Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

CHAVES

Olhares sobre a cidade de Chaves

Bom 2006

31.12.05 | Fer.Ribeiro
bom2006.jpg
2005 está na recta final e em tempo de balanço.

Este blog (Chaves + Chaves I) iniciou a sua publicação em 2 de Janeiro de 2005.

“Quanto mais longe estou da minha terra, mais a minha terra me pertence” - São palavras que eu sentidamente, outrora, escrevi quando por quase um ano, estive ausente da terrinha.

Foram precisamente essas palavras que me levaram a criar este blog. Mais que dar a conhecer Chaves, levar Chaves aos flavienses ausentes. Não sei se o consegui ou não, pelo menos tentei e continuarei a tentar.

Da minha parte foi um prazer estar deste lado de cá e saber que há sempre alguém desse lado que nos visita e, sobretudo saber que, às vezes, tocamos e despertamos esse sentimento do ser FLAVIENSE.

Um bom ano de 2006 para todos e, podem continuar a contar comigo do lado de cá.

Obrigado a todos.

Fernando DC Ribeiro

Chaves - Beira Rio

30.12.05 | Fer.Ribeiro
92c-bl.jpg
Todos os espaços à beira rio são interessantes. Se os mesmos estão tratados, muito melhor. Pois é, um espaço que ainda há meia dúzia de anos era inacessível, com amieiros e hortas não tratadas, deu lugar a um belíssimo espaço onde se pode passear, descansar, pescar e sobretudo conviver com o rio. Perdeu-se o parque de campismo, eu sei, mas não há bela sem senão.

Chaves - Centro Histórico

29.12.05 | Fer.Ribeiro
107-bl.jpg
É verdade que fora das horas de serviço e aos fins de semana o centro histórico da cidade quase fecha. É uma realidade, mas uma realidade para mim agradável. São as melhores horas e dias para se passear no centro histórico e observar certos pormenores e encantos que no dia-a-dia nos passam despercebidos. Sempre que posso faço esses passeios fora de horas e podem crer que já me espantei de encanto várias vezes.

Chaves - Tabolado ao anoitecer

27.12.05 | Fer.Ribeiro
2475-bl.jpg
Isto é o que eu chamo uma foto de risco, tomada segundos antes de ser atropelado.

A foto foi tomada dia de Natal ao anoitecer no Tabolado. A ciclista, que dada a velocidade quase nem se vê, é uma miúda de 6 anos a estrear o presente do Pai Natal. Como a experiência da criança era pouca e as precauções do fotografo foram outras tantas, resultou num acidente sem danos materiais nem físicos.

Chaves - Iluminação de Natal no Arrabalde

26.12.05 | Fer.Ribeiro
2497-bl.jpg
Para compensar a ausência de publicações nos últimos dois dias e porque estamos em plenas festas natalícias, aqui fica mais uma imagem da nossa cidade e da iluminação de Natal. É uma alegria na cidade. As crianças não cabem em si de contentes, a cidade está mais viva e alegre, e os comerciantes, chegada esta época, ficam mais simpáticos. É a magia do Natal, a única que se queixa desta quadra é a carteira, mas… é uma vez por ano e a alegria estampada no rosto das crianças compensa tudo. Eu ainda me lembro de como era o Natal em criança!

Chaves - Pormenor do Forte de S.Neutel e Veiga

26.12.05 | Fer.Ribeiro
2438-bl.jpg
Pois é, ainda há dois dias atrás se andava numa corrida desenfreada a comprar os últimos presentes, a preparar o bacalhau, o polvo e o peru, com muita criança ansiosa à espera do seu presente e, tudo já lá vai.

Espero que tivessem passado um bom Natal e que tivessem feito boas digestões, porque já começa a estar na hora de preparar a festa de fim de ano.

Enquanto este ano não termina, aqui vão ficando mais umas fotos da nossa cidade, com desejos de continuação de festas felizes.

Coral de Chaves

23.12.05 | Fer.Ribeiro
coral-bl.jpg

Para contrariar a velha ideia de que Portugal é Lisboa e o resto é paisagem fica aqui um exemplo, o Coral de Chaves.

Pois é, vamos sendo o resto que é paisagem e como quem manda, não manda para cá cultura e outras coisas que a gente também gosta, além da nossa paisagem, temos ser nós os criativos. Claro que com muito suor, às vezes lágrimas e sobretudo muita, mas mesmo muita carolice, vamos “inventando” aquilo que os eruditos chamam cultura.

Entre outros exemplos, como o TEF no teatro, temos o Coral de Chaves na música.

Hoje, e a condizer com a quadra que atravessamos, dedico o post ao Coral de Chaves.

Aqui fica um pequeno historial:

“O Coral de Chaves foi fundado em Outubro de 1992, colmatando um vazio que então existia na cidade de Chaves e no Concelho.

Tendo como principal objectivo a divulgação da música polifónica, a sua acção tem-se feito sentir através de um vasto reportório de música sacra, litúrgica e profana, englobando peças compostas em distintos períodos da história da música – desde o Renascimento até à actualidade.

Teve a sua estreia oficial em Dezembro de 1992 e, desde então, tem mantido uma presença regular em Encontros de Coros, tanto em Portugal como em Espanha, e respondido, sempre que possível, às solicitações de entidades e organismos públicos e privados. Até ao momento realizou cerca de 130 actuações, sendo de destacar, entre outras, a sua presença na Expo/98, integrando o programa da Santa Sé, em representação do Distrito de Vila Real.

De salientar é, ainda, a sua deslocação ao Luxemburgo, aquando da geminação entre as cidades de Chaves e de Differdange, em Outubro de 2004.

Em Março de 1997 participou na gravação do CD intitulado Os Melhores Coros Amadores da Região “Norte”.

O Coral de Chaves constituído por 30 elementos, é dirigido, desde a sua fundação, pelo Padre Fernando Silva Matos, cuja formação musical se desenvolveu, sobretudo, no Seminário Maior do Porto e no Instituto Católico (I.M.L.) de Paris.”

Só me resta agradecer ao nosso amigo Domingos Pires a cedência da foto para publicação, que foi obtida numa das últimas actuações do Coral de Chaves, mais precisamente na Igreja de Outeiro Seco em 20 de Dez. de 2005.

Mais uma vez, um Bom Natal para todos.

Chaves vista do monte

22.12.05 | Fer.Ribeiro
2301-bl.jpg
O que mais me encanta do ser provinciano é que tanto estou no meio da cidade como no meio do monte e, sempre a descobrir coisas novas. Esta vista, por exemplo, só a descobri há uns meses atrás (claro que a foto é de arquivo, mas deste ano) e fiquei encantado com o que vi.

É assim o nosso concelho, a cidade no vale e o campo na montanha, ou seja, cá em baixo a gente trabalha, gasta neurónios, horas, "stressa-se"…. Subimos ao monte e encontramos a cura. A montanha e estas vistas são o nosso Dr. Psicanalista.

Há quem não concorde comigo, eu sei, mas nem todos podemos ser iguais (é o tal direito à diferença). Eu, por mim, sou feliz aqui na minha condição, um provinciano que vive nesta pequena e querida cidade de Chaves.

Mas o que interessa agora é o Natal e a sua magia, o quentinho do lar e preparar a barriguinha para o bacalhau e o polvo a batatinha cozida, muita couve, um dente de alho (para quem gosta) e tudo bem “abafadinho” com um bom tinto e, claro, com os gritos da “criançada” como música ambiente à espera da hora do Pai Natal (no meu tempo era o Menino Jesus, mas reconheço que o Pai Natal é mais generoso, nos presentes, claro!)

Mais uma vez, um bom Natal para todos!


Silhuetas de Chaves

20.12.05 | Fer.Ribeiro

2457-bl.jpg


De Inverno não me dou muito bem com a fotografia, por isso vou aproveitando ou a noite ou o quase noite para fotografar a nossa cidade. Mas temos que admitir que o recortar das silhuetas do centro histórico da nossa cidade são bem interessantes.


Esta pelo menos despertou em mim aquele click.


É um anoitecer frio (bem frio) em Chaves, serão necessárias mais palavras?


Boas festas para todos! (imaginem as letrinhas a piscar!).

Chaves - Discoteca Triunfo

20.12.05 | Fer.Ribeiro
2453-bl.jpgAquilo que outrora foi um armazém da fábrica de bolachas e farinhas Triunfo deu lugar uma discoteca.

Se durante o decorrer do ano a discoteca só abre as suas portas em épocas festivas, durante os meses de Julho, Agosto e Setembro a discoteca tem vida toda a noite até ao nascer do sol. A foto é de um entardecer de Dezembro, mas bem podia ser de um amanhecer de Agosto à hora da saída para o merecido sono depois de uma noite de sonho e algum cansaço de tanto “abanar o capacete”.

Porque a nossa comunidade emigrante, durante os três meses de verão, é a principal frequentadora deste espaço, aproveito para desejar a todos os nossos emigrantes, principalmente aos visitantes deste blog, um Bom Natal e um Feliz 2006, com muito bacalhau , polvo, um dente de alho … à nossa moda, acompanhados de um bom tinto ou branco, que nessa noite tanto faz! Muito de preferência. Nos por cá, vamos pela certa fazer o mesmo.

Um bom Natal para toda a comunidade portuguesa no Brasil, nos Estados Unidos, em Espanha, França, Suiça, Bélgica, Luxemburgo, Alemanha e demais comunidades que visitam este blog. Um bom Natal para todos!

Chaves - Vista Parcial da Lapa

19.12.05 | Fer.Ribeiro
2268-bl.jpg
Como me considero um bom português, ou seja, um daqueles que guarda tudo para a última hora, hoje ao fim da tarde comecei a fazer as compras de Natal. Já de regresso passei pela Lapa e esta imagem chamou-me a atenção. Claro que imagem que chama a atenção tem que ficar registada e ser partilhada com todos que gostam desta cidade.

É uma daquelas imagens que só se consegue ver em duas situações, ou de verão quando está muito calor, ou de Inverno quando está muito frio. O caso desta, é a imagem de Inverno e garanto-vos que estava, como ainda está, muito frio.

Agora, quanto à silhueta do “casco velho” de Chaves, é daquelas que me fazem orgulhar ser flaviense.

Chaves - Rio Tâmega

17.12.05 | Fer.Ribeiro
574-bl.JPG
Para compensar a falta de publicação de ontem, hoje faço duas publicações.

E aqui temos de novo o rio. Entre Chaves e Curalha onde o correr das águas é abrandado pelas prezas e moinhos onde era comum ver e haver muitos pescadores.

Quem já teve a felicidade de navegar por estas águas, sabe que o rio tem e esconde muitos encantos, que só navegando-o se descobrem. É uma proposta para que gosta da aventura e descobrir novas “águas”, pois a partir de Curalha o rio deixa de se ver das estradas e começa a desenhar-se por entre montanhas tornando-se muitas vezes inacessível. Garanto-vos que é uma aventura diferente que ficará registada para sempre na memória.

Chaves ao anoitecer

17.12.05 | Fer.Ribeiro
799-bl.JPGE como ontem foi dia de festa de natal para a criançada e a noite se prolongou com convívio de colegas de trabalho, não houve tempo para publicações. Mas hoje cá estou de novo, com uma bela imagem de um por do sol e Chaves.

Chaves - Rua do Olival no Natal

16.12.05 | Fer.Ribeiro
2226-natal.jpgA Rua do Olival, a par da Rua de Stº António e Rua Direita é a rua mais comercial na cidade de Chaves. Como a época convida agora não falta por lá movimento. Aliás a rua é movimentada durante todo o ano como o tem sido ao longo dos tempos, pelo menos desde que eu tenho memória.

É também uma rua de contrastes e uma das ruas que ao longo das últimas dezenas de anos mais transformações sofreu em termos arquitectónicos. Basta passar na rua para constatar quantas construções antigas ainda existem. Mas voltando aos contrastes, se de um lado da rua se recuperou e reconstruiu pela positiva, do outro lado, é o que se vê, menos a muralha, que dessa já pouco se vai vendo.

Chaves - Jardim Público

14.12.05 | Fer.Ribeiro
46c-bl.JPGOutra vez o lado de lá do rio e numa das coisas mais preciosas que a cidade tem - O Jardim Público.

Desde a minha infância que este jardim tem um significado especial para mim, primeiro pelo parque infantil que em tempos lá existiu, então, o único da cidade, depois, já eu “espigadote”, pelas verbenas com a banda no coreto, o conjunto “Aquae Flaviae” no palco e os mil e um esquemas para entrar de borla, depois lá dentro, um pé de dança, um cigarro às escondidas tendo sempre por companhia a estátua de Sotto Mayor, que como bom companheiro “botava cigarrada” connosco. Também foi jardim de namoro, jardim de repouso, jardim de um simples passeio. Foi um jardim de muitos sonhos, hoje, infelizmente um pouco esquecido, por todos, mas mesmo assim ainda merece uma visita, principalmente nos dias quentes de verão, sem com isso lhe tirar os encantos das outras estações.


Pág. 1/2