Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

CHAVES

Olhares sobre a cidade de Chaves

7 Maravilhas de Chaves - Vestígios de Aquae Flaviae

03.07.07 | Fer.Ribeiro

 

.

Como sabem esta semana andamos à volta das 7 Maravilhas de Chaves.
 
Em Março passado, quando o blog lançou a ideia das 7 Maravilhas, um dos nossos visitantes votou nos “vestígios de Aquae Flaviae que ainda se encontram por escavar”. Pois hoje vamos  “escavar” ou pouco dessa Aquae Flaviae.
.
.
 
Já várias vezes o disse aqui, que em Chaves, basta dobrar uma esquina ou abrir um buraco e encontramos logo um “pedaço” de história com pelo menos umas centenas ou milhares de anos. A prova disso mesmo está nas obras recentes levadas a efeito no Largo do Arrabalde, no Jardim Público e na Rua Bispo Idácio (no futuro arquivo municipal). No largo do Arrabalde ficou a descoberto parte do baluarte da muralha seiscentista, mas as escavações ainda estão a decorrer e já se sabe que também há construções romanas. No Jardim Público, além de vestígios da muralha seiscentista foram encontradas várias ossadas humanas, ao que parece numa vala comum, talvez relacionada com as invasões francesas, a julgar pelos botões encontrados na vala e que tudo leva a crer serem de fardas militares. Na Rua Bispo Idácio, onde as escavações estão quase concluídas, aos olhos de um leigo como eu, penso que foi encontrado um autêntico tesouro, ou vários tesouros arqueológicos e históricos desde a época romana até aos tempos mais recentes.
 
Mas a César o que é de César e melhor que as palavras de um leigo, são mesmo as palavras de um especialista na matéria, do arqueólogo responsável pelas escavações, o Dr. César Guedes, que gentilmente nos cedeu algumas fotos e algumas notas sobre a escavação em curso.
 
Intervenção arqueológica na Rua do Bispo Idácio
.
.
 
  • Os trabalhos de arqueologia foram adjudicados à empresa Arqueologia & Património, Lda.

  • A fachada posterior do edifício assenta integralmente nos alicerces da Muralha Medieval que defendia a Cidade de Chaves tendo este facto condicionado a obra (futuro Arquivo Histórico de Chaves) à execução de trabalhos arqueológicos.
 
  • Os trabalhos arqueológicos iniciaram-se em Janeiro de 2007 com a abertura de cinco sondagens no interior do edifício. Neste momento decorre a escavação em área do logradouro.

  • Das sondagens efectuadas no interior do edifício, resultou o aparecimento de diversos muros, entre os quais um que apresentava ainda a soleira de uma porta, com os respectivos gonzos. (Foto 1)

.

                                                     

  • Do espólio exumado devemos salientar o aparecimento de inúmeros fragmentos de cerâmica, vidro e sobretudo de várias moedas de diferentes cronologias de entre as quais destacamos uma moeda visigótica em ouro cunhada em Mérida durante o reinado de Égica (687-702). (Foto 2  e 3)

.

.

  • A escavação integral do logradouro deste edifício revelou-nos uma série de estruturas de diferentes cronologias que atestam a intensa ocupação deste espaço desde época Romana até aos nossos dias.

  • De época medieval observamos o alicerce da muralha à qual, com o decorrer da escavação arqueológica, se veio associar um grande fosso que impediria o acesso à muralha complementado assim as estruturas defensivas da Cidade. (Foto 4)

.

.

  • Anterior à construção da muralha medieval, observamos uma pequena necrópole, onde se encontravam sepultados cinco indivíduos. O estudo antropológico efectuado permitiu identificar um indivíduo do sexo feminino e uma criança, sendo inconclusivas as análises efectuadas aos outros indivíduos devido à má conservação dos restos osteológicos. As sepulturas apresentavam contornos antropomórficos. (Foto 5e 6).

.

.

  • Dos vários muros que surgiram no decorrer da intervenção arqueológica no logradouro, destacamos o que acompanha a orientação da fachada posterior do edifício. É um muro com aparelho cuidado de fiadas regulares e que atinge cerca de 2 m de altura. Este muro relaciona-se com os muros expostos pelas sondagens efectuadas no interior do actual edifício.

  • A área do logradouro é compartimentada por vários muros de fraco aparelho construtivo com uma orientação Este – Oeste.

  • Devemos referir ainda o aparecimento de um pequeno lanço de três degraus associado a uma pequena cloaca. (Foto 7)

.

.

  • Do espólio exumado destacamos a grande quantidade de cerâmica (comum, paredes finas, terra sigillata, fragmentos de lucernas etç…); vidros; moedas romanas e fragmentos de fíbulas etç…
E por hoje vai sendo tudo neste já longo post, só resta mesmo agradecer a Empresa Arqueologia & Património Ldª e ao Dr. César Guedes, sem os quais este post não seria possível e lembrar mais uma vez, que até dia 07/07/07 estão em votação as nossas maravilhas flavienses.
 
Se ainda não votou, aproveite para faze-lo agora, deixando o seu comentário com as suas 7 maravilhas flavienses, cuja listagem está disponível nos post’s anteriores.
 
Até amanhã

9 comentários

Comentar post