Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

CHAVES

Olhares sobre o "Reino Maravilhoso"

30
Jul10

Discursos Sobre Outras Cidades - Domingo em Santo Domingo

 

 Fotografia e texto de Blog da Rua Nove 

 

DOMINGO EM SANTO DOMINGO

 

Doña Consuelo alongava o seu olhar pelo intenso azul-larimar do céu. Por entre o aroma fresco que as chuvas da noite haviam deixado nas buganvíleas e azáleas, a cidade velha descia para a embocadura do Ozama, castanho e turvo das águas terrosas que trazia das montanhas e planaltos. Toda as pequenas vagas da marginal estavam assim manchadas, parecendo as palmeiras estar plantadas sobre uma líquida e espumosa ondulação de cacau. Só ao longe o azul-turquesa do mar se deixava ver. Uma finíssima linha, mais parecendo lápis-lazúli que azul turquesa, debruando toda a imensidão daquele larimar que se lhe sobrepunha.

 

Com um lenço leve e transparente protegendo os rolos que lhe moldavam o cabelo rebelde, deixava que a aragem matinal entrasse pelas janelas e a envolvesse. Ajoelhada perante uma imagem em madeira da Sagrada Família, deixava também que as primeiras orações do dia se misturassem com as promessas do novo novio. Promessas de salsa e merengue no fim de tarde daquele domingo, prolongando-se fora de casa até ao luar da meia-noite. A oração era um movimento de lábios encobrindo ritmos salseros. Sabia que apenas na missa da sé a sua fé não se distrairia.

 

Caminhou até à catedral para a missa da manhã, ignorando as mulheres que cedo se ofereciam nas transversais da Calle del Conde e o olhar guloso dos homens que pacientemente se sentavam à sombra, nas esplanadas do Parque Colón. A igreja estava já repleta, a missa sabia-se longa. Seria pela remissão dos pecados, pelo perdão de pensamentos e tentações. Alinhadas junto das colunas quinhentistas, as esguias ventoinhas verde-esmeralda traziam o ambiente dos trópicos para o cerimonial. Em tudo mais se mantinha a ortodoxa dignidade católica do velho mundo.

 

Compenetrada nas suas orações, doña Consuelo em nada mais pensava, nada mais imaginava. Não imaginava o sorriso, que era um esgar, da escanzelada mulata de meia-idade oferecendo-se por míseras centenas de pesos à porta da sé. Nem os candongueiros que se movimentavam na Calle Padre Billini, oferecendo charutos artesanais e câmbios ilegais. Nem o olhar do novio, que entretanto chegara à esplanada do parque, envolvendo uma espanhola, alta, morena e cheia de curvas, sentada duas mesas mais à frente. Nem a inquietação da espanhola. Nem a conversa entre os dois. Nem a mútua promessa de se encontrarem no Malecón ao princípio da noite. Nem a posterior ansiedade da espanhola, retocando incessantemente a maquilhagem para disfarçar a  barba que despontava.

 

                    

 

Sobre mim

foto do autor

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

 

 

15-anos

Links

As minhas páginas e blogs

  •  
  • FOTOGRAFIA

  •  
  • Flavienses Ilustres

  •  
  • Animação Sociocultural

  •  
  • Cidade de Chaves

  •  
  • De interesse

  •  
  • GALEGOS

  •  
  • Imprensa

  •  
  • Aldeias de Barroso

  •  
  • Páginas e Blogs

    A

    B

    C

    D

    E

    F

    G

    H

    I

    J

    L

    M

    N

    O

    P

    Q

    R

    S

    T

    U

    V

    X

    Z

    capa-livro-p-blog blog-logo

    Comentários recentes

    • Anónimo

      aldeia mais linda portugal

    • Anónimo

      Felizes são vocês , da minha sempre querida Chaves...

    • Fer.Ribeiro

      Obrigado pelo seu comentário, de facto o Barroso é...

    • Fer.Ribeiro

      A história da nossa cidade de Chaves é muito simpl...

    • Bete do Intercambiando

      Mil desculpas pelo erro. Depois que enviei a mensa...

    FB