Quarta-feira, 26 de Julho de 2017

Cidade de Chaves - Jardins suspensos do Largo do Município

1600-(47460)

 

Nem sempre o tempo dos relógios nos permite dar uma voltinha pela cidade, e quando neste blog se diz cidade, referimo-nos sempre ao seu centro histórico, aquela que verdadeiramente caracteriza a cidade de Chaves, e qualquer cidade. No entanto, neste domingo passado, o relógio lá nos permitiu um tempinho para uma voltinha. O itinerário permitido foi descer a Praça do Duque, Largo Caetano Ferreira, Rua da Misericórdia, Travessa das Caldas e lançar um olhar ao Postigo. Na volta, subi a Travessa das Caldas, lancei um olhar à Rua do Correio Velho e outro a Rua dos Gatos, subi mais um pouco e lancei um olhar à Rua de Stª Maria e outro às Traseiras da Igreja Matriz sem esquecer verificar se a Santa Maria Maior continua lá no seu “pedestal” , mais um pouco e atravessei a Rua Direita em direção à Rua Bispo Idácio, virei à esquerda e subi até à Ladeira da Trindade, virei para a Praça da República sem entrar nela e subi o que restava da Rua Direita sem atingir o Largo do Anjo pois tomei a Travessa do Município em direção ao Largo do Município que por sinal são as traseiras do edifício da Câmara Municipal, onde tomei as últimas imagens do pequeno passeio, as que hoje vos deixo aqui.

 

 

1600-(47467)

 

A ideia era só deixar uma imagem, mas estaria a ser injusto, pois o que atraiu o meu olhar foram os jardins suspensos nas janelas e entradas das portas, com petúnias e hortências, entre outras que não sei o nome, a decorar o Pomar do Hélder e a Pastelaria Maria. Deixar só uma delas seria injusto para a que ficava de fora, pois as duas complementam-se e para a composição ser perfeita, só falta mesmo a exposição da fruta no pomar e a porta da pastelaria aberta com os aromas do pastel de Chaves a convidarem para entrar, e à hora que era, pela certa que bem marchava um pastelinho. Mas infelizmente, aos domingos, quando a gente de fora nos visita e nós podemos dar uma voltinha, as portas do centro histórico fecham-se. Faz lembrar aquela anedota dos alentejanos, que fecham os restaurantes à hora de almoço para que os seus donos e empregados possam almoçar descansados…    

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 02:15
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Terça-feira, 25 de Julho de 2017

Chaves - Um olhar sobre o Postigo

1600-(47369)

 

As casinhas do Postigo, penso que já centenárias a julgar pelas fotografias antigas do início do Século passado onde estas casas já aparecem, menos coloridas, mas sem grandes diferenças. Por trás destas, embora não pareça, temos um troço das muralhas medievais, que hoje são também fachadas de casas de habitação. É, os atentados urbanísticos já são coisa antiga nesta cidade e a coisa pública, só o é enquanto é.

 

 

 

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 02:50
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Segunda-feira, 24 de Julho de 2017

De regresso à cidade

1600-(47372)

 

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 03:02
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Domingo, 23 de Julho de 2017

O Barroso aqui tão perto - Nogueiró

1600-nogeiro (43)

montalegre (549)

 

Às vezes somos felizes nas nossas pesquisas sobre as aldeias barrosãs e vamos partilhando aqui aquilo que encontramos, outras vezes pouco ou nada encontramos, tal como acontece hoje com a aldeia que aqui trazemos – Nogueiró.

 

1600-nogeiro (11)

 

Mas não nos damos por vencidos e já que a informação é pouca, lá teremos nós de contribuir “fabricando” aqui alguma, claro que será com base na nossa observação, mas também recorrendo a outra informação, que embora não diga respeito diretamente à aldeia, poderá ajudar para a sua caracterização.

 

1600-nogeiro (2)

 

Pois da pouca informação escrita que encontrámos, ficámos a saber que Nogueiró pertence à freguesia de Ferral, já no limite Sul do Concelho de Montalegre, a menos de 3 quilómetros do Concelho de Vieira do Minho.

 

1600-nogeiro (14)

 

Iniciemos então pela sua localização. A mais precisa é a das suas coordenadas: 41º 41’ 54.48 N e 7º 58’ 37.47 O. Mas também podemos dizer que num raio de 1.5 quilómetros encontramos a sede de freguesia – Ferral, Covelo do Gerês e a barragem da Venda Nova. Mas fica o habitual mapa para uma melhor localização visual.  

 

mapa-nogueiro.jpg

 

Nogueiró localiza-se também na croa de uma montanha, sendo o ponto mais alto da aldeia a 808m de altitude e o mais baixo a 769m. Adivinha-se que embora a aldeia se inicie na croa da montanha, também vai deslizando pela sua vertente para a Barragem da Venda Nova.

 

1600-nogeiro (53)

 

Curiosamente e embora a barragem da Venda Nova esteja a apena s 1,5 km da aldeia e esta se localize na croa do monte, uma outra montanha tapa as vistas para a essa barragem, apenas se avistando uma nesga da mesma, mas lá desde cima, avista-se ainda uma outra, a 5 km da aldeia e esta sim bem visível. Trata-se da barragem de Salamonde que embora ainda ocupe território de Montalegre já tem o seu paredão no concelho de Vieira do Minho.

 

1600-nogueiro-24-art (3)

 

Assim com esta aldeia a morar na croa de um monte e mesmo com o seu ponto mais alto abaixo da média de altitude do Barroso,  consegue ser uma aldeia miradouro de onde se podem lançar olhares para um autêntico mar de montanhas que entram por outros concelhos adentro, mas também pelo distrito de Braga.

 

1600-nogeiro (27)

 

Estamos também no Baixo Barroso, não por ser assim tão baixo, mas por ficar por baixo do Alto Barroso, onde a principal característica é o verde vivo dos campos, graças à abundância de água para os manter viçosos. Verde vivo que vai sendo quebrado pelo verde mais escuro das zonas florestadas ou mais azulado das florestas mais distantes, no habitual dégradé, onde o azul das últimas montanhas, as mais distantes,  já se confunde com o azul do céu.

 

1600-nogeiro (23)

 

Pois nem que fosse só por estas vistas já éramos compensados pela viagem até Nogueiró, mas também a aldeia, vista ao longe, parece estar rodeada pelo relvado de um jardim, onde também é notório o típico fracionamento da terra, com pequenas diferenças no verde que veste cada fração.

 

1600-nogeiro (9)

 

Da pouca informação que encontrámos temos a da Toponímia de Barroso onde se diz que Nogueiró “provem do latino nucaria > nugaria > nogaira > “Nogueira”. O nosso topónimo é um diminutivo, isto é, um pequeno campo de nogueiras. A forma mais antiga do nosso topónimo é de – 1258 INQ. 1523 – Nogueiroo, tendo-se já sincopado o l intervocálico. Donde: Nucariola > Nugarioo > Nogairó > Nogueiró.  " 

 

1600-nogeiro (7)

 

Quanto à aldeia em si, parece-nos que o aglomerado mais baixo da aldeia é o mais antigo, embora já haja neste núcleo algumas intervenções mais recentes, enquanto que o aglomerado superior  é notoriamente mais recente. Tal como hoje existe a aldeia está longe da uniformidade de construções tipicamente transmontanas e barrosãs  que ainda vão existindo no restante Barroso, principalmente no Alto Barroso.

 

1600-nogeiro (4)

 

E pouco mais temos a dizer sobre Nogueiró, para além de termos de vez em quando de passar por ela a caminho de outros destinos, embora só numa das últimas vezes que por lá passámos tivéssemos feito o levantamento fotográfico, mais propriamente no final da manhã do passado dia 14 de abril, deste ano, claro.

 

1600-nogeiro (54)

 

Só nos resta mesmo fazermos a referência às nossas consultas e aos links para as anteriores abordagens a aldeias e temas do Barroso.

 

1600-desde-noguiro (11)

 

Bibliografia

 

BAPTISTA, José Dias, (2014), Toponímia de Barroso. Montalegre: Ecomuseu – Associação de Barroso

 

1600-desde-noguiro (21)

 

 Links para anteriores abordagens ao Barroso:

 

A

A Água - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-a-agua-1371257

Algures no Barroso: http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-1533459

Amial - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-ameal-1484516

Amiar - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-amiar-1395724

Arcos - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-arcos-1543113

 

B

Bagulhão - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-bagulhao-1469670

Bustelo - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-bustelo-1505379

 

C

Cambezes do Rio - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-cambezes-do-1547875

Carvalhais - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-carvalhais-1550943

Castanheira da Chã - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-castanheira-1526991

Cepeda - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-cepeda-1406958

Cervos - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-cervos-1473196

Contim - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-contim-1546192

Cortiço - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-1490249

Corva - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-corva-1499531

 

D

Donões - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-donoes-1446125

 

F

Fervidelas - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-fervidelas-1429294

Fiães do Rio - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-fiaes-do-1432619

Fírvidas - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-firvidas-1466833

Frades do Rio - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-frades-do-1440288

 

G

Gralhas - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-gralhas-1374100

Gralhós - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-gralhos-1531210

 

L

Ladrugães - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-ladrugaes-1520004

Lapela   - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-lapela-1435209

 

M

Meixedo - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-meixedo-1377262

Meixide - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-meixide-1496229

 

N

Negrões - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-negroes-1511302

 

O

O colorido selvagem da primavera http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-o-colorido-1390557

Olhando para e desde o Larouco - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-olhando-1426886

Ormeche - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-ormeche-1540443

 

P

Padornelos - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-padornelos-1381152

Padroso - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-padroso-1384428

Paio Afonso - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-paio-afonso-1451464

Parafita: http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-parafita-1443308

Pardieieros - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-pardieiros-1556192

Paredes - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-paredes-1448799

Pedrário - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-pedrario-1398344

Pomar da Rainha - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-pomar-da-1415405

Ponteira - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-ponteira-1481696

 

R

Roteiro para um dia de visita – 1ª paragem - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-roteiro-1104214

Roteiro para um dia de visita – 2ª paragem - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-roteiro-1104590

Roteiro para um dia de visita – 3ª paragem - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-roteiro-1105061

Roteiro para um dia de visita – 4ª paragem - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-roteiro-1105355

Roteiro para um dia de visita – 5ª paragem, ou não! - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-roteiro-1105510

 

S

São Ane - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-sao-ane-1461677

São Pedro - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-sao-pedro-1411974

Sarraquinhos - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-sarraquinhos-1560167

Sendim -  http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-sendim-1387765

Senhora de Vila Abril - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-senhora-de-1553325

Sezelhe - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-sezelhe-1514548

Solveira - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-solveira-1364977

Stº André - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-sto-andre-1368302

 

T

Tabuadela - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-tabuadela-1424376

Telhado - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-telhado-1403979

Travassos da Chã - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-travassos-1418417

 

U

Um olhar sobre o Larouco - http://chaves.blogs.sapo.pt/2016/06/19/

 

V

Vilar de Perdizes - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilar-de-1360900

Vilar de Perdizes /Padre Fontes - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilar-de-1358489

Vilarinho de Arcos - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilarinho-1508489

Vilarinho de Negrões - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilarinho-1393643

Vilaça - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilaca-1493232

Vilar de Perdizes - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilar-de-1360900

Vilar de Perdizes /Padre Fontes - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilar-de-1358489

Vilarinho de Negrões - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilarinho-1393643

 

X

Xertelo - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-xertelo-1458784

 

Z

Zebral - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-zebral-1503453

´
publicado por Fer.Ribeiro às 04:45
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Sábado, 22 de Julho de 2017

Carregal - Chaves - Portugal

1600-carregal (6)

 

Hoje vamos mais uma vez até Carregal, uma das nossas aldeias limite de concelho, neste caso na fronteira com o concelho de Valpaços, como quem vai para Carrazedo de Montenegro ou mais além, até Murça.

 

1600-carregal (27)

 

Hoje vamos até lá com quatro imagens e algumas, poucas, palavras, mas Carregal é das poucas aldeias que não se pode queixar deste blog, pois quase desde o início da nossa existência que tem tido aqui um embaixador e contador das suas estórias e das suas gentes, a par de outras aldeias vizinhas e de quase todo o planalto da Serra do Brunheiro, embaixador esse que dá pelo nome de Gil Santos que todas as últimas sextas-feiras de cada mês traz aqui um novo conto. Pena outras aldeias não terem outros Gil para contar as suas estórias que não são mais que a própria história mas também uma radiografia da cultura rural deste interior transmontano, muito idêntico no seu seio, mas com as suas singularidades que fazem de cada aldeia uma aldeia única.

 

1600-carregal-109-art (7)

 

Claro que com o despovoamento rural também estas estórias se vão perdendo, tanto mais que a grande maioria têm a ver com a vida do dia a dia dos seus atores e personagens que mais não são que as pessoas que as habitam, estórias com dias felizes e outros nem tanto ou mesmo  nada, pois o contrário também fazem parte dessas estórias, com dias difíceis de muita pobreza à mistura, mas todas elas castiças.

 

1600-carregal (113)

 

Assim, e mesmo sem imagens, as palavras também valem, e muito, pois aquela coisa que se costuma dizer que uma imagem vale mais que mil palavras, não é tão verdadeira assim,  há histórias de vida que nunca conseguirão ter tradução em imagem.

 

E se hoje ficamos com mais uma aldeia do concelho de Chaves, amanhã vamos até mais uma do Barroso.

 

Até amanhã!

 

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 04:24
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Sexta-feira, 21 de Julho de 2017

Um olhar sobre a cidade, à noite...

1600-(33957)

 

O despovoamento e abandono não ataca só as nossas aldeias, também nas cidades acontece, só que aqui, na cidade, é mais seletivo e os motivos são outros…

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 02:09
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Quinta-feira, 20 de Julho de 2017

Where’s Wally? ou a força da palavra…

1600-(33704)

 

Logo após obtermos uma imagem, ainda no calor do momento, se a observarmos, apenas somos tocados pela sensação do momento que nos levou a obtê-la.  Se a deixarmos descansar uma temporada, um, dois ou mais anos, quando olhamos de novo para ela, já longe do calor do momento, vêm ao de cima outros pormenores que então nos escaparam. Foi o que aconteceu com a imagem de hoje, que ao reparar bem nela, vi o Wally flaviense e confirmei aquilo que por aí se diz – é mesmo verdade, onde há um aglomerado de gente, esta mulher está sempre lá para a fotografia… mas deixando o Wally em paz, neste caso uma wally, vamos ao que interessa nesta esta imagem, na coisa primeira, naquilo que  despertou em mim.

 

Pois quando agora revi esta imagem,  a primeira coisa que me veio à cabeça foi um texto que li há coisa de trinta anos atrás e que me ficou sempre a bailar na memória, um pequeno texto poético de Ruy Belo, que hoje quero partilhar convosco:

 

 

Serviço de Abastecimento da Palavra ao País

 

Vieram ter comigo dos lados do mar. Eram três, eram três mil. Vi que era pão que procuravam ou que não era pão que procuravam. Pus-me a distribuir por eles as minhas palavras: árvore, pássaro, mar, criança, rapariga, mulher. A cada palavra minha eu ia-me esvaziando. Era a vida, a minha vida que e me ia. Eles ficaram incendiados. Nunca tinham pensado que se pudesse comunicar assim coisas próprias. Vieram mais, muitos mais dos lados do mar. Disse-lhes: morte, deus. E caí redondo no chão. Naquele dia ficou instituído o serviço de abastecimento da palavra ao país. Ainda vieram ter comigo, dizendo para eu arranjar outra designação, que aquelas iniciais não podiam ser. Mas eu já habitava plenamente a minha morte, meu planeta desde tenra idade.

Ruy Belo in “homem de palavra[s]

 

E com esta me vou. Até amanhã!

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 03:33
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Quarta-feira, 19 de Julho de 2017

Mais um olhar sobre a nossa Top Model

1600-(33733)

 

Uma das razões porque gosto de fotografia é pela seletividade do olhar, ou seja, porque só metemos na fotografia, composição,  aquilo que nós queremos. Certo que se lhe dá uma certa falsidade dentro da realidade que reproduz, nós que a fazemos sabemos disso, mas quem a vê e não conhece o ambiente que se reproduz, apenas vê aquilo que lhe damos, e o resto,  o que vai além da fotografia, fica para a imaginação de cada um, e é aí que podemos encontrar a falsidade da fotografia.

 

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 03:19
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Segunda-feira, 17 de Julho de 2017

De regresso à cidade

1600-(33106)

 

De regresso à cidade através de um dos antigos bairros da cidade que lá vai resistindo às pressões da modernidade.

 

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 01:43
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Domingo, 16 de Julho de 2017

O Barroso aqui tão perto - Sarraquinhos

1600-serraquinhos (28)

montalegre (549)

 

E como hoje é domingo, vamos mais uma vez até terras de Barroso, mas hoje estou na dúvida se vamos até Sarraquinhos ou até Serraquinhos. Já antes abordei o tema, penso que foi quando o blog passou por Cepeda, mas hoje volto à carga com novos elementos. Não é que seja importante se Sarraquinhos é grafado com e ou com a , é mais para justificar a forma como nós o vamos grafar aqui ao longo do post, pois vai aparecer de ambas as formas.

 

1600-serraquinhos (1)

 

Pois por mim, quanto mais procuro um esclarecimento para se a aldeia é grafada com a ou e em Serraquinhos, mais confuso fico. Desde já, ao estar a escrever estas linhas, diretamente no computador como costumo fazer, o corretor ortográfico automático assinala erro em Serraquinhos. Também na maioria dos documentos oficiais a que tive acesso, por exemplo os do Arquivo Nacional ou Distrital da Torre do Tombo, aparece Sarraquinhos com a , nos CENSOS, idem aspas.

 

1600-serraquinhos (85)

 

Aquilo que se vai escrevendo em “livro” também alimenta a confusão. Tomemos como exemplo aquilo que se escreve na Toponímia de Barroso, de José Dias Batista, numa edição do Ecomuseu – Associação de Barroso. Pois no cabeçalho aparece “Concelho de Montalegre – Serraquinhos”. Logo de seguida, no título de desenvolvimento já aprece “Sarraquinhos”. Mas vejamos o que se diz a seguir, em que este tema também é abordado:

 

1600-serraquinhos (7)

 

“ Dada a semelhança das palavras há quem pense que o topónimo proviria de “Sarracenos” ou coisa assim. Lembram esses falantes (falam, falam e nada dizem) que, como alguns mouros ficaram por cá, o dito nome “sarraceno” poderia dar origem ao nosso topónimo. Gostava de saber, em letra de forma, como é que eles explicavam as transformações fonéticas operadas! Eu andei anos e anos a tentar descobrir a solução, se é que lá cheguei… e dou com estas notícias em letra de forma! Como é que simples curiosos resolvem estes enigmas e com tanta ligeireza?”

 

1600-serraquinhos (59)

 

E continua:

“ Ponho liminarmente de lado quercus, querquinus e o hipocorístico cerquinus, como querem alguns patuscos.

Depois de ver mil vezes a referência:

- 1258 «dixit de Cerraquinos quod est tercia pars Dominis Regis» Inq 1524, julgo que cheguei lá!

Do longínquo nome pessoal latino Zarracus, pelo diminitivo Zarraquinus, tal com Sandus deu Sandinus, etc. Que foi antroponómico não restam quaisquer dúvidas nesta passagem: - 955 “ de quinione de Zarraquino… T.C.I. 453.”

 

1600-serraquinhos (47)

 

E para rematar o tema, continua:

“Num documento do Liber Fidei, nº 400, de 1086, um tal Zarraco doa a seu filho Martino Zarraquis um casal; e esse filho, ao fazer testamento ao Mosteiro de Santo Estêvão de Chaves, diz que tal prédio fora comprado: « meo patre Zarraco vel precio módios XI.» (40 módios)!

A mudança do Z inicial para Ç e depois para S (como se verificou em Sapiãos e Sapelos) foi um processo corrente."

 

1600-serraquinhos (44)

 

Continuemos nos “livros” e vamos até Miguel Torga que passou várias vezes por esta aldeia, ao que consta em visita ao abade Joaquim Alves, conterrâneo de Camilo Castelo Branco, de Vilarinho da Samardã, próxima da aldeia de Torga. Pois nos seus Diários, Torga faz dois registos, um em 1967 em que escreve “Sarraquinhos” e outro em 1975 em que escreve “Serraquinhos”.

 

1600-serraquinhos (36)

 

Sarraquinhos, Barroso, 17 de Setembro de 1967

 

Parece que é lenda o célebre pedido que se atribui a Frei Bartolomeu dos Mártires no Concílio de Trento: a abolição do celibato ao menos para os padres de Barroso. Mas ela define um ambiente onde o natural pesa sobre todas as criaturas da mesma maneira, dobrando-as às suas leis como o  vento dobra os vimes, e que me não canso de respirar. Já conheço a paisagem de cor e salteado, em poucas aldeias ou lugarejos deixei de meter o nariz, os caracteres humanos são de tal clareza que se decifram à primeira leitura. A verdade, porém, é que volto sempre que posso, e cá estou mais uma vez. Atrai-me esta amplidão pagã, sinto-me bem a pisar um chão em que o deus vivo de ricos e pobres, de alfabetos e analfabetos, é o toiro do povo. Um deus de cornos e testículos, que, depois de cada chega e de cada vitória, a gratidão dos fiéis cobre de palmas, de flores, de cordões de oiro e de ternura. Um deus que a devoção adora sem lhe pedir outros milagres que não sejam os da força e da fecundidade, provados à vista da infância, da juventude e da velhice. Um deus a que se dão gemadas e cervejas para que possa inundar as vacas de sémen, as moças de esperança, os moços de certeza e a senilidades de gratas recordações. Um deus eternamente viril, num paraíso sem pecado original.

Miguel Torga, In Diário X

1600-serraquinhos (37)

 

Serraquinhos, 14 de Setembro de 1975

 

O Barroso coberto de gado. Os mais diversos bichos a granel nos mesmos pastos, nos mesmos eidos, nos mesmos currais. Bois, ovelhas, cães, cabras, burros, porcos e galinhas no mesmo cordial convívio. E pus-me a pensar na fácil comunhão da condição viva, em encontra-me com difícil harmonia da condição social. A fraternidade de que não somos capazes nós os homens, simples como o bom dia entre seres sem cromossomas permutáveis.

Miguel Torga, In Diário XII

1600-serraquinhos (34)

 

Mas vamos ao que se diz por aí de Sarraquinhos.

Ainda na “Toponímia de Barroso”, na “Toponímia Alegre” diz-se o seguinte a respeito dos de Sarraquinhos:

 

Os de Sarraquinhos

(Como a porca de Murça)

São muito honradinhos

 

O povo de Sarraquinhos

Muita vaca há-de criar!...

Quem passar naquela rua

Muito salto tem que dar!

 

Isto das vacas, pela certa já foi tempo delas, pois nós andámos por lá e não avistámos nenhuma, o que não quer dizer que não as haja, mas pelo menos não foi preciso andar aos saltos… o que já é um sinal…

 

1600-serraquinhos (90)

 

 No livro “Montalegre” encontrámos o seguinte:

“Esta freguesia, enquanto tal, não consta das Inquirições de 1258 conquanto constem delas todas as localidades que a integram. Em boa verdade lá se referem Pedrário, Serraquinhos, Cepeda, Zebral (onde existia uma herdade do irmão do trovador João Baveca) e Antigo. Esta última povoação com o topónimo significativo Antigo de Espinho, que o mesmo era dizer Antigo de Aspinius (Aspini). Mais tarde foi Antigo de Arcos, pertencente ao aro de Cervos e, agora, Antigo de Serraquinhos. As voltas que a vida dá!

Quem vai a Serraquinhos deve seguir o roteiro do grande poeta transmontano e nacional Miguel Torga: visita a igreja, a capela, o castro de Pedrário e Forno e ouve meia dúzia de velhinhas dizer jaculatórias por alma do sempre lembrado Padre Joaquim que Deus haja."

 

1600-serraquinhos (11)

 

Se há terra onde as referências aos padres e abades abundam é Sarraquinhos o que por si já é abonatório para a aldeia, pois que me conste o clero sempre gostou de estar bem instalado em terras das quais gostam  e onde gostam deles.  O Padre Joaquim Alves parece ter sido um deles e para ser amigo de Miguel Torga, ou melhor, para Miguel Torga ser amigo dele, a quem visitava regularmente, o Padre Joaquim Alves não era um padre qualquer, pois Torga, ao que consta, era muito seletivo nas suas amizades e não a partilhava (a amizade) com um qualquer. No entanto a homenagem pública que existe na Torre Sineira da Igreja é ao abade Alberto Pereira de Moura e nos nomes que constam na placa de homenagem, de quem o homenageia, não são uns nomes quaisquer. O do Padre Joaquim Fontoura, por exemplo, a quem a cidade de Chaves ergueu um busto no Largo do Anjo,  e os restantes, como o Padre Serafim D’Oliveira (vizinho do Viveiro), o Dr. Pedro de Macedo de Amarante, o Padre Manuel R.Vieira de Anelhe, Artur Coutinho de Vila Meã, António L.M.Soares de Chaves, Dr. Álvaro P.T.Vasconcelos de Amarante e o Padre Luiz Castelo Branco da Samardã, são os restante homenageantes que terminam a homenagem assim: Quomode in vita sua dilexerunt se,ita   et in morte nom sunt separati”

 

1600-serraquinhos (26)

 

Bom, temos estado pra ‘qui a falar de Sarraquinhos mas ainda não nos referimos à sua morada, ou seja ao seu espaço, ao seu lugar no nosso território.  Já sabemos que fica no Barroso, senão não estaria aqui hoje, mais propriamente localiza-se no Alto Barroso, aquele que vive à “sombra” da Serra do Larouco, no alto planalto que serve de base à grande serra, mas também, embora não pareça, é uma terra da raia com a Galiza, a apenas 5 quilómetros de distância e ainda, uma das aldeias que fica no nosso caminho alternativo para ir até Montalegre, isto se formos via Soutelinho da Raia, pois chegados a Meixide, temos de optar continuar pela Municipal 508 via Vilar de Perdizes, ou então tomar o Caminho Municipal 1006, via Pedrário, a aldeia mais próxima de Sarraquinhos, a par de Cepeda.  

 

1600-sarraquinhos-art (3)

 

Mas para sermos mais exatos nem há como as coordenadas de um local, no caso de Sarraquinhos, centro da aldeia, temos as coordenadas de 41º 47’ 56.37”N e 7º 39’ 48.14” O, a 922m de altitude, dentro da média para o Barroso, já não tanto para nós flavienses, pois as nossas aldeias mais altas, Travancas e Bolideira, andam na cota dos 900 metros de altitude.

Para melhor localização, fica o nosso habitual mapa.

 

sarraquinhos.jpg

 

Pois como sempre, ficam também as nossas impressões sobre a aldeia. Valem o que valem mas para nós valem tudo, pois aquilo que por lá registámos é aquilo que nos ficou na memória, as imagens também contam, mas essas servem apenas para transmitir aquilo que vimos e para nossa memória futura, embora até nem fossem necessárias, pois Sarraquinhos continuará a fazer parte dos nossos itinerários para ir ou vir de Montalegre. Mas recordando o dia em que tomámos as imagens de hoje, recordo ser um dia frio de autêntico inverno, embora já estivéssemos na primavera, pois passámos por lá em 9 de abril de 2016.  

1600-serraquinhos (67)

 

Quem acompanha esta rubrica de o Barroso aqui tão perto,  pela certa tem reparado que nas nossas imagens raramente aparecem pessoas ou animais, tem sido uma constante que não é mais que a realidade atual das nossas aldeias. Não queremos com isto dizer que as aldeias estejam totalmente despovoadas, pois sabemos que não o estão, mas o tempo de as pessoas e animais andarem ou estarem nas ruas e largos das aldeias, é tempo que já la vai. As poucas pessoas que se vão mantendo nas aldeias, a maioria idosas, vão preferindo o aconchego das casas e as mais jovens, ainda com vida ativa, vão dedicando o seu tempo ao trabalho no campo, um pouco disperso à volta e/ou nas redondezas da aldeia. Daí a ausência de vida humana na fotos, também por uma questão de horas, das horas em que entramos nelas, pois por vezes apanhámos os seu habitantes em plena hora de ponta de saída para o campo ou no regresso. Tudo isto para dizer que em Sarraquinhos entrámos e saímos sem encontrar quase alma viva. Exceção para dois cães que não nos ligaram patavina, nem sequer nos ladraram e um pessoa que conseguimos ver ao longe que tão depressa apareceu como desapareceu.

 

1600-sarraquinhos (21)-1

 

E vai sendo tudo, só nos resta deixar por aqui as habituais referências às nossas consultas e aos links para outros posts em que trouxemos aqui os lugares ou temas do Barroso.

 

Ah!, ainda antes de terminar, na temática de Serraquinhos ou Sarraquinhos, eu fico com o Sarraquinhos, pois foi assim que a pronunciei e que escrevi, antes de conhecer a outra versão. Mas se um dia escrever com e , também vale.

 

Bibliografia

 

BAPTISTA, José Dias, (2014), Toponímia de Barroso. Montalegre: Ecomuseu – Associação de Barroso

BAPTISTA, José Dias, (2006), Montalegre. Edição do Município de Montalegre.

TORGA, Miguel, (2001), Diário (Volumes XIII a XVI), Rio de Mouro. Círculo de Leitores.

 

Links para anteriores abordagens ao Barroso:

 

A

A Água - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-a-agua-1371257

Algures no Barroso: http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-1533459

Amial - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-ameal-1484516

Amiar - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-amiar-1395724

Arcos - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-arcos-1543113

 

B

Bagulhão - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-bagulhao-1469670

Bustelo - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-bustelo-1505379

 

C

Cambezes do Rio - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-cambezes-do-1547875

Carvalhais - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-carvalhais-1550943

Castanheira da Chã - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-castanheira-1526991

Cepeda - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-cepeda-1406958

Cervos - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-cervos-1473196

Contim - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-contim-1546192

Cortiço - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-1490249

Corva - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-corva-1499531

 

D

Donões - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-donoes-1446125

 

F

Fervidelas - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-fervidelas-1429294

Fiães do Rio - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-fiaes-do-1432619

Fírvidas - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-firvidas-1466833

Frades do Rio - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-frades-do-1440288

 

G

Gralhas - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-gralhas-1374100

Gralhós - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-gralhos-1531210

 

L

Ladrugães - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-ladrugaes-1520004

Lapela   - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-lapela-1435209

 

M

Meixedo - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-meixedo-1377262

Meixide - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-meixide-1496229

 

N

Negrões - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-negroes-1511302

 

O

O colorido selvagem da primavera http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-o-colorido-1390557

Olhando para e desde o Larouco - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-olhando-1426886

Ormeche - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-ormeche-1540443

 

P

Padornelos - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-padornelos-1381152

Padroso - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-padroso-1384428

Paio Afonso - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-paio-afonso-1451464

Parafita: http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-parafita-1443308

Pardieieros - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-pardieiros-1556192

Paredes - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-paredes-1448799

Pedrário - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-pedrario-1398344

Pomar da Rainha - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-pomar-da-1415405

Ponteira - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-ponteira-1481696

 

R

Roteiro para um dia de visita – 1ª paragem - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-roteiro-1104214

Roteiro para um dia de visita – 2ª paragem - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-roteiro-1104590

Roteiro para um dia de visita – 3ª paragem - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-roteiro-1105061

Roteiro para um dia de visita – 4ª paragem - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-roteiro-1105355

Roteiro para um dia de visita – 5ª paragem, ou não! - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-roteiro-1105510

 

S

São Ane - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-sao-ane-1461677

São Pedro - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-sao-pedro-1411974

Sendim -  http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-sendim-1387765

Senhora de Vila Abril - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-senhora-de-1553325

Sezelhe - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-sezelhe-1514548

Solveira - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-solveira-1364977

Stº André - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-sto-andre-1368302

 

T

Tabuadela - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-tabuadela-1424376

Telhado - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-telhado-1403979

Travassos da Chã - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-travassos-1418417

 

U

Um olhar sobre o Larouco - http://chaves.blogs.sapo.pt/2016/06/19/

 

V

Vilar de Perdizes - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilar-de-1360900

Vilar de Perdizes /Padre Fontes - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilar-de-1358489

Vilarinho de Arcos - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilarinho-1508489

Vilarinho de Negrões - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilarinho-1393643

Vilaça - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilaca-1493232

Vilar de Perdizes - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilar-de-1360900

Vilar de Perdizes /Padre Fontes - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilar-de-1358489

Vilarinho de Negrões - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilarinho-1393643

 

X

Xertelo - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-xertelo-1458784

 

Z

Zebral - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-zebral-1503453

 

  

 

 

 

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 23:21
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Sábado, 15 de Julho de 2017

Capeludos - Chaves - Portugal

1600-capeludos (80)

 

Neste andar pelas aldeias, no último sábado ficámos no Cando. Pois hoje descemos ao vale, atravessamo-lo, subimos o Brunheiro e já no seu planalto entramos na aldeia de hoje – Capeludos.

 

1600-capeludos (35)

 

É uma das onze aldeias da freguesia de Nogueira da Montanha, e não devo errar muito, se é que cometo erro, se disser que é a freguesia que  mais tem sofrido dessa maleita que se chama despovoamento.  Viver lá em cima, quase a mil metros de altitude, não é tarefa fácil, principalmente de inverno, o que faz com que, com mais facilidade, aceitem o convite da partida.

 

1600-capeludos-67-art (6)

 

Ficam três imagens de Capeludos, de arquivo, mais propriamente do ano de 2009. Começa a ser tempo de passar por lá outra vez, mesmo porque tenho a impressão que ficou muito por registar.

 

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 03:25
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Quinta-feira, 13 de Julho de 2017

Tempo de ereções ...

1600-(47163)

 

Às vezes, de tão entusiasmados que andamos com as correrias do dia-a-dia, do trabalho, da família, dos compromissos, chegamos a casa exaustos, com o corpo a pedir descanso, sem tempo e vontade para refletir e arrumar ideias. Quando se chega a um ponto desses, há que saber desligar o botão, tal como fazemos com o botão da TV quando estamos fartos de aturar tanta parvalheira, principalmente nos programas de informação sempre alimentados pela corja de comentadores, um autêntico anedotário de desinformação.  Eu desligo esse botão com frequência, mas há vezes, em que esse anedotário sai à rua e começa a andar insistentemente na boca de todos, principalmente em períodos como o atual em que se aproximam as eleições, ou como um amigo dizia - ereções autárquicas.

 

1600-(45801)

 

“Política. Não há outra conversa. E desabafo também. Mas a minha indignação não tem a veemência do passado. Falta-lhe o fogo da esperança. É uma revolta conformada, fatalista, que dói como as feridas crónicas, sem perspectivas de cura. Descri de todos os governantes. Nem os melhores prestam. Nenhum é imune à tentação do poder. O poeta nunca sabe quando um verso lhe é dado. O santo quando atinge a santidade. Ora o político, desde que entronizado, fica senhor do seu pequeno mundo. Confunde o privilégio de mandar, que devia ser a modéstia de servir, com os fumos da grandeza. E não há um sequer capaz de desiludir o super-homem que se pretende com a dignidade do homem que não entende.”

Miguel Torga, In Diário XIV

 

“Nuca foi, e nunca será, um democrata, por mais que diga e faça. Não é capaz de se criticar. Tem sempre razão”

Miguel Torga, In Diário XIV

 

E com esta me vou!

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 03:21
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Segunda-feira, 10 de Julho de 2017

De regresso à cidade

1600-(34116)

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 00:52
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Domingo, 9 de Julho de 2017

O Barroso aqui tão perto - Pardieiros

1600-pardieiros (6)

montalegre (549)

 

Não sei se ainda se usa mas há uns bons anos atrás, quando queríamos brincar com os de uma aldeia qualquer ou minimizar uma aldeia ou lugar, dizíamos que ela nem sequer constava do mapa.  Pois hoje, sem querer minimizar ou brincar com a aldeia, vamos até uma que não consta no mapa.

 

1600-pardieiros (5)

 

Pois a verdade se diga, a nossa aldeia de hoje, Pardieiros,  que nem no meu mapa constava, o que é natural, pois foi feito a partir de outros mapas e cartas do concelho de Montalegre e se a aldeia não estava nas fontes onde fui beber, também não poderia aparecer na minha fonte, mas embora não apareça no mapa, na maioria, deveria constar, pois a aldeia existe e por sinal até é bem interessante.

 

1600-pardieiros (12)

 

Lamentar, lamenta-se mesmo que no desdobrável/mapa do concelho de Montalegre , intitulado “Montalegre – Uma ideia da Natureza”, que no   Ecomuseu do Barroso é posto à disposição dos turistas para descobrirem o concelho de Montalegre, Pardieiros também não conste lá.

 

1600-pardieiros 8 - art (13)

 

Assim como Pardieiros não consta nos mapas nem nos pontos de interesse recomendados para visitar no concelho de Montalegre, foi uma sorte termos dado com aldeia, pois sem qualquer informação sobre ela, é natural que não constasse nos nossos itinerários de visitas ao Barroso. Mas a sorte, em conversa com populares da aldeia vizinha de Viveiro, revelou-se-nos, quando nos falaram de Pardieiros. Fomos lá de seguida, e ainda bem que fomos. Aldeia pequena, pois literalmente são mesmo meia dúzia de casas, mas muito fotogénica e com gente simpática e agradável dentro, também pouca gente, mas boa.

 

1600-pardieiros (26)

 

Talvez este passar despercebido e não constar nos mapas tenha a ver com o significado do topónimo. Na realidade quando nos referimos a pardieiros, geralmente referimo-nos a casas arruinadas, pobres e toscas, sem qualquer interesse. Talvez tivesse sido assim no passado, não o sei, mas se hoje em dia fôssemos por essa definição de casas arruinadas, pobres e toscas, teríamos que atribuir este topónimo a muitas das nossas aldeias, pois também elas estão maioritariamente arruinadas, e abandonadas. Quanto ao pobres e toscas, para a realidade atual podem-no ser, mas a simplicidade, o pobre e tosco da grande maioria das construções antigas apenas refletiam a realidade social de então.  

 

1600-pardieiros (11)

 

Aliás em Pardieiros fomos testemunha disso mesmo, quando o nosso guia na aldeia, um jovem nos seus vinte e poucos anos, nos mostrava um pardieiro que teria no máximo dezasseis metros quadrados, um único compartimento, térreo, com um único vão – a porta de entrada/saída do pardieiro ´e nos dizia “ nesta casa foram criados oito filhos”.

 

1600-pardieiros (24)

 

E sim, pode ser duro de admitir e muitas vezes referimo-nos ao despovoamento rural com uma certa nostalgia e um mal que atacou as nossas aldeias quando na realidade, muitas vezes, foi apenas um fugir à, e, da pobreza, da falta de poder ter ou vir a ter uma vida digna, um fugir ao passado dos seus ancestrais que pouco mais foram que escravos da terra ou dos senhores mais abastados, uma partida para um futuro melhor para os seus filhos. É por essa razão que nunca condenei nem critico quem abandonou as suas aldeias, antes, deveríamos condenar quem nunca lhes deu as condições sustentáveis para eles ficarem na terra em que nasceram ou a dignidade para serem apontadas no mapa.  

 

1600-pardieiros (4)

 

Mas já que a aldeia de Pardieiros não aparece nos mapas, vamos nós localizá-la e metê-la no nosso mapa. Com a precisão das coordenadas fica a 41º 42’ 08.21”N e 7º 59’ 19.04” O. Pertence à freguesia de Ferral e localiza-se entre Santa Marinha (que aparece a p&b na foto anterior por cima de Pardieiros), Nogeiró e Viveiro. Quanto à altitude, é uma das terras mais baixas do Barroso a 587m de altitude. Mas fica o nosso mapa para melhor localizarem Pardieiros.

 

pardieiros.jpg

 

E pouco mais há a dizer sobre Pardieiros e nas nossas pesquisas nada encontrámos, mesmo na Toponímia de Barroso, para além do significado do termo pardieiros e à sua origem do latim, nada mais diz. Acrescentar talvez que está integrada naquela zona do Barroso que já tem ares de terras minhotas, com muito verde com um povoamento disperso, ao contrário daquilo que acontece no Alto Barroso, com os aglomerados das aldeias bem definidos e uma separação considerável entre aldeias. Povoamento que vai sendo feito  conforme aquilo que a terra manda.

 

1600-pardieiros (21)

 

Pois pela nossa parte, gostámos da descoberta de Pardieiros, da aldeia em si, pequena mas agradável e com muita mais vida que muitas das aldeias grandes, mesmo estando praticamente desabitada e foi com todo o gosto que a incluímos no mapa das aldeias barrosãs.

 

1600-pardieiros (9)

 

E só nos resta acrescentar os habituais links, apenas os links para outras aldeias e temas do Barroso que já passaram aqui pelo blog, pois quanto a bibliografia nada temos para citar porque nada encontrámos sobre a aldeia.

 

Links para anteriores abordagens ao Barroso:

 

A

A Água - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-a-agua-1371257

Algures no Barroso: http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-1533459

Amial - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-ameal-1484516

Amiar - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-amiar-1395724

Arcos - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-arcos-1543113

 

B

Bagulhão - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-bagulhao-1469670

Bustelo - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-bustelo-1505379

 

C

Cambezes do Rio - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-cambezes-do-1547875

Carvalhais - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-carvalhais-1550943

Castanheira da Chã - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-castanheira-1526991

Cepeda - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-cepeda-1406958

Cervos - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-cervos-1473196

Contim - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-contim-1546192

Cortiço - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-1490249

Corva - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-corva-1499531

 

D

Donões - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-donoes-1446125

 

F

Fervidelas - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-fervidelas-1429294

Fiães do Rio - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-fiaes-do-1432619

Fírvidas - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-firvidas-1466833

Frades do Rio - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-frades-do-1440288

 

G

Gralhas - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-gralhas-1374100

Gralhós - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-gralhos-1531210

 

L

Ladrugães - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-ladrugaes-1520004

Lapela   - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-lapela-1435209

 

M

Meixedo - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-meixedo-1377262

Meixide - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-meixide-1496229

 

N

Negrões - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-negroes-1511302

 

O

O colorido selvagem da primavera http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-o-colorido-1390557

Olhando para e desde o Larouco - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-olhando-1426886

Ormeche - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-ormeche-1540443

 

P

Padornelos - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-padornelos-1381152

Padroso - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-padroso-1384428

Paio Afonso - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-paio-afonso-1451464

Parafita: http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-parafita-1443308

Paredes - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-paredes-1448799

Pedrário - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-pedrario-1398344

Pomar da Rainha - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-pomar-da-1415405

Ponteira - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-ponteira-1481696

 

R

Roteiro para um dia de visita – 1ª paragem - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-roteiro-1104214

Roteiro para um dia de visita – 2ª paragem - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-roteiro-1104590

Roteiro para um dia de visita – 3ª paragem - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-roteiro-1105061

Roteiro para um dia de visita – 4ª paragem - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-roteiro-1105355

Roteiro para um dia de visita – 5ª paragem, ou não! - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-roteiro-1105510

 

S

São Ane - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-sao-ane-1461677

São Pedro - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-sao-pedro-1411974

Sendim -  http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-sendim-1387765

Senhora de Vila Abril - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-senhora-de-1553325

Sezelhe - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-sezelhe-1514548

Solveira - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-solveira-1364977

Stº André - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-sto-andre-1368302

 

T

Tabuadela - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-tabuadela-1424376

Telhado - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-telhado-1403979

Travassos da Chã - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-travassos-1418417

 

U

Um olhar sobre o Larouco - http://chaves.blogs.sapo.pt/2016/06/19/

 

V

Vilar de Perdizes - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilar-de-1360900

Vilar de Perdizes /Padre Fontes - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilar-de-1358489

Vilarinho de Arcos - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilarinho-1508489

Vilarinho de Negrões - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilarinho-1393643

Vilaça - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilaca-1493232

Vilar de Perdizes - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilar-de-1360900

Vilar de Perdizes /Padre Fontes - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilar-de-1358489

Vilarinho de Negrões - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilarinho-1393643

 

X

Xertelo - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-xertelo-1458784

 

Z

Zebral - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-zebral-1503453

 

 

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 03:37
link do post | comentar | favorito
|  O que é?
Sábado, 8 de Julho de 2017

Cando - Chaves - Portugal

1600-cando art (2)

 

Hoje toca a vez à aldeia do Cando passar por aqui outra vez, e já ia sendo tempo, pois já lá vai uma temporada em que não marcava aqui presença, não por qualquer razão em especial, mas simplesmente porque no meio de tanta aldeia do concelho de Chaves, há sempre umas que não calham na escolha.

 

1600-cando (22)

 

E diga-se a verdade, ao rever hoje as fotos da aldeia que tenho em arquivo senti a necessidade de por lá passar outra vez, com os olhos de hoje, pois também os olhares vão sendo educados e aperfeiçoados para outros interesses. Um dias destas iremos novamente até ao Cando.

 

1600-cando (105)

 

Entretanto ficam alguns olhares que escaparam nas últimas seleções e um, em especial para meu deleite com a arte do ferro nos pormenores das antigas construções, coisas que hoje já não se usam e que foram feitos pelos artistas das mais velhas profissões, à mão, ainda sem a ajuda das novas máquinas e tecnologias. No caso, um "cachorro" de suporte de uma varanda, mas sem casa e sem varanda.

 

1600-cando (53)

 

 

Aldeia do Cando que embora esteja aqui mesmo às portas da cidade, ainda se sente a sua ruralidade e ainda se vai sentido o ser aldeia, isto, no seu núcleo antigo, pois quanto aos novos bairros na periferia da aldeia, são autênticos dormitórios da cidade.

 

 

 

´
publicado por Fer.Ribeiro às 02:06
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|  O que é?

.Fotos Fer.Ribeiro - Flickr

frproart's most interesting photos on Flickriver

.meu mail: blogchavesolhares@gmail.com

.Julho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9


27
28
29

30
31


.pesquisar

 
ouvir-radioClique no rádio para sintonizar

 

 

El Tiempo en Chaves

.Facebook

Fernando Ribeiro

Cria o teu cartão de visita Instagram

.subscrever feeds

.favorito

. Abobeleira em três imagen...

. Solar da família Montalvã...

.posts recentes

. Cidade de Chaves - Jardin...

. Chaves - Um olhar sobre o...

. De regresso à cidade

. O Barroso aqui tão perto ...

. Carregal - Chaves - Portu...

. Um olhar sobre a cidade, ...

. Where’s Wally? ou a força...

. Mais um olhar sobre a nos...

. De regresso à cidade

. O Barroso aqui tão perto ...

. Capeludos - Chaves - Port...

. Tempo de ereções ...

. De regresso à cidade

. O Barroso aqui tão perto ...

. Cando - Chaves - Portugal

blogs SAPO

.Blog Chaves no Facebook

.Veja aqui o:

capa-livro-p-blog blog-logo

.Olhares de sempre

.links

.tags

. todas as tags

.arquivos

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

Add to Technorati Favorites