Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

CHAVES

Olhares sobre o "Reino Maravilhoso"

17
Set14

Chá de Urze com Flores de Torga - 52

 

Chaves, 28 de Agosto de 1992

 

Sem forças para cumprir o costumado ritual de banhos e massagens, espero pelos companheiros, que o levam a cabo compenetradamente, entretido a ver-me espelhado nos ímpetos e desânimos dum repuxo no jardinzinho envidraçado do balneário. Entretanto, o formigueiro de aquistas movimenta-se afanosamente. É uma procissão infinda de doentes frenéticos, alguns já meus conhecidos doutros anos, que caminham curvados, a mancar, de bengala, de muletas, obesos, esqueléticos, ictéricos, cirróticos, tolhidos do reumatismo, apostados em viver, como eu, que os observo em silêncio, a perguntar porquê e para quê semelhante freima, tão obcecada e inútil repetição de curas sem cura, tanta vontade de continuar no mundo contra os ditames da natureza, quando todos sabemos que nada vale a pena, que apenas nos espera a boa aberta da sepultura. Mas somos incorrigíveis. E persistimos no absurdo, mesmo a verificar que decoramos as flores ao passar, que ridicularizamos o amor a imaginá-lo, que estreitamos de cada mirante a largueza dos panoramas.

 

Pobres humanos! Nem sequer temos a justificação dos bichos, que existem sem o saber e sofrem sem consciência. Dantes, ainda nos valia a convicção de que éramos criaturas de Deus, cumpríamos na terra os seus altos designe-os, e havia um Paraíso para os mais bem-comportados. Desgraçadamente, até essa ilusão se nos foi. Agora, é por nossa própria conta que respiramos o ar empestado do ambiente, que exibimos as mazelas, a decadência e a covardia de nos escravizarmos resignadamente ao desespero.

Miguel Torga, in Diário XVI

 

 

 

Chaves, 1 de Setembro de 1992

 

Hospitalizado de urgência. Arrefeceu, comecei a sentir falta de ar, e, às tantas, esganado, tive de me render. E aqui estou a respirar oxigénio engarrafado e a bendizer todos quantos abnegadamente procuram valer-me. A secura afectiva que estiola a nossa civilização não chegou felizmente a estas benditas terras transmontanas. Médicos, enfermeiras e simples serventes são feitos do mesmo barro quente fraterno. É no sofrimento que testamos o quilate da nossa solidão. Somos nele capazes de dispensar o amor dos outros? Eu, não. Fui sempre um homem referenciado, atido ao meu próximo. Não tenho fronteiras espirituais, mas trago gravados nos cromossomas os marcos da minha freguesia e a fisionomia dos meus conterrâneos. Criei-me a pedir a Deus no seio da família que nos livrasse dos maus vizinhos à porta, e nunca deixei de acudir aos que fui tendo pela vida fora quando os vi necessitados dos meus préstimos. E recebo a paga agora de almas irmãs, que sabem apenas de mim que tive a dita de nascer, como elas, neste mesmo chão generoso, que em todas as horas e latitudes, e de todas as maneiras, por palavras e obras, exaltei como pude, rendido à lição que desde menino aprendi, a calcorreá-lo e a meditá-lo: que nele até a própria violência é cristã.

 

Miguel Torga, in Diário XVI

 

 

 

 

Chaves, 6 de Setembro de 1992

 

Necessitava de continuar hospitalizado mais algum tempo, convalescer. Mas tenho de me pôr a caminho. Cabra manca não tem sesta, ensina o povo. E eu sou precisamente essa cabra manca, com horas marcadas de aflição. E lá vou ao encontro da festa da agonia que me espera em Coimbra.

 

Miguel Torga, in Diário XVI

 

 

Sobre mim

foto do autor

320-meokanal 895607.jpg

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

 

 

Links

As minhas páginas e blogs

  •  
  • FOTOGRAFIA

  •  
  • Flavienses Ilustres

  •  
  • Animação Sociocultural

  •  
  • Cidade de Chaves

  •  
  • De interesse

  •  
  • GALEGOS

  •  
  • Imprensa

  •  
  • Aldeias de Barroso

  •  
  • Páginas e Blogs

    A

    B

    C

    D

    E

    F

    G

    H

    I

    J

    L

    M

    N

    O

    P

    Q

    R

    S

    T

    U

    V

    X

    Z

    capa-livro-p-blog blog-logo

    Comentários recentes

    • Anónimo

      Assisti a construção das aldeias de Criande e Alde...

    • Cláudia Luís

      Ola bom dia gostaria de saber a morada e o contato...

    • Amiel Bragança

      Com um Abraço votos de Santa Páscoa.Amiel Bragança

    • Anónimo

      Que bom sabermos particularidades da vida de um gr...

    • Fer.Ribeiro

      Obrigado pelo comentário. Em relação ao Chaves Ant...

    FB