12 anos

Terça-feira, 11 de Abril de 2017

Momentos clássicos... ou talvez não!

1600-(46207)

 

Esta imagem é um clássico ou se preferirem um cliché, dos mais fotografados da cidade de Chaves, e pela nossa parte, já imensas vezes a trouxemos aqui e pela certa continuaremos a trazer, isto e só, para memória futura, para ir vendo se tudo está no sítio. Convém ser assim, principalmente para despistados como eu que, de tanto passar pelos mesmos sítios, já nem reparo neles, até um dia em que mais atento, sou surpreendido por qualquer que falta ou qualquer coisa que acresce ou se transformou, então ultimamente, vá-se lá saber porque, esbarro contra uma árvore que antes não estava, desvio-me de tanques que já não existem, bato com o nariz em portas fechadas, ou faço um retrato à Maria Rita e sai-me uma mijareta… coisas!  

 

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 03:27
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Sexta-feira, 31 de Março de 2017

Cidade de Chaves, uma imagem para levar de fim-de-semana

1600-(47098)

 

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 02:35
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Quarta-feira, 8 de Março de 2017

Pois!

1600-(31287)

 

Persegue-me esta mania de no fim do dia querer congelar para sempre o pôr-do-sol, como se teimasse em negar que a seguir a noite cai.

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 02:16
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Quarta-feira, 15 de Fevereiro de 2017

Pescadores do anoitecer

1600-(30659)

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 01:38
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Quarta-feira, 28 de Dezembro de 2016

Cidade de Chaves com poldras, rio e neblina

1600-(46908)

 

Uma imagem do ser flaviense...

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 02:55
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Terça-feira, 6 de Dezembro de 2016

Dois momentos da época

1600-(46907)

 

Dois momentos de outono a caminho do inverno, do nosso Tabolado à beira Tâmega.

 

1600-(46887)

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 02:25
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Quarta-feira, 12 de Outubro de 2016

Uma imagem com rio, ponte e pescadores

1600-(46834)

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 03:14
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Quarta-feira, 28 de Setembro de 2016

Cidade de Chaves, uma imagem

1600-(46729)

 

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 02:49
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Terça-feira, 27 de Setembro de 2016

A Ardea cinéria flaviense

1600-garca-real (19)

 

Perguntaram-me se já tinha visto a cegonha que todos os dias pousava nas poldras do nosso Rio Tâmega… Pois não, ainda não a tinha visto e fui lá ver. Ela lá estava. Mas era estranha, diferente daquelas que costumo ver por aí nos ninhos e em voo e mesmo pouco mais conhecendo que as aves de capoeira, os pardais, pombas, pintassilgos, pegas, rolas, melros, gaios, boubelas, corvos e patos, deu logo para ver que aquilo não era cegonha, como de facto, pois após breves pesquisas cheguei à conclusão ser uma Ardea cinéria que em linguagem comum é uma Garça-real.

 

1200-garca-real (1)

 

Como já confessei não ser especialista em aves selvagens, ficam aqui as palavras de quem realmente percebe do assunto:

 

Garça-real
Ardea cinérea

 

Imponente, com o seu longo pescoço cinzento, a garça-real é muitas vezes a maior ave aquática que a vista alcança. Devido à facilidade com que é observada, é frequentemente uma das primeiras espécies a serem vistas por quem se inicia na observação de aves.

 

Identificação
Com quase 1 metro de altura, é a maior das garças que ocorrem  em Portugal. É uma ave cinzenta, que se destaca pelo seu longo desta. Ocasionalmente pousa em árvores ou mesmo em edifícios.  Pode ser confundida com a garça-vermelha, distinguindo-se desta pela total ausência de tons castanhos ou arruivados.

Quando em voo o pescoço encontra-se recolhido, sendo esta uma característica que a separa da cegonha-branca.

 

1600-garca-real (11)

 

Abundância e calendário
Comum. Ocorre em Portugal ao longo de todo o ano, mas é mais numerosa fora da época de nidificação. Surge associada a todo o tipo de zonas húmidas, sendo particularmente abundante nos grandes estuários e lagoas costeiras. Durante a época de nidificação é relativamente escassa e tem uma distribuição mais restrita. Existem algumas colónias no Alentejo, especialmente nos distritos de Évora e Portalegre, mas são conhecidos casos de nidificação isolada noutros pontos do território. Algumas garças-reais não nidificantes podem ser vistas nas zonas de invernada ao longo da Primavera.

 

1600-garca-real (5)

 

Onde observar

A garça-real é uma espécie fácil de encontrar. Qualquer mancha de água doce ou salobra de média ou grande dimensão é propícia à sua observação e em zonas de habitat muito favorável ou com abundantes recursos alimentares ocorrem por vezes concentrações de muitas dezenas ou mesmo centenas de aves.

 

Entre Douro e Minho – pode ser vista com facilidade no estuário do Minho e no estuário do Cávado e também na baía de São Paio (estuário do Douro). Ocorre igualmente no estuário do Lima e nas lagoas de Bertiandos. No interior é menos frequente, mas já tem sido observada nas serras de Fafe.

 

Trás-os-Montes – é a província onde a garça-real é mais escassa; observa-se sobretudo junto a barragens, nomeadamente na serra de Montesinho.

 

Litoral centro – bastante frequente e fácil de observar nas zonas húmidas costeiras como a ria de Aveiro, o estuário do Mondego e a lagoa de Óbidos, podendo também ser vista no paul do Taipal, no paul da Madriz, nas lagoas de Quiaios, e na barrinha de Esmoriz. Por vezes aparece no rio Tornada, perto de São Martinho do Porto.

 

Beira interior – as albufeiras de Vilar e de Santa Maria de Aguiar são os principais locais de ocorrência desta garça na Beira Alta; já na Beira Baixa a espécie pode ser vista nas albufeiras da Toulica e da Marateca. e também no vale do Zêzere, perto da Covilhã.

 

1600-garca-real (6)

 

Lisboa e Vale do Tejo – abundante e fácil de encontrar, a garça-real é particularmente numerosa no estuário do Tejo, podendo ser vista nos vários pontos de observação em redor do estuário como o parque do Tejo, as salinas de Alverca, o sapal de Corroios, o sítio das Hortas ou as lezírias da Ponta da Erva; ocorre também no paul da Barroca, na lagoa de Albufeira, no paul do Boquilobo e no rio Nabão, em Tomar. Ocasionalmente é vista na zona ribeirinha de Lisboa.

 

Alentejo – o estuário do Sado, a lagoa de Santo André e a ribeira de Moinhos são alguns bons locais para procurar esta garça junto à costa; mais para o interior, a espécie observa-se facilmente na lagoa dos Patos, nas barragens da Póvoa, de Montargil, do Maranhão e do Caia, bem como em muitas outras barragens e açudes da região. Outro local de ocorrência é o aterro sanitário de Beja.

 

Algarve – é frequente nas principais zonas húmidas da região, como a ria Formosa, o Ludo, o paul de Lagos, a ria de Alvor, o estuário do Arade, a Quinta do Lago, a lagoa dos Salgados, a zona de Vilamoura e a reserva de Castro Marim.

 

Ocasionalmente observa-se também na Boca do Rio, na Carrapateira e nas salinas de Odiáxere.

 

1600-garca-real (28)

 

E é tudo por agora, pois pode ser que surja uma nova oportunidade e que tenha à mão equipamento mais apropriado para este tipo de fotografia. Soube a pouco mas gostei de conhecer a Ardea Cinéria

 

1600-garca-real (30)

 

Já agora ficam os créditos e o link para o sítio de onde roubei as palavras de quem sabe destes assuntos de aves:

 

http://www.avesdeportugal.info/ardcin.html

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 00:15
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Terça-feira, 6 de Setembro de 2016

Uma de Chaves com rio

1600-(46678)

 

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 02:30
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Terça-feira, 23 de Agosto de 2016

Chaves, uma imagem com rio e poldras

1600-(46654)

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 02:45
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|  O que é?
Segunda-feira, 1 de Agosto de 2016

De regresso à cidade

1600-(39113)

 

Para quem vive no lado barrosão do concelho, ou seja na margem direita do Rio Tâmega, o regresso à cidade, dependendo do ponto de origem,  poderá ser feito a pé, de popó, de mota, de bicicleta, a cavalo e por aí fora, basta escolher uma estrada ou caminho que o leve até à cidade. Para quem vive na margem esquerda do Rio Tâmega, utilize o meio de transporte que utilizar, o regresso à cidade terá de passar obrigatoriamente pelo Tâmega, por uma das oito pontes do concelho, ou por um dos três pontões, ou pelas poldras se for a pé, ou então de barco ou a nado. Ofertas não faltam, o que interessa é regressar sempre à cidade, isto, se a sua vida for feita de regressos. Para os que partem, é tudo igual, só que ao contrário…

 

Seja como for, uma boa semana para todos!

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 01:25
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Quinta-feira, 7 de Julho de 2016

Chaves, uma imagem à beira rio

1600-(46645)

 

Aos poucos deixámos de estar virados de costas para o rio e começámos a ganhar as suas margens como um espaço público para desfrutar e estar. Pena que a qualidade da água do rio não recomende ir a banhos, pois estes espaços mereciam ter mais vida e outros atrativos. O espaço já existe…

 

E Viva Portugal – Estamos na Final!

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 01:59
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Quinta-feira, 28 de Janeiro de 2016

Chaves, uma imagem

1600-(45376)-1

 

 

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 03:07
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Terça-feira, 26 de Janeiro de 2016

Chaves, uma imagem

1600-(45824)

 

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 00:30
link do post | comentar | favorito
|  O que é?

.Fotos Fer.Ribeiro - Flickr

frproart's most interesting photos on Flickriver

.meu mail: blogchavesolhares@gmail.com

.Abril 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9


29

30


.pesquisar

 
ouvir-radioClique no rádio para sintonizar

 

 

El Tiempo en Chaves

.Facebook

Fernando Ribeiro

Cria o teu cartão de visita Instagram

.subscrever feeds

.favorito

. Abobeleira em três imagen...

. Solar da família Montalvã...

.posts recentes

. Momentos clássicos... ou ...

. Cidade de Chaves, uma ima...

. Pois!

. Pescadores do anoitecer

. Cidade de Chaves com pold...

. Dois momentos da época

. Uma imagem com rio, ponte...

. Cidade de Chaves, uma ima...

. A Ardea cinéria flaviense

. Uma de Chaves com rio

. Chaves, uma imagem com ri...

. De regresso à cidade

. Chaves, uma imagem à beir...

. Chaves, uma imagem

. Chaves, uma imagem

blogs SAPO

.Blog Chaves no Facebook

.Veja aqui o:

capa-livro-p-blog blog-logo

.Olhares de sempre

.links

.tags

. todas as tags

.arquivos

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

Add to Technorati Favorites