Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

CHAVES

Olhares sobre a cidade de Chaves

Chaves - Madalena - Capela do Senhor do Bom Caminho

05.06.07 | Fer.Ribeiro

.

 
Então e tal como prometido vou continuar na cidade da margem esquerda do Rio, na freguesia da Madalena, mais precisamente no bairro do Campo da Fonte com um pormenor da Capela do Senhor do Bom Caminho.
 
Capela que durante longos anos esteve estrategicamente colocada ao centro de um grande campo arborizado, onde só existia uma fonte e um chafariz, arborização que terminava junto a um casarão senhorial (visível em último plano na foto). Enquanto existiu, sempre foi um pequeno pulmão da cidade, isto no tempo em que ele nem era necessário, mas também (a verdade seja dita) sempre foi um “campo” abandonado, maltratado, desprezado e onde os ciganos sempre encontraram um lugar por excelência para os seus acampamentos. Estou a falar-vos dos anos 60 e inícios de 70, em que embora não fosse bairro dos meus domínios, era o bairro onde morava uma grande parte dos meus colegas e amigos de escola primária, e amigos do peito e de sempre (um abraço pró “velhote”).
 
Já então nos anos 60, quando era passante ou visita do bairro, se falava e defendiam projectos para o “campo”: Um parque ajardinado e de lazer – diziam uns, um parque de campismo, diziam outros, entre outros tantos sonhos. Mas o que vingou mesmo, foi a construção de um inestético e desenquadrado edifício destinado aos serviços agrícolas, um autêntico mamaracho de betão que ainda hoje existe. E assim foi até há poucos anos, mais precisamente até que se construiu o edifício dos Bombeiros de Baixo (BVF) e se procedeu ao arranjo urbanístico e embelezamento dos restantes espaços, o que foi minimamente conseguido.
 
Quanto à convidada de hoje,  e para quem gosta deste tipo de arquitectura, à Capela do Senhor do Bom Caminho, apontam-lhe como características particulares, ser uma capela construída  na transição do Séc. 18 para o 19, bastante elegante, com coroamento de fachada principal em espaldar recortado integrando no seu perfil molduras ovaladas e volutas, tendo ao centro cartela inscrita onde apenas se pode ler “ ESTA OBRA / A MANDOU / FAZER O?(S)? DOM!?...”, e com portal de moldura recortada encimada por cornijas e volutas formando falso frontão, num desenho interessante e pouco comum no distrito. Ambas as fachadas laterais são rasgadas por janelas amplas, de molduras igualmente recortadas. Os cunhais são coroados por pináculos distintos, sendo os posteriores possivelmente mais tardios, tal como dever ser a sineira, de grande singeleza. No interior, o retábulo, ainda que muito simples, possui elementos eruditos, nomeadamente as estípedes a definir eixo, kadeadas por colunas com acantos na base e tomo. Sobressai a imagem do Senhor do Bom Caminho, mais antiga do que a capela, talvez pertencente a um primitivo cruzeiro existente neste local por onde transitariam muitos viandantes de e para Espanha, bem como para concelhos vizinhos entre os quais Vinhais e Valpaços.
 
Para terminar apenas resta dizer que esta capela é propriedade privada da Igreja Católica e deixar aqui registado que, infelizmente, nunca vi as suas portas abertas.
 
Até amanhã, continuando por terras da Madalena, a freguesia que sempre deu de comer à cidade do lado de lá do Rio.

3 comentários

Comentar post