Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

CHAVES

Olhares sobre o "Reino Maravilhoso"

21
Set14

Pecados e picardias

 

Sem sombra de pecado

 

Vulgar  original

Seguimos a passo com passado

Indiferentes

A quem nos faz sinal

 

Há instantes

Compadeceu-se o velho do jornal,

Lembrou-se do que era antes

Arrependido sem ter feito nenhum mal

 

Envelheceu no tempo,  ficou escondido

À mostra, no monte dos vendavais

Sente que sobra , que já  pesa, sem obra

Sem saber como aguentar mais

 

Pior só nas noticias

Em que há mortos de repente

Talvez as últimas caricias

Sejam frio que não se sente

 

Sem sombra de pecado

Não haverá trevas

Nem um Deus que seja invocado

Nem o inferno

Precisa de chamas…

 

Isabel Seixas

 

 

21
Set14

Lamadarcos - Chaves - Portugal

 

Hoje fazemos mais uma passagem pelas nossas aldeias da raia, no presente caso vamos até Lamadarcos, antiga aldeia promíscua traçada a meio pela linha de fronteira entre Portugal e a Galiza, pelo menos até 1864 assim foi, ou seja a data em que no tratado de Lisboa se fixaram as fronteiras  entre Portugal e Espanha, data a partir da qual Lamadarcos passou na totalidade para Portugal, conjuntamente com o Cambedo e Soutelinho da Raia, em troca das aldeias do Couto Misto que passaram para e Espanha.

 

 

Lamadarcos tem na sua história esta promiscuidade de dividir a aldeia de um mesmo povo entre duas nacionalidades, mas todas as aldeias da raia têm na sua história esta proximidade com os povos vizinhos do outro lado da fronteira, não só a proximidade física mas também a proximidade de relações (de todos os géneros) entre as aldeias de ambos os lados da raia, como se esta (a raia) nunca tivesse existido, ou que apenas existia quando as autoridades estivessem por perto, e mesmo assim, só e quase quando se transportava contrabando, Mas isto, claro, apenas se aplicava aos povos residentes nessas aldeias, que no geral eram conhecidos pelas autoridades.

 

 

 

Até à abolição das fronteiras na Europa, esta proximidade da raia foi de extrema importância na vida e economia destas aldeias, pois direta ou indiretamente o contrabando e outras atividades clandestinas como a passagem de “peles”[i] fazia parte do dia-a-dia destas aldeias. Claro que onde havia contrabandistas também havia Guarda-Fiscal e a maioria das aldeias da raia tinham postos da GF que no mínimo tinham sempre meia dúzia de guardas, que residiam nessas aldeias com as suas famílias, contribuindo também eles para a vida e economia da aldeia.

 

 

 

Aldeias da raia mas também aldeias do interior e da montanha e daí também elas afetadas pelas maleitas do despovoamento e do envelhecimento das suas populações, mas que nestes casos de aldeias da raia, abolição das fronteiras foi um duro golpe que contribuiu em muito para o agravamento dessa maleita do despovoamento, principalmente nas aldeias mais isoladas e mais distantes da cidade, que não é o caso da nossa aldeia convidada de hoje – Lamadarcos.

 

 

 

Mas tudo isto é história que se repete em todas as aldeias da raia, mas todas elas têm também as suas singularidades e pormenores que as distinguem das outras aldeias. Lamadarcos, graças ao seu passado, tem algumas dessas singularidades, uma delas, nas suas duas igrejas que herdou do tempo da sua promiscuidade, ou seja a igreja portuguesa e a espanhola, que ainda hoje é conhecida por este nome.

 

 

Mas também o seu casario, os campos agrícolas  e caminhos envolventes da aldeia lhe dão um toque diferente ao das outras aldeias. A poente da Cota de Mairos, abrigada por esta, a aldeia desenvolve-se junto a campos planos e férteis o que dá sempre um toque saudável e de verdura à aldeia.

 

 

Pois hoje ficam mais algumas imagens que escaparam às anteriores seleções e seleções, pois também na fotografia, algumas ganham mais interesse com o passar dos anos, tal como o vinho do Porto. Isto para vos dizer também que todas as imagens de hoje são de arquivo e já passaram por elas pelo menos cinco anitos.

 

 



[i] Nome dado à passagem clandestina de pessoas para a emigração, que conheceu os seus dias áureos nos finais dos anos 50 e durante todos os anos 60 do século passado.

 

 

Sobre mim

foto do autor

320-meokanal 895607.jpg

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

 

 

Links

As minhas páginas e blogs

  •  
  • FOTOGRAFIA

  •  
  • Flavienses Ilustres

  •  
  • Animação Sociocultural

  •  
  • Cidade de Chaves

  •  
  • De interesse

  •  
  • GALEGOS

  •  
  • Imprensa

  •  
  • Aldeias de Barroso

  •  
  • Páginas e Blogs

    A

    B

    C

    D

    E

    F

    G

    H

    I

    J

    L

    M

    N

    O

    P

    Q

    R

    S

    T

    U

    V

    X

    Z

    capa-livro-p-blog blog-logo

    Comentários recentes

    • Anónimo

      Assisti a construção das aldeias de Criande e Alde...

    • Cláudia Luís

      Ola bom dia gostaria de saber a morada e o contato...

    • Amiel Bragança

      Com um Abraço votos de Santa Páscoa.Amiel Bragança

    • Anónimo

      Que bom sabermos particularidades da vida de um gr...

    • Fer.Ribeiro

      Obrigado pelo comentário. Em relação ao Chaves Ant...

    FB