Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

CHAVES

Olhares sobre o "Reino Maravilhoso"

23
Jun14

Quem conta um ponto...

 

195 - Pérolas e diamantes: sinais

 

Foi durante a campanha eleitoral para as eleições europeias que me apercebi de que não existe debate político, nem ideológico, em Portugal. Daí os resultados.

 

A seriedade não quer nada com a política.

 

Do lado do PS apenas vemos que continua a hastear a bandeira do Estado Social. O que não é mal nenhum, só que é muito pouco para perspetivar o futuro.

 

Já o PSD insiste em emagrecer o Estado. Só que o Estado já não tem por onde emagrecer. O Estado é só pele e osso.

 

Durante os últimos três anos assistiu-se a uma quebra abrupta do nível de vida dos portugueses. O senhor primeiro-ministro convenceu-se, e tentou convencer-nos, que os portugueses teriam apenas de substituir quinze dias de férias nas Baleares por uma semana no Algarve e o bife dia sim, dia não, por uma costeleta de porco aos domingos. Mas a pobreza que emergiu com a austeridade do governo PSD/CDS é muito mais grave e profunda. E até muito mais perigosa, por ser menos visível.

 

Agora acenam-nos com o fim da crise, porque a troika foi embora. Mas a má notícia é que ficámos com o país de pantanas.

 

Subiram os impostos, a gasolina, a água, o vinho, a luz, o pão, a sardinha, a febra, o bife, os telefones, as portagens, as rendas de casa, etc.

 

Apenas uma coisa desceu, e muito, os ordenados. Não tarda nada, o governo, para tapar mais um buraco orçamental, taxará o ar que respiramos e o sol que tomamos ao domingo, quando espreita.

 

Este governo de má memória parece que tem prazer em aparecer aos olhos dos portugueses carregado de hostilidade, sobretudo para com os pensionistas e os funcionários públicos.

 

A governação resume-se cada vez mais à arte de “aparecer”. O fazer é o que menos importa. Este governo demonstrou que além de ser constituído por políticos fracos, é um alfobre de “rapazes” incompetentes, produzidos pelas máquinas partidárias ou trazidos dos bancos das universidades privadas e dos grupos económicos.

 

Quem manda em Portugal já nem sequer são os políticos. São os banqueiros.

 

O nosso parlamento é cada vez mais entendido como um corpo inútil. E por detrás de toda esta crise do Estado persiste o modo como os partidos políticos se movem entre o poder local e o poder nacional.

 

São evidentes os sinais de crise do regime democrático. O tráfico de influências e lugares, o nepotismo e a corrupção no interior dos partidos vai corroendo a já pouca confiança que ainda poderão inspirar.

 

Se a tudo isto juntarmos a crise na justiça, a crise da representação partidária e a subordinação do poder político ao poder económico, ficam desta forma definidos os principais fatores da crise do regime.

 

A prostituição dos corpos e dos espíritos, a mesquinhez e o salve-se quem puder cresce dia a dia. Basta ler os jornais para disso nos apercebermos.

 

A fome é grande, os bens escassos e os empregos desaparecem todos os dias. O reino das cunhas mantém-se incólume. Daí resultando a obediência cega, o silêncio temerário e a “gestão individual da carreira”.

 

As oligarquias partidárias continuam submissas aos grandes interesses, ao tráfico de influências, à corrupção. É normal escutarmos, em relação aos políticos, a expressão: “São todos uns ladrões.”

 

Infelizmente, os portugueses pouco mais são do que um pano de fundo, em toda esta crise. E os de sempre continuam a jogar o seu jogo simples: manobrando quem tem poder ou quem poderá vir a tê-lo, quem ganha poder hoje para ser apoiado amanhã, quem sobe e quem desce, quem come e quem é comido.

 

Por isso é que o povo continua a votar em autarcas demagogos e naqueles que numa dezena de anos endividaram as câmaras até ao limiar da bancarrota.

 

E o mais triste de tudo é que o patriotismo dos portugueses se resume apenas ao futebol.

 

João Madureira

 

23
Jun14

De regresso à cidade, depois de uma procissão e um jogo da bola com os americanos

 

Na minha habitual visita dominical de fim de tarde à cidade deparei-me com um movimento estranho ali para os lados da Madalena e Jardim Público. Para uma cidade onde aos Domingos geralmente nada acontece, ali havia coisa… e havia sim senhor – uma missa campal a celebrar o Corpo de Deus, que manda a tradição religiosa ser feriado nacional na quinta-feira a seguir ao Domingo da Pentecostes, 60 dias após a páscoa, mas que os hereges dos nossos governantes disseram que não senhor, que este povo o que tem é de trabalhar, mesmo em dia santo, que esta coisa das tradições não dá dinheiro para os gajos que lhes garantem o poleiro. Mas se a Igreja amouxou e disse que sim senhor, quem sou eu para vir para aqui com este paleio, ainda para mais, que embora católico com catequese, comunhões e crisma (com chapada do bispo e tudo), não sou lá muito de ir à missa e muito menos ajoelhar ao passar da procissão, mas gosto de as ver passar e até com todo o respeito, nem que seja pelo respeito àqueles que têm mesmo respeito a sério e fé, que não há coisa mais bonita que isso – acreditar em qualquer coisa…

 

 

Pois já que lá estava aproveitei para fazer alguns registos fotográficos que a dado tempo me dei conta de repetidamente serem iguais aos dos anos anteriores, quando neste dia da procissão sou sempre surpreendido com ela, mas já que lá estava… e claro, neste dia, também não sei porque, repetidamente tomo uma foto à ponte romana, mais ou menos do mesmo local, mas aqui, de ano para ano, sou surpreendido com diversas condições meteorológicas, queria eu dizer diferentes , o que fazem com que o boneco também seja ligeiramente diferente e às vezes com algum interesse acrescentado. E prontos (sei que há muitos que se irritam com o prontos, mas eu gosto), é assim que regresso de novo à cidade e já a saber que Portugal, depois de terem levado no corpo dos alemães, agora com os americanos já reservou o bilhete de regresso à terrinha, pois só um milagre os salvará, mas com os hereges de Lisboa a tirar a santidade aos dias santos, duvido que haja milagre. E com esta me vou!

 

 

Sobre mim

foto do autor

320-meokanal 895607.jpg

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

 

 

Links

As minhas páginas e blogs

  •  
  • FOTOGRAFIA

  •  
  • Flavienses Ilustres

  •  
  • Animação Sociocultural

  •  
  • Cidade de Chaves

  •  
  • De interesse

  •  
  • GALEGOS

  •  
  • Imprensa

  •  
  • Aldeias de Barroso

  •  
  • Páginas e Blogs

    A

    B

    C

    D

    E

    F

    G

    H

    I

    J

    L

    M

    N

    O

    P

    Q

    R

    S

    T

    U

    V

    X

    Z

    capa-livro-p-blog blog-logo

    Comentários recentes

    • Anónimo

      Assisti a construção das aldeias de Criande e Alde...

    • Cláudia Luís

      Ola bom dia gostaria de saber a morada e o contato...

    • Amiel Bragança

      Com um Abraço votos de Santa Páscoa.Amiel Bragança

    • Anónimo

      Que bom sabermos particularidades da vida de um gr...

    • Fer.Ribeiro

      Obrigado pelo comentário. Em relação ao Chaves Ant...

    FB