12 anos

Segunda-feira, 27 de Março de 2017

De regresso à cidade

1600-30085-art (10)

 

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 01:11
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Quarta-feira, 24 de Agosto de 2016

Rua do Correio Velho

1600-(45123)

 

Como já muitas vezes o disse por aqui, sou um flaviense da veiga e até aos meus dez anos de idade eram raras as vezes que atravessava a ponte romana para pôr os pés na cidade, só mesmo em circunstâncias excecionais é que pisava a margem direita do Tâmega, como ter de ir às vacinas da Rua Direita, a uma ou outra consulta do Dr. Alcino quando uma gripe se apresentava mais teimosa e pronunciada ou, com a minha mãe, de visita a ex-vizinhos que se mudaram para a cidade, sem esquecer o exame da 4ª classe na Escola da Estação e inúmeras vezes que ia até à estação para “apanhar” o comboio para a terra do meu pai, mas para o comboio era como se não fosse à cidade, pois a breve passagem fazia-se pela Rua das Longras finda a qual pouco mais havia para além da Quinta dos Machados e da Escola Industrial.

 

Pela certa que todas as ruas das cidades têm montes de estórias para contar, mas uma coisa são as estórias contadas e outras aquelas em que nós fazemos parte dessas estórias, Pois se há rua da cidade com estórias vividas por mim, desde a infância, esta da imagem, a Rua do Correio Velho,  é uma delas, desde o ramos de flores de grelos que levei à Mimi, às brincadeiras com barco “elétrico” do Manel que não parava de dar voltas ao tanque do Baluarte, aos bons tempos do FAOJ, às primeiras vezes que pisei um palco nos Canários, aos petiscos do “Minhoto” na companhia do meu tio minhoto, e às sopas de cebola em finais de noites de farras memoráveis… é por todos estes registos que eternamente ficarão na memória que nutro um carinho especial por esta rua.

 

       

´
publicado por Fer.Ribeiro às 03:04
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Quinta-feira, 24 de Março de 2016

Cidade de Chaves, uma imagem

1600-(44106)

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 00:23
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|  O que é?
Terça-feira, 10 de Novembro de 2015

Chaves - Rua do Correio Velho

1600-(44063)

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 13:00
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|  O que é?
Quarta-feira, 7 de Outubro de 2015

Chaves - Rua do Correio Velho

1600-(44090)

Se há ruas em Chaves com muita História e estórias para contar, esta, a Rua do Correio Velho é uma delas , e nem é preciso recuar muito no tempo. Claro que neste recuar no tempo, temos que ir pelo menos até ao tempo em que era uma rua com vida. Com os Canários, os tascos, escuteiros, o FAOJ, a casa de alguns amigos, noites inesquecíveis e com os vizinhos onde a mítica Landainas era a rainha da rua. Mas tudo isto são coisas do passado…

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 00:32
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|  O que é?
Segunda-feira, 1 de Junho de 2015

De regresso à Cidade - Rua do Correio Velho

1600-(42537)

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 13:00
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Quarta-feira, 16 de Julho de 2014

Um olhar doirado ou um poema sobre a cidade - Chaves - Portugal

As ruas desertas da cidade quase me deixavam despovoado

de palavras, não fosse o oiro das horas douradas

da fotografia e eu ficaria calado, mas tinha de comentar

este poema dado no momento de um olhar, mas, agora

que me dei à escrita, não encontro palavras para o descrever.

 

Fico-me, apenas, pelo olhar…

 

Fernando DC Ribeiro

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 00:10
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Terça-feira, 26 de Novembro de 2013

Rua do Correio Velho - Chaves - Portugal


´
publicado por Fer.Ribeiro às 01:54
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Quarta-feira, 21 de Setembro de 2011

Palavras colhidas do vento... por Mário Esteves

 

O doutor António Roque despediu-se da advocacia e por esse motivo foi homenageado com um jantar promovido pelos colegas, a alguns dos quais ensinou a profissão, naquilo que a universidade não ensina, sem esquecer “o que la natura no da Salamanca no lo presta”.

 

 Há anos que não vou aos convívios judiciais por motivos muito particulares, que nada têm a ver com as razões que estão na sua diversa origem, e assim, também não estive presente.

 

Não vou falar de António Roque, na sua condição de advogado.

 

O advogado não necessita de panegíricos ou orações corporativas e a sua reputação diz tudo.

 

A qualidade de benfiquista e perdoe-se o parêntese da aparente facécia numa despretensiosa lembrança que, talvez se exigisse mais séria, na qual tinha como fiel escudeiro, o Guerra, distinto escrivão e melhor pessoa, também reformado, serviu muitas vezes para quebrar a solenidade e a tensão dos tribunais e nunca foi motivo de acrimónia entre nós, antes suavizou a aspereza das funções de cada um.

 

Recordo com evidente satisfação, que fui eleito para a Assembleia Municipal de Chaves, como independente, integrado numa lista do Partido Socialista, honra que comparti com ele.

 

Recolho com saudade e humor, que, sentados numa das primeiras filas do desaparecido Cine-Teatro de Chaves, na companhia do falecido doutor Raimundo, este aproveitava os momentos mais monótonos das sessões para contar anedotas, o que, invariavelmente nos provocava alguma hilaridade que tentávamos ocultar da melhor forma que podíamos, mas que, pelo menos uma vez não conseguimos reprimir e mereceu a reprovação do presidente substituto, o nosso amigo comum Barros Rodrigues das Finanças.

 

É claro que nenhum de nós viu nisso, creio eu, qualquer grave reparo à nossa intervenção política ou desrespeito para aquele órgão, atendendo à inutilidade da maioria das matérias em discussão ou os frequentes despropósitos e ridículos da bancada maioritária.

 

 

Meu caro António Roque.

 

Mais vale tarde do que nunca e o prometido é devido e para aproveitar o final, vou matar dois coelhos duma cajadada só; o tema, embora na reforma, por certo não deixará de lhe ser querido e o meio foi sempre do seu gosto e um dos seus mais fiéis amores.

 

De velho alfarrábio, já sem capas e folhas soltas, que, ainda há pouco me caiu nas mãos, retirei este epigrama em verso, que lhe dedico com sincera estima e dizem ser filho espúrio de autor anónimo e outros da autoria de celebrado poeta de Cetóbriga:

 

* Inda novel demandista

Um letrado consultou,

Que, depois de cem perguntas,

Tal resposta lhe tornou;

 

Em Cujacios, em Menóchios,

Em Pegas, e Ordenação,

Em reinícolas, e extranhos

Tem carradas de razão.

 

«Sim, sim, por toda essa estante

Tem razão, razão de mais»

«Ah senhor! (o homem replica)

Tel-a-hei nos tribunaes?»

 

Comecei esta crónica em género epistolar e com regras muito minhas, que na maior parte das vezes ignoram cânones ou regras próprias do estilo, sem, no entanto permitirem o rasgar das investiduras de académicos…

 

Prosseguindo…

O amigo Fjr-Barreiro, há muito que merece uma carta aberta não só de mim como do blogue que faço parte, pela sua devoção e principalmente pelo acendrado carinho, que lá fora, mas muito perto acalenta pela cidade natal.

 

Os seus comentários escritos de forma simples, o que neles se manifesta é do mais puro que possa existir, não se obriga a facções, a mudanças de vento, antes são escrínio de uma nostalgia, que só a infância e possivelmente, parte da adolescência, permite…

 

 

Amores primeiros são normalmente derradeiros e não o sendo acompanham-nos toda a vida, como a primeira vez que recebemos um brinquedo, pelo Natal, por mais humilde que seja, o banco da escola, o recreio, os jogos de rua, as amizades, os vizinhos de porta com porta, as necessidades divididas, as amizades… enfim o crescer, de calções com uma das alças sem botão, as meias descaídas, as botas com um buraco na sola, as mãos com frieiras, que só com o pó de Maio desaparecem, eu sei lá… tantas e tantas coisas, que um cantinho do blogue não permitem exprimir com toda a saciedade de quem escreve ou lê.

 

Para mim seria uma grande alegria dizer-lhe que a casa onde morou com sua avó, na rua do Correio Velho, está como conheceu, embora não passe de uma ruína, causada pelo temor de um desmoronamento, onde apenas restam partes das paredes e uma formosa varanda que ainda conserva os seculares ferros da balaustrada.

 

Que os Canários não desapareceram e que no mesmo lugar nem as andorinhas fazem ninhos.

 

 

Que a Casa Espanhola ainda existe e continua a vender alpergatas, chocolates e caramelos aos frequentadores das Caldas, onde o António continua a trabalhar como faz-tudo e a vender sabonetes feitos com a água que brota das bicas e por estranho mistério, cheiram a limão e na embalagem aparece a imagem das Termas e abaixo os dizeres: Ach. Brito Braga.

 

Que na casa da esquina, encostada à do doutor Ângelo, ainda existe a taberna regida pela esposa de um empregado e motorista da viúva Magalhães, das mobílias, e que todos os domingos, pela manhã, tinha churros quentinhos… e esquecer a tragédia, dela se ter atirado à linha do comboio numa tarde já noite negra como o seu destino.

 

Gostava de lhe dizer tanto em tão pouco, como a cidade que é nossa continua a ser pequena e grande…

 

Pequena nas nossas ambições e grande no futuro que lhe desejamos.

 


 

* Mantive a “graphia do texto”.

 

P.S. Amigo Fjr-Barreiro, a esposa do Senhor Abel faleceu, como se depreende do texto da crónica anterior.

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 08:48
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|  O que é?

.Fotos Fer.Ribeiro - Flickr

frproart's most interesting photos on Flickriver

.meu mail: blogchavesolhares@gmail.com

.Maio 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9


27

28
29
30
31


.pesquisar

 
ouvir-radioClique no rádio para sintonizar

 

 

El Tiempo en Chaves

.Facebook

Fernando Ribeiro

Cria o teu cartão de visita Instagram

.subscrever feeds

.favorito

. Abobeleira em três imagen...

. Solar da família Montalvã...

.posts recentes

. De regresso à cidade

. Rua do Correio Velho

. Cidade de Chaves, uma ima...

. Chaves - Rua do Correio V...

. Chaves - Rua do Correio V...

. De regresso à Cidade - Ru...

. Um olhar doirado ou um po...

. Rua do Correio Velho - Ch...

. Palavras colhidas do vent...

blogs SAPO

.Blog Chaves no Facebook

.Veja aqui o:

capa-livro-p-blog blog-logo

.Olhares de sempre

.links

.tags

. todas as tags

.arquivos

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

Add to Technorati Favorites