Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

CHAVES

Olhares sobre o "Reino Maravilhoso"

16
Jun14

Quem conta um ponto...

 

194 - Pérolas e diamantes: o madeiro da política

 

Com tristeza o digo, até porque foi tarde que o percebi: os flavienses possuem uma genuína vocação para se digladiarem. Deve ser o nosso destino de perdedores que apenas perdem porque se abocanham uns aos outros, ao passo que os outros, sempre unidos, batem em nós com vergastas lisas e verdes, explicando, e sorrindo entre dentes, que nos estão a libertar a pele de impurezas.

 

Já houve períodos em que a cidade possuiu as cores da vida e o fulgor do desenvolvimento. Agora a luz que brilha é apenas a do entardecer. O futuro radioso já não existe. Se calhar nunca existiu. Sobretudo porque deixámos de acreditar nele.

 

O ciclo autárquico do PSD de Chaves começou por tentar refazer a realidade de uma cidade que começava a definhar. E, de mistificação em mistificação, levou-nos, em via-sacra, até à atual situação de descalabro financeiro.

 

De importante já nada possuímos por inteiro. Apenas alguma réstia de dignidade, mesmo que angustiada. E mesmo essa já teve melhores dias.

 

A vida da nossa cidade foi sempre aquela que nos contaram. Agora vemo-la ao espelho e não a reconhecemos. Nem a ela, nem a nós. Apenas nos fica o escorrer das horas amargas porque passamos. E os doze anos de dissimulações, mentiras e omissões.

 

A farsa continua.

 

É verdade que em plena campanha eleitoral, a máquina eleitoral do PSD nos caiu em cima e nos pregou uma boa sova. Mas nós também lhe aplicámos alguns ganchos de esquerda e de direita, para não se ficarem a rir. 

 

Olhando agora para o lado da oposição tradicional ficámos com a imagem de frangos de cabeça baixa dando bicadas entre si, momentos antes de lhes torcerem o pescoço. Foi esse equívoco que o povo de Chaves puniu.

 

Na política, a oposição corrige a honestidade, no poder agrava-a.

 

A prática política local entre o PSD e o PS faz lembrar aquelas pessoas que vão aos bailes e comentam enquanto batem com as taças de champanhe umas nas outras: “Afinal não é preciso ter as mesmas ideias para se dançar o tango.”

 

Aprendi com Machado de Assis que, como diz o provérbio, não é a ocasião que faz o ladrão, mas sim que a ocasião faz o furto. O ladrão nasce feito.

 

A mistificação, e a encenação política, de António Cabeleira e, por que não dizê-lo com frontalidade, de João Neves, fazem lembrar a Cabocla do Castelo, identificada pelo Mestre Assis em Esaú e Jacó, que afirmava adivinhar tudo o que era e o que viria a ser, conhecendo até o número da sorte grande, só não o dizendo nem comprando o bilhete para não roubar os escolhidos de Nosso Senhor.

 

Relativamente a João Batista, o cargo de Secretário da CIM até que não lhe cai mal. Ele é um homem simpático. Sempre foi. A agitação do poder até lhe retirou alguma gravidade. Quieto não fica nada mal.

 

Além disso, como leitor de Machado de Assis, aprendeu com o médico e político José da Costa Marcondes Aires, que nas controvérsias uma opinião dúbia ou média pode trazer a oportunidade de uma pílula, pois compunha-as de tal modo que o enfermo, se não sarava, não morria, que era, como todos sabemos, o que naquele tempo faziam as pílulas.

 

Já os estou a ouvir comentar como o amigo do Rubião que isto da política pode ser comparado à paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo; pois por aqui não falta nada, “nem o discípulo que nega, nem o discípulo que vende. Coroa de espinhos, bofetadas, madeiro, e afinal morre-se na cruz das ideias, pregado pelos cravos da inveja, da calúnia e da ingratidão…”

 

João Madureira

 

 

16
Jun14

Pecados e picardias

 

Freiras

 

Podes ir ter comigo às Freiras?

Podemos  andar a conversar sem dar pelo tempo,

Talvez até sentar-nos se houver um banco

Vago…

 

Vai ter comigo às Freiras,

Encontramo-nos lá com o resto da malta

E combinamos o que levar, lá vemos o que nos falta

Se nos faltar…

 

Vou então ter contigo às Freiras

Damos lá as nossas voltas do costume

Vais ver como esqueces esse azedume

A passear no jardim…

 

 

Sabes quem vi nas freiras?

Sim, todos  eles, estavam numa galhofa pegada

Ó tempo…Memórias  de nós até de madrugada

Depois do luar…

 

Podemos encontrar-nos nas freiras?

Lógico, não há melhor para poder  divagar

Enquanto vamos no caminho podemos meditar

No assunto…

 

Vais logo às freiras?

Já não…

 

Isabel Seixas

 

 

Sobre mim

foto do autor

320-meokanal 895607.jpg

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

 

 

Links

As minhas páginas e blogs

  •  
  • FOTOGRAFIA

  •  
  • Flavienses Ilustres

  •  
  • Animação Sociocultural

  •  
  • Cidade de Chaves

  •  
  • De interesse

  •  
  • GALEGOS

  •  
  • Imprensa

  •  
  • Aldeias de Barroso

  •  
  • Páginas e Blogs

    A

    B

    C

    D

    E

    F

    G

    H

    I

    J

    L

    M

    N

    O

    P

    Q

    R

    S

    T

    U

    V

    X

    Z

    capa-livro-p-blog blog-logo

    Comentários recentes

    • Anónimo

      Assisti a construção das aldeias de Criande e Alde...

    • Cláudia Luís

      Ola bom dia gostaria de saber a morada e o contato...

    • Amiel Bragança

      Com um Abraço votos de Santa Páscoa.Amiel Bragança

    • Anónimo

      Que bom sabermos particularidades da vida de um gr...

    • Fer.Ribeiro

      Obrigado pelo comentário. Em relação ao Chaves Ant...

    FB