Sexta-feira, 30 de Outubro de 2015

Chaves - Feira dos Santos - Dia 1

1600-cartaz-feira.jpg

Eis-nos em plena Feira dos Santos, no seu dia um de três dias. Hoje ainda dia de montagem de muitas barracas mas também dia das primeiras compras, principalmente dos flavienses residentes.

1600-santos 13 (292)

Para não perder pitada do que se vai passar, fica o programa para uma vistas de olhos, onde, até coisas estranhas à feira aparecem, mas também já vai sendo tradição.

1600-Sabores vinho out2015.jpg

Novidade mesmo, este ano, é o Pavilhão do Vinho, com programa próprio e com “tenda” montada no Pavilhão Expoflávia (junto à PSP). Uma iniciativa que louvo, principalmente se for para promover os nossos vinhos, porque no concelho de Chaves também há vinho do bô. Vai valer a pena passar por lá, pois não é só para mostrar, também há provas para saborear, incluindo provas comentadas.

1600-santos 13 (415)-1

Quanto ao restante programa, é o costume de todos os anos. Aliás a feira pela sua tradição nem precisava de programa, pois quem costuma vir por cá já sabe com o que contar. Justificava-se plenamente, isso sim, se houvesse outros eventos em paralelo de promoção de Chaves e da Região, mas esses continuam adiados (exceção para o vinho – este ano).

1600-santos 13 (368)

Mas mais coisas sobre a feira pela certa que deixarei aqui amanhã e nos próximos dias, isto se tiver tempo para vir aqui deixar qualquer coisa, pois eu também gosto de feirar e passear pela feira, nem que seja e só para encontrar alguns amigos e colegas do tempo de Liceu que têm promessa de vir cá todos os anos. Aliás, como não temos festa de verão, é o único evento que vai trazendo flavienses ausentes a Chaves, a par do Natal e da Páscoa. Para já ficam mais algumas fotos, todas da edição da Feira de 2013.

1600-santos 13 (388)

O Pulpo à galega, preparado por galegos, também ja consta da tradição da Feira, mas só no dia 31, depois do concurso do gado e localizado mesmo ao lado.

1600-santos 13 (201)

Uma vez que a Feira do Gado mudou de poiso, temos à mão o concurso do gado. Vale a pena passar por lá e apreciar, aliás pode ser tomado até como um momento pedagógico para ficar a conhecer três raças autóctones de Trás-os-Montes e também para as criancinhas da cidade poderem ver de perto o que é um bovino.

1600-santos 13 (517)

Também podem aproveitar para comprar uns pares de meias à moda antiga, daquelas que eram feitas de lã pura, à mão e que picavam nos pés. Claro que agora já não são bem assim e até deixaram de picar, mas são parecidas…

1600-santos 13 (554)

E depois temos a festa. Santos também é significado de festa. Já longe dos grupos que desciam à cidade para a fazer naturalmente e abrilhantar a sua terra ou aldeia, mas vai acontecendo, sem a espontaneidade de antes a acontecer na esquina menos esperada, mas acontece organizada e contratada. Às vezes, raramente, ainda acontece da antiga, tudo depende do calor…

 

Até amanhã, se possível, mas pelo menos umas imagens pela certa que terão aqui lugar.

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 02:18
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Domingo, 3 de Novembro de 2013

Chaves - Feira dos Santos 2013 - O rescaldo

Embora o dia de hoje ainda seja de feira, fica já o rescaldo da Feira dos Santos 2013.

 


Os considerandos


“Os Santos” –  como habitualmente nós vamos tratando esta feira anual da cidade de Chaves – são sem dúvida alguma a festa maior de Chaves e da região, a única que,  a par das festas do Natal,  traz propositadamente flavienses emigrados a Chaves.



Não sei  quando foram realizadas as primeiras feiras dos Santos em Chaves mas é centenária e, se olharmos à origem das feiras, se calha, realiza-se mesmo desde quando o 1º de novembro existe dedicado a todos os santos, ou seja, desde o ano 835 dC, quando o Papa Gregório declarou o dia 1 de novembro como uma festa universal.



A própria origem da palavra feira, proveniente da palavra latina feria -  “dia santo ou feriado, folga, descanso” associa diretamente a feira atual à feria latina, o que, partindo  dessa realidade, temos a feira dos santos, porque é de todos os santos, como a maior feira de todas, ligada a um dia feriado, de descanso, onde a festa também acontece, e aqui voltamos outra vez à história e à época medieval…



… pois reza a história que durante as feiras medievais interrompiam-se guerras e a paz era garantida para que as feiras se pudessem realizar e os vendedores (tal como os de hoje itinerantes)  pudessem trabalhar em segurança, enquanto saltimbancos às dezenas, fazendo malabarismos, iam divertindo o povo que se ia movendo de barraca em barraca nas suas compras. Feiras medievais que aconteciam em localidades estratégicas com cruzamentos de vias principais e rotas comerciais nacionais e/ou internacionais, e aqui chegamos de novo a Chaves e à importância/antiguidade desta feira de todos os santos …



… porque de facto, Chaves, desde a ocupação romana sempre de afirmou pela sua localização estratégica importante, tornando-se num centro comercial por excelência de toda a região norte, mas também, pelas mesma razões, numa importante praça militar, sem nunca podermos esquecer a proximidade da Galiza e o acesso que o vale do Rio Tâmega sempre facilitou entre o povo do norte e a Galiza. Recordemos as segundas invasões francesas que tiveram a sua porta de entrada em Portugal precisamente por este vale do Tâmega e pelo facilitar as manobras da entrada das tropas francesas, sem as barreiras naturais de rios e montanhas que desde o Rio Minho foram encontrando.



Mas não é só por estas razões atrás apontadas que a feira dos santos em Chaves é única e tem a sua importância, talvez a razão mais importante seja mesmo outra e que ainda ontem, no post de sexta-feira passada, o José Carlos Barros muito bem lembrava ao dizer que “as feiras pertencem às aldeias”. Pois recordemos que esta feira coincide com o prenúncio dos rigorosos invernos transmontanos, com poucas horas de dia, muito frio e nevões que isolavam durante semanas, senão meses, as aldeias de montanha. Recordemos também que o ganha-pão das aldeias sempre esteve ligado à terra e ao gado tendo nas feiras a sua quase única oportunidade de poder trocar os seus produtos, com a venda dos seus e a compra de outros que não produzia, e esta feira dos santos apresenta-se como a feira principal para poder trocar e abastecer-se para todo o inverno, quer com a compra ou venda do porco para as matanças, quer com a venda das colheitas, sem esquecer a castanha, quer com a compra/venda de agasalhos, onde as (saudosas) mantas de Soutelo defendiam do frio as camas transmontanas e as pessoas que nelas se deitavam.



Claro que a modernização, o melhoramento das vias de transporte e dos respetivos meios de transporte, o despovoamento das aldeias, a “industrialização chinesa” – quer seja chinesa ou não –   veio abanar um bocadinho com a feira tradicional a que antigamente estávamos habituados, e eu até nem sou muito antigo, mas o suficiente para ainda reter na memória o dia da feira da lã (que se realizava a 30 de outubro) e os quase 15 dias de barracas que antecediam os dias principais de 30 e 31 de outubro e 1 de novembro, onde as tais mantas de Soutelo eram rainhas e senhoras, tão afamadas ou mais que o presunto de Chaves. Estamos a falar da história antiga de Chaves pois estes géneros só mesmo e só a história os registam.



Com a modernidade e as modernices a feira dos santos levou um abanão, sobretudo naquilo que diz respeito às tais trocas comerciais entre o povo das aldeias mas também à vida que este mesmo povo da aldeia dava às noites flavienses do 30 e 31 de outubro. Um abanão mas não o suficiente para acabar com uma feira que tem tradição e, a tradição é bem mais forte que qualquer ameaça, mesmo com algum desprezo com que ela sempre foi tratada por quem a deveria tratar bem e fazer dela uma festa, a verdadeira festa flaviense, sem sequer tirar dela  o proveito da  sua tradição para a valorizar e promover Chaves e a região, e vender a marca “CHAVES” que tão apregoada é, sem nunca passar do pregão.  Recordem-se as mantas de Soutelo e o Presunto de Chaves.



A Realidade


Também é tradição da feira dos santos de Chaves, durante o seu decorrer, os flavienses falarem dela, do seu passado, do presente e do seu futuro, quanto à sua localização/itinerância. Pois este falar da feira tem-na mantido também de pé.  É impossível termos Chaves no seu todo sem a feira dos santos. Ela faz parte do seu todo e ano após ano poder-se-ia aprender um bocadinho com as feiras dos anos anteriores, a começar pela sua localização, que ora anda pra cima ora anda pra baixo, ensaia os lados e acaba por voltar ao mesmo. Pois com todos estes ensaios já começava a ser tempo de ter um poiso certo, mas enfim, tal como disse , a sua itinerância de localização também já é uma tradição da feira e para que finalmente chegue ao seu destino, ainda vai ter de dar mais umas voltinhas, pois a meu ver ainda pode ser melhorada.



Penso que já foi definitivamente deixada de parte a ideia de a feira ter uma localização própria, num espeço próprio, nas proximidades da cidade, pois a experiência de a “guetar” em todo, ou em parte, deu ou dá maus resultados, além de milhões de euros que todos estamos a pagar por essas tentativas. Recordemos o espaço criado para a feira – um campo de feira – entre o Forte de S.Neutel e Santa Cruz que foi rejeitado por todos, quer pelos feirantes quer pelo povo e, a insistir-se continuar por lá a feira semanal ou a das diversões dos Santos, nesta altura do campeonato já não haveria nem feira semanal nem diversões. O problema destes novos espaços que se fazem para resolver problemas, só têm criado problemas e despesas, e tudo, porque nas decisões deste novos espaços, as pessoas que usufruem deles nunca são


 

tidas em conta ou ouvidas. E voltando outra vez às palavras do JCB do post de sexta-feira passada, onde afirmava que “as feiras pertencem às aldeias, eu digo que sim senhor, pertencem às aldeias e ao povo,  mas acrescentaria que se faz nos centros das vilas e cidades, no seu coração, junto ao comércio tradicional como complemento ou parceiro deste, juntos aos tascos e cafés, com barracas de montar e desmontar, com confusão, muita de preferência, junto a quem trabalha nas cidades de modo a poderem ir fazer um chichi e na volta trazerem cinco pares de meias por dois euros (ontem mesmo, um dos vendedores daqueles que têm palco montado em cima da camioneta e microfone ao peito, vendia 48 meias e oferecia um pufo e uma toalha de mesa de cozinha por apenas cinco euros), porque a feira dos nossos tempos, também é espetáculo.



Assim e embora eu até já tivesse defendido um espaço próprio para a feira, hoje defendo que a feira se deve concentrar toda dentro do centro histórico de Chaves, à exceção da feira do gado, mas a essa já lá vamos. Dir-me-ão alguns que isso até seria bonito, mas e o trânsito? Se a feira ocupasse as ruas como é que os popós circulavam? – Pois talvez seja por essas e por outras que as ruas e praças do centro histórico não devem ter trânsito ou estacionamentos, mesmo que abusivos e depois as feiras não acontecem todos os dias. 



O programa da feira

 

Ainda estou para saber como é que antigamente a feira se levava a cabo sem qualquer programa… mas isso são contas de um rosário do passado.


Pois sobre o programa da feira, este ano, não digo nada e não é por faltarem os rapazes das concertinas de Venda Nova, mas porque é mais do mesmo e não adianta “bater no ceguinho”, pois este nunca vai admitir que erra e além disso, cego que é cego está mesmo impossibilitado de ver. A solução está mesmo em substituir o ceguinho por alguém que realmente veja ou pelo menos que consiga ouvir – o povo, os jovens, os flavienses e que nos visita.



Amiúde se ouvem uns chavões  sobre Chaves – “Mais chaves”, “Sabores de Chaves”, “Marca Chaves”, etc, etc, etc.. Criam-se associações e até empresas para a promoção de Chaves, ensaiam-se feiras e feirinhas disto e daquilo, pois se em “cascos de rolha” resulta, em Chaves também tem de resultar ou devia, mas vá-se lá saber porque…, nada medra. Entretanto deixámos esquecido aquilo que é mesmo marca de Chaves, e deixo dois exemplos – o Presunto de Chaves e a Feira dos Santos. O primeiro cada vez mais faz parte da história, mas só da história. Alguém por aí viu Presunto de Chaves à venda na feira? – Pois eu vi um barraca de presuntos, mas eram de Lamego…Quanto à Feira dos Santos, existe e vai continuar a existir porque faz parte do calendário do povo e dos flavienses, já quanto à promoção de Chaves e à festa que deveria acontecer em paralelo à feira, nada ou praticamente nada acontece, em suma, temos um bom ambiente de feira mas não o temos de festa (de rua) e muito menos de promoção de Chaves.



Um pequeno exemplo


À feira dos Santos ninguém lhe pode tirar a importância que tem e é MUITO importante para Chaves e para os flavienses, penso que uma prova disso é que até tem uma Sessão Solene, à qual nunca fui mas que pela certa os engravatados do costume nunca faltam. Alguns dos mesmos que sobem ao palanque para entregar os prémios do Concurso Nacional Pecuário e têm lugar reservado no festival gastronómico galego. Sei que há uma grande equipa a trabalhar para a feira, composta por trabalhadores da Câmara Municipal e da ACISAT (a associação dos comerciantes e industriais cá do sítio que como é lógico zela pelos interesses dos seus associados ), além de chamar ao trabalho outras entidades, como a PSP entre outros. Já quanto à logística e ao programar/pensar da feira, não sei a quem cabe a responsabilidade, mas deve andar a meias entre os grandes e as chefias da Câmara e da ACISAT, ou seja, os do



costume e como a feira todos os anos é mais ou menos igual, suponho que logisticamente falando deve ser uma tarefa muito complexa, de meses de trabalho e daí, deixarem de fora até pequenos pormenores (pequenos, porque o pormenor é sempre pequeno) esquecidos, mas que fazem a diferença, principalmente para não termos uma imagem terceiro-mundista   da feira, para não falar dos que verdadeiramente sofrem com a ausência de um pormenor. Há um amigo meu que me diz para eu não dar ideias aqui no blog, senão “eles” aproveitam-se delas e, eu, invariavelmente respondo-lhe sempre na mesma, dizendo-lhe que se a ideia é boa e pode se aproveitada, ótimo, pois todos ficamos a ganhar. Pois a ideia que tenho para colmatar um (porque há tantos) desses pormenores em falha na feira, poder-se-ia dizer que é uma ideia, com vossa licença - de merda - pois é de WC’s que se trata…


  


Segundo a organização da feira esperavam-se cerca de 100.000 visitantes e não sei se a organização sabe mas o ser humano tem necessidades fisiológicas que vão para além do comer e do beber, que estas, embora devam ser satisfeitas a tempo e horas, se não acontecerem à hora marcada até podem esperar, mas há as que não podem.  Ora por muito prevenido que o povo seja ou esteja, há essas necessidades fisiológicas que têm de ser satisfeitas quando batem à porta e, não há volta a dar-lhes, pois elas são mais fortes que qualquer vontade que a possam controlar. Tem de ser e tem de ser e o tem de ser tem muita força. Para os homens a coisa é mais prática, basta uma parede e, embora seja uma imagem pouco agradável e coisa do terceiro mundo, após o ato é só abanar, recolher, e meter-se outra vez no meio da confusão, pois como cometem o ato sempre de costas voltadas para o público, são pessoas sem rosto e ninguém os irá reconhecer. Agora para as mulheres, aí a coisa já é mais complexa..



Não sei se a organização da feira sabe mas já existem WC’s portáteis, de todas as cores, práticas, individualizadas e minimamente higiénicas,  que se podem colocar em qualquer local, ou em locais estratégicos que as pessoas procuram nos momentos de aperto. Ora dos cerca de 100.000 visitantes e pela certa, entre eles, há sempre umas boas centenas de aflitos a todas as horas e, se já em circunstâncias normais da vida diária da cidade há um défice de WC’s públicos, imaginem mais 20 ou 30 mil pessoas que sejam, ao mesmo tempo nas ruas da cidade…Pois, cara organização do evento, esses WC’s portáteis existem, podem ser comprados e suponho que até alugados e basta fazer um pesquisa na internet com a chave “WC portátil” para eles aparecerem ou então, ligam para a Câmara de Montalegre e perguntam-lhes onde é que eles os arranjam para as noites das bruxas… e não devem custar assim tanto, mas podem crer que vão aliviar muita gente, além de ser um caso de higiene e saúde pública, mas com a tendência atual é entregar tudo aos privados, sempre se pode abrir um concurso de concessão de exploração, pois pela certa que vai haver por aí um amigo que vai estar interessado em explorar  esta cena – mais uma ideia e de borla.



A Feira/Concurso do Gado


Até há uns anos atrás a feira e o concurso do gado realizavam-se no mesmo local. É uma feira/concurso interessante não só para quem é comprador/vendedor ou concorrente, mas também para o povo ver e apreciar. Povo, turistas e flavienses, pois há muita boa gente que se desloca lá de propósito só para ver a festa da feira/concurso do gado, o que deverá ser considerado como uma mais-valia ao aumentar a seu interesse. Também o festival gastronómico galego está associado a esta feira/concurso e pouco tenho a dizer para além disto, a não ser o ter saudades de quando a feira e o concurso aconteciam no mesmo espaço. Este é o único senão e queixa de muita gente, pois embora a feira e o concurso não aconteçam à mesma hora, a distância entre os dois locais ainda é considerável para poder ser percorrida a pé e, de automóvel, convenhamos que não é propriamente um dia para ser utilizado, correndo mesmo o risco de só conseguir estacionamento a alguns quilómetros do local do concurso. 


 

 

 

Sei que o novo pavilhão onde se realiza a feira do gado tem todas as condições (ou muitas) para se realizar a feira e os negócios, mas o povo fica a perder, pois a maioria (como eu) tem de optar pela feira ou pelo concurso, e nós queríamos ambos… Então aqui fica mais uma ideia e que é a de se regressar ao antigamente, ao mesmo local onde a feira do gado se fazia e que foi convertida para a feira das barracas, aquela que agora ninguém utiliza. Já sei que os técnicos têm alguns argumentos para que a feira continue no pavilhão, mas um dia não são dias e uma vez por ano poder-se-ia realizar junto ao local do concurso. A festa ficava a ganhar.



Conclusões


A feira dos santos  em Chaves é uma grade feira, uma festa - que ninguém duvide disso, e nós flavienses gostamos dela e gostamos de receber quem vem de propósito à feira e à festa, como gostamos de reencontrar sempre os velhos amigos que andam por esse Portugal fora a lutar pela vida e que nunca perdem a oportunidade de vir à terrinha por altura dos santos.



É por sabermos que a feira é grande e que traz a Chaves muita gente que a queremos melhor para melhor receber e melhor desfrutar dela e não é preciso fazer muito para que isso aconteça, pois basta alguma vontade e saber ouvir as pessoas, todas, sem exceções, pois melhorar é possível e o consenso também, e depois sim, Chaves teria uma grande feira que orgulhosamente poderia dizer a melhor feira nacional do género aliada a uma verdadeira festa da cidade, que Chaves nunca teve.



´
publicado por Fer.Ribeiro às 03:10
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|  O que é?

.Fotos Fer.Ribeiro - Flickr

frproart's most interesting photos on Flickriver

.meu mail: blogchavesolhares@gmail.com

.Outubro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9

15
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


.pesquisar

 
ouvir-radioClique no rádio para sintonizar

 

 

El Tiempo en Chaves

.Facebook

Fernando Ribeiro

Cria o teu cartão de visita Instagram

.subscrever feeds

.favorito

. Solar da família Montalvã...

.posts recentes

. Chaves - Feira dos Santos...

. Chaves - Feira dos Santos...

blogs SAPO

.Blog Chaves no Facebook

.Veja aqui o:

capa-livro-p-blog blog-logo

.Olhares de sempre

.links

.tags

. todas as tags

.arquivos

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

Add to Technorati Favorites