Domingo, 15 de Maio de 2016

O Barroso aqui tão perto... Sendim

1600-sendim-00

Ao fundo, Coto de Sendim e aldeia vistos desde Montalegre

 

montalegre (549)

 

Todas as cidades, vilas, aldeias, sítios e lugares têm uma imagem de marca e a nossa aldeia de hoje, Sendim, Montalegre, ainda no Alto Barroso e nas proximidades do Larouco, também não há exceção, por sinal, esta sua imagem de marca, é bem visível ao longe e servindo mesmo de orientação para quem ande desnorteado. Pois a imagem de marca é o Coto de Sendim, uma pequena e curiosa elevação que termina em bico, um pouco a fazer lembrar a imagem de marca da serra mais alta de Portugal, a Ilha do Pico.

 

1600-sendim (8)

 

E já que que se fala em alturas, com a Ilha do Pico com a serra mais alta de Portugal com 2 351 metros de altura, seguida da Serra da Estrela, a segunda mais alta de Portugal e a primeira mais alta de Portugal continental, com 1993 metros de altura, seguida da Serra do Larouco, o nosso Larouco, com 1525 metros.

 

1600-sendim (18)

 

Falando da(o)s mais alta(o)s, Sendim também sobe ao pódio, ao primeiro lugar, como a aldeia mais alta de Portugal, com a sua localização a 1150 metros de altura. Mas no concelho de Montalegre ainda bate outros recordes, pois é a aldeia mais próxima da Galiza  e a segunda localizada mais a Norte do Concelho (a primeira é Tourém).

 

1600-sendim (4)

 

E nestas coisas do mais, ser mais isto e aquilo, Sendim também é uma das aldeias mais pequenas do concelho de Montalegre e a par de muitas mais, também uma das mais despovoadas, envelhecida e até esquecida.

 

1600-sendim (15)

 

Como de costume, para além das nossas impressões pessoais daquilo que vimos e sentimos nos lugares e aldeias que visitamos, lançamo-nos em pesquisa para descobrir o que há sobre estas aldeias, mas em Sendim a tarefa tornou-se-nos difícil, pois na página oficial do município, para além de assinalar a sua existência, a freguesia a que pertence e outras coisas tais, mais nada há sobre a aldeia, pelo menos que nós tivéssemos descoberto, com uma pequena exceção em duas referências apenas ao nome da aldeia, escondido no meio da Monografia de Montalegre de autoria de José Dias Batista.

 

1600-sendim (36)

 

Mas como não desistimos facilmente e como sabemos que todas as aldeias, por mais escondida, disfarçada ou esquecida que esteja, têm sempre qualquer coisa de importante a revelar, nem que seja uma estória ou uma anedota,  na nossa insistência, descobrimos na net um sítio (fortalezas.org) a tal coisa importante de Sendim. Coisas da História, das fortalezas que existiram, algumas ainda existem e de outras apenas há vestígios, isto no local. Pois em Sendim também existiu uma fortaleza, no tal Coto já referido, que embora hoje apenas pareça existirem alguns vestígios, foi importante quando existiu, senão, não teria sido documentada como o foi por Duarte D’Armas, a par de tantas outras fortalezas portuguesas que então existiam.

 

1600-sendim (30)

 

 

Às vezes os municípios não dão importância a estas coisas que, podem não ser interessantes para a maioria das pessoas, mas que têm fiéis adeptos, geralmente entendidos, mas também muitos curiosos.  Se aos fiéis adeptos não é necessário alertá-los para a existência destas coisas porque têm conhecimento delas, já os curiosos que gostam destas coisas e de as visitar e cinhecer, é necessário alertá-los para a sua existência. Quando comecei este post, para além daquilo que vi e dos registos fotográficos que fiz, pouco mais sabia e pouca mais documentação tinha, no entanto e durante a feitura deste post descobri duas coisas que são importantes para a aldeia e que podem levar lá muitos curiosos, a primeira foi a de ser a aldeia mais alta de Portugal, que bem poderia estar, até, assinalada na placa de entrada “ SENDIM – A aldeia mais alta de Portugal”, a segunda, esta de valor histórico, é o Castelo do Portelo, no Coto de Sendim. Mas passemos a este, com o texto e imagens que, com a devida vénia e agradecimento, “roubei” a “Fortalezas.org”, a bem da sua divulgação.

 

1600-larouco (68).jpg

 Coto de Sendim e aldeia vistos desde a Serra do Larouco

 

“O “Castelo de Portelo”, também grafado como “Castelo do Portelo”, localizava-se no lugar de Coto de Sendim, na freguesia de União das Freguesias de Meixedo e Padornelos, concelho de Montalegre, distrito de Vila Real, em Portugal.



Em posição dominante sobre uma penedia rochosa na base da vertente oeste da serra do Larouco, na fronteira com a Galiza, juntamente com os castelos da Piconha, Montalegre, Monforte de Rio Livre e Chaves, assegurava a defesa dos acessos aos vales do rio Cávado e rio Tâmega, na Idade Média. Complementarmente, defendia as terras do Couto Misto, atualmente em território da Galiza.

castelo 1.JPG

Iconografias > Castelo de Portelo - 005348

Vista de Portelo da parte do norte, Portugal. Desenho a bico-de-pena, Duarte de Armas, Livro das Fortalezas, c. 1509, prancha n.º 99, Arquivo Nacional da Torre do Tombo, Lisboa, in: http://digitarq.dgarq.gov.pt/viewer?id=3909707 Note-se a ruína na Torre de Menagem.
Licença: Domínio Público (Autor falecido há mais de 70 anos). - Data: 1509


História

Antecedentes

Acredita-se que a primitiva ocupação humana de seu sítio remonte a um castro pré-histórico romanizado, dominando a via natural de trânsito entre os vales dos rios Cávado e Salas, sobre os quais se desfruta de uma ampla panorâmica.

O castelo medieval

Desconhecem-se quaisquer documentos ou testemunhos que permitam traçar uma história do castelo medieval, que se acredita remonte à época da Reconquista cristã da península Ibérica, em algum momento entre o século XI e o século XII.

Sob o reinado de Sancho I de Portugal (1185-1211) Padornelos recebeu carta de foral, posteriormente confirmado por Afonso III de Portugal (1248-1279) a 5 de outubro de 1266. A vila constituiu então ‘’conselho sobre si’’, isto é, passou a gozar dos privilégios que aos grémios municipais se concediam: “Os homens de Padornelos devem meter juiz e serviçal e mordomo e clérigo” E assim, por este documento que substituiu o de D. Sancho I, conferia-se existência jurídica ao rudimentar concelho, com magistraturas próprias. Posteriormente, a vila constituiu-se em uma das honras fronteiriças das Terras de Barroso, e teve direito a capitão residente para poder arregimentar homens, dos 18 aos 60, para a defesa nacional, sempre que Portugal fosse ameaçado.

castelo 2.JPG

Iconografias > Castelo de Portelo - 005349
Vista de Portelo da parte do sul, Portugal. Desenho a bico-de-pena, Duarte de Armas, Livro das Fortalezas, c. 1509, prancha n.º 100, Arquivo Nacional da Torre do Tombo, Lisboa, in: http://digitarq.dgarq.gov.pt/viewer?id=3909707
Licença: Domínio Público (Autor falrcido há mais de 70 anos). - Data: 1509

 

À época de Manuel I de Portugal (1495-1521) o castelo encontra-se figurado por Duarte de Armas no seu “Livro das Fortalezas” (c. 1509) em duas vistas (fls. 99 e 100, ANTT) e uma planta (fl. 132). Por esta última se depreende que a torre de menagem já se encontrava em ruínas ("As ruínas da fortaleza do Portelo"), exibindo rachaduras pelo alçado norte. A aldeia de Sendim é representada a sudoeste, afastada do castelo.

Da Guerra de Restauração aos nossos dias

Destruído à época da Guerra da Restauração (1640-1668), em nossos dias encontra-se em ruínas abandonadas, processo agravado designadamente por tentativas modernas de florestação na área.

Apesar do expressivo significado histórico do monumento, regional e nacional, as suas ruínas não se encontram classificadas e nem sinalizadas. Embora pouco reste de suas antigas muralhas, de seu sítio desfruta-se de um excelente enquadramento paisagístico. O seu acesso é pedonal, por caminho carreteiro, a partir do lugar de Coto de Sendim.

castelo 3.JPG

Iconografias > Castelo de Portelo - 005350
Plantas dos castelos de Portelo e da Piconha, Portugal. Desenho a bico-de-pena, Duarte de Armas, Livro das Fortalezas, c. 1509, prancha n.º 132, Arquivo Nacional da Torre do Tombo, Lisboa, in: http://digitarq.dgarq.gov.pt/viewer?id=3909707
Licença: Domínio Público (Autor falecido há mais de 70 anos). - Data: 1509

 


Características

Exemplar de arquitetura militar, em estilo românico, de enquadramento rural, isolado, na cota de 1259 metros acima do nível do mar.

De pequenas dimensões, apresenta planta retangular, ao centro do qual se erguia, isolada, a torre de menagem. Pelo lado oeste são visíveis os restos de muralhas, com cerca de 1 metro de altura por 0,70 metros de largura média. Pelo lado sudeste a defesa era natural.”

 

E assim terminamos mais uma incursão por terras do Barroso. No próximo domingo voltamos por lá, mas ainda não sabemos qual a aldeia que será contemplada.

 

 

Como  de costume ficam os sítios da net consultados para recolha de informação:  

http://www.cm-montalegre.pt/

http://fortalezas.org/?ct=fortaleza&id_fortaleza=1565&muda_idioma=PT

 

Anteriores abordagens deste blog a aldeias ou temas do Barroso:

A Água - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-a-agua-1371257

Gralhas - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-gralhas-1374100

Meixedo - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-meixedo-1377262

Padornelos - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-padornelos-1381152

Padroso - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-padroso-1384428

Solveira - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-solveira-1364977

Stº André - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-sto-andre-1368302

Vilar de Perdizes - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilar-de-1360900

Vilar de Perdizes /Padre Fontes - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilar-de-1358489

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 23:36
link do post | comentar | favorito
|  O que é?

.Fotos Fer.Ribeiro - Flickr

frproart's most interesting photos on Flickriver

.meu mail: blogchavesolhares@gmail.com

.Agosto 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9

17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


.pesquisar

 
ouvir-radioClique no rádio para sintonizar

 

 

El Tiempo en Chaves

.Facebook

Fernando Ribeiro

Cria o teu cartão de visita Instagram

.subscrever feeds

.favorito

. Abobeleira em três imagen...

. Solar da família Montalvã...

.posts recentes

. O Barroso aqui tão perto....

blogs SAPO

.Blog Chaves no Facebook

.Veja aqui o:

capa-livro-p-blog blog-logo

.Olhares de sempre

.links

.tags

. todas as tags

.arquivos

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

Add to Technorati Favorites