Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

CHAVES

Olhares sobre o "Reino Maravilhoso"

18
Jan16

Quem conta um ponto...

avatar-1ponto

 

273 - Pérolas e diamantes: o ardil da cultura

 

Quando lemos livros, muitas das vezes iludimo-nos. Outras, desiludimo-nos. É o ardil da cultura. E, por muito que nos custe, só nos desiludimos porque primeiro algo, ou alguém, nos iludiu.

 

Desta vez enfunei-me como uma vela panda ao vento.

 

A primeira desilusão surgiu-me quando alguém alvitrou a hipótese, consistente por acaso, de Os Lusíadas, de Luís de Camões, serem um plágio da Eneida, de Virgílio.

 

Amuei. Mas continuei a ler ambos os livros sem me importar, por aí além, com a insinuação. A dúvida é legítima. Mas não foram só obras ou gestos dos outros que nós tentámos copiar. Também fomos exemplo.

 

De certeza que se lembram dos principais factos relativos aos primeiros anos da nossa história enquanto nação.

 

Lembram-se, com certeza, que a rainha D. Urraca era a regente do Condado Portucalense, nominalmente dependente de Leão e Castela. Após a sua morte, em 1127, sucede-lhe no trono Afonso VII, intitulado “imperador de toda a Hispânia”. De imediato procurou a vassalagem dos demais reinos e também do Condado Portucalense, que desde há algum tempo evidenciava inclinações autonómicas ou mesmo independentistas.

 

Em 1128, o nosso querido e estimado Afonso Henriques, então com o sangue todo na guelra devido aos seus 20 anos, foi eleito chefe dos Barões, grupo de interesses que temia a influência galega sobre Portucale. Diz a história que o receio foi tanto que o futuro rei se viu forçado a batalhar contra as forças da sua própria mãe, Teresa de Leão, na altura perdida de amores por um nobre galego. Estou em crer que o complexo de Édipo teve alguma coisa a ver com a nossa independência, mas essa já é outra história que aqui agora não cabe.

 

O jovem Afonso Henriques vence as tropas dos seus adversários nos campos de São Mamede e assume a liderança política do condado, manifestando desde logo a firme intenção de lutar pela sua independência. E até alargar as suas fronteiras.

 

Preocupado com esta situação, Afonso VII decide fazer um cerco a Guimarães, na altura sede do condado, exigindo da parte do seu primo Afonso Henriques um juramento de vassalagem. Este decide então enviar o seu aio Egas Moniz como mensageiro para comunicar ao imperador que Afonso Henriques aceitava a submissão.

 

Por várias razões, em 1131, Afonso Henriques decide mudar a sua capital para Coimbra. Não só muda de capital como muda de ideias. Cheio de força, resolve anular os laços que o ligavam a Afonso VII. Em 1137 invade a Galiza e trava a batalha de Cerneja, da qual saem vitoriosos os portucalenses.

 

No meio de tudo isto, está um homem que preza a sua palavra acima de tudo. Como Afonso Henriques não cumpriu o acordado, segundo reza a lenda, Egas Moniz desloca-se a Toledo, então a capital do Império, descalço e com uma guita ao pescoço. Acompanhado pela esposa e respetivos filhos, colocou ao dispor do imperador a sua própria vida e a dos seus, como garantia da manutenção do juramento realizado nove anos antes.

 

O imperador, impressionado com tanta honradez, perdoou-o e disse-lhe para voltar em paz a Portucale.

 

Este episódio é recontado por Camões no Canto III dos Lusíadas (estrofes 35-40).

 

Pois lendo o hilariante A Vida e Opiniões de Tristam Shandy fiquei a saber que o gesto de Egas Moniz foi seguido, aquando de um cerco a Calais, por Eustace de St. Pierre, que num gesto de bravura, foi o primeiro a oferecer-se como vítima para salvar os seus concidadãos, elevando assim o seu nome à fileira de heróis.

 

Na rendição de Calais, em 1347, após um ano de cerco levado a cabo pelo monarca Inglês Eduardo III, os habitantes foram salvos de um massacre pelo tal Eustace, que se apresentou perante o rei descalço e de corda ao pescoço.

 

Foi com o aio do primeiro rei de Portugal que aprendemos a ser pobres mas honrados.

 

Aprendemos isto na escola, na altura em que, como escreveu Jorge Luis Borges, qualquer casa era um candelabro onde ardiam as vidas dos homens como velas isoladas.

 

E é citando o escritor argentino que termino por hoje: “Felizmente, o copioso estilo da realidade não é o único; há também o da recordação, cuja essência não é a ramificação dos acontecimentos mas o perdurar de aspetos isolados. É esta poesia a natural da nossa ignorância, e não vou procurar outra.”

 

 João Madureira

18
Jan16

De regresso à cidade com tons de nostalgia

1600-(45245)

 

Mais um fim de semana que já lá vai e como sempre fazemos o regresso à cidade que, com o passar do tempo, vai mudando o lugar onde regressamos, mesmo que os lugares primeiros se mantenham sempre na nossa memória com o carinho que sempre tivemos por eles. É assim quando fazemos regressos à casa onde nascemos, à casa dos pais, às praças e jardins da nossa juventude.

 

O sépia dá sempre um ar de nostalgia às imagens, mesmo que ela seja atual, faz-nos regressar sempre ao passado, por isso, o sépia na imagem de hoje, não é tão inocente assim, embora quando hoje a selecionei não tivesse a mínima intenção de a transformar em sépia, a verdade é que terminou assim como se quisesse regressar ao tempo em que era a este lugar que eu fazia os meus regressos de segunda-feira, mas claro que tal não é possível, embora o Liceu ainda se mantenha por lá, falta o jardim, faltam os bombeiros, a GNR e até o aurora que embora ainda exista, e gostássemos de ir por lá ou não, é uma triste imagem daquilo que era.

 

 

 

Sobre mim

foto do autor

320-meokanal 895607.jpg

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

 

 

Links

As minhas páginas e blogs

  •  
  • FOTOGRAFIA

  •  
  • Flavienses Ilustres

  •  
  • Animação Sociocultural

  •  
  • Cidade de Chaves

  •  
  • De interesse

  •  
  • GALEGOS

  •  
  • Imprensa

  •  
  • Aldeias de Barroso

  •  
  • Páginas e Blogs

    A

    B

    C

    D

    E

    F

    G

    H

    I

    J

    L

    M

    N

    O

    P

    Q

    R

    S

    T

    U

    V

    X

    Z

    capa-livro-p-blog blog-logo

    Comentários recentes

    • Fer.Ribeiro

      Pois não sei, mas posso tentar saber.

    • Anónimo

      O post está muito bom. Já agora aproveito para per...

    • TELMO A.R.RODRIGUES

      Cara amigo Luis Sancho o meu é Telmo Afonso R. Rod...

    • Anónimo

      Parabéns pelo seu trabalho, que é de louvar. Sobre...

    • Anónimo

      Gostaria imenso de obter a genealogia da família A...

    FB