mais distantes, tiveram como destinos Pitões da Júnias e Tourém. Isto era o Barroso físico que eu conhecia, depois havia o Barroso dos romances/literatura que encaixava na perfeição no Barroso que eu conhecia. Refiro-me à delicia do romance de Ferreira de Castro “Terra Fria”, tendo como base da sua ação a aldeia de Padornelos, e o outro romance igualmente delicioso “Lobo Guerrilheiro” de Bento da Cruz, este cheio de estórias e realidades que algumas já conhecia por serem contadas à lareira nas noites frias de inverno.

 

1600-reigoso (72)

 

Mas resumindo, o Barroso que eu conhecia e que em parte foi popularizado pelo romance “Terra Fria” de Ferreira de Castro, era precisamente esse Barroso de terra fria e agreste com muita influência do Larouco e terras vizinhas da Galiza. Daí que quando parti à descoberta de todo o Barroso me ir surpreendendo com o que ia encontrando enquanto me ia dando conta que havia muito mais Barroso para além daquele Barroso que até então conhecia.

 

1600-reigoso (31)

 

Continuando ainda no tema, mas já para rematar, independentemente de aceitar ou não a divisão de Alto e Baixo Barroso, pessoalmente, e é por aí que me guio, existe o tal Barroso do meu imaginário de infância que cabe todo numa linha traçada a Norte da Vila de Montalegre e que vai desde Pitões/Tourém até Meixide, passando por Sarraquinhos e terminando em Meixide/Soutelinho da Raia com fortes influências da Serra e Planalto do Larouco e da raia galega. Depois, com identidades bem definidas, podemos guiar-nos pelos “apelidos” dos topónimos, como as terras da Chã (Castanheira da Chã, por exemplo) constituído pelo grande planalto entre as Serras do Larouco e do Barroso. Temos também o “apelido” do Gerês (Covelo do Gerês), o do Rio (Travassos do Rio). Pequenas regiões que são influenciados pela geografia natural dos rios e das serras, como o é outro Barroso, o das Alturas do Barroso. Depois há as terras verdes com cheiro a Minho, como o é toda a freguesia de Salto, etc. São pequenas pérolas do Barroso onde é possível encontrar traços comuns que fazem a sua identidade, um deles, por exemplo no “Barroso do Larouco”, são os típicos fornos do povo com coberturas em lajes de granito que seguem todos a mesma arquitetura.

 

1600-reigoso (92)

 

Tudo isto para vos dizer que hoje vamos até Reigoso que curiosamente fica em terras de transição entre o Barroso da Chã, o Barroso do Gerês, o Barroso do Rio e Barroso de Salto e das Alturas. Fica mais ou menos ao centro das três Barragens (dos Pisões, Venda Nova e Padrela) a mais distante a dos Pisões a 6 km e a mais próxima a da Venda Nova a cerca menos de 1,5 Km. E fica também entre dois dos rios mais importantes do Concelho, o Cávado (a 5Km) e o Rabagão (a 1,6 Km).

 

1600-reigoso (111)

 

Vamos ao nosso itinerário, como sempre traçado com partida da cidade de Chaves. Pois para o Reigoso optámos por ir pela EN103 (Estrada da Braga), 60 km entre Chaves e o Reigoso. Não há nada que enganar, é seguir sempre a EN103, passa-se a Barragem dos Pisões, logo a seguir passa-se ao lado de Vila da Ponte e logo a seguir, coisa de 2 Km, vira-se à direita para Ladrugães, passa-se ao lado desta e a seguir estamos no nosso destino. Desde EN103 até Reigoso são apenas 3,5 Km, com Ladrugães a meio do percurso  Fica o nosso mapa:

 

mapa-reigoso.jpg

 

Como sempre, ficam também as coordenadas da aldeia, bem como a altitude:

41º  42´ 55.42” N

7º  56’  09.47” O

 

Altitude: Entre os 816 e os 880m

 

1600-reigoso (11)

 

Quanto às nossas impressões pessoais sobre a aldeia, tal como é muito característico um pouco por todo o Trás-os-Montes, os campos envolventes da aldeia são uma espécie de manta de retalhos em tons verdes, com a terra repartida e murada com muros de pedra solta, não só para delimitar a propriedade, mas também para a proteger da saída de animais em pastagem ou da entrada de outros animais em terrenos cultivados. E se em tempos não muito distantes o tom dos campos era maioritariamente verde na primavera e preto no inverno, composto pelo verde da rama da batateira e pelo preto da terra em pousio, agora durante todo o ano é maioritariamente coberto com o verde das pastagens ou milho, o que dá um ar ajardinado a toda a envolvência da aldeia, quebrado aqui e ali por enormes carvalhos individuais ou em pequenos carvalhais.

 

1600-reigoso (79)

 

Quanto à aldeia o destaque vai para a Igreja paroquial que segundo apurámos data de 1614 e tem como orago o São Martinho. Sem dúvida alguma um belo exemplar da arquitetura religiosa com torre sineira dupla e separada do corpo da igreja, penso que posteriormente unida por um alpendre que serve de cobertura à entrada principal da igreja. Não tivemos oportunidade de ver o seu interior, mas adivinha-se igualmente interessante.

 

1600-reigoso (42)

 

Os restantes destaques vão para os canastros (espigueiros), com diferentes dimensões (desde um módulo simples a 4 módulos), uns com apoios em granito e restante construção em madeira e outros com estrutura de apoio, frontarias e apoios da cobertura em granito, o típico canastro transmontano. Pena, principalmente os de estrutura de madeira, alguns estarem em mau estado de conservação.

 

1600-reigoso (48)

 

O casario em geral também merece um destaque, com belíssimos exemplares da construção típica transmontana-barrosã com o granito à vista e muitas delas ainda com o testemunho dos muretes de cobertura, colocados nos frontais das construções para rematar a acomodação das antigas coberturas de colmo. Pena, como acontece em quase todas as aldeias, não existir pelo menos uma construção em que se mantivesse a cobertura de colmo para testemunho da história das coberturas de colmo.

 

1600-reigoso (119)

 

Algumas fontes com o habitual tanque frontal para bebedouro do gado, um cruzeiro e algumas alminhas, uma delas fazendo parte de um conjunto de uma intervenção recente, composta por fonte e tanque seguido das referidas alminhas, tendo ao lado um conjunto de mesas e bancos numa espécie de esplanada virada para um dos largos da aldeia, tudo em granito (muros, vedações, mesas e bancos. Embora de construção nova e já sem conhecer o pico manual da arte da cantaria, segue as características tradicionais das construções rurais em granito. Nada a dizer, integra-se perfeitamente no ambiente da aldeia.

 

1600-reigoso (84)

 

Continuando nas intervenções recentes e nas questões de integração ou não no conjunto da aldeia, destacamos a “estação dos CTT” que não sei bem qual será o seu destino para além da caixa de correio dos CTT. Parece-me ser apenas um lugar para se estar e que de verão deve ser bem agradável.   Sai um pouco do tradicional, mesmo com pilares em granito, mas que também não conheceram o pico do canteiro, são de “fábrica” serrados e amaciados, mas tudo bem, condiz com a construção que tem em frente e outra ao lado, pelo menos e que eu recorde. Estas novas intervenções nas nossas aldeias eram inevitáveis, principalmente porque nunca houve planos de pormenor de salvaguarda e valorização dos centros históricos das nossas aldeias, nem planos de sensibilização da população. Dolorosos politicamente falando, foram deixados de lado, ignorados, ou melhor, nunca se fizeram, salvo em raras exceções e na grande maioria já demasiado tarde. Mas mesmo assim, Reigoso até nem é um mau exemplo, pois mantém a sua integridade, embora com uma ou outra exceção, mas nada de grave que lhe retire o interesse como uma das aldeias à qual eu recomendo uma visita.

 

1600-reigoso (83)

 

Quanto ao pessoal da aldeia, talvez pela nossa visita ter sido entre as 8 e as 9 da manhã, só vimos duas ou três pessoas, já idosas. Ainda chegámos à fala com uma delas que nos perguntou se andávamos à procura de chouriças ou presuntos para comprar… bem que os comprava, pois ali era garantido que se falava de coisa boa e genuína, mas desprevenidos além de os “ouros” escassearem para estas iguarias, que hoje já são quase um luxo. Mas a nossa missão também não era essa, era antes a da descoberta e registo de Reigoso.

 

1600-reigoso (37)

 

Dissemos atrás que só vimos duas ou três pessoas, mas sabemos que há mais. Pelos dados dos últimos CENSOS sabemos que na freguesia a população presente era de 171 pessoas. Relativamente bem longe da população do ano de 1950 que era de 654 pessoas ou mais distante ainda, da população de 1878 que era de 706 pessoas. Embora a partir de 1950 a população tenha vindo sempre a decrescer, conseguiu manter-se acima das 500 pessoas até 1970. Atenção que isto são números para toda a freguesia, ou seja, são número da população total das 3 aldeias da freguesia (Reigoso, Currais e Ladrugães).

 

1600-reigoso (8)

 

Quanto às nossas pesquisas, desta vez encontrámos umas coisinhas, mesmo porque Reigoso é sede de freguesia e assim existe mais informação disponível, começando pela página oficial da autarquia na NET, da qual retirámos a seguinte informação:     

Dados da Freguesia

 

Área: 17.2 km2

Densidade Populacional: 9.9 hab/km2

População Presente: 171

Orago: São Martinho

Pontos Turísticos: Via Romana ; Igreja, Casa do Baía; Capela de S. Lourenço.

Lugares da Freguesia (3): Currais, Ladrugães e Reigoso.

 

São tudo dados da freguesia, mas com as três aldeias tão próximas, os pontos turísticos de interesse estão a dois passos ou na própria aldeia de Reigoso.

 

1600-reigoso (131)

 

Onde também consta:

"Com a freguesia de Reigoso sucedeu o mesmo que sucedeu a Contim: antes de independente esteve anexa à de São Pedro de Covelo. Ao ganhar carta de alforria levou consigo Currais e Ladrugães. Mas Currais (exemplo único no Barroso) nasceu de quatro casais de Dona Maior Gomes e que D. Afonso II honrou. Com o decorrer dos tempos esses “lavradores” organizaram-se em catorze casais, sob a forma de beetria, isto é, os habitantes escolhiam o senhor que mais garantias lhe desse: “um de seu linhagem qual quiserem!” Democracia quando ainda se não pensava nela! Talvez por isso o melhor troço de via romana existente no concelho foi tão bem preservado, em Currais. Na freguesia há uma irmandade muito antiga mas igualmente muito fechada e reduzida de “irmãos”."

 

1600-reigoso (94)

 

No arquivo da Torre do Tombo encontrámos:

 

HISTÓRIA ADMINISTRATIVA/BIOGRÁFICA/FAMILIAR

 

Reigoso foi abadia da apresentação ad Nutum do abade de S. Pedro de Covelo do Gerês. 

A igreja paroquial data de 1614. 

Pertenceu ao concelho de Ruivães até à sua extinção em 31 de Dezembro de 1853, altura em que passou a integrar o concelho de Montalegre. 

A freguesia é composta pelos lugares de Currais, Labrugães e Reigoso. 

A paróquia de Reigoso pertence ao arciprestado de Montalegre e à diocese de Vila Real, desde 22 de Abril de 1922. O seu orago é São Martinho.

 

1600-reigoso (49)

 

Quanto ao topónimo Reigoso, vamos ver o que nos diz a “Toponímia de Barroso”.

 

REIGOSO

Radica (poucas vezes se aplica esta forma verbal com tanta propriedade) em RADICOSU > RAIGOSO > REIGOSO, que significa “ter muitas raízes“, pois RADICOSU, vem do latino RADICA ( de RADIX) + OSU.

-1258 « Item villa de Reigoso cum suo termino» INQ 1516.

Esta citação respeita à povoação e topónimo de Reigoso, ele mesmo, com topónimo perfeitamente estabilizado.

Já pela mesma altura, os testemunhos de homens de Donões para topónimo idêntico, e que respeitam a uma rua da villa de Montalegre, disseram Raigoso:

-1258 «de covelo et de Sancto Adriano et de Sancto  Veriximo et de Raigoso et de Magrou dant Domino Regi de xij quinionibus unun».

Estes locais integravam a pequena freguesia de Donões porém, vinte e poucos anos depois já pertencia a Montalegre que manteve o topónimo, agora nome de rua!

Nas chang. de D.Dinis, temos novamente:

-1288 «em Reigoso huum casal de Gil Martinz».

 

1600-reigoso (18)

 

E como sempre vamos à “Toponímia Alegre” incluída na atrás citada “Toponímia de Barroso”

 

Os de Reigoso

Grande Cabeça

Pouco miolo.

 

Tenho um amor em Reigoso,

Tenho outro em Currais;

Mas o de Ladrugães

É o que gosto mais.

 

1600-reigoso (3)

 

E como a prosa já vai longa, vamos ficar por aqui, no entanto sabemos que haveria muito mais para dizer sobre esta aldeia, e pela certa também muitas estórias para contar, mas não encontrámos mais dados e estórias também não nos as contaram para aqui deixar. Assim deixamos pelo menos alguns olhares que registámos em imagem para apreciarem agora, mas também para memória futura.

 

1600-reigoso (112)

 

Só nos resta deixar aqui as referências às nossas consultas e a lista de links para anteriores abordagens a aldeias ou temas de Barroso

 

 

Bibliografia

 

BAPTISTA, José Dias, (2006), Montalegre. Montalegre: Município de Montalegre.

BAPTISTA, José Dias, (2014), Toponímia de Barroso. Montalegre: Ecomuseu – Associação de Barroso.

 

Webgrafia

 

www.cm-montalegre.pt/

https://tombo.pt/f/mtr25

 

Links para anteriores abordagens ao Barroso:

 

A

A Água - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-a-agua-1371257

Algures no Barroso: http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-1533459

Amial - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-ameal-1484516

Amiar - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-amiar-1395724

Antigo de Sarraquinhos - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-antigo-de-1581701

Arcos - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-arcos-1543113

Azevedo - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-azevedo-1621351

 

B

Bagulhão - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-bagulhao-1469670

Beçós - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-becos-1574048

Bustelo - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-bustelo-1505379

 

C

Cambezes do Rio - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-cambezes-do-1547875

Caniçó - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-canico-1586496

Carvalhais - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-carvalhais-1550943

Carvalho - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-carvalho-1623928

Castanheira da Chã - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-castanheira-1526991

Cela - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-cela-1602755

Cepeda - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-cepeda-1406958

Cerdeira - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-cerdeira-1576573

Cervos - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-cervos-1473196

Chelo - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-chelo-1627025

Contim - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-contim-1546192

Cortiço - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-1490249

Corva - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-corva-1499531

Covelães - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-covelaes-1607866

 

D

Donões - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-donoes-1446125

 

F

Fervidelas - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-fervidelas-1429294

Fiães do Rio - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-fiaes-do-1432619

Fírvidas - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-firvidas-1466833

Frades do Rio - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-frades-do-1440288

Friães - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-friaes-1594850

 

G

Gralhas - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-gralhas-1374100

Gralhós - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-gralhos-1531210

 

L

Ladrugães - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-ladrugaes-1520004

Lapela   - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-lapela-1435209

Larouco - Um olhar sobre o Larouco - http://chaves.blogs.sapo.pt/2016/06/19/

 

M

Meixedo - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-meixedo-1377262

Meixide - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-meixide-1496229

Mourilhe - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-mourilhe-1589137

 

N

Negrões - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-negroes-1511302

Nogeiró - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-nogueiro-1562925

 

O

O colorido selvagem da primavera http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-o-colorido-1390557

Olhando para e desde o Larouco - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-olhando-1426886

Ormeche - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-ormeche-1540443

 

P

Padornelos - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-padornelos-1381152

Padroso - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-padroso-1384428

Paio Afonso - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-paio-afonso-1451464

Parafita: http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-parafita-1443308

Pardieieros - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-pardieiros-1556192

Paredes de Salto - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-paredes-1448799

Paredes do Rio -   http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-paredes-do-1583901

Pedrário - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-pedrario-1398344

Peneda de Cima, do Meio e de Baixo, as Três Penedas: http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-as-tres-1591657

Penedones -  http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-penedones-1571130

Pereira - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-pereira-1579473

Pomar da Rainha - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-pomar-da-1415405

Ponteira - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-ponteira-1481696

 

R

Reboreda - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-reboreda-1566026

Roteiro para um dia de visita – 1ª paragem - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-roteiro-1104214

Roteiro para um dia de visita – 2ª paragem - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-roteiro-1104590

Roteiro para um dia de visita – 3ª paragem - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-roteiro-1105061

Roteiro para um dia de visita – 4ª paragem - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-roteiro-1105355

Roteiro para um dia de visita – 5ª paragem, ou não! - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-roteiro-1105510

 

S

São Ane - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-sao-ane-1461677

São Pedro - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-sao-pedro-1411974

Sarraquinhos - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-sarraquinhos-1560167

Sendim -  http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-sendim-1387765

Senhora de Vila Abril - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-senhora-de-1553325

Sexta-Freita - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-sao-bento-de-1614303

Sezelhe - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-sezelhe-1514548

Solveira - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-solveira-1364977

Stº André - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-sto-andre-1368302

 

T

Tabuadela - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-tabuadela-1424376

Telhado - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-telhado-1403979

Torgueda - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-torgueda-1616598

Travassos da Chã - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-travassos-1418417

 

V

Vilar de Perdizes - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilar-de-1360900

Vilar de Perdizes /Padre Fontes - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilar-de-1358489

Vilarinho de Arcos - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilarinho-1508489

Vilarinho de Negrões - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilarinho-1393643

Vilaça - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilaca-1493232

Vilar de Perdizes - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilar-de-1360900

Vilar de Perdizes /Padre Fontes - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilar-de-1358489

Vilarinho de Negrões - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilarinho-1393643

 

X

Xertelo - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-xertelo-1458784

 

Z

Zebral - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-zebral-1503453

´
publicado por Fer.Ribeiro às 03:36
link do post | comentar | favorito
|  O que é?

.Fotos Fer.Ribeiro - Flickr

frproart's most interesting photos on Flickriver

.meu mail: blogchavesolhares@gmail.com

.Fevereiro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9


21
22
23
24

25
26
27
28


.pesquisar

 
blogs SAPO
ouvir-radioClique no rádio para sintonizar

 

 

El Tiempo en Chaves

.Facebook

Fernando Ribeiro

Cria o teu cartão de visita Instagram

.subscrever feeds

.favorito

. Blog Chaves faz hoje 13 a...

. Solar da família Montalvã...

.posts recentes

. O Barroso aqui tão perto ...

.Blog Chaves no Facebook

.Veja aqui o:

capa-livro-p-blog blog-logo

.Olhares de sempre

.links

.tags

. todas as tags

.arquivos

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

Add to Technorati Favorites