Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

CHAVES

Olhares sobre o "Reino Maravilhoso"

20
Ago10

Discursos Sobre a Cidade - Por José Carlos Barros

.

Chegávamos a Chaves

um texto de José Carlos Barros


 

Esbateram-se (e acentuaram-se) as diferenças entre o rural e o urbano. Acentuaram-se – nessa progressiva concentração de meios e infraestruturas nas vilas e cidades simultânea ao abandono dos campos: de um lado os centros escolares com inglês, magalhães e ginásios; do outro os incêndios, as barragens, as escolas fechadas e os muros derruídos do antigo cadastro. Esbateram-se – porque a  vulgarização do automóvel, a internet, a parabólica e o telemóvel acabaram por instituir espaços de contiguidade, difusos, que ligam tudo e tudo misturam à mor dessa máquina abstracta, intangível, que põe em comunicação um com todos e desmoronou as linhas antigas de fronteira.


{«Internet e Matrecos»n – lê-se no toldo exterior de um bar de Boticas. E a legenda é um programa sem necessidade de legenda.}


Chaves, num determinado tempo, era o centro bem demarcado de um amplo território rural que aí procurava um filme de cinema, o glamour de um bar a desoras, o ensino, a loja de comércio quase-o-hipermercado de hoje, as sanjo, as lois em vez das luis ou louis das feiras, um baile com orquestra, a confeitaria, o especialista dos olhos, o automóvel da sotrans, a dúzia de pastéis para oferecer a um amigo de Lisboa.


{As mesas e cadeiras subtraídas à esplanada do Aurora, numa tarde épica, e que durante tantos anos ficaram como elementos centrais do Sumol do Guilhermino, em Boticas, pouco significariam, desse ponto de vista simbólico, se não viessem de Chaves – e as trouxessem, com a mesma estrangeirinha armada, é um supor, de Viveiro ou Cerdedo.}


Era assim, na minha infância e juventude, que víamos a cidade de Chaves. E, olhando agora à distância, ocorre-me que nada talvez representasse tão bem essa separação de usos, funções, símbolos, como a camioneta da carreira. Porque a camioneta da carreira, sobretudo num tempo em que o transporte individual não se tinha generalizado, fazia esse caminho de ligação entre dois mundos. Um dos percursos começava nas Alturas do Barroso, madrugada adentro, com paragens na Atilhó e nas Lavradas, em Carvalhelhos, nas Quintas, e depois no Largo do Toural das Boticas, mais demorada esta, com pretexto para se beber um copo no Mil & Dez; e seguia então, com novas recolhas de passageiros na Granja, em Sapiãos, Bobadela, Casas Novas, Curalha – chegando-se enfim à cidade de Chaves.


Nós todos os da camioneta da carreira, nós os rurais das chegas de bois e dos lameiros de lima, chegávamos assim, enfim, ao glamour do Aurora e à impressionante estanteria do Silva Mocho; chegávamos a Chaves como se, de facto, chegássemos a um outro lugarum outro lugar que já não existe.

 

 


 

20
Ago10

Pormenores da Madalena

 

.

 

Hoje é dia de mais um Discurso Sobre a Cidade, mas enquanto o mesmo não acontece, vamos aos pormenores das nossas obras de arte, já seculares. Esta, acontece todos os dias na Madalena, em Chaves e para a apreciar, basta seleccionar o olhar, onde outros olhares selectivos podem acontecer, dezenas deles, num autêntico museu de arte da pedra, ao ar livre, basta parar um pouco e apreciar com atenção a Igreja de S. João de Deus.

 

 

.

Sobre mim

foto do autor

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

 

 

15-anos

Links

As minhas páginas e blogs

  •  
  • FOTOGRAFIA

  •  
  • Flavienses Ilustres

  •  
  • Animação Sociocultural

  •  
  • Cidade de Chaves

  •  
  • De interesse

  •  
  • GALEGOS

  •  
  • Imprensa

  •  
  • Aldeias de Barroso

  •  
  • Páginas e Blogs

    A

    B

    C

    D

    E

    F

    G

    H

    I

    J

    L

    M

    N

    O

    P

    Q

    R

    S

    T

    U

    V

    X

    Z

    capa-livro-p-blog blog-logo

    Comentários recentes

    • Anónimo

      aldeia mais linda portugal

    • Anónimo

      Felizes são vocês , da minha sempre querida Chaves...

    • Fer.Ribeiro

      Obrigado pelo seu comentário, de facto o Barroso é...

    • Fer.Ribeiro

      A história da nossa cidade de Chaves é muito simpl...

    • Bete do Intercambiando

      Mil desculpas pelo erro. Depois que enviei a mensa...

    FB