Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

CHAVES

Olhares sobre o "Reino Maravilhoso"

01
Mar16

6 - Chaves, era uma vez um comboio…

800-texas

 

O NOSSO CAMBOIO

 

O ramal de caminho-de-ferro do Corgo/Tâmega ligava a cidade de Trajano ao Peso da Régua, onde encontrava a linha do Douro.

 

A 25 de Maio de 1905, foi inaugurado o troço entre a Régua e Vila Real.

 

A 15 de Julho de 1907, o comboio já chegava às Pedras Salgadas.

 

A 20 de Março de 1910 a Vidago. Quedou-se por ali alguns anos, devido à indecisão quanto à margem do Tâmega que seguiria até Chaves e também pelas dificuldades da intervenção lusa na Grande Guerra.

 

A 20 de Junho de 1919, atravessou o Tâmega para a sua margem direita e chegou a Curalha.

 

A 21 de Agosto do 1921, o comboio estava em Chaves.

 

A ligação por via-férrea à Invicta, estava, finalmente, conseguida. Num tempo em que as estradas eram caminhos de cabras e os veículos automóveis estavam na alvorada, o comboio representava um progresso extraordinário. O Vale do Tâmega parecia livrar-se, por fim, do ostracismo a que esteve votado séculos, quer pelo isolamento a que o Marão, o Alvão, o Barroso e o Gerês o sujeitavam, quer pelo desprezo dos de Lisboa que, mesmo hoje, continuam a riscá-lo do mapa. Por isso, a obra era motivo de grande orgulho e de muita admiração.

 

Ninguém descia à Veiga que não visitasse a estação para ver o camboio.

 

Era um meio de transporte fantástico. Rapidíssimo! Tanto assim que não chegava a gastar quatro horas para percorrer os noventa quilómetros que separam Chaves da Régua! Esbaforido, galgava encostas e vales como as cabras as penedias e trazia novidades da cidade grande. Também levava esperanças da pequena.

 

Quem viajasse em primeira classe, dava-se à mordomia de bancos estofados. Os da segunda sentavam-se nos de madeira, e os da terceira viajavam de pé como o gado, entre os coelhos, as galinhas e as hortaliças que se vendiam pelos mercados. O Texas, como lhe chamavam, transportava muita gente. Eu próprio viajei inúmeras vezes. Recordo, com nostalgia, as viagens que fazia, nos dias de verão, para a piscina do Palace Hotel de Vidago. De regresso, enquanto o comboio, estafado pelos socalcos do Corgo, contornava as colinas do Tâmega, ia-se às uvas e caçava-se adiante.

 

CP0059.jpg

CP0059 - Locomotiva: CP E202, Data: 1969, Local: Vidago, Portugal, Slide 35mm

 

Quem viajasse armado em tirone, calça clara ou camisinha branca, ou em flausina, vestidinho níveo, chegava ao fim da viagem careto! O fumo do carvão de pedra era tão espesso, que sujava tudo. Mesmo com as ventanas fechadas entranhava-se até aos ossos.

 

Mas mais do que pessoas e bens, o comboio transportava os sonhos e as fantasias dos flavienses. Para muitos representava até o passaporte, a oportunidade, para um mundo outro!

 

Corriam os anos trinta e o Ti Morgado de Fornelos, homem de grande lavoura, tinha muita família no Porto. Ora, o comboio, mesmo a dezassete quilómetros, representava uma mais-valia, não só para a deslocação da gente, mas também para o negócio da batata de semente que chegava mais fresca ao húmus da Póvoa de Varzim. Possibilitava, ainda, fazer chegar à família tripeira os mimos do Planalto. Na volta trazia as novidades da civilização. Além do mais, permitia encontros amiudados entre os membros da família. Aos criados da casa estava incumbida a missão de fazer a ponte entre a estação e a casa de Fornelos. Era mais fácil e proveitoso do que ir ao Vidago. Andavam sempre aspadinhos por este trabalho, pois representava uma raríssima ocasião de irem à cidade, mas, sobretudo, de verem o camboio.

 

O Manuel Soqueiro, artista a talhar socos em pau de amieiro, foi criado na casa do Morgado, até contrair matrimónio e botar lavoura própria. Contudo, sempre que fosse preciso, estava às ordens e não se fazia rogado às ajudas mais pesadas.

 

Corria o mês do arranque da batata – o ouro do Planalto – e não havia braço que se livrasse desta safra. Ao mesmo tempo, acabavam as férias dos velhotes do Porto que vinham ao Brunheiro tomar ares. Não tardava o inverno, insuportável para os da beira-mar. Por isso, era preciso levá-los ao comboio. Não havendo criado disponível, recorreu-se ao Soqueiro.

 

Na madrugada de um derradeiro sábado de setembro, ainda o sol não espreitava dos lados da Terra Quente e já os bois galegos estavam pensados, jungidos e atrelados ao carro, amparados pelos ladranhos e apertados aos estadulhos, montaram-se dois bancos corridos sobre a mesa do carro, para maior conforto dos viajantes.

 

Toca para a cidade, rilhando o macadame da nacional 314!

 

CP0102.jpg

 CP0102 - Locomotiva: CP E206, Data: 1973, Local: Vila Pouca de Aguiar, Portugal, Slide 35mm

 

O Manuel era pai da Rita Soqueira, uma catraia abonada de carnes, nas suas doze primaveras. Porém, Rita era grossa como a casca das carvalhas da touça fronteira ao pardieiro em que sobreviviam. E não admirava, pois só conhecia mundo até onde a vista alcançava! Santa Leocádia, a quilómetro e meio de Fornelos, onde ouvia a missa de domingo, era o sítio mais longínquo que já tinha percorrido. Por isso, era uma boa oportunidade de lhe desvirginar os horizontes, levando-a à fim do mundo, a cidade de Chaves.

 

Chegaram à estação por volta do meio-dia. Como o comboio só partia à uma, ainda havia tempo para a merenda e para uma visita guiada. O pai, na companhia do velho Lopes, não perdeu a oportunidade de mostrar o camboio à sua piquena, explicando-lhe, com a erudição planáltica, os mais ínfimos pormenores:

 

– Olha, Rita, esta casa grande de prepianho é a estação do camboio. Aquela mais piquena o mijatório! Do oitro lado são os almazéns das mercadorias. É aqui, na gare, que a gente embarca e lá drento da estação despacham-se as encomendas p'ró Porto e tiram-se os bilhetes. Bês estas linhas de ferro no tchão em cima das bigas de madeira? São os carriles, a estrada por onde o camboio anda. Aquela casinhota que está lá na frente a botar fumo é a lacomotiba que putxa estas gaiolinhas que são as carruaijes. As que têm jinelas são para a gente, as fitchadas para as encomendas e para os animais. Aqueles homes do boné engatam as gaiolas umas nas oitras, com umas correntes e formam o camboio. Ódespois a mánica apita, arrenca e puxa o camboio, mas só quando o chefe da estação dá orde de partida com um assobio. A mánica tem lá drento um fogão de lenha como o de casa do senhor Morgado, mas muito maior! Atão o maquenista atafulha-o de carbão-de-pedra, risca um palhito e bota-le o fogo. O carbão alabareia-se e aquece duas ou três pipas de áuga que a lacomotiba tem no butcho. A água ferbe e o bapôr faz andar as rodas do camboio, como os potes na lareira alebantam os testos, nos dias das segadas, quando ferbem!

 

A rapariguita estava banzada! A boca escancarava-se-lhe de espanto e os olhos de emoção! A realidade era ainda mais estranha, fascinante e maravilhosa, do que as histórias dos comboios que lera nos livros da escola de Adães!

 

Prometera a si mesma que em casando havia de andar de camboio! - De facto veio a consegui-lo, como emigrante para a França!

 

CP0149.jpg

 CP0149 - Locomotiva: CP E54, Data: 1970, Local: Não identificado, Portugal, Slide 35mm

 

A emoção era de tal ordem que a sua cabeça rodopiava de ideias e de dúvidas:

 

– Ó pai e quando o camboio arrenca a estação vai atrás dele?!..

 

O pai não lhe respondeu, não sei se por não saber a resposta, se por o chefe da estação ter dado ordem de partida:

 

– Fiiiiiiiiiiiiii-uíííííííííííííííí-iiiiiiiiiiiiiiiiiiiii…

 

O comboio abriu as goelas, botou duas golfadas de fumo negro, espirrou vapor pelas partes e arrancou para a Régua.

 

– Pouca…….-…….terra; pouca….-……terra; pouca…-…terra; pouca..-..terra; pouca-terra; pouca-terra; pouca-terra; pouca-terra; pouca-terra!....................................

 

A Rita não aguentou, não sei se do medo se da emoção! Fugiu, espavorida, para o largo da estação! Porém, ainda ouviu o comboio a apitar, roufenho, na passagem de nível do Asilo, junto à casa do Mija na Garrafa!

 

– Huiiiiiiiiiiiiiiii……..Huiiiiiiiii……..Huiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii!..

 

Em Janeiro de 1990, o ramal do Tâmega foi encerrado.

 

Infelizmente quem manda anda cego! Não percebeu que o prejuízo da supressão será no futuro, que já é hoje, pesadíssimo, para quem anda a ser sistematicamente espoliado!

 

É mais um esbulho que, a juntar a tantos outros, faz dos transmontanos portugueses de terceira.

 

Gil Santos

 

 

In “Memórias de uma Linha – Linha do Corgo – Chaves”, Agosto de 2014

Edição Lumbudus – Associação de Fotografia e Gravura

 

Fotografias – Propriedade e direitos de autor de Humberto Ferreira (http:outeiroseco-aqi.blogs.sapo.pt)

Gentilmente cedidas para publicação neste post.

 

 

Sobre mim

foto do autor

320-meokanal 895607.jpg

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

 

 

Links

As minhas páginas e blogs

  •  
  • FOTOGRAFIA

  •  
  • Flavienses Ilustres

  •  
  • Animação Sociocultural

  •  
  • Cidade de Chaves

  •  
  • De interesse

  •  
  • GALEGOS

  •  
  • Imprensa

  •  
  • Aldeias de Barroso

  •  
  • Páginas e Blogs

    A

    B

    C

    D

    E

    F

    G

    H

    I

    J

    L

    M

    N

    O

    P

    Q

    R

    S

    T

    U

    V

    X

    Z

    capa-livro-p-blog blog-logo

    Comentários recentes

    • Fer.Ribeiro

      Pois não sei, mas posso tentar saber.

    • Anónimo

      O post está muito bom. Já agora aproveito para per...

    • TELMO A.R.RODRIGUES

      Cara amigo Luis Sancho o meu é Telmo Afonso R. Rod...

    • Anónimo

      Parabéns pelo seu trabalho, que é de louvar. Sobre...

    • Anónimo

      Gostaria imenso de obter a genealogia da família A...

    FB