Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

CHAVES

Olhares sobre o "Reino Maravilhoso"

21
Abr10

Rua Verde - Chaves - Portugal

 

.

 

O relógio de sol despertou-me a atenção. Nunca o tinha visto antes, nem sei se por lá está poisado há muito tempo. Se calha sempre lá esteve. Seja como for, só agora o descobri, aliás nesta cidade se passearmos por ela com espírito de descoberta, uma rua, por mais pequena que seja, pode-se tornar numa grande viagem de descobertas.

 

.

.

 

Aproveitei a boleia da descoberta do relógio de sol e antes de encartar a máquina fotográfica, resolvi deitar um olhar mais atento à Rua Verde, não por desconhecê-la, aliás faz parte mesmo das vistas e das passagens do meu quotidiano, mas raramente entro por ela adentro e no entanto, é uma das ruas mais interessantes de Chaves, embora o contrário também seja verdade quer por falta de movimento e de vida na rua, quer por falta de motivos (lojas/comércio) contando ainda que metade dela está em ruínas, mas parece começar a compor-se, principalmente com a última recuperação que se fez na rua, é convidativo a que novas recuperações aconteçam.

 

.

.

 

Depois de ter deitado um olho à fonte, lindíssima por sinal mas que lhe falta o encanto da água a correr da bica e os cântaros a encher, e depois de um olho que sempre deito à varanda que sempre nos sorri por trás da fonte, estava eu em plena contemplação de apanha de sol da família ou colónia de gatos que habitam o casario abandonado quando recebi o convite ou a provocação de entrar na frutaria para ver as coisas bonitas que tinha lá dentro. Não me fiz rogado, entrei …

 

.

.

 

Eia lá, afinal aquilo não é só fruta, é mais um arsenal completo que faz feliz qualquer cozinha flaviense ou transmontana para confecionar meia dúzia ou até dúzia inteira de dietas, onde nem sequer falta o milagre dos temperos a almotolia e o pote…sem esquecer que à porta estão os grelos e as couves. Digamos que se tivesse de fazer um sacrifício, até nem me importava de ficar lá fechado uns dias…

 

.

.

 

Pormenores fechados e longe do olhar passante e distraído. Passo a esta porta há anos, muitos mesmo. Estou habituado a ver a fruta à porta acompanhada do cumprimento da rapariga do meu tempo de liceu, não recordo se algum dia ali comprei alguma fruta ou hortaliça e não fosse eu estar em contemplação dos gatos da Rua Verde e o convite para entrar e eu teria perdido o regalo de ver tanta coisa boa junta, pena que não tenha visibilidade da rua e que muitas pessoas, principalmente quem nos visita, não descubra estes pequenos tesouros do comércio tradicional e das coisas boas que temos e se fazem cá.

 

.

.

 

Penso, aliás sempre pensei, que vale a pena andar com olhos de ver pelas nossa ruas, pena é os afazeres muitas vezes não nos permitirem estes devaneios de apreciação e a rotina serem o único caminho que os nossos passos conhecem e caminham. Às vezes, bastam dois ou três minutos e um pormenor enriquece-nos o dia.

 

.

.

 

Depois da descoberta, dos agradecimentos e da despedida ainda tentei olhar para o relógio de sol para ver as horas mas, pela cara do Padre Marcelino, entendi logo que estava na hora de circular e dar corda aos sapatos.

Sobre mim

foto do autor

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

 

 

15-anos

Links

As minhas páginas e blogs

  •  
  • FOTOGRAFIA

  •  
  • Flavienses Ilustres

  •  
  • Animação Sociocultural

  •  
  • Cidade de Chaves

  •  
  • De interesse

  •  
  • GALEGOS

  •  
  • Imprensa

  •  
  • Aldeias de Barroso

  •  
  • Páginas e Blogs

    A

    B

    C

    D

    E

    F

    G

    H

    I

    J

    L

    M

    N

    O

    P

    Q

    R

    S

    T

    U

    V

    X

    Z

    capa-livro-p-blog blog-logo

    Comentários recentes

    FB