Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

CHAVES

Olhares sobre a cidade de Chaves

Um Adeus desde os Jardins do Castelo

31.01.07 | Fer.Ribeiro

.

Pela obra que nos deixa, pelos estudos da nossa terra e pela dedicação a Chaves e às suas aldeias, já há muito que é um flaviense ilustre. Morreu ontem e vai hoje a enterrar Firmino Aires.

 

Apresento as minhas condolências à família e à cidade, pois também esta perde um filho que tanto tempo lhe dedicou e estudou.

 

O post de hoje é-lhe inteiramente dedicado, certo de que o Homem morreu, mas certo também que Firmino Aires continuará vivo em obra, a mesma a que este blog tantas vezes recorreu e pela certa recorrerá para levar Chaves a todos os flavienses.

 

FIRMINO AIRES

 

Nasceu na freguesia de Mairos, em Chaves, em 12 de Outubro de 1920.

 

Frequentou o 6º ano dos Seminários.

 

Em 1942 foi mobilizado para os Açores, acabando por seguir a carreira militar.

 

Em 1975 passou à situação de reserva. Liberto das obrigações militares, tomou parte de algumas escavações arqueológicas e iniciou a sua colaboração na imprensa local.

 

Nos finais de 1985 foi convidado para o exercício de Vereador do Pelouro da Cultura da Câmara Municipal de Chaves, cargo que ocupou no quadriénio de 1986/1989.

 

A sua memória será para sempre perpetuada nas obras que deixou publicadas:

- Sant’Iago do Meiral;

- Toponímia Flaviense;

- Incursões Autárquicas.

 

Participou e colaborou ainda na Revista de Outeiro Seco, em grande parte dos números da Revista Aqaue Fláviae e nos Roteiros de Chaves, também publicados pelo grupo Aquae Fláviae.

 

E por hoje é tudo, dizemos um adeus a Firmino Aires, mas também um até já, pois pela certa que este blog continuará a beber alguma inspiração nos seus trabalhos publicados e pela certa que continuará a ser um companheiro nesta arte de navegar na cidade de Chaves.

 

8 comentários

Comentar post