Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

CHAVES

Olhares sobre o "Reino Maravilhoso"

23
Ago14

Pedra de Toque - Sei de um rio, sei de um rio...

 

Sei de um rio, sei de um rio…

 

Cresci nas suas margens.

 

Nadei nas suas águas remansosas e límpidas.

 

Joguei futebol nas suas lameiras com amigos que ficaram para sempre.

 

Até piqueniquei na sombra de árvores frondosas que ladeavam sua corrente.

 

O rio era ponto de encontro nos dias tórridos que chegavam em férias de Verão.

 

 

Naveguei pela primeira vez nos barcos do Redes, nas imediações da velha Ponte Romana, quando a frescura dos fins de tarde aparecia tímida.

 

A praia dos carecas mas sobretudo a galinheira, eram as grandes piscinas naturais que o velho Tâmega proporcionava à cidade.

 

As águas que por ali corriam eram limpas e até transparentes.

 

 

Perto de um local mais fundo, os amantes dos saltos, tinham o motor e o tronco como trampolins, colocados pelas mãos da natureza e dos homens.

 

Era um prazer enorme tomar banho na galinheira, sítio que os adultos também frequentavam.

 

Mais longe, só para quem tinha transporte, o açude ao lado de Vila Verde da Raia, essencialmente aos fins-de-semana, era poiso de muita gente que à sombra de árvores degustavam merendas apetitosas e curtiam as águas do rio.

 

 

Tantos anos passados e apesar de “não se parar o progresso”, como diz um colega amigo, o rio, ora conspurcado, não permite as banhocas de antigamente nem saborear os passeios de barco nas águas amenas.

 

Ah! Até os gostosos peixinhos do rio, tantas vezes vendidos de porta a porta, já foram chão que deu uvas…

 

 

O afluente Ribelas está pestilento, mormente em alguns troços da zona nobre do Polis, e o ribeiro de São Lourenço que ladeia o Jardim Público, encontra-se praticamente invisível devido às muitas silvas e arbustos.

 

Deixo um alerta. Tenham cuidado quando passearem à noite à beira rio, junto da ponte branca. Uma boa parte dos candeeiros estão sem luz o que já originou sustos e pode motivar quedas.

 

Voltemos ao rio do meu encantamento.

 

As margens pelo Tâmega beijadas, na zona da galinheira e circundantes, eram em tempos idos convidativas para os amores que despontavam, onde os jovens apaixonados aí tantas vezes descobriam, que a curva mais bela do corpo de uma mulher, como alguém disse, é o seu sorriso.

 

Sei de um rio, sei de um rio…

 

António Roque

 

 

Sobre mim

foto do autor

320-meokanal 895607.jpg

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

 

 

Links

As minhas páginas e blogs

  •  
  • FOTOGRAFIA

  •  
  • Flavienses Ilustres

  •  
  • Animação Sociocultural

  •  
  • Cidade de Chaves

  •  
  • De interesse

  •  
  • GALEGOS

  •  
  • Imprensa

  •  
  • Aldeias de Barroso

  •  
  • Páginas e Blogs

    A

    B

    C

    D

    E

    F

    G

    H

    I

    J

    L

    M

    N

    O

    P

    Q

    R

    S

    T

    U

    V

    X

    Z

    capa-livro-p-blog blog-logo

    Comentários recentes

    • Anónimo

      Assisti a construção das aldeias de Criande e Alde...

    • Cláudia Luís

      Ola bom dia gostaria de saber a morada e o contato...

    • Amiel Bragança

      Com um Abraço votos de Santa Páscoa.Amiel Bragança

    • Anónimo

      Que bom sabermos particularidades da vida de um gr...

    • Fer.Ribeiro

      Obrigado pelo comentário. Em relação ao Chaves Ant...

    FB