Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

CHAVES

Olhares sobre o "Reino Maravilhoso"

22
Jan10

Discursos Sobre a Cidade - Por Tupamaro

 

.

 

“O  lencinho  dos  Namorados”

 

 

Os anos eram os dos Cinquenta,  do pós-Guerra.

A Srª. da Livração abençoava a Escola do Professor Monteiro e da D. Corinta, logo ali ao lado, mesmo em frente à porta principal, e o manto das paredes da sua Igreja cobria os afagos e os beijinhos dos enamorados quando, pela tardinha, vinham colher água na fonte, calhadinha logo à entrada do caminho para o Eiró.

O Professor Monteiro era dos rapazes. A D. Corinta, das raparigas.

O recreio era comum, mas havia uma fronteira invisível que raparigas e rapazes viam, nitidamente, não poder ser ultrapassada.

Contudo, antes da entrada e depois da saída, por aquela portinhola de ferro, não havia limites nem fronteiras.

Do lado de fora era zona franca, e os rapazes mai-las raparigas, nas cidades chamados meninos e meninas, e agora, no século XXI, chamados Jovens, misturavam-se ao balanço daquele vaivém de atracções que só as tardes da vida saberiam explicar e compreender.

Era prazenteiro, bom aluno, e o professor até o punha a ler os textos da Revista do SNI ou do Livro de Leitura, em pé, em cima do banco da carteira, na qual havia uma ranhura para o ponteiro, o lápis e a pena, de aparo nº2 ou nº4, e havia, também, na esquina direita da carteira, um tinteiro de esmalte….de um branco brilhante.

E elas formavam um grupo de colegas que o apreciavam.

Souberam do dia de anos dele.

Na «loja» da rua principal, antes de chegar à ponte sobre o rigueiro onde costuma ser instalado um S. Cristóvão grandalhão, com o Menino Jesus às carranchulas e uma cana de pesca armada com uma guita e um peixito raquítico pendurado na ponta, cada uma do grupinho comprou um lencinho bordado.

E no Largo da Srª da Livração, onde a canalhada dava largas à sua alegria de viver, jogando à macaca, ao eixo-baleixo, ao trinca-cevada, aos reis-e-rainhas, ou à pancada, no Dia de Anos, ele, o prazenteiro, recebeu três lencinhos bordados. Meteu um num bolso das calças, outro noutro bolso das calças e outro no bolso da blusa (agora chamada só camisa).

Estremecido, correu pela estrada de Sapiãos. Saltou um muro e vagueou por umas cortinhas. Parou junto de umas macieiras de onde se penduravam algumas maçãs raquíticas, mas perfumadas e gostosas. Nos ramos mais altos, os cascarrolhos fizeram ninhos. Trepou pelas macieiras acima a espreitá-los. Num ainda havia uns passarinhos de berço. Furiosos e valentes, os cascarrolhos – pais começam a fazer um barulhento chilreio dos diabos. Ganharam coragem e de voos rasantes passaram ao ataque dando umas bicadas no toutiço e nas mãos do mirone.

O rapaz dos Três Lencinhos saltou abaixo da macieira. E confuso pelos tremores das prendinhas e pelos temores dos cascarrolhos, continuou a vaguear pelas margens do Noro, sem saber lá muito bem porque se via à nora com a turbulência da sua cabeça e o galopar do seu coração.

Bem gostaria de ter um casaco par vestir no domingo e levá-lo à missa. E se ao menos o casaco tivesse três bolsinhos!...

Bem, mesmo com um só, talvez até fosse possível pôr lá os três lencinhos, nem que fosse só a ver-se o biquinho de cada um.

O amor não escolhe idade!

 
 
 
Tupamaro

 

 

Sobre mim

foto do autor

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

 

 

15-anos

Links

As minhas páginas e blogs

  •  
  • FOTOGRAFIA

  •  
  • Flavienses Ilustres

  •  
  • Animação Sociocultural

  •  
  • Cidade de Chaves

  •  
  • De interesse

  •  
  • GALEGOS

  •  
  • Imprensa

  •  
  • Aldeias de Barroso

  •  
  • Páginas e Blogs

    A

    B

    C

    D

    E

    F

    G

    H

    I

    J

    L

    M

    N

    O

    P

    Q

    R

    S

    T

    U

    V

    X

    Z

    capa-livro-p-blog blog-logo

    Comentários recentes

    • Anónimo

      aldeia mais linda portugal

    • Anónimo

      Felizes são vocês , da minha sempre querida Chaves...

    • Fer.Ribeiro

      Obrigado pelo seu comentário, de facto o Barroso é...

    • Fer.Ribeiro

      A história da nossa cidade de Chaves é muito simpl...

    • Bete do Intercambiando

      Mil desculpas pelo erro. Depois que enviei a mensa...

    FB