Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

CHAVES

Olhares sobre o "Reino Maravilhoso"

07
Mar10

Chaves - Não há sabores e saberes sem valores

 

.

 

Pelos caminhos e apostas que se vão fazendo por aqui (concelho de Chaves) não sei como será o futuro desta terra. Ao longo das últimas dezenas de anos, Chaves foi perdendo a sua importância estratégica, não só geograficamente bem localizada como uma cidade de fronteira onde comercial e militarmente marcava pontos, mas também como o centro, também comercial, de serviços, de saúde e de ensino de uma região que englobava quase todos os concelhos vizinhos, principalmente o de Boticas, Valpaços, Montalegre, Vila Pouca, Vinhais e Ribeira de Pena.

.

 

.

Más apostas do passado, a abolição das fronteiras, o despertar e aproveitamento de oportunidades dos concelhos vizinhos, o acordar de Vila Real ao valer-se de ser capital do distrito e o desprezo de Lisboa pelo interior aliado ao centralismo dos últimos anos, sem esquecer o factor importante da emigração que iniciou o despovoamento do meio rural, fazem com que Chaves, cada vez mais, vá perdendo a sua importância como cidade e como “líder” de uma região. Como flaviense, custa escrever estas palavras e descer à realidade, mas convém não andarmos iludidos.

.

 

.

Embora a verdade custe, tem que se enfrentar, e se por uma lado Chaves tem perdido a sua importância devido a machadas que nos são dirigidas do exterior e das capitais do poder, também nós não temos sabido reagir às agressões externas, por sujeição, apatia e conformismo do povo mas também pela classe e qualidade política que temos tido nos detentores do poder e oposições dos poderes locais, que entre devaneios, lutas por alcançar e garantir o poder, incompetências e pouca visão, se têm limitado e gerir e copiar sem saber inovar, reivindicar e afirmar-se como o centro sustentável de uma pequena região. Aliás o problema de Chaves sempre esteve na sustentabilidade das suas políticas, ao apostar em projectos sem sustentabilidade e sempre dependentes de investimentos do exterior ou do estado, não sabendo impor-se e desprezando mesmo aquilo que é nosso e temos de bom.

.

 

.

Não sou iluminado nem político, nem especialista em nada. Sou apenas um cidadão comum que teve a felicidade e infelicidade de ter nascido em Chaves, a felicidade e infelicidade de gostar de Chaves, a felicidade e infelicidade de aqui ter constituído família e a felicidade e infelicidade de manter-me na terra que me viu nascer. Não sou pecador por isso, por ser resistente e não ter ousado partir. Fiquei e assumo que fiquei, por isso não é demais querer mais para Chaves e sofrer ao ver como Chaves se perde sem políticas sustentáveis de futuro, quando por cá, temos tudo para nos podermos afirmar com o que temos de bom, que desprezamos e que muitos gostariam de ter e não têm.

.

 

.

Há quem diga que nos falta o mar… pois falta e desiludam-se que tão cedo também não o vamos ter. Mas temos montanhas e vales, rios e riachos, florestas e terras de cultivo, muita natureza, usos e costumes, hospitalidade, couves, batatas e grelos, artistas,poetas e músicos, história milenária, o dom da água quente e, sobretudo, uma boa mesa que se pode acompanhar com bons vinhos também nossos (assim os façam e saibam fazer) e um dom natural para o despertar, mas também para convívio com a noite, sem esquecer o clima, diversificado e para todos os gostos…

.

 

.

História, cultura, natureza, arte, vales e montanhas, clima, usos e tradições, gastronomia, hospitalidade e a genuinidade de um povo nos seus usos e costumes por aproveitar, em suma, os sabores, valores que são valeres para nos podermos afirmar, com coisas simples, genuínas, sem sonhos, devaneios e imitações. Afinal basta assumi-nos como somos e com o que temos para podermos ser alguém, basta aproveitar os nossos recursos, a nossa gente, sem pavões, políticos e politiquices que apenas anseiam o poder e não conseguem olhar para além do seu umbigo com a única preocupação (e se não é,  parece) de garantir egoistamente o seu bem estar e o futuro e da sua tribo restrita apenas a alguns seguidores. Chaves é de Chaves e de todos os flavienses, não é apenas de meia dúzia de políticos e pavões que ditam e fazem de Chaves o que querem e que por incompetência e/ou interesses, se estão a marimbar e a desprezar um futuro sustentável para a cidade e o concelho de Chaves.

Hoje em imagem, deixo-vos instrumentos de um povo que também se vão perdendo sem haver qualquer interesse manifesto em preservá-los cá para testemunharem a história e estória de um povo que fez deles o seu sustento durante décadas e que com eles conseguiram o dinheiro para educar (alguns) filhos ingratos … até parece que por aí, há, quem tenha vergonha do berço…

 

E termino com uma imagem onde está uma vestimenta que muitas vezes deveria ser usada em vez de uma gravata.

.

.

Moral do post: De nada valem os sabores e saberes de uma terra se não houver valores!

 

Adenda à moral do post: … e verdade!

 

Desculpas: Para Mairos e Dorna, a quem roubei as imagens das coisas de um passado e valores que preservam.

 

 

 

Sobre mim

foto do autor

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

 

 

15-anos

Links

As minhas páginas e blogs

  •  
  • FOTOGRAFIA

  •  
  • Flavienses Ilustres

  •  
  • Animação Sociocultural

  •  
  • Cidade de Chaves

  •  
  • De interesse

  •  
  • GALEGOS

  •  
  • Imprensa

  •  
  • Aldeias de Barroso

  •  
  • Páginas e Blogs

    A

    B

    C

    D

    E

    F

    G

    H

    I

    J

    L

    M

    N

    O

    P

    Q

    R

    S

    T

    U

    V

    X

    Z

    capa-livro-p-blog blog-logo

    Comentários recentes

    • Anónimo

      aldeia mais linda portugal

    • Anónimo

      Felizes são vocês , da minha sempre querida Chaves...

    • Fer.Ribeiro

      Obrigado pelo seu comentário, de facto o Barroso é...

    • Fer.Ribeiro

      A história da nossa cidade de Chaves é muito simpl...

    • Bete do Intercambiando

      Mil desculpas pelo erro. Depois que enviei a mensa...

    FB