Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

CHAVES

Olhares sobre a cidade de Chaves

Chaves Rural - Mosteiró de Baixo

25.02.07 | Fer.Ribeiro

.

Woody Allen, uma vez referindo-se à classe política dizia: “Infelizmente, os nossos políticos ou são incompetentes ou são corruptos. Às vezes ambas as coisas no mesmo dia”

 

Vem isto a propósito da nossa aldeia de hoje, uma aldeia tipicamente transmontana que há coisa de 25 anos atrás não tinha água canalizada, electricidade, telefone, televisão, nem estradas ou ruas pavimentadas, mas que ia tendo gente. Aos poucos a gente das nossas aldeias foi fugindo e emigrando para locais onde tinham trabalho e também condições mínimas de vida.

 

Os políticos deram-se então conta que era necessário investir nas aldeias e no interior para que não ficasse deserto, e então toca a levar electricidade para as aldeias, canalizar água, levar telefone e televisão a toda a gente, pavimentar estradas, caminhos, becos e largos, construir escolas e postos de saúde e tudo mais, investiram-se largos milhares de milhões de contos em infra-estruturas por esse Portugal interior fora e não houve nenhum iluminado que tivesse dado conta que as aldeias já não tinham gente jovem e que essa mesma população sempre viveu e vivia da agricultura e da pecuária e que durante anos nada se fez por dar o pão para a boca a essa mesma população. Davam-se subsídios para arrancar oliveiras e plantar vinhas, para florestar e abater, para tractores, para gasóleo, para isto e para aquilo, subsídios que eram negociados e distribuídos em gabinetes e em projectos de resmas de papel e desenhos, enquanto que nos campos cresciam ervas e mato e alguns até aproveitavam para comprar um tractor para ir à missa ao domingo. Toda a minha boa gente sabe e sabia como o esquema funcionava, bastava arranjar os “papeis” de uns hectares de terreno, umas declarações e venha o subsídio. Claro que, como sempre, houve algumas excepções. No entanto basta dar uma olhadela pelo nosso concelho rural para compreender onde todo esse dinheiro não foi investido.

 

Enfim, já nem vos quero falar de lobos e ovelhas… raposas e outras manhas da arte de “bem governar” contas bancárias e reformas chorudas enquanto o Zé povinho continua a procurar o pão para a boca onde o vai havendo, e nas nossas aldeias, não o é com certeza porque os nossos iluminados políticos andam mais preocupados com outros altos voos onde podem pelo menos criar mais umas empresas e algumas instituições onde possam garantir o seu futuro após a reforma.

 

Mas voltando às aldeias. Agora que têm tudo, não têm gente, porque os seus fugiram para as cidades, só espero que tivessem escolhido bem a cidade, pois algumas, como a nossa, com as políticas de centralização que se vão praticando por Lisboa, não tarda nada e transforma-se também em mais uma aldeia transmontana, onde até tem de tudo e onde o Estado investiu durante anos em grandes escolas, quartéis de Polícia, Guarda Fiscal, GNR, Exército, Pontes, estradas, ETAR’s, saneamento básico, reforço de infra-estruturas,  Escolas Profissionais, GATAT, Serviços Agrícolas, Hospital, Centros de Saúde, Cooperativas, Tribunais,  Parques Empresariais, Plataformas Logísticas, Mercados Abastecedores…etc, etc, etc, a grande maioria construídos nos últimos 20 a 25 anos. Milhares de milhões de contos gastos para agora os de Lisboa dizerem aos poucos ir fechado e inutilizado tudo isto e com o fecho levar também a gente. Claro que os nossos jovens já não olham para Chaves como uma cidade de futuro.

 

Talvez nos reste a consolação de quando estes políticos mudarem, mudar também a sua política, e em vez de centralizar, a política seja de novo descentralizar para o interior e para as cidade mais pequenas. Claro que com isto lá vão mais uns milhares de milhões de contos a fazer e desfazer, pois só assim poderemos garantir que os nossos políticos sejam corruptos e incompetentes ao mesmo tempo, como dizia Woody Allen. Uma coisa é certa, alguém se vai governando ou governar com todos estes desgovernos.

 

Enfim, os desabafos que não nos fazem ter com o fecho de umas urgências de um hospital, que até me fazem esquecer que o dia de hoje aqui no blog é dedicado a uma aldeia, neste caso a Mosteiró de Baixo.

 

Então vamos lá: Mosteiró de Baixo fica a 12 quilómetros de Chaves e pertence à freguesia de S.Julião de Montenegro. O acesso à aldeia faz-se pela E.N. 213 que liga Chaves a Valpaços e que logo após S.Lourenço se vira à direita em direcção à Cela, Tresmundes e Mosteiró.

 

É uma das nossas aldeias típicas flavienses, onde se praticava uma agricultura de subsistência, alguma criação de gado, pastorícia e floresta. Disse praticava, pois agora a aldeia está reduzida a meia dúzia de habitantes que ainda recebem orgulhosamente os seus emigrantes no mês de Agosto.

 

Até amanhã de novo de volta à cidade onde também não irão faltar as notícias sobre as nossas urgências. Para já fica anunciado o programa televisivo Prós e Contras que amanhã estará no ar precisamente com o tema saúde e onde irá estar presente o Presidente da Câmara Municipal de Chaves.