Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

CHAVES

Olhares sobre o "Reino Maravilhoso"

07
Jun10

A Pronúncia de Chaves

 

.

 

Há uns tempos, li uma entrevista no Semanário Transmontano que continha algumas perguntas que dão que pensar. O entrevistado era o Alexandre Chaves. As tais perguntas são as seguintes:


Semanário TRANSMONTANO: Fala com sotaque porque não se consegue desenvencilhar dele ou por opção?


Alexandre Chaves: Eu falo à Chaves, não por snobismo, mas por que gosto. Foi assim que aprendi a falar.


ST: Nunca ninguém lhe chamou parolo?


AC: Sim, quando saí de Chaves fui para Braga para o Colégio Sá de Miranda e as pessoas perguntavam: de onde é que é este gajo? Tem uma postura, uma linguagem, uma maneira de se exprimir tão genuína, parolo, se quiser. E eu dizia: eu sou de Chaves. Está-me na alma, já nem sou capaz de mudar nem quero. Sinto-me bem assim.


ST: Na aldeia, fala na mesma ou ainda mais parecido com os locais?


AC: Falo na aldeia como falo com um ministro, no parlamento, como falaria com o rei, se existisse.

Fiquei impressionado com tanta insistência e preocupação sobre o sotaque de Chaves.


O que é irritante nesta questão é que ela só é posta a pessoas do interior do país, é discriminatória, e que ainda por cima é posta pelo Trasmontano. Porque não creio que haja um jornalista que faça este tipo de perguntas a personalidades de Lisboa. Já imaginaram o que seria perguntar "Fala com sotaque lisboeta, não se acha parolo?". Ninguém se lembraria de perguntar isto porque estamos constantemente a ouvir essas pessoas (artistas, políticos, etc), seja na tv ou no rádio, a usar o sotaque lisboeta, naturalmente. Porque é que usar o sotaque de Chaves é parolo e o lisboeta não? Talvez porque o sotaque flaviense denuncia que somos do interior obscuro enquanto o lisboeta reforça a ideia (muitas vezes errada) de que são meninos finos da capital. Porque sotaque por sotaque, o de Chaves é mais correcto do que o lisboeta, disso não tenho dúvidas. Os lisboetas, ou lesvoetas (como escreve um castiço bloguer da nossa região), não sabem pronunciar bem louco, dizem lôco, e eu acho isso muito pôco certo. Em Chaves pronunciam-se muito bem as palavras, os V's são ditos discretamente, não são V's vindicativos, vaidosos, e exageradamente sibilantes, como os de Lisboa; no resto também somos bastante correctos, imagino que tenhamos uma das dicções mais correctas e perceptíveis do país. Diz-se que a pronúncia mais correcta é a de Coimbra, embora essa também tenha incorrecções. Mas se é essa a correcta, porque é que um flaviense, ou um lisboeta, se deve esforçar por falar à Coimbra? Eu não acharia normal que um alentejano me aparecesse à frente com sotaque coimbrão, julgaria isso uma estupidez.


Levando a teoria do Transmontano (sobre o bem pronunciar) ao extremo prova-se como ela é ridícula:


Suponhamos que o Transmontano tem a oportunidade de entrevistar o presidente do Brasil, Lula da Silva. Imagina-se que as primeiras perguntas vão ser: Fala com sotaque brasileiro porque não se consegue desenvencilhar dele ou por opção? Nunca ninguém lhe chamou parolo? Porque é que não fala com sotaque de Coimbra?


Imagino que o Lula só pudesse pensar qualquer coisa como a seguinte: "Esti cara tá fodjido da cábeça!".
Não acredito que um galego, ou um catalão, se considere parolo por não ter pronúncia de Madrid. Ou que haja alguém em Nova Iorque que tenha complexos por não falar como os de Washington. Parece-me um problema para provincianos estúpidos e que não têm muito em que pensar.


Para dar um contra-exemplo local, vamos examinar o flaviense menos parolo de todos, aquele que tem mais classe, o qual todas as pessoas respeitam. Para mim o flaviense com mais classe é o Nadir Afonso. Pensavam que era o presidente da câmara? Não! Porra, esse é vaidoso, põe-se em bicos de pés quando fala, usa sempre o discurso chato e palavroso à lá político, e não tem muita pinta, pois não? Mas o Nadir tem muita classe, correu o mundo, trabalhou com os melhores arquitectos, e é um grande pintor. Para além disso, fala com naturalidade, directo ao assunto, não precisa de grandes palavras para sobressair porque é inteligente, a sua conversa é sempre interessante, sem pretensões, e apimentada por um sentido de humor brilhante. É isto tudo que lhe dá grande elegância e classe, e o faz uma pessoa cativante. E agora, pergunto eu: qual é o sotaque que o Nadir (um senhor que passou muitos anos fora de Chaves, julgo que actualmente vive em Cascais, o que lhe poderia servir de desculpa para não falar à Chaves) usa? É o sotaque flaviense, mas cerrado! Agora, vão perguntar ao Nadir se se acha parolo. Quero ver.


Que tipo de perguntas vai o Transmontano fazer a seguir? Imagino coisas como: Come presunto de Chaves, não se acha parolo? ou Prefere mesmo a linguiça caseira à salsicha da Nobre, não se acha parolo?


Haja orgulho em ser de Chaves. Quem é de Chaves fala à Chaves, não temos nada que ter vergonha de falar assim, antes pelo contrário, muito pior estão os lesvoetas e os açorianos! E os meninos de Braga, que chateavam o Alexandre, também não se podem rir muito, que fiquem eles lá com o sarrabulho minhoto, que nós temos o nosso e até é bem melhor.


A discriminação do Transmontano é tão pedante que chega a perguntar ao Alexandre se vai para a aldeia fingir um sotaque aldeão, que fica subentendido como ainda mais parolo. Perguntas interessantes não fazeis vós, seus totós, sobre a desertificação nem se pergunta.

 

Adiante.

P.S. O Transmontano acusa, esta semana, a câmara por ter votado ao esquecimento o pintor João Vieira. Isso é muito cínico num jornal que deveria servir para divulgar a cultura, como os outros, mas que nunca fez nada pela obra do Vieira, nem sequer deu a notícia da sua morte, como já referi antes.

 

Até à próxima segunda.

Sobre mim

foto do autor

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

 

 

15-anos

Links

As minhas páginas e blogs

  •  
  • FOTOGRAFIA

  •  
  • Flavienses Ilustres

  •  
  • Animação Sociocultural

  •  
  • Cidade de Chaves

  •  
  • De interesse

  •  
  • GALEGOS

  •  
  • Imprensa

  •  
  • Aldeias de Barroso

  •  
  • Páginas e Blogs

    A

    B

    C

    D

    E

    F

    G

    H

    I

    J

    L

    M

    N

    O

    P

    Q

    R

    S

    T

    U

    V

    X

    Z

    capa-livro-p-blog blog-logo

    Comentários recentes

    FB