Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

CHAVES

Olhares sobre o "Reino Maravilhoso"

23
Nov14

Pecados e picardias

pecados e picardias copy

 

Descia só

pelos atalhos do passado

Ao rebusco, do pó, das perdas e do lado oculto

vestia de branco, num corpo magro

ensombrado num vulto

 

Havia silvas,

sem amoras, e passadiços

sem asfalto, escorriam águas paradas nas bermas

pés doridos, chinelos apertados

pisam lama desolados

 

escurecia,

na indiferença das paixões

nasciam hortências à revelia do outono

dormiam relâmpagos com faíscas

prontos para tempestades

 

apagou o lume,

encheu a botija, já não havia luar…

 

Isabel Seixas in Espólio

23
Nov14

O outono em Agrações

1600-agracoes (318)

 Ontem andámos por Vidago e tal como disse, ainda sobrou tempo para outras realidades, as das aldeias de montanha, do mais alto das montanhas. Agrações é uma delas, onde gosto de ir de vez em quando por várias razões, e ontem, havia mais uma razão, pois como no vale da Ribeira de Oura a chuva se misturava com nevoeiro, era quase garantido que mais lá no alto poderíamos espraiar sobre o nevoeiro o olhar para o horizonte mais distante que ao anoitecer, proporciona sempre vistas a não perder, mas primeiro era preciso subir a bom subir até Agrações.

1600-agracoes (333)

Pelo caminho, uma linha de água que descia apressadamente a montanha chamou a nossa atenção e, como é uma daquelas imagens que não se podem perder, parámos por uns instantes. Nós parámos, a linha de água não. Essa continuou com toda a sua bravura e pressa de engrossar a Ribeira de Oura, para mais tarde engrossar o Rio Tâmega que por sua vez irá engrandecer o Rio Douro para mais tarde se perder no mar. Pois é, o mar também tem um bocadinho do cheiro das nossas montanhas.

1600-agracoes (422)

Mais à frente, já à entrada da aldeia, uma paragem sempre obrigatória, pois chegamos ao “souto dos burros” que vêm sempre ter connosco como que para saber ao que vamos. São mansinhos e gostam dumas carícias, além disso, são sempre bons modelos para uns cliques que sempre gastamos com eles.

1600-agracoes (444)

E finalmente a aldeia, que embora com pouca gente, que os dedos das mãos chegam para contar, temos sempre alguém para dois dedos de conversa e companhia, com quem também aprendemos sempre alguma coisa para além da realidade do viver lá no alto da montanha, a realidade que dói na ausência dos filhos que emigraram e nunca mais voltaram para viver na aldeia, ou do frio que vai amentar quando o nevoeiro resolver subir a encosta e se misturar com o que desce. Já de noite, lançámos em tom de desafio um: – “vamos embora senão ainda temos de ficar para jantar” . E a resposta do bom povo transmontano foi pronta – “ e se tiverem que ficar há sempre mais um lugar à mesa” . Agradecemos e partimos de regresso ao nevoeiro da cidade.

 

Sobre mim

foto do autor

320-meokanal 895607.jpg

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

 

 

Links

As minhas páginas e blogs

  •  
  • FOTOGRAFIA

  •  
  • Flavienses Ilustres

  •  
  • Animação Sociocultural

  •  
  • Cidade de Chaves

  •  
  • De interesse

  •  
  • GALEGOS

  •  
  • Imprensa

  •  
  • Aldeias de Barroso

  •  
  • Páginas e Blogs

    A

    B

    C

    D

    E

    F

    G

    H

    I

    J

    L

    M

    N

    O

    P

    Q

    R

    S

    T

    U

    V

    X

    Z

    capa-livro-p-blog blog-logo

    Comentários recentes

    • Anónimo

      Assisti a construção das aldeias de Criande e Alde...

    • Cláudia Luís

      Ola bom dia gostaria de saber a morada e o contato...

    • Amiel Bragança

      Com um Abraço votos de Santa Páscoa.Amiel Bragança

    • Anónimo

      Que bom sabermos particularidades da vida de um gr...

    • Fer.Ribeiro

      Obrigado pelo comentário. Em relação ao Chaves Ant...

    FB