Domingo, 10 de Dezembro de 2017

O Barroso aqui tão perto - São Bento de Sexta Freita

1600-sexta-freita (4)

montalegre (549)

 

Antes ainda de entramos em mais uma aldeia do Barroso, deixo um pedido de desculpas a quem veio aqui nas últimas semanas a procura de mais uma aldeia barrosã. Embora não tivesse sido por falta de conteúdos, mesmo porque já recolhemos imagens de todas as aldeias do Concelho de Montalegre, nem tão pouco por falta de vontade ou de tempo, pois tempo sem fazer nada não tem faltado. A verdade é que por motivos de saúde estivemos impedidos de nos sentarmos ao computador e mesmo a feitura deste post, foi feito aos pouquinhos durante toda a semana. Mas como tudo começa a regressar à normalidade das habituais rotinas dos dias, também esta rúbrica de “ O Barroso aqui tão perto” voltará a sua normalidade de estar por aqui todos os domingos ou com algum atraso, às segundas-feiras. Assim o espero.

 

1600-sexta-freita (27)

 

Vamos então até à nossa aldeia barrosã de hoje e à primeira vez que a avistei,  embora sem tempo para entrar nela, mas quis ir até lá, avistá-la desde a estrada, tudo pelo seu curioso topónimo que então tinha visto num mapa qualquer (já não recordo qual) onde aparecia como Sexta-Feira. Mas isto foi há cinco anos, que deu para satisfazer a curiosidade e ficar a saber que afinal o seu topónimo não era Sexta-Feira, mas sim Sexta-Freita antecedida ainda pelo nome de um santo – São Bento, ou seja – São Bento de Sexta Freita.

 

1600-sexta-freita (15)

 

Iniciemos então pelo seu topónimo que não sendo Sexta-Feira também não deixa de ser curioso ser Sexta Freita, com uma abordagem àquilo que se diz na “Toponímia de Barroso”

 

1600-sexta-freita (13)

 

Sexta Freita ou São Bento de Sexta Freita

Topónimo de grande beleza e raridade. Trata-se do adjectivo latino FRACTA > FRAITA > FREITA que significa partida “quebrada”. Uma quebrada aqui relacionada com a orografia ou com a terra e teria o sentido de lavrada, arroteada. Julgo que no caso vertente é evidente o sentido orográfico, ou seja, é a sexta “quebrada” ou corga da lomba onde a povoação demora; Sexta Quebrada (nesse sentido,  existia e até está documentada em:

- 1258 « in leyras et quebradas (sis) divisas» INQ 1442) provavelmente a partir da Igreja de S. Pedro de Covelo.

 

1600-sexta-freita (21)

 

E a “Toponímia de Barroso” continua com:

Tendo-se perdido o sentido de fracta, sentido de terreno adequado à cultura, houve que juntar-lhe o numeral Sexta > sexta para especificar o local — é a sexta quebrada, a sexta lomba arroteada daquela encosta fronteira ao Gerês começando a contar desde o Rio, por alturas da Misarela. A localidade não foi arrolada (salvo se tiver havido mudança de topónimo – o que não creio) nas inquirições seguintes à de 1258. Ao invés do que geralmente se pensa o culto a São Bento é bastante tardio. Deve-se sobretudo aos muitos sermões dos monges beneditinos dos quais o Santinho foi Patriarca e cuja apologia, milagres e sabedoria propalaram.

1600-ponteira 1-(85).jpg

 

Ainda na “Toponímia de Barroso”:

Em 1530 tinha apenas um casal. Nesse documento o hagiotopónimo foi substituído pelo ridículo nome de Cestafrita, em vez de Sexta Freita!

 

1600-sexta-freita (16)

 

E como sempre a “Toponímia Alegre” também parte integrante da “Toponímia de Barroso”:

 

Se fores ao São Bentinho

Não vades ao de Gerês;

Ide ao de Sexta Feita

Que tantos milagres fez!

 

Ó passantes de Covêlo

Não me comais as cerejas

Que o meu patrão vai à feira

Pode-me botar as queixas.

 

1600-sexta-freita (17)

 

Quanto à nossa recolha fotográfica foi feita há quase um ano, após o Natal e ainda antes do ano novo, num itinerário que tínhamos marcado para algumas aldeias na proximidade da Barragem de Paradela, como passagem por Ponteira, Sexta Freita e as três Penedas.

 

1600-ponteira (170)

 

Para sair do itinerário já nosso conhecido da M308-4, que liga Paradela a Ferral, optámos pela estrada secundária entre Paradela e Ponteira, e a partir desta última, pelo estradão em terra batida que liga à Sexta Freita. As vistas para a Serra do Gerês compensam alguma aspereza do piso do estradão.

 

1600-sexta-freita (36)

 

Chegados a São Bento de Sexta Freita o que mais surpreende e atrai, em primeiro lugar, são mesmo as vistas que se podem lançar sobre Ponteira e Sobre a Serra do Gerês, logo de seguida é o conjunto da Igreja, largo e Cruzeiro, instalados num dos pintos mais altos da aldeia e desde onde se podem lançar os tais olhares paras as redondezas não muito distantes, como para a imponência, recortes e penedio da Serra do Gerês.

 

1600-sexta-freita (33)

 

Quanto à orografia do terreno, S.Bento de Sexta Freita encontra-se no topo de uma elevação entre muitas elevações, algumas com declives bem acentuados com vertentes para pequenos vales ou linhas de água.  Quando por aqui digo que não existe um Barroso, nem apenas o Alto e Baixo Barroso, podemos dizer que esta aldeia está no limite de dois Barrosos bem distintos. Um que deixa os planaltos das terras do “Rio” e da “Chã” para se entrar num outro, mais cultivado, mais verde com aldeias com aglomerados mais dispersos, em terras inclinadas com um misto de influência de terras e cores do Minho, a usufruir das vertentes dos montes paras os Rios Cávado e Cabril onde a Barragem de Salamonde se começa a formar e desenvolver, mas sempre com as aspereza dos azuis refletidos no penedio da Serra do Gerês.

 

1600-sexta-freita (31)

 

Durante trinta e muitos anos andei a apreciar o Barroso que ia desde Chaves até Montalegre, onde o Larouco, ainda antes de ser “deus” era rei e senhor daquela região. Para além do planalto, ia conhecendo e apreciando também as terras do Rio e as Terras da Chã, sem esquecer a grande Barragem dos Pisões. Para além disso, algumas incursões pela Mourela, Pitões e Tourém, ainda no tempo em que o verdadeiro comunitarismo se comungava nesta região, com as vezeiras e os fornos do povo a funcionar na sua labuta diária de fazer pão e outras iguarias em dias de festa. Para mim, esse, era todo o Barroso que eu conhecia, e bem interessante por sinal.  

 

1600-sexta-freita (9)

 

Espanto meu foi conhecer os outros Barrosos, e para já não vamos falar do Barroso do Concelho de Boticas. Os Barrosos ao longo da Serra do Gerês, desde Paradela, Sirvozelo e por aí fora, passando por Cabril e terminando em Fafião, um outro Barroso entre as três barragens (Pisões, Paradela e Venda Nova, um outro que tem como centro a freguesia de Salto e envolvência e por último o de influência da Serra do Barroso, este repartido pelo concelho de Montalegre e Boticas. Em tom de jocoso poderia dizer que são os Barrosinhos que fazem o todo do Barroso, esse todo que no conjunto com os seus contrastes, fazem dele uma pérola do Reino Maravilhoso que Torga tão bem cantou e deixou registado nos seus escritos, diários e poemas.

 

1600-sexta-freita (1)

 

Mas vamos à localização de S.Bento de Sexta Freita e o itinerário que nós recomendamos para chegar até lá, como sempre a partir da cidade de Chaves. Já sabem que o meu itinerário preferido é mesmo o da Estrada de S.Caetano/Soutelinho da Raia, até Montalegre. A Partir de Montalegre nem há como seguir o Rio Cávado, não pelo Rio, mas pela Estrada N308, primeiro a acompanhar a margem esquerda do Cávado, depois, antes de Frades passa-se para a margem direita e em Sezelhe passa-se outra vez para a margem esquerda, passando para a EM514, mas só até S.Pedro, pois aí há que abandonar esta estrada, passar por S.Pedro e tomar a Rua da Estrada que passa Por Vilaça, Fiães do Rio, Loivos e Paradela (aldeia e barragem). Aqui toma-se a N308-4 em direção a Ponteira (passando-se ao lado mas com lindíssimas vistas sobre Ponteira onde os penedos são mais e maiores que as casas), logo a seguir é S.Bento de Sexta Freita. No total são perto de 70 km e 1H30 a 2 H de viagem, isto contando com as paragens de apreciação e a obrigatória toma de café em Montalegre.

 

1600-sexta-freita (6)

 

Claro que o itinerário que deixei é o meu preferido e aquele que acho mais interessante. Em alternativa tem sempre a EN103, por onde até são menos 5km de distância, mas para mim menos interessante.

Quanto às coordenadas da aldeia são:

41º 43’ 55.45”N

7º 58’ 37.17”E

Altitude de Sexta Freita entre os 820 e 853m

 

sexta freita.jpg

 

E pouco mais a a dizer sobre S.Bento de Sexta Freita, mesmo porque nas nossas pesquisas não encontrámos mais nada, nem no livro “Montalegre” onde apenas se refere que a aldeia pertence à freguesia de Covêlo do Gerês.

 

E por hoje é tudo e “O Barroso aqui tão perto” estará por aqui no próximo domingo, pelo menos assim esperamos que aconteça.

 

1600-sexta-freita (45)

 

Como sempre ficam as habituais referências às nossas consultas e links para as anteriores abordagens ao Barroso.

 

Bibliografia

 

BAPTISTA, José Dias, (2014), Toponímia de Barroso. Montalegre: Ecomuseu – Associação de Barroso.

 

Links para anteriores abordagens ao Barroso:

 

A

A Água - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-a-agua-1371257

Algures no Barroso: http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-1533459

Amial - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-ameal-1484516

Amiar - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-amiar-1395724

Antigo de Sarraquinhos - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-antigo-de-1581701

Arcos - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-arcos-1543113

 

B

Bagulhão - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-bagulhao-1469670

Beçós - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-becos-1574048

Bustelo - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-bustelo-1505379

 

C

Cambezes do Rio - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-cambezes-do-1547875

Caniçó - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-canico-1586496

Carvalhais - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-carvalhais-1550943

Castanheira da Chã - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-castanheira-1526991

Cela - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-cela-1602755

Cepeda - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-cepeda-1406958

Cerdeira - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-cerdeira-1576573

Cervos - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-cervos-1473196

Contim - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-contim-1546192

Cortiço - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-1490249

Corva - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-corva-1499531

Covelães - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-covelaes-1607866

 

D

Donões - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-donoes-1446125

 

F

Fervidelas - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-fervidelas-1429294

Fiães do Rio - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-fiaes-do-1432619

Fírvidas - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-firvidas-1466833

Frades do Rio - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-frades-do-1440288

Friães - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-friaes-1594850

 

G

Gralhas - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-gralhas-1374100

Gralhós - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-gralhos-1531210

 

L

Ladrugães - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-ladrugaes-1520004

Lapela   - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-lapela-1435209

Larouco - Um olhar sobre o Larouco - http://chaves.blogs.sapo.pt/2016/06/19/

 

M

Meixedo - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-meixedo-1377262

Meixide - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-meixide-1496229

Mourilhe - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-mourilhe-1589137

 

N

Negrões - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-negroes-1511302

Nogeiró - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-nogueiro-1562925

 

O

O colorido selvagem da primavera http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-o-colorido-1390557

Olhando para e desde o Larouco - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-olhando-1426886

Ormeche - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-ormeche-1540443

 

P

Padornelos - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-padornelos-1381152

Padroso - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-padroso-1384428

Paio Afonso - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-paio-afonso-1451464

Parafita: http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-parafita-1443308

Pardieieros - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-pardieiros-1556192

Paredes de Salto - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-paredes-1448799

Paredes do Rio -   http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-paredes-do-1583901

Pedrário - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-pedrario-1398344

Peneda de Cima, do Meio e de Baixo, as Três Penedas: http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-as-tres-1591657

Penedones -  http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-penedones-1571130

Pereira - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-pereira-1579473

Pomar da Rainha - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-pomar-da-1415405

Ponteira - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-ponteira-1481696

 

R

Reboreda - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-reboreda-1566026

Roteiro para um dia de visita – 1ª paragem - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-roteiro-1104214

Roteiro para um dia de visita – 2ª paragem - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-roteiro-1104590

Roteiro para um dia de visita – 3ª paragem - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-roteiro-1105061

Roteiro para um dia de visita – 4ª paragem - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-roteiro-1105355

Roteiro para um dia de visita – 5ª paragem, ou não! - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-roteiro-1105510

 

S

São Ane - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-sao-ane-1461677

São Pedro - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-sao-pedro-1411974

Sarraquinhos - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-sarraquinhos-1560167

Sendim -  http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-sendim-1387765

Senhora de Vila Abril - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-senhora-de-1553325

Sezelhe - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-sezelhe-1514548

Solveira - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-solveira-1364977

Stº André - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-sto-andre-1368302

 

T

Tabuadela - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-tabuadela-1424376

Telhado - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-telhado-1403979

Travassos da Chã - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-travassos-1418417

 

V

Vilar de Perdizes - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilar-de-1360900

Vilar de Perdizes /Padre Fontes - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilar-de-1358489

Vilarinho de Arcos - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilarinho-1508489

Vilarinho de Negrões - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilarinho-1393643

Vilaça - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilaca-1493232

Vilar de Perdizes - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilar-de-1360900

Vilar de Perdizes /Padre Fontes - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilar-de-1358489

Vilarinho de Negrões - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilarinho-1393643

 

X

Xertelo - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-xertelo-1458784

 

Z

Zebral - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-zebral-1503453

 

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 00:00
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Sábado, 9 de Dezembro de 2017

Fornelos - Chaves - Portugal

1600-fornelos (6)

 

Nesta nova ronda pelas aldeias do concelho de Chaves, hoje toca a vez a Fornelos, uma das nossas aldeias atravessadas pela Nacional 314, que liga Chaves a Murça com passagem por Carrazedo de Montenegro. Embora desclassificada como Estrada Nacional e sendo uma estrada secundária é uma das vias mais importantes do concelho de Chaves, a par das outras Estradas Nacionais, não fosse por ela que se faz a ligação a quase 1/3 das aldeias de Chaves, para além de ser uma das estradas da nossa rede viária do concelho mais interessantes de percorrer, embora com o devido cuidado, pois a sinuosidade e largura da estrada a isso recomenda.

 

1600-fornelos (42)

 

É também por esta estrada que se faz o principal acesso à Serra do Brunheiro e seu planalto e um dos dois acessos principais ao concelho de Valpaços, aliás a aldeia está no limite do concelho de Chaves, num dos pontos mais altos do concelho (920m),  localizada no alto do planalto onde a montanha de começa a desdobras paras as duas vertente, a do concelho de Chaves e a do concelho de Valpaços.

 

1600-fornelos (3)

 

Embora em fotografia a aldeia de Fornelos não passe por aqui muitas vezes, mesmo porque é uma aldeia pequena e maioritariamente com construções mais recentes, o que não vai muito de encontro às preferências deste blog, mais dedicado à antiga arquitetura rural transmontana. Ia dizendo que tem tido muitas imagens mas tem passado por aqui muitas vezes nas palavras de Gil Santo, s com as estórias e contos  que já há uma década vai deixando neste blog e nos seus livro, com mais um acabadinho de sair e que num dos próximos dias traremos aqui.

 

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 00:00
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Sexta-feira, 8 de Dezembro de 2017

Chaves, cidade, concelho e região - Uma foto por dia

1600-(44920)

 

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 00:30
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Quinta-feira, 7 de Dezembro de 2017

Chaves, cidade, concelho e região - Uma foto por dia

1600-(44724)

 

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 01:02
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Quarta-feira, 6 de Dezembro de 2017

Chaves, cidade, concelho e região - Uma foto por dia

1600-(48174)

 

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 02:15
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Sábado, 2 de Dezembro de 2017

Fernandinho - Chaves - Portugal

1600-fernandinho (78)

 

Nem que fosse e só pelas vistas que se alcançam desde Fernandinho, a nossa aldeia de hoje, já valia de pretexto para uma visita, mas Fernandinho não são só vistas, pois outros interesses detém na sua intimidade.

 

1600-fernandinho (7)

 

Com um curioso topónimo, é uma aldeia pequena, mas que tem tudo para ser uma das nossas aldeias tipicamente transmontana.

 

1600-fernandinho (138)

 

Curiosamente só pela terceira vez que fomos por lá é que a conseguimos descobrir em toda a sua essência, pois nas anteriores visitas, faltou-nos sempre o fator humano, fator sem o qual uma aldeia nunca fica completa, pois elas são feitas à imagem dos seus filhos. Pena, tal como a grande maioria das nossas aldeias, sofrer dessa maleita chamada despovoamento e envelhecimento da população.

 

1600-fernandinho (185)

 

Mas ainda há resistentes e quem lhes dê corda aos seus relógios, onde a terrinha (a nossa terrinha) é um  prolongamento do nosso lar, é lá onde estão as nossas ruas, as portas onde se bate para dar ou receber tudo que é necessário quando há necessidade de… nem que seja só a necessidade de ouvir ou ter de dar uma palavra amiga, como quem diz presente.

 

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 18:11
link do post | comentar | favorito
|  O que é?

Festival Galego Outono Fotográfico em Chaves

catalogo-jpg

 

Inaugura hoje a terceira exposição, na cidade de Chaves, do Festival Galego de Fotografia -  Outono Fotográfico. A Edição deste ano em Chaves contou com os fotógrafos flavienses Humberto Ferreira no mês de outubro, António de Souza e Silva no mês de novembro e inaugura hoje a de Fernando DC Ribeiro, que estará patente ao público todo o mês de dezembro e extra Outono Fotográfico durante o mês de janeiro de 2018, na Galeria da Adega do Faustino, uma das galerias que nos últimos anos tem estado associada a este festival galego.

 

esperas 1 - (29189)

 

A temática do Outono Fotográfico deste ano é: descrenza/disbelief /descrença – e é dentro deste temática que Fernando DC Ribeiro apresenta a exposição intitulada “Resistentes”, abordando em geral a ruralidade, envelhecimento e despovoamento da nossa região.

 

Vilarinho-seco (147)-1

 

Resistentes

Perdem-se na névoa dos dias, a mesma que lhes humedece o olhos e turva o olhar. Sabem que são os resistentes, os últimos. Saudades já não têm, perderam-nas em esperas inúteis, vestem de escuro, de preto, é nele que conjugam as juras eternas, nunca cantaram o fado, o triste fado,  mas de terem andado abraçados a ele toda uma vida, conhecem-no tão bem como a palma das suas mãos e há muito sabem que quem se perde no nevoeiro, jamais regressará. Restam-lhes as horas de um relógio com ponteiros que teimam após cada volta dar outra volta, mas sabem que um dia, quando não tiverem quem lhes dê corda, os ponteiros pararão.

 

outono-fotografico

 

O OUTONO FOTOGRÁFICO é um festival galego de fotografia, o decano da península ibérica, que atinge este ano de 2017 a sua 35ª edição e celebra-se nos meses de outubro, novembro e dezembro, em várias cidades galegas e portuguesas do Norte de Portugal, entre as quais a cidade de Chaves, na galeria da Adega do Faustino. Este ano o festival é subordinado ao tema descrenza/disbelief /descrença. «Entre o val e a crista da vaga vivimos: dende a crista avistamos apenas horizontes ou «aforas» imprecisas, e de volta ao val, coa memoria e os sentimentos armamos «adentros» e identidades cos que afrontar de novo o ascenso á crista. O documentar e inventar sobre o «fóra» e o «dentro», sucédense na história da fotografía de vaga en vagas nun entramado fecundo autointerferido proteico. Documentar e inventar: entre a acción de Francesc Boix, fotógrafo que cos negativos expropiados en Mauthausen e a súa testemuña en Nürnberg combateu o terror nazi, e as docufábulas de Jeff Wall ou Cindy Sherman cohabitan multitude de formalizacións fotográficas comprometidas coa contemporaneidade humanista, mais o terreo no que operar é infindo: para alterar o método, aventurarse na refutación do evidente e descrer a evidencia; dilucidar e raer os camiños da reflexión que nos reconecten co medio natural e o ser humano, que conduzan neste a respectar a complexidade magnífica da sua «diversidade» identitaria e naquel a rescatar o seu carácter radical de «ser vivo» e descrer así os modelos decretados, descrer para avanzar. Característica esencial da evolución, da ética e do coñecemento: a descrenza. Eis o tema da XXXV edición do OF.»

 

P.S.

Só me resta mesmo agradecer ao Humberto Ferreira a montagem desta exposição, sem a ajuda do qual, a mesma, não seria possível.

 

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 00:38
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Quarta-feira, 22 de Novembro de 2017

Chaves, cidade, concelho e região - Uma foto por dia

1600-(34120)

 

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 02:15
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Terça-feira, 21 de Novembro de 2017

Chaves, cidade, concelho e região - Uma foto por dia

1600-(48199)

 

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 01:45
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Sábado, 18 de Novembro de 2017

Faiões - Chaves - Portugal

1600-faioes (129)

 

E porque é sábado, vamos até Faiões e embora o momento aqui no blog seja dedicado à aldeia, hoje quero fazer uma dedicatória especial aos rapazes e meninas de Faiões num regresso às minhas memórias do bairro onde nasci – a Casa Azul.

 

1600-faioes (174)

 

Uma dedicatória em palavras, pois as imagens são para todo o pessoal de Faiões e também para quem gosta de apreciar as nossas aldeias, esta, a funcionar quase como mais um bairro da cidade. Mas as palavras vão mesmo para aquela rapaziada que aos bandos, descia de bicicleta a reta de Faiões e passava na curva da Casa Azul todas as manhãs na hora de ir para as aulas, sempre barulhentos, resultado das conversas entre eles e da troca dos tocares de campainhas entre elas, as bicicletas. Para mim, ainda puto, era um encanto vê-los passar, mas também um aviso de que estava atrasado para o meu percurso a pé, primeiro até à escola Primária do Caneiro, depois para o ciclo da Escola Industrial e Comercial e finalmente para o Liceu, já quando as bicicletas aguardavam pelo regresso dos donos, quer encostadas ao lado do Antunes ou do Rui, ambos das bicicletas.

 

1600-faioes (84)

 

Rapaziada, alguma,  com a qual momentos mais tarde e durante alguns anos fui tendo como colegas na sala de aulas ou na nossa escola, principalmente mais tarde no Liceu, ou mais tarde ainda como colegas de trabalho. Boa rapaziada, por sinal, com os quais ainda partilho, às vezes, momentos e estórias passadas naquelas bandas com gente que conhecemos daquele tempo, embora Faiões já ficasse fora do meu território que tinha limites no Lameirão, mas com passagem dos de Faiões  pela Casa Azul, o que fazia deles também pessoal da nossa rapaziada, com um obrigado especial por me permitirem, assim, regressar também às minhas origens.

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 00:00
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Quarta-feira, 15 de Novembro de 2017

Chaves, cidade, concelho e região - Uma foto por dia

dia9

 

Uma imagem de arquivo que por aqui deixei há anos atrás, de quando este espaço em primeiro plano ainda tinha uma agradável relva e uma escultura de um artista português da qual por sinal, pessoalmente, até achava bem interessante. A relva foi-se a escultura também. Ainda hoje estou para saber: - porquê!?

 

Há que ter, agora, esperança, com bom senso, para que este troço seja de novo dignificado, ainda para mais quando está mesmo ao lado de um importante monumento nacional que merce todo o nosso respeito, nem que fosse e só pelos seus dois mil anos de idade – a Ponte Romana.

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 02:42
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Terça-feira, 14 de Novembro de 2017

O Barroso aqui tão perto - Covelães

1600-covelaes (130)

montalegre (549)

 

Ontem ao fim da noite deixei aqui no blog uma imagem da nossa aldeia de hoje, dizia eu que tinha tudo pronto para mais um post sobre o Barroso, mas faltavam-me as palavras, e era verdade, pois abordarmos uma aldeia barrosã só com imagens, estaríamos a atraiçoá-la, e o contrário também é verdade, pois só com palavras, poderíamos deixar aqui a alma do seu ser, mas por muito bonitas e descritivas que as palavras fossem, a essa alma, continuaria a faltar um corpo para habitar.

 

1600-covelaes (106)

 

Pois aqui ficam algumas palavras e algumas imagens para vos dar a conhecer ou reviver, conforme os casos, a nossa aldeia de hoje – Covelães, que a bem dizer (e isto sou eu que o digo) deveria ser Covelães do Rio, e assim já ficaríamos com a tarefa da sua localização simplificada, por exemplo poderíamos dizer que Covelães, fica entre Travassos do Rio e Paredes do Rio, como vai acontecendo um pouco ao longo da proximidade do Rio Cávado.

 

1600-covelaes (131)

 

Iniciemos então pela localização e como chegar até Covelães. Como sempre o nosso ponto de partida é na cidade de Chaves. Então para Covelães aconselho o itinerário mais curto, com apenas 54 quilómetros, via EM507, ou seja a estrada do S.Caetano/Soutelinho da Raia, como passagem por Vilar de Perdizes, Montalegre e depois a M308 que se vai desenvolvendo quase sempre a par do Rio Cávado, primeiro pela sua margem esquerda e depois pela direita. Em termos de tempo, poderemos dizer que Covelães fica a uma hora e pico de distância, podendo o pico ser mais comprido ou curto dependendo das paragens que fizermos pelo caminho, pois afinal de contas vamos em passeio.

 

1600-covelaes (83)

 

Para sermos mais precisos, deixamos de seguida o nosso habitual mapa e as coordenadas da aldeia, que tal como já dissemos fica próxima do Rio Cávado, na sua margem esquerda, a apenas 150 m deste (na distância mais próxima), mas com uma passagem muito discreta ao lado da aldeia, aliás para quem não souber, nem dá pela sua conta. Quanto à altitude, a aldeia implanta-se entre os 925 e os 1000 metros de altitude. Ficam então as coordenadas e o mapa:

 

 41º 48’ 08.78” N  e  7º 53’ 54.58” O

 

mapa-covelaes.jpg

 

Já sabemos onde fica Covelães, aliás para nós é uma velha conhecida, nem que fosse apenas de passagem, pois a aldeia fica num dos pontos obrigatórios de passagem para ir até duas aldeias famosas do Barroso, mais propriamente Pitões das Júnias e Tourém. Assim para quem já foi a estas aldeias, teve de passar obrigatoriamente por Covelães, isto se a abordagem a elas for feita a partir de Portugal, pois há quem as aborde a partir da Galiza.

 

1600-covelaes (57)

 

Embora também de passagem, Covelães pode ser ponto de paragem sem propriamente abordarmos a aldeia. Acontece que junto à estrada existe um bar/restaurante onde um café sabe sempre bem, uma cervejinha em dia quente cai ainda melhor e o comer também agrada e conforta barriguinhas vazias, também já por lá parámos para as três coisas.

 

1600-covelaes (95)

 

E com tanta passagem e há tanto tempo que andamos a passar por esta aldeia, e eu que me lembro já o faço há pelo menos desde 40 anos, dirão que desta aldeia não faltarão fotografias, quer antigas, quer atuais. Pois não, nem por isso, pois como é uma aldeia de passagem frequente, a recolha de fotografias foi ficando sempre para trás, além de ter sido mesmo sempre aldeia de passagem, em que para lá vai-se com pressa de chegar ao destino e para cá, já se vem tarde e mal. O Barroso é assim, o tempo nunca sobra.

 

1600-covelaes (79)

 

Pois fotografias só da era digital. Penso que em tempos, ainda no tempo da analógica ainda fiz algumas, mas se existem, não sei onde param. Da era digital, sim, mas mesmo assim a recolha foi complicada. Costuma-se dizer que à terceira é de vez. Acontece que com Covelães teve de ser à quarta vez. Segundo os meus registos de arquivo tenho uma breve recolha em agosto e outra em setembro de 2013. Coisa pouca para um post, pois ambas foram tomadas em vinda de Pitões e Tourem, já pelo anoitecer e cansadinhos.

 

1600-covelaes (98)

 

A terceira abordagem foi em maio deste ano, num dia que já tive oportunidade de contar passagens neste blog, naquele dia em que depois de passarmos Montalegre o nevoeiro/chuva resolveu cair a terra. Fotos possíveis, só mesmo desde dentro do carro, pois nem sequer prevenidos estávamos para um dia de chuva. Mesmo assim ainda deu para umas tantinhas delas.

 

1600-covelaes (112)

 

À quarta vez sim, bom tempo, até em demasia, pelo menos para a fotografia, sobretudo em certas direções de contraluz, mas sem queixas, pois nesse dia todas as fotografias eram possíveis, decorria então o início do dia de 14 de junho deste ano.

 

1600-covelaes-panor

 

Quanto à aldeia já sabíamos que nos ia agradar. Ao longe, embora agradável de ver, engana. Aliás ao longe todas enganam, mas felizmente a intimidade desta aldeia é bem mais interessante do que aquilo que aparente parece ser ao longe ou a certa distância.

 

1600-covelaes (137)

 

Geralmente abordamos a intimidade das aldeias sem saber o que nos espera. Gostamos mais de fazer a abordagem assim, em verdadeira descoberta com a inocência de uns olhos virgens. Gostamos mais assim do que ser conduzidos por outras descobertas. É certo que por causa desta nossa atitude, às vezes, perdemos alguns motivos de interesse, mas ganhamos outros e depois, para aquilo que nos escapa, uma nova visita é sempre possível.

 

1600-covelaes (90)

 

Pois de interesse, além de alguns motivos que já fomos deixando para trás em imagem e palavras, temos a envolvência da aldeia, por um lado, e o conjunto do seu casario com um aglomerado bem definido e à margem das duas principais vias que a servem.

 

1600-covelaes (138)

 

Pormenores, muitos. Canastros há alguns, maioritariamente os de estrutura em madeira que infelizmente não lhes dá tanta resistência como os que têm estrutura em granito, mas que lhe dá formas interessantes, principalmente com o vergar do tempo. Casario tradicional rural mais antigo também não falta e algum com maior nobreza também há.

 

1600-covelaes (89)

 

Depois o habitual e tipicamente transmontano e barrosão como tanques, fontes, alminhas, cruzes, etc., típico e também traços da nossa cultura. Deixei propositadamente para o fim a Igreja digna de realce pela sua beleza, com torre sineira frontal separada da igreja, mas unida por um alpendre, como muitas com cemitério em anexo, depois do abandono dos cemitérios/campas dentro da própria igreja ou adro.

 

1600-covelaes (73)

 

Quanto à igreja só temos mesmo um lamento – não haver ângulo possível para captar uma imagem com toda a sua beleza e grandeza. Conseguimos uma, com todos os defeitos de uma montagem (embora automática-photomerge) feita a partir de 5 fotos, foi o possível, mas dá para ficar com uma pequena ideia do seu conjunto. Mas há sempre motivos para pormenores.

 

1600-covelaes (47)

 

Passemos ao que dizem os livros e outros documentos, com início na “Toponímia de Barroso” onde consta:

 

COVELÃES

Desde 2013 – União de freguesias de Sezelhe e Covelães.

 

É um topónimo de significação orográfica: Vem por covelas e não de covas, que, nesse caso, daria Covões. De covella, pelo plural covellaes (ais), aes – ães, após a nasalação que é muito comum. A forma mais antiga que se conhece aparece três vezes.

 

1600-covelaes (68)

 

E continua a “Toponímia de Barroso”:

- 1258 “Covelaes” INQ 1512, 1513 e 1519, por sinal ao lado de Feaes (Fiães do Rio, que sofre fenómeno fonológico semelhante) sem que nem um nen outro topónimo, como se prova, se tenha alatinado em anes – seguindo assim a regra geral que o Povo rejeita.

 

O “Arquivo Histórico Português , sob título Povoação de Trás-os-Montes no XVI século, cadastro feito em 1530, que a A. Braancamp Freire publicou em 1909, vol. 7, p. 271 e seg. refere Covelas, por Covelães e atribui-lhe 23 moradores” fogos.

 

1600-covelaes (54)

 

Como sempre e ainda na “Toponímia de Barroso” há a toponímia alegre, onde consta:

 

Pelo rio Mau acima

Quarenta ferreiros vão:

Cada um leva forquilha

Para matar uma rão

 

Boticário de Paredes,

Diga-me se sabe e pode:

Duma pontinha dum corno

Pode sair um charope?

 

O padre de Covelães

Fazia muitas misturas

Molhava o pão em azeite

Deixava o Cristo às escuras.

 

1600-covelaes (60)

 

Do livro Montalegre:

Serve-lhe parcialmente de fronteira o rio Cávado que recebe águas de vários ribeiros do Parque e fazem, em cada recanto, a sedução dos visitantes: o Rio Mau que une as freguesias de Seselhe e Covelães;

 

1600-covelaes (51)

 

É a primeira das freguesias que circuitam a serra da Mourela. Esta serra, verdadeiro planalto de altitude média a caminho dos 1100 metros, é e foi, desde os tempos megalíticos, um local muito apto para a transumância ascendente. Com efeito, as povoações próximas aí conduzem numerosas vezeiras de gado que por lá demoram todo o verão. Tal costume há-de ter origem nos ancestrais pré - históricos que encheram aquele espaço de mamoas, sinal de que aí viveram e morreram. O que também já morreu ou quase (nos dias que correm!) foi a raríssima perdiz cinzenta, também conhecida por charrela! Devíamos envergonharmo-nos de tal notícia! A actual freguesia compõe-se de dois lugares: Covelães e Paredes do Rio. Ambos foram sede de freguesia, aquele sob o orago de Santa Maria e este de Santo António. Nesta localidade existe um pisão, com outras curiosidades dignas de visita, entre as quais uma sala que servirá de polo na rede informática do Ecomuseu.

 

1600-covelaes (53)

 

E penso que vai sendo tudo, pelo menos por hoje, pois como em todas as aldeias, fica sempre em aberto uma nova passagem por esta aldeia onde pela certa continuaremos a passar com alguma frequência e a parar para fazer uns registos, um cafezinho, uma mini ou satisfazer a barriguinha.

 

1600-covelaes (11)

 

E por fim as habituais referências às nossas consultas e links para anteriores abordagens ao Barroso:

 

Bibliografia

 

BAPTISTA, José Dias, (2006), Montalegre. Montalegre: Município de Montalegre.

BAPTISTA, José Dias, (2014), Toponímia de Barroso. Montalegre: Ecomuseu – Associação de Barroso.

 

Links para anteriores abordagens ao Barroso:

 

A

A Água - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-a-agua-1371257

Algures no Barroso: http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-1533459

Amial - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-ameal-1484516

Amiar - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-amiar-1395724

Antigo de Sarraquinhos - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-antigo-de-1581701

Arcos - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-arcos-1543113

 

B

Bagulhão - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-bagulhao-1469670

Beçós - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-becos-1574048

Bustelo - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-bustelo-1505379

 

C

Cambezes do Rio - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-cambezes-do-1547875

Caniçó - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-canico-1586496

Carvalhais - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-carvalhais-1550943

Castanheira da Chã - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-castanheira-1526991

Cela - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-cela-1602755

Cepeda - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-cepeda-1406958

Cerdeira - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-cerdeira-1576573

Cervos - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-cervos-1473196

Contim - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-contim-1546192

Cortiço - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-1490249

Corva - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-corva-1499531

 

D

Donões - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-donoes-1446125

 

F

Fervidelas - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-fervidelas-1429294

Fiães do Rio - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-fiaes-do-1432619

Fírvidas - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-firvidas-1466833

Frades do Rio - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-frades-do-1440288

Friães - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-friaes-1594850

 

G

Gralhas - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-gralhas-1374100

Gralhós - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-gralhos-1531210

 

L

Ladrugães - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-ladrugaes-1520004

Lapela   - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-lapela-1435209

Larouco - Um olhar sobre o Larouco - http://chaves.blogs.sapo.pt/2016/06/19/

 

M

Meixedo - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-meixedo-1377262

Meixide - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-meixide-1496229

Mourilhe - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-mourilhe-1589137

 

N

Negrões - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-negroes-1511302

Nogeiró - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-nogueiro-1562925

 

O

O colorido selvagem da primavera http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-o-colorido-1390557

Olhando para e desde o Larouco - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-olhando-1426886

Ormeche - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-ormeche-1540443

 

P

Padornelos - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-padornelos-1381152

Padroso - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-padroso-1384428

Paio Afonso - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-paio-afonso-1451464

Parafita: http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-parafita-1443308

Pardieieros - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-pardieiros-1556192

Paredes de Salto - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-paredes-1448799

Paredes do Rio -   http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-paredes-do-1583901

Pedrário - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-pedrario-1398344

Peneda de Cima, do Meio e de Baixo, as Três Penedas: http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-as-tres-1591657

Penedones -  http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-penedones-1571130

Pereira - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-pereira-1579473

Pomar da Rainha - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-pomar-da-1415405

Ponteira - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-ponteira-1481696

 

R

Reboreda - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-reboreda-1566026

Roteiro para um dia de visita – 1ª paragem - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-roteiro-1104214

Roteiro para um dia de visita – 2ª paragem - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-roteiro-1104590

Roteiro para um dia de visita – 3ª paragem - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-roteiro-1105061

Roteiro para um dia de visita – 4ª paragem - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-roteiro-1105355

Roteiro para um dia de visita – 5ª paragem, ou não! - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-roteiro-1105510

 

S

São Ane - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-sao-ane-1461677

São Pedro - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-sao-pedro-1411974

Sarraquinhos - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-sarraquinhos-1560167

Sendim -  http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-sendim-1387765

Senhora de Vila Abril - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-senhora-de-1553325

Sezelhe - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-sezelhe-1514548

Solveira - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-solveira-1364977

Stº André - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-sto-andre-1368302

 

T

Tabuadela - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-tabuadela-1424376

Telhado - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-telhado-1403979

Travassos da Chã - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-travassos-1418417

 

V

Vilar de Perdizes - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilar-de-1360900

Vilar de Perdizes /Padre Fontes - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilar-de-1358489

Vilarinho de Arcos - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilarinho-1508489

Vilarinho de Negrões - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilarinho-1393643

Vilaça - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilaca-1493232

Vilar de Perdizes - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilar-de-1360900

Vilar de Perdizes /Padre Fontes - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilar-de-1358489

Vilarinho de Negrões - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilarinho-1393643

 

X

Xertelo - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-xertelo-1458784

 

Z

Zebral - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-zebral-1503453

Guardar

´
publicado por Fer.Ribeiro às 02:43
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Segunda-feira, 13 de Novembro de 2017

De regresso à cidade... com uma imagem, uma ponte e um rio com gente dentro

1600-(34740)

 

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 02:20
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Sábado, 11 de Novembro de 2017

Escariz - Chaves - Portugal

1600-escariz (112)

 

O nosso destino de hoje é Escariz, uma aldeia que muitos conhecem por vê-la desde a estrada, lá na outra encosta da montanha, mas que poucos são os que já lá foram, isto no universo daqueles que passam na estrada desde onde a aldeia se avista. Já agora, a estrada, é a que liga o Peto de Lagarelhos a Vidago, com passagem por Loivos e Vila Verde de Oura.

 

1600-escariz (18)

 

Pois comigo também aconteceu o mesmo, muitos anos a vê-la desde a estrada até ao dia em que decidi descer e subir até ela, pois é mesmo assim, primeiro tem de descer-se até ao início do vale da ribeira de Oura e depois subir até à aldeia.

 

1600-escariz (15)-art

 

Um dia que nunca mais vou esquecer por um pequeno incidente sem incidentes, porque, tal como diria Torga, não por mim, que entrei lá cheio de boas intenções, mas por uma civilização de má-fé que nem ao menos lhes dá a simples proteção de as respeitar…

 

1600-escariz (136)-1

 

Quanto à aldeia, é tal e qual se vê da estrada, ou seja, pequena e arrumadinha num pedacinho da encosta da montanha, com alguma vida ainda, pelo menos quando lá fui, uma única vez, que embora parecendo que foi ontem, já lá vão nove anos, que para história de uma aldeia, pode parecer coisa pouca ou quase nada,  e se  assim foi durante muitas dezenas, talvez algumas centenas de anos, nos últimos 20 a 30 anos a história das aldeias tem sido escrita de maneira diferente, tudo por ter sido acrescentada mais uma palavra à sua história, uma palavra que faz toda a diferença e que dá pelo nome de DESPOVOAMENTO.

 

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 22:45
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Sexta-feira, 10 de Novembro de 2017

Chaves, cidade, concelho e região - Uma foto por dia

1600-(34926)

 

Pelo vale de Chaves, pelos arredores da cidade.

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 03:00
link do post | comentar | favorito
|  O que é?

.Fotos Fer.Ribeiro - Flickr

frproart's most interesting photos on Flickriver

.meu mail: blogchavesolhares@gmail.com

.Dezembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


.pesquisar

 
ouvir-radioClique no rádio para sintonizar

 

 

El Tiempo en Chaves

.Facebook

Fernando Ribeiro

Cria o teu cartão de visita Instagram

.subscrever feeds

.favorito

. Solar da família Montalvã...

.posts recentes

. O Barroso aqui tão perto ...

. Fornelos - Chaves - Portu...

. Chaves, cidade, concelho ...

. Chaves, cidade, concelho ...

. Chaves, cidade, concelho ...

. Fernandinho - Chaves - Po...

. Festival Galego Outono Fo...

. Chaves, cidade, concelho ...

. Chaves, cidade, concelho ...

. Faiões - Chaves - Portuga...

. Chaves, cidade, concelho ...

. O Barroso aqui tão perto ...

. De regresso à cidade... c...

. Escariz - Chaves - Portug...

. Chaves, cidade, concelho ...

blogs SAPO

.Blog Chaves no Facebook

.Veja aqui o:

capa-livro-p-blog blog-logo

.Olhares de sempre

.links

.tags

. todas as tags

.arquivos

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

Add to Technorati Favorites